quinta-feira, julho 02, 2020

MOMENTO INSPIRADO DA RESTAURAÇÃO AO CULTO DOS DEUSES NACIONAIS



No dia 28 de Junho de 2020, foi realizado pelos membros do YSEE - Supremo Conselho Nacional Helénico - uma subida simultânea aos picos sagrados das nossas montanhas, para o Sagrado dos nossos antepassados.
A subida para Rodes, aconteceu no topo do Monte Attavyros, onde havia o Santuário de Attavyrios Zeus.
Nos picos, uma hieropraxia nacional coordenada foi realizada em honra de Deuses e antepassados e a santa promessa de re-helenizar; iluminação e liberdade foram renovadas.
Como costumava dizer o nosso amado Vlassis Rassias:
′′Para os nossos antepassados, Hieron significa Geron, Poderoso, e como tal é definido como tal que se manifesta dinamicamente e infinitamente pelo bem do fenómeno da vida. Palavra, símbolo, arte, rosto ou espaço natural, é caracterizado como sagrado quando se refere aos mistérios da natureza ou ao mundo dos Deuses."
Honra e memória para Deuses e antepassados
Alto Conselho Nacional Grego (YSEE) de Rodes

*

Fonte: https://www.facebook.com/TelchinisRodioiEthnikoi/photos/pcb.3274732479214075/3274710619216261/?type=3&theater

quarta-feira, julho 01, 2020

CRIMINALIDADE VIOLENTA AUMENTA EM LISBOA

O assassinato à facada de um rapaz de 15 anos, no Areeiro, centro de Lisboa, por outro de 14, numa luta combinada pela internet, foi um dos mais recentes e mediáticos. Os crimes com facas, incluindo agressões e homicídios, estão a aumentar este ano na área do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP (Cometlis). Isto apesar dos quase três meses de confinamento que fizeram, nesse período, baixar as denúncias. 
Questionada pelo CM, a PSP não dá os números, nem fornece explicações. Refere que entre 1 de Janeiro e 15 de Junho deste ano, no caso dos crimes contra a integridade física e homicídios, “os dados confirmam um ligeiro aumento” em relação a 2019.
A PSP diz que, nesse período, há 259 registos de roubos envolvendo armadas brancas. São mais 39 crimes (+17,7%) em relação a 2019. “Grande parte dos registos estão relacionados com roubos na via pública, sendo que o aumento registado foi nos roubos a edifícios comerciais ou industriais, cujo diferença representa um aumento de 13 registos a mais em comparação com igual período do ano transacto”, responde ao CM.
Entre 1 de Janeiro e 15 de Junho foram apreendidas 489 armas brancas associadas a crimes, mais 233 (+91%). O Cometlis policia dois milhões de pessoas em nove concelhos (Cascais, Oeiras, Sintra, Amadora, Lisboa, Odivelas, Loures, Vila Franca de Xira e Torres Vedras).
*
Fonte: https://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/crimes-com-facas-agressoes-e-homicidios-aumentam-em-lisboa?utm_medium=Social&utm_source=Facebook&utm_campaign=BotoesSite&fbclid=IwAR0rffTYxMmNBrQ9YNo49fwGWV0OZDMdIOoerLe4noRssiWEPRIiG7cRFxg

* * *

Ah, este terceiro, segundo ou até primeiro, mais que primeiro país mais seguro do mundo, que por acaso é o quinto país da Europa com mais assaltos, estando por coincidência os outros quatro também em situação de iminvasão oriunda do terceiro-mundo... 

EM ZONA ALTAMENTE AFRICANIZADA - FAMÍLIA AGRIDE POLÍCIAS ENQUANTO DESOBEDECE A CONFINAMENTO OBRIGATÓRIO

Três agentes da PSP foram agredidos no Cacém, na tarde desta terça-feira, por uma família de quatro pessoas que desobedeceu ao confinamento obrigatório. O Comando da PSP de Lisboa confirmou ao CM que pelo menos um dos familiares está infectado com coronavírus.
Segundo apurou o CM, as quatro pessoas abandonaram a residência para ir às compras. A PSP foi alertada por moradores e dirigiu-se à habitação.
Os agentes foram injuriados e impedidos de verificar se o confinamento estava a ser cumprido. Uma das agentes tentou acalmar os ânimos e foi agredida a soco e empurrada. Foi transportada para o Hospital Amadora-Sintra onde recebeu tratamento hospitalar.
Os outros dois agentes tentaram deter o homem e foram impedidos de o fazer pela restante família que também os agrediu. Os polícias ficaram com escoriações e traumatismos.
Os quatro familiares – uma jovem de 17 anos e outras três pessoas de 23, 37 e 55 anos - acabaram por ser detidos pelos crimes de desobediência e resistência e coacção.
*
Fonte: https://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/tres-agentes-da-psp-agredidos-por-familia-que-desobedeceu-ao-confinamento-obrigatorio-no-cacem?Ref=DET_Recomendadas_pb

«DANTES, QUANDO A POLÍCIA CHEGAVA, OS CRIMINOSOS FUGIAM. AGORA, A PRIMEIRA REACÇÃO DOS CRIMINOSOS É TENTAR AGREDIR A POLÍCIA»

O presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Policia (ASPP/PSP), Paulo Rodrigues, diz-se preocupado, mas não surpreendido, com os dados que dão conta de um aumento da criminalidade violenta e grave em 2019.
Segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI), foram registados no ano passado 14.398 crimes violentos, 40 por dia, mais 3% do que em 2018.
"Temos sentido que a criminalidade está mais violenta", diz Paulo Rodrigues à TSF. "Sentimos isso na pele, porque, quando a polícia chegava, a primeira reacção dos criminosos era sair do local, fugir à polícia. Neste momento, a primeira reacção é confrontar a polícia e tentar agredi-la."
Para lidar com este tipo de criminalidade, defende, é necessário investir em equipamento: "os coletes de protecção balística são essenciais na grande parte das zonas mais complexas, e a arma taser, que é uma arma não letal."
"Estamos a caminhar para uma situação muito mais complexa e que não está a ser levada a sério", alerta o presidente da ASPP/PSP, revelando que enviou há cerca de três semanas um conjunto de sugestões ao Ministério da Administração Interna e à Inspecção-geral da Administração Interna.
Paulo Rodrigues defende que "o modelo de patrulhamento deve ser alterado, sobretudo durante a noite e em zonas que por norma são mais complexas".
Além disso, para cumprir as novas regras de confinamento na aérea metropolitana de Lisboa, será necessário um reforço policial, sob pena de ser necessário exigir um esforço acrescido aos agentes, com mais horas extraordinárias e eventual adiamento de férias.
O presidente da ASPP/PSP admite que os próximos meses vão ser difíceis. O patrulhamento das ruas durante a pandemia de Covid-19 é uma "missão bastante ingrata", lamenta.
"Por um lado, temos de fazer pedagogia - e é o que temos feito -, e agora vamos poder sancionar, mas é muito difícil chegar a um ajuntamento de 70 ou 80 pessoas, identificar toda aquela gente e passar contra-ordenações."
"Não é um trabalho propriamente simples. Estamos muito cépticos quanto à forma como o nosso trabalho vai ser feito daqui para a frente e a forma como as pessoas nos vão encarar quando lhes pedirmos identificação para passar a contra-ordenação."
*
Fonte: https://www.tsf.pt/portugal/sociedade/quando-a-policia-chegava-a-primeira-reacao-era-fugir-agora-e-confrontar-as-autoridades-12342007.html?fbclid=IwAR0kaGMo13_zOK-sLjgq-hihRyCq1sMf9PDp-3VargNHkrGcI1_LgkrJnUw

* * *

Assim de repente, parece que é mesmo aquilo que os colectivos «anti-racistas» e quejandas coisas querem e sempre quiseram - enfraquecer a autoridade nacional em proveito de «autoridades alternativas», nomeadamente grupelhos de «jovens» a nível local. Até nisto, ao nível da protecção mais elementar do povo, até nisto não há nenhum poder organizado para proteger o povo senão os partidos nacionalistas ou ditos de Extrema-Direita.

QUANDO O POVO PAGA PARA OS INQUISIDORES SE EXIBIREM

O à vontade despudorado com que um apresentador televisivo da RTP1 - programa «Depois vai-se a ver e nada» da semana passada - fala com um político socialista sobre como dar cabo da «ameaça da Extrema-Direita» mostra bem o que é a elite me(r)diática - não tem vergonha em usar o espaço público pago por todos, aliás, pertencente a todos os cidadãos, para falar de uma opção ideológica como quem fala de marcianos invasores ou coisa assim, como se os votos da Extrema-Direita fossem enviados de outra galáxia em vez de serem votos de cidadãos nacionais de cada país. 
Atitudes destas são obviamente motivadas por uma mistura de arrogância de classe com fanatismo inquisitorial - ambas as vertentes contribuem para fortalecer uma certeza da posse da verdade e dos valores moralmente obrigatórios para todos. É a fé da elite dos tempos que correm, daí a pretensão de superioridade moral dos seus fiéis, que, devidamente dissecada, não se sustenta.
Depois é malta desta que se admira muito com a subida eleitoral dos nacionalistas, não percebe que a sua própria atitude é que ajuda a que a Extrema-Direita reforce a sua aura de Robin dos Bosques ao lado do povo contra a elite...

MULTICULTURALISMO NA EUROPA: EGÍPCIO ATACA POLÍCIAS COM ARMA JAPONESA EM ITÁLIA

A polícia italiana prendeu um egípcio de 29 anos depois de o imigrante atacar polícias com nunchakus ao estilo japonês e gritando "Allah hu Akbar".
O incidente ocorreu depois de o cidadão egípcio ameaçar inicialmente trabalhadores municipais na cidade de Fiumicino, nos arredores de Roma, na Martes. O homem chegou ao escritório com o seu cão. Diz-se que ele enfiou a mão na bolsa e sacou um par de nunchakus e outras armas para ameaçar oficiais.
A polícia chegou ao local logo após as ameaças terem sido feitas, de acordo com uma reportagem do jornal Il Giornale, e ao ver os agentes da autoridade, o egípcio tentou escapar, mas rapidamente foi localizado pela polícia.
"Vou incendiar a cidade inteira se não conseguir os papéis", gritou o egípcio à polícia e soltou o seu cão, que mordia os polícias no braço.
Depois de subjugar o imigrante, a polícia descobriu uma faca e uma tesoura na bolsa juntamente com os nunchakus do homem. O homem continuou a gritar com os polícias sob custódia, gritando "Allah hu Akbar" quando foi levado para a delegacia local.
O caso é apenas o mais recente ataque de um imigrante contra polícias italianos nos últimos anos. No início deste ano, em Turim, os imigrantes de um centro de repatriação atacaram a polícia com tijolos.
Os imigrantes, principalmente norte-africanos, feriram 13 pessoas depois de subir ao telhado do prédio e chover tijolos contra a polícia e dois soldados do exército.
No ano passado, um imigrante ilegal senegalês atacou a polícia com uma barra de ferro em Turim enquanto também gritava "Allah hu Akbar". Feriu gravemente um dos polícias que foi atingido na cabeça, enquanto outro sofreu ferimentos na mão.
A polícia não é a única equipa de emergência a ser atacada por imigrantes. No mês passado, grande parte de Itália ficou chocada ao saber que um imigrante africano havia estuprado uma enfermeira. Ela foi atacada enquanto voltava para casa depois do seu turno num hospital em Nápoles, onde estava a lutar contra o coronavírus Wuhan.
*
Fonte: https://www.jihadwatch.org/2020/06/italy-muslim-migrant-screaming-allahu-akbar-attacks-police-with-nunchucks?fbclid=IwAR0W5db9RJoBnIj82vbTQvnbQlt5ryhgQ8tSAdNJkyDWfEnXsni89aKwqF0

PAQUISTÃO - SEQUESTRO E CONVERSÃO FORÇADA AO ISLÃO

No Paquistão, mais concretamente em Saedabad, Hala Mitiari, uma adolescente hindu de catorze anos foi sequestrada para ser forçadamente convertida ao Islão, como é hábito nesse país; a mãe grita que «é uma maldição nascer num país islâmico».
*
Fonte: https://www.jihadwatch.org/2020/06/pakistan-muslims-abduct-14-year-old-hindu-girl-her-mother-cries-its-a-curse-to-be-born-in-an-islamic-country

* * *

Que islamófoba e «racista», a mãe da miúda, deve dizer estas coisas por causa da propaganda fascista e do Trump...
Nota: a área que é hoje o Paquistão já foi de maioria hindu... antes da invasão muçulmano e da posterior entrega do território ao Islão.

FRANÇA SUSPENDE PARTICIPAÇÃO EM MISSÃO DA OTAN DEVIDO A COMPORTAMENTO DA TURQUIA NA LÍBIA

A França suspendeu temporariamente a sua participação nas operações de vigilância da OTAN no Mediterrâneo, confirmou nesta Mércores (1º) uma fonte do Ministério das Forças Armadas.
O governo francês solicitou esclarecimentos da OTAN antes de retomar as operações no quadro da missão Sea Guardian, acrescentou a mesma fonte, revela o jornal Ouest-France.
A suspensão foi comunicada pelo embaixador da Turquia em Paris, Ismail Hakki Musa, explicando que se deve às investigações da Aliança sobre o incidente.
A França acusou embarcações da Turquia de comportamento agressivo no mar Mediterrâneo quando houve uma tentativa de revistar um navio de carga com direcção à Líbia. Contudo, a Turquia contestou que o navio francês navegava de maneira arriscada.
Após o incidente, o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, anunciou que a Aliança investigaria o incidente entre os dois países membros.
Anteriormente, Emmanuel Macron, presidente de França, lamentou que a Turquia estivesse a fazer um "jogo perigoso" na Líbia. Além disso, o mandatário salientou que as acções de Ancara contrariam as suas obrigações internacionais.
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/europa/2020070115780111-franca-suspende-participacao-em-missao-da-otan-devido-a-conduta-da-turquia-na-libia/?fbclid=IwAR0_CbBubVG1ROQiuCCoeh5xCEdnrvPJoNLpkntw-eK2Bhvh0QQY1vrIUwg

TERRORISMO NA EUROPA - TERRORISTAS SÃO MAIORITARIAMENTE MUÇULMANOS, ALGUNS SÃO DE ESQUERDA, UMA MINORIA É DE DIREITA

Um relatório da Europol indica que em 2019 foram presos, na Europa, quatrocentos e trinta e um (431) terroristas muçulmanos, cento e onze (111) terroristas de Esquerda e vinte e um (21) terroristas de Extrema-Direita. 
O número de detenções de terroristas esquerdistas mais que triplicou em 2019 relativamente ao ano anterior; o de operacionais do terrorismo extremo-direitista caiu para menos de metade do de 2018.
As dez pessoas que morreram em ataques terroristas no ano de 2019 na Europa foram todas mortas por islamistas.
Ainda assim, os títulos e textos da imprensa, até do parlamento europeu, a respeito dos factos apurados, focam-se na Extrema-Direita...
*
Fonte: https://www.breitbart.com/europe/2020/06/25/europol-436-jihadists-arrested-europe/?fbclid=IwAR2BxAZivl5YEua64Rl270p-RCBcqIALwE_MfkkQrnW30SooD4KvAV4aLWo

* * *

Duvido que as SIC(K)s e quejanda merda divulguem esta notícia... e, assim, os seus colegas da propaganda oficial do sistema podem continuar a jurar pela puta da mãezinha, ou a insinuar sonsamente, que «a ameaça da Extrema-Direita é a mais grave!» Diante destes números, é preciso um alto grau de despudor e de agressividade para conseguir «estar ao ataque», pretendendo «denunciar» o «perigo da Extrema-Direita!», quando a mais elementar vergonha na cara exigiria que os donos da imprensa e seus lacaios fossem menos vociferantes e menos expansivos no histérico cagaçal que diariamente mantêm nos mé(r)dia; mas, para terem pudor, era preciso que tivessem dignidade... e isso já se viu que desconhecem. Basta-lhes portanto pura e simplesmente não divulgar números destes e pronto, assim há menos tendência para que a grande maioria do povo não vote (ainda mais) nos partidos anti-imigração...
Fica também confirmado que aos «anti-fascistas», a questão do excesso de violência interessa-lhes muito menos do que parece - se de facto paz fosse para eles um valor cardinal, preocupar-se-iam muito mais com o Islão que com o Nacionalismo. Mas não. O que os ofende não é, nunca foi, a violência ou sequer a ditadura. O que na realidade os ofende é que haja quem cague de alto no universalismo sem fronteiras e subsequente anti-racismo militante. O que na realidade os ofende é que haja quem ponha a Estirpe (Família/Nação/Raça) acima de tudo - e o que mais os assusta é que esta tendência para pôr a salvaguarda do Sangue em primeiro lugar é a que tem mais potencial de aderência no seio do povo e, por isso, o maior potencial eleitoral em Democracia...

... COMEÇA JULHO, MÊS DE JÚPITER...


Júpiter, versão latina do grande Pai Celestial Luminoso, arquétipo do Deus indo-europeuJúpiter, Senhor do Céu, da Justiça e do Raio, protector dos Latinos. Pode ler-se mais aqui sobre a Sua natureza nas diversas culturas indo-europeias.

«Contemplai essa Luz que brilha lá no Alto, a quem todos chamam Júpiter!»
«Àquilo que em mim reside, essa Luz ou o que quer que seja, lanço o meu brado.»
Énio, citado por Cícero em «Da Natureza dos Deuses»

«Vês o sublime e ilimitado fluir do éter, que tudo enlaça no Seu terno abraço? Este devemos ter como o sumo Deus. Chama-O pois de Júpiter.»
Eurípedes, citado por Cícero, op. cit..

«Já o próprio nome "Júpiter", isto é, "o Pai que ajuda", quando declinado fica "Iovem", do verbo iuvare ("ajudar"). Dizem os poetas que Ele é "o pai dos Deuses e dos homens" e os nossos antepassados dizem que ele é o Melhor e o Maior (Optimus Maximus), e colocam o epíteto "Melhor" primeiro porque, realmente, Ele é o que mais benefícios traz, e é pois mais digno de reconhecimento ser útil a todos do que ter muitos recursos.»
Cícero, op. cit..

Zeus é o equivalente grego de Júpiter, e a iconografia helénica acabou por muito influenciar a romana, pelo que o aspecto deJúpiter ou de Zeus será, na Arte, basicamente o mesmo; mas não apenas o aspecto e sim também a essência, e isto já não se deve provavelmente à influência grega em Roma, mas sim à comunidade de origem étnica entre Gregos e Romanos, que é indo-europeia ou «ariana». Zeus e Júpiter são pois, respectivamente, a versão grega e a romana do grande Deus indo-europeu do céu luminoso, que é Diaus Pitar na Índia, Dievs no Báltico e, provavelmente, Tiuz na Germânia Tyr na Escandinávia, Dai Patures na Ilíria (actual Albânia), Dezao entre os Kalash (pagãos indo-europeus do actual noroeste paquistanês). Alguns investigadores consideram que o Seu nome original, entre os mais antigos Indo-Europeus, antes da expansão das tribos vários milénios a.c., seria qualquer coisa como *Dyeus Pater, o Pai Céu, Deus do Céu Brilhante. Porque, independentemente da etimologia imaginada por Cícero, que acima se pode ler (e que é importante para compreender a noção que os seus contemporâneos tinham dos Deuses), a Linguística científica identificou a raiz dos teónimos referidos com o radical indo-europeu *Dei-, que exprime um significado de brilho relacionado com o céu, e que originou duas séries de palavras:
- teónimos, como os já mencionados;
- substantivos: «Deus» e «dia». Por exemplo, em Irlandês «Deus» diz-se «Dia», e pronuncia-se, e escreve-se, como em Português;
Coincidentemente, tanto o Diaus Pitar ariano como o Júpiter latino têm consigo relacionada a cor vermelha.

terça-feira, junho 30, 2020

HIERARQUIA DAS MATANÇAS E DAS INDIGNAÇÕES

Três mortos à facada em Glásgua, Escócia, no dia 26, por um sudanês.

Outros três mortos à facada em Londres, Inglaterra, no dia 20, por um líbio - https://www.jihadwatch.org/2020/06/uk-three-gay-men-identified-as-murder-victims-in-libyan-migrants-stabbing-spree-in-reading?fbclid=IwAR3TwWt33XuxBmIo03UrOMWWvPfsmK7Dl4TRi-ah_l4uxHXgrCc35Nlor4A

Neste caso, em Londres, os assassinados eram gays. 
Os colectivos LGBTs estão caladinhos porque o homicida não era um horrível branco representante do heteropatriarcado europeu... Aliás, caladinhos não, que uma organização de «defesa» dos direitos dos LGBT, a Stonewall, emitiu um comunicado a dizer «não podemos deixar que a retórica islamofóbica, racista e xenófoba seja usada para nos dividir. Devemos estar juntos para fazermos progressos.» 
Portanto, se os homicidas forem «nazis», há que atacar o Nazismo, mas se forem muçulmanos - e o Islão diz textualmente que os homossexuais devem ser mortos, e todos os países do mundo onde há pena de morte para gays são muçulmanos - então aí, moita carrasco, não se pode dizer nada, porque, afirmam os LGBTistas, «não podemos deixar que a retórica islamofóbica seja usada para nos dividir».
«Para nos dividir», dizem eles. Mas «nos» quem?
Isto é mesmo linguajar e «ideia» de Esquerda radical, com a merda da sua interseccionalidade, teoria segundo a qual a luta contra o racismo, contra a homofobia, contra o sexismo e contra o patriarcado é toda a mesma, pelo que os LGBTs, as minorias sexuais e as feministas estão todos do mesmo lado contra «o inimigo», que é o homem branco heterossexual europeu. Trata-se de uma perspectiva derivada da concepção esquerdista de luta pelo poder - a luta de classes marxista transposta para o campo das relações entre os sexos e entre as raças. 
Um ideal destes só pode ser credível através da ocultação de toneladas de evidências, incluindo o ridiculamente gritante facto de que foi precisamente o homem europeu quem mais lutou pelos direitos das mulheres e das minorias sexuais em todo o mundo. Quanto mais recua, seja onde for, o poder ou a influência do homem europeu, mais cresce aí a violência contra todas as minorias sexuais, contra as mulheres e contra os mais fracos em geral, por isso é que no nordeste de África retornou a escravatura amplamente praticada por muçulmanos, em que negros a monte são vendidos como escravos, alguns deles já castrados, como há séculos, outros pendurados vivos para exibição como pedaços de carne...
É pois assim que a Esquerda militante «defende» os direitos LGBT, e, também, os das mulheres – subalternizando-os e, até, silenciando-os, sempre que entram em rota de colisão com a promoção das minorias étnicas... usando a luta LGBT e feminista apenas como instrumento para deitar abaixo o poder branco na sua própria terra.

segunda-feira, junho 29, 2020

DETECTADO O AUMENTO DE RADIOACTIVIDADE NA EUROPA

As autoridades russas negam a existência de qualquer problema com as suas centrais nucleares, depois de finlandeses, noruegueses e suecos terem anunciado na semana passada um aumento de isótopos radioactivos inofensivos aos seres humanos e ao meio ambiente em partes da Finlândia, sul da Escandinávia e no Árctico.
A central Leninegrado, perto de São Petersburgo, e a Kola, perto da cidade de Murmansk, no norte, "estão a operar normalmente, com os níveis de radiação dentro das normas", disse um porta-voz da operadora russa de energia nuclear Rosenergoatom à agência de notícias Tass.
"Não houve queixas sobre o desempenho do equipamento", assegurou a mesma fonte, acrescentando que "não foram relatados incidentes de libertação de radionuclídeos para fora das estruturas de contenção".
A Autoridade Sueca de Segurança Radiológica adiantou, na terça-feira, não ser possível, para já, "confirmar a fonte dos níveis aumentados" nem a origem de uma nuvem contendo isótopos radioactivos que estará sobre os céus do norte da Europa.
As autoridades finlandesas e norueguesas também não especularam sobre a possível fonte dos níveis alterados de radioactividade, mas o Instituto Nacional de Saúde Pública e Meio Ambiente holandês adiantou, na sexta-feira, que os dados mostram que "os radionuclídeos (isótopos radioactivos) vêm da direcção do oeste da Rússia".
"Os radionuclídeos são artificiais, ou seja, foram criados por humanos. A composição dos nuclídeos pode indicar danos num elemento combustível de uma central nuclear", referiu o organismo holandês, acrescentando que "a origem específica não pode ser identificada devido ao número limitado de medições".
O líder da Organização do Tratado de Proibição Total de Testes Nucleares, Lassina Zerbo, publicou uma mensagem no Twitter um mapa com os dados recolhidos da estação de monitorização de Estocolmo, com níveis acima do normal de três isótopos, indicando contudo que não são prejudiciais para a saúde.
*
Fonte: https://www.dn.pt/mundo/aumento-da-radoatividade-na-europa-russia-nega-problemas-com-centrais-nucleares-12364816.html?fbclid=IwAR0gm39AWnduEHxsny6oK41Mp9NaD50TkyedHZxInmqgfJq9p6mIRBCIFkk   (Artigo originariamente redigido sob o acordo ortográfico de 1990 mas corrigido aqui à luz da ortografia portuguesa.)

domingo, junho 28, 2020

«NÃO SOMOS RACISTAS, NÃO SOMOS NÃO, JURAMOS PELA MÃEZINHA QUE NÃO!»...

«Ai, nós não somos racistas, o nosso Povo não é racista!»... ouve-se, por aí, dia sim dia não, em jeito de recusa em admitir «culpas». Ora porque é que na nossa própria terra temos de nos justificar? 
Já agora - quem é que julga poder falar em nome de todo um Povo para dizer que somos ou não somos racistas? Mas há algum Povo que não seja racista ou que não tenha elementos racistas no seu seio - e esses elementos racistas, não são parte desse Povo porquê, porque alguém determinou que ser desse Povo exclui forçosamente a opinião racista? 
Não será isso uma atrasadice mental totalitária? 
E se eu disser que os Portugueses não gostam de casas pintadas de azul, isso quer dizer que o carácter nacional exclui domicílios da cor do céu?...
Com que autoridade é que se declara a exclusão de um gosto, ou de uma opinião, do seio de todo um Povo? Puro totalitarismo do mais fanático e palerma.
E se quisermos ser racistas, qual é o problema? Em nossa própria casa não temos autorização de não gostar de quem é de outra casa? Temos sequer de perder tempo a discutir essa imbecilidade, como se tivéssemos de estar à defesa na nossa própria terra ou aceitar os termos que são ditados nos mé(r)dia, como putos da escola forçados a fazer uma redacção sobre o tema que o «stôr» escolhe?
Já basta de andar e falar ao sabor da agenda ideológica estabelecida pelos donos do sistema. O Nacionalismo tem cada vez mais poder para encetar campanhas que afirmam valores, em vez de simplesmente se defender de «acusações» que só têm sentido numa lógica toda ela estranha e hostil ao Nacionalismo; a Democracia dá às forças nacionalistas cada vez mais poder para estabelecer os seus próprios critérios de direcção do seu discurso.

sábado, junho 27, 2020

MUÇULMANO AFRICANO MATA À FACADA NA ESCÓCIA

O sudanês que matou 3 pessoas à facada na Escócia não está, segundo as autoridades, a ser considerado como um homicida motivado por uma ideologia de ódio, não, nada disso, ele estava simplesmente irritado porque o seu aparelho de wi-fi era fraco e as TRÊS refeições diárias que lhe serviam no hotel não lhe agradavam, estavam sempre a dar-lhe macarrão com queijo, não se admite...
*
Fonte: https://www.jihadwatch.org/2020/06/scotland-muslim-migrant-who-murdered-three-was-very-hungry-migrants-enraged-with-culturally-inappropriate-food?fbclid=IwAR1GTF4sP3NMu9J_yGg0gN7k2zyLyKRHNK3y8qI3xnqRTNmH3fPAvZBoIkw

* * *

Portanto, já sabeis - este crime não conta nem como crime de ódio nem como terrorismo, no final do ano não será contabilizado como tal, assim é porreiro para o povinho não ficar a pensar que há muitos casos de violência muçulmana em solo europeu...

sexta-feira, junho 26, 2020

AUMENTO DOS PREÇOS DURANTE A PANDEMIA

Todos os dias, milhões de portugueses vão aos hipermercados para abastecer a despensa lá de casa. Ninguém vive sem comer e a pandemia não extinguiu esta espécie de “ritual”. Porém, nem tudo está igual. É preciso usar máscara para prevenir a Covid-19 e as entradas são constantemente controladas por seguranças.
Mas olhando para o talão das compras, muitos consumidores também se aperceberam de que outra coisa terá mudado. Sem prejuízo de estarem a adquirir mais coisas, uma vez que também passaram a consumir mais refeições em casa devido ao confinamento, os preços de alguns produtos aparentam estar mais caros.
Quem acredita ter visto a “factura” da mercearia a aumentar terá sido surpreendido pela última actualização da inflação pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Segundo o organismo oficial de estatística, os preços em Portugal terão caído no mês do desconfinamento, com o índice de preços no consumidor (IPC) a apresentar o valor de -0,7% em maio. Ou seja, terá havido deflação, isto é, uma redução generalizada dos preços.
Numa primeira análise, os dados parecem desmentir a percepção que muitas famílias tiveram de que as coisas ficaram mais caras nos meses da pandemia. Mas será mesmo assim? O ECO foi procurar saber, afinal, o que se passou para esta percepção se ter instalado entre muitos portugueses.
Um “mergulho” nos dados do INE coloca a descoberto uma realidade de subida generalizada dos preços dos bens alimentares em Abril, seguido de recuos em cadeia, ou seja, entre Abril e maio. Foi o efeito dos combustíveis que levou o IPC para terreno negativo no mês passado, porque, no que toca aos alimentos, a tendência é mesmo de subida.
É o próprio INE que, em resposta ao ECO, confirma essa subida: “Efectivamente, o IPC apurou em Abril um aumento generalizado de preços na maioria das subcategorias da classe dos produtos alimentares e bebidas não alcoólicas, dos quais se destacam os produtos hortícolas e o peixe, crustáceos e moluscos”, afirma fonte oficial do instituto.
Dados adicionais cedidos ao ECO mostram que, em Abril, os preços dos produtos hortícolas subiram 7,72% face a Março, enquanto a subcategoria do peixe, crustáceos e moluscos registou um aumento de 3,61%. Em termos homólogos, as subidas foram de 6,48% e de 5,69%, respectivamente.
Não foram, porém, as únicas subcategorias a registarem aumentos no mês em que Portugal registou o pico da pandemia, embora a volatilidade histórica destas componentes da inflação seja um factor a ter em conta. No caso das frutas, os preços subiram 1,56% em Abril face a Março, e registaram nova subida em Maio face a Abril, de 6,7%.
Não é claro o motivo exacto por detrás destes aumentos, mas os constrangimentos provocados pelo novo coronavírus na economia ajudam na explicação.
Veja-se o caso dos produtos hortícolas, uma subcategoria que abrange dezenas ou mesmo centenas de diferentes produtos, tais como batata, beringela ou alface. Em declarações ao ECO, Domingos dos Santos, presidente da Federação Nacional das Organizações de Produtores de Frutas e Hortícolas (FNOP), que representa fornecedores de todas as marcas de retalho nacionais, confirma que houve “um aumento dos custos em todos os processos”.
Admite, por isso, que as distribuidoras possam ter puxado pelos preços de alguns produtos de forma a mitigar o impacto nas margens de lucro. Mas nega que esses aumentos se verifiquem do lado do produtor. “Confirmo o aumento de custos na produção. Não há aumento de preço de venda pelo produtor, mas é possível que haja um aumento de preços ao consumidor”, indica, reiterando, ainda assim, não serem aumentos “generalizados”.
Dá como exemplo todo o processo desde a encomenda dos produtos pelas grandes superfícies ao transporte até às prateleiras dos hipermercados. Desde logo, um camionista, no passado, “chegava a central e ele próprio carregava as paletes. Agora, é preciso fazer procedimentos, desinfecção, monitorizar a temperatura corporal. Na própria central, as pessoas estão mais afastadas, algumas têm de fazer turnos”, explica.
No caso das carnes, o cenário é diferente. João Bastos, secretário-geral da Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores, garante que o preço no produtor até baixou no período da pandemia.
“Se a carne de porco está mais cara no retalho, não conseguimos encontrar justificações, uma vez que ao produtor o preço baixou (em termos médios) 30% no período compreendido entre a semana 11 e a semana 22 [9 de Março a 31 de Maio]. Nas semanas 23 e 24 [1 de Junho a 14 de Junho] já se assistiu à estabilização dos preços, prevendo-se que nas próximas semanas o preço pago ao produtor possa vir a subir mas nunca para níveis sequer próximos dos verificados no primeiro trimestre deste ano”, diz o responsável.
Contas feitas, havendo, o aumento será também no lado da distribuição, acredita: “Se efectivamente houve esse aumento dos preços ao consumidor, só podemos interpretar como um aproveitamento do apelo ao consumo de produtos nacionais para aumentar as margens de lucro na distribuição”, aponta.
O ECO contactou o Continente, que remeteu para a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED). No entanto, mesmo após insistência, não foi possível obter resposta da associação em tempo útil. Contactada, a Associação dos Comerciantes de Pescado também não respondeu. O grupo Dia, dono de insígnias como o Minipreço, não quis comentar, tal como o grupo Mosqueteiros, dono de insígnias como o Intermarché.
Contactado pelo ECO, o Pingo Doce não respondeu directamente sobre o aumento de preços patente nos dados do INE. Mas a marca da Jerónimo Martins garantiu, contudo, que “não só manteve os seus preços desde o início da pandemia como até aumentou a sua dinâmica promocional”. “Durante Abril e maio, o Pingo Doce lançou uma forte campanha promocional em televisão, com grandes promoções em várias categorias de produtos, ao mesmo tempo que divulgava e promovia os produtos nacionais”, sublinhou.
Certo é que o retalho vive um momento de pressão por causa da pandemia, à semelhança da generalidade das empresas, mas forçado a manter as portas abertas para que os Portugueses possam ter comida na mesa. Isto traduz-se em mais custos, mas engana-se quem acredita que as grandes superfícies comerciais saíram beneficiadas de tudo isto. A última actualização do INE mostra que o índice de volume de negócios no comércio a retalho afundou 21,6% em Abril, depois de uma queda de 5,6% em Março.
Para esta variação negativa contribuiu uma queda de 34,3% nas vendas de produtos não alimentares, enquanto os produtos alimentares caíram bem menos: recuaram 5% em Abril, depois de uma subida de 9% em Março, mês marcado pelo “açambarcamento” de alguns produtos.
*
Fonte: https://eco.sapo.pt/2020/06/26/esta-a-gastar-mais-dinheiro-no-supermercado-nao-e-impressao-sua/?fbclid=IwAR0IPt4VqJD6wkVuMdxdFp1HtUq69zQzop34EQcMAdTVo19vV37X5ct_F20   (Artigo originariamente redigido sob o acordo ortográfico de 1990 mas corrigido aqui à luz da ortografia portuguesa.)

quinta-feira, junho 25, 2020

CELEBRAÇÃO RELIGIOSA DO SOLSTÍCIO DE VERÃO NO BERÇO DA EUROPA


A religião nacional grega celebrou o Solstício de Verão, em homenagem aos deuses Apolo, Sol e Hermes e das virtudes da Eusallaxia e Eusalaxia, com uma cerimónia no Templo oficial de Atenas.
O rito para o Solstício de Verão foi realizado pelos anexos da H.E.E. em Rodes, Salónica, Serres, Creta e Chipre.
Desejamos a todos os gregos nacionais, e a todos os homens de qualidade, Evolução Espiritual para os mundos brilhantes dos nossos Deuses e poder espiritual para lidar com o obscurantismo e superstição evolutivo.
*
Fonte: https://www.facebook.com/YSEEHELLAS/photos/a.83982764561/10157418283014562/?type=3&theater

quarta-feira, junho 24, 2020

«BRITAIN FIRST» MANIFESTA-SE EM NOME DAS VIDAS BRANCAS CEIFADAS PELA IMIGRAÇÃO


Aproveitando o «fim do confinamento» em Inglaterra, óbvio pela maneira como as autoridades(?) permitiram as «manifes» antirras, activistas do grupo Britain First («A Britânia Primeiro») dirigiram-se a Westminster para lembrar que as vidas brancas interessam. Os insultos que lhes foram dirigidos pela infra-humanidade antirra não os demoveram. No cartaz que ostentaram - como se vê imagem acima - está uma foto de Emily Jones, criança inglesa de sete anos degolada há poucos meses por uma imigrante do terceiro-mundo, como aqui foi noticiado, enquanto o grosso dos mé(r)dia ignorou por completo este caso, visto que não corresponde à narrativa de diabolização do europeu e não serve por isso para incitar ao ódio contra a Europa, bem como ao complexo de culpa que (a Esquerda quer muito que) os Europeus possam ter...
*
Fonte: https://www.britainfirst.org/white_lives_matter_britain_first_flash_demos_outside_downing_street?fbclid=IwAR1d1PtJTeXnzBFvHtFMX_TveTNRivtu5JvSQHejp-6QekzMsxVDkTxoZuc

INGLATERRA - DIZER QUE AS VIDAS BRANCAS INTERESSAM DÁ AGORA PRETEXTO A INVESTIGAÇÃO POLICIAL


A polícia inglesa anunciou nesta terça-feira que está a investigar a exibição de uma faixa com a frase “White Lives Matter, Burnley” durante o jogo da Liga inglesa, entre o Burnley e o Manchester City.
Em Manchester, minutos depois do início da partida da 30.ª jornada, e já após os jogadores das duas equipas e os árbitros terem colocado os joelhos no chão num gesto de solidariedade para com o movimento “Black Lives Matter”, um avião deu várias voltas no céu, exibindo o slogan “White Lives Matter, Burnley” [vidas de brancos contam, Burnley].
A polícia de Lancashire confirmou que vai realizar uma investigação ao caso, bem como o Burnley, que prometeu afastar do seu estádio os autores do slogan, garantindo que vai “colaborar em pleno com as autoridades” para identificar os responsáveis.
“Isto não representa de maneira alguma os valores do Burnley e cooperaremos com as autoridades para identificar os responsáveis e tomar as medidas apropriadas. Queremos deixar claro que os responsáveis por este ato não são bem-vindos ao Turf Moor [estádio do clube]”, vincou o clube, em comunicado.
Burnley é, recorde-se, uma antiga cidade industrial e de mineração do norte da Inglaterra e foi, em Julho de 2001, palco de distúrbios raciais. É também uma cidade na qual o partido de extrema-direita British National obteve alguns sucessos eleitorais no início dos anos 2000.
O slogan “White Lives Matter” tem sido usado por grupos de extrema-direita que se opõem ao movimento “Black Lives Matter”, que ganhou expressão após a morte do afro-americano George Floyd.
Os jogadores da Premier League decidiram por unanimidade ajoelhar-se durante os primeiros jogos de recomeço da competição, gesto popularizado durante as manifestações de protesto pela morte de George Floyd.
*
Fonte: https://www.publico.pt/2020/06/23/desporto/noticia/faixa-white-lives-matter-liga-inglesa-vale-investigacao-policial-1921625?fbclid=IwAR3geOa3unzNlxH2lExjHNf8SuMa35mn3vkU2V1kS4hGPhnO4k19h18dCt8

* * *

A inqualificável trupe de jogadores e árbitros ajoelha-se, exprimindo uma posição política num jogo de futebol - mas a polícia vai é investigar uma manifestação de opinião autóctone em defesa dos autóctones. Pior que isto, só em tempos de ocupação por invasores, quando qualquer afirmação de soberania do povo é perseguida pelas autoridades da potência ocupante. Nunca antes se viu, na história da humanidade conhecida, uma obscenidade desta natureza, excepto, talvez, quando as autoridades militares cristãs de há mil e seiscentos anos proibiam e castigavam o culto dos Deuses Nacionais na Europa...
Contra esta sida ideológica, só o Nacionalismo democrático é cura. 

«AS AUTORIDADES SABEM QUE O TERRORISMO ISLÂMICO É INCOMPARAVELMENTE MAIS PERIGOSO DO QUE O DE EXTREMA-DIREITA»

Reino Unido: especialista das secretas, coronel Richard Kemp, diz «As autoridades sabem que a Extrema-Direita não é uma grande ameaça» terrorista, mas dizem que sim para fazer o jeito à Extrema-Esquerda e aos muçulmanos. 
*
Fonte; https://www.jihadwatch.org/2020/06/uk-authorities-know-far-right-extremism-is-not-a-major-threat-but-focus-on-it-to-appease-islamic-terrorists?fbclid=IwAR1QfkSET5M1DCVH-uGeGv3uqxatDxLzGkpFlfU-iT_Jdvc4GlovKjgWmCg

* * *

Não surpreende, já se adivinhava - a tropa histérica da inquisição anti-racista e «antifa» é a mesmíssima merda em todo o Ocidente, tem dois objectivos quando pressiona as autoridades a preocupar-se com o «perigo da extrema-direita!»:
- desviar as atenções da população relativamente ao terrorismo islâmico (e antifa);
- intimidar quem não pensa como a elite anti-racista, porque a campanha que faz vai no sentido de começar a denominar como «crime de ódio!» qualquer opinião «racista» que encontre nas redes sociais. 
Ora a bófia, claro, com medo da pressão dos chefes, dos partidos e da imprensa, lá lhe faz a vontade e manda umas bocas sobre a «ameaça da extrema-direita!» para que os ditos chefes, partidos e imprensa não batam tanto nos polícias...

ALEMANHA - JOVEM MOIRAMA PÕE ESTUGARDA A SAQUE

"Cenas de guerra civil", "violência sem precedentes": chovem condenações políticas na Alemanha após saques de lojas e confrontos entre centenas de jovens e a polícia de Stuttgart, na noite de sábado (20) para domingo (21). Mais de dez polícias ficaram levemente feridos e cerca de 20 pessoas foram presas durante o incidente de violência urbana que, de acordo com as autoridades locais, eclodiu após uma operação policial, por volta da meia-noite, para inspeccionar um caso de drogas, que degenerou.
Centenas de jovens, um número que pode chegar a 500, seguiram em pequenos grupos para o centro da cidade, criando uma situação caótica por horas. Muitas vezes usando capuzes para não serem identificados, eles "danificaram carros da polícia estacionados nas ruas, quebrando as suas janelas com barras de ferro", informou a polícia em comunicado.
Eles "jogaram pedras e pedaços de pavimentação removidas da via pública ou de canteiros de obras em direcção a outros veículos da polícia" e atacaram membros das forças policiais. No total, "mais de uma dúzia de polícias" ficaram levemente feridos, acrescenta o comunicado.
No caminho, os jovens também quebraram vitrinas e lojas foram saqueadas, principalmente numa das principais ruas comerciais da metrópole, como mostram diversos vídeos que circulam nas redes sociais. O canal de televisão pública local SWR destaca os danos a uma joalharia, um restaurante de fast food e uma loja de telemóveis.
A ordem ainda não tinha sido restabelecida às 3h da manhã (horário local), quando chegaram reforços policiais. Até 280 membros das forças de segurança foram mobilizados. Ao contrário do que acontece em outros países da Europa ou nos Estados Unidos, este tipo de violência urbana não é muito comum na Alemanha.
"Erupção brutal de violência"
Um político do Partido Social Democrata de Stuttgart, Sascha Binder, falou em "cenas dignas de uma guerra civil" e "brigas de rua", pedindo que toda a atenção seja lançada sobre a "noite horrível que Stuttgart conheceu". O chefe de governo do estado de Baden-Württemberg, no sudoeste do país, Winfried Kretschmann, denunciou "a erupção brutal da violência" e "actos criminosos".
O vice-ministro do Interior da região, Thomas Strobl, prometeu pesadas sanções. "A violência que experimentamos durante a noite em Stuttgart é de uma escala sem precedentes" na região, declarou ele ao jornal Die Welt.
Incidentes semelhantes já haviam ocorrido nos fins de semana anteriores na cidade, conhecida por ser o berço da montadora Mercedes, mas eram de magnitude muito menor.
*
Fonte: http://www.rfi.fr/br/europa/20200621-revolta-na-alemanha-ap%C3%B3s-cenas-de-tumulto-e-saques-em-stuttgart?fbclid=IwAR2Ki0EdXQEXabiLBJ0Qif0oNKCW0ileiYEH8V10hzsjHnYUndBpKXR8rp8&ref=fb

* * *

Noutra fonte, mais livre e/ou mais honesta, confirmam-se as suspeitas de qualquer «racista», a de que os «jovens» eram maioritariamente alógenos do terceiro-mundo, conforme aqui se lê: https://www.jihadwatch.org/2020/06/germany-muslim-migrants-screaming-allahu-akbar-riot-smash-windows-loot-stores-stone-cops-injure-19-officers

«Aláhu acbar!» ou «Alá é maior!» (maior que os outros, NOTE-SE), é o que se ouve neste vídeo dos tumultos de Estugarda:
https://www.youtube.com/watch?time_continue=54&v=d4iClAqaN9Y&feature=emb_logo&fbclid=IwAR25iBs8xYofzlRqjGAQE9mR3PrGkdUDNpP-SdkmG-pqraIlBx34GAW8raY

 Ah, este caldinho cultural - imigração de diferentes origens, Islão, se calhar antifaria, tudo na Europa, como é que os Europeus conseguiriam sobreviver sem esta maravilha... os Europeus precisam muito disto 
- «por causa da economia!» (treta, porque a automatização vai acabar com muitos postos de trabalho, logo, não vai haver lugar para imigração)
- «por causa da demografia!» (treta, porque isso é como encher de azeite uma garrafa de vinho e continuar a marrar que é vinho «porque o rótulo, ou o papel, assim o diz!»)...

PRESIDENTE DA REPÚBLICA ENTREVISTADO PELA TVI POR IR A FUNERAL DE ACTOR...

O presidente dos afectos, que tanto se cala em matérias importantes, arranja sempre maneira de tecer comoventes palavras sobre temas da moda, desde que não caia em controvérsia, claro está. «Tinha» por isso de ir ao funeral de um actor de televisão. Enfim, vende o seu peixe. Agora, que uma estação de televisão lhe dê o tempo de antena que agora se viu na TVI só para o chefe de Estado ser ouvido a mandar para o ar umas banalidades sobre o falecido - considerações de quem só viu o actor ao vivo uma vez ou coisa assim - mostra bem o que é a comunicação social neste País. Note-se que este canal até é privado - confirma-se que, em matéria de comportamentos de elite, as «têvês» são todas iguais, porque a elite me(r)diática é toda a mesma...

HÁ CADA VEZ MAIS JOVENS INFECTADOS POR COVID-19

Com o desconfinamento de Maio, a abertura dos restaurantes, das esplanadas e a possibilidade de se fazerem ajuntamentos em jardins, acompanhados de bebida e de petiscos, surge um novo padrão de infectados por COVID-19: a população mais jovem, que, mesmo não frequentando festas com grandes ajuntamentos, não vê mal em negligenciar as regras do distanciamento social.
São os novos doentes do Hospital de Santa Maria: “Estes jovens associaram a ideia de desconfinamento a que já estava tudo bem e era possível relaxar nos cuidados. Os que nos estão a chegar não se contaminaram em grandes festas; foram infectados no dia a dia. Parecem achar que a doença só é transmitida por quem tem sintomas, o que está profundamente errado. Estou muito preocupada com a abertura dos centros comerciais, cafés e com o fim das aulas”, explica no artigo exclusivo do jornal "Expresso" Sandra Braz, coordenadora da Unidade de Internamento de Contingência de Infecção Viral Emergente e responsável pelas enfermarias onde estão doentes com COVID-19 neste hospital de Lisboa — onde trabalham mais 50 médicos, enfermeiros, auxiliares. Aqui estão disponíveis 63 camas, das quais 44 estavam ocupadas na quinta-feira passada, 18 de Junho, com doentes com idades entre os 21 e 99 anos.
Se numa primeira e segunda fase os doentes positivos que chegavam ao hospital eram aqueles que, com idades entre os 30 e o 50 anos, tinham estado a passar férias em Itália (de seguida os familiares, com entre 60 a 70 anos) e depois os trabalhadores e infectados dos lares, nesta terceira etapa são os mais jovens a dar entrada:  “São os infectados do pós-confinamento, que se contagia­ram porque saíram de casa", diz Sandra Braz.
Além de trabalhadores da construção civil, de cuidadores de idosos ao domicílio, imigrantes de vários países, chegam agora os jovens saudáveis, de classes sociais equilibradas e com comportamentos de risco. "Alguns têm de ser transferidos para os cuidados intensivos, devido ao agravamento do estado clínico", escreve o mesmo jornal.
“São jovens que organizam jantares em casa e que parecem pensar que por ser em casa não há perigo. Jovens que no trabalho usam máscara e desinfectam as mãos, mas à noite reúnem-se em grupo e não usam protecção. Alguns foram visitar amigos que estavam infectados e não se protegeram. Parecem viver numa adolescência prolongada, em que não cabe a responsabilidade, associada a um sentimento de desafio ao risco e a uma necessidade de pertença ao grupo, em que quem não acompanha a maioria pode ser excluído", diz Sandra Braz.
Ao contrário do que é a ideia geral, segundo Sandra Braz, muitos doentes idosos saem dos cuidados intensivos mais rapidamente do que os mais novos. "Temos jovens que se mantêm em situação muito crítica e durante mais tempo nos cuidados intensivos e, daquilo que conhecemos da infecção, isso ocorre devido à reacção do sistema imunitário destes doentes mais novos, que é muito mais intensa do que a dos mais velhos, podendo causar uma reacção inflamatória multi-orgânica que pode descompensar o organismo e ser muito grave."
*
Fonte: https://magg.sapo.pt/saude/artigos/hospital-de-santa-maria-recebe-cada-vez-mais-jovens-infetados-com-covid-19-foram-infetados-no-dia-a-dia?fbclid=IwAR03uYUtlWOg4_mVFcmEvJMYR_sSNCf92vDsjWDWmJ5KyM5M1SCcp8ThVd8   (Artigo originariamente redigido sob o acordo ortográfico de 1990 mas corrigido aqui à luz da ortografia portuguesa).

AUMENTA A CRIMINALIDADE VIOLENTA EM PORTUGAL

A criminalidade violenta e grave subiu 3% no ano passado relativamente a 2018, tendo sido registados 14.398 crimes violentos, 40 por dia, segundo dados do Relatórios Anual de Segurança Interna que deverá ser aprovado hoje.
De acordo com o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) que será hoje aprovado pelo Conselho Superior de Segurança Interna, houve mais roubos na via pública, em comércios, mais raptos e sequestros, mais violações, mais agressões graves e mais carjackings (roubos de carros).
O crime em geral também subiu, tendo sido registados mais de 335 mil crimes, mais 0,7% (2.400) em comparação com 2018.
Segundo o relatório, os roubos na via pública foram os crimes violentos que mais subiram em 2019, com quase seis mil casos (mais 627, +11,8%).
Os roubos em comércio subiram para 432 (mais 29,8%) e os de carjacking foram 126 (mais 20 casos, +18,9%).
“Os roubos em escolas também subiram: foram 32 (+23,1%). Os roubos, nas diferentes formas, somados atingem os 75,9% do total de crimes graves e violentos. Desciam desde 2009”, escreve o CM.
De acordo com o RASI, as agressões graves foram 661 (mais 82 casos, +14,2%) e no ano passado houve 338 raptos e sequestros (mais 65, +23,8%).
No que diz respeito às violações foram registadas 431 (+2,4%) – é o terceiro ano consecutivo de subida dos números deste crime em particular.
Os crimes de homicídio voluntário consumado desceram em 2019 para 89 (menos 21, -19,1%), ainda assim um valor mais elevado que 2016 (76) e 2017 (82), segundo o relatório.
O RASI destaca ainda o aumento da delinquência juvenil (cometida por jovens entre os 12 e os 16 anos). Há 1.568 registos (mais 86, +5,8%), invertendo o decréscimo de anos anteriores.
Quanto à violência doméstica, os dados indicam que subiu 11,4%, tendo sido registados 29.498 crimes na categoria (mais 3015, +11,4%).
Os crimes relacionados com moeda falsa também dispararam em 2019: 13 705 apreensões (+45%), num total de 1 milhão de euros (+68%).
Também a burla informática subiu, tendo sido denunciadas no ano passado 16.310 (mais 6.527, +66,7%). Houve 10.990 “outras burlas” (-4,7%).
O relatório destaca também um aumento nas agressões simples, tendo sido registadas no ano passado 23.279 (mais 455, +2%). Ameaça e coação também: 15.136 (+5,1%).
O RASI, citado pelo jornal, indica igualmente que Castelo Branco (+20,7%), Portalegre (+10,5%), Faro (+8,3%) e Aveiro (+5,9%) são os distritos a liderar a subida do crime geral.
É ainda destacado no relatório que PSP, GNR, PJ, SEF e Polícia Marítima terminaram 2019 com 44.642 elementos (45.522 em 2018). Saíram 1.284 polícias e apenas entraram 411.
O Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2019, documento no qual são publicadas as estatísticas da criminalidade e os resultados operacionais das polícias, deveria ter sido divulgado há três meses.
A Lei de Segurança Interna obriga que o RASI seja enviado ao parlamento até 31 de Março, mas a declaração do estado de emergência no dia 18 desse mês, por causa da covid-19, levou a que o gabinete do primeiro-ministro pedisse a suspensão do prazo.
No início do ano o ministro da Administração Interna adiantou que os dados preliminares do RASI apontavam para uma nova descida da criminalidade violenta em 2019.
No RASI é feita uma análise e avaliação pelo Conselho Superior de Segurança Interna – que integra, entre outros, todas as forças e serviços de segurança, secretas, Forças Armadas e respectivos ministros de tutela – e preparadas as prioridades estratégicas para o ano seguinte.
*
Fonte: https://semanariov.pt/2020/06/23/aumento-de-crimes-violentos-em-portugal-mais-roubos-agressoes-e-violacoes/?fbclid=IwAR1bXX-YfNGS_6DNqwdkWlXAT54ZwCZXV4atLyF-4B3Vhwsamkl1LtCGNdc

* * *

Ainda bem que Portugal é o «terceiro ou segundo mais seguro do mundo», que faria «se» não fosse... «se» não fosse, era o quinto país europeu com mais assaltos, como diz um relatório europeu de 2017. Há que continuar a dar cidadania a todos e mais alguns, enquanto se fragiliza o poder das forças da autoridade, assim é que é bom, que «isto» está a correr muit'a bem.

ÁUSTRIA - LÍDER NACIONALISTA AMEAÇADO DE MORTE POR MUÇULMANOS

Na Áustria, o líder do partido nacionalista FPO, Norbert Hofer, tem sido ameaçado de morte por muçulmanos depois de criticar o Alcorão. 
Hofer já foi candidato às eleições presidenciais, ficando perto da vitória. 
*
Fonte: https://www.jihadwatch.org/2020/06/austria-muslims-threaten-to-murder-politician-for-criticizing-the-quran?fbclid=IwAR3gyrrJoHclMkMyj7m2Sl-mheQDCTqLzcf6Nz0AiorSe1V8MJgi0aLXkiM

* * *

Confirma-se o que tenho aqui dito: mais imigração do terceiro-mundo traduz-se em menos liberdade de expressão dos Europeus em sua própria casa.

BANGLADESH - DEZ TEMPLOS «INFIÉIS» ATACADOS POR MUÇULMANOS EM MAIO

No Bangladesh, hordas de muçulmanos vandalizam pelo menos 10 templos hindus, isto só no mês de Maio. A zona já foi de maioria hindu, antes da invasão muçulmana...
*
Fonte: https://www.opindia.com/2020/06/bangladesh-religious-persecution-minorities-hindus-buddhists-temple-vandalised-idols-violence-murder-rape/?fbclid=IwAR2gvC8Y4GPYSHO1ciKpIqbtbUcbXGGX21fs3rFLL8IFh7umPxrER_FhzdI

* * *

De quem será a culpa, do «racismo!» europeu ou do Trump... ou se calhar o Islão faz a mesmíssima merda em toda a parte em que tenha força para isso, desde há 1400 anos, mais concretamente desde o próprio Maomé, glorificado na doutrina muçulmana por destruir estátuas de Deuses pagãos...

GRÉCIA - ALÓGENOS CONSTROEM MESQUITA EM TERRENO ALHEIO

Na ilha grega de Lesbos, imigrantes constroem mesquita na propriedade de uma autóctone, Maria Komninaki, a qual se queixa de que as autoridades nada fazem - e que fingem não ouvir sequer o chamado diário do imã à oração.
A grega que se ponha a pau, que ainda lhe nasce ali no seu terreno um fungo tipo Cova da Moura, bairro construído ilegalmente em terreno de proprietário que até hoje não foi ressarcido, creio, por essa usurpação...
*
Fonte: https://www.breitbart.com/europe/2020/06/16/greek-landowner-discovers-makeshift-mosque-built-illegal-migrants-her-property/?fbclid=IwAR3gyrrJoHclMkMyj7m2Sl-mheQDCTqLzcf6Nz0AiorSe1V8MJgi0aLXkiM

BATALHA DE S. MAMEDE, PRIMEIRO MOMENTO DA SOBERANIA NACIONAL


Tinha de ser um sóbrio monumento pétreo a celebrar a batalha da independência de Portugal. Este país nasceu dos castros, que são só rocha e névoa nos confins do extremo ocidente. Nasceu portanto bem antes de D. Afonso Henriques, antes até do seu pai vir parar ao Condado Portucalense. A primeira batalha dos Portucalenses foi a de Pedroso em 18 de Janeiro de 1071, quando Nuno Mendes morreu ao tentar alcançar a soberania de Portuscale.
Uma Nação não é criada por um rei, seja ele qual for, porque uma Nação não é um Estado. Uma Nação é um Povo com uma língua própria e isso nem foi criado por D. Afonso Henriques nem poderia ser criado por nenhum outro líder. O Estado existe para dar soberania à Nação. O que D. Afonso Henriques fez foi dar soberania a uma Nação que em tudo o precedia.

Sobre o monumento que acima se vê (http://www.guimaraesturismo.com/pages/154?geo_article_id=118):
«Segundo a tradição de muitas gerações, foi em S. Torcato que teve início, em 24 de Junho de 1128, a Batalha de S. Mamede, na qual D. Afonso Henriques conquistou a chefia do Condado Portucalense e iniciou o processo político da independência de Portugal, ao afastar a tentativa de hegemonia galega. Não deixa de ser significativo que o nome do lugar seja o de "Campo da Ataca" - ou do ataque - designação guerreira bem sugestiva.

Em 1996 foi inaugurado o actual arranjo artístico-monumental, que celebra este acontecimento.»

Sobre a batalha:

A Batalha de São Mamede foi uma batalha travada a 24 de Junho de 1128, entre D. Afonso Henriques e as tropas dos barões portucalenses contra as tropas do Conde galego Fernão Peres de Trava, que se tentava apoderar do governo do Condado Portucalense. As duas facções confrontaram-se no campo de São Mamede, perto de Guimarães.

Antecedentes
Quando o conde D. Henrique morreu, em 1 de Novembro de 1112, fica D. Teresa a governar o condado, pois achava que este lhe pertencia por direito, mais do que a outrem, porque o seu pai lhe teria dado o território na altura do casamento. Associou ao governo o conde galego Bermudo Peres de Trava e o seu irmão Fernão Peres de Trava. A crescente influência dos condes galegos no governo do condado Portucalense levou à revolta verificada em 1128. Os revoltosos escolheram para seu líder D. Afonso Henriques, filho de D. Henrique e de D. Teresa.
Resultado
Com a derrota, D. Teresa e Fernão Peres abandonaram o governo condal, que ficou então nas mãos do infante e dos seus partidários, o que desagradou ao Bispo de Santiago de Compostela, Diogo Gelmires, que cobiçava o domínio das terras. D. Teresa desistia assim da ambição de ser senhora de Portugal. Há rumores não confirmados que ela teria sido aprisionada no Castelo de Lanhoso. Há até quem relate as maldições que D. Teresa rogou ao seu filho D. Afonso Henriques.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_de_S._Mamede

Para ler mais pormenores, clicar aqui: http://www.publico.pt/opiniao/jornal/guimaraes-e-a-batalha-de-s-mamede-26731714

Trecho:
Durante os sécs. XIV a XVI, os historiadores passaram a atribuir maior importância à Batalha de Ourique, ligando-a à aclamação de D. Afonso Henriques como rei, sancionada pela visão miraculosa de Cristo. Porém, a partir do séc. XIX, é restituída à Batalha de S. Mamede o significado nacional que lhe havia sido atribuído inicialmente nos referidos Anais.