sábado, dezembro 31, 2005

MEDICAMENTO RACISTA

Do «Santos da Casa»:
Quem sofre de hipertensão conhece o medicamento de nome Cozaar, reputado de grande eficácia no controlo da tensão arterial elevada. Mas essa eficácia não se verifica com pacientes negros, de acordo com a literatura que acompanha o remédio, e como pode ser aqui confirmado.
Aguarda-se a todo o momento a reacção indignada das associações anti-racistas e demais circenses anti-discriminação.
Para os arautos da igualdade e promotores da ideia de que as diferenças entre as raças são mínimas o melhor é lembrarem-se da velha máxima anarquista pintada em algumas paredes de Lisboa durante vários anos: «Aquietai-vos, é a realidade que se engana».



O site do medicamento pode ser acedido clicando nas letras abaixo:
COZAAR and HYZAAR are indicated to reduce the risk of stroke in patients with hypertension and left ventricular hypertrophy, but there is evidence that this benefit does not apply to black patients.


Quer isto dizer que o sacana do medicamento não sabe que não existem raças, e também não sabe que, se existem raças, elas dependem do olho que as vê...

CAUCASÓIDES NA AMÉRICA HÁ MILHARES DE ANOS

De acordo com pesquisas genéticas e arqueológicas, já há dezassete mil anos que havia Europeus a circular pelo continente americano.

Mais um artigo:

It’s Official: Whites WERE The First Americans

11 November 2005

Move over, “First Nations” - you have it wrong. The very latest DNA research has now proven conclusively that DNA lineage predominantly found in Europe got to the Great Lakes at least 15,000 years ago, and possibly earlier - several thousand years before Indians made it across the Bering Straits. Whites were the first Americans after all.
According to Douglas Wallace, a geneticist at Emory University, the “first migration was 20,000 to 30,000 years ago." Speaking during a BBC Two television program to be aired on Thursday 21 November at 9pm GMT, Wallace said the DNA profile of the Ichigua Native American tribe showed a lineage that was clearly European in origin, too old to be due to genetic mixing since Columbus' discovery of the New World. Instead it dated to Solutrean times – 20,000 – 30,000 BP (Before Present.)
Wallace's genetic timelines show the Ice Age prompted a number of migrations from Europe to America. It looks highly likely that the Solutreans were one. “Genetics, anthropology and a few shards of flint combined to overturn the accepted facts and to push back one of the greatest technological changes that the Americas have ever seen by over five millennia,” says the BBC on its website in preparation for the program.
The accepted version of the first Americans starts with a flint spearhead unearthed at Clovis, New Mexico, in 1933. Dated by the mammoth skeleton it lay beside to 11,500 years ago (11.5kya), it was distinctive because it had two faces, where flakes had been knapped away from a core flint. There seemed to be nothing human before Clovis. Whoever those incomers were around 9,500BC, they appeared to have had a clean start. And the Clovis point was their icon - across 48 states. The traditional view of American prehistory was that Clovis people traveled by land from Asia.
This version was so accepted that few archaeologists even bothered to look for artefacts from periods before 10,000BC. But when Jim Adavasio continued to dig below the Clovis layer at his dig near Pittsburgh, Pennsylvania, he found blades and blade cores dating back to 16,000BC. His findings were dismissed as erroneous; too astonishing to be credible. The Clovis consensus had too many reputations behind it to evaporate easily. Some archaeologists who backed Adavasio's conclusions with other similar data were accused of making radiocarbon dating errors or even of planting finds.
Decisive evidence would have to come from an independent arena. Douglas Wallace studies mitochondrial DNA, part of the human chromosomes that is passed unchanged from mother to daughter. It only varies when mistakes occur in the replication of the genetic code.
Conveniently for Wallace's work (piecing together a global history of migration of native peoples) these mistakes crop up at a quite regular rate. The technique has allowed Wallace to map the geographical ancestry of all the Native American peoples back to Siberia and northeast Asia.
The route of the Clovis hypothesis was right. The date, however, was wrong - out by up to 20,000 years. Wallace's migration history showed waves of incomers. The Clovis people were clearly not the first humans to set foot across North America.
Dennis Stanford went back to first principles to investigate Clovis afresh, looking at tools from the period along the route Clovis was assumed to have taken from Siberia via the Bering Strait to Alaska. The large bifaced Clovis point was not in the archaeological record. Instead the tools used microblades, numerous small flint flakes lined up along the spear shaft to make its head.
Wallace's DNA work suggested migration from Asia to America but the Clovis trail contradicted it. Bruce Bradley stepped in to help solve this dichotomy, bringing with him one particular skill: flintknapping and the ability to read flint tools for their most intimate secrets.
He spotted the similarity in production method between the Clovis point and tools made by the Solutrean neolithic (Stone Age) culture in southwest France. At this stage his idea was pure hypothesis, but could the first Americans have been European?
The Solutreans were a remarkably society, the most innovative and adaptive of the time. They were among the first to discover the value of heat treating flints to increase strength. Bradley was keen to discover if Solutrean flintknapping styles matched Clovis techniques. A trawl through the unattractive flint offcuts in the storerooms of a French museum convinced him of the similarities, even though five thousand kilometres lay between their territories.
The divide was more than just distance; it crossed five thousand years as well. No matter the similarities between the two cultures, the possibility of a parallel technology developing by chance would have to be considered. More evidence emerged from an archaeological dig in Cactus Hill, Virginia. A bifaced flint point found there was dated to 16kya, far older than Clovis.
Even more startling was its style. To flintknapper Bruce Bradley's eye, the Cactus Hill flint was a technological midpoint between the French Solutrean style and the Clovis points dating five millennia later. It seemed there is no great divide in time. The Solutrean flint methods evolved into Clovis.
If time could be discounted, Bradley's critics pointed to an obstacle that was hardly going to go away: crossing the Atlantic Ocean in small open boats. How could Stone Age people have made such an epic journey, especially when the Ice Age maximum would have filled the Atlantic with icebergs.
Dennis Stanford returned to his earlier hunch, looking for clues among the Arctic Eskimo peoples. Despite the influx of modern technologies, he was heartened to discover that traditional techniques endured. Clothing makers in Barrow, Alaska, recognised some Solutrean bone needles he showed them as typical of their own. The caribou skin clothing the Inuit still choose to wear could equally have been made by people in 16,000BC. And for Eskimo peoples the Arctic is not a desert - but a source of plentiful sea food. If the Solutreans had the Clovis point it would have made a formidable harpoon weapon to ensure a food supply. Would modern Eskimo ever consider a five thousand kilometre journey across the Atlantic?
The answer it seems is yes - they have undertaken similar journeys many times. Most encouraging was the realisation that Inuit people today rely on traditional boat building techniques. 'Unbreakable' plastic breaks in the unceasing cold temperatures whereas boats of wood, sealskin and whale oil are resilient and easily maintained. The same materials would have been available to Solutrean boat builders. Even if the Stone Age Europeans could make those boats, would it survive an Atlantic crossing?
Stanford believes the boats' flimsiness is deceptive. With the Atlantic full of ice floes it would be quite possible for paddlers in open boats to travel along the edges, always having a safe place to haul out upon if the weather turned in.
All this evidence was still essentially circumstantial, making the Solutrean adventure possible not proven. However, Douglas Wallace’s DNA mapping has proven it to be correct.
“The impact of this new prehistory on Native Americans could be grave. They usually consider themselves to be Asian in origin; and to have been subjugated by Europeans after 1492. If they too were partly Europeans, the dividing lines would be instantly blurred,” writes the BBC.

sexta-feira, dezembro 30, 2005

DISCRIMINAÇÃO POSITIVA... POR SARKOZY

O político «duro» franciú que se atreveu a chamar escumalha à escumalha, não demorou muito a ceder ao politicamente correcto - Sarkozy já apela à discriminação positiva para garantir igualdade de oportunidades sócio-económicas.

Enfim, ainda bem que o fez. Aparentemente, não falou em quotas étnicas, mas irá fazê-lo, tarde ou cedo, introduzindo-as com outro nome. É preciso que os camaradas nacionalistas tratem de divulgar esta atitude para que o povo perceba bem quem é Nicholas Sarkozy.

E assim se desimpede o caminho para que Le Pen reúna o eleitorado que é seu por direito.

ATÉ QUE ENFIM, ALGUÉM DIZ QUE O «REIZINHO» (DA JUMENTUDE) VAI NU



Do Diário de Notícias, via Fórum Nacional,

Ribeiro e Castro, considerou ontem "preocupante" que haja jovens que têm como ícone Che Guevara, "um dos grandes assassinos do final do século XX". O líder do CDS defendeu que "é importante que a esquerda se saiba libertar dessas suas referências tremendas de violência, crueldade e intolerância".
Palavras que surgem na sequência de duras críticas feitas, quarta-feira, por José Sócrates, que então qualificou como "irresponsáveis" declarações do presidente do CDS, em que este defendia que a origem do terrorismo está na esquerda. Uma ideia que este ontem reiterou "A esquerda tem responsabilidades em grandes males do mundo. Isso é indiscutível". "Olha-se para o cortejo de miséria na África contemporânea e sabe-se que isso é devido a regimes de esquerda que têm governado o continente", apontando também os regimes de Cuba e Coreia do Norte. " O terrorismo contemporâneo tem origem numa deriva totalitária do pensamento marxista-leninista" e isso "tem que estar presente no consenso do combate ao terrorismo", defendeu o líder do CDS, qualificando as críticas de Sócrates como "disparatadas, deslocadas e excessivas".


Até que enfim que alguém diz o óbvio...

O que o centrista disse é verdade e todos os que conhecem um mínimo da história de Guevara o sabem. No entanto, têm-se calado até agora, todos, unanimemente, facto muito significativo.
Assim, só os nacionalistas se revoltam contra a moda de ostentar a carantonha de tal assassino em t-shirts, enquanto todo e qualquer sujeito em cuja indumentária figure por exemplo uma imagem de Rudolf Hess (que não matou ninguém) é considerado pelo sistema dominante como um marginal e um apologista da violência.

PODER FINANCEIRO MUÇULMANO NO OCIDENTE - DA IMIGRAÇÃO À BANCA

Para quem costuma pensar que os Judeus é que controlam a banca toda do Ocidente - veja-se como a imigração vinda do mundo islâmico sustenta o poder financeiro muçulmano na Europa, coisa que o Jihad Watch já tinha observado:

LONDRES, CENTRO INTERNACIONAL DE LA BANCA ISLÁMICA

Foro Internacional de las Finanzas Islámicas

¿Cuál es la mayor banca del mundo que opera en base a criterios islámicos? Según se recoge en la web del integrismo islámico español, WebIslam, y aunque parezca mentira, el norteamericano Citigroup, el primer grupo bancario del mundo. Entonces ¿es Nueva York el centro financiero del Islam? No. Ese papel lo cumple Londres. Así revela un detallado estudio difundido por Internet, que señala que 15% de los fondos manejados cada año por los grandes bancos occidentales en Londres es de origen musulmán.
En Londres se realizan cada día gran número de operaciones financieras islámicas canalizadas con preferencia a través del Citigroup, HSBC (antes, Hong Kong & Shanghai Banking Corporation), Société Générale. Deustche Bank, BNP Paribas o ABN Amro.
A pesar de que La Sharia, como el Talmud, prohíbe la especulación financiera a las empresas musulmanas, la usura se sortea introduciendo el concepto de coparticipación –"mud’arabá"- en riesgos y beneficios financieros, es decir, otro engaño en la larga lista a la que ya estamos acostumbrados.
Hay que destacar también la reciente implantación del Islamic Bank of Britain (IBB), fundado en noviembre de 2004, el 80% de cuyo capital social (100 millones de dólares) pertenece a personalidades del Golfo Pérsico. El IBB es el primer banco islámico en Europa, creado para atender a las necesidades de los clientes musulmanes. La sede del banco se encuentra en la calle Edgware Road, en el corazón de la City londinense. La Junta Directiva del IBB esta dominada por financieros británicos, sin ningún nexo perceptible con el Islam. Desde su inauguración, el banco ha conseguido una gran cantidad de clientes del Reino Unido y el extranjero que seguramente nada saben de lo que se esconde tras esas siglas comerciales, ya que se utilizan las IBB y no la denominacion completa. El Banco comenzó sus actividades con un capital inicial de 14 millones de libras. Más tarde amplió este capital con otros 40 millones de libras más.
Según el director de operaciones del banco, Michael Nalón. "No operamos con dinero, sino que proporcionamos bienes y servicios físicos a nuestros clientes."
Según ha podido saber MinutoDigital, el banco comenzará este año a funcionar en Internet y a ofrecer hipotecas. El horario del banco es idéntico a un banco normal, con la excepción de los viernes, cuando el banco cierra entre las 13 y las 15 horas para que sus empleados acudan a la oración en la mezquita.
El pasado mes de septiembre se celebró el Foro Internacional de las Finanzas Islámicas en Estambul, al que acudieron decenas de entidades financieras islámicas. Personalidades del campo económico de más de 50 países participaron en el evento. Entre los temas de la agenda estuvo la regulación legal de los bancos islámicos en Occidente y en los países musulmanes, en especial en Turquía, donde la banca islámica ha florecido en los pasados años.

quinta-feira, dezembro 29, 2005

O TERROR BOMBISTA DÁ ÀS AUTORIDADES EUROPEIAS UM IMPULSO PARA FAZEREM AS VONTADES TODAS AOS MUÇULMANOS?

O artigo, só por si, diz tudo, pelo que me abstenho de o comentar:

El 18 de diciembre de 2003 entró en el registro de la Gerencia de Urbanismo del Ayuntamiento de Sevilla una carta de Miguel Ángel Ruiz Callejas, presidente de la comunidad islámica en España, proponiendo la construcción de un centro similar a la mezquita de Granada y pidiendo un terreno de «4.000 a 6.000 metros cuadrados en la zona del río Guadalquivir que garantizara el éxito del proyecto» de construcción de una mezquita.

En la misiva destaca que la construcción debería tener, en esencia, «zona semipública ajardinada para recepción de visitantes, lugar de culto para musulmanes de todo el mundo y un centro cultural de encuentro de culturas y desarrollo de las ciencias relacionadas con el Islam».

Tan sólo ocho días después de la masacre del 11 M en Madrid, el Director de Área de Urbanismo del ayuntamiento de Sevilla, Demetrio Pérez carretero, se entrevisto con el lider radical islámico Malik Ruíz Callejas para ofrecerle los terrenos de Los Bermejales para la construcción de la mezquita. Cinco días después el grupo islámico aceptaba por escrito la cesión de los terrenos.

Que la reunión se celebrase pocos días después de la masacre de Madrid y la prontitud en la respuesta han levantado todo tipo de comentarios entre los vecinos de Los Bermejales y Sevilla tras conocer el documento que ha llegado a Minuto Digital.

La opinión de la presidenta de la asociación vecinal Bermejales 2000, Conchita Rivas, sobre la velocidad con que la comunidad islámica ha conseguido los terrenos para la mezquita no se ha hecho esperar: « es algo asombroso, cómo a ellos les hacen caso y de nosotros hacen oídos sordos». «Tanta rapidez -agrega Rivas- da que pensar... y mucho. Por tanto, estamos más que indignados porque nosotros no tenemos servicios básicos:centro cívico, comisaría, instituto, centro de salud, centro de día para mayores, mercados de abastos, estafeta de correos, zonas deportivas, biblioteca y unos semáforos, que deberían haber estado funcionando en 2002».

A VONTADE DE ENGANAR QUE É TÍPICA DOS IMPERIALISTAS

Os castelhanistas do Minuto Digital não se conformam com o facto de que existem várias nações em Espanha e que todas estas nações merecem igual soberania.

Por conseguinte, dá-lhes para inventarem culpas que não existem - afirmam agora que a Direita que estava no poder em 1978 fez mal em reconhecer as fronteiras administrativas que actualmente dividem a Espanha, fronteiras essas que datavam do tempo da república esquerdista, isto é, anterior ao Franquismo:
La derecha de entonces, una derecha que venía del franquismo militante y que había tenido la inteligencia de pilotar la transición, acertó plenamente en su apuesta por un régimen de libertades plasmadas constitucionalmente. Sin embargo cometió un gigantesco despropósito al diseñar la organización territorial del estado retomando y dando por valido el proyecto desarrollado durante la II República. En efecto, entonces nació ese complejo de la derecha española que quería borrar su pasado no democrático y que se adueñó de sus dirigentes, que ignoraron que la izquierda también tenia un pasado poco democrático. Fruto de ese complejo el equipo de Suárez pretendió ingenuamente solucionar el problema vasco y catalán dotando a dichos territorios de un estatuto de signo federal, aunque disimulado en su denominación, en la creencia de la lealtad de los nacionalistas con una cuota de autogobierno


Ou seja, queriam os Castelhanistas que os Catalães, os Bascos e os Galegos permanecessem «leais», isto é, subordinados a Castela e obrigados a aprender o Castelhano como língua nacional. Um descaramento de que só um imperialista é capaz.

Pretendiam também aldrabar as reais fronteiras das nações ibéricas de modo a dilui-las... não percebem que o desrespeito pelas identidades étnicas dá sempre mau resultado. E tanto não percebem que, no fim do artigo, até citam a Jugoslávia, que é precisamente um exemplo de um Estado artificial que tanto tempo esmagou as nacionalidades que, mais tarde ou mais cedo, estas tinham de vir ao de cima - mas, como não foram devidamente respeitadas na devida época, a sua forma de manifestação foi especialmente violenta.

quarta-feira, dezembro 28, 2005

A ÁGUIA AMERICANA JÁ ENCARA O INIMIGO MUÇULMANO DE FRENTE?

O Pentágono reconhece finalmente a ameaça islâmica.

Depois de passarem umas décadas a evitar chamar os bois pelos nomes, limitando-se a declarar uma guerra ao «terrorismo» sem especificar a que terrorismo se referiam, decidiram agora, recentemente, sair a terreno e assumir o confronto com os terroristas... muçulmanos.


O presidente Bush já tinha atirado a primeira pedrada quando, em discurso recente, falou contra os «radicais islâmicos», e não apenas contra os terroristas, mesmo que, entornando um bocadito o caldo, resolva dizer que o radicalismo nada tem a ver com a religião em si (mas talvez o faça por questões de mera diplomacia); agora, pela primeira vez, o Pentágono reconhece abertamente a ameaça islâmica.

Até há pouco tempo, tudo indicava que não havia estudos da «inteligência» americana sobre a ligação directa do livro sagrado islâmico ao terrorismo muçulmano. Mas, aparentemente, isto está a mudar - diz um relatório do Pentágono:
"Today we are confronted with a stateless threat that does not have at the strategic level targetable entities: no capitals, no economic base, no military formations or installations, (...). Yet political Islam wages an ideological battle against the non-Islamic world at the tactical, operational and strategic level. The West's response is focused at the tactical and operation level, leaving the strategic level -- Islam -- unaddressed.
"Islam is an ideological engine of war (Jihad) and no one is looking for its off switch.""

ou seja,
«Estamos hoje confrontados com uma ameaça sem Estado que não tem ao nível estratégico entidades susceptíveis de serem atingidas: nem capitais, nem base económica, nem formações ou instalações militares (...). No entanto, o Islão político empreende uma batalha ideológica contra o mundo não islâmico a um nível táctico, operacional e estratégico. A resposta do Ocidente está focada no nível táctico e operacional, deixando o nível estratégico - o Islão - sem receber o devido tratamento. O Islão é uma máquina de guerra ideológica (jihad) e ninguém anda à procura do botão que a desliga.»

Debelando dúvidas a respeito da origem da violência islâmica actual - se lhe vem da própria doutrina ou se resulta de uma radicalização recente - os mais argutos observadores do baluarte dos cinco lados estão a começar a perceber que a guerra santa muçulmana sempre foi de carácter físico, militar, verdadeiramente imperialista.

Ou seja, o problema não está no Bin Laden - o problema já vem do próprio Maomé.

Os mesmos estrategas têm também prestado atenção às manobras de organizações caritativas islâmicas que mais não são do que fachadas para alimentar a máquina de guerra muçulmana.

Entendem também algo que devia ser bradado aos quatro ventos por toda a Europa - que se os Norte-americanos não sofreram mais ataques como o de 11 de Setembro, tal deve-se tão somente ao facto de que a sua população muçulmana é relativamente reduzida...

Percebem igualmente que a conquista islâmica tem três fases:
- a fase pacífica, quando a comunidade muçulmana em país estrangeiro é muito pequena;
- a fase militante, quando o número de muçulmanos a viver em determinado país lhes permite fazer reivindicações nesse país;
- a fase militante impositiva, quando as dimensões da «minoria» muçulmana lhes permitem já levar a cabo acções de pura violência, como se viu recentemente em França.

Há muito mais para saber sobre o assunto... leiam, leiam...

MAIS UMA ACHEGA PARA QUEM QUER AFIRMAR QUE O TERRORISMO ISLÂMICO «É POR CAUSA DO IRAQUE»


LOS TERRORISTAS PLANEARON ATAQUES EN LONDRES ANTES DE LA INVASIÓN DE IRAK
El alcalde de Londres, Ken Livingstone, ha declarado que los terroristas islámicos quisieron atentar en Londres varias veces desde el 11-S, antes incluso de que tropas británicas participaran en la invasión de Irak.
La invasión de Irak no explica ni los atentados perpetrados en Madrid en vísperas de las elecciones de 2004 ni los ocurridos en Londres el 7 de julio pasado, en los que fueron asesinadas 52 personas. Entonces, habrá que buscar las causas del odio de amplios círculos de mahometanos a Occidente en otros asuntos.
El alcalde de Londres, el izquierdista Ken Livingstone, que se ha enfrentado en varias ocasiones con el primer ministro Tony Blair, afirmó ayer en la BBC que las células de terroristas islámicos trataron de atentar en Londres al menos ocho veces entre el 11 de septiembre de 2001 y el 7 de julio de 2005. No ha dado más datos sobre estos atentados frustrados. También añadió que el 21 de julio la capital británica estuvo a punto de sufrir más atentados.
Livingstone añadió que los terroristas son ”grupos pequeños y desorganizados". "Esto no es una gran organización internacional con órdenes fluyendo", añadió.
De esta manera, no habría relación entre el ataque militar a Irak y los atentados sufridos en Europa por culpa de los islamistas. Por tanto, los planes para matar ‘infieles’ por todo el mundo son anteriores incluso a la presidencia de George Bush. La realidad es que Al-Qaeda y otras bandas terroristas empezaron a cometer atentados en los años 90.
¿Tendrán razón quienes sostienen que el conflicto entre Occidente y el islam es anterior incluso al establecimiento del Estado de Israel, en 1948, y a las Cruzadas? Por ejemplo, José María Aznar afirmó en la Universidad de Georgetown que el objetivo de Al-Qaeda de conquistar España comienza con la invasión de la España visigoda por los mahometanos, en el año 711.

PONTO DE REFERÊNCIA SOBRE O ISLÃO

Texto sucinto que resume o essencial do Alcorão sobre a incitação à violência contra os infiéis, a chamada «jihad».

Um exemplo clássico, indesmentível:
[Sura 9:29] Revidarás contra os que não acreditam em Deus, nem no Último Dia, nem proíbem aquilo que Deus e o Seu mensageiro proibiu, nem aceitam a religião da verdade - entre aqueles que receberam a escritura - até que paguem o devido imposto, sentindo-se submetidos.

Outro, mais explícito ainda:
[Sura 8:39]E combate-os até que não haja mais perseguição e a religião seja toda para Alá; mas se eles desistirem, Alá é testemunha do que eles fazem.

E aqueles que, convertidos ao Islão, o quiserem posteriormente abandonar (apostasia, portanto), incorrem em pena de morte, como acontece ainda hoje em vários países muçulmanos.

terça-feira, dezembro 27, 2005

DIREITOS, POLÍTICA, INDIVÍDUOS, NAÇÕES

A respeito de um pergunta que o camarada Rebatet, do blogue Batalha Final, me fez há umas semanas numa caixa de comentários, a respeito do problema de harmonizar a liberdade individual com o dever para com o povo, reforço o que já tinha dito: esta harmonização deve suceder numa sociedade em que o indivíduo não se veja como separado, na sua identidade, do Povo de que faz parte.
A salvaguarda da identidade nacional é por isso algo que está acima do livre arbítrio de qualquer um, como é evidente, tão somente porque, uma vez que a liberdade de um indivíduo termina onde começa a liberdade do outro, tem-se que um indivíduo não pode pôr em risco o que aos outros também pertence, a saber, neste caso, a Nação.

E é assim que o Génio Nacional deve ter um direito soberano em cada Estado.

Há quem despreze de tal modo a vontade do Povo que a queira castrar, transformando toda uma Nação num rebanho obediente a pastores iluminados. Tenho para mim que este desprezo para com o Povo não passa de um temor de impotentes que, por falta de argumentos, não querem ver as suas tíbias certezas mandadas às urtigas por parte de uma população «deseducada», leia-se, não domesticada por «princípios» dogmáticos e mutiladores das verdadeiras identidades.

Por conseguinte, ficam em pânico perante a própria ideia de Democracia, e de ver o Povo a escolher o seu próprio destino, e os seus próprios líderes, caindo no ridículo de lhe chamar «totalitarismo rousseuniano».

Ora não foi Rosseau que inventou isso, se é que inventou algo de semelhante a isso. Na verdade, a ideia do líder eleito entre iguais que é vigiado pelos seus iguais, já era praticada na antiga Europa germânica antes da conquista romana.
Numa sociedade realmente justa e democrática, o líder nada mais é do que um administrador eleito pelo Povo, e que é mantido no seu lugar apenas enquanto corresponder à vontade popular. Para o problema da falta de estabilidade é que existe o prazo de quatro a cinco anos que dura, em princípio, o mandato de um líder governativo...

Assim, quem neste contexto denuncia o «totalitarismo rosseuniano», está na verdade a fazer um malabarismo de palavras para amaldiçoar a própria Liberdade dos povos, advogando em vez disso um totalitarismo de facto, a saber, um regime inteiramente dominado por uma elite supostamente detentora da verdade, que nem sequer tem de explicar com que base é que lhe foi revelada essa verdade; até porque, se tiver de o fazer, o mais provável é que, para além dumas platonadas mal amanhadas, coladas com cuspe e engendradas com um carinho muito beato e ignaro, acabe por se vislumbrar a única e verdadeira fonte de tanto «saber»: o ensinamento dogmático, universalista e alienígena da Bíblia.

Quem pugna por este ideal dogmático, chega ao ponto de inversão de dar a entender que o Estado vale por si mesmo, como estrutura que administra a Justiça.
Ora, na verdade, a acção governativa é nada mais do que uma excrescência necessária da comunidade, pois que, de facto, é o governo que serve a Nação, não é a Nação que serve o governo.

Quem odeia este modo democrático de conceber o poder, argumenta contra a vulnerabilidade e volatilidade inerentes da vontade dos indivíduos.

E haverá outro modo de governar além da vontade dos indivíduos?
Haverá alguma máquina governativa infalível?...

Ou, «quem sabe» (muitas aspas ;)), prepara-se uma elite iluminada que tem o exclusivo da comunicação directa com Deus, estando por isso dotada de toda a sabedoria possível em todas as matérias?...

Já exauridos, os inimigos da Democracia descem à grosseria de a tentar caricaturar, acusando os democratas de promoverem concepções simplistas de poder:
«Quem observa a correcção de algo à luz da vontade popular encontra-se cativo de uma concepção simples, mas errada. “Eu gosto porque os outros gostam”! Daí emerge o seu sucedâneo “eu sou democrata, gosto do que (e porque) os outros gostam. Tu não és democrata, portanto concordas com o que é feito contra a vontade popular.” A estreiteza de perspectiva é evidente...»

De facto, a estreiteza da perspectiva é evidente.

E é evidente porque se trata de uma invenção particularmente marreca, e das mais incompetentes, com o intuito de denegrir a Democracia.

Na verdade, o democrata não diz «Eu gosto porque os outros gostam”!»

mas sim

«Eu gosto mesmo que os outros não gostem e tenho o direito de usufruir do que gosto desde que não ponha em causa o usufruto do que os outros gostam.
O que eu não tenho é o direito de impor a todos o meu gosto, alegando que o gosto deles todos é «volátil, instável e fútil», ao passo que o meu GOSTO é «Conhecimento Solene e Objectivo, Justo e Estável».


Isto sim, é a base do verdadeiro totalitarismo, em que uma elite supostamente detentora da Verdade Última e inquestionável (ui que horror!, ter de prestar declarações ao povinho...) se permite impor a todos os seus valores e as suas decisões sem admitir oposição.

É, enfim, um truque velho por demais infantil que pura e simplesmente já não pega. O Homem Ocidental sempre teve no fundamento da sua cultura o amor à liberdade, como já Aristóteles observava, ao contrário do Oriental que, embora sendo capaz de criar grandes civilizações, não amava a liberdade motivo pelo qual vivia subjugado (Aristóteles).
Isto é especialmente verdade agora, que os Orientais muçulmanos vivem cada vez mais submetidos a um Islão imperialista e totalitário, ao passo que os Ocidentais já se habituaram à individualidade livre, estando longe de sentirem necessidade de se espojarem aos pés de um «líder iluminado».

Donos da verdade já não impressionam ninguém.
E quem não percebe isso, anda roto pela rua a julgar que lhe vão oferecer um trono.

Perante tudo isto, os acima referidos anti-democratas costumam declarar coisas deste jaez:
Temos o DIREITO de mostrar aos outros a Verdade, à luz de toda a Filosofia, de toda a Religião e da Moral Inteira! Você, como é um relativista, não percebe isto. Julga que cada um deve poder pensar o que lhe apetece. Escapa-lhe por completo que há pensamentos que podem levar por maus caminhos e urge por isso detectá-los, neutralizá-los e corrigi-los. Se um dia se inventar uma máquina de ler pensamentos, será de grande valor ter pelo menos uma em cada esquina, devidamente administrada por quem de direito - quem conhecer os Princípios Imortais de Toda a Justiça!

E acredite, porque eu lhe digo, que em cada momento da vida humana se pode incorrer em erro. É por isso que, pessoalmente, simpatizo com o Islão, que apresenta regras precisas que regulam a intimidade de cada um. Creio até que a limpeza anal de cada indivíduo deve obedecer a regras estritas, baseadas em conceitos higiénicos e científicos avançados, sobre o melhor papel a utilizar, os melhores materiais para a fabricação desse papel, as melhores posições para garantir uma limpeza completa, eficaz e económica, etc.

Não me venha agora com argumentações e direitos, e liberdades, que isso é tudo de somenos importância. O seu Locke não tem o direito de querer que as pessoas possam ser livres. As pessoas não têm de ser livres, têm é de concordar com o que os meus tutores espirituais proclamaram. Os meus tutores não admitem que se mije fora do penico ou que se vá para a cama sem beber o leitinho e lavar os dentinhos. E posso provar-lhe que assim deve ser, citando amplamente Platão, Chesterton, Amanwith Ataperecorder Uphisnose, Charles Mollins, Robert Highins, Aristóteles, Sócrates, Sodoff Youvagrant, Bossuet, Eckart, Aindaestásalerphodass Olhagotake Intheass, Upyours Smithsonian, Herbert Johnson, Donovan Sykes, Black & Decker, Mymaster Toldme, etc..

Você não tem preparação filosófica, por isso esteja calado.



É, enfim, o triste produto do fanatismo beato a produzir gente incapaz de sustentar visões totalitárias e escravizantes dos indivíduos e dos Povos.

NACIONALIZAÇÃO LINGUÍSTICA DE EUSKADI - NOTÁVEL EXEMPLO DE ACÇÃO NACIONALISTA

O partido nacionalista basco, PNV, está neste momento a implementar uma política que tende a obrigar os funcionários do seu governo a saberem falar Basco, tendo já fixado a meta de conseguir que o número de integrantes da administração basca que fale o Euskera, ou idioma nacional de Euskadi, chegue pelo menos a metade do efectivo total.

É mais um progresso de louvar no Nacionalismo basco. De facto, urge corrigir os erros do passado e colmatar as injustiças criadas por imposições imperiais, por mais tempo que estas tenham durado, pois que a Justiça, em si, afigura-se intemporal, nunca sendo por isso demasiado tarde para desfazer um erro e fazer vingar a legitimidade. À luz deste conceito supratemporal de ética, é inaceitável que determinado grupo humano seja regido por normas culturais e/ou espirituais alienígenas.

Por conseguinte, a uma determinada comunidade nacional, corresponde, por direito, um sangue nacional, uma consciência nacional, uma cultura nacional, um folclore nacional, uma língua nacional, uma religião nacional - dar a cada um o que a cada qual pertence, eis a própria definição da Justiça.

segunda-feira, dezembro 26, 2005

SOLIDARIEDADE NACIONALISTA HISPÂNICA

Um belo caso de solidariedade nacionalista, que, naturalmente, incomoda os imperialistas castelhanistas do Minuto Digital, paciência:

EL BIPARTITO GALLEGO LLEVA EL CAVA A SANTIAGO

No hay nada como la solidaridad entre correligionarios. Según ha sabido Minuto Digital los separatistas gallegos aportaron su granito de arena contra el movimiento cívico que promueve el boicot al cava catalán. Así nos lo cuentan desde el blog "radikaleslibres".

El cava que no bebemos y el dinero que nos sobra
El jueves 22 de diciembre, la Real Filharmonía de Galicia interpretó "El Mesías" de Haendel bajo la dirección de su titular Antoni Ros Marbá y con la participación del Coro de Cámara del Palau de la Música de Barcelona. Hasta aquí todo normal.
Pero al entrar en el auditorio algo raro se produjo. Al cortar la entrada, a los asistentes se les entregaba una pequeña cartulina que decía, textualmente: "O alcalde de Santiago de Compostela, convidalle a unha copa de cava ao finalizar o concerto ¡Bo Nadal!".
Y, efectivamente, al final se sirvió cava... y sólo cava. Excepto 4 ó 5 botellas de agua, todo era cava... Pero muchas, muchas copas de cava quedaron llenas y sin beber cuando abandonó el auditorio el último aficionado. Vamos, que la gente no quiere el cava ni gratis.
Y nosotros nos preguntamos: ¿tan mal les va con lo del boicot que los ayuntamientos bi-partitos tienen que comprar con el presupuesto de TODOS las botellas que los ciudadanos no quieren comprar? ¿no es humillante que los nazional-sozialistas gallegos hagan este gasto a las empresas catalanas en lugar de hacerlo a las empresas gallegas ofreciendo albariño, godello o ribeiro?
http://radikaleslibres.blogspot.com
(Com este, já são dois artigos seguidos do Minuto Digital, ó amigo Espanhol...)

Os castelhanistas bem tentam virar, neste caso, os galegos uns contra os outros, mas, de facto, salta à vista que aquilo que realmente os preocupa é que estejam a sentir o tapete a fugir-lhes debaixo dos pés, que é o mesmo que dizer que a manta de retalhos a que se chama Espanha está a fragmentar-se, ou não fosse sabido que, tarde ou cedo, a verdade vem ao de cima, e, por conseguinte, as nacionalidades não podem permanecer toda a vida submetidas por um centralismo chauvinista.


Viva a Catalunha livre
Viva Euskadi livre
Viva a Galiza livre - Galiza Ceive!

domingo, dezembro 25, 2005

MITRA, DEUS ARIANO DA LUZ, DA VERDADE E DO JURAMENTO


Mithras

O dia 25 de Dezembro é a data do nascimento de Mitra, Guardião da Justiça, Cujo culto, vindo da Índia e do Irão arianos, chegou ao Império Romano no século I a.c. e aí se divulgou imensamente, desde a Ásia Menor até à Ibéria (parece ter havido um templo mitraico em Tróia de Setúbal, foi aí encontrado um baixo-relevo que representa provavelmente uma cena dum banquete mitraico, neste momento exposta no Museu Nacional de Arqueologia, na exposição «Religiões da Lusitânia»), passando pela Gália e pela Britânia.

Mitra, ou Mithras, Cujo nome significa, em Sânscrito (língua ariana da Índia), algo como «Amigo»; em Persa, o mesmo nome quer dizer «Contrato». Trata-Se de um Deus luminoso, puro, combativo, que incita os homens a seguirem o Seu caminho no combate pela Luz contra as Trevas. O Seu culto confundiu-se, no Ocidente, com o culto do Sol Invictus, ou Sol Invencível; Mitra tem naturalmente um forte carácter solar (o que não significa que seja o Sol) e o Seu dia sagrado é o domingo (no Latim pagão, domingo é «Dies Solis», ou «Dia do Sol»).

De acordo com algumas versões, Mitra nasceu duma pedra, o que constitui um símbolo da sua pureza; segundo outros, é filho duma virgem. De uma maneira ou doutra, conta-se que o Deus Máximo, Ahura Mazda, Lhe ordenou que matasse um determinado touro. O Sol foi o mensageiro que levou esta ordem a Mitra, O Qual a cumpriu, conseguindo levar o touro para uma caverna onde o sacrificou (por esse motivo, os fiéis de Mitra oficiavam as suas cerimónias religiosas em cavernas). Do sacrifício do touro, o universo é renovado, pois que o sangue do bovino será o vinho e todo o seu corpo alimenta o cosmos, dando, entre outras coisas, o pão. A alma do touro sacrificado subiu então aos céus para ficar junto do Deus Supremo.



Depois de cumprida a sua missão, Mitra realizou um banquete com os seus fiéis, comendo pão e vinho, findo o qual ascendeu aos céus.

A religião mitraica compreendia uma iniciação de sete graus. Em cada grau, aprender-se-iam novos e secretos conhecimentos. Tinha um carácter hierárquico e era vedada às mulheres. Os graus eram:
- corax (corvo);
- nymphus (noivo);
- miles (soldado);
- leo (leão);
- perses (persa);
- heliodromos (correio do Sol);
- pater (pai).

É uma religião de soldados, de homens integrados num exército que cumprem ordens e são leais uns aos outros até que a morte os leve para o Outro Mundo.

Diz-se entretanto que o aperto de mão como cumprimento surgiu na Pérsia como sinal de lealdade e de demonstração de que não se está armado.


Antiochus, um monarca da dinastia Selêucida apertando a mão a Mitra, de cujo barrete frígio irradia luz

Muito mais há a dizer sobre esta Divindade (procurem no motor de busca yahoo ou noutro qualquer, têm leitura para anos e anos), valendo a pena lembrar as palavras de Renan, historiador bretão («francês») do século XIX segundo o qual «Se o Cristianismo tivesse sido detido por alguma doença mortal, o mundo seria mitraísta».

Veja-se, por exemplo, um site dedicado ao culto de Mitra na actualidade.

sexta-feira, dezembro 23, 2005

BOM NATAL


Saturnália


Yule




DIMINUIÇÃO DA POPULAÇÃO JAPONESA

População do Japão diminuiu em 2005, pela primeira vez

A população do Japão diminuiu em 2005, pela primeira vez na história do país, informou hoje o governo nipónico.
O Japão junta-se assim à Alemanha e à Itália, duas das principais nações industrializadas no mundo, que começam agora a registar uma redução da taxa demográfica.
Em 2005, o número de mortes ultrapassou em 10 mil o de nascimentos, possibilitando a primeira redução demográfica da história japonesa desde o início dos censos, em 1899, informou o ministro da Saúde, Jiro Kawasaki, em conferência de imprensa.
O governo anunciou que vai adoptar medidas «urgentes» para combater a queda da natalidade e apoiar as futuras gerações.
Em Outubro de 2004, um censo calculou a população japonesa em quase 127 milhões de pessoas.
No Japão, a educação dos filhos é uma tarefa exclusivamente materna, o que incentiva muitas mulheres a renunciar à maternidade para se dedicarem à carreira.



É no estranho que um país tão sobrepovoado que até precisa de funcionários nas estações de metro para empurrar as pessoas para dentro dos combóios (daí que, nas horas de ponta, haja passageiros que vão tão apertados que até fazem a viagem sem tocar com os pés no chão), esteja, segundo a notícia, tão preocupada com uma diminuição mínima da população...

Por detrás destas divulgações «meramente» informativas, há muitas vezes um intenção suja. É entretanto de lembrar que já há uns anos houve uns americanos do partido democrata então no governo dos ianques que disseram ao primeiro-ministro japonês que o País do Sol Nascente precisava de imigrantes, afirmação que o líder nipónico negou diplomaticamente...

Começou o cerco a um dos últimos baluartes identitários do planeta.

quinta-feira, dezembro 22, 2005

AMEAÇA TERRORISTA EM FRANÇA

A Unidade de Coordenação da Luta Antiterrorista (UCLAT) francesa deu a conhecer um relatório no qual indica que a ameaça terrorista contra França é especialmente elevada. Há o receio de que a recente onda de insurreição violenta nas ruas do País possa contribuir para galvanizar o ódio e a determinação dos agentes do terror (muçulmano, já se vê).
O mesmo organismo chama a atenção da importância da guerra do Iraque como campo de treino avançado de vários cidadãos «franceses» que desse país retornam à França, eventualmente para porem em prática o que aprendaram no médio oriente.

Pior ainda: os terroristas muçulmanos argelinos que se encontram em solo francês foram integrados na rede internacional da «jihad» e parecem ter-se aliado com radicais marroquinos e tunisinos para moverem guerra contra a França, por eles declarada como inimigo número um, de acordo com uma fatwa (decreto religioso) emitida pela organização terrorista argelina GSPC (Grupo Salafita para a Prédica e o Combate).

Igualmente grave é o facto de que há muitos criminosos de delito comum que se convertem ao Islão na prisão, autêntico viveiro de missionários mafométicos que desse modo engrossam a sua legião de soldados da morte unidos no ódio absoluto e na devoção assassina. Além do mais, quando saem dos calabouços, passam a usar os seus talentos (extorsão de fundos, assaltos à mão armada, falsificação de cartões de crédito) para financiarem a jihad ou guerra santa muçulmana.


Nunca será demais lembrar ao maralhal que a França sempre se opôs à guerra do Iraque e tem condenado repetidamente a ocupação israelita da Palestina. No entanto, a sua submissão aos países muçulmanos não é (ainda) absoluta, daí que a sua tomada de posição contra a Síria, a presença de militares seus no Afeganistão e a sua lei contra a ostentação de símbolos religiosos nos estabelecimentos de ensino público contribuem para irritar a Moirama assassina, que quer todo o infiel de joelhos.

Em desespero de causa, há uns quantos lacaios do anti-americanismo primário que chegam à imbecilidade de insinuar que a violência islâmica que abala a França (não apenas a ameaça bombista em si, mas também a amotinação urbana dos «jovens» norte-africanos) é de algum modo fruto de uma maquiavélica conspiração ianque destinada a punir a França por não obedecer aos «States» ou para a obrigar a juntar-se aos países que integram a «cruzada» anti-terrorista. É cegueira demais, a da maralha mentecapta que não arranja nada melhorzinho para continuar a sustentar a sua cretina tese de que os muçulmanos coitadinhos são apenas umas vítimas dos «sionistas e dos americanos!» e que só se mandam pelos ares em atentados bombistas porque «a Palestina está ocupada», ou porque «o Bush invadiu o Iraque», ou outra atrasadice mental qualquer que lhes sirva de justificação para continuarem a oferecer as costas ao mafomético, enquanto mostram os dentes de ódio a quem não lhes faz tanto mal como aquele de que se queixam.

AVE SOL INVICTVS



Como diz o Povo quando vê o Sol, «Lá vem o Manel do dia que tudo guia»...
(retire-se o nome «Manuel», que é de raiz semita, e o dito popular assenta perfeitamente na imagem...)

TERRORISMOS, ACUSAÇÕES E TRINCHEIRAS POLÍTICAS

O líder do CDS, Ribeiro e Castro, declarou recentemente que o terrorismo tinha raiz no pensamento de Esquerda. Acto contínuo, a maralha jornalística e politiqueira em geral entrou em ebulição, protestando vivamente contra as palavras do chefe centrista.
Ora o chefe centrista fez finca-pé e repetiu o que tinha dito anteriormente.
Foi a vez do comunista que se candidata à presidência, Jerónimo de Sousa, dizer de sua «justiça». E ficou tão irritado com o que Ribeiro e Castro proferiu, que lhe veio a cassete à boca, fazendo-o atacar o atrevido conservador com o argumento de que este devia era estar calado, porque a sua família tinha estado ligada ao Estado Novo, e o próprio Ribeiro e Castro tinha valores derivados da extrema-direita, a qual, segundo o militante foice-de-martelista, era responsável pela aterrorização do Povo Português durante anos e anos...

Tinha graça que, nesta altura, Pacheco Pereira viesse repetir, desta feita para todo o País ouvir, que o PCP fazia com que listas de militantes do PCTP/MRPP (inimigos de morte do PCP) chegassem às mãos da PIDE...

Enfim, comparar um regime repressor com uma tropa que põe bombas como forma de chantagem política é um relativismo que, pela sua imbecilidade, não surpreende por aí além, vindo de quem vem. Mas quem como Jerónimo de Sousa militou e milita num partido que pactuava com um dos Estados totalitários que mais gente aterrorizou e chacinou no século XX (muito mais do que qualquer regime de Direita), não tem legitimidade moral para mandar calar seja quem for. Acresce que, segundo certo ex-agente do KGB, autor da obra «O Arquivo Mitrotkine», Álvaro Cunhal traiu Portugal ao entregar arquivos secretos militares do Estado Português à União Soviética - e fê-lo, não antes do 25 de Abril, mas depois.

Significa isto que o PCP nunca se demarcou de um indivíduo que é culpado de alta traição contra um Estado democrático em prol de um Estado totalitário.

Ora Ribeiro e Castro, em vez de espetar com pelo menos metade disto nas trombas do comunista que quer ser presidente de Portugal, optou por não comentar as invectivas do sujeito. Com a Direitinha dos copinhos-de-leite é assim. Calam-se. Esta Direitinha não gosta do debate, confundindo denúncia e argumentação com «peixeirada». Para esta cambada, o confronto de ideias e a manifestação vigorosa «é coisa de comunas».

Depois admiram-se, estupidamente, que os dogmas de Esquerda estejam instalados no sistema.

Enfim, se calhar é por causa destas e doutras que a Esquerdalha não exige a sua ilegalização...

Já agora, não pensem os leitores que, pelo menos ideologicamente, Ribeiro e Castro «é cá dos nossos». Torna-se essencial que muita gente das fileiras nacionalistas entenda que, em princípio, não absolutamente nenhum político dos partidos actuais (exceptuando o PNR, evidentemente) que seja um potencial aliado de jeito.

O presidente do CDS-PP, Ribeiro e Castro, manifestou hoje a sua posição "de abertura" em relação à mudança da lei da nacionalidade, mas sublinhou que qualquer alteração legislativa tem de ser coerente com as políticas europeias.
"Pessoalmente, tenho uma posição de alguma abertura nessas matérias. Fui educado num tempo em que quem nascia em território português era nacional português", sublinhou o líder dos democratas-cristãos, numa visita à Associação Caboverdeana, em Lisboa.
No entanto, questionado se a lei da nacionalidade deveria seguir esse caminho, Ribeiro e Castro sublinhou que Portugal "tem de ser rigoroso para não criar problemas em vez de os resolver".
"As decisões legislativas que Portugal tomar nesta matéria têm de ser responsáveis, conforme as circunstâncias deste tempo e coerentes com as políticas europeias nesta matéria", defendeu.
O CDS-PP já apresentou um projecto de alteração à Lei da Nacionalidade, diploma que está em discussão no Parlamento, mais cauteloso que o do Governo, mas que também diminui os prazos necessários para a concessão da cidadania portuguesa.
O diploma do executivo prevê a atribuição da nacionalidade portuguesa a indivíduos nascidos em território português, filhos de estrangeiros, - a chamada segunda geração - quando pelo menos um dos pais nasceu e reside no país.
Para estes imigrantes, o projecto dos democratas-cristãos prevê a concessão de nacionalidade portuguesa desde que haja uma prova de residência efectiva dos progenitores e dos filhos em território português há pelo menos seis anos.


Quer isto dizer que Ribeiro e Castro e o seu CDS fazem parte da doença e nunca da cura - e, o que é pior, a parte da doença que representam é a mais perigosa, porque, aos olhos dos mais ingénuos, passam por grandes defensores da Nação, quando na verdade, devido ao veneno fraternaleiro que transportam, mais não são do que inimigos viscerais de toda a concepção de Estirpe.

AS PÁTRIAS E OS PÁRIAS

Não costumo comentar coisas que não vi nem ouvi, e, de facto, não tive pachorra para ver nenhum dos debates entre os candidatos à presidência da república, mas uns quantos camaradas dignos de crédito garantiram-me que Francisco Louçã afirmou, num dos referidos programas televisivos, que a Pátria tradicional, para ele, não tinha sentido; que, para ele, a Pátria era «toda a gente que quisesse dela fazer parte». Não sei efectivamente se ele o disse assim ou não, mas, para já, acredito perfeitamente que tenha declarado uma aberração destas; se a não declarou, tem-na quase de certeza como convicção cardinal.

Ora, em assim sendo, porque raio é que gente desta se candidata à presidência de uma Pátria?
Porque é que em vez de o reverendo Louçã querer ser presidente de um País, não tenta ser presidente da Amnistia Internacional, do SOS Racismo ou doutra merdice qualquer?

Talvez porque a politicagem desta laia insista em tomar tudo o que não lhes pertence - tal é a sua vontade de imporem os seus asquerosos valores à escala mundial que não admitem que haja em parte alguma do planeta um grupo ou comunidade humana que se guie por ideais diferentes dos seus.

Ou não fossem eles filhos do internacionalismo militante, dogmático e igualitário, que produziu o Cristianismo, o Islão e a Esquerda militante.

A propósito de beatices internacionalistas, é bastante esclarecedor o facto de a concepção louçânica de Pátria ser parecida com a dos patrioteiros Minho-timorenses, que gostariam de estender a sua Portugalidade, perdão, a sua Tugalidade a todo o planeta (exceptuando a Europa, já que não costumam apreciar muito as gentes de além Pirinéus...) por meio da expansão da língua portuguesa e do Catolicismo - para louçanistas e minho-timorenses, a Pátria é assim do género de um clube de futebol em que qualquer um pode entrar...

Mais valia que se deixassem de mascaradas e usurpações, e dissessem abertamente ao que vêm, como faz certo cantor brasuca que declara, numa das suas letras, «Máizz eu num tenho Pátria, tenho Mátria e quero Frátria!».

quarta-feira, dezembro 21, 2005

SAUDAI O SOL QUE DESPONTA SOBRE UM RIDENTE PORVIR





O Solstício de Inverno é o momento em que o Sol está mais longe do hemisfério norte. O termo «solstício» é de raiz latina e faz alusão à aparência de fixidez do Sol ao meio dia, como se parasse no céu. Os Romanos celebravam por isso o «Natalis Solis Invictus» ou Nascimento do Sol Invencível, porque o Sol, ao parecer parado no alto do céu, dá uma ideia de invencibilidade, de perenidade, de luz eterna que não morre jamais.

Celebrava-se também, em Roma, a Divália, em honra de Dia, Deusa do Crescimento. Coincidentemente ou não, a celebração hindu equivalente ao Natal é chamada «Divali» e é considerada como uma festa de luz.

A noite de hoje é a mais longa do ano, o que, para os Germânicos, significa que se inicia nesta noite a Cavalgada Selvagem, correria sobrenatural que atroa os céus, composta pelos fantasmas dos guerreiros mortos em combate e pelas Valquírias, virgens guerreiras, e dirigida por Odin, o Deus Sábio, zarolho terrível, guardião dos mortos de elite...

O Solstício acontece hoje às 18:35. É um momento mais que apropriado para lembrar a passagem do Hino Nacional que exorta:

«Saudai o Sol que desponta
Sobre um ridente porvir:
Seja o eco de uma afronta
O sinal de ressurgir
Raios dessa Aurora forte
São como beijos de mãe
Que nos guardam, nos sustêm,
Contra as injúrias da sorte!
»

A ACTUALIZAÇÃO CATÓLICA DO VÍRUS INTERNACIONALISTA

Em conversa com o embaixador de França, o papa teceu recentemente umas quantas considerações a respeito da insurreição moirisca em território da antiga Gália.
Embora condenando a violência que abalou toda a França em Novembro, não deixa no entanto de ecoar o lugar-comum esquerdista segundo o qual os tumultos perpetrados pela escumalha norte-africana são na verdade uma «expressão da frustração dos jovens que se sentem económica e socialmente excluídos da sociedade.»

Mais afirma que é hoje importante agradecer aos imigrantes e aos seus descendentes pela riqueza social, económica e cultural que ajudaram a criar... como se esse agradecimento não tivesse já sido feito uma verdadeira colhoada de vezes, à razão de cento e vinte e cinco por dia.

Segundo Benedito XVI, o desafio que se apresenta à sociedade actual é o da vivência dos valores da igualdade e da fraternidade. Sim, os da Revolução Francesa, excepto o da Liberdade, evidentemente...


Significa isto que Sua Santidade o Papa Benedito XVI pactua à grande com a imigração e até se prontifica a desculpar a arrogância destruidora tão característica da horda norte-africana e muçulmana em geral.

E ainda havia uns quantos nacionalistas a dizer que Ratzinger era nazi, ou que «era dos nossos»... claro que se tratava aqui de uma vã esperança sem ponta de lógica ou de coerência.

Na verdade, ao apelar, neste contexto, aos valores da igualdade & fraternidade, Lda., o maior servidor do Judeu Morto mais não faz do que alimentar o vírus do internacionalismo militante que o Cristianismo trouxe para a Europa e que, mais tarde ou mais cedo, tinha de dar o resultado que deu: a constituição de uma moral cosmopolitista que considera toda e qualquer forma de discriminação com base na estirpe (Nacionalismo, Racialismo, Racismo) como um acto de maldade ideológica.
Efectivamente, já na Antiguidade havia quem simpatizasse com os bárbaros, por diversas razões; mas não havia a ideia de que amar apenas os seus e não querer contactos com o alienígena era algo de mau, como há hoje.

Assim, o cerne da mentalidade politicamente correcta militantemente «anti-racista», mais não é do que uma derivação da moral cristã a respeito das relações com o «outro»:
- pacifismo - Lucas 6:30, Mateus 5:39, Mateus 5:42;
- amor incondicional e igualitário sem fronteiras de estirpe - Mateus 5:43-47;
- dissolução dos laços de sangue em proveito dos laços doutrinários internacionalistas - Lucas 8:19-21, Lucas 14:26, Mateus 10:35-36, Marcos 3:31-35.

Leia-se o que diz um pastor protestante sobre o assunto:
Para falar da família numa perspectiva do Novo Testamento penso que é importante começar por lembrar o episódio em que a mãe e os irmãos de Jesus o procuram quando ele pregava à multidão. Disseram-lhe: “A tua mãe e os teus irmãos estão aí e querem falar-te.” E Jesus perguntou rectoricamente: “Quem é a minha mãe e quem são os meus irmãos?” para afirmar: “Quem faz a vontade de meu Pai que está no Céu é meu irmão, minha irmã e minha mãe.” Marcos 3:31/35 e paralelos.
Não deixa de ser significativo que este episódio apareça nos três evangelhos sinópticos, o que mostra a importância que a Igreja do primeiro século lhe atribui. Em Marcos e em Mateus o episódio é seguido imediatamente por parábolas sobre o Reino de Deus. Ou seja, com o anúncio da aproximação do Reino de Deus até os laços familiares, tão importantes no Judaísmo, são secundarizados.
Sem tirarmos já conclusões radicais, como seria deduzir-se que Jesus veio acabar com a família, podemos reconhecer, no entanto, que o episódio obriga a um olhar diferente sobre a família. Aliás, os evangelhos também reconhecem que Jesus veio criar divisão nas famílias, pondo o filho contra o pai, a filha contra a mãe, a nora contra a sogra Mateus 10:35. Para aqueles de nós que foram educados sob a triologia “Deus, Pátria e Família”, triologia hipócrita mas que afirmava, em nome da chamada civilização cristã, a mais alta honra para o núcleo familiar, o Evangelho espanta-nos com a forma como a família é colocada nestes discursos de Cristo. Os pescadores que vieram a tomar-se apóstolos são mesmo indirectamente elogiados por, ao convite de Jesus para o seguirem, terem abandonado tudo, incluindo as famílias. Marcos 1:18 e paralelos.
Mais livres para a luta
Esta “secundarização” da familiar como eu lhe chamei, pode compreender-se se pensarmos no que está implícito no anúncio do Reino de Deus. No fundo trata-se de pôr em questão a ordem do mundo então vigente, trata-se de uma “conspiração contra o estado das coisas
”.(...)


Por conseguinte, Benedito XVI está neste caso a ser perfeitamente coerente. Quanto à atitude de nele acreditar, já se sabe: com papas e bolos se enganam os tolos.

NACIONALISMO GALEGO AVANÇA - GALIZA CEIVE!

Os patriotas do Minuto Digital bem tentam colar o Nacionalismo Galego ao terrorismo, mas tal atitude não passa de uma tentativa de denegrir a mais sagrada pretensão dos Galegos, que é a mais sagrada pretensão política de qualquer nação - a independência.

Muy preocupante es lo que esta empezando a suceder en Galicia. Se están poniendo las bases para un nuevo escenario que reproduzca lo sucedido en Vascongadas o Cataluña. Con el BNG en el poder, rápidamente se han recogido las aspiraciones separatistas, iniciándose una campaña en pro de un estatuto que llame nación a Galicia e incluso que imite las ansias expansionistas vascas o catalanas. Todos sabemos como y para qué han utilizado las competencias lingüísticas, educativas y culturales los nacionalismos vascos y catalán, áreas de las que se va a encargar precisamente el BNG.
Incluso las reacciones ante las posturas violentas parecen calcadas del nacionalismo vasco, tan dado a quitar importancia a los comportamientos violentos de los brazos armados de los separatistas. Ante las recientes detenciones de varios aprendices de terroristas del grupo independentista AMI, la reacción del entorno del BNG ha sido calificar de montaje la operación antiterrorista olvidando que el drama vasco comenzó exactamente igual, con pequeñas acciones violentas que acabaron en cientos de asesinatos. Individuos como un tal Rafa Villar, encargado de la normalización lingüística (imposición del gallego) del sindicato separatista CIG calificaba de persecución ideológica, criminalización del discrepante o monumental desatino la detención de los presuntos implicados en la colocación de un artefacto explosivo y varias acciones violentas menores en Galicia.
Este individuo acusa a los demás de criminalizar al nacionalismo, al comparar a los detenidos del AMI con los terroristas de ETA, cuando lo que en realidad esta haciendo es disculpar tras una cortina de humo un comportamiento inaceptable en una sociedad democrática, precisamente porque los autores profesan esa misma ideología separatista que flota en el BNG y CIG.
No queremos ser alarmistas, pero nos parece muy grave que la detención de los miembros de un embrión de violentos, con aspiraciones terroristas, no suscite solidaridad y felicitaciones a las fuerzas de seguridad y sí críticas y descalificativos. Estas posturas recuerdan demasiado a las mantenidas durante muchos años por el nacionalismo vasco respecto a ETA y nuevamente nos muestran la verdadera naturaleza de estas minorías separatistas que pretenden imponer sus dictados a toda la sociedad. Una vez más recordamos que el BNG apenas cuenta con el apoyo del 20 % del electorado, lo que no parece impedirles, gracias al PSOE, querer hacer pasar por el aro separatista al restante 80 % de gallegos.

NUM DOS PAÍSES MUÇULMANOS MAIS ABERTOS (O QUE FARÁ NOS OUTROS)...

A TEORIA DA ORIGEM COMUM AFRICANA DO HOMO SAPIENS PARECE SERIAMENTE ABALADA


Mapa da teoria da origem multirregional do Homo Sapiens (clique na imagem para a ver maior)

Aparentemente, foram encontrados na Geórgia uns quantos vestígios fósseis de Homo Sapiens datados de há um milhão de anos. O estudo deste achado e de outros indícios parecem apontar, segundo a «Focus» italiana, para que o Homo Sapiens tivesse tido diversas origens em várias partes do globo.

terça-feira, dezembro 20, 2005

A QUEDA DO CRUCIFIXO EM TODA A EUROPA

O Cristianismo perde terreno na Europa.

Nos EUA, um caso em que havia quem quisesse fazer passar, no Texas, uma lei contra as sodomia, deu origem a uma afirmação do juíz Anthony Kennedy segundo a qual já era tempo de os Norte-Americanos começarem a adoptar uma postura mais europeia a respeito do que é certo e errado.

Acto contínuo, a hoste cristã mais zelosa de entre os Ianques atirou-se ao ar, porque a Europa, onde o Cristianismo está a cair, não seria de maneira nenhuma um bom modelo a seguir.

O «New York Times», que, como se sabe, é dos jornais mais lidos por terras do Tio Sam, aproveitou a deixa para realçar a queda da adoração do crucificado no continente europeu.

Tratou pois de informar o seu público a respeito da actual postura dos Europeus perante o judeu morto na cruz.

Assim, fez saber que em França, por exemplo, apenas uma em vinte pessoas vai à igreja, enquanto nos E.U.A. essa relação é de um para três. Um pastor da região norte francesa chegou mesmo a dizer que «O que é interessante não é o haver menos pessoas na igreja, mas sim o não haver nenhuma de todo».

Deu também a conhecer que, em Inglaterra, embora haja vinte e cinco milhões de pessoas que se dizem anglicanas, não há todavia mais de um milhão de crentes a frequentar semanalmente a igreja.

Revelou que, em Itália, apesar de oitenta e cinco por cento da população se declarar católica romana, apenas quinze por cento vai à igreja.

Citou a propósito de tudo isto as palavras de um sacerdote da Igreja Reformada e Unida da Grã-Bretanha: «o que é facto é que a Europa já não é cristã».

O jornalista do Times observou vários indícios da diminuição da influência cristã na Europa, tais como a remoção dos crucifixos das salas de aula das escolas públicas em toda a Europa Ocidental, bem como o facto de que muitas congregações foram forçadas a fechar ou a importar sacerdotes.

E, claro, o sinal mais explícito, para o Times, e, presume-se, para a generalidade da sociedade norte-americana, consiste na ausência de referências à influência cultural do Cristianismo no tratado da constituição europeia, não obstante a forte oposição do papa e de vários políticos europeus.


Ora tudo isto que o jornal americano revela parece apontar para aquilo que, aos olhos dos Europeus mais espiritualmente optimistas, se afigura como um horizonte radioso. O problema é que esta saída de cena do Crucifixo deixa um vazio que está progressivamente a ser ocupado pelo Crescente.

Mas enfim, enquanto o pau vai e vem, folgam as costas.

PREPARATIVOS PARA A GUERRA

Na Arábia Saudita, centro do mundo muçulmano e suposto aliado do Ocidente, começa cedo a doutrinação religiosa muçulmana. Começa também cedo a instigação ao ódio contra os inimigos do Islão. A televisão estatal, Iqra TV, faz a apologia desta realidade neste vídeo, que contém uma entrevista a uma rapariga saudita de três anos e meio considerada exemplar no que respeita ao conhecimento da doutrina muçulmana sobre os Judeus.

A língua utilizada é evidentemente o Árabe; as legendas estão em Inglês - e nestas pode ler-se, entre outras coisas, que a criança considera os Judeus como «macacos e porcos»(sic), fazendo assim a alegria da entrevistadora (que por acaso até tem um rosto medianamente atraente, só é pena é o lenço a esconder o cabelo...), a qual manifesta o seu desejo de que as crianças sauditas cresçam todas assim.

Saibam por isso educar as vossas crianças, os que as tiverem, porque, como dizem os Latinos, Si vis pacem, para bellum - se queres a paz, prepara-te para a guerra.

segunda-feira, dezembro 19, 2005

LASERS DE AVIÕES

Desde há muito que nutro a vaga suspeita de que certas maravilhas fantasiosas da ficção científica têm uma base mais real do que se possa pensar. E o uso militar do laser é uma delas.
Viva o raio de luz bélico e a firmeza dos Ianques que apostam no armamento.

CRIMINALIDADE VIOLENTA ATINGE NÍVEIS DE CRESCIMENTO INÉDITOS EM PORTUGAL

Crime violento sobe em flecha em Portugal
Balanço:
- Número de assaltos a bancos subiu 92% relativamente ao ano passado
- Roubos com armas cresceram cerca de um terço, e criminalidade violenta aumentou fortemente.

Salta aos olhos e é um facto confirmado pelos números. A criminalidade violenta está a aumentar fortemente em Portugal. Quem o garante ao JN é Leonel de Carvalho, secretário-geral do Gabinete Coordenador de Segurança Interna, na posse de dados comparativos relativamente a 2004.
Assiste-se ao regresso sistemático de crimes já guardados na memória de há dez e 20 anos, mas com uma diferença as polícias são cada vez mais alvo de agressões e disparos, por vezes mortais. "Em média estamos a assistir a três ou quatro agressões diárias a agentes de autoridade", sustenta.
Os riscos aumentaram, até porque o "recurso às armas de fogo é cada vez maior e sem preocupação nos danos que são causados". Em termos gerais, os números de crimes têm vindo a descer - "embora não significativamente" -, "mas verifica-se a aplicação de uma maior violência, em particular no segundo semestre deste ano".
Consequentemente, "existe, no seio das polícias, o receio de que a criminalidade atinja níveis nunca antes vividos e próximos dos piores índices europeus a nível de violência", explica Leonel de Carvalho. Exemplo dado por este responsável é o dos assaltos a bancos. "Comparativamente ao período homólogo de 2004 aumentaram 92 por cento", afirma.

Banditismo cresce 30%
Os dados na posse da Direcção Central de Combate ao Banditismo (DCCB) da Polícia Judiciária (PJ) apontam no mesmo sentido. Mas com a diferença de se referirem não só a assaltos a bancos mas também a carrinhas de valores, estações de serviço, correios e a generalidade dos assaltos à mão armada.
"Neste segmento a subida está muito próxima dos 30 por cento", sublinha ao JN Teófilo Santiago, director-nacional adjunto da PJ. Além de reconhecer o maior volume de casos com que tem de lidar diariamente, o responsável máximo da DCCB assume ainda o sentimento de "maior violência nos crimes". Tudo bastante por força do uso de armas cada vez mais sofisticadas. Apetrechos que, em vários casos, colocam a ridículo a forma como se apetrecham as polícias, além de acentuarem um quadro de extrema insegurança, pelo fomento de um mercado aparentemente bem organizado de tráfico de armas. "Mas a situação não está fora de controlo. Estamos atentos", avisa Teófilo Santiago.
"Não aumentaram tanto os crimes contra as pessoas. Mas cresceu o número de crimes contra o património, com uso de armas de fogo e violência, que se reflecte nas pessoas", assinala, por sua vez, Rui Pereira, presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organiza e Terrorismo, atento ao aumento "paulatino, desde há dez anos", fruto de "tendências urbanas", de criminalidade que apoia a sua violência pela força das armas de fogo.
O aumento da criminalidade violenta ainda beneficia do vazio legal existente quanto ao crime de tráfico de armas. A quantidade de dinheiro disponível torna-se, assim, na única condicionante à quantidade e qualidade do armamento que é possível adquirir nomercado negro, como explicou ao JN um dos membros do antigo gangue do "Vale do Sousa", grupo que, há quatro anos, matou a tiros de metralhadora o inspector da PJ, João Melo. Dinheiro que sobra aos assaltantes na medida em que tem faltado às polícias.



Saliente-se: Rui Pereira, presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organiza e Terrorismo, atento ao aumento "paulatino, desde há dez anos", fruto de "tendências urbanas", de criminalidade que apoia a sua violência pela força das armas de fogo.

«Coincidentemente», foi mais ou menos há dez anos que a imigração começou a crescer em flecha...

OS IANQUES REDUZEM A BANDALHEIRA IMIGRACIONISTA... MAS TALVEZ A AGRAVEM...

No entanto, falham no essencial: não alteram a lei da nacionalidade, o que significa que qualquer indivíduo nascido nos E.U.A. é automaticamente cidadão norte-americano, mesmo que seja filho de imigrantes ilegais.

Ora, como as outras medidas que os filhos do Tio Sam tomam são especialmente radicais (tais como punir judicialmente, com pena de prisão, quem entrar ilegalmente no País), eis que se avizinha uma onda de martirizações de imigrantes, e pode-se já adivinhar que a súcia imigracionista vai aproveitar a deixa para fazer a única coisa que sabe fazer bem, a saber, a propaganda do choradinho, por meio da produção de filmes e outras formas de «sensibilização» dos ingénuos burgueses ocidentais, os quais estão já há muito tempo domesticados devido à asquerosa, REV0LTANTE e falsificadora campanha de poluição cerebral culpabilizadora de que foram vítimas, e que, provavelmente, vão agora sofrer um agravamento da doença provocada pelo vírus que lhes meteram dentro - o complexo de culpa perante o «outro».

Entretanto, a esquerdalha americana ganha as eleições e aí então é que entra metade da América «Latina» pelos states adentro (a outra metade já lá está).

Contra esta tacanhez, mantenha-se a lucidez - mais importante do que o controle das fronteiras e a punição criminal da imigração ilegal, é, sempre, a consciência de que só pode ser cidadão nacional quem seja filho de cidadãos nacionais: a Nacionalidade herda-se, não se compra nem se concede a todo o alienígena.




EE.UU. endurece las leyes de inmigración

Un proyecto de ley, que prevé la construcción de una valla en la frontera con México, fue aprobado ayer en el Congreso norteamericano por 239 votos a favor y 182 en contra gracias al ´sí´ de la gran mayoría de los republicanos y de una treintena de demócratas.
La propuesta de la Cámara convierte en un delito la entrada ilegal en el país, por lo que los inmigrantes podrían ser condenados a penas de cárcel, en lugar de ser simplemente deportados.
También obliga a los patronos a verificar el estatus migratorio de sus empleados y eleva las multas para los que contraten a trabajadores indocumentados.
Sin embargo, no incluye una enmienda que hubiera negado la nacionalidad estadounidense a los niños nacidos en EEUU de padres inmigrantes ilegales.
A pesar de que los empresarios de EEUU -que son una parte muy importante de la base política de los conservadores- se oponen mayoritariamente a las sanciones, Thomas Tancredo, uno de los republicanos que más ha promovido la mano dura contra los inmigrantes, las defendió como una forma de eliminar la atracción de los trabajos.
´La gente volverá a sus casas y volverán por millones´, señaló el representante de Colorado. ´Y los que no se vayan, los deportaremos´.
Por su parte, Sylvestre Reyes, un legislador demócrata que trabajó más de 26 años en la Patrulla Fronteriza, replicó en el pleno de la Cámara que el proyecto de ley ´traiciona a nuestra herencia como nación de inmigrantes´.
Para que entre en vigor el proyecto deberá ser armonizado con el que emerja del Senado, cuya versión se prevé que aborde el problema de la inmigración de manera más amplia, sin restringirse a la penalización de los trabajadores indocumentados.
La votación del viernes puso fin a dos días de intensos debates en los que el obstáculo principal para los líderes republicanos no fue la oposición, sino lograr que los propios miembros de su partido se pusiesen de acuerdo entre ellos sobre lo que debía incluirse o no en el proyecto de ley.
Fuera quedó la idea más drástica: negar la ciudadanía de EEUU a los hijos de inmigrantes indocumentados nacidos en este país, a pesar de que la décimocuarta enmienda de la Constitución afirma que ´toda persona´ venida al mundo en Estados Unidos tiene ese derecho.
Tampoco incluye el programa de ´trabajadores huéspedes´ promovido por el presidente de EEUU, George W. Bush, que prevé la regularización temporal de los once millones de inmigrantes ilegales que viven en el país. Aun así, la Casa Blanca ha dado su apoyo al proyecto de ley de la Cámara.
Los líderes republicanos de este órgano decidieron eliminar esas dos propuestas para lograr consenso en sus filas, divididas entre un sector que quería endurecer lo máximo posible las leyes de inmigración y otro que deseaba medidas más moderadas y apoyaba el plan del presidente.
El líder de los republicanos en el Senado, Bill Frist, ha indicado que pretende que en la versión de la Cámara Alta aparezca algún tipo de programa de ´trabajadores huéspedes´ cuando aborde el tema en febrero.
La propuesta de la Cámara de Representantes también prevé la construcción de una barrera doble de más de 1.100 kilómetros en la frontera con México para obstaculizar la entrada clandestina de inmigrantes.
Si esta iniciativa es aprobada por el Senado, las obras comenzarán en Laredo (Texas), una ciudad que se ha visto afectada por la violencia relacionada con el narcotráfico en el lado mexicano de la frontera.
Posteriormente se ampliaría a ciertas zonas de California, Arizona, Nuevo México y otros lugares de Texas.
El proyecto de ley además prohíbe poner en libertad bajo fianza pendientes de una audiencia con un juez a los inmigrantes indocumentados no mexicanos que sean detenidos al pasar la frontera.
Los ciudadanos de México que entran de forma irregular son actualmente enviados inmediatamente a su país de origen.
Asimismo, autorizará a la policía a detener a trabajadores indocumentados, lo que ahora sólo pueden hacer los agentes de inmigración.
Organizaciones de defensa de los extranjeros han denunciado que esta medida hará que los inmigrantes no informen a la policía de crímenes o acudan a ella cuando sean sus víctimas.

MAIS DOIS PORTUGUESES ASSASSINADOS NA ÁFRICA DO SUL

Dois Portugueses mortos na África do Sul
Uma portuguesa de 65 anos foi morta por estrangulamento e o marido, de 72 anos, agredido por assaltantes no subúrbio de Tulisa Park, a sul de Joanesburgo.
José Ribeiro, filho das vítimas, disse à Agência Lusa que encontrou a mãe, Aurelina Isidoro Ribeiro, morta, cerca do meio-dia, quando se deslocou a casa dos pais por estes não atenderem o telefone.
Consternado, o português relatou como o pai, sem pernas devido a complicações da diabetes e mudo em resultado de uma trombose, "foi agredido no rosto e no tórax, que ficou todo negro e com costelas partidas".
"O meu pai, de 72 anos, estava no mesmo quarto em que a minha mãe foi morta, e os assassinos até o braço esquerdo, paralisado pela trombose, lhe partiram para conseguirem amarrá-lo atrás das costas", disse José Ribeiro.
Cirineu Ribeiro, que foi transportado para o Union Hospital, em Alberton, onde se encontra em estado grave, mas estável, tinha na boca uma bola de ténis e os lábios colados com fita adesiva.
Os familiares calculam que Aurelina Ribeiro tenha sido morta depois de ter sido surpreendida por larápios por volta das 06:00, não tendo sido encontrados sinais de arrombamento.
A vítima tinha o hábito de acordar cedo aos domingos para ir à missa na igreja católica de St. Patrick, em La Rochelle.
Terá sido quando ela abriu as portas que os atacantes entraram na residência e a estrangularam.
Segundo as mesmas fontes, várias jóias de família (na sua maioria joalharia em ouro ainda comprada na Madeira, de onde as vítimas são naturais), e mil randes em dinheiro (cerca de 300 euros) foram furtados da residência, o que sugere que o móbil do crime tenha sido o furto.
O padre Carlos Gabriel, do Fórum Português e reitor da igreja de Nossa Senhora de Fátima, que informou a Agência Lusa sobre este crime, manifestou repúdio pela barbaridade das agressões infligidas a aos dois idosos, ambos naturais das Achadas da Cruz, ilha da Madeira.
Segundo as estatísticas do padre Carlos Gabriel e do Fórum Português, Aurelina Ribeiro foi a 15ª vítima portuguesa ou luso- descendente da criminalidade na África do Sul no ano em curso.
A polícia procedeu de imediato a investigações no local e falou com familiares e vizinhos do casal, mas não deteve, até ao momento qualquer suspeito, disse à Lusa José Ribeiro.


Certo camarada do Fórum Nacional afirmou que o presidente socialista Jorge Sampaio disse ao supracitado padre Gabriel para «não fazer muitas ondas» sobre a violência cometida contra os Portugueses na África do Sul, e que foi o próprio clérigo a tornar pública essa recomendação presidencial... será verdade?

Enfim, vindo de um sujeito que pediu autorização ao embaixador da Guiné Bissau para entrar na Cova da Moura, já nada, mas absolutamente nada me surpreende.

Já chegou aos trezentos e sessenta (360) o número de portugueses assassinados este ano no país da África Austral que se libertou do apartheid e vive agora num paraíso multirracial, onde a taxa de criminalidade é desde então a mais elevada do planeta (Pretória).

Enquanto isto, os governantes tugas nada fazem para salvaguardar as vidas dos imigrantes portugueses que aí vivem.

sábado, dezembro 17, 2005

IO SATURNÁLIA!

Há mais de dois mil e duzentos anos, começava hoje a celebração em honra de Saturno, por isso chamada Saturnália... daí deriva, em boa ou maior parte, o Natal tal como ele é praticado e visto no Ocidente. Saturno, Deus das Sementeiras e Senhor da mítica Idade de Ouro, quando todos os homens eram felizes, recebia pois as devidas honrarias a 17 de Dezembro, com rituais no Seu templo, aos quais se seguiam festins, abertos a todos, ricos e pobres, festins esses caracterizados pela licenciosidade, pela libertinagem e pela liberdade e igualdade totais, entre todos os níveis da sociedade. Como não é difícil de perceber, o carácter de tal evento tinha um marcado pendor carnavalesco.

Io Saturnália!, era o grito dos antigos foliões durante o convívio...

E, para quem quiser ler, está aqui o artigo que publiquei precisamente há um ano sobre esta quadra festiva, mais ou menos a meio da página, a terminar o dia 17.

Viva esta quadra festiva com o seu espírito original: uma saudação à solidariedade entre o povo, à fertilidade e à abastança.
Consuma-se à grande, goze-se os prazeres da vida, que é mesmo para isso que serve o Natal.

sexta-feira, dezembro 16, 2005

DEBATE SOBRE O FUTURO DA ESTIRPE ÁRICA






Em Janeiro de 2006, realizar-se-á em Moscovo uma conferência internacional intitulada O Mundo Branco no Século XXI, organizada pelas Sinergias Europeias e pela revista russa Athenaeum. O projecto resulta de uma proposta de Guillaume Faye e será dedicada às raízes e aos interesses comuns dos povos caucasóides, aos problemas da biopolítica e à Europa sem a OTAN.

Quem quiser participar, tem de enviar uma mensagem politicamente correcta (isto é, meçam-se as palavras utilizadas…), incluindo o seu próprio nome, morada, correio electrónico, número de telefone e uma descrição (não mais de duas páginas) do que se pretende dizer. Posteriormente, pode-se enviar o texto completo (atenção à linguagem), não excedendo as sete páginas.

Todos os participantes pagarão a sua própria viagem e estadia na Rússia, bem como uma pequena quantia para financiar a organização. Depois de receber a primeira missiva de cada participante, a organização enviará informações mais detalhadas.

Morada: Pavel Tulaev, P.O.Box 11, 109462, Moscow, Russia.
Tel. (095) 178-13-01.
E-mail: ateney@yandex.ru

BOM TRABALHO NACIONALISTA EM FRANÇA

Los franceses apoyan cada vez más ideas de Le Pen y un 63% cree que hay "demasiados extranjeros

Las ideas del Frente Nacional (FN) reciben cada vez más apoyo por parte de los franceses, según una encuesta del diario "Le Monde". El 63% de los ciudadanos cree que "hay demasiados extranjeros" en el país.
La ola de violencia que asoló los barrios más degradados del país en el mes de noviembre ha provocado un aumento del apoyo a las tesis del Front national y un aumento de miles afiliados en el partido que preside Jean Marie Le Pen, según fuentes del FN.
Tres de cada diez encuestados creen que el FN "no es un peligro para la democracia", cinco puntos más que hace diez años. Y un 33 por ciento dice estar convencido de que Le Pen volverá a estar en la segunda vuelta de las presidenciales, como ocurrió en 2002, cuando perdió frente a Jacques Chirac, pero fue el segundo líder más votado de Francia.
Las duras declaraciones de Le Pen son consideradas "inaceptables" sólo por el 39% de los franceses. Nueve puntos menos que en 1997. Una media superior al 20 por ciento aplaude incluso sus posiciones en "defensa de los valores tradicionales" (33%), sobre seguridad y Justicia (26%), sobre la ola de violencia (25%) y sobre los inmigrantes (24%).


Não está mau de todo.
Claro que, se a Europa não estivesse espiritualmente adoentada, a indiferença seria menor e maior seria o activismo em apoio às ideias acima mencionadas, mas enfim, é o que se pode conseguir para já.

E no entanto, é preciso mais.

MAIS UMA NOTÍCIA QUE OS MÉ(R)DIA NÃO DÃO...

Mas souberam mostrar a todo o mundo um grupo de australianos a dar umas lambadas a meia dúzia de libaneses... sem explicar o que se tinha passado antes, evidentemente, que é para o Povo não duvidar de que os pobres árabes estavam a ser vítimas inocentes do racismo dos brancos de raiz europeia.

Eis a notícia:

Siete personas han resultado heridas, entre 30 y 40 coches han sido dañados y una decena de sospechosos han sido detenidos en la tercera jornada consecutiva de violencia racial en distintas partes de Sydney, según ha explicado la policía australiana. Un grupo de jóvenes, principalmente musulmanes, atacaron a varias personas con bates de béisbol, destrozaron varios vehículos y lanzaron piedras contra la policía, en un nuevo brote de violencia racista en la ciudad de Sydney.
Para los que han querido ver el brote vandálico de Francia como un estallido social y no un choque entre la civilización occidental y islámica, resulta más difícil explicar los disturbios en Australia, una sociedad tranquila sin el problema acuciante de inmigración masiva de Francia. Sin embargo nuevamente son los colectivos musulmanes que se niegan a integrar en los países que generosamente les han acogido los que protagonizan actos violentos contra occidente.
En la playa Maroubra, la policía encontró 30 cócteles molotov y cajas de rocas almacenadas sobre tejados. "Estos criminales han declarado la guerra a nuestra sociedad y no vamos a dejarles que triunfen" ,declaró el primer ministro de Nueva Gales del Sur, Morris Iemma. "Ustedes no tomarán el mando de nuestras calles", añadió Iemma, cuando anunció que la policía tenía poderes para restringir el paso en determinadas zonas."Estamos ante una situación sin precedentes en Australia. Nunca antes se había vivido unos brotes de violencia como estos", explicó Mark Goodwin, un policía de Nueva Gales del Sur.


Pois é, australiano... é que dantes havia muito menos muçulmanos do que agora...


Continuando:
Por su parte el líder islámico Fadi Abdul Rahman quiso justificar los brotes de violencia criminalizando a la policía, al explicar que los mismos se deben a que los jóvenes musulmanes están crispados con la policía por el trato que reciben de estos. "Ellos sienten que las autoridades australianas no les tratan de la misma manera que a la comunidad anglosajona".

Coitadíssimos... são sempre discriminados em toda a parte... e, por serem olhados de lado, vai de partir tudo o que lhes apetece e de bater nos infiéis...





En los suburbios de Brighton-Le-Sands, grupos de jóvenes han lanzado piedras a los vehículos policiales y de particulares antes de dispersarse cuando llegaban las fuerzas del orden. En Lakemba, un barrio vecino de mayoría musulmana, cerca de 500 jóvenes aseguran que han detenido un ataque con una barricada cerca de la mezquita local. A continuación han sido dispersados por la policía.

TERRORISTA MUÇULMANO EXTRADITADO PARA A ÍNDIA QUER VOLTAR À BOA VIDA

Quem trata da defesa jurídica do terrorista muçulmano Abu Salem que depois de estar preso em Portugal foi extraditado para a Índia, está a tentar fazer com que o condenado regresse a Portugal, alegando que o sujeito em questão está a ser torturado na prisão indiana em que se encontra.

Abu Salem é acusado de quarenta crimes, incluindo o atentado bombista que em 1993 vitimou duzentos e cinquenta pessoas em Bombaim. Fugido para Portugal onde queria tornar-se cidadão, foi aqui detido pelas autoridades portuguesas por falsificação de documentos.
A Índia exigiu que Portugal lhe enviasse Abu Salem. Ao fim de algum tempo, o governo português aceitou o pedido indiano, na condição de que o criminoso não fosse condenado à morte nem sequer a uma pena de prisão superior a vinte e cinco anos.

Mas com que direito é que a Esquerdalha humanista que controla o País tem o direito de impor os seus valores amolecidos e amolecedores aos outros? Porque razão é que os Indianos não podem aplicar a punição que lhes apetecer a um criminoso indiano desta índole?

Porque é que a tropa pretensamente humanitária que manda em Portugal há-de querer transformar este País num asilo para criminosos alienígenas da pior espécie?

É de reparar que a esposa do terrorista, Monica Bedi, cúmplice do marido, sente saudades da prisão portuguesa de Tires, onde, segundo diz, vivia como que num hotel de várias estrelas...

COSTAS QUENTES, IMPULSIVIDADE E AGRESSÃO - COISA TÍPICA DE GENTE EXTROVERTIDA

MAIS MARAVILHAS DA IMIGRAÇÃO

Cascais - Patrulha da PSP chegou minutos depois do crime

Ourives enfrenta assaltante armado
À porta da ourivesaria Brudorjoia ficaram manchas de sangue
O assaltante brasileiro, de estatura média e aparentando os 40 anos, entrou confiante ontem de manhã na ourivesaria Brudorjoia, na Parede, Cascais. De pistola em punho, fez-se anunciar com o grito clássico e sotaque inconfundível: “É um assalto.” Só não contou com a reacção do dono da loja que se encontrava atrás do balcão.
O ourives atirou-se ao ladrão – e os dois envolveram-se numa luta corpo a corpo. O brasileiro acabou por fugir. O dono da loja ficou ferido e recebeu tratamento no hospital.
Enquanto lutou com o assaltante, o ourives gritou por ajuda. Eram 09h40. A gritaria ouviu-se noutras lojas da Avenida da República, na Parede. O barulho vinha da ourivesaria Brudorjoia, onde o proprietário tentava à força impedir que um assaltante o trancasse na casa de banho para lhe roubar o ouro.
“Ouvi-o gritar e fui ver o que se passava. Quando cheguei à entrada da loja recuei de imediato. Estavam os dois a lutar e o assaltante, quando me viu, apontou-me a arma”, disse ao Correio da Manhã o proprietário de uma outra ourivesaria, que preferiu manter o anonimato. Tal como ele, os funcionários de outros estabelecimentos comerciais tentaram auxiliar o ourives em apuros, mas o brasileiro conseguiu mantê-los à distância sob ameaça da pistola.
“Fui chamar a polícia e quando regressei vi o assaltante a correr rua abaixo”, disse ao CM a mesma fonte. “A cena não demorou mais de quatro minutos”, acrescentou. Quando a PSP chegou, não havia sinal do assaltante. Segundo uma fonte do Comando da PSP de Lisboa, “o suspeito fugiu apeado e actuou sozinho”.
À porta da ourivesaria Brudorjoia, ontem, ao final da manhã, ainda eram visíveis as manchas de sangue no chão. O ourives sofreu ferimentos na cabeça e passou o dia no Hospital de Cascais, onde foi assistido. Dizem as testemunhas no local que “perdeu muito sangue”.
Bruno Vaz, filho da vítima, disse ao CM que ainda estava “a organizar as coisas para confirmar se o assaltante chegou a pôr algum material ao bolso”.
Até ao final da tarde de ontem, as autoridades ainda não tinham feito qualquer detenção.

TINHA A CARA DESTAPADA
As testemunhas que ontem assistiram aos confrontos físicos entre o proprietário da ourivesaria Brudorjoia e o assaltante brasileiro dizem que conseguem descrever à polícia o brasileiro armado que ali chegou ontem de manhã. O homem, de estatura média e de cerca de 40 anos, chegou a pé.
As autoridades suspeitam que a pistola com que ameaçou o proprietário é falsa – uma vez que não foram efectuados disparos. Ainda assim, as testemunhas que tentaram socorrer o comerciante mantiveram-se a considerável distância e não conseguiram perceber se a pistola era falsa ou verdadeira.

RESISTIR A ROUBOS

CRIMINOSOS ATINGIDOS
Diamantino Ferreira, proprietário do restaurante Repsol em Coruche, feriu dois ladrões a tiros de caçadeira para os conseguir imobilizar até à chegada da GNR. Apanhou-os a assaltar o seu estabelecimento no último dia 06 e ainda os perseguiu. Os assaltantes foram detidos e ele recuperou os seus bens.

MORTO À FACADA
Carlos Pina, 39 anos, terminava mais um dia de trabalho no café A Princesa do Bairro, na Cova da Moura, Amadora, quando foi abordado por dois homens. A dupla ameaçou o proprietário com duas facas. Queria dinheiro. Ele resistiu e foi assassinado à facada. O crime ocorreu no último dia 04 de Outubro.