terça-feira, novembro 30, 2004


Termina o mês de Novembro, consagrado à latina Diana, Brilhante Deusa da Lua e da Floresta, meandros brumosos da terra...


Apelo à vossa curiosidade e bom gosto para que se dignem conhecer este brilhante local, que é a versão em Inglês da União das Comunidades Eslavas.

Trata-se de um grande centro internético de promoção da religião étnica dos Eslavos, que consiste na herança milenar pagã de raiz indo-europeia, simbolizada, para este grupo, pelo Kolovrat, que é uma suástica de oito pontas.

Sob o estandarte dos Deuses ancestrais, este vector de união eslava pretende defender a sua estirpe contra a diluição, contribuindo assim para a salvaguarda da Europa Branca.

Se os países da Europa Ocidental continuarem na senda da auto-destruição racial e étnica, que ao menos sobrevivam os Arianos do Nascente, isto é, os Eslavos.


Holland: Trouble in a Multiculturalist Utopia

Michael Radu in a magnificent piece in FrontPage (thanks to Anthony) argues that the murder of Theo van Gogh shows the bankruptcy of multiculturalism — which of course is exactly what it does.
No one has ever suggested that Dutch filmmaker, columnist and self-described “buffoon” Theo van Gogh, who was murdered this month, was a particularly nice person. His libertine views were ecumenically anti-religious: He had bad words for Jesus, made fun of the Jews sent to Auschwitz, and called Muslims “goat-kissers.” Yet it was not a follower of Pat Robertson or a Hassidic Jew who shot him repeatedly and cut his throat in the center of Amsterdam on November 2, but a fanatical follower of what President Bush and others continue to call, without nuances, a “religion of peace”: Islam.
Holland is a country where drugs, euthanasia, and gay marriage are legal, and prostitutes and the military are unionized—simply put, a real country as close as possible to a liberal, tolerant, multiculturalist utopia on earth. And that, as the Dutch have belatedly discovered and become angry about, is precisely the problem. This belated anger — two years after the equally shocking assassination of gay, environmentalist, and equally libertine populist Dutch politician Pim Fortuyn by an “animal rights” militant claiming to “protect” Muslims — explains the post-van Gogh attacks on Muslim schools and mosques (there have been retaliatory attacks against churches, as well) in a country famous for its strong distaste for argument. Add to that the fact that prior to Fortuyn there had been no political murder in the Netherlands since the 1584 assassination of Wilhelm of Orange, the nation’s founder, and one begins to understand why one murder in Amsterdam may have an even more profound impact on Dutch culture and behavior than 3,000 deaths in America on 9/11....
In fact, van Gogh’s murderer himself, 26-year-old Mohammed Bouyeri, was on welfare after voluntarily interrupting his studies in informatics. He was born in Holland, and while he spoke excellent Dutch, apparently he knew little Arabic: His “manifesto,” pinned with a knife on van Gogh’s chest, quoted the Dutch translation of the Quran. He enjoyed dual Moroccan and Dutch citizenship. Widely described as intelligent, he apparently became unhinged after 9/11 and more so after the U.S. invasion of Iraq. He had a history of petty crime and a dysfunctional family, and was recruited by a radical imam, Mahmud El-Shershaby, a follower of the Tabligh movement, in the De Baarsjes neighborhood, a known center of Islamic radicalism. Following a path already becoming common in Europe—one followed by, among others, Zacharias Moussaoui, the French-born suspected 20th 9/11 terrorist—Bouyeri was also influenced by a high school buddy, Samir Azzouz, a failed would-be martyr arrested in Ukraine in 2002 while en route to Chechnya.
What was most upsetting to the Dutch public and Dutch politicians was the fact that this would-be martyr — Bouyeri expected to be killed by the police and had a rambling suicide note on his person when he was wounded and apprehended — was not a lone lunatic but part of an international terrorist network with links to Spain, Germany, Iraq, and Morocco. Indeed, according to Spanish counterterrorist judge Baltasar Garzón, one of the leaders of Bouyeri’s cell, 36-year-old Moroccan Abdeladim Akoudad, played "a leading role" in the Dutch terrorist organization known as the Hofstad Group. After the plot to attack the Dutch Parliament was uncovered, he provided logistical support for the Dutch cell. Meanwhile, one of Akoudad's contacts, Mouhsen Khaybar, has been active in supporting mujahedeen insurgents in Iraq, and appears to be linked to the infamous leader of the “al Qaeda Organization in Mesopotamia,” al Zarkawi. As for Samir Azzouz, he has been linked to Abdelaziz Benyaich, now jailed in Spain for his role in the Casablanca bombings of May 2003 and the March 11, 2004 Madrid bombings....
As the Dutch seem now to realize, tolerance for the intolerant is suicide. The post-van Gogh Dutch awakening may be the beginning of a more general awakening in Europe and Canada, because what has suffered is not some “fascistic, right-wing conspiracy” to create a “xenophobic, racist, Islamophobic” state, but a way of life tailored by and for the “progressives.” There are some encouraging signs already, especially in neighboring Germany, where the left-wing government exhibits a new awareness of the problems raised by its 3.5 million Muslims and — a new development — admits that such problems are not the result of German “racism” but may have something to do with the immigrants themselves.


De quem são os países europeus?

A que povos pertence o solo europeu?

Do Dhimi Watch, ao qual pode aceder por meio do Jihad Watch,

Germany must do better on immigration
From Expatica, with thanks to Anthony:

But employers' federation president Dieter Hundt and trade union federation chairman Michael Sommer said in a joint statement issued on Sunday it was up to politicians to create the conditions for a society "which offers room for different cultural identities and development opportunities".
Because that's all it is, you see: in Germany today there is not enough room for cultural identities and too few development opportunities. Jihad ideology? Pah. This is all the Germans' fault.
Hundt and Sommer said Germany had to succeed in giving everybody the opportunity of taking part in social, economic, cultural and political life irrespective of their origin and "with respect for cultural variety".
It was also important that foreigners who had been living in Germany for a long time be given security of residency rather than have to renew short-term residence permits.


But some are more realistic:
Edmund Stoiber, the Bavarian premier who leads the CDU sister party CSU, told Bild am Sonntag newspaper foreigners applying for a German passport should have to swear an oath to the German constitution. All foreign children should be made to attend a German school, he said.
Brandenburg state's CDU interior minister Joerg Schoenbohm called for "foreigner quotas" in city districts, schools and nurseries. Last week, Schoenbohm said foreigners in Germany should accept Germany's defining culture, saying "we shouldn't allow this common ground to be destroyed by foreigners".
However politicians from the coalition SPD and Greens accused the centre-right of abusing the debate on extremism and terrorism.
"Integration of the foreigners living in Germany has got nothing to do with international extremism and terrorism," SPD chairman Franz Muenterfering told Die Welt newspaper.
Really, Franz? But I thought you were figuring that if you had given Atta a better job, the "security of residency" and a Muslim holiday, he would have broken up his little jihad cell in Hamburg. Now I am to believe that that cell was not the result of Atta's self-perceived marginalization in German society. Well, all right. But doesn't that lead us back to the ideology of jihad, which you persist in ignoring?
"We want integration. We are a country of immigration," he said.
All right, but does Germany have any identity of its own? Is there any cutoff? Or is Germany just a rooming house for the world?


Diz certo sujeito no texto abaixo que Portugal é mais forte por ser multicultural, devido à imigração.

Mas mais forte em quê?
Em criminalidade?
Em medo dos cidadãos legitimamente nacionais a respeito de pura e simplesmente andarem nas ruas do seu País à hora que quiserem?
Em doenças epidémicas sexualmente transmissíveis?
Em agravamento das condições de vida e de trabalho dos trabalhadores portugueses devido ao facto de, mercê da presença de imigrantes africanos, os nacionais serem obrigados a trabalhar por baixos salários e com poucos direitos laborais?

Mais forte em diluição do povo, mistura racial e perda de identidade?

Ainda se a maior parte destes imigrantes fossem brancos europeus, romenos e eslavos por exemplo, mas não...

Frases como a do dito indivíduo indicam a influência daquilo a que se chama a sida ideológico-racial: a doença doutrinária que destrói todas as defesas da Europa branca, por dentro e por fora.

O maior argumento dessa tropa infecciosa que são os portadores de tal doença, é o de que a população europeia envelhece a passo acelerado e necessita por isso de uma infusão de «sangue novo».

Ora dizer uma coisa destas é o mesmo que dizer que «a operação foi um êxito, correu bem, substituiu-se bem o orgão x, mas o paciente morreu».

Não há Europa sem Europeus. E os Europeus são de raça branca e raiz indo-europeia.
Não há outros Europeus.

Se esta estirpe desaparecer, é-me perfeitamente indiferente o que acontece «à Europa». Porque uma Europa mulata, tropical, afro-asiática, não é a nossa terra. É outra coisa qualquer. Faz lembrar aquela personagem dos contos de terror sobrenaturais que é o morto-vivo - um corpo que parece ter voltado à vida porque se mexe, mas que já não é a pessoa propriamente dita.

(Ainda agora, ouvi Adriano Moreira a dizer, na tsf, que um em cada cinco portugueses é estrangeiro; e que dez por cento da população de Lisboa é africana).

A única solução para lidar com o problema da baixa de natalidade europeia, é oferecer subsídios estatais às famílias mais numerosas - mas às famílias de Europeus, não de imigrantes. Esta medida ajudava a resolver o problema.

E a FN francesa quis aplicá-la, em Vitrolles... mas a lei francesa não o permitiu porque tal acto político era contra a Constituição.

Qual Constituição?

Uma Constituição daquelas peganhentas que proíbe a discriminação.

Não há pois qualquer primarismo ou «anti-esquerdismo» primário em afirmar que, na prática, senão já na teoria original, a ideologia internacionalista anti-racista é inimiga frontal e declarada da salvaguarda da raça branca europeia.

A luta sem quartel contra tal doutrina é pois uma questão de sobrevivência, depois de ser, antes de mais, uma questão de honra.

Imigrantes representam 8% do concelho de Loures

Catarina Fernandes

Oito por cento da população do concelho de Loures é imigrante, sendo a grande maioria, aproximadamente 82 por cento, proveniente do continente africano. A igualdade entre cidadãos, mesmo que de diferentes etnias, e a sua integração nas novas sociedades foram dois dos temas debatidos ontem no encontro «Artigo 13.º - Encontro sobre Migrações». Um nome que não foi escolhido em vão até porque o artigo 13.º garante a igualdade entre portugueses e estrangeiros a viver em Portugal.
Rui Marques, alto-comissário adjunto para a Imigração e Minorias Étnicas, e um dos oradores no encontro, explicou que o número de imigrantes duplicou entre 1999 e 2003, em plena época de desemprego. «O País conseguiu, dessa forma, ser exemplar a nível da inte- gração dos imigrantes», sublinhou. Aliás, foi com o objectivo de conhecer melhor esta comunidade que o Município de Loures criou o Observatório para a Imigração, entidade muito elogiada no encontro.
«A criação do Observatório para a Imigração é um sinal de seriedade na forma de se encarar a imigração, que faz de Loures um exemplo a nível nacional», afirmou o alto-comissário adjunto para a Imigração e Minorias Étnicas. Na sua intervenção, o responsável sublinhou a importância dos trabalhadores imigrantes para o de-senvolvimento do País, defendendo que «Portugal é muito mais forte por ser multicultural e o seu grande desafio é continuar a ser atractivo para os estrangeiros porque a população está envelhecida».


segunda-feira, novembro 29, 2004


Pode ler-se aqui, o seguinte:

Mesmo no ano 2002, a antiga Religião Étnica Grega continua a ser considerada fora da lei e a Igreja Ortodoxa Grega continua a perseguição contra a antiga religião e seus seguidores. As perseguições começaram após 324 d.c., quando o imperador romano Constantino declarou que o Cristianismo era a única religião oficial do Império Romano. Eles continuaram sem reduzir a sua perseguição ao longo da História. Não obstante, muitas famílias na Grécia conseguiram manter secretamente a religião dos seus pais, apesar das penas de morte, tortura, confiscação de propriedade e vandalismos que sofreram durante dezasseis(16) séculos.
Embora a constituição salvaguarde ostensivamente a liberdade religiosa, a permissão para registar oficialmente uma religião na Grécia não é emitida pelo Estado mas sim pela Igreja Ortodoxa Cristã! A Igreja recusa-se a registar qualquer religião que não seja uma derivação do Cristianismo, do Judaísmo ou do Islão.
Igrejas cristãs têm sido rotineiramente construídas no topo de antigos templos destruídos usando as ruínas como materiais de construção. Isto ainda é praticado hoje! No norte da Grécia, na aldeia de Kali Vrisi, 60 km a oeste da cidade de Drama, um antigo templo de Dyonisus foi descoberto há alguns anos. No antigo local, e exactamente no topo das ruínas, foi erigida uma capela cristã.

Even in the year 2002, the ancient Greek Ethnic Religion is still outlawed in Greece and the Orthodox Christian Church continues the persecution against the ancient religion and its followers. The persecutions started after 324 A.D. when the Roman emperor Constantine declared Christianism as the only official religion of the Roman Empire. They have continued unabated throughout history. Nevertheless, many families in Greece have managed to maintain secretly the religion of their fathers despite the death penalties, torture, property confiscations and vandalisms, they have suffered for 16 centuries.
Althought the constitution ostensibly safeguards religious freedom, the permit to officially register a religion in Greece is not issued by the state but by the Orthodox Christian Church! The church refuses to register any religion that is not an offshoot of Christianism, Judaism or Islam.
Christian churches have been routinely built on top of destroyed ancient temples using the ruins as building materials. This is still practiced today! In northern Greece, at the village Kali Vrisi, 60 km west of the city of Drama, an ancient temple of Dionysus was discovered a few years ago. On the ancient site and exactly on top of the ruins, a christian chapel was erected.


Já há muito que o que se passa na Ucrânia me cheira a esturro - esturro yanke. É certo que os Russos teriam o seu favorito nas eleições presidenciais e não devem ter poupado esforços para o ver no lugar... mas é verosímil pensar que os Americanos não deixam também de estar interessados em fazer ganhar o candidato «pró-ocidental», isto é, pró-americano.

E agora que vi, mesmo neste momento, uma reportagem televisiva na SIC sobre filmagens feitas por pessoal do candidato «ocidentalista», filmagens de actos ilícitos de falsificação das eleições (até mostram um indivíduo a preencher dois boletins de voto, por exemplo...), agora é que suspeito mesmo a sério de que há por ali mãozinha dos caubóis.

Pois como é que se acredita que os pobres ucranianos partidários do candidato ocidentalista iam ter tantos meios para filmar tanta coisa? Como é que conseguiram inserir câmaras de filmar nas secções de voto? E como é que sabiam exactamente onde é que deviam filmar?

Aos Norte-americanos convém ter um Estado amigo mesmo ao pé do seu rival russo, pois é...


Saúdo o novo blogue (de Outubro, enfim...) Homem Lobo, de um camarada que aí apresenta textos de índole diversa - mitológicos, histórico-militares, científicos, musicais até - a respeito desse magnífico e misterioso animal que é o lupino, primo próximo do cão, maior amigo do homem...

Pessoalmente, sempre achei que haveria mais do que simples coincidência no facto de existirem lendas sobre homens-lobo e de haver ao mesmo tempo uma tão íntima e antiga ligação entre o humano e o canídeo.

Nas religiões ancestrais da Europa, o lobo está associado a algumas das mais importantes Divindades e heróis:
- em Roma, é um dos animais de Marte, o Deus da Guerra; o fundador de Roma, Rómulo, foi amamentado por uma loba (há no blogue «Homem Lobo» uma imagem de uma famosa escultura romana ilustrando essa lenda);
- o lobo parece estar associado, entre os Celtas, ao maior de todos os Deuses, Lug, Mestre de Todas as Artes - e, na Ibéria, crê-se que o nome do Deus celtibérico Vaelicus (que alguns quiseram considerar como sendo Endovélico) deriva precisamente da palavra céltica para lobo, «Vaeli»;
- na cultura germânica, o lobo, se bem que tenha um aspecto negativo, de violência destrutiva e caótica (Fenrir, Garm, Managarm, as feras que no «Fim do Mundo» irão matar Deuses e por Deuses serem mortas), está entretanto ligado ao maior de todos os Deuses, o sábio Odin (acompanhado dos seus dois lobos, Geri e Freki, «Ardiloso» e «Triturador») - havia até, na Escandinávia, uma elite marcial odínica, a dos Ulfédnires (literalmente «Capa de Lobo») que viviam devotados à guerra e a Odin, e que, vestidos com peles de lobo, se transformavam, de acordo com a lenda, em homens lobo quando eram possuídos pela fúria bélica, autêntico um êxtase mágico-religioso que lhes conferia uma quase total invulnerabilidade;
- na Grécia, o lobo associa-se a Zeus (Zeus Lycios) mas sobretudo a Apollo, o Deus da Verdade, da Luz e da Harmonia...

De há uma década para cá, surgiu uma moda, no seio de certa juventude, de «culto» do lobo - o lobo como símbolo, o lobo como estandarte, e, mais materialmente falando, o lobo como animal cuja protecção é prioritária.

O blogue tem óptimos artigos e imagens. Recomenda-se.


O mais triste e sobretudo preocupante, é que esta miséria não é só culpa dos governos... é, também, culpa do próprio povo, ou pelo menos de parte dele, abandalhado pelo laxismo, o qual exerce efeitos em todos os aspectos da vida humana, incluindo o da própria ética.

Laxismo, o maior inimigo da Nação - já Eça de Queiroz chamava os bois pelos nomes quando mostrava o lado negro da «brandura nacional»: a tolerância excessiva para com a mediocridade e a falta de carácter.

Organização internacional aponta CRISE GERAL DOMINA PORTUGAL
Desemprego, corrupção, imigração, saúde e consumo são factores apontados como obstáculos para a segurança humana em Portugal, de acordo com dados do relatório de 2004 da Social Watch.

O desemprego cresce
O relatório da Social Watch, iniciativa criada em 1995 durante a Cimeira Mundial para o Desenvolvimento, em Copenhaga, e que reúne organizações da sociedade civil de 60 países, diz que o contexto em Portugal é de “crise económica, insatisfação generalizada e falta de expectativas”.
O documento, que retrata a realidade de 50 países, será lançado no Brasil amanhã, na Câmara dos Deputados.
O texto referente a Portugal é assinado por membros da OIKOS, uma organização não governamental humanitária portuguesa.
O relatório afirma que “cresce a impressão de que na democracia portuguesa reina uma cultura de irresponsabilidade e impunidade” e aborda o problema do endividamento das famílias e do aumento do desemprego em Portugal. O altíssimo nível de endividamento das famílias agravou-se, diz o relatório.

Fonte da Imprensa


A escumalha terrorista usa todos os meios e mais alguns para entrar na Europa, a qual é, cada vez mais, uma fortaleza sitiada e já com graves brechas, pelas quais entram cavalos de Tróia odiosamente acolhidos por uma parte dos europeus, precisamente por alguns dos que, regendo a cultura e a política, tinham obrigação de defender as suas nações e não de ajudar a liquidá-las.

E a situação agrava-se quando também da parte da arraia-miúda há quem pactue com tal invasão. A falta de ética reinante leva à exploração da miséria humana, da qual se aproveitam os pretensos carrascos do Ocidente, que são os moralistas de turbante (e nem sequer olham para a imoralidade escondida que reina nas suas próprias sociedades) apostados em pôr toda a humanidade de nádegas para o ar, em submissão total à palavra dos Árabes sobre Deus.

Os casamentos pagos entre mulheres portuguesas e imigrantes ilegais pode estar a beneficiar redes terroristas que precisam de passaporte europeu para as suas actividades, revelou ontem à noite a SIC através de uma investigação especial.
Confrontado com a notícia, o procurador-geral da República, Souto Moura, escusou-se a comentar o assunto. “Não tenho conhecimento dessa situação em Portugal, e se tivesse, não o revelaria”, respondeu ao jornalista que o interpelou.
Na reportagem, várias mulheres admitiram ter-se deslocado ao estrangeiro, mediante determinada quantia (não especificada), para contrair um casamento falso, também conhecido como casamento branco. São mulheres que enfrentam dificuldades económicas, facilmente aliciáveis por esquemas que podem colocar um passaporte português na mão de terroristas.


domingo, novembro 28, 2004


Mais um português assassinado na África do Sul, presumivelmente por criminosos negros, provavelmente a sangue frio, como estratégia de atemorização dos brancos.

O governo português, ao permanecer passivo neste caso, é cúmplice, por negligência, desta chacina.

Um comerciante português foi assassinado a tiro, ontem à noite, em Boksburg, nos arredores de Joanesburgo, tornando-se no 13.º português morto este ano na África do Sul.
O comerciante, de 33 anos, nascido naquele país e filho de madeirenses, deixa viúva e dois filhos, de cinco e seis anos.



Do Correio da Manhã, via Forum Nacional, retira-se mais uma notícia que deve dar que pensar aos cidadãos portugueses que estejam despertos. Acontece em Portugal o mesmo que acontece nos EUA e em França, onde grupos de criminosos negros atacam tudo o que seja autoridades do Estado precisamente porque querem dar como adquirido que as zonas por eles controladas são um território autónomo, onde só eles próprios, criminosos negros, podem impôr a lei.

E, contra tão revoltante arrogância, este povo não se revolta?
A arraia-miúda sabe ir para a porta dos tribunais berrar insultos e ameaças aos presumidos pedófilos, mas não é capaz de ir fazer as mesmas cenas para a frente da Assembleia da República, exigindo o fim imediato da imigração, o aumento exponencial da actuação policial e a expulsão definitiva de criminosos estrangeiros??

Independentemente disso, como é possível, como é possível, repito, que a polícia seja tantas vezes alvejada em bairros africanos e nem por uma vez seja capaz de entrar nessas zonas e apreender as armas de fogo sem licença de porte de arma?

Agentes da PSP da Amadora foram, por várias vezes, apedrejados junto ao Bairro de Santa Filomena durante a última semana. Numa das ocorrências, 16 agentes, oito dos quais do Corpo de Intervenção (CI), viram-se mesmo obrigados a retirar, devido à violência das agressões.
No Bairro de Santa Filomena, é forte a animosidade contra a PSP
Têm sido cada vez mais frequentes as visitas da Polícia ao bairro. “Na última semana, praticamente todos os dias agentes do piquete da esquadra da Amadora foram chamados, devido a desordens várias”, referiu ao CM uma fonte policial.
Quer seja para recuperar viaturas abandonadas quer seja devido a furtos ou roubos praticados com violência nas imediações do bairro, frequentes são as deslocações. No entanto, a “perigosidade das ocorrências, obriga sempre a que os agentes do piquete levem reforços”, acrescentou o mesmo informador.
Numa dessas situações, a animosidade para com as autoridades policiais assumiu mesmo “contornos de ataque concertado”. Ao princípio da madrugada da última segunda-feira, um reboque policial foi destacado para se deslocar ao interior do Santa Filomena, com o intuito de transportar um carro furtado, que ali se encontrava abandonado.
No entanto, os problemas cedo se desencadearam. “Dois tiros foram disparados contra a tripulação do reboque. Não houve feridos, mas de imediato foram chamados reforços”, explicou outra fonte policial.
Prontamente chegaram oito agentes de uma Secção de Intervenção Rápida, e mais oito agentes do CI, com o objectivo de proteger o trabalho dos elementos do reboque. Mas, em vez de pararem, as agressões intensificaram-se, vendo-se os agentes no meio de uma chuva de pedras. “Até um garrafão de vinho foi arremessado”, acrescentou.
A única alternativa dos 16 agentes foi abandonar o local. Posteriormente, numa nova incursão ao interior do bairro, foi possível deter o autor do arremesso do garrafão de vinho e identificar outros oito jovens, suspeitos do apedrejamento aos elementos da Secção de Intervenção Rápida e do Corpo de Intervenção.

Não há praticamente nenhuma noite em que, segundos fontes policiais, não haja tiros no interior do bairro.

Barracas abandonadas espalhadas por todo o ‘Santa Filomena’ são usadas como locais frequentes para alvejar os polícias.

Enfim, talvez a porcaria do José Falcão, líder do nojento SOSRacismo se lembre de dizer que neste bairro só vivem skinheads, que disparam contra a polícia e depois a polícia, com medo dos skinheads, diz que foram os negros...

sábado, novembro 27, 2004


O camarada «Imperador» disse-me, numa resposta em certa secção de comentários, que Miguel Sousa Tavares e mais não sei quem, disseram que «não há nada no Alcorão que incite à violência». Pois leia-se o que diz o Jihad Watch, no artigo «Al-Qaida chief calls Muslims to jihad», de hoje. Atente-se especialmente na passagem

Fight and slay the pagans wherever you find them, and seize them, beleaguer them and lie in wait for them in every stratagem (of war)… 9:5 The Holy Qura’an.

Isto é,
«Combate e chacina os pagãos onde quer que os encontres, e apanha-os, e cerca-os e espera-os em todos os estratagemas (de guerra)» - 9:5 O Sagrado Corão.»



Leia-se como uma sociedade pacífica e desenvolvida, arquetipicamente europeia, é posta em causa pela... imigração. Pela imigração vinda do mundo islâmico. Só por isso. Só.

Só, e não só - sobretudo, pela tibieza de não agir como a ética impõe, mostrando, pela força se necessário for, que a Europa pertence aos Europeus e a mais ninguém.

Swedes Reach Muslim Breaking Point
Here is part of Fox's Eurabia series. (Thanks to Filtrat for the link.) Of course, Jihad Watch was one of the first, if not the first, English-language source to report on what is happening in Malmo.
"If we park our car it will be damaged — so we have to go very often in two vehicles, one just to protect the other vehicle," said Rolf Landgren, a Malmo police officer.
Fear of violence has changed the way police, firemen and emergency workers do their jobs.
There are some neighborhoods Swedish ambulance drivers will not go to without a police escort. Angry crowds have threatened them, telling them which patient to take and which ones to leave behind.
Because Sweden has some of the most liberal asylum laws in Europe, one quarter of Malmo's 250,000 population is now Muslim, changing the face and the idea of what it means to be Swedish. Asylum seekers may bring spouses, brothers and grandparents with them. Civil servants say the city is swamped.
"You have 1,000 students in a Swedish school. How many are Swedes? Two," said Lars Birgersson, principal of the Rosengrad School....
"They are not a part of Swedish society, so to speak. It is difficult for them to get inside society," said Torsten Elofsson of the Malmo Police Department.
However, they are the most rapidly growing segment of Swedish society — outsiders who are already inside, posing a challenge to legendary Swedish tolerance that has now been stretched to the breaking point.
Malmo's main mosque was recently set ablaze by arsonists. When firefighters arrived on the scene, they were attacked by stone throwers.


Para quem não sabe, a Costa da Caparica está cheia de negros e também de brasileiros.

José Ricardo Martins é o homem por detrás das folhas. Há algumas semanas, cansou-se de contar assaltos a estabelecimentos comerciais na Costa de Caparica e começou a recolher assinaturas para exigir mais polícias em patrulha. “Isto está assim desde Setembro. Acabou o Verão e começaram os problemas”, lamenta.
José Martins vai entregar um abaixo-assinado para pedir polícia
Os nomes no abaixo-assinado são quase mil e o documento deverá ser entregue na próxima semana a diversas autoridades. A PSP admite que há alguns problemas, mas garante que estão a ser investigados. E que há polícias suficientes.
“A PSP diz que só tem quatro queixas, mas assaltos conto mais de vinte”, argumenta José, dono de um quiosque na Caparica. “O meu quiosque, o talho e o restaurante são três e ainda mais outras”, enumera. “Mas pode ser que nem todos apresentem queixa...”
Emília não é dessas. Ontem, à tarde, um homem irrompeu pelo seu café e começou a distribuir murros e pontapés pelas mesas e armários. Ainda tentou expulsar o indivíduo, mas acabou a telefonar para a PSP da Costa de Caparica. “Já me tinha acontecido no S. Martinho. Não pode ser. Eu, a partir das sete e meia da tarde, tenho medo de estar aqui.”
“Quando as folhas chegarem aqui, também vou assinar”, garante Emília. Na próxima semana, todos os nomes vão ser enviados ao Governo Civil de Setúbal e ao Governo.

O que faz correr José Martins? “Sou comerciante, nasci aqui e custa-me ver a minha terra neste estado”, explica. Mas há mais. Há cinco anos, depois de uma vaga de assaltos à mão armada na Costa de Caparica, deitou mãos à obra, recolheu assinaturas e conseguiu ser recebido pelo governador Civil de Setúbal. “O resultado foi imediato. Veio logo mais polícia para cá.”
Agora, espera que a iniciativa tenha o mesmo resultado quando o abaixo-assinado chegar ao governador Civil, ao Ministério da Administração Interna, à Câmara de Almada e à polícia. Neste momento, a esquadra da Costa de Caparica tem cerca de 50 efectivos.
“Pensamos que é um número suficiente”, diz fonte oficial da Divisão de Almada da PSP. O mesmo responsável policial admite que “têm ocorrido alguns casos de furto em estabelecimentos”, mas garante que “todos estão referenciados” e a ser investigados. “O policiamento na Caparica não se faz apenas com a esquadra e, por vezes, é reforçado com pessoal de Almada”, garantiu. “Estamos preocupados, mas é uma situação normal.”



Este, nem era propriamente um «jovem»... nem só de jovens vive a criminalidade negra. Nem só de jovens vive a má-formação de certos africanos... recordo-me, por exemplo, de certo dia em que viajava na linha de Sintra. Entrando no combóio, dirigi-me a um assento e, pelo caminho, fui observando quem estava na carruagem. Ia semi-vazia, e encontrei apenas um negro, situação que é quase impossível de acontecer nos combóios dessa zona, e era um negro com cara de ter mais de quarenta anos, normalmente vestido, que me fez pensar «bem, este negro não deve arranjar problemas... não, não deve, eles não podem ser todos assim, pelo menos os mais velhos não...». Passado um bocado, apareceu o revisor, a quem todos os passageiros mostraram título de transporte válido, menos o dito negro, com quem o revisor discutiu por uns minutos. O africano não tinha bilhete válido e, em vez de o admitir e sair ordeiramente, não, barafustou e, acabando mesmo por sair, ainda ameaçou fisicamente o revisor.

Ora, num país com ordem a sério e não a fraqueza reinante, um sujeito daqueles era posto à força fora do veículo mal levantasse a voz depois de não apresentar o devido título de transporte ao revisor. E, se ameaçasse, ia à esquadra por ameaça.

Andou semanas a evitar a PSP, mas ontem ficou sem alternativas. Ou quase. Quando o polícia o mandou parar, na Rua da Madeira, no Alto da Cova da Moura, ele fez o contrário. Acelerou e passou-lhe por cima dos pés. Só que estava a ser seguido e um carro-patrulha cortou-lhe o caminho. Era o fim. Só se ele não pudesse evitar. Tinha uma catana escondida nas costas, mas os problemas vieram pela frente. É que o polícia atropelado era um ex-elemento das forças especiais da PSP.
Vítor Mota

A detenção do homem da catana ocorreu na Cova da Moura
A polícia diz que foi detido um homem de 41 anos, anteontem, depois de desrespeitar um sinal de paragem feito por um agente da autoridade. O pé no acelerador conta o resto da história. “O indivíduo ignorou a ordem e passou com o carro por cima dos pés do agente”, referiu uma fonte.
Com o carro em fuga, o polícia atropelado usa a arma para efectuar três disparos. Um sai para o ar – as regras de uso de arma de fogo assim determinam –, o segundo e o terceiro em direcção à viatura. Certeiros, mas pouco eficazes, porque o carro, um Lancia Y10, mesmo com o pneu baleado, continuva a andar. Foram poucos metros, até um carro-patrulha lhe barrar o caminho.
O homem de 41 anos ficou cercado, mas não convencido. De acordo com as autoridades, trazia uma catana escondida nas costas, por baixo da roupa. Mas o polícia, o mesmo polícia que tinha atropelado e que disparara sobre o seu carro, voltou a aparecer-lhe pela frente.
O agente, um ex-elemento do Grupo de Operações Especiais da PSP, acabou por levar a melhor e consumar a detenção – antes de ser levado ao Hospital Fernando Fonseca, na Amadora, para ser assistido aos ferimentos sofridos nas pernas.
O detido, que além da catana guardava nos bolsos alguns resíduos de heroína, tinha também o seu nome num pedido do Departamento de Investigação e Acção Penal dirigido às autoridades.


sexta-feira, novembro 26, 2004


O Dr. António Cruz Rodrigues, do blogue Aliança Nacional, critica-me por atacar o Cristianismo, quando, na verdade, tudo o que tenho feito no Gladius a respeito do tema, tem consistido em afirmar que a religião do judeu crucificado não pode ser dada como elemento inseparável da Portugalidade – e explico sempre porquê: a Nação é uma questão de herança, de nascimento, enquanto a religião cristã é uma matéria de escolha pessoal, individual, motivo pelo qual não se pode partir do princípio de que toda uma Nação, composta de indivíduos com personalidades e tendências naturalmente diferentes, pode à partida ser considerada como inerententemente cristã.
Apesar de certos hábitos históricos estrategicamente disseminados pelos arautos da cruz bíblica, a luminosidade da lógica deixa exposto que atribuir índole cristã a uma Nação, seria o mesmo que dizer que determinada família é indefectivelmente social-democrata e que, por isso, todos os seus recém-nascidos devem ser inscritos no PSD.

Contra isto, nunca vi um único argumento de peso.
Só acusações de que ataco o Cristianismo.
Mas como?
Considera-se que ataco o Cristianismo só porque o ponho no seu devido lugar?
Considera-se que ataco o Cristianismo só porque não lhe reconheço o direito a qualquer espécie de trono a não ser aquele que os seus fiéis, individualmente, lhe quiserem dar, sem com isso vincularem as suas nações e famílias?
Considera-se que ataco o Cristianismo só porque deixo clara a separação entre Cristianismo e Nacionalismo, sem que o segundo tenha de estar subjugado ao primeiro?

ACR confia no poder que a Igreja tem ainda sobre o Povo Português. Felizmente, tal influência estrangeira está a decair...

Afirma depois que as Nações «se constroem ao longo do tempo com variadas gentes», fazendo eco dos que negam a existência de uma essência nacional, que defina a origem do Povo. Contra isso, mantenho o que tenho dito: uma Nação define-se à partida pela raça e pela etnia que a constitui na sua raiz.
Efectivamente, do mesmo modo que Portugal não seria Portugal se um dia o seu idioma deixasse de ser o Português e passasse a ser, por exemplo, o Kimbundo, ou o Inglês, também Portugal não seria Portugal se o seu povo deixasse de ser branco europeu e passasse a ser mulato ou negro.
O Português recebeu influências a nível lexical do Inglês, é certo; mas é ainda Português e não Inglês.
Análoga observação se pode fazer a respeito da raça do País: a população nacional recebeu influências não europeias, mas não ao ponto de deixar de ser branca europeia.

Isto é claro e cristalino como água e não vi nunca, em momento algum, fosse quem fosse a contestá-lo com argumentos credíveis.

Assim, a Nação é de facto uma essência que vem da origem, imutável na sua definição e, em perdendo-se essa essência, perde-se, automática e inequivocamente, a Nação.

ACR remete para o que escreveu o Corcunda no dia 18 deste mês. Pretende ACR que o Corcunda «desmontou de modo perfeitamente arrasador» o Nacionalismo que defendo, chamando-lhe «Vimaranense».
Pois bem, nesse caso eu remeto para as respostas que dei ao Corcunda, na página deste, precisamente a esse artigo, ponto por ponto, desmontando no essencial a sua crítica ao meu Nacionalismo.

Acresce que, dessa vez, o Corcunda não respondeu à pergunta que lhe fiz e que agora repito, desta feita à atenção de ACR:
«Considera porventura que um português não cristão é menos português por isso?...»

Mas o que se afigura deveras curioso é o modo como ACR e o Corcunda pretendem usar dois pesos e duas medidas na definição da Nação.
Assim, para eles, a Nação pode mudar de raça e de etnia, ao longo dos tempos, porque isto é assim mesmo, é histórico.
Mas não pode mudar de religião...
Por esse andar, ACR e Corcunda poderiam (teoricamente sem qualquer impedimento) estabelecer-se em Cabo Verde e erigir aí um sistema nacionalista à sua maneira e chamar-lhe «regime nacionalista português» - aí, teriam:
- o Catolicismo,
- um idioma semelhante ao Português,
- uma gente que ali vive devido tão somente ao Império Português.

Se ao meu Nacionalismo quiserem chamar «Vimaranense», com muito mais razão se chamará à sua doutrina de Nacionalismo Cabo-Verdeano.

Pelo caminho, fica mais uma acusação, a de que há da nossa parte um elitismo social e político quando falo do carpinteiro morto e crucificado. Mas onde vê ACR o elitismo social? Não é verdade que JC foi carpinteiro? Será um desprestígio para o auto-proclamado filho de Deus o ser carpinteiro?
Bem se vê, neste caso, de que lado está o elitismo social...

Pretende ACR que com as ideias que defendo, não será «politicamente consequente» querer mobilizar adeptos para o Nacionalismo.
Enfim, o que é facto é que cresce o número de Nacionalistas etnicistas, isto é, verdadeiros Nacionalistas, numa Frente Nacional que segue em marcha cada vez mais acelerada. Pelos vistos, há mesmo consequências políticas...

Termina com uma alusão ao «passado do activismo político» que preconizo, mas não especifica ao que se refere.
De qualquer modo, ara quê falar em passados políticos, neste caso, quando o passado do activismo político por ACR defendido mais não tem feito, desde a derrota política em Abril de 1974, do que reunir saudosistas em encontros e jantares?


É importante que se leia com atenção o seguinte artigo do Jihad Watch, que, mesmo sendo longo, deve ser estudado palavra a palavra, tantas são as considerações de grande valor aí contidas. Talvez venha a traduzi-lo para Português, num dos próximos dias, tão depressa disponha de um tempo livre para o fazer.

Para já, salienta-se que:
- o Islão moderado é uma minoria praticamente inexistente entre os Muçulmanos;
- a violència islâmica não tem a sua origem no conflito israelo-palestiniano, como alguns querem imbecilmente fazer crer, e, para saber isso, nem era preciso ler este artigo, bastava tomar atenção ao que tem acontecido na Índia desde que os Árabes tentaram aí entrar, a partir do século VIII até hoje;
- o laicismo de certos países islâmicos é uma fina capa ilusória e facilmente destrutível. O exemplo do Irão é significativo, pois que nesse país se passou de um regime de tolerância laica para um de extremismo muçulmano; o mesmo será aplicável à Turquia, onde se vê o Islão a crescer - o laico Ataturk morreu, o Islão está vivo;
- alguns dos supostos moderados pactuam com o Islão radical ao esconder dos infiéis a violência islâmica que está presente no Alcorão.

Ora façam favor:
Hugh Fitzgerald: Ten Things to Think When Thinking of Muslim "Moderates"
Jihad Watch Board Vice President Hugh Fitzgerald's brilliant and absolutely must-be-read exploration of the very concept of moderate Islam and the existence of moderate Muslims:
1. Not only Muslims, but "islamochristians" who objectively promote and push the propagandistic line that disguises the Jihad (evidence of which can be found worldwide), and who mislead as to both what prompts that Jihad (not "poverty" or "foreign policy" but the precepts of the belief-system of Islam) and what will sate it (not Kashmir, not Chechnya, not the absurd "two-state solution," not continued appeasement in France and Holland -- there is nothing that will sate or satisfy it, as long as part of the globe is as yet resistent to the rule of Islam). That is why "Christians" such as Fawaz Gerges or Rami Khoury, or someone who was born a Christian, such as Edward Said, are Arabs whose views are colored by that self-perception. Their loyalty to the community, and history, of Arabs, causes them to be as loyal to the Islamic view of things as if they had been born Muslim. Whether stoutly defending Islam against all of Western scholarship (in Orientalism), or diverting attention away from Islam and constantly asserting, in defiance of all the evidence, from Bali to Beslan to Madrid, that the "problem of Israel/Palestine" -- the latest, and most sinister formulation of the Jihad against Israel -- is the fons et origo of Muslim hostility and murderous aggression throughout the world. Save for the Copts and Maronites, who regard themselves not as Arabs but as "users" of the "Arabic language" (and reject the idea that such "users" therefore become "Arabs"), many Arab Christians have crazily embraced the Islamic agenda; the agenda, that is, of those who have made the lives of Christians in the Middle East so uncertain, difficult, and at times, imperilled. The attempt to be "plus islamiste que les islamistes" -- the approach of Rami Khoury and Hanan Ashrawi -- simply will not do, for it has not worked. It is Habib Malik, and other Maronites in Lebanon, who have analysed the problem of Islam in a clear-eyed fashion. Indeed, the best book on the legal status of non-Muslims under Islam is that of the Lebanese (Maronite) scholar Antoine Fattal.
Any "islamochristian" Arab who promotes the Islamic agenda, by participating in a campaign that can only mislead Infidels and put off their understanding of Jihad and its various instruments, is objectively as much part of the problem as the Muslim who knowingly practices taqiyya in order to turn aside the suspicions of non-Muslims. Whoever acts so as to keep the unwawry Infidel unwary is helping the enemy.
Think, for a minute, of Oskar Schindler. A member of the Nazi Party, but hardly someone who followed the Nazi line. But what if Schindler had at some point met with Westerners -- and had continued, himself, to deny that the Nazis were engaged in genocide, even if he himself deplored it and would later act against it? Would we think of him as a "moderate"? As someone who had helped the anti-Nazi coalition to understand what it was up against?
Or for another example, think of Ilya Ehrenburg, who in 1951 or so was sent abroad by Stalin to lie about the condition of Yiddish-speaking intellectuals whom Stalin had recently massacred. Ehrenburg went to France, went to Italy. He did as he was told. "Peretz? Markish? Oh, yes, saw Peretz at his dacha last month with his grandson. Such a jovial fellow. Markish -- he was great last year in Lady Macbeth of the Mtsensk District -- you should see how it comes across in zhargon, Yiddish..." And so it went. Eherenburg lied, and lied. He was not a Stalinist. He hated Stalin. He of course hated the destruction of Peretz, Markish, and many others who had been killed many months before -- as Ehrenburg knew perfectly well. When he went abroad, and lied to the editors of Nouvelle Revue Francaise, what was he? Objectively, he was promoting the interests of Joseph Stalin, and the Red Army, and the Politburo. We need not inquire into motives. We need only see what the results of such lying were. And the same is true of those Christian Arabs who lie on behalf of Islam -- some out of fear, some out of an ethnocentric identification so strong that they end up defending Islam, the religion of those who persecuted the Christian Arabs of the Middle East, and some out of venality (if Western diplomats and journalists can be on the Arab take, why not Arabs themselves?), some out of careerism (if you want to rise in the academic ranks, and your field is the Middle East, unless you are a real scholar -- Cook or Crone or Lewis -- better to parrot the party line, which costs you nothing and gains you friends in tenure-awarding, grant-giving, reference-writing circles. There is at least one example, too, among those mentioned, in a sitatuion where an Arabic-speaking Christian, attempting to find refuge from Muslim persecution, needed the testimony of an "expert" -- which "expert," instead of offering a pro-bono samaritan act, demanded so much money to be involved (in a fantastic display of greed) that the very idea of solidarity among Arab Christians was called by this act permanently into question.
2. The word "moderate" cannot be reasonably applied to any Muslim who continues to deny the contents -- the real contents, not the sanitized or gussied-up contents -- of Qur'an, hadith, and sira. Whether that denial is based on ignorance, or based on embarrassment, or based on filial piety (and an unwillingness to wash dirty ideological laundry before the Infidels) is irrelevant. Any Muslim who, while seeming to deplore every aspect of Muslim aggression, based on clear textual sources in Qur'an and hadith, or on the example of Muhammad as depicted in the accepted sira -- Muhammad that "model" of behavior -- is again, objectively, acting in a way that simply misleads the Infidels. And any Muslim who helps to mislead Infidels about the true nature of Islam cannot be called a "moderate." That epithet is simply handed out a bit too quickly for sensible tastes.
3. What of a Muslim who says -- there are terrible things in the sira and hadith, and that we must find a way out, so that this belief-system can focus on the rituals of individual worship, and offer some sustenance as a simple faith for simple people? This would require admitting that a great many of Muhammad's reported acts must either be denied, or given some kind of figurative interpretation, or otherwise removed as part of his "model" life. As for the hadith, somehow one would have to say that Bukhari, and Muslim, and the other respected muhaddithin had not examined those isnad-chains with quite the right meticulousness, and that many of the hadith regarded as "authentic" must be reduced to the status of "inauthentic." And, following Goldziher, doubt would have to be cast on all of the hadith, as imaginative elaborations from the Qur'an, without any necessarily independent existence.
4. This leaves the Qur'an. Any "moderate" who wishes to prevent inquiry into the origins of the Qur'an -- whether it may be the product of a Christian sect, or a Jewish sect, or pagan Arabs who decided to construct a book, made up partly of Christian and Jewish material mixed with bits and pieces of pagan Arab lore from the time of the Jahiliya -- or to prevent philological study (of, for example, Aramaic and other loan-words) -- anyone who impedes the enterprise of subjecting the Qur'an to the kind of historical inquiry that the Christian and Jewish Bibles have undergone in the past 200 years of inquiry, is not a "moderate" but a fervent Defender of the Faith, and one whose unwillingness to encourage such study -- which can only lead to a move away from literalness for at least some of the Believers -- again is not "moderate."
5. The conclusion one must reach is that there are, in truth, very few moderates. For if one sees the full meaning of Qur'an, hadith, and sira, and sees how they have affected the behavior of Muslims both over 1400 years of conquest and subjugation of non-Muslims, and in stunting the development -- political, economic, moral, and intellectual -- of Muslims everywhere, it is impossible not to conclude that this imposing edifice is not in any sense moderate or susceptible to moderation.
What must an intelligent Muslim, living through the hell of the Islamic Republic of Iran, start to think of Islam? Or that Kuwaiti billionaire, with houses in St. James Place and Avenue Foch and Vevey, as well as the family/company headquarters in Kuwait City, who sends his children to the American School in Kuwait, and boasts that they know English better than they know Arabic, helps host Fouad Ajami when he visits Kuwait, is truly heartsick to see Kuwait's increasing islamization? Would he allow himself to say what he knows in public, or in front of half-brothers, or to friends -- knowing that at any moment, they may be scandalized by his free-thinking views, and that he may run the risk of losing his place in the family's pecking order and, what's more, in the family business?
5. The mere fact that Muslim numbers may grow in the Western world represents a permanent threat to Infidels. This is true even if some, or many, of those Muslims are "moderates" -- i.e. do not believe that Islam has some kind of divine right, and need, to expand until it covers the globe, and swallows up dar al-harb. For if they are still to be counted in the Army of Islam, not as Deserters (Apostates) from that Army, their very existence in the Bilad al-kufr helps to swell Muslim ranks, and therefore perceived Muslim power. And even the "moderate" father may sire immoderate children or grandchildren -- that was the theme of the Hanif Kureishi film, quasi-comic but politically acute, "My Son the Fanatic." Whether through Da'wa or large families, any growth in the Muslim population will inhibit free expression (see the fates of Pim Fortuyn andTheo van Gogh, and the threats made to Geert Wilders, Carl Hagen, Ayaan Hirsi Ali, and many others), for politicans eager to court the Muslim vote will poohpooh Muslim outrages, and strive to have the state yield to Muslim demands -- for the sake of short-term individual gain. And Muslim numbers, even with "moderates," increases the number of Muslim missionaries -- for every Muslim is a missionary -- whether conducting "Sharing Ramadan" Outreach in the schools (where a soft-voiced Pakistani woman is usually the soothing propagandist of choice), or Da'wa in a prison. The more Muslims there are, the more there will be -- and no one knows which "moderate" will end up distinctly non-moderate in his views, and then in his acts.
And this brings up the most important problem: the impermanance of "moderate" attitudes. What makes anyone think that someone who this week or month has definitely turned his back on Jihad, who will have nothing to do with those he calls the "fanatics," if he does not make a clean break with Islam, does not become a "renegade" or apostate, will at some point "revert" not to Islam, which he never left, but to a more devout form, in which he now subscribes to all of its tenets, and not merely to a few having to do with rites of individual worship?
6. The examples to the contrary are both those of individuals, and of whole societies. As for individual Muslims, some started out as mild-mannered and largely indifferent to Islam, and then underwent some kind of crisis and reverted to a much more fanatical brand of Islam. That was the case with urban planner Mohammad Atta, following his disorienting encounter with modern Western ways in Hamburg, Germany -- Reeperbahn and all. That was also the case with "Mike" Hawash, the Internet engineer earning $360,000 a year, who seemed completely integrated (American wife, Little League for the children, friends among fellow executives at Intel who would swear up and down that he was innocent) -- until one fine day, after the World Trade Center attacks, he made out his will, signed the house over to his wife, and set off to fight alongside the Taliban and Al Qaeda in Afghanistan (he got as far as China) against his fellow Americans. In other words, if fanatical Muslims exist, it does not mean that they all start out as fanatics. Islam is the necessary starting place, and what sets off a "moderate" may have little to do with anything the Infidels do, any question of foreign policy -- it may simply be a crisis in an individual Muslim's life, to which he seeks an answer, not surprisingly, in ... more Islam.
7) Much the same lesson can be drawn from the experience of whole societies. In passing, one can note that the position of Infidels under the Pahlevi regime was better than it had been for centuries -- and under the regime that followed, that of the Islamic Republic of Iran, that position of Infidels became worse than it had been for centuries. "Secularism" in Islamic countries is never permanent; the weight and the threat of Islam is ever-present.
The best example of this is Turkey since 1924, when Ataturk began his reforms. He tried in every way he could -- through the Hat Act (banishing the salat-friendly fez); commissioning a Turkish translation of the Qur'an and an accompanying tafsir (commentary) in Turkish; ending the use of Arabic script for Turkish; establishing government control of the mosques (even attacking recalcitrant imams and destroying their mosques); giving women the right to vote; establishing a system that discouraged the wearing of the hijab; encouraging Western dress; and discouraging, in the army, preferment of any soldier who showed too great an interest in religion. This attempt to constrain Islam was successful, and it was reinforced by the national cult of Ataturk.
But the past few decades have shown that Islam does not die; it keeps coming back. In Turkey, it never went away, despite the creation of a secular stratum of society that amounts perhaps to 25% of the population, with another 25% wavering, and 50% still definitely traditional Muslims. Meanwhile, Turks in Germany become not less, but more fervent in their faith. And Turks in Turkey, of the kind who follow Erdogan, show that they may at any moment emerge and take power -- and slowly (very slowly, as long as that EU application has not been acted on, one way or another) they can undo Ataturk. He was temporary; Islam is forever.
8. That is why even the designation of some Muslims as "moderates" in the end means almost nothing. They swell Muslim numbers and the perceived Muslim power; "moderates" may help to mislead, to be in fact even more effective practitioners of taqiyya/kitman, for their motive may simply be loyalty to ancestors or embarrassment, not a malign desire to fool Infidels in order to disarm and then ultimately to destroy them.
9. For this reason, one has to keep one's eye always on the objective situation. What will make Infidels safer from a belief-system that is inimical to art, science, and all free inquiry, that stunts the mental growth, and that is based on a cruel Manichaean division of the world between Infidel and Believer? And the answer is: limiting the power –- military, political, diplomatic, economic power -- of all Muslim polities, and Muslim peoples, and to diminish, as much as possible, the Muslim presence, however amiable and plausible and seemingly untroubling a part of that presence may appear to be, in all the Lands of the Infidels. This is done not out of any spirit of enmity, but simply as an act of minimal self-protection -- and out of loyalty and gratitude to those who produced the civilization which, however it has been recently debased by its own inheritors, would disappear altogether were Muslims to succeed in islamizing Europe -- and then, possibly, other parts of the world as well.
10. "There are Muslim moderates. Islam itself is not moderate" is Ibn Warraq's lapidary formulation. To this one must add: we Infidels have no sure way to distinguish the real from the feigning "moderate" Muslim. We cannot spend our time trying to perfect methods to make such distinctions. Furthermore, in the end such distinctions may be meaningless if even the "real" moderates hide from us what Islam is all about, not out of any deeply-felt sinister motive, but out of a humanly-understandable ignorance (especially among some second or third-generation Muslims in the West), or embarrassment, or filial piety. And finally, today's "moderate" can overnight be transformed into today's fanatic -- or tomorrow's.
Shall we entrust our own safety to the dreamy consolations of the phrase "moderate Muslim" and the shapeshifting concept behind it that can be transformed into something else in a minute?


Do local internético do PNR,
A Noua Dreapta convidou uma delegação do PNR a deslocar-se à Roménia e participar nos próximos dias 26, 27 e 28 de Novembro nas iniciativas que assinalam a passagem de mais um aniversário sobre a data do assassínio de Corneliu Codreanu, chefe do Movimento Legionário “Guarda de Ferro”. Este ano a data coincide com o 5º aniversário da fundação da Noua Dreapta. Momento alto é a Marcha que anualmente segue em direcção ao Memorial de Corneliu Codreanu, que acontecerá na manhã do dia 27 de Novembro. Estarão presentes várias organizações nacionalistas europeias.

É mais uma boa notícia a respeito da comunidade ideológica nacionalista europeia. Encontros desta natureza são úteis para sedimentar os laços naturais, de doutrina mas sobretudo de estirpe, que unem os nacionalistas europeus, dos Urais à ilha do Corvo, de Atenas a Reikjavik.


Está para breve a abertura da secção portuguesa de uma organização político-espiritual pan-europeia, a Pagan Front ou Frente Pagã: será a Pagan Front Lusitânia, feita a partir da Beira Baixa, ou seja, precisamente no coração da antiga Lusitânia.

O emblema, esteticamente esplêndido, evidencia as origens germânicas do movimento: um homem idoso, barbudo, sem um olho, dois lobos, uma águia - o idoso é Odin, um dos seus símbolos é a águia e possui dois lobos, Geri e Freki («Ardiloso» e «Triturador»).
Nada tenho contra, antes pelo contrário, já que os nórdicos ou germânicos são da nossa família étnica e racial, além de terem também entrado na composição de Portugal (o próprio Afonso Henriques tem um nome de raiz germânica e é descendente, por um lado, de Hispano-Romano-Visigodos, e, por outro, de Borgonheses, que descendem de Burgúndios, que são germânicos) mas é preciso ter sempre presente que a nossa identidade étnica é lusitana, ou latina, ou luso-latina. Os organizadores sabem disto e não se deixarão enganar.

Hail Odin, Avé Júpiter e Viva a Europa Árica.

quinta-feira, novembro 25, 2004


Do Forum Nacional,

Os ministros da Defesa da União Europeia aprovaram esta segunda-feira em Bruxelas o estabelecimento de 13 batalhões multinacionais até 2007, que incluirão Portugal, assim que terminar o respectivo processo de constituição, que se iniciará em 2005.

Cada batalhão deverá dispor de 1.500 efectivos de várias nacionalidades.
«Estes batalhões proporcionam à União Europeia forças credíveis, rapidamente destacáveis, coerentes e capazes de suportar operações de longa duração», disse o ministro da Defesa holandês e presidente rotativo do Conselho, Henk Kamp. «Vamos proporcionar à UE os instrumentos militares necessários para a gestão de crises», sublinhou.

Quatro países - Espanha, Reino Unido, Alemanha e França - impulsam esta iniciativa, já que cada um liderará um batalhão multinacional a partir de 2005. A contribuição de cada um destes países ronda «85% ou 90%» do batalhão.

Os restantes batalhões irão constituir-se nos próximos dois anos. O compromisso de Espanha é de co-participar noutros dois batalhões, juntamente com os seus parceiros mediterrânicos – Portugal, Itália e Grécia – e com os do Eurocorpo - Bélgica, Luxemburgo, França e Alemanha.

O «batalhão mediterrânico» implicará que Portugal e Grécia formalizem o respectivo entrada na Força Anfíbia Hispano-Italiana (SIAF), que foi activada a 23 de Novembro de 1998 em Barcelona. Trata-se de uma força de carácter aberto e é formada pela Brigada de Infantaria da Marinha e o Grupo Delta da Frota espanhola, da parte espanhola, e pela 3ª Divisão Naval e o Reagrupamento Anfíbio São Marcos, da parte italiana.

A distribuição dos restantes batalhões de que a UE disporá no futuro é a seguinte: França e Bélgica por um lado; Alemanha, Holanda e Finlândia por outro; um batalhão centro-europeu e báltico - Polónia, Alemanha, Eslovénia, Lituânia e Letónia -; outro puramente centro-europeu, com a Alemanha, Áustria e a República Checa; outro nórdico - Suécia, Finlândia e Noruega, apesar de este país não integrar a UE; finalmente dois mais: Reino Unido e Holanda, e Itália, Hungria e Eslovénia.

Quatro países ofereceram ainda infraestruturas de apoio logístico aos batalhões: Chipre disponibilizou uma equipa médica, a Lituânia fornece uma unidade de purificação de água, a Grécia disponibilizou o centro de coordenação de Atenas, e a França fornece a estrutura de um quartel de força multinacional movível.

O objectivo é que a UE possa realizar já em 2005 uma operação de resposta rápida baseada num batalhão, e outra em 2006, explicou Kamp.

A partir de 2007, estabeleceu-se que dois batalhões deverão ter uma «disponibilidade permanente» para que os Vinte e Cinco possam destacar esta força de combate no prazo máximo de 15 dias. Para tal, será desenhado um calendário de rotação para que dois contingentes estejam sempre activos em caso de necessidade urgente.

As forças dependerão dos Estados membros e não implicarão uma duplicidade relativamente à força de reacção rápida da NATO - que contará com 20 mil homens -, já que cada país destacará as tropas que considerar conveniente para cada organização. «São complementares e reforçam-se mutuamente com a força da NATO», disse o ministro da Defesa holandês.

Explicou que serão criados esquemas de rotação que tornem possível aos países participar em ambas as estruturas alternadamente e não ao mesmo tempo.

Os europeus querem enviar esta força para zonas que requeiram «missões pontuais», como a «Artemis» na República Democrática do Congo em 2003, onde a acção da UE pôs fim à onda de violência na região de Ituri.

Penso que esta notícia do futuro exército europeu é fundamentalmente boa, porquanto trará aos Europeus uma verdadeira independência relativamente aos EUA. Não gosto, de qualquer modo, que sejam os Espanhóis a liderar o batalhão mediterrânico. Creio que as lideranças deveriam ser atribuídas por sorteio e não pela dimensão populacional ou territorial, ou de poder militar, de cada país.

Não concordo entretanto com o camarada J.E., que expressou a sua opinião no supramencionado Forum Nacional. Tal como ele, também eu votarei contra a Constituição, também eu sou contra a perda das soberanias nacionais europeias, também eu sou contra a entrada na U.E. da Turquia, de Israel ou de qualquer outro país não europeu; mas, diferentemente de J.E., eu separo esses assuntos do que está em causa neste caso em concreto, que é o do fortalecimento do poder político europeu, por via militar.

É bom que a Europa ganhe ferramentas - o modo como estas serão um dia utilizadas, caberá a quem entretanto conseguir fazer valer os seus ideais.


Lamento que, com a sucessão de mensagens, tenha passado à segunda página a bela imagem da mulher nórdica vista de perfil, no cartaz da National Vanguard... como agravante, a mensagem que a passou para trás, tinha uma série de mulheres árabes envoltas em burcas.. seja como for, um dia destes volto a colocar o cartaz.

De momento, o que interessa é salientar um portal que o camarada Miguel Ângelo Jardim me deu a conhecer: destaco assim o imenso e inestimável valor
deste site, sólido reservatório e coluna internética do pensamento nacionalista europeu, identitário. A profusão de textos de elevado interesse e valor, não deixa de perturbar quando faz pensar que o tempo urge e que o dia só tem vinte e quatro horas.

Atirem-se à matéria exposta naquelas páginas e bom proveito. Se quiserem fazer resenhas do que lerem e as colocarem nas secções de comentários aqui do blogue, são bem-vindos.


Grupo dos Amigos de Olivença

Viva o 1.º de Dezembro!

No próximo 1.º de Dezembro comemoram-se 364 anos da Restauração da
Olivença foi das primeiras povoações a aclamar D. João IV como seu legítimo soberano, logo em 5 de Dezembro de 1640, identificando-se com a divisa que lhe fora outorgada pelos Reis de Portugal:
Ocupada militarmente por Espanha em 1801 e mantida sob o seu domínio,
Olivença não pode hoje viver, com os demais portugueses, a sua
A usurpação de Olivença, em violação da História, da Cultura, da Moral e do Direito, constitui alerta eloquente para todos os portugueses que querem um Portugal livre e independente.
Lembrando a ocupação estrangeira do território oliventino e apelando à participação cívica de todos na exigência da sua retrocessão, o Grupo dos Amigos de Olivença participará como habitualmente nas comemorações nacionais do Dia da Restauração.
Convidam-se todos os associados e apoiantes a integrarem a Comitiva do Grupo dos Amigos de Olivença que se concentrará, no dia 1.º de Dezembro, às 15:30 horas, frente à sua sede, na Casa do Alentejo, dali saindo para comparecer nas cerimónias públicas que terão lugar às 16:00 horas, na Praça dos Restauradores, em Lisboa.

Olivença É Terra Portuguesa!

Lx., 24-11-2004.
A Direcção

Rua das Portas de S. Antão, 58 (Casa do Alentejo) - 1150-268 Lisboa
www.olivenca.org - olivenca@olivenca.org

Tlm: 967 431 769


Um testezito político-ideológico que encontrei no Forum Nacional,


tem a sua piada, apesar de algumas perguntas estarem mal feitas, baseadas numa generalização tendenciosa e abusiva. Por exemplo, quase que apostava que a questão
Não há povos selvagens e civilizados, mas apenas culturas diferentes.
está colocada e é depois valorizada de acordo com um critério segundo o qual a «Direita» considera que há povos inferiores e selvagens e a «Esquerda» grita que não há inferiores nem superiores.
Quanto a mim, ser direitista não implica a crença na superioridade, mas sim no valor da preservação da diferença.

E assim, de subentendidos em subentendidos, chega-se o teste dá-me este resultado:
Esquerda / Direita: -4.50
Autoritarismo / Libertarianismo: -0.77

É giro, de facto.



“Quem defende uma maior distribuição da riqueza euma oposição aos monopólios deve defender o pequeno comércio tradicional.”

De acordo com a nossa perspectiva do mundo, baseada numa maior distribuição da riqueza, no combate aos sempre perigosos monopólios económicos e na máxima manutenção possivel investimento privado em mãos nacionais, devemos, como Nacionalistas e como Portugueses, insurgir-nos contra o aparecimento desmesurado das grandes superficies, que arrasam o pequeno comércio e que dão azo a que a economia venha a ser gradualmente dominada por uma oligarquia de priveligiados cada vez mais restrita (conforme uma grande empresa vai comprando as outras o número de empresários vai sendo cada vez menor e o poder económico fica em cada vez menos mãos - tendendo assim para o monopólio). Consideramos pois que é melhor existirem, muitas mercearias de bairro ou de aldeia (negócios familiares que geram uma maior distribuição da riqueza) do que um gigantesco supermercado que fica com a riqueza toda para si. Se existirem dez mercearias existem dez patrões. Se em vez delas existir apenas um único supermercado, existirá um só patrão, que por ser o único na região pode explorar á vontade os seus clientes e funcionários. Nesta última situação mesmo que existam dois supermercados e dois patrões, é perfeitamente possivel que estes últimos cheguem a acordo entre eles, estabelecendo uma aliança em que ambos tirarão o maior lucro possivel através de baixos salários e preços mais elevados dos produtos, em vez de caírem numa guerra de concorrência que só os prejudicaría a ambos. Pelo contrário, a distribuição da riqueza não em uma ou duas mas sim em várias mãos gera, ela sim, uma maior concorrência e, desde logo, uma necessidade constante de melhorar, para atrair clientes. Daqui se conclui que a concentração da riqueza gera monopólios, exploração dos empregados e maus serviços (se só existir um supermercado ou se todos os supermercados pertencerem à mesma empresa, essa empresa pode diminuir a qualidade dos serviços porque o cliente não tem outra escolha). A única vantagem que reconhecemos nas grandes superficies é o cliente ter os produtos todos, como se costuma dizer, “mais à mão”. Tudo o resto são desvantagens. Para além das acima referidas, não é dificil constatar, agora em termos mais práticos, que: 1) Os funcionários das grandes superficies auferem quase sempre de salários mais reduzidos do que os funcionários das pequenas superficies de aldeia ou bairro, 2) Nas pequenas superficies as relações entre patrão e empregado são mais humanas, ou seja, é mais fácil a um empregado estabelecer uma relação de amizade e cooperação numa loja pequena, onde todos se conhecem, do que numa grande superficie, onde o empregado nunca chega à fala com o administrador (quanto mais com o patrão!) para lhe fazer sentir, cara a cara, os seus problemas (pode-se pois dizer que, nas grandes superficies, o trabalhador deixa de ser uma pessoa e passa a ser uma máquina, que ninguém tem problemas em substituir uma vez que não se estabelecem relações pessoais entre empregados e patrões); 3) Nas grandes superficies o cliente perde em termos de qualidade dos produtos, que são sempre de produção industrial. Não há comparação entre o sabor de uma maçã de “produção industrial” e , normalmente, estrangeira (dessas que se vendem nas grandes superficies) com uma maçã de produção local e quase artesanal, que o proprietário de uma pequena superficie sabe ir buscar directamente ao produtor; 4) A existência de diversas lojas em cada aldeia dá vida a essa mesma aldeia, que se transforma assim num local onde dá gosto viver e não num simples dormitório, que as pessoas tenderão a abandonar para ir viver em aglomerados habitacionais incaracterísticos (normalmente vilas ou cidades), onde o desenraizamento é uma realidade; 5) A ideia de que o cliente poupa dinheiro ao comprar nas grandes superficies é pura ilusão; embora numa primeira fase isso normalmente aconteça (precisamente porque a grande superficie quer granjear clientes), o que se verifica depois é que, com o passar do tempo, nada destingue os preços de um grande supermercado dos preços de uma mercearia; uma vez arrasada a concorrência, os donos das grandes superficies brincam com os clientes a seu belo prazer- e depois, claro está, mesmo nos raros casos em que os produtos das grandes superficies sejam mais baratos, o cliente vai acabar por gastar o mesmo dinheiro que teria gasto numa pequena mercearia de aldeia ou bairro, porque, para além do montante que despende em gasolina ou transportes públicos (que não gastaria se fosse às pequenas superficies da sua aldeia ou bairro), vai-se deparar com “promoções” e constantes apelos aos seus instintos consumistas, acabando por chegar a casa com um sem número de produtos dos na realidade não necessitava mas que mesmo assim comprou porque estavam “em promoção”, já tinha poupado noutros produtos, etc. ; 6) As grandes superficies mandam vir os produtos de fora e raramente comercializam produtos da região onde se encontram; logo em vez de contribuirem para o enrequecimento dessa mesma região, contribuem para o seu empobrecimento (contrariamente ás pequenas superficies, que normalmente se abastecem nos mercados grossistas locais). Daí decorre que os capitais deixam de estar distribuidos pelos pequenos empresários da região e fogem para outras paragens (outros produtores, outros patrões, etc.).
Concluímos assim que a morte das pequenas superficies comerciais em prol das grandes, em última análise, não beneficia os clientes, não beneficia a região e tira o dinheiro aos pequenos empresários (os mais fracos) para dar aos grandes (os mais fortes). Assim, lutar pela preservação do comércio local é lutar pelo verdadeiro desenvolvimento de cada região através da manutenção dos capitais locais nessa mesma região e, acima de tudo, é lutar por uma maior igualdade e uma maior humanização da nossa soaciedade.





A criminalidade entre os brasileiros é preocupante. Somente no primeiro semestre deste ano foram presos 480 brasileiros acusados de ter violado o código penal japonês. Deste número, 369 são menores de idade (14 a 19 anos). Os números, apesar de serem altos, podem ser controlados e até decrescerem. Pelo menos, esta é a idéia com a qual a polícia japonesa trabalha.
“A tendência é de crescimento da criminalidade. Por isso, é preciso tomar uma atitude antecipadamente”, disse o Instrutor de Investigação de Crime Internacional do Departamento de Investigação Criminal da Agência Nacional de Polícia, Motohisa Suzuki, em uma coletiva na Embaixada do Brasil, dia 30. Segundo o policial, diferente de outras comunidades, como a chinesa e a coreana, é possível resolver a questão da criminalidade brasileira entre os próprios brasileiros. “A maioria está no arquipélago de forma legal e com a família. Já entre os chineses e coreanos, por exemplo, há um grande número de ilegais, o que dificulta o trabalho de localização da pessoa que comete delitos”, contou.
O policial diz acreditar que se a comunidade brasileira colaborar, o número de casos pode diminuir. “A situação hoje não é tão grave mas, não permite otimismo”, disse. Para ele, a questão da criminalidade é complexa, mas pode ser controlada se houver empenho do governo e da população. “É preciso aumentar o efetivo policial e elevar também o nível de conscientização entre a população”, opinou.
Para Suzuki, as causas do aumento da criminalidade no Japão são diversas. Vão desde a questão da economia a mudanças comportamentais. Mas, um ponto importante levantado pelo policial é a questão dos jovens. “A delinquência juvenil tem sido um fator importante na deterioração da segurança da sociedade japonesa”, afirmou.
Entre os jovens estrangeiros, Suzuki lembrou que a evasão escolar é muito grande. “Muitos brasileiros não frequentam a escola japonesa por não se adaptarem ao método de ensino ou porque o conhecimento do idioma é insuficiente”, disse. A questão econômica recessiva do país, segundo o policial, agrava ainda mais a situação, pois os pais destes menores acabam não podendo oferecer nenhum tipo de educação para os filhos.

“A abordagem do problema da criminalidade no arquipélago está sendo feita como um todo e não especificamente”, lembrou Suzuki. Segundo o policial, não há discriminação por causa da nacionalidade. “A comunidade chinesa, por exemplo, também expressa a mesma preocupação”, amenizou.
Suzuki afirmou que a Agência Nacional de Polícia reprime e combate a discriminação por parte dos policiais. “Nos casos envolvendo japoneses e brasileiros, a polícia tem atuado de forma imparcial.” O policial disse também que, apesar do crescente número de delitos, o arquipélago continua sendo seguro. “Comparando com os padrões mundiais, o Japão ainda é um dos países mais seguros. Mas, nas grandes cidades é preciso tomar cuidado”, lembrou.

Raio-x da criminalidade
542.115 pessoas foram detidas em 2001 no Japão
7.168 dos detidos eram estrangeiros e958 eram brasileiros
As províncias com maior número de casos envolvendo brasileiros (1º semestre de 2002):
- Aichi (106), Shizuoka (76) e Gifu (3)
Brasileiros detidos por faixa etária
- 1º semestre de 2001:
Menores de idade: 320 (77,5%)
Acima dos 20 anos: 93 (22,5%)
- 1º semestre de 2002
Menores de idade: 369 (76,8%)
Acima dos 20 anos: 111 (23,2%)

Por ocupação
- 1º semestre 2001:
Desempregados: 148 (35,8%)
Empregados: 218 (52,8%)
- 1º semestre 2002:
Desempregados: 232 (48,3%)
Empregados: 189 (39,4%)

(Fonte: Agência Nacional de Polícia)


No Minuto Digital, pode hoje ler-se um artigo de índole regional, respeitante a Sevilha, mas que, na sua essência, diz respeito a todo o Ocidente.
A população de determinado bairro da cidade, Los Bermejales, está contra a construção de uma mesquita na sua zona. E os motivos do seu protesto são suficientemente pertinentes para que eu os traduza, resuma e saliente como me parece mais apropriado:
- a mesquita é financiada por um país islâmico totalitário e muitas das mesquitas (senão todas) espalhadas pela Europa constituem focos de disseminação do anti-ocidentalismo muçulmano, visto que uma em cada três mesquitas localizadas em Madrid tem ligações com grupos extremistas tais como o Hamas, o Irmãos Muçulmanos, o Justicia y Caridad, o Morabitum e o Tabligh;
- a construção da mesquita atrái a presença de muçulmanos, o que pode degradar as condições de vida e segurança do bairro, dado que boa parte da população criminal de Espanha (metade dos presos estrangeiros) são árabes muçulmanos, trinta por cento(30%) dos delinquentes estrangeiros detidos são marroquinos e um em cada três imigrantes argelinos foi detido no país vizinho;
- a insegurança criada pelo motivo atrás citado, faz com que a construção da mesquita potencie a desvalorização das vivendas da zona e levem a uma degradação marginalizante do bairro;
- o espaço ocupado pela mesquita seria útil para servir de base a serviços que a população há muito solicita, o que significa que, deste modo, se privilegia uma minoria religiosa estrangeira em detrimento da gente nacional.


Los vecinos del barrio de Los Bermejales se movilizan para oponerse a la construcción de la mezquita más grande de Europa en su barrio. La imposición antidemocrática ha chocado contra la voluntad del vecindario. El próximo domingo 28, a las 12:30 se concentrarán en el Paseo Europa para realizar la asamblea Vecinal

Desde estas líneas convocamos a todos los vecinos de Sevilla y principalmente del barrio de Los Bermejales a protestar e impedir la imposición y la construcción de una gran mezquita en Sevilla. Varios son los puntos a tener en cuenta:
-La mezquita está financiada por un país no democrático que establece el Islám como la religión oficial. Un monarca absoluto, el Sultán del Emirato de Sharjah (emirato integrado en los Emiratos Árabes Unidos) financia con petrodólares la construcción de la futura mezquita de Sevilla. Previsiblemente, al igual que en Granada, gestionará la mezquita una fundación formada por la Comunidad Islámica en España y por los Emiratos Árabes Unidos, uno de los pocos países (junto a Arabia Saudí y Pakistán) que reconocía como legítimo el régimen integrista de los talibanes de Afganistán.
-Según información e inteligencia del Ministerio del Interior, una de cada tres mezquitas en Madrid tiene conexiones con grupos radicales islamitas como Hamas, Hermanos Musulmanes, Justicia y Caridad, Morabitum o Tabligh.
-La construcción de la mezquita puede crear inseguridad ciudadana. La Asociación Independiente de la Guardia Civil ha declarado que el 30% de los delincuentes extranjeros detenidos son marroquíes y el Instituto Nacional de Estadística ha determinado que uno de cada tres inmigrantes argelinos en España ha sido detenido. Casi la mitad de los presos extranjeros en cárceles españolas son árabes musulmanes.
-El peligro islamista junto a la inseguridad ciudadana que puede crear la construcción de la mezquita en los Bermejales, devaluaría el precio de las viviendas de los vecinos de este barrio y podría convertir a medio plazo, Los Bermejales en un barrio marginal.
-El Ayuntamiento cede seis mil metros cuadrados de terreno para la construcción de la mezquita que tendrá una capacidad para siete mil personas, más de las que caben en la Catedral. Los Bermejales lleva siete años pidiendo otros servicios para el barrio, como un centro cívico. El Ayuntamiento margina a los sevillanos para privilegiar a una minoría religiosa.
-Convocamos a todos los sevillanos y principalmente a los vecinos de Los Bermejales, para que se expresen públicamente en contra de la construcción de esta Gran Mezquita, el domingo 28 de Noviembre a las 12:30 de la mañana en la Asamblea Vecinal que tendrá lugar en el Paseo de Europa.

quarta-feira, novembro 24, 2004


> >

Do site do PNR,

Frank Vanhecke é o único candidato à presidência do Vlaams Belang. A sua investidura oficial no cargo ocorrerá no congresso que o partido vai realizar no próximo dia 12 de Dezembro. Segundo as disposições regulamentares do novo partido, o Conselho tem de se pronunciar por voto secreto sobre as candidaturas antes de estas se submeterem a um Congresso. Recorde-se que o Vlaams Belang surge na sequência da recente dissolução do Vlaams Blok.

Os verdadeiros nacionalistas, ao cair, reúnem forças e reerguem-se para continuar o combate, cada vez mais extremado.

Porque não há outra alternativa para os Europeus conscientes a não ser a guerra ideológica pela salvaguarda da sua própria Estirpe.


Do Forum Nacional,

Um senhor de 62 anos que trabalhava numa fabrica em Leiria há 34 anos foi substituido por um preto, ao abrigo de um decreto-lei qualquer, desses que apoiam a "descriminaçao positiva".

O início da imposição da injustiça em prol da igualdade racial, à maneira dos americanos.


Do Forum Nacional,

Este artigo foi tirado do site deste jornal:


60 por cento dos portugueses são ascendentes de Judeus
À descoberta do passado judeu

Foi em Belmonte que nasceu Pedro Álvares Cabral e é também lá que reside uma das maiores comunidades judaicas do País. O rabino Elisha Salas sabe que os judeus quando se converteram ao cristianismo adoptaram um novo nome. Perderam o hebraico e registaram-se com nomes de árvores para deixar um sinal.

O rabino Elisha Salas veio de Israel para ajudar os judeus residentes em Portugal e retomar a história interrompida há 500 anos pela Inquisição. Veio também para ajudar a descobrir os “marranos”, pessoas que outrora foram judeus e que se converterem ao cristianismo, para que agora possam livremente voltar ao judaísmo.

Elisha Salas trabalha para a organização “Shavei Israel”, que significa: “os que voltam ao povo de Israel”. Muitos descobrem que afinal os seus antepassados foram judeus. Elisha Salas entende que é preciso devolver aos judeus um espaço na sociedade, que em termos estatísticos concentra em Lisboa a maior comunidade. Segue-se o Porto e logo a seguir Belmonte. Mas a estatística revela ainda que a comunidade que mais participa nos serviços religiosos é a de Belmonte. São cerca de 100 os judeus que residem na vila. Já no século XIII se atestava a existência de uma próspera comunidade judaica, responsável pela existência de uma sinagoga. de que resta uma inscrição datada de 1296. Provavelmente viveria numa judiaria localizada no actual bairro de Marrocos. Em consequência da expulsão dos judeus de Espanha, em 1492, tudo indica que a comunidade de Belmonte tivesse aumentado.

Em 1986 foi oficialmente criada a Comunidade Judaica de Belmonte cuja sinagoga viria a ser inaugurada em 1997. Elisha Salas foi durante cerca de um ano o rabino da comunidade Belmonte. Actualmente sem rabino, porque está a desenvolver um trabalho ecuménico no Porto. Para o rabino há que se procurar a identidade perdida ao longo dos anos. Porque actualmente os marranos, nem são cristãos nem tão pouco judeus. Então há que apontar um caminho à comunidade que descobre que afinal teve um judeu na sua família. Talento para o comércio Em Portugal residem cerca de 60 por cento de ascendentes de judeus, estima o rabino. Para descobrir a descendência de cada pessoa, Elisha Salas sabe que os judeus quando se converteram ao cristianismo adoptaram um novo nome. Perderam o nome hebraico e registaram-se com nomes de árvores, para deixar um sinal. Todos aqueles que têm no seu apelido nome de árvores, como Oliveira, Pereira, Carvalho e muitos outros, sabem que no passado existiu um judeu na família. É a partir deste sinal que o rabino começa a fazer o levantamento para poder ajudar cada cidadão a descobrir a verdadeira identidade. Mas, “depois de encontrado não é uma obrigação o regresso ao judaísmo”, refere. Em Portugal os judeus continuam a ter como principal ocupação a actividade comercial. Sabe-se que nos vários reinados da monarquia portuguesa os judeus não tiveram uma vida fácil e para sobreviver, dedicaram-se ao comércio. Sendo a actividade comercial independente faz com que os judeus possam guardar o Sábado, como o dia sagrado.

Este artigo faz eco de uma teoria muito difundida sobre a ascendência dos Portugueses, segundo a qual quase todos os Portugueses seriam descendentes de judeus.
Todavia, há por aí qualquer coisa mal explicada ou mal entendida...

De qualquer modo, essa de que todos os que têm apelidos com nomes de árvore têm sangue judaico, não me parece credível. Por esse andar, também D. Nuno Álvares Pereira era judeu, e nunca nenhum historiador «judaizante» se atreveu a defender uma dessas.

Por outro lado, o apelido «Carvalho», por exemplo, não nasceu em Portugal com uma mudança de religião do Judaísmo para o Cristianismo. Este apelido é de origem asturiana e dele existem várias versões, tais como, por exemplo, «Carvajal». Quem procurar a raiz do apelido nalgum livro de genealogia, não encontra, nos primeiros «Carvalhos» qualquer Jacob ou Isaac...

Seja como for, nenhum português tem sangue judaico - pois se é dito, constantemente, que o Judaísmo não é uma raça mas sim uma religião, então quem deixa de ser judeu para ser português, deixa de contar como judeu e passa a contar inteiramente como luso. Sendo assim, nenhum de nós tem qualquer gota de sangue judaico...

Há entretanto quem tenha interesse em fazer crer que os Portugueses são todos metade judeus metade mouros, porque isso ajuda a deitar por terra qualquer espécie de orgulho racial europeu no seio da Portugalidade...
A propósito disso, foi escrito este texto.
Está feito para os Espanhóis, mas adapta-se perfeitamente a nós.

terça-feira, novembro 23, 2004


A pouco e pouco, os muçulmanos vão entrando. Sem darem muito nas vistas, até agora, existem já trinta e cinco mil (35.000) crentes de Mafoma em Portugal. Os mais radicalmente religiosos de entre eles, vêem de Marrocos, segundo o estudo de um antropólogo citado no Expresso.

Ora, por que cargas de água é que andam a entrar imigrantes marroquinos em Portugal? É que estes nem sequer são dos Palops.

Entretanto, é bom saber que David Munir não reconhece a existência em Portugal de mesquitas clandestinas nas quais se apele ao ódio e se desenvolva propaganda e planos de acções contra o Ocidente.
Assim, quando alguma delas for deitada abaixo ou invadida pela polícia, o Sheik Munir não se vai opôr.

Mesquitas clandestinas
Imã de Lisboa desconhece

David Munir, o imã da mesquita de Lisboa, disse hoje desconhecer a existência de mesquitas clandestinas ou de locais em que sejam mantidos encontros secretos de conspiração contra o Ocidente, numa reacção a uma notícia publicada sábado no EXPRESSO.
O imã lamentou ainda que esteja a ser cultivada em todo o mundo uma «imagem péssima do Islão», colocando todos os muçulmanos sob suspeita permanente.
«Ser muçulmano no Ocidente não é fácil. Desde o 11 de Setembro que todos os muçulmanos passaram a ser talibãs e bombistas e dá-se uma imagem péssima do Islão, que é uma religião pela paz», disse David Munir.
Apesar de tudo, o imã considera que, de 2001 para cá, a discriminação de que os muçulmanos foram alvo em Portugal tem vindo gradualmente a atenuar-se.
O imã da mesquita de Lisboa falava na Universidade Nova durante a conferência «A Comunidade Islâmica de Lisboa», organizada pelo Centro de Estudos de Migrações e Minorias Étnicas da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.
«Os telefones das mesquitas em Portugal e na Europa estão sob escuta desde esse dia para saberem se existem ligações com a Al-Qaeda», reforçou.
«Agora surgem notícias da existência de mesquitas clandestinas em Portugal. Temos 25 lugares de culto em Portugal. Metade deles são clandestinos?», interrogou-se.
«Que eu saiba, não há mesquitas clandestinas e desconheço também o local onde serão mantidos encontros onde possa haver agressões contra o Ocidente», disse em declarações à margem da conferência.
«Somos normais, trabalhamos, estamos perfeitamente integrados na sociedade e desejamos a paz como qualquer outra pessoa», sublinhou, defendendo a necessidade de «remover tabus».
Contudo, reconhece que nem todos os islâmicos estão bem inseridos, existindo alguns que «vivem em guetos, especialmente os muçulmanos que vieram da Argélia e de Marrocos, que têm mais dificuldade de integração».
A comunidade islâmica de Lisboa surgiu em 1968, tendo crescido substancialmente depois de 1974, quando vieram muçulmanos de Moçambique e da Guiné.
Hoje conta com cerca de quatro mil membros, existindo no país 30 mil a 35 mil islâmicos, segundo dados avançados pelo imã da mesquita de Lisboa.


Foi hoje dada a notícia segundo a qual a Rússia terá armas nucleares de uma qualidade tal que «nunca se viu antes»(sic, tsf).
É notícia preocupante para muitos, compreensivelmente; quanto a mim, acho-a fundamentalmente boa. A Rússia garantiu que as suas armas nucleares não estarão apontadas contra a Europa. Além do mais, é a Rússia a maior promessa do futuro, para que o Ocidente se proteja e assegure a sua posição no mundo.

A corrida armamentista não pára. A China cresce e o mundo islâmico mostra-se cada vez mais perigoso. É por isso crucial que os meios de destruição maciça mais poderosos estejam nas mãos de Europeus.


A bem da informação e da reflexão intelectual e doutrinária, apresento aqui esta entrevista a Alain de Benoist realizada pelo espanhol Minuto Digital.

Não concordo com tudo o que lá é dito, nomeadamente com a noção de identidade defendida pelo entrevistado - não creio que a identidade se construa como um processo dialéctico; desde há algum tempo que afirmo precisamente o que o autor nega, isto é, que a identidade é uma herança, um legado tendencialmente imutável, que ou se tem ou não. Creio por isso que é essencial distinguir-se entre identidade, que se herda (raça, etnia, nação, família, nome), e personalidade (modo de ser, temperamento, costumes, traumas, gostos), que se constrói ao longo dos tempos.


Do Forum Nacional, uma notícia sobre um filme pouco falado na comunicação sucial por motivos óbvios e que está agendado para estrear em Portugal por volta de Janeiro de 2005.

E é possível que, a pouco e pouco, a História se vá fazendo de um modo mais imparcial, à medida que os vencedores vão morrendo e os vencidos vão podendo contar a sua versão dos factos.

Entretanto, a tropa esquerdo-intelectual vai aplaudindo uma certa película que mostra Che Guevara como um puro e ingénuo herói e que esquece de referir as matanças cometidas por esse guerrilheiro tornado ídolo das multidões burguesas esquerdificadas.

Filme alemão retrata o lado humano de Hitler
Várzea Grande, 24/08/2004 - 15:29.

Um retracto espantosamente convincente de Adolf Hitler apresentado em um filme alemão sobre seus últimos 12 dias de vida está causando polémica, e críticos contestam o fato de o trabalho mostrar o "monstro" como um ser humano.
Baseado em depoimentos de testemunhas oculares e no livro homónimo do historiador Joachim Fest, "Der Untergang" ("A Queda") vai estrear na Alemanha em Setembro e é uma das primeiras tentativas feitas no país de retractar Hitler no cinema.
Relatado desde o ponto de vista de Traudl Junge, uma das secretárias pessoais de Hitler, o filme traz uma abordagem menos tensa do passado, reflectindo a mudança de atitude de um número crescente de filmes alemães sobre a era nazi.
Confinado a seu bunker parcamente mobiliado, Hitler ordena a ida à batalha de unidades militares inexistentes e declara que a nação alemã derrotada "se mostrou indigna" dele.
Seus assessores bebem o último vinho que existe no bunker e discutem a maneira melhor de cometer suicídio, enquanto, do lado de fora, velhos e crianças são mandados para um combate contra os tanques russos. Hitler comete suicídio em 30 de abril, mas os combates continuam por mais uma semana.
O actor suíço Bruno Ganz consegue ter uma semelhança fotográfica grande com o ditador de 56 anos, grisalho e encurvado, atingido pelo mal de Parkinson, o que o leva a esconder sua mão trémula atrás das costas.
O estranho sotaque bávaro-austríaco de Ganz lhe confere uma vantagem natural sobre as versões anteriores de Hitler vividas por Alec Guinness em "The Last Ten Days", de 1972, ou Anthony Hopkins em "The Bunker".
Suas explosões hipnóticas de raiva diante da incapacidade do Exército alemão de refrear o avanço soviético sobre Berlim são entremeadas por momentos de gentileza para com suas funcionárias mulheres e de ternura com Eva Braun, com quem se casa um dia antes de cometerem suicídio.
Causa polémica o fato de Hitler em alguns momentos ser mostrado como figura quase simpática e de o Holocausto ser mencionado apenas brevemente em suas invectivas.

Hitler como homem
O produtor Bernd Eichinger, que também produziu "O Nome da Rosa", diz que foi inevitável provocar algum grau de empatia com Hitler.
"Para compreender a história, é preciso entender as pessoas que a fazem", disse ele à televisão alemã ZDF.
A revista Spiegel dedicou sua capa desta semana ao filme e disse que Eichinger conseguiu um feito inédito: "Conferir um rosto real ao drama absurdo que se desenrolou no bunker de concreto."
Mas os críticos indagam se tal tratamento se justifica, no caso do homem que ordenou o Holocausto e desencadeou a Segunda Guerra Mundial, que deixou 50 milhões de mortos.
O jornal Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung indagou: "'Der Untergang' nos faz questionar se devemos ser autorizados a sentir solidariedade por Hitler."
Para o jornal de Berlim Der Tagesspiegel, "este Hitler, que é tão simpático com as funcionárias do bunker, ao mesmo tempo em que manda um povo inteiro do lado de fora ao matadouro, desperta simpatia, sim. Um sujeito solitário, traído por seus seguidores, que se conserva firme até o fim -- não será ele um herói, não tão simpático quanto alguns dos personagens coadjuvantes, mas mesmo assim alguém fora do comum?"
Eichinger disse que já era hora de surgir um filme alemão sobre Hitler.
"Quando se chama a atenção para o maior colapso físico e psicológico possível de uma civilização inteira -- ou seja, de nossa nação alemã --, então deve ser possível contarmos esta história nós mesmos", disse ele. "Precisamos contá-la."


E aqui têm o site oficial do filme está em Alemão como é obvio...Mas dá para ver o Trailler do filme: