sexta-feira, agosto 14, 2015

SOBRE A ESCRITA DO SUDOESTE - NOVA TEORIA LIGA-A AOS CELTAS



Nada fazia prever que ali, naquela pequena aldeia do interior algarvio, um rapaz que fazia 30 km a pé para ir à escola de 15 em 15 dias se haveria de transformar num coleccionador de peças arqueológicas, cada vez mais informado. José Rosa Madeira era invulgar, pode dizer-se. Tão invulgar que desde cedo percebeu que aqueles artefactos estranhos que ia encontrando no Ameixial, freguesia do concelho de Loulé, teriam algum interesse. Entre eles estavam várias estelas de xisto com inscrições curiosas que pareciam letras. Ninguém sabia, no início do século XX, formar palavras com elas – ninguém sabe ainda hoje, aliás -, mas isso não impediu este homem que acabaria por se mudar para Faro para trabalhar como relojoeiro de se deixar inquietar por estes blocos de pedra e até de se corresponder com Leite de Vasconcelos, linguista e etnógrafo a quem a arqueologia portuguesa deve muito. Os textos que estas estelas guardam fazem parte daquilo a que os especialistas chamam Escrita do Sudoeste e continuam a intrigar.
Duas exposições com comissariado científico que envolve o Projecto Estela, uma no Museu Municipal de Faro, dedicada ao acervo que José Rosa Madeira (1890-1941) ali deixou, e outra no Museu Nacional de Arqueologia (MNA), em Lisboa – Quem nos Escreve desde a Serra, pequena mostra de rua que já passou por várias localidades do Algarve (Ameixial, Salir, Penina ou Quarteira) – voltam a colocar o foco nesta escrita com 2500 anos que vem sendo definida como a mais antiga da Península Ibérica. Um documentário que o canal 2 da televisão britânica BBC está a preparar sobre os celtas, e que deverá ser transmitido em três episódios até ao final do ano, também passou pelo território destas estelas da Idade do Ferro, nomeadamente pelos concelhos de Almodôvar e Loulé.
Filmado em parceria com a emissora alemã ZDF em seis países europeus, o documentário expõe uma nova teoria que aponta para semelhanças entre a escrita do sudoeste e a língua celta, defendida pelo linguista John Koch, da Universidade de Gales. Uma teoria que não ignora, certamente, que haveria trocas comerciais entre a península e a Europa mais a norte. Parte da rodagem foi feita no museu de Almodôvar, onde foi possível filmar ao pormenor algumas das estelas com esta escrita, que tem vindo a tornar-se uma imagem de marca dos territórios serranos que separam o Alentejo e o Algarve.
O arqueólogo Pedro Barros, que com o colega Samuel Melro forma o Projecto Estela - núcleo de investigação científica que desde 2008 tem vindo a sistematizar a informação reunida desde o século XVIII sobre esta forma de escrita, ao mesmo tempo que se dedica a estudar os povoados que lhe deram origem e a promovê-la como instrumento de incentivo ao turismo junto das autarquias e como garantia do reforço da identidade cultural da região-, não concorda com a teoria de John Koch, mas não se cansa de dizer que todos os contributos sérios são bem-vindos ao debate. Sobretudo os que garantirem uma ampla divulgação deste “tesouro europeu” que muitos ainda desconhecem.
Barros conhece bem o terreno – foram várias as escavações em que participou e tem uma em curso, na Portela da Arca, da Idade do Ferro – e as muitas peripécias ligadas à Escrita do Sudoeste e aos arqueólogos que percorreram o seu território nas últimas décadas à procura de placas com inscrições. Peripécias como aquela que envolve a Estela do Guerreio – a única das cerca 100 conhecidas com uma figura humana -, encontrada em 1972 a cobrir uma sepultura, fora do seu local original, e que hoje faz parte da colecção do Museu Regional de Beja, a cidade que, com Frei Manuel do Cenáculo, um franciscano que haveria de ser arcebispo de Évora e que se destacou como intelectual, teve o primeiro museu em Portugal. A história, explica este investigador, envolve arqueólogos, um Volkswagen Carocha atolado numa ribeira e uma população que expôs o bloco com inscrições no café local e que se recusou, mesmo perante ofícios do MNA e os militares da GNR, a enviá-lo para Lisboa.
“Estas pedras fazem parte da história daqueles montes, daquelas pequenas comunidades. Quem estuda ou estudou esta escrita sabe bem que quem conhece o terreno não são os arqueólogos é quem o trabalha, quem lá vive”, diz Pedro Barros, sublinhando a importância de levar esta pequena exposição de rua que agora se pode ver em Lisboa, associada à instalação da artista plástica Ângela Menezes, às localidades onde as estelas têm vindo a ser encontradas e onde morariam aqueles que as fizeram.
Estácio da Veiga, Leite de Vasconcelos, Caetano de Mello Beirão, Amílcar Guerra, Virgílio Correia, Mário Varela Gomes, Jürgen Untermann, António José Correa e Javier Hoz estão entre os muitos especialistas que antes de Pedro Barros e Samuel Melro se dedicaram a esta antiga forma de escrita que se pode encontrar no sul de Portugal e na Andaluzia, que aponta para populações já com um certo grau de sofisticação, que viveram num período de grandes desenvolvimentos tecnológicos.
Mas o primeiro a identificar estas estelas – blocos de pedra fixados no solo em que o texto é gravado em arco para ser lido de baixo para cima e da direita para a esquerda, orientação contrária à que hoje usamos – ainda em finais do século XVIII, foi mesmo Frei Manuel do Cenáculo (1724-1814), presidente da Real Mesa Censória e homem de confiança do Marquês de Pombal, que desde logo argumentou que havia naquela escrita uma filiação mediterrânica, fenícia, tal como no etrusco e no grego antigo. Uma filiação que contraria a tese do linguista da Universidade de Gales.  

Sobre a Pedra de Roseta
Os arqueólogos e outros especialistas acreditam que estas estelas - há cerca de 100, 90% das quais encontradas em território português e dessas 39 estão em depósito no MNA - podem estar associadas ao mundo dos mortos, assim como podem ter sido usadas como marcos de propriedade para delimitar terrenos de cultivo ou de pastoreio. “A ligação às necrópoles e ao território é uma das interpretações possíveis, talvez a mais consensual, mas não sabemos ao certo. Sem decifrarmos esta escrita, muito do que podemos dizer sobre estas estelas é do domínio da interpretação, da especulação informada. Os consensos são muito difíceis de conseguir na Escrita do Sudoeste.”
Se foi identificada há mais de 100 anos e foram já muitos o que se dedicaram a estudá-la, porque não está ainda decifrada? As estelas que hoje se conhecem só permitem aos investigadores fazer correspondências com algumas letras do nosso alfabeto e com vários sons, mas é preciso ir mais longe na análise e contemplar hipotéticas variantes regionais e até erros (sim, há 2500 anos é natural que o homem também cometesse erros de ortografia).
Pedro Barros acredita que a Escrita do Sudoeste só poderá vir a ser decifrada se forem identificadas mais estelas com textos mais longos. E, mesmo que isso venha a acontecer, nada está garantido. “O texto maior que conhecemos até hoje tem pouco mais de 80 caracteres, o que dificulta a decifração. O facto de não haver uma Pedra de Roseta [o bloco com o mesmo decreto escrito em hieróglifos, demótico e grego antigo, que permitiu aos investigadores decifrar os hieróglifos egípcios] também não ajuda”, diz o arqueólogo, garantindo não andar à procura do seu equivalente na Escrita do Sudoeste peninsular. “Estas estelas terão, sem dúvida, um valor simbólico. Há nelas uma relação com os mortos e o território, mas dizer mais do que isto é especular. Nenhuma delas foi encontrada a marcar uma sepultura, pelo que não podemos dizer que funcionariam como hoje as nossas lápides. E como não sabemos o que está escrito, tudo o que podemos dizer sobre elas, por mais informação que tenhamos já reunido e sistematizado, é ainda muito pouco.”

Preparados para a viagem
É precisamente para saber mais que é necessário, defende, continuar a escavar os povoados onde viviam as pessoas que a usavam. Seriam comunidades muito pequenas, à semelhança dos aglomerados que hoje ainda se podem encontrar no Alentejo e na serra algarvia, com poucas famílias. Alguns, explica Pedro Barros, seriam até muito parecidos com os tradicionais montes que chegaram até nós – pequenos sistemas praticamente auto-suficientes, perdidos no território mas profundamente respeitadores da paisagem. É preciso não esquecer, no entanto, que na serra por onde andam hoje javalis e coelhos, também viviam na altura linces e ursos.
“O princípio de fixação era o mesmo que encontramos no monte alentejano tradicional, assim como as actividades das pessoas – eles escolhiam locais com bons solos e água, e depois dedicavam-se ao pastoreio (cabras e porcos), cultivavam trigo e centeio, apanhavam bagas e cogumelos e incluíam o mel na sua alimentação.”
Na vitrina que leva a exposição Quem nos Escreve desde a Serra, promovida com o apoio da Câmara Municipal de Loulé, para dentro do museu de Arqueologia - e que tem ao centro a Estela do Tavilhão, cujo primeiro registo publicado data da década de 1960 -  há objectos ligados à vida quotidiana e à que vinha depois da morte. Os povos que viveram há mais de 2500 anos nas serras do Algarve e do Baixo Alentejo acreditavam nela, lembra o arqueólogo. E é por isso que se podem ver lado a lado um colar de contas de vidro, um botão em ouro trabalhado, uma estatueta de bovídeo, uma fíbula para prender a roupa, uma urna com tampa feita em cerâmica e duas pontas de lança, ou não viessem todos estes objectos da Idade do Ferro. “Aos rituais ligados à morte estão associadas muitas oferendas deste género porque estes povos viam a vida que se seguia à morte como uma espécie de continuação. Preparavam a pessoa que morria - que podia ser cremada ou enterrada em posição fetal, sem qualquer caixão – para uma viagem em que certamente precisaria de alimentos, armas e outros objectos do dia-a-dia.”
A Isabel Inácio, técnica do MNA ligada ao Eurovision, projecto que tem por objectivo pôr os museus a olhar de forma transdisciplinar para as suas colecções, numa perspectiva de “história colectiva, europeia”, agrada que surjam novas teorias sobre esta forma de escrita, independentemente de concordar com elas ou não. Exposições como Quem nos Escreve desde a Serralevam o museu para fora de casa e tornam o discurso científico, com toda esta tensão natural que decorre do debate e da divergência de opiniões, mais acessível, diz: “O que queremos é que as pessoas se apropriem do museu e das suas colecções, que sintam que são suas.
Os arqueólogos do Projecto Estela também querem que esta escrita antiga que lhes ocupa os dias faça com que as populações da serra se sintam cada vez mais ligadas ao território. “É complicado ver o mundo celta na Escrita do Sudoeste", conclui Pedro Barros, mas, ao que parece, é fácil imaginá-la a nascer num monte alentejano, mesmo que tenha sido há 2500 anos. A serra não mudou assim tanto.  
*
Agradecimentos ao camarada PSC por me ter dado a conhecer este artigo: http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/escreveramnos-da-serra-ha-2500-anos-mas-ainda-nao-sabemos-o-que-nos-queriam-dizer-1704706?page=3#/follow