sexta-feira, fevereiro 17, 2017

JOVIANO, FIGURA NEGRA DA EUROPA

A 17 de Fevereiro de 364 morreu o imperador Joviano, que tinha re-cristianizado o império após a morte do re-paganizador Juliano (363). Tal como o seu antecessor, também Joviano faleceu em circunstâncias pouco clarificadas, havendo a suspeita de que de um homicídio se tenha tratado. Foi sucedido por Valentiniano I, líder brutal no campo político mas, em geral, menos intolerante religiosamente que os demais imperadores cristãos... A Paganidade teve mais algum tempo de meio termo entre a proibição e a ténue sobrevivência, o que permitiu talvez que alguns dos seus elementos permanecessem por mais tempo do que permaneceriam caso a cristianização tivesse acontecido a um nível ainda mais rigoroso.

EM ZONA ALTAMENTE AFRICANIZADA - JOVEM BRANCA SOZINHA ESPANCADA POR «GENTE» DE PELE ESCURA...

"A minha filha andava a receber ameaças há vários dias. Tanto que, na quarta-feira, nem a deixei ir à escola. Ontem ela pediu-me para ir com uma amiga a casa da avó e fizeram-lhe uma espera. Nem consigo ver estas imagens, o que lhe fizeram não tem perdão". Maria Carvalho conta assim mais um caso de violência extrema entre adolescentes.
A filha, uma estudante de 13 anos, foi agredida por um grupo de 10 a 15 raparigas no Seixal, esta quarta-feira. Dois vídeos a que o CM teve acesso mostram como a vítima é rodeada de raparigas que a insultam e agridem, em dois momentos diferentes. Tudo a ser filmado por vários telemóveis. "Uma das coisas que me choca é que se filmem estas coisas e que não apareça ninguém a defender a minha filha. Quem filmou também é agressora". Os vídeos foram partilhados nas redes sociais. 
A mãe apresentou queixa da PSP e quer que os vídeos sejam divulgados "para que não hajam outras meninas a ser agredidas que tenham medo de se queixarem".  
A PSP está a investigar as agressões a uma jovem, de 13 anos, que ocorreram na Amora, concelho do Seixal, existindo vídeos dos factos que estão no processo, disse hoje à Lusa fonte policial.
"A PSP deslocou-se ao Centro de Saúde da Amora para uma ocorrência em que uma jovem teria sido agredida por outros alunos da escola. No local, a PSP identificou testemunhas e recolheu elementos para a participação", disse à Lusa fonte da PSP.
As imagens das agressões à jovem, que ocorreram na tarde de quinta-feira, têm circulado nas redes sociais e já estão na posse das autoridades. "A mãe deslocou-se à PSP e disponibilizou vídeos com a jovem a ser agredida. A PSP juntou os vídeos à participação e vai entregar no tribunal", acrescentou. Segundo a mesma fonte, a PSP está a procurar apurar a identidade das agressoras, referindo que é uma "questão de tempo" até o conseguirem. 
*
Agradecimentos ao Arauto por ter aqui trazido esta notícia: http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/adolescente-espancada-por-grupo-de-raparigas-no-seixal

* * *

Mais um episódio do quotidiano europeu enriquecido pelo calor humano oriundo dos trópicos...
O que será que vai ser preciso fazer para que os Europeus possam viver em paz na sua própria terra?...

BATALHA DE KARUSE


A dezasseis de Fevereiro de 1270 as forças pagãs do Grande Ducado da Lituânia infligiram clara derrota às tropas cristãs da Ordem Livónica, também conhecida como Irmãos Livónicos da Espada, ramo da famosa Ordem Teutónica, braço armado alemão da Cristandade. A Ordem Livónica, estabelecida em 1202, estava apostada em converter ao Cristianismo as populações da actual Letónia e Estónia. Dominou o Povo dos Semigalos (tribo sita numa área que abrangia parte da Letónia e norte da Lituânia) em 1250. Após as derrotas da Ordem Livónica na Batalha de Skuodas em 1259 e na Batalha de Durbe em 1260, os Semigalos revoltaram-se. Traidenis, que se tornou no grande duque da Lituânia por volta de 1269-70, apoiou a rebelião. No Inverno de 1270, a Ordem Livónica invadiu a Semigália. Contudo, ao tomar conhecimento de que um vasto exército lituano também estava na área, o mestre Otto von Lutterberg, comandante da ordem, levou a cabo uma retirada para Riga. Os Lituanos marcharam para norte, chegando à ilha de Saaremaa, que conseguiram alcançar porque o Mar Báltico estava nesse momento congelado. O exército lituano saqueou a zona, tomando portentoso saque de guerra. Não é nítido se os Semigalos se juntaram aos Lituanos e participaram na campanha.
O mestre da Ordem, Lutterberg, reuniu um vasto exército de cavaleiros livónicos, soldados do Bispado de Dorpat, do Bispado de Ösel-Wiek, da Estónia dinamarquesa, bem como de tribos locais dos Livs e dos Latgálios. Há um ano que a Ordem se preparava para a expedição e marchou para norte, ao encontro dos Lituanos. Os exércitos encontraram-se na ilha gelada estoniana de Muhu.
Foi a quinta maior derrota da Ordem Livónica e da Ordem Teutónica no século XIII. Quase tudo o que é sabido do confronto está na Crónica Livónica em Rima, que dedicou à batalha 192 linhas. Aqui, diz-se que mil e seiscentos soldados (número eventualmente exagerado) lituanos morreram em combate, enquanto do lado da Ordem se perderam cinquenta e dois cavaleiros (incluindo o próprio mestre Lutterberg) e seiscentos homens a pé.
Para levantarem o moral, o vice-mestre Andreas von Westfalen decidiu alcançar uma vitória rápida. A meio de 1270, ficou a saber que havia outra incursão lituana na Livónia e levou para lá os seus soldados. Enquanto os seus cavaleiros resistiam, os lituanos atacaram-lhe o campo e mataram von Westfalen e mais vinte cavaleiros, naquilo que ficou conhecido como a Batalha de Padaugava, que foi a décima maior derrota dos Cavaleiros Teutónicos. Em 1279, Traidenis tornou a bater a Ordem Teutónica, desta feita na Batalha de Aizkraule...
*
Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Karuse

* * *

Devido à desproporção das forças militares - de um lado, tribos pagãs locais, do outro, a Cristandade potencialmente em peso - os Lituanos acabaram por ter de aceitar o credo do Judeu Morto. Foram provavelmente o último Povo pagão da Europa. Mas a sua resistência demorada permitiu que muito do seu património religioso se preservasse, daí que actualmente a sua renovação pagã, ou seja, o retorno ao culto dos seus Deuses Nacionais, esteja particularmente pujante.


quarta-feira, fevereiro 15, 2017

CELEBRAÇÃO RELIGIOSA NO ÂMAGO DA EUROPA


Celebração pagã invernal algures na Polónia em honra de Veles, Deus dos Mortos, equivalente ao Deus do mês de Fevereiro, Februus, possível equivalente também - até etimologicamente, alvitro eu - do céltico «lusitano» Endovélico.
*
https://www.facebook.com/StowarzyszenieKolomir/posts/700999450073191

MUROS

Vez por outra ouve-se por aí o argumento anti-racista e anti-nacionalista com sabor romântico-idealista pimba de que as fronteiras terrestres não se vêem a partir do espaço. Pudera, do espaço também se não vêem pessoas... De qualquer modo tem piada, a propósito, que a única obra humana que se dizia ser visível a partir da Lua fosse a Grande Muralha da China, um monumento à defesa de um Povo contra a invasão de outro... corrijo o tópico à luz do que diz a Wikipedia, que afinal o monumento não é visível a partir da Lua... mas que é uma das poucas obras humanas visíveis do espaço, isso parece confirmado...

IGREJA DECLARA-SE PREOCUPADA COM A ASCENSÃO DO NACIONALISMO...

O secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, declarou esta semana que a Igreja está preocupada com o crescimento dos movimentos nacionalistas e populistas, tanto na Europa como nos EUA.
“I think so, I think so,” Parolin said. “Certainly these closings are not a good sign,” since many of them “are born of fear, which is not a good counsellor.”
The Cardinal also recalled recent comments by Pope Francis, saying that “there is a risk of history repeating itself.”
In a lengthy interview with the Spanish daily El País in late January, Pope Francis was asked whether he was concerned about the spread of a populism that capitalizes on “people’s fears,” preaching “a message of hate.”
In his reply, Francis distinguished between a good, grassroots populism, where it is the people who are “the protagonists,” and a cult of personality where a charismatic figure like Hitler rises to power and is welcomed as a savior figure.
“For me the most typical example of populism in the European sense is the Germany of 1933,” Francis said. After Hindenburg, “Germany tries to get back up, searches for its identity, looks for a leader, someone to give it back its identity and a youngster named Adolf Hitler says, ‘I can do it; I can do it.’”
Whereas the first sort of populism is a good thing, the latter can be very dangerous, he said.
The risk, Francis said, is that in times of crisis we lack judgment and people can begin to think, “Let’s look for a savior who gives us back our identity and let’s defend ourselves with walls, barbed-wire, whatever, from other people that may rob us of our identity.”
“And that is a very serious thing,” he said. “That is why I always try to say: talk among yourselves, talk to one another.”
In the same interview, the Pope was asked specifically whether he was worried about Donald Trump, whom the interviewer described as a xenophobe filled with “hatred for foreigners.”
Francis said that the new U.S. President deserved to be judged by his actions, not by “prophecies” of what he may or may not do.
“I think that we must wait and see,” Francis said. “I don’t like to get ahead of myself nor judge people prematurely. We will see how he acts, what he does, and then I will have an opinion.”
The Pope said it is “most unwise” to be afraid of something that might or might not happen.
“It would be like prophets predicting calamities or windfalls that don’t take place. We will see. We will see what he does and then evaluate,” he said.
“I prefer to wait and see,” he said.
*
http://www.breitbart.com/national-security/2017/02/14/vatican-expresses-concerns-spread-nationalism-populism/
Agradecimentos ao camarada Horta Nobre por ter também trazido esta notícia aqui.

* * *

Pois claro que a Igreja está preocupada com o florescimento do Nacionalismo - o essencial do apelo nacionalista deita por terra o universalismo militante, desenraizador e inimigo das identidades, que o credo da Cristandade sempre quis impingir em todo o mundo. 

Etiquetas:

A RAIZ PROVÁVEL DO DIA DOS NAMORADOS...


Dia 15 de Fevereiro é marcado pela celebração da Lupercalia, cuja designação vem de «Lupus», isto é, «Lobo». Pode ter a ver com a Loba que amamentou Rómulo e Remo, as crianças em cujo futuro se albergava a fundação de Roma.
Trata-se da culminação de uma sucessão de dias ditos «nefastos», que, neste contexto, não significa que sejam necessariamente maus, mas sim perigosos, e é a um tempo uma festa de fertilidade, da vinda da Primavera e da prestação de honras aos antepassados mortos.
A festa é dedicada a FAUNUS, e começava com os sacerdotes luperci a sacrificar bolos, e um bode (e/ou um cão), cujo sangue era passado pela testa dos jovens reunidos, e começava então uma correria, com estes jovens circulando em torno do monte Palatino (cerca de 5 km) percorrendo o caminho que Rómulo seguiu ao traçar a linha de circunscrição de Roma (no acto da fundação da cidade), e circulando pelas ruas da cidade, batendo com peles de bode nas mulheres jovens que encontrassem, para as fertilizar.
Celebração de carácter sexual, incluía naturalmente muito daquilo a que se chama «rebaldaria».

A cor deste dia é o vermelho, a mesma cor do dia de S. Valentim, possivelmente inventado para substituir a festividade pagã. 

terça-feira, fevereiro 14, 2017

BISPOS NORTE-AMERICANOS APOIAM BLOQUEIO DA LEI ANTI-IMIGRAÇÃO DE TRUMP

Nos EUA, os bispos norte-americanos saudaram a decisão do tribunal de apelação que a nove de Fevereiro invalidou a proibição da entrada de imigrantes muçulmanos no país promulgada pelo presidente Donald Trump.
Note-se que na lei de Trump estava incluída uma preferência pela relocalização de minorias cristãs...
O reverendo Joe Vasquez, bispo de Austin, Texas, que preside o Comité da Migração, declarou: «Apoiamos a decisão do Tribunal de Apelação do Nono Circuito. Respeitamos o primado da lei e o processo judicial americano. Permanecemos firmes no nosso compromisso para recolocar os refugiados e todos os que fogem à perseguição. Nesta altura, permanecemos particularmente dedicados a garantir que os refugiados afectados e as famílias imigrantes não são separadas e que continuam a ser bem-vindas no nosso país. Continuaremos a acolher o recém-chegado uma vez que isso é uma parte vital da nossa fé católica e um elemento permanente dos nossos valores e tradição americanos.»
*
Fonte: https://www.jihadwatch.org/2017/02/us-catholic-bishops-heedless-of-jihad-terror-risk-welcome-block-of-trump-immigration-ban

* * *

Mais uma vez se constata como a Igreja está totalmente ao lado da restante elite reinante a favor da iminvasão do Ocidente. Imagine-se o que seria o mundo ocidental se esta gente tivesse aqui tanta influência como há cinquenta ou sessenta anos...
Contra este veneno só o Nacionalismo se ergue.


Etiquetas:

ISLÃO - MODERADOS E RADICAIS...


BÉLGICA VAI EVENTUALMENTE EXPULSAR IMIGRANTES NASCIDOS NO PAÍS SE FOREM CONSIDERADOS PERIGOSOS

Na Bélgica, o parlamento federal aprovou na semana passada um projecto de lei para facilitar a expulsão de residentes estrangeiros, mesmo os que tenham nascido no País, se forem considerados como uma «ameaça para a ordem pública e a segurança nacional.»
Até agora estes estrangeiros com residência legal na Bélgica estavam protegidos por uma lei de 2005 que impedia a sua deportação inclusivamente em caso de condenação criminal, já que o governo considerava que expulsar uma pessoa com «laços importantes com o país» constituía uma «sanção dupla».
O projecto de lei recebeu o apoio do VLD (liberais e democratas), CDH (democratas-cristãos francófonos), CD&V (democratas-cristãos flamengos), MR (conservadores) e N-VA (nacionalistas flamengos). O texto foi iniciativa do secretário de Estado e Asilo e Migração, Theo Francken, que disse ser seu objectivo travar «os combatentes sírios». Famoso é o caso de Salah Abdeslam, um dos jihadistas dos atentados de 13 de Novembro de 2015 em Paris, que não poderia ter sido deportado da Bélgica devido ao facto de ter passado a sua infância em Molenbeek, bairro de Bruxelas.
O texto aprovado foi condenado pelo Partido Socialista e por grupos ecologistas, que consideraram tal medida «discriminatória e ineficaz.» A deputada socialista Monica de Coninck advertiu para o perigo de criar «duas categorias de cidadãos» e insistiu que «todos os nascidos na Bélgica pertencem à sociedade belga.»
*
Fonte: http://gaceta.es/noticias/belgica-expulsara-los-inmigrantes-nacidos-pais-amenazan-seguridad-10022017-1247

* * *

A Bélgica melhora-se... se a lei passar, trata-se de um caso em que se confirma o velho dichote de que há males que vêm por bem... o terrorismo islâmico pode bem servir como pretexto para que a reacção política de que é exemplo esta medida possa travar e talvez reverter a descaracterização étnica da Europa.

POLÍCIAS CONSIDERADOS HERÓIS POR ABATEREM TERRORISTA NÃO VÃO SER CONDECORADOS PORQUE TÊM OPINIÕES POLÍTICAS «ERRADAS»...

Foram considerados heróis, mas por pouco tempo. Os dois polícias italianos que mataram o autor do atentado ao mercado de natal em Berlim, em Dezembro do ano passado, iam ser condecorados pelo governo alemão pelo acto considerado “heróico”. No entanto, a simpatia assumida por políticas de Extrema-Direita anularam a homenagem a Cristian Movio, de 36 anos, e Luca Scatà, de 29 anos.
Os dois polícias receberam elogios de políticos e anónimos, incluindo da própria Angela Merkel, que agradeceu a acção dos dois italianos. O ministro do interior italiano, Marco Minniti, fez mesmo questão de classificar o ato como “heróico e exemplar”.
Cristian Movio e Luca Scatà sempre assumiram publicamente a sua simpatia por ideais fascistas. Nas redes sociais ambos divulgavam com frequência imagens e frases afectas a Mussolini e Hitler.
A decisão do governo federal em não dar condecoração a estes polícias é absolutamente correcta, por causa da sua atitude neo-fascista”, afirmou o político alemão Stephan Mayer, que aplaudiu a atitude do governo em voltar atrás.
A situação está a causar tantas ondas de choque que os dois polícias italianos já tiveram inclusive de ser transferidos para outras localidades, não identificadas,com o objectivo de os proteger. Essa medida, de acordo com a imprensa italiana, está igualmente a causar muita contestação.
*
Fonte: http://observador.pt/2017/02/13/atentado-de-berlim-simpatia-pelo-fascismo-leva-governo-alemao-a-cancelar-condecoracao-aos-policias-que-mataram-terrorista/   (Artigo redigido sob o acordo ortográfico de 1990 mas corrigido aqui à luz da ortografia portuguesa.)
Agradecimentos ao Arauto por ter aqui trazido também esta notícia.

* * *

Um acto inequivocamente totalitário - atacar os indivíduos ao nível profissional devido ao seu delito de opinião. E que um político «de Direita» tenha o topete de dizer que assim mesmo é que é, os bófias não devem ter o prémio merecido porque têm ideias políticas proibidas, só confirma o à vontade com que a elite reinante assume querer violar a liberdade política dos cidadãos. E depois é «isto» que diz defender a Democracia... e depois é «isto» que se queixa quando a Democracia lhes sai pela culatra nas ventas à força toda e dá cada vez mais força ao Nacionalismo.

SUÉCIA - AGENTE DA POLÍCIA «CRIA» POLÉMICA AO DIZER VERDADES SOBRE O CRIME VIOLENTO COMETIDO POR ALÓGENOS NÃO EUROPEUS

Na Suécia, um agente da polícia, Peter Springare, «causou» polémica imensa ao escrever no Facebook um tópico em que relacionava o crime violento com imigrantes (não europeus). Springare, que já pouco ou nada tem a perder porque está para se reformar, fala simplesmente do que a sua experiência de quarenta e sete anos ao serviço lhe deu a conhecer:
«Aqui vamos nós; isto foi aquilo com que lidei de Lues a Vernes desta semana: violação, violação, roubo, agressão grave, assalto-violação e violação, extorsão, chantagem, agressão, violência contra a polícia, ameaças contra a polícia, crime de drogas, drogas, crime, delito agravado, tentativa de homicídio, violação outra vez, extorsão outra vez e mau tratamento». «Perpetradores suspeitos: Ali Mohammed, Mahmod, Mohammed, Mohammed Ali, novamente, novamente, novamente. Christopher… o quê, será verdade? Sim, um nome sueco surge nas bordas do crime de droga. Mohammed, Mahmod Ali, outra vez e outra vez.» «Países a representar todos os crimes desta semana: Iraque, Iraque, Turquia, Síria, Afeganistão, Somália, Somália, Síria outra vez, Somália, desconhecido, país desconhecido, Suécia. Metade dos suspeitos não podemos ter a certeza porque não têm quaisquer documentos válidos. O que em si mesmo significa usualmente que estão a mentir a respeito da sua nacionalidade e identidade.»
O tópico recebeu mais de trinta e seis mil «gostos» e teve dezasseis mil partilhas em pouco tempo. Formou-se um grupo em sua defesa que rapidamente ultrapassou os setenta e cinco mil membros. Entre quem o apoiou estiveram colegas seus da polícia, tanto no activo como já reformados. A esquadra de polícia onde Springare trabalha recebeu pelo menos sessenta bouquets de flores.
Springare está entretanto a ser investigado pela justiça para ver se violou alguma lei ao revelar o que revelou...
*
Fonte: https://www.rt.com/news/376582-sweden-cop-immigrant-crime/#.WJqTzzHBbu4.facebook

* * *

Este polícia revelou, com conhecimento directo da coisa, o que os donos da classe política dominante querem esconder do povo, para ver se o povo não fica (ainda mais) «racista» e não vota (ainda mais) no Partido dos Democratas Suecos, que é o partido nacionalista sueco. Confirma-se mais uma vez que se chegou ao ponto em que pura e simplesmente dizer a verdade já é considerado um acto «racista», e porquê?, porque o raio da Sra. Realidade é, ela própria, muito «racista»...

MARINE LE PEN CHAMA «ESCUMALHA» A GANGUES DE CRIMINOSOS - MÉ(R)DIA ACUSA-A DE INSULTAR «AS MINORIAS»...

Marine Le Pen, candidata às presidenciais pela Frente Nacional, lançou uma campanha nas redes sociais onde ataca as minorias. Le Pen começou uma petição online para apoiar a polícia, depois de sucessivas noites de violência nos arredores de Paris.
“As forças de segurança têm sido alvo de gangues de escumalha, e parece que nada acontece para que isto acabe”, disse Le Pen num comunicado, citada pela Bloomberg.
No dia 5 de Fevereiro ocorreu um ataque em Aulnay-sous-Bois, onde quatro polícias foram acusados de atacar e violar um jovem. Desde esse dia que várias manifestações têm acontecido nos arredores de Paris. 
Os apoiantes de Le Pen usaram as redes sociais para condenar os manifestantes e para culpar o governo socialista. 
Florian Philippot, conselheiro da candidata, escreveu na rede social Twitter “Olhem para esta escumalha!”, no seguimento das manifestações. Este comentário foi citado e partilhado em várias contas de Twitter pro-Le Pen, e por apoiantes, usando a hashtag#JeSoutiensLaPolice – “eu apoio a polícia”.
A sobrinha de Marine Le Pen disse que os manifestantes estão apenas a usar o ataque como desculpa para atacar a polícia.
As sondagens dão vitória à candidata da Frente Nacional na primeira volta mas está previsto que perca na segunda volta por pelo menos doze por cento.
A vítima do ataque em Aulnay-sous-Bois disse num vídeo, gravado pelo seu advogado, que depois foi enviado aos meios de comunicação franceses, onde admite que cooperou com a polícia ainda antes de ter sido atacado. Testemunhas filmaram a polícia a bater no jovem, enquanto estava deitado no chão.
*
Fonte: http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/gangues-de-escumalha-marine-le-pen-insulta-minorias-122235

* * *

A dirigente nacionalista insultou o quê, «as minorias»? Ela referiu-se, sem especificar raças, a grupos de delinquentes que vandalizam as ruas e atacam as forças da autoridade... será que um delinquente deixa de ser escumalha se for mouro ou negro?... Por outro lado... então mas afinal a elite me(r)diática já assume que os grupos que atacam a polícia nas ruas são compostos de gente não branca? Marine Le Pen só disse «gangues de escumalha», não disse «gangues de escumalha africana», mas os mé(r)dia afinal sabem que essas gangues de escumalha, cujos integrantes são sempre referidos como «jovens» (discriminação etária!!!!!!!!!!, gritaria um anti-etarista...) que podem ser de qualquer lado porque «a raça não interessa nada!!!!», são na verdade compostos de malta não europeia... Sim senhor, estão a evoluir...

USO DO HIJAB POR GOVERNANTES SUECAS ALEGADAMENTE FEMINISTAS NO IRÃO É CRITICADO POR FEMINISTAS... IRANIANAS

Representantes do governo que se orgulha por promover a igualdade de género estão sob fogo por terem usado um lenço na cabeça no Irão.
O governo sueco, que se auto-intitula o "primeiro governo feminista do mundo", está a ser criticado após as suas representantes femininas terem usado um hijab numa visita oficial ao Irão. Entre as criticadas, está a ministra do Comércio, Ann Linde, que disse ter coberto a cabeça com um lenço para não violar a lei iraniana.
A polémica surgiu após fotografias de várias representantes do governo sueco com um hijab no Irão terem sido publicadas nas redes sociais. Activistas iranianos defendem que a obrigatoriedade do uso do hijab no país oprime as mulheres e criticam a Suécia por ter cedido a esta lei.
"Se são feministas e se preocupam com a igualdade deveriam desafiar a desigualdade em todo o lado", afirmou à BBC a ativista e jornalista iraniana Masih Alinejad, que ganhou o prémio da UN Watch pela defesa dos direitos das mulheres em 2015.
O governo "deveria ter condenado a situação desigual e injusta no Irão" e "deveria ter mantido os seus valores", continua a activista que criou uma conta no Facebook em que incentiva mulheres a publicarem fotografias sem hijab.
A Suécia orgulha-se de ter o primeiro governo feminista do mundo e que luta pela igualdade do género a todos os níveis, como se lê no site oficial do governo. Nesta página é explicado também que a "igualdade entre homens e mulheres é um dos objectivos principais da política externa sueca" e que "garantir que as mulheres e raparigas possam ter direitos humanos fundamentais" é uma obrigação e um pré-requisito para cumprir os objectivos de política externa do país.
Ann Linde explicou a um jornal sueco que usou o hijab pois não estava disposta a quebrar a lei, segundo a BBC, e que a outra opção era mandar para o Irão apenas representantes suecos masculinos.
Jan Bjorklund, líder do partido liberal sueco, também criticou o governo dizendo que, se o hijab era uma obrigação, os acordos entre a Suécia e o Irão deveriam ter sido assinados na Suécia ou em outro país. "É desastroso para a política externa feminista", disse Jan Bjorklund.
A imagem das representantes suecas de hijab e casacos compridos foi descrita como "o passeio da vergonha" pela organização não-governamental UNWatch, com sede na Suíça. A organização relembrou ainda as palavras da jornalista Masih Alinejad no parlamento europeu no ano passado.
"As estadistas europeias são hipócritas. Elas apoiam as mulheres muçulmanas francesas e condenam o veto ao burkini porque acreditam que a coacção é errada mas quando acontece no Irão, elas só querem saber do dinheiro", disse a jornalista na altura.
"Elas vão ao meu país e ignoram milhões de mulheres, sorriem, usam hijab e dizem que é uma questão cultural - o que está errado", continuou Alineja.
Várias outras mulheres foram criticadas no passado por terem usado um hijab no Irão, como Federica Mogherini, a representante da União Europeia para a Política Externa e Segurança, que visitou o país em Abril do ano passado.
No início deste mês foi publicada uma imagem da vice-primeira-ministra sueca Isabella Lovin a assinar um decreto lei sobre o ambiente rodeada por outras mulheres do governo.
A imagem tem sido usada para ridicularizar aquela que mostra Donald Trump a assinar uma lei sobre o aborto rodeado de homens e foi agora usada pela jornalista Alineja para apontar o que diz ser uma contradição do governo sueco.
O primeiro-ministro sueco Stefan Lofven também esteve no Irão e disse ter falado com o presidente iraniano Hassan Rouhani sobre as violações aos direitos humanos no país.
*
Fonte: http://www.dn.pt/mundo/interior/primeiro-governo-feminista-sueco-criticado-por-usar-hijab-no-irao-5664618.html

* * *

Na escala dos valores da elite reinante, os direitos da Mulher cantam alto!, mas a subserviência ao Sagrado Alógeno canta mais alto que tudo... Sempre que uma mulher seja discriminada por ser mulher, há que combater tal injustiça!, excepto se quem comete a injustiça o faz em nome de uma religião estrangeira, claro está... nessa altura há que aguentar porque «é a cultura deles»... a mulher e todos os outros seres mais vulneráveis devem ser defendidos a todo o custo, mas, para o código moral da elite reinante no Ocidente, o que está acima disso e de tudo o mais é a Boa e Sã Doutrina da Santa Madre Igreja Anti-Racista e Multiculturalista dos Últimos Dias do Ocidente: desta autêntica «religião» moderna faz parte a total aceitação e, se for necessário, prática, de tudo o que para o Sagrado Alógeno for importante...

METADE DA POLÍCIA FRANCESA APOIA LE PEN

Em França, cerca de metade da força policial é eventual eleitora da líder nacionalista, Marine Le Pen, segundo sondagem recente.
A dirigente da Frente Nacional tem afirmado que à polícia deveriam ser garantidos os recursos de que precisam e o respeito que merecem.
Na sequência dos motins de Paris nos últimos dias, o director de campanha de Le Pen, David Rachline, declarou: «Queremos que a polícia saiba que estamos do seu lado e que as suas exigências são legítimas. É justo que peçam a presunção de inocência quando recorrem à auto-defesa. E precisam de mais recursos.»
Vários agentes policiais testemunham o medo que os cidadãos têm de andar na rua e dizem temer pela segurança das suas próprias crianças quando estas vão para a escola.
*
Fonte: http://www.express.co.uk/news/world/766152/Front-National-French-police-Marine-Le-Pen

* * *

Metade da polícia francesa apoia pois abertamente Marine Le Pen... isto fora os que optam por não falar sobre isso... Claro que o apoio a uma política nacionalista é forte entre os profissionais que mais de perto e mais frequentemente sofrem o efeito da iminvasão oriunda do terceiro-mundo... De qualquer modo há um lado potencialmente negativo na revelação desta estatística - doravante, a Inquisição Anti-Racista vai ter os seus lacaios a guincharem com o triplo do seu habitual ódio histérico de cada vez que um delinquente mouro levar um açoite da bófia: «pois, pois, aquilo na bófia é só racistas!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!» E depois aumenta a pressão para que haja mais não brancos a serem recrutados para as forças policiais e assim... Em muitos casos é conveniente que a polícia e as forças armadas não façam barulho até a vitória ser alcançada.

PRESIDENTE DOS EUA COMEÇOU A EXPULSAR CLANDESTINOS

"A repressão contra os criminosos clandestinos não é mais do que a aplicação da minha promessa de campanha", escreveu o presidente na sua conta da rede social Twitter.
"Membros de gangues, traficantes de droga e outros estão a ser expulsos!", afirmou.
Na semana passada, foram presos e deportados centenas de imigrantes no contexto de várias operações simultâneas do Serviço de Imigração (ICE) -  agência federal especializada em deportações - que tiveram alvo lares de imigrantes clandestinos, especialmente em Los Angeles, Nova Iorque, Chicago e Austin (Texas).
"Os alvos dessas operações não diferem das detenções selectivas e de rotina feitas diariamente pelas equipas de busca de fugitivos", disse à AFP a porta-voz do ICE, Jennifer Elzea.
As autoridades federais não divulgaram o número exacto de detidos. Mas vários legisladores democratas pediram esclarecimentos ao Governo com receio de que as operações também afectem os imigrantes ilegais sem processos judiciais pendentes.
Segundo o jornal The Washington Post, a quantidade de detenções chega às várias centenas.
Em Los Angeles, o diretor local do ICE, David Marin, disse à imprensa que 160 pessoas foram detidas e, delas, 75% têm condenações pesadas.
"A notícias que evocam controlos de estrada, ou operações aleatórias são falsas, e isso é perigoso e irresponsável", denunciou Marin, segundo o jornal Los Angeles Times, ressaltando que os seus serviços realizam, com frequência, esse tipo de operações selectivas, como fizeram em julho de 2016 e em Agosto de 2015".
As detenções - realizadas em residências e locais de trabalho - provocaram a mobilização de legisladores nas regiões afectadas, em particular na Califórnia e em Los Angeles, onde o instituto de investigação Pew considera que haja cerca de 1 milhão de pessoas em situação irregular.
Estima-se que a população nessa condição nos Estados Unidos chegue aos 11 milhões.
"A mudança de política do presidente Trump trai os nossos valores", protestou a senadora da Califórnia, Dianne Feinstein.
As mesmas operações estão a ser realizadas em Austin, no Texas, onde vivem 100.000 pessoas em situação irregular.
Em Nova Iorque, cidade que abriga a maior população de imigrantes nessa condição (1,15 milhão, segundo o Pew), centenas de pessoas saíram às ruas.
Num decreto assinado a 25 de Janeiro, o presidente Donald Trump deu prioridade à expulsão dos imigrantes em condição clandestina com antecedentes penais, ou acusados de terem cometido crimes.
*
Fonte: http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/trump-ja-comecou-a-expulsar-imigrantes-ilegais-tratam-se-de-criminosos-clandestinos-garante#_swa_cname=sapo24_share&_swa_cmedium=web&_swa_csource=twitter&utm_source=twitter&utm_medium=web&utm_campaign=sapo24_share&_swa_cname=sapo24_share&_swa_cmedium=web&_swa_csource=facebook&utm_source=facebook&utm_medium=web&utm_campaign=sapo24_share   (Artigo originariamente redigido sob o acordo ortográfico de 1990 mas corrigido aqui à luz da ortografia portuguesa.)

* * *

Para já nem é muito, não sei aliás de o anterior presidente não expulsou mais, mas, para começar, menos de um mês depois de tomar posse, não está mau...



segunda-feira, fevereiro 13, 2017

NO PAÍS IRMÃO - MORREU UM POLÍCIA AGREDIDO POR UM RECLUSO NEGRO QUE QUIS AGREDIR PESSOAL MÉDICO

Un agente del Cuerpo Nacional de Policía, que estuvo en coma hace dos años en coma tras sufrir una brutal agresión en Son Espases (Palma) por un detenido, falleció ayer al sufrir una serie de complicaciones.
La agresión se produjo en el verano de 2015 en Son Espases. Un preso nigeriano, tras mostrarse agresivo y muy alterado en la cárcel, fue trasladado al hospital de referencia de Mallorca donde fue ingresado en la unidad de detenidos.
En la madrugada del 29 de agosto, una enfermera entró en su habitación. El recluso africano se mostró de nuevo muy alterado y arremetió contra el personal médico. Un agente de la Policía Nacional -que tiene presencia constante en el módulo de detenidos de Son Espases- fue a auxiliar a los sanitarios. El preso se enfrentó también a él. El policía recibió entonces un fuerte golpe en la cabeza y quedó tumbado en el suelo inconsciente.
Mientras el presunto autor de la agresión era reducido, los médicos atendieron al agente herido. Estaba en parada cardiorrespiratoria y su estado era crítico. Fue atendido durante más de una hora, practicándole maniobras de reanimación hasta que consiguieron estabilizarlo. El policía, de unos 50 años y que forma parte del grupo de Conducciones, fue trasladado entonces a la Unidad de Cuidados Intensivos del mismo centro hospitalario.
El agente finalmente se recuperó pero arrastró secuelas bastante importantes -mareos frecuentes-, que le obligaron a darse de baja del Cuerpo. Por su valiente actuación recibió la medalla con distintivo rojo.
Ayer, el policía falleció en una clínica de Palma por complicaciones derivadas de las lesiones que sufría desde la brutal agresión.
A la gravedad de este caso se une el escandaloso hecho de que la prensa española haya ocultado la muerte de un policía español tras dos años de atroz agonía. Algunos medios baleares se han hecho eco del fallecimiento, aunque ocultando siempre el origen del asesino. Una muestra más de cómo la corrección política y el racismo antiblanco acabará por destruir lo que queda de Europa.
*
Fonte: http://www.alertadigital.com/2017/02/12/los-medios-ocultan-la-noticia-muere-un-agente-de-policia-tras-una-brutal-agresion-a-manos-de-un-nigeriano-en-son-espases-palma/

* * *

Lá como cá ou em qualquer outro ponto do Ocidente, a elite me(r)diática é essencialmente igual - oculta casos destes e doutros porque sabe que «longe da vista, longe do coração», ou seja, não quer que o público seja influenciado por notícias «racistas» no seu quotidiano, nas impressões que recebe dos noticiários. Essa elite me(r)diática quer que o povo saiba o menos possível sobre os reais efeitos da iminvasão pela Europa adentro para que os votos nacionalistas não aumentem ainda mais, que é para ver se entretanto a imigração maciça acaba por destruir a coesão da Europa branca... Cabe aos Nacionalistas romper o bloqueio informativo por todas as maneiras que puderem. Trata-se de uma luta pela sobrevivência do Ocidente.


DIRIGENTE NACIONALISTA FRANCESA QUER FIM DE DUPLA NACIONALIDADE DE NÃO EUROPEUS

A candidata presidencial da Extrema-Direita francesa, Marine le Pen, defendeu esta sexta-feira que os estrangeiros de fora da Europa e da Rússia que têm dupla nacionalidade vão ter de escolher apenas um país de origem.
Marine le Pen explicou que isto não significa que os estrangeiros vão ter de sair do país e disse que podem ficar "desde que respeitem as leis e os valores franceses".
Quanto à Rússia, a candidata argumentou, citada pela AFP, que o país faz parte "da Europa das Nações" e pormenorizou, em resposta a um jornalista, que Israel também é abrangido pela medida, uma vez que não é um país europeu.
Nas sondagens que têm sido feitas, a candidata aparece bem posicionada para estar entre os dois políticos que avançam para a segunda fase das eleições presidenciais francesas, que decorrem em Abril e Maio.
*
Agradecimentos ao anónimo que aqui trouxe esta notícia: http://www.jn.pt/mundo/interior/le-pen-quer-obrigar-estrangeiros-com-dupla-nacionalidade-a-escolherem-uma-5660356.html#ixzz4YNn5NyVH   (Artigo originariamente redigido sob o acordo ortográfico de 1990 mas corrigido aqui à luz da ortografia portuguesa.)

* * *

Mais um óptimo sinal da parte da FN francesa - a promoção de um ideal verdadeiramente étnico europeu.

CONSELHO NACIONAL DO PNR REUNIU A 11 DE FEVEREIRO

Realizou-se, em 11 de Fevereiro, a primeira reunião Ordinária deste ano, do Conselho Nacional do PNR.
Presidida por Hernâni Costa, a mesma saldou-se em sete horas de intervenções muito enriquecedoras e debate construtivo, em que se delinearam estratégias para os tempos que se avizinham.
A coesão dos Órgãos Nacionais, cujo trabalho se revela cada vez mais sólido e produtivo, leva a que, de reunião em reunião, estejamos mais fortes a trabalhar para o crescimento do PNR e do Nacionalismo Renovador.
Agradecemos a todos os Conselheiros Nacionais as suas participações e intervenções com o objectivo de fazer mais e melhor por Portugal.
*
Fonte: http://www.pnr.pt/2017/02/conselho-nacional-do-pnr-voltou-reunir/

sexta-feira, fevereiro 10, 2017

COMBATENTE CURDO-IRÂNICA CONTRA O CALIFADO VIVE PERSEGUIDA NA DINAMARCA


Joanna Palani, jovem de vinte e dois anos e origem curdo-irânica - portanto, ariana - com cidadania dinamarquesa, nascida num campo de refugiados na Dinamarca, filha de combatentes Peshmerga, foi combater contra o califado da Síria e do Iraque. Agora tem a cabeça a prémio, diz, por ter abatido cerca de uma centena de militantes do califado, um prémio que, segundo ela, chega ao milhão de euros. Afirma também que salvou muitas mulheres e crianças do cativeiro. Queixa-se agora de que é vista como terrorista na Dinamarca.
*
Agradecimentos ao camarada RC por me ter dado a conhecer esta notícia: http://www.mirror.co.uk/news/world-news/danish-student-who-killed-100-9776839   -   Página com vídeo incorporado.

* * *

Mesmo que aquilo que diz sobre a sua saga contra o califado não seja verdade, nada de nada justifica que a mulher não seja defendida pela lei europeia...

MULHER É VIOLADA EM DISCOTECA AFRICANA

A Polícia Judiciária divulgou esta quarta-feira ter detido dois homens fortemente indiciados pela prática de violação de uma jovem em Vila Nova de Gaia Os dois detidos estão indiciados do crime de abuso sexual de pessoa incapaz de resistência, ocorrido durante a madrugada do dia 27 de Novembro do ano passado, em Vila Nova de Gaia. 
De acordo com o comunicado da PJ "Os factos ocorreram numa discoteca, onde os detidos trabalham como porteiro e barman, tendo este último oferecido várias bebidas alcoólicas à vítima que lhe provocaram um estado de semi-consciência. Após o encerramento do estabelecimento, os suspeitos terão aproveitado a situação de particular fragilidade e vulnerabilidade da vítima para a agredirem sexualmente. Os detidos de 39 e 25 anos de idade foram presentes a primeiro interrogatório judicial, tendo-lhes sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva.
*
Fonte: http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/barman-e-porteiro-de-discoteca-detidos-por-violar-mulher   (Artigo originariamente redigido sob o acordo ortográfico de 1990 mas corrigido aqui à luz da ortografia portuguesa.)

* * *

Convém que as senhoras tenham portanto cuidado com certo tipo de estabelecimentos...

PNR APRESENTARÁ CANDIDATURA NO BARREIRO

O PNR divulga que vai apresentar candidatura às Eleições Autárquicas de 2017, no concelho do Barreiro .
José Almeida será o candidato à presidência da Câmara Municipal do Barreiro e Rogério Santos, membro da Comissão Política Nacional do PNR, cabeça de lista Assembleia Municipal do Barreiro.
A candidatura do PNR apresenta-se com o lema “Barreiro, Terra Portuguesa“. Na sua proposta eleitoral o PNR defende - recuperar o património cultural que se encontra ao abandono; defender o emprego e aligeirar a fixação das empresas; garantir a segurança e o policiamento; reforçar a luta contra o flagelo da droga e delinquência nas escolas; promover o turismo e a necessidade de incluir o Barreiro na rota turística da Península de Setúbal; reabilitar as vias de comunicação que se encontram em mau estado de conservação e reformular a rede de transportes públicos, deficiente e inadequada às necessidades das populações.
José Almeida é o terceiro candidato à presidência da Câmara Municipal do Barreiro, nas próximas eleições autárquicas, oficialmente anunciados, até ao momento, pelos partidos políticos.
*
Fonte: http://www.rostos.pt/inicio2.asp?cronica=2001288&mostra=2

quinta-feira, fevereiro 09, 2017

CULTO À MAIOR DAS DIVINDADES NO CENTRO DA EUROPA


Imagem de celebração religiosa a 2 de Fevereiro em honra de Perkunas, Deus do Raio, algures na Lituânia, centro geográfico da Europa (não, não fica na chamada «Europa Central»), nação cuja língua é a mais «puramente ariana» de entre as línguas vivas do planeta. 
Excertos, a itálico, do texto da notícia, (mal) traduzida a partir do Google: http://romuva.lt/panevezyje-pamineta-perkuno-diena/
(...)
Vaidila Laimutis Vasilievich convidou os participantes para junto do fogo do altar para aí realizar rituais de sacrifício aos Deuses pelo ano anterior e pelo que está a vir.
"Agradecemos à Deusa Gabija o patrocínio das nossas famílias, (...) seus próprios desejos e desejos para o outro. Ao Deus do Trovão (...) sacrificado machados de pedra, antes de comungar (?) em sua própria gratidão calor. Pedimos a força e protecção do Trovão. À Deusa Žemynai sacrificamos pão, para Lhe agradecer a Sua riqueza (...). Todos nós compartilhamos uma fatia de pão, (...)
(...)
«Sentimos que com a gente ao longo da noite estiveram os fantasmas ancestrais, dvaselės naturais, e talvez o maior Trovão».

Outro local em que esta celebração lituana foi levada a cabo: http://romuva.lt/pusiauziemis-subure-romuvos-jaunima/

É curiosa a referência no ritual do texto mais acima a Gabija, Deusa do Fogo do Lar, exacta equivalente da latina Vesta e da helénica Héstia, referida em todos os rituais romanos.
É particularmente interessante, acrescento, que esta festividade em honra de Perkunas coincida, na data, com a do «Homem da Maça» em Portugal, que, como foi aqui referido há uma semana, pode bem constituir um resquício folclórico do culto a um Deus da Maça/Maço/Martelo, figura de primeira grandeza nos panteões indo-europeus - Perun, Tor, Hercules - e que na Lusitânia-Galécia poderia eventualmente ter tido o nome de Larauco e/ou Reve.


quarta-feira, fevereiro 08, 2017

ALEMANHA - POLÍTICOS E AGENTES DE SEGURANÇA TINHAM CONHECIMENTO DE QUE HAVIA JIHADISTAS A ENTRAR NO PAÍS COMO IMIGRANTES E REFUGIADOS

Líderes políticos alemães e agentes de segurança interna tinham conhecimento do facto de que jihadistas do Estado Islâmico estavam a entrar na Europa disfarçados de imigrantes, mas sistematicamente minimizaram a ameaça, ao que tudo indica, para evitar alimentar os sentimentos anti-imigração, segundo uma denúncia da TV estatal alemã.
As autoridades alemãs já em Março de 2015 tinham conhecimento - isto cerca de seis meses antes da Chanceler Angela Merkel abrir as fronteiras alemãs para mais de um milhão de migrantes do mundo muçulmano - que jihadistas estavam a fazer-se passar por refugiados, de acordo com o Relatório de Munique (Report München), um programa de jornalismo investigativo transmitido pela TV estatal ARD em 17 de Janeiro.
Mais de 400 migrantes que entraram na Alemanha como candidatos a asilo em 2015 e 2016 estão agora a ser investigados por envolvimento com o terrorismo islâmico, segundo os Peritos Criminais da Polícia Federal (Bundeskriminalamt, BKA).
As revelações vieram a público no contexto das críticas dos planos do presidente dos EUA Donald J. Trump de suspender a imigração de determinados países até que sejam implantados mecanismos para verificar adequadamente a entrada de imigrantes nos Estados Unidos. A experiência alemã com jihadistas passando-se por migrantes serve como estudo de caso sobre os equívocos a serem evitados por outros países.
Com base em documentos vazados e entrevistas realizadas com informantes, o Relatório de Munique revelou que as autoridades alemãs tinham conhecimento no início de 2015 que Walid Salihi, um sírio de 18 anos de idade que pediu asilo na Alemanha em 2014, estava a fazer recrutamento para o Estado Islâmico no abrigo para asilados em Recklinghausen onde estava alojado, mas elas (autoridades alemãs) nada fizeram. Cerca de seis meses depois, uma busca no alojamento de Salihi descobriu uma caçadeira. Salihi não foi deportado.
Mais tarde emergiu que entre 2011 e 2015 Salihi fez uso de sete nomes falsos para requerer asilo, não só na Alemanha, mas também na Áustria, Itália, Roménia, Suécia e Suíça. Também já tinha sido acusado em diversos países, numa longa lista de crimes, incluindo agressão física, roubo, posse e uso ilegal de armas.
Em Fevereiro de 2014, por exemplo, Salihi foi preso por atacar sexualmente mulheres numa discoteca em Colónia. No mesmo mês atacou fisicamente um morador de rua, atacou a esmo um transeunte e tentou estrangular um outro asilado no seu abrigo. Mais tarde a polícia rastreou o seu telemóvel que se encontrava no centro de Colónia em 31 de Dezembro de 2015, quando centenas de mulheres alemãs foram abusadas sexualmente por turbas de migrantes muçulmanos.
A 7 de Janeiro de 2016 Salihi invadiu uma delegacia de polícia no 18º distrito de Paris aos gritos de "Allahu Akbar" (Deus é Grande). Levava consigo uma faca de açougueiro, uma bandeira do Estado Islâmico e usava o que parecia ser um cinto repleto de explosivos. A polícia fez diversos disparos matando-o.
Um antigo colega de quarto descreveu Salihi da seguinte maneira: "ele era muito agressivo, principalmente quando se tratava de religião. Para ele todos os incrédulos eram inúteis e mereciam morrer".
Salihi não foi um caso isolado. Segundo o Relatório de Munique, no início de 2015 as agências de inteligência americanas alertaram as autoridades alemãs que jihadistas do Estado Islâmico, que se passavam por imigrantes, estavam a atravessar o sul da Europa com o objectivo de chegar à Alemanha.
Os alertas, no entanto, foram ignorados e no Verão de 2015 as autoridades alemãs permitiram que centenas de milhares de imigrantes, muitos sem documentação, entrassem na Alemanha sem nenhuma inspecção de segurança.
Naquela ocasião, os principais especialistas em segurança da Alemanha insistiram que o Estado Islâmico não iria enviar jihadistas para a Europa. Por exemplo: em Outubro de 2015, Holger Münch, Presidente dos Peritos Criminais da Polícia Federal (Bundeskriminalamt, BKA),ressaltou: "não temos nenhum caso até agora que tenha sido confirmado que membros de um grupo terrorista da Síria ou do Iraque vieram para a Alemanha especificamente para cometer atentados".
Münch também assinalou: "se olharmos para os riscos enfrentados por aqueles que querem vir para a Alemanha pelo Mar Mediterrâneo, bem, acho que existem maneiras mais simples de chegar aqui se assim o desejarmos e não há nenhuma necessidade de fazer uso de um fluxo de refugiados".
Gerhard Schindler presidente do Serviço Federal de Inteligência (Bundesnachrichtendienst) afirmou: "é improvável que terroristas usem a perigosa rota das embarcações do Mediterrâneo para chegarem à Europa".
O cientista político alemão Peter Neumann, Director do Centro Internacional de Estudos sobre Radicalização e Violência Política do King's College de Londres, assinalou:
"Não há a mínima evidência, evidência comprovada, de que um simpatizante do Estado Islâmico foi infiltrado na Europa. Há menos evidência ainda de que esta seja uma estratégia usada pelo Estado Islâmico. É importante que os políticos não expressem as suas opiniões pessoais reforçando assim os receios da população".
Neumann também salientou:
"Nas últimas semanas têm aparecido uma série de vídeos do Estado Islâmico nos quais há declarações contundentes que os simpatizantes do Estado Islâmico devem permanecer no Estado Islâmico e que não devem tentar emigrar e que tal estratégia de infiltração activa, sobre a qual às vezes surgem relatos, não existe".
Menos de um mês depois, no dia 13 de Novembro de 2015, jihadistas do Estado Islâmico, cuja maioria entrou na Europa fazendo-se por migrantes, realizaram os ataques coordenados contra alvos em Paris nos quais 137 pessoas morreram e quase 400 ficaram feridas.
Em 2016 a verdadeira dimensão do problema alemão no tocante aos jihadistas que se passavam por imigrantes começou a tomar forma:
4 de Fevereiro. A polícia alemã prendeu quatro membros de uma célula que, ao que tudo indica, planeava desfechar ataques jihadistas em Berlim. O líder - argelino de 35 anos que morava num dos abrigos para refugiados em Attendorn com a esposa e dois filhos - fez-se passar por um candidato a asilo da Síria. Segundo consta ele recebeu treinamento militar do Estado Islâmico.
5 de Fevereiro. Hans-Georg Maassen, chefe da Agência de Inteligência Interna BfV da Alemanha revelou que mais de 100 combatentes do Estado Islâmico podem estar a residir na Alemanha como refugiados, sabe-se que alguns entraram no país com passaportes falsos ou roubados.
8 de Fevereiro. A polícia alemã prendeu um suposto comandante do Estado Islâmico residindo num abrigo para refugiados em Sankt Johann. O jihadista de 32 anos, de idade que se passava por candidato a asilo da Síria, entrou na Alemanha no Outono de 2015.
29 de Fevereiro. Autoridades alemãs admitiram que desconhecem o paradeiro de cerca de 130.000 migrantes que entraram no país em 2015. A revelação causou preocupação em relação a estes imigrantes porque entre eles poderiam estar jihadistas que entraram no país fazendo-se passar por refugiados.
2 de Junho. A polícia alemã prendeu três supostos membros do Estado Islâmico da Síria sob suspeita de estarem a preparar um atentado em Dusseldorf.
3 de Junho. O chefe do Sindicato da Polícia Alemã Rainer Wendt, assinalou que os cortes orçamentais no sector público tornaram impossível vigiar todos os imigrantes que vêm para a Alemanha. Estava a responder a exigências segundo as quais todos os migrantes deveriam ser imediatamente investigados no tocante à segurança.
19 de Julho. Um candidato a asilo afegão de 17 anos de idade empunhando um machado, gritando "Allahu Akbar" feriu gravemente cinco pessoas num comboio em Würzburg. O agressor foi morto a tiro pela polícia depois de atacar com o machado. O adolescente tinha sido acolhido por uma família adoptiva apenas duas semanas antes do ataque a título de recompensa por estar "bem integrado".
24 de Julho. Mohammed Daleel, um imigrante de 27 anos oriundo da Síria cujo pedido de asilo foi rejeitado, feriu 15 pessoas ao detonar uma bomba presa ao corpo num concerto em Ansbach. Este foi o primeiro ataque suicida na Alemanha atribuído ao Estado Islâmico.
25 de Julho. Peritos Criminais da Polícia Federal revelaram que mais de 400 migrantes que entraram na Alemanha como candidatos a asilo em 2015 e 2016 estavam sendo investigados por envolvimento com o terrorismo islâmico.
13 de Setembro. A polícia alemã prendeu três jihadistas sírios em Schleswig-Holstein e na Baixa Saxónia. Os promotores disseram que os três chegaram à Alemanha em Novembro de 2015 passando-se por imigrantes, com a intenção de "levar a cabo uma ordem previamente estipulada pelo Estado Islâmico ou de aguardar novas instruções".
17 de Setembro. O Ministro do Interior da Baviera, Joachim Herrmann, acusou o Departamento Federal para a Migração e Refugiados (BAMF) de não conseguir confiscar dezenas de milhares de passaportes potencialmente falsos. Muitos migrantes que entraram na Europa passando-se por sírios são, na realidade, de outro país de origem. Praticamente 40% de todos os marroquinos que entraram na Grécia passaram-se por sírios, de acordo com um estudo.
10 de Outubro. O BAMF intencionalmente permitiu que mais de 2.000 candidatos a asilo portadores de passaportes falsos entrassem na Alemanha.
27 de Outubro. O Ministério Público acusou Shaas Al-M, jihadista sírio de 19 anos de idade que chegou à Alemanha passando-se por refugiado, de planear um atentado à bomba em pontos turísticos de Berlim incluindo o Portão de Brandenburgo e o Reichstag, em nome do Estado Islâmico.
19 de Dezembro. Pelo menos 12 pessoas foram mortas e dezenas ficaram feridas quando um camião foi arremessado contra um mercado de Natal em Berlim. O principal suspeito de ter cometido o ataque, Anis Amri, um imigrante de 23 anos de idade da Tunísia que chegou à Alemanha em Julho de 2015, pedindo asilo em Abril de 2016. Muito embora o pedido de asilo de Amri tivesse sido negado em Junho de 2016, ele não foi deportado por não possuir um passaporte válido.
Em 5 de Janeiro de 2017 emergiu que Amri fazia uso de pelo menos 14 identidades diferentes, que usou para obter benefícios do sistema de bem-estar social em diferentes municípios.
O cientista político alemão Rudolf van Hüllen concluiu:
"Ao que tudo indica, esquecemo-nos de levar em consideração o que os nossos opositores políticos, como o Estado Islâmico, são capazes de fazer e como pensam. Não procurámos entender a sua mentalidade e consequentemente deixámos de notar o facto de que para o Estado Islâmico foi uma opção óbvia utilizar as rotas seguras dos refugiados. Têm toda a lógica".
+
Soeren Kern é colaborador sénior do Gatestone Institute sediado em Nova Iorque. Ele também é colaborador sênior do European Politics do Grupo de Estudios Estratégicos / Strategic Studies Group sediado em Madri. Siga-o no Facebook e no Twitter.
*
Agradecimentos ao camarada RC por me ter dado a conhecer este artigo: https://pt.gatestoneinstitute.org/9917/alemanha-jihadistas-migrantes

HUNGRIA QUER IMPEDIR LIVRE CIRCULAÇÃO DE IMIGRANTES ILEGAIS NA EUROPA

Candidatos a pedidos de asilo ficam impedidos de se movimentarem livremente pelo país. Em 2016, foram apresentados 29 mil pedidos para fixar residência na Hungria.
Governo de Viktor Örban planeia colocar sob detenção naquilo que classifica como "abrigos" todos os refugiados que se candidatem a asilo na Hungria. A medida aplica-se enquanto decorre o processo de avaliação da candidatura e, segundo o executivo de Budapeste, visa impedir que deixem ou se desloquem livremente pelo país.
Em 2016, foram apresentados mais de 29 mil pedidos de asilo na Hungria. Não é conhecido o número de pedidos a serem aceites.
A proposta tem de ser submetida a Bruxelas, sendo de antecipar que encontre a resistência da Comissão Europeia, mas o porta-voz do governo, Zoltán Kovács, justificou a decisão com a necessidade de "controlar o que está a acontecer dentro das nossas fronteiras ou nas da Europa". Actualmente, os candidatos a pedidos de asilo têm liberdade de movimentos, inclusive aqueles que aguardam a decisão de recursos sobre pedidos rejeitados.
Kovács recusou classificar aqueles "abrigos" como centros de detenção e explicou que, a qualquer momento, os refugiados poderão regressar aos países de origem.
A Hungria tem sido um dos países procurados pelos imigrantes e refugiados provenientes do Norte de África e do Médio Oriente e que procuram chegar a outros pontos da Europa.
As regras da União Europeia especificam que candidatos a asilo não podem ser detidos a não ser "em condições excepcionais claramente especificadas".
*
Fonte: http://www.dn.pt/mundo/interior/hungria-quer-colocar-sob-detencao-todos-os-refugiados-5654694.html

* * *

Mais uma medida verdadeiramente legítima tomada por um dos governos mais sensatos da União Europeia. A verdadeira Europa agradece.