quarta-feira, junho 28, 2017

«INGLESES» CAUSAM DISTÚRBIOS NO AEROPORTO DE FARO

Ah, «inglesas» hooligans mais uma vez a arranjar chatices no Algarve... Isto os ingleses já se sabe que são hooligans, pois 'tá claro... só que estas «inglesas» apenas «no papel» são de Inglaterra. Pode ouvir-se a voz de uma portuguesa que observa de perto a cena «(...) só por causa da raça delas (...)».
No DailyMail confirma-se - a maior parte destes seiscentos «ingleses» é de raça negra.
Revela-se sintomático que a os grandessíssimos mé(r)dia noticiem facilmente a nacionalidade dos agressores mas não a sua identidade étnica, parece que só o Correio da Manhã mostrou cenas do que ali se passou (embora sem as descrever). Ou seja, pode-se dizer que quem agride  «é inglês», isso não incita à xenofobia, mas não se diz que quem agride é negro, se calhar porque isso incita ao «racismo»...
Xenofobia contra Europeus - ok
«Racismo» contra não brancos - pecado capital.
Entende-se porquê - é uma simples consequência natural da mentalidade da elite político-cultural reinante, que odeia a raça porque a raça é um obstáculo incontornável ao mundialismo diluidor de identidades. Pode-se atribuir um papel a qualquer nigeriano, árabe ou vietnamita para decretar que doravante passe a ser inglês, alemão ou italiano, mas não se pode decretar oficialmente que um negro passa a ser branco ou vice-versa.  Perante isto, 
 - determina-se que dar importância à raça é crime, 
 - e/ou declara-se que «a ciência já provou que as raças não existem!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!», 
 - e/ou fomenta-se a mistura racial, 
enfim, faz-se tudo o que se puder para destruir o mais notório dos bastiões identitários. A Pátria só por si não chateia estes donos do poder, porque acreditam que podem atribuir a pátria a quem lhes apetecer, à maneira totalitária - o poder político a controlar a totalidade do indivíduo, inclusivamente a sua própria identidade étnica - mas a Raça já é outra história...

Agradecimentos a quem aqui trouxe estas páginas:
http://www.cmjornal.pt/multimedia/videos/detalhe/video-desordeiros-de-albufeira-causam-desacatos-no-aeroporto-de-faro?utm_medium=Social

«LUZ BRANCA» EM APOIO DAS POPULAÇÕES VITIMADAS PELOS INCÊNDIOS NA REGIÃO CENTRO

O Movimento Luz Branca procedeu no passado dia 24 a uma acção de apoio aos sobreviventes da tragédia de Pedrógão Grande e Figueiró dos Vinhos. Os militantes desta associação identitária deslocaram-se a estas localidades para aí distribuírem bens de primeira necessidade às populações mais carenciadas. Pode ler-se a seguir uma primeira impressão daquilo a que os activistas da Luz Branca assistiram:
«Volvidos a Lisboa, às nossas casas e às nossas famílias, não deixamos de pensar no que os olhos viram e os ouvidos ouviram.
Como tudo é fácil quando deixamos para os outros fazerem ou assumirem...
É desolador o que vimos nos concelhos de Figueiró dos Vinhos e Pedrogão Grande.
Foi aterrador ouvir as histórias de quem viveu, combateu ou teve que fugir do fogo.
Para sempre gravado nas nossas memórias ficaram os avisos de óbito à portas das casas. Pequenas aldeias com mais de uma dezena de mortos. Não há uma pessoa que não conheça pelo menos um dos mortos.
Muitos dos que sobreviveram estão agora "sem futuro", sem colheitas, sem as poupanças que muitos tinham aplicadas em árvores, empresas totalmente destruídas e gente sem trabalho. A preocupação das pequenas Associações, como a da Graça é o que irá acontecer daqui por 15 dias ou um mês ou como vai ser depois das eleições.
Preocupa-nos o presente e o futuro destas aldeias e destas populações.»

Para mais informações, aceder a esta página: https://www.facebook.com/MovimentoLuzBranca/

EUA, ÍNDIA E JAPÃO REALIZARÃO EXERCÍCIOS MILITARES NO OCEANO ÍNDICO

O conflito na fronteira entre a Índia e a China e a visita do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, aos EUA não é uma coincidência.
Um dos fins da visita do primeiro-ministro indiano aos EUA foi receber apoio na oposição no Sul da Ásia entre a China e a Índia. Os especialistas, entrevistados pela agência Sputnik China, pensam que o alargamento da cooperação militar entre a Índia e os EUA pode agravar as complicadas relações indiano-chinesas.
Recentemente, a frágil acalmia que durou três anos foi perturbada por um conflito na fronteira entre a China e Índia porque, segundo o MRE chinês, militares indianos atravessaram ilegalmente a fronteira chinesa no dia 27 de Junho.
O especialista do Instituto do Médio Oriente, Sergei Kamenev, destacou que a visita do primeiro-ministro indiano Narendra Modi aos EUA não terá coincidido por acaso com este conflito na fronteira. O especialista considera que o político indiano veio aos EUA receber apoio moral para pressionar a China.
"A Índia está fortemente preocupada com a saída da China para o oceano Índico. Os EUA concordaram em vender à Índia 22 grandes drones aeronavais. Este tema não foi abordado nas negociações por acaso <…> Estes drones são destinados a receber informações sobre a bacia do oceano Índico", disse o especialista.
As forças das Marinhas dos EUA, da Índia e do Japão tencionam realizar uns dos maiores exercícios militares no oceano Índico. Donald Trump anunciou essa decisão durante as negociações com Narendra Modi na Casa Branca. Isto é um estimulo muito forte para a índia, bem como a decisão de comprar aviões militares de transporte C-17 norte-americanos.
O especialista militar Vladislav Evseev compartilhou sua opinião sobre a cooperação militar entre a Índia e EUA.
O especialista lembrou que a Índia não participou do Fórum Um Cinturão Uma Rota em Pequim, assim as tensões entre a China e a Índia só se agravaram.
A President do Nepal Bidya Devi Bhandari chega ao aeroporto internacional Indira Gandhi em Nova Deli em April 17, 2017
"A consequência deste agravamento é a realização das manobras com participação da Índia, EUA e Japão e a compra de armamentos americanos. Acho que o balanço das forças na região vai mudar radicalmente <…> Isto também provoca a China e a Rússia a buscarem uma cooperação mais estreita", disse o especialista, acrescentando que o fortalecimento das relações entre Índia e EUA vai provocar uma certa tensão no âmbito do BRICS e da Organização para Cooperação de Xangai.
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/opiniao/201706278741975-opiniao-india-se-apoia-eua-em-sua-oposicao-a-china/

* * *

Mais um bom sinal de aproximação entre a Índia e o Ocidente, aliados naturais. O Nacionalismo no poder faz maravilhas, tanto na nação hindu como na maior potência do mundo ocidental. Pena é que nisto a Rússia possa estar a ficar de fora...

SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO DE RADIAÇÃO DA CENTRAL NUCLEAR DE CHERNOBYL FOI AFECTADO POR VÍRUS INFORMÁTICO

O vírus de resgate Petya, que vem sendo apontado como arma de um ataque cibernético que afectou vários órgãos da Europa nesta terça-feira, também seria um dos responsáveis pelos problemas causados em vários sistemas informáticos da Ucrânia, incluindo da usina nuclear de Chernobyl, segundo afirmaram autoridades locais.
Mais cedo, países como Rússia, Dinamarca, França, Espanha e Ucrânia relataram ter sido vítimas de ciber-ataques que têm como objectivo sequestrar informações de bancos de dados para, em seguida, só liberá-las mediante pagamentos online.
"Nove pagamentos foram feitos em bitcoin até agora associados ao Petya", afirmou a empresa de segurança cibernética Symantec.
Na Ucrânia, o incidente afectou principalmente sites do governo e empresas do sector financeiro. Mas, de acordo com representantes da usina nuclear de Chernobyl, citados pelo jornal Ukrainskaya Pravda, o sistema de monitorização de radiação da instalação também foi atingido, gerando preocupação. No entanto, eles garantiram que as estruturas em si não foram danificadas e, assim, não houve vazamentos. 
Especialistas ucranianos não demoraram para responsabilizar a Rússia pelo ocorrido, embora vários sistemas do país vizinho também tenham sido afectados. Além do Petya, também o vírus Cryptolocker teria sido utilizado nesses ataques. Ambos agem através da prática de ransomware, que codifica dados dos sistemas atacados, impedindo o acesso dos proprietários e usuários. 
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/ciencia_tecnologia/201706278743817-ataque-cibernetico-chernobyl/

terça-feira, junho 27, 2017

SOLSTÍCIO DE VERÃO NA ARMÉNIA






Celebração religiosa do solstício de Verão no templo de Garni, na Arménia, honrando as Divindades pagãs da herança étnica arménia.
Para ver mais fotos, aceder a esta página: https://www.facebook.com/arordiukht.do.am/photos/a.760452227413142.1073741846.186933068098397/760460934078938/?type=3&theater

RESULTADO COMPROVADAMENTE DIRECTO DE DEIXAR ENTRAR MUÇULMANOS


CIGANOS AGRIDEM IMPUNEMENTE EM ÉVORA

Este foi o estado que ficou o meu filho Afonso [ver foto no link abaixo], internado no SO, em Évora.
Atacado cobardemente por três indivíduos de etnia cigana, na noite de sábado, quando abordados para darem um cigarro ao qual responderam que não fumavam, foram agredidos e esfaqueados.
O Afonso no pulmão e nas costa e o seu amigo Daniel no abdómen.
Ambos estão a recuperar permanecendo o Afonso no SO, por prevenção devido à perfuração do pulmão.
Estes indivíduos, não satisfeitos, agrediram mais tarde outras três rapazes, tendo um deles ficado internado também no mesmo hospital.
A impunidade neste país permite que estes indivíduos não sejam presos preventivamente - tendo a polícia identificado os respectivos agressores, os mesmos continuam a sua vida livremente, depois de terem cometido várias tentativas de homicídio nessa noite.
Este é o meu Portugal no seu melhor.
*
Fonte: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1167584063387207&set=a.690222877789997.1073741826.100004068743981&type=3&theater

GOVERNO APROVA LEGISLAÇÃO QUE PROÍBE NOVAS PLANTAÇÕES DE EUCALIPTOS

O Ministério de Capoulas Santos esclarece, em comunicado de imprensa, que na proposta de Lei que remeteu, em Abril à Assembleia da República, “proíbem-se novas plantações de eucaliptos, excepto em áreas de povoamentos já existentes e mediante planos de gestão e ordenamento previamente aprovados, ou em compensação da redução de área desordenada por área ordenada, em dimensão equivalente.”
Foi nesse sentido, explica o documento, que no âmbito da execução do PDR2020 (Programa de Desenvolvimento Rural), o Governo abriu, no passado dia 12, três concursos.
O Ministério da Agricultura esclarece que a excepção são as áreas de povoamentos já existentes e mediante planos de gestão e ordenamento previamente aprovados.
O Ministério de Capoulas Santos esclarece, em comunicado de imprensa, que na proposta de Lei que remeteu, em Abril à Assembleia da República, “proíbem-se novas plantações de eucaliptos, excepto em áreas de povoamentos já existentes e mediante planos de gestão e ordenamento previamente aprovados, ou em compensação da redução de área desordenada por área ordenada, em dimensão equivalente.
Foi nesse sentido, explica o documento, que no âmbito da execução do PDR2020 (Programa de Desenvolvimento Rural), o Governo abriu, no passado dia 12, três concursos.
No valor de 27 milhões de euros, distribuídos em partes iguais, destinam-se: a promover o ordenamento da área existente de eucalipto (9 milhões de euros), promover ordenamento do pinheiro bravo (9 milhões de euros) e promover o adensamento e a expansão do montado de sobro e azinho (9 milhões de euros).
Face a isto, o Ministério da Agricultura estranha que “todas as notícias se refiram exclusivamente ao eucalipto, transmitindo a ideia de que o Governo se prepara para apoiar novas plantações”, o que, vinca, “não corresponde minimamente à verdade”.
O Governo considera igualmente estranho o facto de estar a ser alvo de uma lógica de 8 ou 80. Ou seja, no último ano foi “permanentemente fustigado” por “ter aprovado uma proposta legislativa que visa travar a expansão da área de plantação de eucalipto”, e agora está a ser acusado de defensor de “defensor da plantação de novas áreas de eucaliptos”.
*
Fonte: http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/reforma-florestal-proibe-novas-plantacoes-de-eucaliptos-diz-governo-175671   (Artigo originariamente redigido sob o acordo ortográfico de 1990 mas corrigido aqui à luz da ortografia portuguesa.)

* * *

Quer isto dizer que a gigantesca área dedicada aos eucaliptos não vai diminuir? Portanto... para o ano... tudo na mesma... não vai ficar pior (?), mas também não vai ficar melhor...
Todos os Verões se ouvem e vêem a toda a hora na têvê toneladas de especialistas e opinadores indignados a declararem isto e aquilo, mui judiciosamente, sobre os fogos e a necessidade imperiosa de tomar medidas e mai' não sei quê. E depois? Nada de substancial muda. Nem sequer se põe a tropa, a polícia, os reclusos, os dentistas, os sapateiros ou os deputados a limpar a mata. Uma boa merda de elite dirigente, como de costume. Só se surpreende com a repetição deste teatrinho palerma quem tenha memória de peixe.

MARCHA IDENTITÁRIA NA CAPITAL DA ALEMANHA


Há coisa de dias, centenas de membros do Movimento Identitário marcharam ao longo das ruas de Berlim, Alemanha, para exigir a salvaguarda da identidade europeia. O seu principal estandarte dizia: «Futuro para a Europa - pela defesa da nossa identidade, cultura e modo de vida.»
Apelaram aos alógenos que se fossem embora para os seus países de origem. 
A marcha, que partiu da localidade multicultural de Gesundbrunnen a caminho da principal estação de caminho de ferro da cidade, foi barrada por um contra-protesto de Esquerda, que gritavam slogans anti-nazis.
O Movimento Identitário nasceu em França por volta do ano 2002. Na Alemanha, os Identitários estão sob vigilância por parte da Secretaria Federal para a Protecção da Constituição. Realizaram já várias acções de particular visibilidade, entre as quais a exibição do seu logótipo sobre o Portal de Brandeburgo em Agosto de 2016 e uma tentativa de invasão do Ministério da Justiça em Maio.
O ministro da Justiça, Heiko Maas, lamentou que esta marcha estivesse a ser levada a cabo no sexagésimo-quarto aniversário da revolta popular dos trabalhadores na Alemanh oriental: «eles não são um movimento, são uma minoria racista, radical e extremista». 
*
Fonte: http://www.dw.com/en/anti-migrant-identitarians-counter-protesters-march-in-berlin/a-39293153

* * *

Sintomático. Quem tem ideias opostas às da elite, nem o nome de «movimento» merece, nem sequer de «movimento mau», mas sim de «minoria etc.»... noutras alturas a palavra «minoria» é altamente propagandeada e dignificada, mas nestas dá-se por adquirido que a minoria não interessa porque é minoria... Ou seja, minorias étnicas sim, para obrigar o autóctone a deixá-las entrar em sua própria casa -  minorias ideológicas, isso é para abater, porque discordar da Doutrina do Bem é pecado... 
Mentalidade totalitária é mesmo isto, ainda que se queira fazer passar por democrática.


HELICÓPTERO DE COMBATE NORTE-AMERICANO REALIZA PRIMEIRO TIRO LASER A PARTIR DE VEÍCULO AÉREO

Um helicóptero norte-americano AH-64 Apache, equipado com laser, abateu pela primeira vez com este laser um veículo aéreo não tripulado (VANT), disse a produtora norte-americana de armamentos Raytheon no seu site.
Esta foi a primeira vez que um sistema de laser completamente integrado, instalado numa aeronave de asa rotativa, detectou e destruiu um alvo, provando a possibilidade de se realizar ataques com laser a partir do Apache.
Como informa a empresa, o helicóptero abateu o drone a uma distância inclinada de 1,4 quilómetros. Os testes foram realizados no polígono de White Sands Missile Range, no estado norte-americano do Novo México.
Nota-se que os dados dos testes ajudarão a criar sistemas de lasers de elevada energia.
"Os dados obtidos mostram que estamos no caminho certo", comunicou um representante da companhia.
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/defesa/201706278742208-helicoptero-eua-abate-drone-laser/

PNR NA FEIRA DA AGRICULTURA DE SANTARÉM

No passado dia 15 de Junho, uma delegação do PNR esteve em pré-campanha na Feira da Agricultura, em Santarém, tendo sido recebida amavelmente pelos responsáveis do certame, a quem agradecemos o facto.
Juntamente com o cabeça-de-lista do PNR para o Município de Santarém, Carlos Teles, e com o responsável local do partido, Augusto Martins, esteve o Presidente José Pinto-Coelho e um grupo de militantes ribatejanos.
Distribuiu-se propaganda e conversou-se com a população local, tendo sido muito boa a receptividade por parte das pessoas, mas verificando-se, por outro lado, e mais uma vez, o considerável desconhecimento geral da população acerca da existência do nosso partido.
Acções como esta, além de proporcionarem geralmente uma agradável jornada de convívio e camaradagem, importa que as mantenhamos com regularidade, pois os resultados têm aparecido e adivinham-se cada vez melhores.
*
Fonte: http://www.pnr.pt/2017/06/accao-na-feira-da-agricultura-santarem/

FUNCIONÁRIOS DA SEGURANÇA SOCIAL SUSPEITOS DE LEGALIZAR ILEGALMENTE MILHARES DE IMIGRANTES

A Unidade Nacional Contra a Corrupção (UNCC) da Polícia Judiciária deteve, esta terça-feira, 12 pessoas suspeitas de integrarem um esquema de corrupção na Segurança Social para a emissão de Números de Identificação (NISS) para cidadãos estrangeiros. Nos últimos anos, milhares de cidadãos da Índia, Bangladesh e Paquistão terão obtido desta forma um visto. Durante a manhã de hoje, os investigadores recolheram milhares de documentos em buscas, de forma a perceber se algum dos "legalizados" tem ligações a actividades terroristas.
De acordo com informações recolhidas pelo DN, os funcionários da Segurança Social são suspeitos de receber entre 200 e 300 euros por NISS emitido. O contacto era feito por um grupo de angariadores de imigrantes, que também cobrariam uma comissão aos interessados. Com o NISS na mão, os imigrantes poderiam dirigir-se ao SEF, pedindo a emissão de um visto de trabalho, o que lhes dava automaticamente acesso a todo o espaço europeu.
Este processo corre no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa. Esta terça-feira, a UNCC colocou 130 inspetores no terreno para buscas e detenções.
Em comunicado, a PJ anunciou a detenção de 12 pessoas, entre as quais seis funcionários do Instituto da Segurança Social, por crimes de corrupção passiva e activa para acto ilícito, abuso de poder, falsidade informática e falsificação de documentos.
"A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) e no âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público (DIAP de Lisboa), deteve seis funcionários do Núcleo de Gestão do Cliente do Instituto da Segurança Social e seis cidadãos estrangeiros, oriundos de países do Sudoeste asiático", informam as autoridades em comunicado, dando conta da operação "Social Number".
De acordo com o comunicado da PJ, o "modus operandi" do crime consistia na manipulação do Sistema Informático da Segurança Social, por meio da criação e alteração de registos na base de dados, atribuindo números de identificação da segurança social fraudulentos a cidadãos estrangeiros mediante o recebimento de contrapartidas, em valores da ordem das centenas de milhares de euros.
No decurso da operação foram realizadas 48 buscas na área da Grande Lisboa, das quais 26 domiciliárias e 22 não domiciliárias. As buscas não domiciliárias foram realizadas a várias empresas e a instalações da Segurança Social, designadamente ao Centro Distrital da Segurança Social de Lisboa, tendo sido apreendidos documentos e material relacionado com a atividade criminosa em investigação e ainda mais de 50 000 euros em dinheiro.
Os detidos serão presentes a tribunal, para determinação das medidas de coação. A PJ informa que a investigação prossegue, para recolha de provas, e que a operação contou com a colaboração dos Serviços de Segurança Social.
*
Agradecimentos a quem aqui trouxe esta notícia: http://www.dn.pt/portugal/interior/funcionarios-da-seguranca-social-suspeitos-de-legalizar-milhares-de-imigrantes-8594231.html

* * *

Quando o veneno está infiltrado, é bem mais difícil defender o organismo contra ameaças externas... 
Mais perigosos são, contudo, os que, mais do que simplesmente infiltrados, dominam na verdade o sistema e impõe à sociedade nacional uma imigração em massa pela vi legal.

INGLESES MESMO INGLESES ATACAM AS AUTORIDADES EM ALBUFEIRA?...

Desacatos que aconteceram na zona dos bares da Oura, em Albufueira, levaram, na noite deste domingo à intervenção da autoridades. A GNR esteve no local e 'varreu' toda a zona, afastando quem estava na rua.
Gurpo de 600 pessoas , todos jovens com idades entre os 20 e os 22 anos. Dois jovens ficaram feridos. Um deles foi para o hospital e o outro recebeu tratamentos médicos no local. Vídeos publicados nas redes sociais mostram muitas pessoas a fugir, até que chegam as autoridades, que mandam retirar toda a gente que estava na zona. 
Nas imagens é possível perceber que os militares da GNR fizeram disparos de balas de borracha para o ar. Os desacatos terão envolvido um grupo de turistas britânicos
*
Agradecimentos a quem aqui trouxe esta página: http://www.cmjornal.pt//portugal/detalhe/disturbios-na-noite-de-albufeira-fazem-dois-feridos-veja-na-cmtv

* *

Pode ver-se aqui http://www.cmjornal.pt//multimedia/videos/detalhe/testemunhas-de-violencia-em-albufeira-contam-o-que-se-passou (agradecimentos a quem aqui trouxe este artigo) algumas «inglesas» a criticar a polícia portuguesa pela sua actuação em Albufeira contra os desordeiros alegadamente ingleses. Não estive lá, não vi fotos dos seiscentos fulanos, acho só uma grande coincidência que, de entre tantos alegados ingleses, nenhuma das raparigas mostradas nesta reportagem seja efectivamente britânica...

segunda-feira, junho 26, 2017

CERIMÓNIA RELIGIOSA HELÉNICA PELO MÊS E EVOCAÇÃO DA MEMÓRIA DE JULIANO

Celebração da bênção do novo mês lunar no templo da religião étnica helénica em Atenas, Grécia, após a cerimónia do novo mês lunar. Este templo adquiriu recentemente reconhecimento oficial por parte do Estado Grego.
Fonte: https://www.facebook.com/YSEEHELLAS/posts/10154680684849562






Cenas do Dia da Memória do Imperador Juliano, evento realizado no templo da religião étnica helénica em Atenas, Grécia, após a cerimónia do novo mês lunar. Este templo adquiriu recentemente reconhecimento oficial por parte do Estado Grego.
*

Fonte: https://www.facebook.com/YSEEHELLAS/posts/10154678521409562

EM MEMÓRIA DE JULIANO, UM DOS MAIORES VULTOS DO VERDADEIRO OCIDENTE

Quer Lhe chamasse HéliosApolo ou Mitra, o Sol era para Juliano a teofania por excelência, a manifestação do Deus que tinha como seu guia de eleição.



Cíbele, a «Mãe dos Deuses» à Qual Juliano consagrou um hino.


No dia 26 de Junho de 363 d.c. morreu em combate, contra os Persas, o imperador Juliano, cognominado, pelos cristãos, de «Apóstata» e, pelos pagãos, de «Grande».

Juliano, nascido em Alexandria (norte do Egipto) mas de ascendência ilírica (da Ilíria, estirpe indo-europeia ou ariana que será, eventualmente, antepassada dos modernos Albaneses), foi educado em duas grandes vias ontológicas: dum lado, a cultura clássica greco-romana; do outro, o Cristianismo. Cedo mostrou preferência pela primeira, recusando cada vez mais, à medida que crescia, os ensinamentos da religião invasora, isto é, a de Jesus, ao qual ele chamava «Galileu».

Leu os grandes filósofos pagãos, entre os quais Platão, e os neoplatónicos também, tais como Celso, Jâmblico, Porfírio. Devido ao facto de que o Cristianismo tinha sido imposto e o Paganismo era já então perseguido, Juliano teve de esconder a sua veneração pelos Deuses antigos, até chegar a ser de facto imperador, em 361.

A partir daí, e tendo o apoio do seu exército - além de filósofo, era grande estratega militar e cobriu-se de glória na campanhas bélicas que dirigiu, nomeadamente na Germânia - Juliano iniciou a restauração da religião pagã, renovando templos pagãos em ruínas que tinham sido saqueados por cristãos e realizando cerimónias religiosas por toda a parte, o que muito desagradou aos seguidores do crucificado. Diz-se que o dardo que causou a morte de Juliano em combate não foi arremessado pelo inimigo (persa), mas sim por um dos seus próprios soldados cristãos, no meio da refrega. Em sendo verdadeira esta hipótese, confirma-se, por completo, a justeza das palavras de John Locke: todas as religiões devem ser toleradas, excepto aquelas que, pela sua própria natureza (por criarem um Estado dentro do Estado), ponham em causa a salvaguarda da Pátria.

Um dos principais argumentos de Juliano contra o Cristianismo, baseava-se, em traços gerais, no seguinte: porque é que os Greco-Romanos devem aceitar em exclusivo um Deus dos Judeus e que um dos seus profetas - Jesus - diz ser de todos os homens? Porquê abandonar os Deuses que foram realmente honrados pelos antepassados da Grécia e de Roma e honrar apenas uma Divindade do deserto semita?

Depois de ferido pelo dardo, falou, enquanto morria, com os seus homens, discursando sobre a morte e sobre o medo, afirmando, como Sócrates, que não havia motivo para temer o óbito. A respeito desta última cena da sua vida, disseram os cristãos que as suas últimas palavras teriam sido «Venceste, Galileu!», mas nunca foi historicamente provado que o imperador pagão tenha mesmo dito isso.

Sem prejuízo do culto que prestava à generalidade dos Deuses, Juliano tinha especial veneração pelo Sol Invictus (Sol Invencível), por Zeus (Deus do Céu, do Raio e da Justiça, arquetipicamente indo-europeu ou ariano), por Apolo, por Mitra (antigo Deus ariano da luz e dos contratos) e pela Mãe dos Deuses. Conhecem-se actualmente pelo menos duas orações compostas por Juliano em honra dos Deuses (clicar para ler). Sabe-se também que se iniciou em várias religiões da época, entre as quais o Mitraísmo, que poderia ser hoje a religião dominante no Ocidente se o Cristianismo tivesse sido detido, isto no dizer do historiador Renan.

Dizia ele «Fazer por zelo tudo o que está ao seu alcance, é, na verdade, uma prova de piedade», sendo a piedade aqui entendida, não no sentido cristão, que é «compaixão», mas sim no significado original do termo, isto é, pagão, pois que Pietas é o dever religioso para com os Deuses e para com a Pátria.


É de reter esta sua declaração sumária e concisa sobre o modo como encarava o Divino:
«A primeira coisa que devemos pregar é a reverência para com os Deuses. É apropriado que efectuemos o nosso serviço aos Deuses como se Eles estivessem presentes ao pé de nós e nos estivessem a ver, e mesmo que não sejam vistos por nós pudessem dirigir o Seu olhar, mais poderoso do que qualquer luz, tão fundo como os nossos pensamentos mais escondidos.»

Quem quiser saber mais, pode ir cultivar-se no site da The Julian Society.





Poderiam ser destes os vitrais dominantes por todo o Ocidente, se Juliano não tivesse morrido antes do tempo...






Carta de Juliano à população de Alexandria em 362:
«Se o vosso fundador tivesse sido um dos galileus, homens que transgrediram a sua própria lei e pagaram por isso como mereciam, uma vez que escolheram viver em desafio à lei e introduziram uma nova doutrina e ensinamento, mesmo assim não seria razoável da vossa parte exigir o retorno de Athanásio. Mas, sendo as coisas como são, e tendo sido Alexandre o fundador da vossa cidade e Serápis o seu Deus padroeiro, juntamente com a Sua consorte a Virgem, a Rainha de todo o Egipto, Isis... não me refiro à parte saudável da cidade, mas à parte que está adoecida pela audácia de falar em nome do todo.
Estou estarrecido de vergonha, afirmo-o pelos Deuses, ó homens de Alexandria, por pensar que um só alexandrino possa admitir ser um galileu. Os antepassados dos genuínos Hebreus foram escravos dos Egípcios há muito tempo, mas nestes dias, homens de Alexandria, vocês que conquistaram os Egípcios - pois o vosso fundador foi o conquistador do Egipto - submetem-se, apesar das vossas tradições sagradas, em voluntária escravidão a homens que reduziram a nada os ensinamentos dos seus ancestrais. Não tendes por isso nenhuma memória daqueles dias felizes de antigamente quando todo o Egipto estava em comunhão com os Deuses e nós usufruíamos daí muitos benefícios. Mas aqueles que apenas ontem introduziram entre vós esta nova doutrina, digam-me, que benefícios é que trouxeram à cidade? O vosso fundador era um homem respeitador dos Deuses, Alexandre da Macedónia, de maneira nenhuma, por Zeus, uma dessas pessoas, nem sequer se parecia nada com os Hebreus, os quais se mostraram por seu turno muito superiores aos galileus. Não, Ptolomeu, filho de Lagus, provou ser mais forte do que os Judeus, enquanto Alexandre, se tivesse tido de enfrentar os Romanos, tê-los-ia feito lutar arduamente, até a eles, pela supremacia. E que dizer dos Ptolomeus que sucederam ao vosso fundador e cuidaram da vossa cidade desde os seus primeiros anos como se fosse a sua própria filha? Não foi certamente pelos sermões de Jesus que eles lhe aumentaram o renome, nem pelos ensinamentos dos galileus, detestados dos Deuses, que aperfeiçoaram a sua administração da qual ela usufrui e à qual deve a sua presente boa fortuna.
Em terceiro lugar, quando nós Romanos nos tornámos seus donos e a tirámos das mãos dos Ptolomeus que a governavam mal, Augusto visitou a vossa cidade e fez o seguinte discurso aos vossos cidadãos: «Homens de Alexandria, absolvo a cidade de toda a culpa, pela minha reverência pelo poderoso Deus Serápis, e também pelo bem-estar do próprio povo e o grande renome da cidade. Mas há uma terceira razão para a minha boa vontade para convosco, e essa é o meu camarada Areius.» Este Areius era um concidadão vosso e um amigo familiar de César Augusto, filósofo de profissão.
Estas são então, resumindo, as bênçãos atribuídas pelos Deuses Olímpicos à vossa cidade em particular, e eu estou a deixar de lado muitas porque levaria muito tempo a descrevê-las. Mas as bênçãos que são concedidas pelos Deuses visíveis a todos, todos os dias, não apenas a poucas pessoas ou a uma só raça, ou a uma só cidade, mas a todo o mundo ao mesmo tempo, como podem vocês não as conhecer? Estarão insensíveis aos raios que descem de Hélios (Sol)? Ignoram que o Verão e o Inverno Dele vêm? Ou que todos os tipos de vida animal e vegetal provêm dele? E não percebem que grandes bênçãos a cidade recebe Dela que é gerada de e por Ele, até Selene (Lua), que é criador de todo o Universo? No entanto vocês têm a audácia de não adorar nenhum destes Deuses; e pensam que aquele que nem vocês nem os vossos pais alguma vez viram, nem sequer Jesus, merece a categoria de Deus o Verbo. Mas o Deus que desde tempos imemoriais toda a humanidade contemplou e adorou, e do Qual o culto derivou, isto é, o poderoso Hélios, a imagem viva inteligível do Seu Pai, com alma e inteligência, causa de todo o bem... se tomarem atenção à minha admoestação, irão aproximar-se pelo menos um pouco da verdade. Não irão afastar-se do caminho certo se derem atenção a alguém que até ao seu vigésimo ano andou pelo vosso caminho mas que desde há doze anos andou nesta via de que falo, pela graça dos Deuses.
Portanto, se vos der agradar obedecer-me, irão dar-me alegria. Mas se preferirem perseverar na superstição e ensinamento de homens maus, pelo menos concordem em não ansiar por Atanásio. Em qualquer caso há muitos dos seus alunos que podem confortar esses comichosos ouvidos vossos que anseiam por ouvir palavras ímpias. Só desejo que, juntamente com Atanásio, a maldade da sua ímpia escola tenha sido suprimida. Mas tal como as coisas estão vocês têm uma boa multidão deles e não precisam de se preocupar. Qualquer homem que vocês elejam da multidão não será em nada inferior àquele pelo qual anseiam, em qualquer aspecto, para o ensinamento das escrituras. Mas se fizeram estes pedidos porque são tão apreciadores da subtileza geral de Atanásio - fui informado de que o homem é um traste esperto - então deveis saber que por esta mesma razão foi ele banido da cidade. Porque um intrometido é por natureza inadequado para liderar o povo. Mas se este líder nem sequer é um homem mas apenas um desprezível fantoche, como esta grande personagem que pensa que está a arriscar a cabeça, isto constitui seguramente um sinal de desordem. Por conseguinte, para que nada desse género possa acontecer convosco, tal como há muito dei ordens para que ele saísse da cidade, digo agora que ele se vá embora do Egipto.
Que isto seja proclamado aos meus cidadãos de Alexandria

A Juliano sucedeu Joviano, cristão que a princípio se mostrou tolerante para com os cultos religiosos tradicionais, pagãos, mas que rapidamente viria a implementar contra estes violentas medidas repressivas.

ANIMAL ALCANÇA VITÓRIA NO CASO DA «QUEIMA DO GATO»

Fonte: https://www.facebook.com/ONGANIMAL/photos/a.456062717953.248692.153439512953/10155388977677954/?type=3&theater

Aqui fica uma prova de que muitas vezes insistir, resulta. Demora, mas resulta. E, quando não resulta, continuamos a tentar!

Militância é isto.

A ANIMAL FAZ NOTAR A NEGLIGÊNCIA OU INCAPACIDADE DAS AUTORIDADES LOCAIS DE BENAVENTE

https://www.facebook.com/ONGANIMAL/videos/10155392349757954/?pnref=story
Intervenção da porta-voz da organização ANIMAL, Rita Silva, no Jornal das 7 da SIC Notícias do passado dia 23/06 (vídeo) a respeito da realização, ilegal, do «Toiro de Fogo» em Benavente.

* * *

A ANIMAL tem mais uma vez toda a razão e espero que vá por diante neste caso e haja culpados a serem punidos. É preciso que haja mais vigilância a sério para que horrores destes não se repitam. Se a bófia local não é capaz de dar conta do recado, que se trate do assunto com mais rigor.


PNR LEMBRA CULPA DO GOVERNO PSD/CDS NO INCÊNDIO DE PEDRÓGÃO GRANDE

Numa altura em que corre tanta «lágrima de crocodilo» pela tragédia que devastou o centro do país, é bom lembrar que a "Lei do Eucalipto Livre" foi aprovada pelo governo Passos Coelho/Portas. A Ministra responsável era então, Assunção Cristas. A lei, tem exclusivamente que ver com eucaliptos e com a liberalização da sua plantação. Senão vejamos: esta lei simplifica plantações de eucaliptos, mas complica a plantação de espécies florestais autóctones como o sobreiro, o castanheiro, o carvalho ou a azinheira, que passa a ter de ser comunicada. Que simplificação da burocracia é esta, quando passa a ter de ser comunicada, por exemplo, a plantação de sobreiros no meio do montado alentejano ou de carvalhos no Douro?
*
Fonte: https://www.facebook.com/PNR.Partido.Nacional.Renovador/photos/a.116919651674158.11367.116915155007941/1591237304242378/?type=3&theater

BASE AMERICANA PODE PASSAR DA TURQUIA PARA A GRÉCIA

O Ministério da Defesa Nacional da Grécia acha conveniente prorrogar por mais 10 anos o acordo com os EUA que prevê a instalação de uma base militar norte-americana na baía de Suda, na ilha de Creta, disse à Sputnik uma fonte no ministério grego.
A base naval de Suda é um dos pontos estratégicos mais importantes da Marinha dos EUA e da OTAN no leste do Mediterrâneo. O acordo respectivo é prorrogado anualmente após o parlamento aprovar a lei correspondente.
"Achamos que prorrogando o contrato por 10 anos, em vez de um, conseguiremos atrair mais investimentos", disse o interlocutor da Sputnik. Segundo ele, em Suda poderia ser instalada uma base permanente da força de operações especiais norte-americana Navy SEAL, que realizam exercícios em Suda de modo constante.
De acordo com o interlocutor, também se está discutindo a possibilidade de transferência das tropas e veículos da OTAN e dos EUA da base de Incirlik, na Turquia, mas esta é uma questão complicada. "Estamos interessados na retirada das tropas de Incirlik, porque esta medida enfraquecerá a Turquia e suas posições", disse.
"A Alemanha, cujas tropas serão retiradas de Incirlik por causa do conflito com a Turquia, planeia transferi-las para a Jordânia", lembrou ele, acrescentando que a aviação norte-americana, instalada em Incirlik, poderia ser deslocada para a ilha grega de Cárpatos.
No entanto, a fonte afirmou que a instalação das armas nucleares norte-americanas que, de acordo com dados disponíveis nos média, estão baseadas na Turquia, é impossível.
"Isso até nem se discute. É completamente inadmissível", afirmou.
A base aérea de Incirlik é uma das principais bases dos EUA e da OTAN na região. Na base estão posicionados os aviões da coligação internacional, liderada pelos EUA, que participam das operações aéreas contra o grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia).
Num contexto de aumento das divergências com os EUA e a UE, a Turquia havia afirmado que poderia recusar aos americanos o acesso à base, caso Washington cooperasse com as Unidades de Protecção Popular (YPG) curdas e com o Partido da União Democrática (PYD) no âmbito da operação contra os terroristas.
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/mundo/201706248720548-grecia-substituir-base-militar-turca-otan-eua/

DRONES...

Só este ano já se registaram dez casos de drones a perturbarem o voo de aviões comerciais junto aos aeroportos de Lisboa e Porto - este mês foram sete. Quer-se proibir os cães de raça «perigosa» mas não se proíbem os drones... haverá negociata pelo meio?...

MAIS DE QUARENTA ALÓGENOS TERRORISTAS CONSEGUEM FICAR NO REINO UNIDO EM NOME DOS «DIREITOS» HUMANOS

Reportagem deste sábado do jornal britânico The Telegraph revelou que mais de 40 terroristas estrangeiros já condenados pela Justiça conseguiram permanecer no Reino Unido, apelando para leis de protecção aos direitos humanos.
De acordo com um informe publicado pelo Ministério do Interior britânico, o governo enfrenta “um problema intransponível para deportar jihadistas perigosos, o que leva a uma série de ataques terroristas na Grã-Bretanha inspirados pelo Daesh”.
Solicitado pela primeira-ministra britânica Theresa May, o informe aborda ainda a estratégia a ser adoptada pelo país para expulsar potenciais terroristas, o que é chamado de “Deportação com Garantias”.
Sob tal doutrina, o Reino Unido pode deportar pessoas suspeitas apenas em caso de que existam garantias que essas mesmas pessoas não serão torturadas ou maltratadas em seus países de origem.
De acordo com a reportagem, os tribunais britânicos “evitavam com êxito a expulsão de estrangeiros suspeitos de terrorismo aos seus países de origem”, com base numa doutrina edificada nas leis sobre a defesa dos direitos humanos.
Um caso mencionado envolve os jihadistas envolvidos no ataque a bomba fracassado de 2005 no país, que foram presos no Reino Unido, mas que acabaram conseguir evitar a deportação e foram libertados após cumprirem as suas penas atrás das grades.
Nos três mais recentes ataques terroristas inspirados pelo Daesh no Reino Unido (Westminster Bridge, London Bridge e Manchester Arena), 35 pessoas morreram. Outra vítima morreu em um ataque contra uma mesquita em Finsbury Park na última segunda-feira.
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/europa/201706248723170-mais-40-terroristas-usam-direitos-humanos-ficar-reino-unido/

* * *

E meterem-nos num campo de detenção/prevenção para que os cidadãos do país não sejam postos em risco?, não podia ser, isso ia violar os direitos humanos dos terroristas, ainda que fosse importante para salvaguardar um dos direitos humanos básicos dos cidadãos...
Este é pois mais um insulto que (um)a elite reinante ocidental impõe à população do seu país: em nome do seu ideal igualitário a-nacional, quem manda impõe aos nacionais da sua própria nação a convivência quotidiana com criminosos alógenos que já provaram estar envolvidos em massacres ou planos de massacres colectivos em nome de uma religião igualmente alógena.

PRESIDENTE DOS EUA CONSEGUE FAZER PASSAR PARCIALMENTE O SEU DECRETO ANTI-IMIGRAÇÃO

No início de Junho, o presidente norte-americano pediu ao Supremo Tribunal do país para repor o decreto de lei para impedir a entrada de pessoas de seis países de maioria muçulmana. Esta segunda-feira, 26 de Junho, o Tribunal permitiu que algumas metidas sejam aplicadas. A decisão final sobre o veto será apenas tomada no Outono.
O Supremo Tribunal afirmou que os estrangeiros com relações com os Estados Unidos não podem ser impedidos de entrar no país. Contudo, aqueles que nunca estiveram no país ou não têm "nenhuma relação de boa-fé com uma pessoa ou entidade dos Estados Unidos" podem não conseguir entrar.
O Supremo permite ainda que a proibição de entrada de refugiados nos EUA durante 120 dias seja também aplicada parcialmente.
Essa decisão representa uma vitória para o presidente republicano, que, apesar das críticas recebidas, mantém as suas alegações de Segurança Nacional para justificar a sua ordem executiva.
O tribunal de recurso do 4.º circuito sustentou, no final de maio, uma decisão de um tribunal de nível inferior que bloqueou a decisão da administração republicana que pretendia bloquear temporariamente a emissão de vistos para nacionais do Irão, da Líbia, Somália, do Sudão, da Síria e do Iémene.
O tribunal de Richmond foi o primeiro dos tribunais de recurso a emitir uma decisão sobre a segunda versão da proibição daquelas entradas, que a administração Trump esperava que não tivesse os problemas legais apresentados pela primeira.
“O congresso atribuiu ao Presidente um poder alargado para negar a entrada a estrangeiros, mas esse poder não é absoluto. Não pode ficar sem controlo quando, como aqui, o Presidente o exerce através de uma ordem executiva que cria prejuízos irreparáveis a pessoas em toda a nação”, escreveu o juiz chefe do circuito, Roger L. Gregory.
Até ao momento, Donald Trump já foi bastante criticado pelo decreto, uma vez que este é considerado discriminatório por distinguir viajantes com base na sua nacionalidade.
*
Fonte: http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/decreto-migratorio-de-trump-avanca-parcialmente

* * *

É, inequivocamente, uma vitória democrática. Ninguém pode dizer que Trump não faz os possíveis para cumprir as suas promessas. A Europa precisava bem de um Trump em cada país.

sábado, junho 24, 2017

BATALHA DE S. MAMEDE, PRIMEIRO MOMENTO DA SOBERANIA NACIONAL


Tinha de ser um sóbrio monumento pétreo a celebrar a batalha da independência de Portugal. Este país nasceu dos castros, que são só rocha e névoa nos confins do extremo ocidente. Nasceu portanto bem antes de D. Afonso Henriques, antes até do seu pai vir parar ao Condado Portucalense. A primeira batalha dos Portucalenses foi a de Pedroso em 18 de Janeiro de 1071, quando Nuno Mendes morreu ao tentar alcançar a soberania de Portuscale. 
Uma Nação não é criada por um rei, seja ele qual for, porque uma Nação não é um Estado. Uma Nação é um Povo com uma língua própria e isso nem foi criado por D. Afonso Henriques nem poderia ser criado por nenhum outro líder. O Estado existe para dar soberania à Nação. O que D. Afonso Henriques fez foi dar soberania a uma Nação que em tudo o precedia.

Sobre o monumento que acima se vê (http://www.guimaraesturismo.com/pages/154?geo_article_id=118):
«Segundo a tradição de muitas gerações, foi em S. Torcato que teve início, em 24 de Junho de 1128, a Batalha de S. Mamede, na qual D. Afonso Henriques conquistou a chefia do Condado Portucalense e iniciou o processo político da independência de Portugal, ao afastar a tentativa de hegemonia galega. Não deixa de ser significativo que o nome do lugar seja o de "Campo da Ataca" - ou do ataque - designação guerreira bem sugestiva.

Em 1996 foi inaugurado o actual arranjo artístico-monumental, que celebra este acontecimento.»

Sobre a batalha:

A Batalha de São Mamede foi uma batalha travada a 24 de Junho de 1128, entre D. Afonso Henriques e as tropas dos barões portucalenses contra as tropas do Conde galego Fernão Peres de Trava, que se tentava apoderar do governo do Condado Portucalense. As duas facções confrontaram-se no campo de São Mamede, perto de Guimarães.

Antecedentes
Quando o conde D. Henrique morreu, em 1 de Novembro de 1112, fica D. Teresa a governar o condado, pois achava que este lhe pertencia por direito, mais do que a outrem, porque o seu pai lhe teria dado o território na altura do casamento. Associou ao governo o conde galego Bermudo Peres de Trava e o seu irmão Fernão Peres de Trava. A crescente influência dos condes galegos no governo do condado Portucalense levou à revolta verificada em 1128. Os revoltosos escolheram para seu líder D. Afonso Henriques, filho de D. Henrique e de D. Teresa.

Resultado
Com a derrota, D. Teresa e Fernão Peres abandonaram o governo condal, que ficou então nas mãos do infante e dos seus partidários, o que desagradou ao Bispo de Santiago de Compostela, Diogo Gelmires, que cobiçava o domínio das terras. D. Teresa desistia assim da ambição de ser senhora de Portugal. Há rumores não confirmados que ela teria sido aprisionada no Castelo de Lanhoso. Há até quem relate as maldições que D. Teresa rogou ao seu filho D. Afonso Henriques.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_de_S._Mamede

Para ler mais pormenores, clicar aqui: http://www.publico.pt/opiniao/jornal/guimaraes-e-a-batalha-de-s-mamede-26731714

Trecho:
Durante os sécs. XIV a XVI, os historiadores passaram a atribuir maior importância à Batalha de Ourique, ligando-a à aclamação de D. Afonso Henriques como rei, sancionada pela visão miraculosa de Cristo. Porém, a partir do séc. XIX, é restituída à Batalha de S. Mamede o significado nacional que lhe havia sido atribuído inicialmente nos referidos Anais.

CARVALHOS , CASTANHEIROS, OLIVEIRAS E SABUGUEIROS RESISTIRAM ÀS CHAMAS NUMA QUINTA QUE FICOU INCÓLUME NO MEIO DO FOGO


As chamas que se abateram sobre o centro do país estiveram muito perto da Quinta da Fonte, em Figueiró dos Vinhos. Tudo ardeu à volta, menos as árvores autóctones plantadas há décadas.
Liedewij Schieving ainda recupera do susto de sábado e domingo, quando o fogo atingiu Figueiró dos Vinhos. A viver há 10 anos em Portugal, aquela empresária holandesa nunca tinha passado por semelhante situação.
"Aqui ardeu praticamente tudo. Havia muitos eucaliptos que não resistiram às chamas", refere Liedewij Schievin.
Uma mancha verde destaca-se da paisagem negra envolvente, que retrata a violência do incêndio. "A única coisa que não ardeu foram os carvalhos, os castanheiros, oliveiras e sabugueiros", explica.
Os bombeiros "não estiveram no local" e as árvores que lá estão "há muitas décadas protegeram a quinta e sobreviveram por si", disse Liedewij Schievin.
No Facebook, a mulher, de 50 anos, publicou vídeos e fotografias da zona envolvente à propriedade, que despertaram o interesse dos cibernautas.
Já no início da semana, a foto de uma outra utilizadora, que não especificou a data nem localização da mesma, fez sucesso na internet. Novamente uma mancha verde, com carvalhos e castanheiros, destaca-se no meio de vários eucaliptos totalmente dizimados pelo fogo.
"Apesar de não ser a minha propriedade, achei importante partilhar a imagem para demonstrar que as árvores nativas podem ser muito efectivas no combate ao fogo", explicou Tania Sullivan ao JN.
*
Fonte: http://www.jn.pt/nacional/interior/quinta-rodeada-de-carvalhos-e-castanheiros-escapou-ao-fogo-8583333.html

sexta-feira, junho 23, 2017

SOBRE A CELEBRAÇÃO DO «SÃO» JOÃO ESTA NOITE

No dia de Santo António fomos à procura da sua origem. A professora Magda Pinheiro lançou-nos um cenário e ficámos a saber que o grande santo popular foi sempre São João. Até em Lisboa. O culto e as festas do santo lisboeta tal como as conhecemos hoje nasceram muito tardiamente, já nos anos 60, antes eram uma organização institucional que a Igreja levava a cabo para não perder terreno face aos republicanos anticlericais.
 
Quando surge a festa e quando se separa do culto?
O culto de Santo António já é um culto tardio na cidade, só se desenvolve no século XVI. O santo padroeiro de Lisboa é o São Vicente, os cultos mais antigos são os dos santos mártires e o de São Félix, anteriores à Reconquista. Mas o culto de Santo António existe associado às pestes que grassaram a cidade e deu origem a uma procissão importante. Agora a inserção do Santo António nos santos populares é bem mais complexa.
 
Por uma razão específica?
Sim. De facto o São João era muito mais referido em todas as fontes como santo popular no século XIX. Apesar de se falar dos tronos e dos altarzinhos do Santo António.
 
Mas havia o São João também em Lisboa?
Exacto. Os festejos existem quer no passeio público pombalino, quer, por exemplo, no Campo Grande. O São João tinha uma componente mais espontânea, com as fogueiras, enfim, era uma romaria muito importante. Estas romarias são uma tentativa de catolicizar cultos pré-romanos que estão associados à chegada do Verão. O Santo António insere-se aqui um bocadinho menos nitidamente.
 
E como é que nasce a festa?
É preciso pensar que no final do século XIX, como há uma progressiva reinvenção da nação com a valorização dos artesanatos populares e toda uma série de elementos que vão constituir aquilo a que hoje chamamos a identidade portuguesa, há também a valorização dos bairros que não foram reconstruídos depois do terramoto. Nascem os bairros tradicionais. E estas festas emergem. No fim do século XIX há na cidade uma forte tendência anticlerical e nesse contexto cria-se uma comissão de comemoração de Santo António.
 
O que fazia essa comissão?
Essa comissão tem como organizadores personagens importantes como a rainha que tenta demarcar o espaço público numa tentativa de devolver à Igreja o espaço que estava a perder. A festa realiza-se já com fogo de artifício e projecção de luz.
 
Como é que depois associamos o Santo António aos casamentos, às marchas, à festa na rua, às sardinhas e por fora?
Tudo isso vai ser realizado pelo Estado Novo, que não quer imponderáveis. São festas organizadas, com direito a concursos e um pouco distante da festa de massas de hoje e da espontaneidade. É nesse contexto que, em 1932, os olissipógrafos que são clericais não esquecem a necessidade de organização de um culto à volta de Santo António.
 
São essas as festas das colectividades?
Sim, elas desenvolvem-se em pequenas comunidades e nascem as primeiras festas institucionalizadas com desfiles de marchas. Mas isso não exclui que continue a haver os tronos e as sardinhas. A institucionalização das festas é muito mal vista pela intelectualidade de esquerda e será muito mal vista até aos anos 60.
 
A seguir ao 25 de Abril há nova ruptura?
O que acontece é que colectividades que não costumavam participar começam a fazê-lo e nasce uma nova maneira da festa se implantar na cidade.
 
Já com toda a gente na rua, com a cerveja, a sangria, o vinho e as célebres sardinhas, a festa pura e dura que hoje conhecemos? 
Sim, mas essa festa que descreve penso que começa a fundar-se no final dos anos 60 e é nessa altura que o São João morre completamente.
 
Passa definitivamente para o Porto?
A componente de festa de Lisboa é mais cosmopolita do que a do Porto. E, por outro lado, há um bairrismo mais afirmativo.

*

Fonte: http://www.imissio.net/v2/noticias/o-santo-antonio-de-hoje-nasceu-nos-anos-60:3404   (Artigo originariamente redigido sob o acordo ortográfico de 1990 mas corrigido aqui à luz da ortografia portuguesa.)

* * *   * * *   * * *   * * *   * * *   * * *   * * *   * * *   * * *   * * *   * * *   * * *   * * *   * * *



Diz Teófilo Braga, na obra «O Povo Português Nos Seus Costumes, Crenças e Tradições», volume II, página 211 e seguintes:
«A festa de São João Baptista em todos os povos europeus está ligada a um fenómeno astronómico, o solstício do Verão, em 24 de Junho. O célebre ritualista Guilherme Durandus, interpretando alegoricamente a festa do Precursor, não pode ocultar o seu sentido mítico: "Faz-se girar uma roda, em certas localidades, para assim designar que o Sol não se pode elevar mais, mas torna a descer no seu círculo, assim também a fama de São João, que era olhado como um Cristo, diminuiu quando este apareceu. Alguns dizem que é porque neste tempo os dias minguam, e que crescem de novo no Natal de Jesus Cristo..."»

Ou seja, uma forma de diminuir o prestígio do Sol perante o Judeu Morto, primeiro substituindo-O por um sucedâneo («São João») e depois «integrando» na religião do Deus oriental os rituais que ao Sol são devidos. A isto se chama «cristianização».


Não é por acaso que, conforme se lê na obra «Os Solstícios - História e Actualidade», o próprio Justino o Mártir, um dos doutores da Igreja, regista que «os cristãos usurparam o dia do Sol», e que o dia da semana sagrado dos cristãos, o domingo (de «Dominus», «Senhor»), é na tradição pagã ocidental consagrado ao Sol, «Dies Solis» (que os Ingleses conservam no seu «Sunday» e os Alemães no seu «Sontag», entre outros...). Não é igualmente por acaso que o dia mais festejado da Cristandade, o Natal, coincide mais coisa menos coisa com o outro solstício, o de Inverno. Talvez porque o culto solar foi por assim uma das últimas «frentes de combate» pagãs contra o Cristianismo, e porque o primeiro imperador cristão, ou cristianizado, Constantino, era pouco antes, e se calhar ao mesmo tempo, um adorador do Sol...


Claro que durante muito tempo a Igreja tentou proibir a celebração do solstício de Verão, antes de a tentar absorver, isto é, cristianizar... Duas fontes para cada uma das duas asserções:
- no século VI, o bispo de Árles proibiu num sermão o «banharem-se nas fontes, nos pântanos e nos rios na noite de S. João e na madrugada do dia seguinte» porque tal «costume nefasto ressuscita o Paganismo»;
- no século VII, uma obra que circulou em todas as dioceses de França dizia, entre outras coisas, que o fogo de S. João é «a marca do regozijo por S. João» e que teve o seu início nos primeiros séculos do Cristianismo, quando «S. Bernardo testemunha que era mesmo praticado entre os pagãos.»

Significa isto que em não conseguindo extirpar de vez a celebração pagã, tentou apoderar-se dela, dirigindo-a, «domesticando-a», de forma a «controlar os abusos», que eram, não apenas os excessos festivos naturais, mas também as «superstições» pagãs que não pudessem ser «transformadas».

Continuando, novamente com Teófilo Braga...

«É justamente uma tal concepção primitiva que faz com que a festa do solstício de Verão seja comum a todos os Povos indo-europeus, e ainda aos Povos semitas; o fenómeno é diversamente dramatizado, mas entre os povos europeus toma a expressão de um Combate de Verão expulsando o Inverno (24 de Junho), ou a sua inversa, a expulsão do Verão pelo Inverno (24 de Dezembro). (...) nos antigos prazos portugueses notou João Pedro Ribeiro, que o ano era sempre contado de São João a São João, e no Alvará de 1 de Julho de 1774, chamou-se-lhe ano irregular. (...) entre os povos eslavos é onde se apresenta mais completo, correspondendo muitas das suas particularidades a costumes portugueses (...). Por um documento da Câmara de Coimbra, de 1464, citado por Viterbo, se nota a forma de combate: "cavalhada na véspera de São João com sina e bestas muares". Em outros povos, esta cavalgada ficou simplesmente lendária, na Mesnie Furieuse, que tanto se localiza no solstício diurno (circa horam medirianam) como no solstício vernal. (...) Nos costumes provinciais conservam-se quase todas as formas dramáticas desta antiquíssima festa solsticial.
(...)



Na Beira Alta acende-se um facho no cimo dos montes (o galheiro) ou na ceira das azenhas (a roda, que ainda na Alemanha se deixa rolar dos montes). O facho, como escreve Leite de Vasconcelos, é um pouco de lenha em volta de um pau alto. Os rapazes que o vão acender levam músicas de tambores e pífaros, e grandes algazarras. O monte é além disto cercado de pinhas acesas.»
Nos Açores, fazem-se as fogueiras na rua, e os rapazes saltam por cima das labaredas; o mesmo no Algarve e no Alentejo.
»

E, como todos sabem, o mesmo se faz um pouco por toda a Europa nesta data - o salto dos jovens por cima das fogueiras, para dar força e saúde, boa sorte, etc..
Tudo isto só ajuda ao tom despreocupado e livre dos folguedos da data, que é isso que interessa. É pela noite dentro, cambada. Força nos Martelos.



É aliás curioso que o martelo se tenha tornado parte da tradição desta celebração. Consta que assim se estabeleceu nos anos sessenta. Mais do que isso não encontrei. Fico-me por salientar que em Roma e eventualmente no mundo céltico continental antigo, mais concretamente na Gália, realizava-se na altura do solstício a celebração de uma Divindade da tempestade, Sumano em Roma e, possivelmente, Taranis na Gália. Noutros pontos da Europa, mais concretamente no norte germânico e no leste balto-eslavo, o Deus do Trovão tem como arma/símbolo um martelo. Não é impossível que também no oeste europeu houvesse essa identificação. Verifica-se pelo menos que na Irlanda céltica (a área ocidental não latina mais bem conhecida nas suas tradições míticas) uma das maiores Divindades, o polivalente Dagda, sábio, fertilizador e bélico, tem como arma uma imensa clava, além de ter também um gigantesco pénis, a arrastar pelo chão. Na Gália, uma das Divindades mais adoradas seria Sucellos, o «Bom Batedor» (batedor, que bate), representado com um martelo. Ora no norte galaico, mais concretamente no sopé do monte Larouco, foi encontrada numa igreja uma imagem do que se presume ser uma Divindade do Raio, ou da Montanha, que possui, além de um gigantesco pénis, também um martelo de duas extremidades iguais, como aqui se observou: http://gladio.blogspot.pt/2012/11/a-cara-do-deus-do-raio-deste-extremo.html