quarta-feira, outubro 31, 2012

... TERMINA OUTUBRO, MÊS CONSAGRADO A MARTE...


 
Estátua de mármore representando Marte, o Deus da Guerra romano. A peça dada de cerca de 1750 e encontra-se no palácio de Verão Sanssouci de Frederico o Grande, rei da Prússia, em Potsdam, perto de Berlim. Faz parte do grupo de estátuas colocadas em torno da «Grande Fonte»


NA HÉLADE - FAMOSO CANTOR DECLARA O SEU APOIO AO PARTIDO NACIONALISTA AURORA DOURADA




 
Na Grécia, um popular cantor, Notis Sfakianakis, foi recentemente convidado para um programa da tarde, tipo «talk show», de nome «Mila», apresentado por Tatiana Stefanidou, no canal STAR. Sfakianakis é conhecido por tomar posições públicas sobre política, mas ninguém esperava que apoiasse tão abertamente o partido da Chrysi Avgi ou Aurora Dourada (AD) - surpreendeu por isso muitos dos que o viam ao dizer, sem papas na língua, que concordava com várias das acções da AD, afirmando ainda que meio milhão de pessoas tinham votado neste partido, pelo que «todos vocês só têm é que respeitar isto!» - e por «vocês» referia-se aos mé(r)dia dominantes, que, como se sabe, em toda a parte demonizam a Extrema-Direita...
Reforçou o que tinha dito ao declarar-se contra a imigração ilegal e apenas a favor da migração legal, mas deixando claro que em momento algum a estirpe helénica seria uma minoria no seu próprio País.



PINTURAS EM SINAIS DE TRÁFEGO CONTRA O ISLÃO NA BÉLGICA




Uma dezena de sinais de tráfego do município belga de Mettet foram cobertas com a inscrição «NO ISLAM» ou «NÃO AO ISLÃO».
Os activistas anti-islão escreveram uma destas palavras de ordem na esquadra de polícia local. Outras pinturas do mesmo teor apareceram nos municípios vizinhos. O chefe da polícia local admite não ter pistas de momento, mas anunciou que será levada a cabo uma investigação para dar com os autores destas pinturas.
As autoridades qualificaram o acto como «xenófobo» e «chocante». O presidente da câmara mostrou-se indignado com estas pinturas porque, diz ele, «toda a gente tem direito a viver no seu município».

Claro que a elite reinante não gosta que haja quem não acate a ordem de abrir braços e pernas para deixar entrar toneladas de alógenos - e tal irritação só confirma que a Resistência europeia está em movimento.

PARTIDO ISLÂMICO QUE QUER FAZER ESTADO ISLÂMICO NA BÉLGICA ALCANÇA LUGARES PARLAMENTARES

Agradecimentos a quem aqui trouxe este vídeo a mostrar mais um passo do avanço islâmico em solo europeu, desta feita na Bélgica:



Como acima se vê, há na Bélgica um partido muçulmano que quer instaurar um Estado islâmico em solo belga, isto é, um país independente regido pela charia ou lei islâmica - e este partido conseguiu agora, em eleições municipais, assentos parlamentares. Os partidos de Esquerda, que em tempos cresceram à conta dos imigrantes muçulmanos, agora perdem esta parcela do eleitorado...

Tem piada que a cambada politicamente correcta, bem como os muçulmanos moderados, passaram a vida a dizer que os muçulmanos radicais eram minoria muito pequenita... votar num partido destes é ser moderado?

É o que eu digo sempre - isto é cerrar fileiras já e preparar para o embate. Esta malta de Mafoma actua tão descarada e por vezes primariamente que quando começa nem parece a sério: ninguém de bom senso, aliás, de senso comum (ocidental) acredita que um grupelho de fanáticos atoalhados podem mesmo vir a ter algum sucesso de massas em solo europeu, mas depois os gajos continuam, e continuam, e continuam, e quando os pacatos, laicos e racionais ocidentais percebem que afinal é mesmo para levar a sério, já os atoalhados estão em riste a dirigir uma legião de gente arrebanhada e fanatizada.

ARTIGO SOBRE A DATA FESTIVA DE HOJE

Texto longo e de riqueza exemplar a respeito do «Samonios» ou celebração céltica da Noite do Primeiro de Novembro, início do ano céltico, festa de reunião do Povo, com honra para os Ancestrais e os Deuses da estirpe:  http://despertadoteusono.blogspot.com.es/2011/11/do-samonios-magusto-uma-porta-aberta-ao.html

FESTA DA NOITE DOS ANTEPASSADOS NA SERRA DA LUA - HOJE

Convidamo-lo a vir mascarado para festejar connosco esta antiga celebração dos Antepassados, altura em que a “máscara” abre o portal para os outros planos.
A música ancestral dos lusos Urze de Lume ecoará como antigamente pelo ígneo vociferar da sua gaita-de-fole e os seus telúricos tambores nesta noite sem tempo…
Não faltarão diversas variedades de hidromel, cidra e outras iguarias.
Esta noite assinala também o primeiro aniversário da ISHTAR – Artes Mágicas!
Junte-se a nós para celebrar esta arcana tradição!
Os Urze de Lume são uma banda de originais que utiliza instrumentos tradicionais portugueses e os transportam para novas abordagens musicais.
Lendas e mitos, ritos e gritos…
Histórias passadas nas mãos de hoje vivem vidas, vividas num presente, que num futuro serão passado.
Passado desperto, liberto como o vento soprado pela madeira e ecoado pela pele vibrante.
De volta à terra, à erva, à urze, ao mel, ao ser presente.
Sob a Lua uiva o lobo. Sobre a neve corre o medo, como música em expansão.
Rude e sentida como a obra acabada às mãos de um artesão.
Os Urze de Lume são:
Ricardo Brito | Gaita-de-Fole Transmontana
Tiago Matos | Caixa
José Pedro Marques | Bombo

Devido ao elevado número de público, pedimos que todos os automóveis sejam estacionados a partir da Vila e não junto à Casa do Fauno, sob o risco de bloquearem a estrada que dá acesso ao local. A Casa do Fauno não será responsável pelo estacionamento indevido dos veículos (a estrada tem dois sentidos e não pode ser bloqueada pelo estacionamento). Agradecemos desde já a sua colaboração.

CRIADOR DE PROGRAMA SOBRE ACÇÃO POLICIAL REAL CONFESSA QUE FALSIFICA A IDENTIDADE RACIAL DA CRIMINALIDADE PARA EVITAR O «RACISMO»

Pode ver-se a seguir o testemunho de John Langley, criador do programa televisivo norte-americano «Cops» («Bófias»), a dizer que não é justo haver tanta gente a criticá-lo por mostrar tantos criminosos negros a serem apanhados pela polícia - e, acuado por esta elite me(r)diática, defende-se dizendo que até mostra propositadamente mais criminosos brancos do que negros, sabendo que a realidade é exactamente o contrário disso.
Leia-se:
«Eu mostro mais brancos do que é estatisticamente verdade em termos de criminalidade de rua. Se olhar para as prisões, aquilo é sessenta e tal por cento não branco e trinta e tal por cento branco. Se olhar para [o programa] «Bófias», é sessenta por cento brancos e quarenta por cento... é simplesmente ao contrário. E eu faço isso intencionalmente porque não quero contribuir para os estereótipos negativos.»
Tudo dito, preto no branco, literalmente falando.
Aldrabice politicamente correcta pura e dura - gritante falsificação da realidade com objectivo ideológico.
É uma das bases do regime totalitário.
E não se pense que de um caso isolado se trata. Pode bem acreditar-se que o comum intelectual da elite reinante concorda ou concordaria com este procedimento, descrito por Langley - aliás, em Portugal o obscenamente abjecto ACIME chegou a considerar a possibilidade de levar a CP a tribunal só porque esta empresa entregou à televisão imagens gravadas de câmaras de videovigilância nas quais todos os agressores nos comboios eram negros. E os da ACIME perguntavam, em missiva, «será que não há violência desta cometida por brancos?»
Qualquer frequentador regular dos comboio da linha de Sintra ou mesmo da de Cascais facilmente escarraria nas ventas de quem teve o revoltante descaramento de fazer tal pergunta em jeito de ironia - é que isto é realmente de quem está mesmo a pedi-las. Porque qualquer pessoa que ande num destes comboios regularmente sabe que é mesmo verdade que não há, não há - não há - grupos de brancos a agredir regularmente as pessoas nesses transportes públicos. Não há. Mas a elite sócio-cultural, que não anda de transportes públicos, não gosta que a realidade seja exibida  porque a Sra. Realidade é uma gaja muito racista e os «bem-pensantes» não queriam que ela fosse assim, porque contraria a Boa e Sã Doutrina da Santa Madre Igreja Anti-Racista e Multiculturalista dos Últimos Dias do Ocidente. Estes são os mais ingénuos, depois há os «clérigos» desta «igreja» que são mais realistas e, sabendo que a Sra. Realidade é como é, querem ocultá-la, e esperam poder mudá-la entretanto, mas para já querem ocultá-la porque não podem tolerar que o povinho seja exposto a esta realidade - porque esta elite intelecto-me(r)diática sabe que em termos de formatação de mentes aplica-se o dichote «longe da vista, longe do coração», querendo isto dizer, em termos práticos, que quanto menos o povinho vir os factos na televisão, menos pensará neles, e quanto menos pensar neles, menos os sente, e quanto menos os sente, menos susceptível será de actuar de acordo com esses factos, donde se segue que menos votos e força dará aos partidos «racistas»...
A ocultação e deturpação dos johnlangleys e outros piores constitui pois batota político-ideológica com objectivo último genocida - afastar o povo das forças nacionalistas para que se enfraqueça qualquer reacção de rejeição do «Amado Outro» (o negro, o mouro, o cigano, etc.), rejeição esta que contraria os planos de construção de um mundo sem fronteiras étnicas e raciais, caldeirada mundial de destruição de todas as identidades, em nome de uma abissalmente monstruosa fraternidade universal.

VIDEO DE PROPAGANDA IDENTITÁRIA CATALÃ - ALERTA CONTRA O PERIGO ISLÂMICO QUE DESTRÓI A COR EUROPEIA

Ofrecemos el nuevo spot electoral de la formación identitaria Plataforma per Catalunya (PxC) que a buen seguro no dejará indiferente a nadie en las redes sociales.
De cara a las elecciones autonómicas catalanas del 25 de nociembre, el partido liderado por Josep Anglada ha querido movilizar a sus votantes bajo la premisa de lo que consideran un problema: la inmigración islámica en Cataluña. Para ello, han considerado que los protagonistas del video sean niños autóctonos catalanes disfrutando en un típico tiovivo de forma despreocupada y alegre.
A mitad del video aparece en escena un grupo de mujeres ataviadas con tenebrosos burkas en una recreación de la hipotética Cataluña del futuro. La música alegre deja paso al graznido de unas urracas. Las mujeres veladas van reemplazando a los niños catalanes a lomos de los caballitos de la atracción de feria. El ambiente se torna gélido y siniestro. La alegría infantil da paso al luto.
Por último, aparece el líder del partido, Josep Anglada, quien reclama el apoyo de los catalanes a su formación, la única que puede poner freno a la reversion islámica que sufre Cataluña.
En definitiva, un video en la línea de los anteriores que fueron editados por los plataformistas, aunque con una mayor calidad técnica, que correrá como la pólvora a partir de hoy en todas las redes sociales.
 
Se fosse só o crocitar algo épico dos corvos até a novidade não era má... muito mais desagradável é o chamamento fanhoso do chamamento à oração islâmica...
 
 

NOVE ANOS

Foi com este artigo que começou o blogue Gladius, há nove anos, precisamente às onze horas e cinquenta e sete minutos do dia treze do corrente. Três vezes três anos a mandar bocas nesta espécie de nova dimensão que é a Internet. Achei e continuo a achar que certas coisas precisam de ser ditas ao maior número possível de pessoas, nomeadamente no que respeita à promoção do ideal de salvaguarda da Estirpe a todos os níveis - religioso, racial, étnico - e por isso se criou e se mantém este sítio internético. Surgiu na sequência da minha frequência de vários foruns (ou «fora», em Latim...) da Internet, dos quais era não raras vezes expulso devido ao teor ideológico do que por lá escrevia. Mas, como a Internet é livre, porventura o mais livre dos espaços humanos conhecidos - graças à consagração da liberdade de expressão na Constituição norte-americana, honra seja feita a esse pedaço de Ocidente verdadeiro, herdeiro do espírito anglo-saxónico, versão setentrional do autêntico espírito europeu - pelo menos enquanto o mulato que manda nos EUA não der cabo disso, tenho podido dizer aqui o que me valeria a censura na maior parte dos sítios de debate público que por aí existam, numa sociedade crescentemente dominada pela Inquisição Anti-racista.

Como tenho explicado ao longo dos anos, escolhi o nome do blogue um pouco arbitrariamente - optei por «Gladius» porque me soa particularmente bem, como podia ter escolhido vários outros nomes, mas também, evidentemente, porque em Democracia a melhor espada é a pena; optei igualmente ao acaso pelo «nick» ou pseudónimo que uso, apenas por ser antropónimo lusitano, um dos que utilizava nos foruns; calhou o blogue ser dado à luz internética numa terça-feira de Outubro... ora, por extraordinária coincidência, o aparente acaso convergiu, juntamente com a escolha do nome do blogue, para a ideia de luta: Outubro e terça-feira são consagrados a Marte, o Deus da Guerra, enquanto «Caturo» é nome que assenta na raiz céltica «Cat», que significa «combate». Como «bónus», o dia treze do corrente é consagrado a Fontus, Deus das Fontes, que costumam funcionar bem como metáforas para simbolizar a inspiração e o palavreado daí derivado... Acredite-se ou não, tudo isto aconteceu, repito, por pura coincidência. Estranho mas real.

O modo de encarar o Gladius varia inegavelmente consoante as posturas ideológicas: será para uns, os que mais interessam, a começar por mim, um agradável difusor de ideais de legitimidade auto-evidente, assentes na ética mais autêntica e ancestral, e factos que a imprensa «livre» raramente divulga; para outros, consiste num antro de incessantes «bocas» a «incitar ao ódio racial e religioso» e a mandar bardamerda um certo número de indivíduos.
Para quem não conhece esta espécie de quiosque virtual, o que aqui mais se defendeu ao longo dos anos foi  um conjunto de valores naturalmente encadeados entre si, como continuidade óbvia uns dos outros: Paganismo nacional, Nacionalismo, Etnicismo, Racialismo, ou seja, a Estirpe nos seus vários aspectos, porque quem põe o Nós acima de tudo, coloca no nível superior das suas prioridades a salvaguarda da identidade do Nós: a Raça, a Etnia, a Nação, e, a nível espiritual, o culto aos Deuses da herança étnica ancestral. Aqui também se leva a sério a Liberdade, cuja forma política é a Democracia, por se entender que, à luz de uma visão do mundo autenticamente europeia, tal ideal é condição sine qua non para que todo um Povo possa andar de cabeça erguida. É hoje óbvio que está «in» o «não se levar a sério», menos para evitar parecer pretensioso ou pomposo do que por relativismo moralóide e rebaixante, até já ouvi figuras socialmente bem cotadas no intelecto a dizer que é um erro muito grave levar-se a sério; mas, tendo em vista os princípios que acima enunciei, não é menos óbvio que me estou real cagando para tão abandalhante moda, sinal claro de degradação espiritual. Mais adianto que escarro olimpicamente em quem adopta posturas ideológicas deste jaez, horizontalizante e invertebralizante.
Acabei por conseguir uma mão cheia de leitores, que nos melhores dias da semana chegam perto dos quinhentos, isto consoante as épocas do ano - a frequência do blogue é menor em tempo de férias, ou quando tenho menos tempo para publicar, e costuma atingir o pico anual por volta de Novembro (creio que o recorde terá sido a 4 de Novembro de 2009, quando chegou aos 762 leitores). Alguns destes leitores revelaram-se excelentes cibertertuliantes, que enriqueceram o blogue e geraram uma atmosfera de debate interessante, e refiro-me aqui à Vera, à Treasureseeker, à Flammarion, à Lívia Drusilla, à Sílvia Santos, à Erítia, à Inês, ao Titã, Silvério, ao Oestreminis, ao Matos, ao Phoenix Lusitanus, ao PortugalSSempre!, ao dos --, ao Imperador, ao Rodrigo, ao Anti-ex-ariano (agora conhecido também como Afonso de Portugal), ao Conistorgis, etc..
Continuem pois por aí, que eu vou ver se continuo por aqui a lançar mais umas quantas achas para alimentar a fogueira dos bons ânimos...

terça-feira, outubro 30, 2012

MAIS UMA VÍTIMA DO EXCESSIVO CALOR HUMANO AFRICANO...

Nos EUA, uma criança branca de doze anos, Autumn Pasquale, desapareceu há dias quando tinha ido visitar um amigo em Clayton, New Jersey, onde a pequena vivia com a família. Cerca de duas centenas de agentes policiais foram postos na busca do seu paradeiro.

Ontem foi encontrada morta dentro de um contentor de lixo, a poucos quilómetros de sua casa. Os investigadores confirmaram que a criança foi estrangulada.

Dois adolescentes negros foram já detidos como suspeitos de terem cometido o crime, depois da sua mãe ter lido uma mensagem de um deles no Facebook que a fez suspeitar da relação do filho com o sucedido (e abstenho-me de colocar aqui as imagens dos jovens por uma questão de bom gosto, quem quiser ver aquilo que vá à página acima lincada).

O contentor de lixo passou a ser um lugar de encontro dos familiares e amigos de Autumn Pasquale, que aí vão deixar flores.


Mais um crime de que não ouvireis falar nos mérdia dominantes, disso podeis estar certos... Mais uma vítima no contexto da coexistência racial - e, como de costume, a vítima é branca, olha que há com cada coincidência que fachavor... será que isto dá razão ao dichote racista e popularucho «around blacks never relax», que está-se mesmo a ver que é inventado por malta de baixa instrução e nível sócio-económico-cultural de médio para baixo?... 
Claro que as pessoas de um outro estrato sócio-cultural acham frequentemente inadmissível, e até criminalmente punível!, que se diga uma coisa destas. Se o povinho socialmente mais baixo passa por certas experiências desagradáveis na sua vivência em determinadas áreas urbanas, pois bem, que aguente caladinho!, ou então trabalhe muito, meta-se no elevador social e passe para outras paragens mais airosas... mas sempre caladinho... isto de crime interracial é comer e calar, pelo menos quando a vítima é branca, porque dar tais notícias, ou desabafar sobre elas, é, segundo quem manda, «incitar ao racismo e ao ódio!»... Já se sabe que os séculos de escravatura e racismo  - escravatura terminada apenas, exclusiva e unilateralmente pelos Europeus - e a injustiça social e depois o corpo negróide ter mais testosterona e mais expansividade, mais ritmo, mais impulsividade, mais calor humano!, depois tem as suas consequências, que é preciso aceitar quando se quer viver numa sociedade multirracial, ou quando se quer obrigar os outros a viver nessa sociedade multirracial...

EM ZONA ONDE ABUNDA POPULAÇÃO AFRICANA - ASSALTOS VIOLENTOS E MORTE ATERRORIZAM PORTUGUESES

"Havia muito sangue e estava toda esmurrada. Quando lhe toquei já não havia nada a fazer". Com um pano enfiado na garganta e pernas e braços atados, Henriqueta Rodrigues, de 53 anos, foi encontrada morta pelo marido no chão da sala. Os assaltantes que invadiram a residência em Odivelas roubaram todo o ouro que tinha no corpo. O homicídio, a 6 de Fevereiro, não encontrou ainda culpados.  
"As pessoas ficaram assustadas porque o crime ‘entrou em casa'. Mas foi um acto isolado, não é o tipo de crime que ocorre no concelho", diz ao CM Paulo César Teixeira, vereador da autarquia (ver discurso directo). São os roubos armados, por esticão e a estabelecimentos - ourivesarias, lojas e farmácias - que aterrorizam diariamente a população. Quando escurece, as ruas tornam-se desertas.
À porta do Centro Comercial Oceano - cujas lojas já foram assaltadas várias vezes - na avenida D. Dinis, Fernando Rodrigues, taxista, 53 anos, conta ao CM o último ataque que sofreu: "Há uns meses apanhei dois clientes. Apontaram-me uma faca, apertaram-me o pescoço e bateram-me. Os roubos são cada vez mais violentos."

Esta foi a área, recorde-se, onde aqui há tempos uma data de africanos agrediu as autoridades, entrou na esquadra à força para libertar um negro e... toda esta gente ficou em liberdade. E nem sequer o juiz foi punido por insulto à segurança e à dignidade pública.

«JOVEM» DE ZONA ALTAMENTE AFRICANIZADA QUE ATROPELOU POLÍCIA ESTÁ EM LIBERDADE

O agente da PSP atropelado durante uma perseguição no Monte de Caparica, Almada, já teve alta hospitalar e o autor do atropelamento ficou sujeito a apresentações bissemanais no posto da GNR, informou fonte da PSP.
A mesma fonte explicou que a PSP detectou na noite de sexta-feira uma viatura suspeita e constatou que tinha sido furtada. Ao tentar mandar parar o veículo, o condutor não obedeceu, iniciando-se uma perseguição.
Na praça Aristides Mendes, no Monte da Caparica, o homem de 20 anos que estava ao volante da viatura furtada seguiu em direcção às autoridades e atropelou um agente da PSP que seguia numa mota.
"O indivíduo veio contra o motociclo e o agente e a moto foram arrastados vários metros. Outros agentes, ao aperceberem-se das intenções do homem ainda efectuaram três disparos para o ar", acrescentou a mesma fonte.
O agente ferido foi transportado para o hospital, tendo sido sujeito a uma intervenção cirúrgica, mas já teve alta hospitalar, disse a fonte policial.
O homem que atropelou o agente acabou por ser detido no local, tendo também recebido tratamento hospitalar devido a lesão na cabeça provocada pelo embate.
O detido foi presente a tribunal e ficou sujeito a apresentações bissemanais no posto da GNR da sua área de residência.

Ora um jovem destes só por não imobilizar a viatura, só por isso, mesmo que mais nada tivesse feito, só por isso já merecia ficar detido, por desrespeito à autoridade, o que põe em causa a ordem pública, e por fazer perigar a segurança dos outros condutores. Em cima disso, o que fez pode equiparar-se a tentativa de homicídio, a menos que o jovem seja deficiente mental e não saiba qual o efeito que pode ter atirar com um carro para cima de um motociclista. Mesmo assim, está em liberdade.

Enfim, nem tudo é totalmente mau - pelo menos o polícia atropelado não foi acusado de abuso de autoridade ao obstruir o avanço da viatura...

Faço votos que para a próxima a polícia seja mais competente a defender o próprio coiro e dispare contra os pneus da viatura, e se o tiro atingir algo mais acima, paciência, é a vida, ou, mais concretamente, vida de meliante que arrisca a vida dos agentes da autoridade e que, por isso mesmo, deve automaticamente estar em risco de vida. Se o «jovem irreverente» for abatido, pelo menos fica a sociedade portuguesa livre do «jovem» e de mais um duplo insulto destes - porque a decisão do tribunal foi um insulto, não apenas à segurança, mas também à dignidade dos Portugueses, constituindo, até, como consequência, uma intimidação: o anónimo urbano, sozinho, que observe uma situação destas, sabe que não está de forma alguma em condições de afrontar delinquentes de certos bairros, porque percebe que se essa gente até pode atropelar propositadamente um polícia e ficar impune, o que mais não poderá fazer a um simples cidadão de classe média-baixa, sem protecção nem autoridade alguma para além do voto de quatro em quatro anos...


NO BAIRRO MAIS AFRICANIZADO DO PAÍS - FORÇAS DA AUTORIDADE NACIONAL MAIS UMA VEZ ATACADAS PELA «POPULAÇÃO RESIDENTE»...

Agentes da PSP foram apedrejados quando detinham, na Damaia, Amadora, um condutor junto ao bairro Estrela d’África. Suspeito tinha 198 gramas de haxixe, 140 euros e duas balanças de precisão.

Enfim, o quotidiano de um meio urbano pejado de imigrantes do terceiro mundo...

SEQUESTRADA E ASSALTADA POR HOMENS E MULHERES

Uma mulher foi sequestrada e agredida durante um assalto à sua residência na noite de segunda-feira, na Quinta do Anjo, Palmela, por três homens e duas mulheres, tendo os assaltantes fugido com dois motociclos e diverso material. 
"Arrombaram o portão principal da residência e depois agrediram a proprietária. Os três homens e duas melhores estavam armados com dois revólveres, uma catana e um espeto. A mulher agredida não sofreu ferimentos de relevo", disse à Lusa fonte da GNR.
Os assaltantes levaram dois motociclos, uma plasma, uma playstation, um fio em ouro e um quantia em dinheiro que não foi possível apurar o valor, acrescentou a mesma fonte.
A GNR esteve no local, com a Polícia Judiciária a tomar depois conta da ocorrência.

Por coincidência é área do País que já começa a ser africanizada... ele há coincidências do chamado camandro.

NO PAÍS IRMÃO - MUNICÍPIO CELEBRARÁ COM «RITOS CELTIBEROS» O DIA DE TODOS OS SANTOS

La localidad zaragozana de Gotor, perteneciente a la comarca del Aranda (cuna del Papa Luna), celebrará Todos los Santos con los ancestrales ritos celtíberos de Samhain. Era el nombre de los festejos que los pueblos de celtas realizaban para ofrecer las almas en su tránsito tras la muerte. Esta fiesta de Gotor se enmarca en las actividades del Territorio Iberkeltia, un grupo de cooperación interregional del que forman parte territorios de varias comunidades autónomas españolas a los que abarcaba la Celteberia.
Según los organizadores, no se trata de suplantar tradición religiosa alguna sino de poner en valor el acervo cultural de la Celtiberia que tuvo esta parte de la provincia de Zaragoza y promocionar la historia y las tradiciones frente a la influencia aglosajona de la fiesta de Halloween. En Gotor se conservan los restos de un poblado celtíbero.
Así, durante este fin de semana habrá actividades diversas en Gotor, en los que se conmemorará la fiesta de Samhain que, según destacan los organizadores, «es una celebración ancestral que los norteamericanos han popularizado como Hallowen pero que en realidad se trata de Samhain o Samain, la festividad de origen celta más importante del periodo pagano que dominó Europa hasta su conversión al cristianismo». La fiesta de Samhain marcaba también el inicio del año nuevo celta, ante la llegada del invierno.
Lugareños y visitantes se disfrazarán con vestimentas propias de los antiguos celtíberos, habrá música celta, danzas, degustaciones y representaciones, entre otras actividades. También se aprovechará el evento para inaugurar un circuito de cuatro rutas señalizadas que ponen en valor las cuatro culturas (celtíbera, cristiana, musulmana y judía) y el patrimonio etnográfico con paneles explicativos. Gotor se proclamará también Municipio de la Celtiberia para proclamar esta identidad que va calando entre niños y jóvenes. También por eso mismo se constituirá el Consejo de Jóvenes para asesorar en diversas materias.
Um bom princípio, sem dúvida - a sacralidade da herança étnica ocidental, pré-cristã, a chegar à população.

DISCURSO DO PRESIDENTE DO PNR NO FINAL DA CONVENÇÃO NACIONAL DE OUTUBRO

(...)
Estamos juntos neste combate que é, e será sempre duro e desigual. Já o sabemos e contamos com isso mesmo! Sabemos bem que a luta que travamos é feita num ambiente de terrível desigualdade e com uma gritante falta de meios, num país à mercê da pior classe de trafulhas que nos calhou em sorte desde a I República, e que mantem o regime antinacional que por sua vez os alimenta. Só pensam em servir-se, em vez de servirem. Não hesitam em saquear o que podem, destruindo e arrasando tudo aquilo que lhes sirva de obstáculo.
(...)
Por isso mesmo subjugam o nacionalismo, impondo-lhe uma luta muito desigual e um permanente estado de boicote e censura.
Tudo isto são circunstâncias adversas, mas contamos com elas e não viramos a cara ao combate. Aqui no PNR, não agimos por impulsos, por imediatismo ou por pressões de ideias absurdas: somos antes corredores de fundo que sabemos que o caminho é muito longo e duro. Impõe-se pois, trabalho sério e persistente: sem desânimos nem desistências, nem desvios ou paragens. É nisso que temos que nos centrar e realizar um verdadeiro trabalho de formiga que garanta uma forte fidelização das pessoas que, cada vez mais nos olham com atenção e esperança, um pouco por todo o lado.
A nossa postura é a que Bergson tão bem sintetizou: “pensar como homens de acção e agir como homens de pensamento”. Pensamento e acção são dois polos fundamentais que nos distinguem dos eternos promotores de tertúlias intelectuais que em pouco ou nada têm servido o nacionalismo, e nos distinguem também dos aventureiros inconsequentes que defendem o “falem bem ou falem mal, mas falem de nós” que tanto dano provoca à nossa imagem.
Não nos iludamos: se isto fosse fácil, já estaria feito ou estavam cá outros. Por isso, aos que na cómoda postura de treinadores de bancada e de lunáticos inúteis, que apenas sabem criticar e exigir que façamos impossíveis, ignoremo-los. Eles que se mexam e ponham em prática as suas fórmulas mágicas se quiserem.
Que cada um de nós faça sempre, tudo aquilo que pode e sabe, com espírito de iniciativa, de disciplina e de unidade ao PNR e assim continuaremos firmemente o caminho da credibilidade e solidez na construção do Nacionalismo Renovador em defesa de um Estado Nacional e Social.
Que viva o PNR, para que viva Portugal!

segunda-feira, outubro 29, 2012

INTIMAÇÃO DA EXISTÊNCIA DO DIVINO

«Se alguma vez chegaste a um bosque cheio de antigas árvores que cresceram mais do que é usual, encobrindo a vista do céu com um véu de ramos cruzados e entrelaçados, então a altura da floresta, o isolamento do local, e o teu maravilhamento diante da sombra espessa ininterrupta no meio dos espaços abertos, irá demonstrar-te a presença da Divindade. Ou se uma caverna, feita pelo profundo desmoronamento das rochas, mantém uma montanha no seu arco não construído com as mãos, mas escavado em tal espaço por causas naturais, a tua alma irá ser profundamente tocada por uma certa intimação da existência de Deus. Adoramos as fontes dos poderosos rios; erigimos altares em lugares onde grandes correntes rompem subitamente de fontes ocultas; adoramos as fontes de água quente como divinas, e sacralizamos certos lagos por causa das suas negras águas ou pela sua imensurável profundidade
 
Epístola 41, 3, de Lucius Annaeus Seneca, um dos maiores filósofos da Romanidade, nascido na Celtibéria.

PATRIARCADO ECUMÉNICO ORTODOXO GREGO NA ALEMANHA CONDENA «RACISMO E XENOFOBIA»

Na Alemanha, o Patriarcado Ecuménico Augustino Metropolitano Ortodoxo condenou «a xenofobia e o racismo, donde quer que venham», notando um aumento dos ataques racistas e anti-imigrantes na Grécia. Falando à versão grega do jornal alemão Deutsche Welle, salientou que «quando tais eventos ocorrem, a Igreja não pode permanecer em silêncio», no que parece um recado à Igreja Ortodoxa Grega na Grécia, a qual ainda nada disse a respeito dos protestos anti-blasfémia em Atenas. Situação desagradável, a da beatagem grega - queria poder apoiar um partido que, numa onda de «real politik», tenta congregar as forças conservadoras da sociedade grega, ainda bem presas sob o vulto do carpinteiro judeu, mas ai que a índole doutrinal do dito partido contradiz essencialmente o próprio cerne da mensagem cristã...
Mais afirmou, o Patriarcado, que, devido à esmagadora crise na Grécia, a qual pôs dois milhões de pessoas no desemprego e aumentou o desespero, urge fazer-se um retorno à espiritualidade. Observou ainda que os gregos a viver na Alemanha partilham a preocupação a respeito do destino da sua terra.
As suas afirmações foram proferidas no contexto da celebração, por parte dos Gregos da diáspora, do «Dia Oxi», 28 de Outubro, quando a Grécia recusou render-se à Itália no início da II Guerra Mundial, efeméride recordada pela Federação das Comunidades Gregas na Alemanha.

É mais uma voz da ortodoxia cristã «grega» a condenar o «racismo», depois do bispo da região da Macedónia Ocidental, Pavlos de Stiatista, que considerou ser frontalmente anti-cristã a «perseguição» aos imigrantes, afirmando até que ao perseguirem os imigrantes, os nacionalistas estão a perseguir Cristo. (Ver em
E não se pense que esta condenação do racismo por parte da Igreja Ortodoxa é coisa recente, por sintonia com os tempos do politicamente correcto - pelo contrário, já no século XIX este credo atacava abertamente o racismo: a 10 de Setembro de 1872, o Grande Sínodo Pan-ortodoxo condenou formalmente o «etno-filetismo», que é a teoria segundo a qual uma igreja deve centrar-se, não num dado território, mas sim numa comunidade étnica ou nacional (ver http://en.wikipedia.org/wiki/Phyletism). O etno-filetismo foi considerado como uma heresia, como aqui se pode ver: http://www.incommunion.org/2004/12/11/the-heresy-of-racism/ Aqui se diz que a ideia de uma igreja cristã circunscrita a determinada estirpe não existia para os cristãos tradicionais, o que é confirmado pelo link acima da Wikipédia, que informa ser o etno-filetismo uma novidade do século XIX, produto dos Nacionalismos da época. Uma novidade depressa cortada rente pela coerência cristã, como agora se voltou a ver, tanto no caso do bispo Stiatista como no do Patriarcado Ecuménico na Alemanha. Não é aliás despropositado lembrar o que escreveu o prof. António Lugano a respeito da substituição do princípio do ius sanguinis, ou direito de sangue, pelo ius solis, como critério para divisão populacional no Ocidente cristianizado:
Se o “jus sanguinis” está na base dos agrupamentos populacionais até à Idade Média, a criação dos feudos (territórios e população de propriedade privada) originou movimentos de população que impuseram (por interesse senhorial) o “jus soli”. As tradições (expressão cultural) misturaram-se e a imposição de uma doutrina religiosa monoteísta (cristianismo) diluiu grande parte da mitologia “fundadora” do universo cultural europeu.
A população de que dispunha o senhor feudal determinava-se pelo território onde nascera (“jus soli”), e onde imperava a “normalização cristã”, dissolvendo-se a noção de comunidade por “jus sanguinis”.

Lutava-se “pelo estandarte do senhor Conde”, ou “pelo pendão de Cristo”, não pela defesa de uma “nação” da qual se havia perdido já qualquer referência. (...)

Trata-se pois de uma coerência antiga, que mais uma vez expõe a flagrante oposição e incompatibilidade entre a sensibilidade cristã, universalista, e a sensibilidade etnicista, nacionalista, que assenta toda ela no princípio da prioridade que deve ser dada ao Nós. E é precisamente da sensibilidade cristã que deriva o anti-racismo militante, produto do universalismo tido como moralmente obrigatório pela doutrina do judeu morto, inimigo visceral do Nacionalismo autêntico, que só pode ser etnicista.


AGIR: DIFUNDIR O NACIONALISMO COM O PNR

(...)
Temos que privilegiar as zonas onde tenhamos militância e a propaganda do PNR possa ser constante, sendo esta questão territorial, de importância racional e estratégica, fundamental para os nossos objectivos.
Mas também, de igual importância, são alguns sectores da sociedade, mais propensos a captar em primeiro a nossa mensagem:
a) Ex-combatentes; e pessoas retornadas do Ultramar, que não esquecem a traição do Regime.
b) Forças da segurança; desprezadas, desautorizadas e manietadas pelo politicamente correcto.
c) Desempregados, trabalhadores precários e empregados, de classe média; que sentem com nitidez a injustiça de sustentarem a subsídio-dependência e o despesismo do Estado, sacrificando-se para tal.
d) Famílias; e organizações de defesa da Vida e da família.
e) Juventude; este sector reveste-se de extrema importância, sendo prioritário o relançamento do organismo juvenil do PNR.
f) Reformados e Idosos; que trabalharam toda uma vida para verem agora o dinheiro que deveria ser para o seu bem-estar, ser devorado pelo saque voraz de um Estado injusto.
No contexto, por nós, sobejamente conhecido, de tremenda desigualdade de tratamento e de falta de meios e escassíssimo acesso à comunicação social ou a outras formas de divulgação, não podemos ter a veleidade de querer falar de todos os temas por igual.
Desse modo, temos que incidir sobretudo naqueles que mais nos são caros e onde nos afirmamos como singulares defensores no espectro político nacional. A saber:
a) Soberania nacional;
b) Produção nacional e políticas proteccionistas
c) Imigração e nacionalidade;
d) Insegurança e criminalidade;
e) Defesa da Vida e da Família;
f) Corrupção do regime e moralização do serviço público;
g) Justiça Social;
Para alcançar estas metas, melhorando em qualidade e quantidade o que já vem sendo feito, é preciso conseguir maior implantação local, mais organização interna, e incrementar a notoriedade e exposição pública do partido.
O PNR tem que ser a plataforma de entendimento dos nacionalistas empenhados em algo sério, uno e duradoiro, sem ceder as chantagens ou tornar-se refém de facções, mas antes afirmando-se como única força aglutinadora e consequente no seio Nacionalista. Este é um esforço que desde sempre tem preocupado a Comissão Política Nacional em exercício. Em todos os quadrantes políticos e ideológicos existem diferentes grupos e sensibilidades. Assim também acontece na área Nacionalista, onde a tendência para a cisão é uma constante, e era já corrente antes mesmo da criação do PNR. Mas os novos tempos impõem que os órgãos do partido se movam e orientem no sentido de atrair e fidelizar o maior número possível de nacionalistas.
Assentes assim nesses pressupostos, que constituem as nossas Causas e as nossas metas, lançamos o desafio e as bases para a criação de um Nacionalismo Renovador, que seja ouvido e acolhido pelos Portugueses.

IDENTITÁRIOS DE PORTUGAL NO FACEBOOK


Movimento Identitário Português. Esta página tem como objectivo promover a mensagem identitária e noticiar desenvolvimentos do movimento na Europa.

Contém textos e a tradução para Português da «declaração de guerra» do grupo francês Geração Identitária.

APERTA-SE O CERCO JURÍDICO À GERAÇÃO IDENTITÁRIA

O governo francês estuda já a possibilidade de dissolver a organização Geração Identitária pelo facto de cerca de uma centena dos seus membros ter ocupado, na passada semana, o edifício que virá a ser a mesquita de Poitiers, bradando «Reconquista!».
Como foi aqui referido, o Conselho Francês do Culto Muçulmano alertou de imediato para o aumento «alarmante» da islamofobia; os partidos socialista e comunista pediram a dissolução do grupo. Manuel Valls, militante socialista, deixa-o claro: «um estudo jurídico está em marcha. Deveríamos estar atentos a estes identitários e lutar contra as suas acções
Entretanto, quatro dos jovens identitários que participaram da ocupação estão a ser acusados de «incitar ao ódio racial» e de «manifestação ilegal»; três deles foram também acusados de «roubo e dano de propriedade» devido à remoção dos tapetes de oração da mesquita. Correm o risco de ser encarcerados por cinco anos.
Em reacção, a presidente da Frente Nacional (FN), Marine Le Pen, declarou hoje estar horrorizada pelas «reacções histéricas da classe política» à acção identitária e comentou que «gostaria que tivesse havido a mesma histeria quando foram ocupadas igrejas cristãs em diversas ocasiões», acrescentando não compartilhar a «forma de actuar» do grupo identitário, explicando assim esta sua posição: «não estou de acordo com esta forma de actuar porque respeito a lei de 1905, algo que quero deixar claro, e creio que os lugares de culto não são lugar para a expressão política.» Considera por outro lado «desproporcionado» que se procure a dissolução da Geração Identitária, dizendo que «nesse caso, também devemos pedir a dissolução do GISTI, do SOS Racismo, que procederam à ocupação de várias igrejas», referindo-se aqui à presença de imigrantes ilegais na igreja de São Bernardo em Paris, no ano de 1996, e na catedral de Saint-Denis em 2002. Quanto à petição do referendo sobre a construção da mesquita, que a Geração Identitária propôs, disse não a considerar censurável.

SÍTIO INTERNÉTICO DO EUROMILHÕES ATACADO POR «HACKERS» MUÇULMANOS

Agradecimentos a quem aqui trouxe a notícia, que também se encontra aqui: http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=2853950&seccao=Europa
O site francês do Euromilhões foi atacado por piratas informáticos que substituiram a homepage por passagens do Alcorão a condenar o jogo.
Os "hackers", que se intitulam "Moroccanghosts", postaram a sua mensagem em àrabe e francês, com passagens do Alcorão que afirmam que os jogos são "obra do Diabo", com o propósito de "afastar as pessoas de Deus".
Segundo avançou a "BBC News", a companhia francesa que gere o site, a FDJ, afirmou que além do Euromilhões, mais nenhum dos restantes jogos do portal foi afectado.
De acordo com a imprensa francesa a mensagem apareceu no domingo de manhã e durante a tarde o site continuava inacessível, embora a mensagem já lá não se encontrasse.
A FDJ afirmou em comunicado que o portal estava a ser reconfigurado mas que nenhum dos jogos tinha sido afectado pelo ataque, pelo que a normalidade do site seria restabelecida após a intervenção técnica.

É só mais um episódio da coexistência civilizacional do Ocidente com o Islão, a realçar a sua impossibilidade. E sempre do mesmo modo - as liberdades ocidentais a não serem toleradas à luz da castrante moral islâmica, que é, realmente, a moral da submissão, como indica o próprio nome do credo: «Islão» significa «paz», como dizem os muçulmanos alegadamente moderados e os seus dimiescos amigos, frequentemente sem dizerem o resto, a saber, que se trata da paz obtida pela submissão a Alá, daí a postura completamente agachada do muçulmano durante a oração. Muito antes de Maomé nascer já Aristóteles observada, há dois mil e quatrocentos anos, que a grande diferença entre o Ocidente e o Oriente era precisamente a Liberdade que o Ocidental (tanto o bárbaro como o Grego) amava e o Oriental não...

ÍNDIA COMPRA MILHARES DE MILHÕES EM ARMAMENTO À RÚSSIA

O Comité de Segurança no governo da Índia aprovou a compra, à Rússia, de um grande lote de mísseis antitanque, munições de tanque e foguetes de lançamento aéreo, informa o jornal Times of India.
Em particular, aprovaram a compra de 10.000. A transacção futura está avaliada em 240 milhões de dólares.
Mais cedo, no sábado, o Comité de Segurança aprovou a compra de mísseis de tanque guiados russos Invar para tanque T-90 e mais de 200 foguetes BrahMos de lançamento aéreo no valor total de mais de 1,5 biliões de dólares.

Mais um fortalecimento dos laços entre a potência árica mais a oriente e a maior potência europeia, potencial bastião da estirpe europeia.

PNR PRESENTE NO CONGRESSO DE ALIANÇA EUROPEIA DE MOVIMENTOS NACIONAIS

Entre os dias  20 e 21 de Outubro, realizou-se na Hungria o 1º congresso da Aliança Europeia de Movimentos Nacionais (AEMN), após o  reconhecimento oficial desta associação,  por parte das instâncias comunitárias.
As jornadas decorreram num magnífico castelo do século XVI, tendo como cenário  de fundo  a bucólica paisagem da região de Hédervár, que dista cerca de 100 km da capital, Budapeste.
Coube ao pujante Jobbik, sinónimo de Movimento para uma Melhor Hungria, desempenhar o papel de partido político anfitrião.
Terceira maior força política húngara, com cerca de 17% de votos obtidos na últimas eleições legislativas, convertidos em 45 assentos parlamentares, o Jobbik possui vários eurodeputados em Estrasburgo, centenas de autarcas, detendo inclusive, a presidência de alguns municípios.
Para além dos anfitriões húngaros, tomaram assento na reunião estatutária, personalidades  em representação de formações políticas  de Portugal, França, Reino Unido, Bélgica, Bulgária, Polónia, Itália, Lituânia, Eslovénia, Espanha e Suécia, para além de uma delegação japonesa, com estatuto de observadora.
Digna de registo, a presença de individualidades como  o actual vice-presidente do parlamento húngaro Zoltán Balczó, o senador polaco e ex-vice-ministro para os Assuntos Europeus daquele país  Daniel Pawloviecz, assim como o presidente da autarquia húngara  que acolheu as jornadas.
Por sua vez, o Partido Nacional Renovador esteve representado pelo seu Vice-Presidente, Pedro Frade.
No decorrer dos trabalhos, para além da abordagem da situação particular de cada partido político representado no congresso, procedeu-se à análise de questões inerentes à organização interna da AEMN, de aspectos relativos  ao orçamento financeiro para o próximo ano e de assuntos relacionados  com a consecução dos objectivos propostos para o futuro.
Motivo de regozijo para os  presentes foi a aprovação praticamente certa até final do presente ano, pelo Parlamento Europeu, da “Fundação Identidade, Tradição Soberania”, que actuará numa vertente complementar  à da aliança de partidos políticos nacionalistas.
Por seu turno, o eurodeputado Bruno Gollnisch, eleito para o Parlamento Europeu, pela Frente Nacional francesa,  foi reconduzido por unanimidade, nas suas funções de presidente da AEMN.
De mencionar, a mensagem enviada por Jean Marie Le Pen aos presentes, na qual,  o eurodeputado francês e membro da AEMN, ausente por motivos de agenda, vincou a imperiosa necessidade em fazer face às forças destrutivas do mundialismo,  que pairam sobre o património material, moral e espiritual das nações europeias.
No  comunicado final, emitido no término dos trabalhos, ficou patente o total desacordo dos presentes face ao Tratado de Lisboa, imposto a cada nação à revelia do seu próprio povo.
Símbolo inequívoco  da submissão dos Estados membros aos ditames dos tecnocratas europeus, aquele tratado  não apresenta soluções viáveis para os problemas de cariz económico e financeiro que  assombram actualmente o nosso continente, cujo declínio será acelerado em virtude das políticas de austeridade vigentes.
Os membros da AEMN reafirmaram igualmente  o seu empenho em prol da defesa dos valores europeus tradicionais, nomeadamente a família, célula base da sociedade, formada a partir da união entre um  homem e uma mulher.
No tocante às relações internacionais, foi colocado ênfase no respeito pela liberdade e soberania das nações, na não ingerência em assuntos internos de países terceiros, na cooperação cultural, industrial e política, sem que isso implique  concessões em matéria de independência nacional.
Durante a conferência de imprensa que precedeu o cocktail oferecido aos congressistas, o representante do PNR teve o prazer de travar conhecimento com  um simpatizante do partido, residente há mais de uma década na capital húngara,  que se deslocou expressamente a Hédervár com o intuito de demonstrar o seu apoio à única formação política nacionalista existente em Portugal.

MAIOR AUTORIDADE ESPIRITUAL DO MUNDO ISLÂMICO CONSIDERA A RÚSSIA COMO A MAIOR INIMIGA MUNDIAL DO ISLÃO

Mais um bom indício de que a Rússia constituiria a maior esperança do mundo europeu...
 
“Irmãos, nestes dias Moscovo tornou-se o inimigo do islão e dos muçulmanos, o inimigo número um”. Esta declaração sensacionalista foi feita por um dos principais estudiosos sunitas do mundo, o teólogo e xeque Yusuf Al-Qaradawi. Ele considera que a Rússia é responsável pelos assassinatos de civis na Síria.
Esta declaração é uma ameaça e não simplesmente uma explosão emocional. O xeque Yusuf Al-Qaradawi é o teólogo mais respeitado no mundo sunita. É o líder espiritual da organização terrorista Irmandade Muçulmana no Egipto, na Síria, na Líbia e em outros países do mundo muçulmano. Basta Al-Qaradawi declarar um país inimigo número um para todos os seus seguidores ouvem o seu chamado para acções activas. Al-Qaradawi escreveu mais de 120 livros, recebeu oito prémios internacionais pela contribuição inestimável para os conhecimentos fundamentais muçulmanos. Hoje é o teólogo mais influente do mundo. Está em terceiro lugar na lista dos “homens mais intelectuais do mundo” segundo a versão da revista britânica Prospect Magazine e da revista americana Foreign Policy. Na qualidade de líder espiritual do movimento Hamas, apoiou o método mais eficaz e sanguinário de actividade terrorista dos terroristas suicidas. “Milhares de teólogos islâmicos partilham da minha opinião,” declarou há oito anos Al-Qaradawi. Até mesmo quando a população civil de Israel sofreu com as explosões de terroristas-suicidas, declarou à BBC britânica que “as mulheres de Israel não são mulheres, são soldados”. Justamente depois desta declaração o movimento Hamas iniciou activas operações de combate no território de Israel. Como disse à Voz da Rússia Amit Assa, ex-coronel do Serviço geral de Segurança de Israel (Shabak) agora consultor de segurança internacional, a declaração do xeque Yusuf Al-Qaradawi colocou em risco a vida de russos no mundo inteiro. “Tal declaração hostil é um guia de acção para a Al-Qaeda, Irmandade Muçulmana e muitas outras organizações radicais. É um chamado para atacar russos em toda parte. Ele não precisa de dizer “matem os russos”. Eles têm as suas mensagens cifradas. E a declaração de “inimigo número um” é justamente uma mensagem dessas, um chamado a operações activas”. Esta é a primeira manifestação semelhante contra a Rússia. Até mesmo Ruhollah Musavi Khomeini, líder da revolução islâmica de 1979 no Irão, não chamou à Rússia inimigo número um, apesar de sempre a ter considerado “pequeno Satanás”, depois dos EUA e Israel. Muitos teólogos sunitas radicais abstiveram-se de semelhantes ataques contra a Rússia, apesar de recordarem a URSS e a sua ajuda de muitos milhões aos árabes.
O xeque Yusuf Al-Qaradawi esteve envolvido com a Al-Qaeda e outros rebeldes muçulmanos no Afeganistão. Mas ninguém poderia imaginar que chamariam à Rússia inimigo número um.
O xeque Abdul Hadi Palazzi, secretário geral da Associação Muçulmana Italiana disse à Voz da Rússia:
“Eu espero que todos os chefes espirituais dos muçulmanos da Rússia condenem semelhante declaração de Al-Qaradawi e continuem a seguir a política de paz e lealdade em relação à Rússia.”
(...)

O XISTO COMO NOVA FONTE DE ENERGIA QUE PERMITA ABALAR A PETROCRACIA MUÇULMANA

O surgimento de novas tecnologias energéticas – extracção de gás e petróleo de xisto é capaz de influenciar seriamente as relações internacionais.
Grandes jogadores mundiais que até agora dependem da importação de energéticos, dentro de algum tempo poderão ser seus exportadores. Tal situação, se realmente vier a acontecer (isto está muito longe, as perspectivas de exploração do xisto por enquanto não são evidentes) inevitavelmente colocarão sérias questões também perante a Rússia, que é grande fornecedor de energéticos no mercado mundial. Moscovo terá de corrigir inevitavelmente a sua política interna e externa.
Ainda há dez anos era impossível pressupor que os EUA se tornariam grande produtor de gás natural e ultrapassariam, em volume de sua extracção, a Rússia, que ocupava até então o primeiro lugar. Agora isto é facto consumado. As explorações de gás de xisto começaram em muitos países do mundo, inclusive na Polónia, Ucrânia, Austrália, Grã-Bretanha e também na China. Segundo informações dos meios de comunicação social, o Reino Unido até 2032 irá suprir, por conta do gás de xisto, um quarto das suas necessidades desse tipo de combustível.
Surgiram também tecnologias que possibilitam obter petróleo de xisto. Por exemplo, há informações de que o Japão conta seriamente com isto. A companhia Japan Petroleum Exploration conseguiu obter combustíveis líquidos de xisto, o que, possivelmente, será a solução do problema de grave escassez de energia nesse país, que também está relacionado com a recusa, em perspectiva, da energia atómica pelo Japão.
A revolução do xisto, se ocorrer, terá inevitavelmente forte influência sobre as relações internacionais. Imaginemos um roteiro puramente teórico, que por enquanto não tem nada a ver com a realidade. Os EUA, os países da Europa Ocidental e a China cessam a importação de petróleo e gás, ou pelo menos reduzem-na bruscamente. Neste caso pode-se incluir no campo de vítimas as monarquias petrolíferas do Golfo Pérsico. A procura do seu principal produto cairá bruscamente e elas serão obrigadas a reduzir consideravelmente suas ambições geopolíticas.
Também cairá o interesse dos EUA pela Ásia Central. Provavelmente cessará a realização de projectos de condutas contornando a Rússia. Não serão claras as perspectivas de exploração de jazidas no mar Cáspio. Possivelmente em lugar de tentativas de assegurar o acesso a reservas de energéticos, que se encontram fora de suas fronteiras, Washington concentrará os seus esforços em outras direcções. Por exemplo, na recuperação de suas posições na América Latina, que nos últimos anos se abalaram visivelmente.
No que se refere à China, que também planeia começar a extracção no seu território de gás e petróleo de xisto, existe grande probabilidade de que, também para ela, a região centro-asiática perca o seu encanto. Perderá sentido a activa expansão chinesa em África e diminuirá a dependência de Pequim  dos fornecimentos de petróleo do Golfo Pérsico.
À primeira vista, caso as tecnologias do xisto se justifiquem, a Rússia ficaria no campo dos que perderam. Isto, entretanto, não é bem assim. Em primeiro lugar, diferentemente das petrocracias clássicas do tipo da Arábia Saudita, tem uma economia mais variada. Depende naturalmente muito das receitas do petróleo e gás, mas entretanto sua diminuição somente servirá de grande estímulo complementar para a diversificação económica.
Deve-se salientar que os roteiros expostos são apenas suposições, que podem-se realizar ou podem apenas ficar no papel. Não antes de sete-dez anos será possível compreender que influência exercerá realmente o xisto sobre as relações internacionais. E pode ser ainda mais tarde. Mas é melhor começar a pensar nisto já hoje.

ARÁBIA SAUDITA AVISA ISRAEL - AVIÕES ISRAELITAS SERÃO ABATIDOS SE SOBREVOAREM ESPAÇO AÉREO SAUDITA

Fonte: http://portuguese.ruvr.ru/2012_08_09/Arabia-Saudita-ira-abater-avioes-da-Forca-Aerea-israelense/
As autoridades sauditas avisaram Tel-Aviv sobre a sua intenção de abater aviões israelitas em caso de sobrevoarem o espaço aéreo do reino com destino ao Irão, informou há meses o diário israelita Yedioth Ahronoth.
De acordo com o jornal, a mensagem de Er-Riad foi transmitida através de colaboradores da administração norte-americana durante conversações que mantiveram recentemente com responsáveis de Israel em Jerusalém.
De acordo com informações veiculadas anteriormente nos média, Israel estaria preparando uma acção militar unilateral contra o Irão com receio de desenvolvimento do seu programa militar. Segundo o jornal, o ataque aéreo de Israel pode ser levado a cabo também através do espaço aéreo do Iraque.
São assim, os princpais «aliados» muçulmanos do Ocidente: põem o ódio ao Estado Judaico acima de quaisquer alianças, mesmo que para isso tenham de apoiar os seus alegadamente odiados rivais de doutrina (o Islão é xiita, os sauditas são sunitas).

DESCOBERTO PERGAMINHO ROMANO-BRITÂNICO DE MALDIÇÃO

No território do Reino Unido foi descoberto um pergaminho antigo com uma maldição romana contra 14 criminosos. O pergaminho foi descoberto por arqueólogos britânicos ainda em 2009 em East Farleigh, condado Kent, mas apenas agora cientistas conseguiram decifrá-lo. O artefacto é uma perfeita prova que a cultura dos antigos bretões assimilou tradições religiosas romanas. O documento, datado do século III a.C., representa uma forma tradicional de maldição, designada para privar as pessoas indicadas de graças divinas.

PARTIDO NACIONALISTA DA UCRÂNIA ALCANÇA RESULTADO HISTÓRICO


O Svoboda, partido nacionalista ucraniano, entrou hoje no parlamento nacional da Ucrânia, com cerca de doze por cento dos votos - é a primeira vez que um partido nacionalista consegue assento no parlamento do país. O Svoboda, que inicialmente se chamava Partido Social-Nacional da Ucrânia, e que posteriormente adoptou a actual designação, que em Ucraniano significa «Liberdade», tem como ideologia o Nacionalismo etnicista rigoroso e, subsequentemente, o chamado Nativismo, doutrina que consiste no dever da prioridade do autóctone sobre o alógeno. De acordo com o líder do partido, Oleh Tyahnybok, a perspectiva nacionalista do Svoboda «não deve ser misturada com chauvinismo ou com Fascismo, que significam a superioridade de uma nação sobre outra», daí que o seu lema seja «As Nossas Próprias Autoridades, a Nossa Própria Propriedade, a Nossa Própria Dignidade, na Nossa Própria Terra Dada-por-Deus.» O partido é também contrário à influência russa sobre o País e anti-islamização. Originalmente, tinha como símbolo um emblema que supostamente seria constituído por um I e um N, expressando a «Ideia de Nação», e que se assemelha vagamente ao emblema heráldico Wolfsangel, de raiz rúnica ( das runas, letras mágicas do alfabeto pagão germânico):
 
Posteriormente, o emblema do partido passou a ser o que acima se vê: a mão com três dedos levantados, eventualmente a evocar o Tryzub, espécie de tridente que constitui o principal símbolo da Ucrânia e que parece representar originalmente o Falcão, que, segundo a tradição mitológica eslava, foi o primeiro Deus (Pershoboh). O Tryzub foi no tempo da cristianização substituído na heráldica ucraniana por imagens de santos, mas em 1917 passou a ser usado como símbolo nacional da Ucrânia. Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Coat_of_arms_of_Ukraine
 
E, para comemorar o resultado, e encantar as vistas de quem tenha melhor gosto, aqui fica um belo vídeo vídeo do partido Svoboda, a comemorar uma batalha - uma marcha de tochas com cerca de três mil autóctones:
 

JOVEM DE BAIRRO ALTAMENTE AFRICANIZADO TENTA MATAR POLÍCIA DURANTE PERSEGUIÇÃO POLICIAL

Um jovem de 20 anos, sem carta de condução e que seguia num carro roubado, abalroou um agente das Equipas de Prevenção e Reacção Imediata (EPRI), da PSP de Setúbal, anteontem à noite durante uma perseguição no Monte da Caparica, Almada. O polícia, de 28 anos, sofreu um traumatismo craniano e ficou com o maxilar inferior deslocado.
Segundo o CM apurou, Pedro, um ‘velho’ conhecido das autoridades da Margem Sul, andava há vários dias a circular num Fiat Punto furtado, que abastecia sem nunca pagar. Anteontem, perto das 23h00, elementos das EPRI detectaram o veículo na zona do Monte da Caparica e moveram-lhe perseguição.
Os agentes ainda efectuaram alguns disparos de aviso para o ar, mas parecia que nada travava o ladrão em fuga. Quando o jovem estava a chegar ao Bairro Branco, onde mora, fez inversão de marcha e investiu contra uma das motos onde seguia um agente, atingindo-o com violência. Nessa altura, os colegas do polícia ferido conseguiram apanhar o jovem, que ainda tentou fugir a pé.
Pedro acabou detido e passou a noite nos calabouços da PSP de Almada. Deverá ser presente a tribunal durante o dia de hoje.
O polícia ferido foi assistido pelo INEM e transportado para o Hospital Garcia de Orta, mas devido à gravidade dos ferimentos teve de ser transferido para o Hospital de São Francisco Xavier, em Lisboa.
O CM tentou obter mais pormenores sobre a detenção junto do oficial de serviço da Divisão da PSP de Almada, que remeteu qualquer esclarecimento para o Comando de Setúbal. No entanto, por ser fim-de-semana, não havia nenhum oficial de serviço neste Comando e a oficial de dia na Divisão de Setúbal desconhecia o caso.

«POLÍCIA» DA CHARIA ACTUA NA CAPITAL BELGA E EUROPEIA

Na capital da Bélgica, e da União Europeia, parecem observar-se já sinais da presença de uma espécie de polícia islâmica, que implementa a charia ou lei muçulmana: cartazes de publicidade da marca de roupa interior feminina Prima Donna foram cobertos, na Rua Birmingham, em jeito de censura púdica...
Não é a primeira vez que a marca Prima Donna se defronta com o conservadorismo muçulmano. Piet Jaspaert, presidente do Jurado de Ética Publicitária (JEP) explica que a marca Prima Donna já foi alvo de denúncias por causa dos seus «slogans» publicitários demasiado provocatórios. Recorda que a anterior campanha de linerie da marca foi criticada por muçulmanos por coincidiram com o Ramadão.
A marca de lingerie alertou para a gravidade do facto de este tipo de fenómenos se observarem num país livre. A conselheira municipal Ann Brussel, do partido Open Vlaamse Liberalen en Democraten (Liberal e Democrático Flamengo) em Anderlecht, difundiu a imagem de um cartaz censurado e comentou que tal se devia ao «puritanismo por parte da comunidade muçulmana do município.» E disse mais: «não é a primeira vez que uma mulher em roupa interior aparece em catálogos, que têm de ser retirados de circulação porque os muçulmanos fazem a vida impossível aos comerciantes que os utilizam para as suas promoções de roupa interior. Não se pode permitir que a polícia moral decida sobre qualquer campanha publicitária que diga respeito à aparência das mulheres. Deve ser capazes de tolerar as coisas com as quais estão em desacordo. Assusta-me que esta gente queira destruir isto. Estou muito preocupada com a radicalização do distrito e noutros bairros de Bruxelas. Já é hora de discutir o tema e dar uma resposta, por muito difícil que seja. Isto tem que acabar.» Advertiu também que «a radicalização é um problema para a sociedade aberta, porque se traduz numa maior polarização. As acções dos salafistas levam água ao moinho dos nacionalistas flamengos, porque assim mostram que o multiculturalismo não funciona. Assim, o racismo e a xenofobia só aumentam. Não foi só às liberdades que chegou a pressão, mas também à diversidade e à tolerância na nossa sociedade
 
Que chatice para a elite reinante, o raio da Senhora Realidade a dar razão aos «racistas & xenófobos»...
 
 
 
 

domingo, outubro 28, 2012

SOBRE UMA DECLARAÇÃO DE INTENÇÃO GENOCIDA CONTRA A DIREITA BRANCA AMERICANA

Declaração de ódio genocida à «Direita branca» norte-americana, entenda-se, aos brancos norte-americanos que tenham a ousadia de querer resistir ao seu próprio genocídio como estirpe:  http://www.timwise.org/2010/11/an-open-letter-to-the-white-right-on-the-occasion-of-your-recent-successful-temper-tantrum/
Um excerto exemplificativo:
(...)
Porque vocês são uma espécie em perigo.
E ao contrário de, por exemplo, a águia careca ou alguma espécie exótica (...), vocês não merecem ser salvos.
(...)
Porque daqui a cerca de quarenta anos, metade do país será preto ou castanho. E não há nada que vocês possam fazer a respeito disso.
(...)

Pelo meio lembra-se de chamar aos brancos de direita os «vilões» das séries e dos filmes mais famosos, o que ironicamente corresponde ao maniqueísmo grosseiro, hollywoodesco, com que a cambada da laia do autor costuma representar os «racistas». E, no fim, faz questão de dizer que não tem em mente nenhuma matança, porque, escreve, «nós não fazemos disso» - porque, como se sabe, o genocídio que esta malta quer fazer é «indolor», sonso, e a referência à ausência de violência e sangue só reforça a monstruosidade de quem afinal não considera que o genocídio em si, isto é, a eliminação de uma estirpe, seja um crime.

De notar que quem escreveu isto, o activista anti-racista e meio judeu Tim Wise, é, apesar do seu estilo infantilóide-tineige ao «melhor» estilo ianque, considerado lá pelos States como gajo de grande inteligência e influência... Não admira, de resto, que se declare como judeu anti-sionista, a traição está-lhe no sangue - aquilo é o mais acabado estereótipo do representante da elite sócio-cultural reinante, visceralmente oicofóbica.
Agora imagine-se que alguém dizia o que ele escreveu mas contra os negros que votam em Obama por ele ser negro ou coisa assim. Só mesmo no quadrante mais politicamente marginalizado é que tal seria possivel e não se livrava de haver quem o quisesse prender. A coisa dá uma ideia de como está orientada a elite reinante.


O PAPEL DO ESTADO SEGUNDO O PNR

Na defesa e fortalecimento dos nossos Valores e Causas – Nação, Identidade, Soberania, Família e Trabalho – defendemos o papel preponderante do Estado.
Não queremos mais Estado ou menos Estado apenas porque sim, presos aos preconceitos em voga, de pendor Liberal ou de pendor Socialista. No primeiro caso, a tendência é para um Estado quase espectador da lei da selva, usurária, imposta pela iniciativa privada e pela economia totalitária. No segundo caso, a tendência é para um Estado subsidiário, abrigo de toda a espécie de parasitas, castrador e igualitário.
O nosso modelo é o de um Estado eficaz, cuja existência é imprescindível, mas sem gorduras nem peso inútil ou atrofiador. Não deve haver presença do Estado onde ela não seja realmente necessária. Deve haver lugar à iniciativa privada e respeito pela propriedade privada.
O Estado é fundamental e tem que ser forte, mas naquilo que lhe compete estritamente: regular e fiscalizar a sociedade civil, promover a Justiça Social e impedir toda a espécie de abusos, de desigualdades gritantes, e de igualitarismos. Por um lado, garantindo a igualdade dos Portugueses no acesso a coisas tão fundamentais como a saúde, a educação e a justiça. Por outro, premiando mérito e a capacidade de trabalho, não tratando assim de forma igual o trabalhador e o parasita.
Ao Estado compete assegurar o controlo de todos os sectores vitais para o bem-estar da população e da economia e soberania nacionais, como sejam os transportes, comunicações, energias e recursos naturais.
Ao Estado compete garantir, sempre e em cada momento, a maior Independência Nacional possível e a mais ampla margem na escolha de aliados internacionais e de objectivos político-diplomáticos.

NO PAÍS IRMÃO - CENTENAS EXIGEM PRIORIDADE NO EMPREGO PARA OS AUTÓCTONES

En la mítica calle Portal del Ángel, esquina con Fontanella, justo delante de una céntrica tienda de Telefónica Movistar, se han concentrado este sábado cientos de militantes y simpatizantes de Plataforma per Catalunya, para exigir que el trabajo, las ayudas y la vivienda han de ser antes que para nadie, para los de casa.
El lugar escogido una tienda de Telefónica, empresa española que, pese a tener enormes beneficios, un buen porcentaje de ellos generados por la clientela nacional, prefiere en la mayoría de las ocasiones contratar inmigrantes antes que a autóctonos o deslocalizar sus servicios como los conocidos como’ calls centers’ de atención telefónica a países sudamericanos.
En la confluencia de las calles, que se llenaron de pancartas y banderas de la formación identitaria, su presidente y candidato por Barcelona de PxC en las próximas elecciones al Parlamento catalán, Josep Anglada, leyó un manifiesto que supone toda una declaración de intenciones: Desde nuestro partido, desde nuestra lucha identitaria, no podemos tolerar que empresas nacionales con grandes beneficios como Telefónica, Gas Natural o Endesa, deslocalicen servicios fuera de nuestro país porque les sale más barato, rozando los 6.000.000 de parados, cualquier gobierno serio no permitiría tal disparate”.
El líder identitario explicó que “estamos delante de una tienda de telefónica para decir basta” y añadió que “estamos hartos de que se maltrate laboralmente a la buena gente de casa, ya que prefieren deslocalizar los centros de atención telefónica a países como El Salvador, Honduras, o Guatemala”.
“No tienen vergüenza ni la han conocido jamás. Nuestro partido no va a permitir esto de ninguna de las maneras, mientras el paro juvenil en España es de un 47%, mientras cada día son desahuciadas de sus viviendas más de 500 familias en España, la codicia y la avaricia de algunos empresarios sin escrúpulos no tiene limites y con la complicidad de la casta política podrida sigue llevándose sus empresas al extranjero”, señaló el vicense.
Anglada también denunció que “sectores como el del taxi, el transporte, la seguridad privada, la construcción, el pequeño comercio y la hostelería han sido y estén siendo usurpados por la inmigración, sectores que antes daban de comer a miles de familias de casa se los han cargado, mientras la casta política sigue hablando tan solo de las cortinas de humo que les interesan”.
Tras las cifras de la última Encuesta de Población Activa, que sitúa la tasa de desempleo por encima del 25%, la más alta en toda la serie histórica de la EPA, el dirigente plataformista calificó la situación del mercado laboral de “genocidio laboral”.
Al respecto, Anglada indicó que “la reforma laboral del Partido Popular sólo ha servido para agravar aún más esta dinámica de destrucción de empleo”.
Ante la extrema gravedad de la situación, el vicense puso el acento en la necesidad de tomar medidas con carácter de urgencia para reducir drásticamente las cifras de desempleo entre los trabajadores. “Debemos repatriar a los inmigrantes parados de larga duración y ocupar exclusivamente a trabajadores autóctonos en los puestos de trabajo que la administración pública genera directa e indirectamente”.
Por otro lado, Anglada defendió que “los empresarios que quieran contratar a un inmigrante, primero deban demostrar que no han encontrado ningún trabajador del país capaz de ocupar el puesto de trabajo en cuestión”.
La nota de color la pusieron los cuatro antisociales de siempre, quienes con un fuerte olor a hierba intentaron boicotear sin éxito la concentración legal de los identitarios catalanes.
 
(...)
La nota negativa del día la protagonizó un grupo de violentos, que acosaron y amenazaron a la comitiva identitaria y recriminaron a los vecinos la buena acogida dispensada a los miembros de la formación plataformista.
Anglada reveló que el alcalde de Premià le llamó ayer para pedirle insistentemente que desistiera en su idea de visitar el municipio del Maresme para evitar incidentes protagonizados por grupos radicales.
En este sentido el presidente de Plataforma per Catalunya retó a Miquel Buch a luchar con la misma energía para limpiar su ciudad de indeseables y mantener a raya a los violentos. “Es responsabilidad de las respectivas administraciones tomar las medidas necesarias para el normal desarrollo de este tipo de eventos”.
Anglada reiteró que mantendrá los actos programados en el calendario. “Nada ni nadie alterará la hoja de ruta de la precampaña y la campaña electoral que nuestro comité ha fijado de cara a las elecciones del próximo 25 de novIembre.