sexta-feira, julho 01, 2016

COMEÇA O MÊS CONSAGRADO A JÚPITER


Júpiter, versão latina do grande Pai Celestial Luminoso, arquétipo do Deus indo-europeuJúpiter, Senhor do Céu, da Justiça e do Raio, protector dos Latinos. Pode ler-se mais aqui sobre a Sua natureza nas diversas culturas indo-europeias.

«Contemplai essa Luz que brilha lá no Alto, a quem todos chamam Júpiter!»
«Àquilo que em mim reside, essa Luz ou o que quer que seja, lanço o meu brado.»
Énio, citado por Cícero em «Da Natureza dos Deuses»

«Vês o sublime e ilimitado fluir do éter, que tudo enlaça no Seu terno abraço? Este devemos ter como o sumo Deus. Chama-O pois de Júpiter.»
Eurípedes, citado por Cícero, op. cit..

«Já o próprio nome "Júpiter", isto é, "o Pai que ajuda", quando declinado fica "Iovem", do verbo iuvare ("ajudar"). Dizem os poetas que Ele é "o pai dos Deuses e dos homens" e os nossos antepassados dizem que ele é o Melhor e o Maior (Optimus Maximus), e colocam o epíteto "Melhor" primeiro porque, realmente, Ele é o que mais benefícios traz, e é pois mais digno de reconhecimento ser útil a todos do que ter muitos recursos.»
Cícero, op. cit..

Zeus é o equivalente grego de Júpiter, e a iconografia helénica acabou por muito influenciar a romana, pelo que o aspecto deJúpiter ou de Zeus será, na Arte, basicamente o mesmo; mas não apenas o aspecto e sim também a essência, e isto já não se deve provavelmente à influência grega em Roma, mas sim à comunidade de origem étnica entre Gregos e Romanos, que é indo-europeia ou «ariana». Zeus e Júpiter são pois, respectivamente, a versão grega e a romana do grande Deus indo-europeu do céu luminoso, que é Diaus Pitar na Índia, Dievs no Báltico e, provavelmente, Tiuz na Germânia Tyr na Escandinávia, Dai Patures na Ilíria (actual Albânia), Dezao entre os Kalash (pagãos indo-europeus do actual noroeste paquistanês). Alguns investigadores consideram que o Seu nome original, entre os mais antigos Indo-Europeus, antes da expansão das tribos vários milénios a.c., seria qualquer coisa como *Dyeus Pater, o Pai Céu, Deus do Céu Brilhante. Porque, independentemente da etimologia imaginada por Cícero, que acima se pode ler (e que é importante para compreender a noção que os seus contemporâneos tinham dos Deuses), a Linguística científica identificou a raiz dos teónimos referidos com o radical indo-europeu *Dei-, que exprime um significado de brilho relacionado com o céu, e que originou duas séries de palavras:
- teónimos, como os já mencionados;
- substantivos: «Deus» e «dia». Por exemplo, em Irlandês «Deus» diz-se «Dia», e pronuncia-se, e escreve-se, como em Português;
Coincidentemente, tanto o Diaus Pitar ariano como o Júpiter latino têm consigo relacionada a cor vermelha.