sexta-feira, junho 27, 2014

EM HONRA DE JULIANO, UM DOS MAIORES VULTOS DA MEMÓRIA EUROPEIA

Quer Lhe chamasse HéliosApolo ou Mitra, o Sol era para Juliano a teofania por excelência, a manifestação do Deus que tinha como seu guia de eleição.


Cíbele, a «Mãe dos Deuses» à Qual Juliano consagrou um hino.

No dia 26 de Junho de 363 d.c. morreu em combate, contra os Persas, o imperador Juliano, cognominado, pelos cristãos, de «Apóstata» e, pelos pagãos, de «Grande».

Juliano, nascido em Alexandria (norte do Egipto) mas de ascendência ilírica (da Ilíria, estirpe indo-europeia ou ariana que será, eventualmente, antepassada dos modernos Albaneses), foi educado em duas grandes vias ontológicas: dum lado, a cultura clássica greco-romana; do outro, o Cristianismo. Cedo mostrou preferência pela primeira, recusando cada vez mais, à medida que crescia, os ensinamentos da religião invasora, isto é, a de Jesus, ao qual ele chamava «Galileu».

Leu os grandes filósofos pagãos, entre os quais Platão, e os neoplatónicos também, tais como Celso, Jâmblico, Porfírio. Devido ao facto de que o Cristianismo tinha sido imposto e o Paganismo era já então perseguido, Juliano teve de esconder a sua veneração pelos Deuses antigos, até chegar a ser de facto imperador, em 361.

A partir daí, e tendo o apoio do seu exército - além de filósofo, era grande estratega militar e cobriu-se de glória na campanhas bélicas que dirigiu, nomeadamente na Germânia - Juliano iniciou a restauração da religião pagã, renovando templos pagãos em ruínas que tinham sido saqueados por cristãos e realizando cerimónias religiosas por toda a parte, o que muito desagradou aos seguidores do crucificado. Diz-se que o dardo que causou a morte de Juliano em combate não foi arremessado pelo inimigo (persa), mas sim por um dos seus próprios soldados cristãos, no meio da refrega. Em sendo verdadeira esta hipótese, confirma-se, por completo, a justeza das palavras de John Locke: todas as religiões devem ser toleradas, excepto aquelas que, pela sua própria natureza (por criarem um Estado dentro do Estado), ponham em causa a salvaguarda da Pátria.

Um dos principais argumentos de Juliano contra o Cristianismo, baseava-se, em traços gerais, no seguinte: porque é que os Greco-Romanos devem aceitar em exclusivo um Deus dos Judeus e que um dos seus profetas - Jesus - diz ser de todos os homens? Porquê abandonar os Deuses que foram realmente honrados pelos antepassados da Grécia e de Roma e honrar apenas uma Divindade do deserto semita?

Depois de ferido pelo dardo, falou, enquanto morria, com os seus homens, discursando sobre a morte e sobre o medo, afirmando, como Sócrates, que não havia motivo para temer o óbito. A respeito desta última cena da sua vida, disseram os cristãos que as suas últimas palavras teriam sido «Venceste, Galileu!», mas nunca foi historicamente provado que o imperador pagão tenha mesmo dito isso.

Sem prejuízo do culto que prestava à generalidade dos Deuses, Juliano tinha especial veneração pelo Sol Invictus (Sol Invencível), por Zeus (Deus do Céu, do Raio e da Justiça, arquetipicamente indo-europeu ou ariano), por Apolo, por Mitra (antigo Deus ariano da luz e dos contratos) e pela Mãe dos Deuses. Conhecem-se actualmente pelo menos duas orações compostas por Juliano em honra dos Deuses (clicar para ler). Sabe-se também que se iniciou em várias religiões da época, entre as quais o Mitraísmo, que poderia ser hoje a religião dominante no Ocidente se o Cristianismo tivesse sido detido, isto no dizer do historiador Renan.

Dizia ele «Fazer por zelo tudo o que está ao seu alcance, é, na verdade, uma prova de piedade», sendo a piedade aqui entendida, não no sentido cristão, que é «compaixão», mas sim no significado original do termo, isto é, pagão, pois que Pietas é o dever religioso para com os Deuses e para com a Pátria.

É de reter esta sua declaração sumária e concisa sobre o modo como encarava o Divino:
«A primeira coisa que devemos pregar é a reverência para com os Deuses. É apropriado que efectuemos o nosso serviço aos Deuses como se Eles estivessem presentes ao pé de nós e nos estivessem a ver, e mesmo que não sejam vistos por nós pudessem dirigir o Seu olhar, mais poderoso do que qualquer luz, tão fundo como os nossos pensamentos mais escondidos.»

Quem quiser saber mais, pode ir cultivar-se no site da The Julian Society.



Poderiam ser destes os vitrais dominantes por todo o Ocidente, se Juliano não tivesse morrido antes do tempo...




Carta de Juliano à população de Alexandria em 362:
«Se o vosso fundador tivesse sido um dos galileus, homens que transgrediram a sua própria lei e pagaram por isso como mereciam, uma vez que escolheram viver em desafio à lei e introduziram uma nova doutrina e ensinamento, mesmo assim não seria razoável da vossa parte exigir o retorno de Athanásio. Mas, sendo as coisas como são, e tendo sido Alexandre o fundador da vossa cidade e Serápis o seu Deus padroeiro, juntamente com a Sua consorte a Virgem, a Rainha de todo o Egipto, Isis... não me refiro à parte saudável da cidade, mas à parte que está adoecida pela audácia de falar em nome do todo.
Estou estarrecido de vergonha, afirmo-o pelos Deuses, ó homens de Alexandria, por pensar que um só alexandrino possa admitir ser um galileu. Os antepassados dos genuínos Hebreus foram escravos dos Egípcios há muito tempo, mas nestes dias, homens de Alexandria, vocês que conquistaram os Egípcios - pois o vosso fundador foi o conquistador do Egipto - submetem-se, apesar das vossas tradições sagradas, em voluntária escravidão a homens que reduziram a nada os ensinamentos dos seus ancestrais. Não tendes por isso nenhuma memória daqueles dias felizes de antigamente quando todo o Egipto estava em comunhão com os Deuses e nós usufruíamos daí muitos benefícios. Mas aqueles que apenas ontem introduziram entre vós esta nova doutrina, digam-me, que benefícios é que trouxeram à cidade? O vosso fundador era um homem respeitador dos Deuses, Alexandre da Macedónia, de maneira nenhuma, por Zeus, uma dessas pessoas, nem sequer se parecia nada com os Hebreus, os quais se mostraram por seu turno muito superiores aos galileus. Não, Ptolomeu, filho de Lagus, provou ser mais forte do que os Judeus, enquanto Alexandre, se tivesse tido de enfrentar os Romanos, tê-los-ia feito lutar arduamente, até a eles, pela supremacia. E que dizer dos Ptolomeus que sucederam ao vosso fundador e cuidaram da vossa cidade desde os seus primeiros anos como se fosse a sua própria filha? Não foi certamente pelos sermões de Jesus que eles lhe aumentaram o renome, nem pelos ensinamentos dos galileus, detestados dos Deuses, que aperfeiçoaram a sua administração da qual ela usufrui e à qual deve a sua presente boa fortuna.
Em terceiro lugar, quando nós Romanos nos tornámos seus donos e a tirámos das mãos dos Ptolomeus que a governavam mal, Augusto visitou a vossa cidade e fez o seguinte discurso aos vossos cidadãos: «Homens de Alexandria, absolvo a cidade de toda a culpa, pela minha reverência pelo poderoso Deus Serápis, e também pelo bem-estar do próprio povo e o grande renome da cidade. Mas há uma terceira razão para a minha boa vontade para convosco, e essa é o meu camarada Areius.» Este Areius era um concidadão vosso e um amigo familiar de César Augusto, filósofo de profissão.
Estas são então, resumindo, as bênçãos atribuídas pelos Deuses Olímpicos à vossa cidade em particular, e eu estou a deixar de lado muitas porque levaria muito tempo a descrevê-las. Mas as bênçãos que são concedidas pelos Deuses visíveis a todos, todos os dias, não apenas a poucas pessoas ou a uma só raça, ou a uma só cidade, mas a todo o mundo ao mesmo tempo, como podem vocês não as conhecer? Estarão insensíveis aos raios que descem de Hélios (Sol)? Ignoram que o Verão e o Inverno Dele vêm? Ou que todos os tipos de vida animal e vegetal provêm dele? E não percebem que grandes bênçãos a cidade recebe Dela que é gerada de e por Ele, até Selene (Lua), que é criador de todo o Universo? No entanto vocês têm a audácia de não adorar nenhum destes Deuses; e pensam que aquele que nem vocês nem os vossos pais alguma vez viram, nem sequer Jesus, merece a categoria de Deus o Verbo. Mas o Deus que desde tempos imemoriais toda a humanidade contemplou e adorou, e do Qual o culto derivou, isto é, o poderoso Hélios, a imagem viva inteligível do Seu Pai, com alma e inteligência, causa de todo o bem... se tomarem atenção à minha admoestação, irão aproximar-se pelo menos um pouco da verdade. Não irão afastar-se do caminho certo se derem atenção a alguém que até ao seu vigésimo ano andou pelo vosso caminho mas que desde há doze anos andou nesta via de que falo, pela graça dos Deuses.
Portanto, se vos der agradar obedecer-me, irão dar-me alegria. Mas se preferirem perseverar na superstição e ensinamento de homens maus, pelo menos concordem em não ansiar por Atanásio. Em qualquer caso há muitos dos seus alunos que podem confortar esses comichosos ouvidos vossos que anseiam por ouvir palavras ímpias. Só desejo que, juntamente com Atanásio, a maldade da sua ímpia escola tenha sido suprimida. Mas tal como as coisas estão vocês têm uma boa multidão deles e não precisam de se preocupar. Qualquer homem que vocês elejam da multidão não será em nada inferior àquele pelo qual anseiam, em qualquer aspecto, para o ensinamento das escrituras. Mas se fizeram estes pedidos porque são tão apreciadores da subtileza geral de Atanásio - fui informado de que o homem é um traste esperto - então deveis saber que por esta mesma razão foi ele banido da cidade. Porque um intrometido é por natureza inadequado para liderar o povo. Mas se este líder nem sequer é um homem mas apenas um desprezível fantoche, como esta grande personagem que pensa que está a arriscar a cabeça, isto constitui seguramente um sinal de desordem. Por conseguinte, para que nada desse género possa acontecer convosco, tal como há muito dei ordens para que ele saísse da cidade, digo agora que ele se vá embora do Egipto.
Que isto seja proclamado aos meus cidadãos de Alexandria

2 Comments:

Blogger TANNHAUSER said...

Excelente tópico!

Ave Cesar!
Ave Augusto!
Ave Juliano!

Fides ad extremum!

27 de junho de 2014 às 02:17:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

O governo a Alemanha vai facilitar o ingresso de judeus ucranianos no país
Leia mais: http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_06_27/alemanha-simplifica-processo-de-imigracao-de-refugiados-judeus-da-ucrania-8328/

27 de junho de 2014 às 10:09:00 WEST  

Enviar um comentário

<< Home