terça-feira, novembro 26, 2013

ANGOLA PROÍBE ISLÃO

Agradecimentos a quem aqui falou desta notícia: http://www.circuloangolano.com/?p=26270 (a itálico o texto original)
Angola torna-se o “Primeiro país a proibir o Islão“. A nação Africana de Angola já se teria tornado o primeiro país a proibir o Islão e os muçulmanos, os relatórios sobre o Islão. Em relação à proibição, o presidente angolano, José Eduardo dos Santos, disse neste domingo “este é último sinal de influência islâmica no nosso país. 
"A Proibição de Angola foi anunciada pela primeira vez na sexta-feira, quando o ministro da Cultura de Angola, Rosa Cruz e Silva disse que “o processo de legalização do Islão não foi aprovado pelo Ministério da Justiça e Direitos Humanos, as suas mesquitas seriam encerradas até novo aviso. 
O Jornal “India Today” relata a declaração de Silva foi feita na sexta-feira na Comissão da Assembleia Nacional de Angola, e que a proibição inclui ordens para demolir mesquitas no país. Silva teria dito que a proibição era necessária uma vez que o Islão é “contraditória com os costumes da cultura de Angola. O Estado Laico deve garantir a liberdade religiosa e, deste modo, respeitar os traços religiosos que já se tornaram parte da cultura e da tradição do povo. A fé é um direito natural inalienável ao ser humano e não se relaciona com a noção de Estado, esta é uma matéria que tem de se agir com certas reservas para os legisladores não entrarem em contradição, evitar a perseguição religiosa desde que a lei não seja violada.
A população de Angola de 16 milhões de habitantes é predominantemente cristã, com apenas 80,000-90,000 muçulmanos, a maioria dos quais são imigrantes da África Ocidental e famílias de origem libanesa, segundo o Departamento de Estado dos EUA.
O ex-embaixador israelita para os EUA Michael Oren observou em 2012 que a população cristã no Médio Oriente  caiu de 20% há um século para 5% actualmente no contexto da contínua perseguição de cristãos por muçulmanos. Michael Oren diz ter observado no Egipto 200.000 cristãos coptas a fugirem das suas casas em 2011 no meio da violência anti-cristã durante a revolta “primavera árabe”, que derrubou o ditador Hosni Mubarak.
Em 2012, principal líder muçulmano da Arábia Saudita, o grande mufti Sheikh Abdulaziz Al al-Shaikh, emitiu uma fatwa (decreto religioso) para demolir todas as igrejas na península Arábica.
Particularmente em África, os analistas têm comentado que forças islâmicas foram matando e expulsando os cristãos, em grande parte, com insignificantes críticas internacionais.
Além do Islão, outras religiões que não foram legalizadas enfrentarão medidas similares em Angola. As religiões não-legalizados na lista “,publicado pelo Ministério da Justiça e Direitos Humanos no jornal angolano” Jornal de Angola ”estão proibidos de conduzir o culto , então devem manter suas portas fechadas“, disse Silva. O ministro da Cultura acrescentou que há um processo de legalização através do qual mais de mil seitas religiosas estão a seguir.


Ver-se-á agora quantas acusações de islamofobia não recairão sobre Angola, que, por não ser nação ocidental, talvez esteja moralmente autorizada a rejeitar tão alógeno elemento... a ver vamos, portanto...


2 Comments:

Blogger Da Serra said...

Penso que pela 1ª vez aplaudo José Eduardo dos Santos!

26 de novembro de 2013 às 19:44:00 WET  
Anonymous Visto de França said...

Parece qué é uma rumor...
Lamento por isso.
O futuro nao vem de Africa...
732 !

28 de novembro de 2013 às 18:07:00 WET  

Enviar um comentário

<< Home