quarta-feira, junho 29, 2016

PORTUSCALE NO SÉCULO V

O remoto nome poético das Curvas (Cale) do Rio ligadas ao porto, de onde provém o Condado Portucalense, criado sem independência em 1097, coloca-nos em questão o existir já no século V, na margem esquerda do Rio Douro, uma vila à qual os Romanos davam o nome de Cale, sendo esta conhecida desde então pelo nome de Portugal. No actual concelho de Gaia, confrontando com Mafamude e Coimbrões, tem a povoação de Portugal a sua História associada à representação da formação de um território, feito por conquistas, povoamento e conversões. De povoação, a território elasticamente expandido desde o Rio Douro até Coimbra, qual respiração tinha Portugal no Mosteiro de Crestuma o seu centro de poder de condado no início do século X, então integrado no reino de Leão (910-1037). A Galiza estava dividida em diversos condados, sendo um deles o Condado de Portucale, o único situado para Sul do Rio Douro. Pouco mais de um século faltava para como país aparecer Portugal.
Aprendemos na escola que a palavra Portugal vem da junção de Porto Cale, de onde foi formado o Condado Portucalense. Para a palavra , todos sabemos significar local de costa onde as embarcações se abrigam e dá passagem para terra; já para o dicionário refere vir do latim canale, que significa rego de água. No entanto, no tempo de Jesus, Estrabão, que percorreu a Península Ibérica nos primeiros anos da era de Cristo, mencionava Cale, assim chamada pela sinuosidade de curva, porque as curvas dos rios costumavam assim chamar-se na linguagem dos lugares.
Também por essa altura, segundo Plínio, no século I os Túrdulos encontravam-se na cale do Rio Douro e fala deles como estando ainda espalhados por todo o litoral Atlântico, do Douro ao Anas (Guadiana), sendo da sua autoria a estruturação viária pelo litoral, que atravessa o território de Norte a Sul e perdura há dois mil anos. Estrabão refere-se a eles como os Túrdulos Antigos (Turduli Veteres), com escrita própria e leis registadas em verso, eram descendentes dos Tartéssios.

IMPÉRIO ROMANO NA PENÍNSULA
“Em tempos remotíssimos, o rio Douro, pela sua margem esquerda, limitava a antiga Lusitânia; e nas eminências presentemente denominadas Serra do Pilar e Castelo, existiram castros em épocas passadas. Com efeito, no antigo monte da Meijoeira – a actual Serra do Pilar – foram achadas moedas gregas do século III a.n.E. e comprovam que, em tão importante cerro, existiu um castro helénico. Mais a poente, no sítio denominado Castelo, também existiu um Castro, onde, mais tarde, os romanos levantaram uma fortaleza e, consequentemente, fundaram uma povoação a que deram o nome de CALE. Esta povoação foi-se tornando muito florescente, não só por estar próxima à foz dum rio importante, como também pela pequena enseada, que lhe servia de porto.
Quando estes Povos construíram a estrada de Lisboa para o norte, com terminus em Braga, o porto de CALE ficou a constituir o ponto obrigatório da passagem dos viandantes que, do sul, pretendessem seguir para as terras Minho-Galaicas; e aos que, destas, desejavam ir para as terras situadas entre os rios Douro e Tejo.
Naqueles tempos, na margem direita e fronteira a Cale, não havia nenhuma povoação, consoante se prova com o Itinerário de Antonino (livro elaborado no século II)”. Estava a Península Ibérica dividida em três províncias separadas: Lusitânia (a Oeste), Baética (a Sul), Tarraconense (no Leste e Norte). O actual território de Portugal correspondia a uma boa parte da província romana de Lusitânia, nos territórios entre Douro e Minho e governada desde Eremita Augusta, agora Mérida em Espanha, e alguns dos territórios da Baetica habitados pelos Celtíberos. Os Romanos dominaram a Península Ibérica até ao século V da era cristã, altura da sua decadência, coincidente com a chegada dos Bárbaros a invadir as terras Ocidentais.
No século V, o Bispo Idácio de Aquae Flaviae (Chaves) na sua Crónica falava do porto de Calem e dizia que Braga era a cidade mais ao Sul do reino da Galécia, que terminava no Douro. Reino criado no século III, era dividido pelo Rio Minho, tendo a Norte os lucenses e a Sul os bracarenses. Os restantes dois reinos da Península Ibérica eram a Bética, a Leste do Guadiana (Anas) e a Lusitânia, do Douro ao Guadiana.
Da Resenha Histórica de CALE Vila de Portugal e Castelo de Gaia, na separata de Comunidades Portuguesas de 1970, onde não aparece o autor, diz-se, “O mesmo Idacio (c.395-468), quanto à povoação de CALE, mencionou-a como o Castro chamado Portucale. Pela primeira vez, entre os mais antigos documentos, aparece o nome de Portucale, dado por este cronista, à povoação de Cale.
Idacio, que viu Cale, antepôs-lhe, ao designá-la, o substantivo porto, alatinando para portu, bem certamente pelo facto de, naquele tempo, o porto de Cale ser muitíssimo conhecido.
Na margem direita e fronteira a Portugal, continuava a ausência de qualquer burgo ou povoação, porquanto, se existisse, não deixaria de ser referida por este cronista, consoante o fez sobre Castrum Novum, que verificou existir no cerro de Penaventosa, do Porto.

VISIGODOS E O REINO DAS ASTÚRIAS
Os visigodos, vindos das margens do Danúbio e do Mar Negro, atravessaram a Europa e chegaram à Península Ibérica em 412. Como tropas federadas ao serviço de Roma vieram para expulsar os Alanos, Suevos e Vândalos, que tinham acabado de ocupar a Península Ibérica. Após dominar toda a Espanha, este povo germânico pela força das armas em 476 tomou Roma, acabando com o Império Romano do Ocidente, tendo promulgado a “Lex Romana Visigo-thorum” em 506. “Em Lugo, no ano de 568, realizou-se um concílio, que determinou quais as igrejas que ficavam a pertencer à Sé de Coimbra: «a Sé Conimbricense tenha a mesma Coimbra, Eminio, Selio, Roma, Antuana e Portugal – o Castelo antigo dos romanos», segundo Pinho Leal. Por este documento, comprova-se que a povoação de CALE, ou Portugal, estava sujeita, eclesiasticamente, à Sé de Coimbra, a qual, jamais superintendeu em igrejas além da margem esquerda do Douro”, Resenha Histórica de CALE.
Entre 568 e 586, o rei visigodo Leovigildo expulsou os funcionários imperiais e procurou unificar a Península. Foi o fim do Império Romano na Península Ibérica.
Mas no início do século VII, o reino Visigodo (410-711) entrou em crise, com rebeliões a Norte, nas Astúrias e com os Bascos, encontrando-se o Sul sob domínio bizantino.
Em 711, acabou a guerra civil no reino visigodo, já que, com a chegada à Ibéria do exército muçulmano comandado por Tariq ibn Ziyad, numa só batalha deu-se a decapitação do reino visigodo. Pelágio, um príncipe godo, refugiou-se nas montanhas das Astúrias, e resistindo daí com um grupo de cristãos lutou entre 718 a 725 contra os maometanos. Refere Bernardo Vasconcelos e Sousa: “Tradicionalmente, a vitória dos cristãos sobre os muçulmanos na Batalha de Covadonga, no ano de 722, foi considerada como o início da chamada Reconquista, isto é, do processo militar pelo qual os cristãos recuperaram os territórios ocupados pelos seguidores do Islão. Mas mais do que um decisivo confronto bélico já no contexto de uma, Covadonga foi um recontro entre tropas muçulmanas que haviam penetrado na região montanhosa da Cantábria e uma força constituída por naturais daquela zona que reagiram para defender a sua autonomia, sob o comando de Pelágio, um membro da nobreza goda. A apropriação ideológica desta vitória, feita bastante mais tarde pelos clérigos asturianos, acabaria por conferir à batalha a importância de um facto transcendente, associado ao que se considerava ser a missão da monarquia asturiana, de libertação e de salvação de uma Hispânia que tombara perante os inimigos da fé cristã”. E nos três séculos seguintes a progressão dos Cristãos concentrados nas Astúrias reduziu o território dos Mouros, com isto surgindo os reinos de Oviedo, Leão, Galiza e Castela que ocuparam os territórios da antiga Lusitânia.

PORTUGAL NO REINO DAS ASTÚRIAS
O porto de Calem no século V foi referido pelo Bispo Idácio de Aquae Flaviae (Chaves), que diz ser Braga a cidade mais a Sul do reino da Galécia, que terminava no Douro. Rio, obstáculo difícil de atravessar, era por isso fronteira. A localização desse porto gera assim controvérsia, pois sem haver ainda na margem direita o que viria a ser a cidade do Porto, pugna a margem esquerda do Rio Douro e próximo da foz, o lado de Gaia, o povoado mais antigo dessas cales, Portugal.
Em 711 o último rei visigodo, Rodrigo (Roderico 710-711), tentou repelir a invasão muçulmana mas foi derrotado. Avançaram estes para Córdoba e Toledo, a capital visigoda, cercaram Mérida, que caiu em Junho de 713 e, na Primavera seguinte, um exército muçulmano comandado por Musa ibn Nusair marchou para Saragoça, León e Astorga e dois anos depois caía Évora, Santarém e Coimbra. Em 716, após cinco anos, os muçulmanos tinham conquistado e ocupado toda a Península Ibérica, ficando sob domínio cristão apenas as Astúrias no Nordeste, na região montanhosa da Cantábria.
O Reino de Astúrias (718-910) teve como primeiro chefe Pelágio (718-737), um nobre visigodo que em 725 e após a batalha de Covadonga, fundou esse pequeno reino. O terceiro rei das Astúrias, Afonso I (739-759), o Católico, reconquistou terras até ao Douro. Sucedeu-lhe Fruela I (757-768) que valorizou as terras galegas, mas a região para Sul do Rio Minho até ao Douro ficou esquecida e entregue a si própria. De salientar como refere Matoso, “que a expansão asturiana para a Galiza não foi, de modo algum, um movimento pacífico e que os chefes galegos que dominavam a região aceitaram com dificuldade a nova ordem política”.
“No século oitavo vieram os árabes dominar uma grande parte da Península Ibérica; e, da sua permanência nas terras da antiga CALE ou Portugal, há a citar-se os nomes de Mafamude (freguesia), Almeára e Aldariça, povoações das freguesias de Canidelo e Santa Marinha e perto do oceano Atlântico, estabeleceram uma almenára – hoje lugar de Almeára – onde, de noite, acendiam fogueiras para guia das embarcações”, segundo José Matoso.
Quanto à povoação Portugal, os maometanos também não substituíram a sua antiga designação, apesar de nela residirem as autoridades que superintendiam no governo das terras sob a sua jurisdição. A vila de Portugal estava separada a Poente da vila de Mafamude e daí pelo monte abaixo, desde o termo Norte de Coimbrões (de fundação anterior à romana) até Gaia. Quanto ao nome de Mafamude é de origem árabe e supõe-se advir dos finais do século VIII, quando Afonso II realizou “uma expedição que chegou até Lisboa em 798 e acolheu no seu reino o caudilho Mahamud, natural de Mérida, que se tinha revoltado contra o emir. Há quem pense que ele se fixou em Mafamude,” da História de Portugal coordenada por José Matoso.
É com o Rei Afonso II (793-842), o Casto, que começou verdadeiramente a luta com o Islão, ocorrendo o assalto a Lisboa com a ajuda dos Francos. O reino das Astúrias, com o seu centro político mais importante em Oviedo, valoriza as terras entre Douro e Minho, iniciando os asturianos “a actividade repovoadora na bacia do Douro, então uma espécie de no que respeitava ao controlo por parte de cristãos ou de muçulmanos”, segundo Bernardo Vasconcelos e Sousa. Mas com o Rei Ramiro (842-850) de novo, as terras entre Douro e Minho são esquecidas, ficando entregues aos chefes locais.
Ordonho I (850-866) fez a Galiza prosperar, havendo pela primeira vez uma efectiva incursão ao que virá a ser território português, “durante o qual se repovoou a cidade de Tui, antiga sede episcopal, com jurisdição até ao rio Lima. Aqui, os representantes régios tinham não só de tentar impor a sua autoridade, mas também de reprimir novos ataques normandos, a que acresciam agora, no litoral, os roubos e destruição de piratas sarracenos, mencionados pela primeira vez por esta época”, José Matoso.
Segundo Vasconcelos e Sousa, “No reinado de Afonso III (866-910, o Magno), os cristãos chegaram à linha do Rio Douro, sendo um dos mais importantes marcos desse avanço a tomada e o de Portucale, em 868, por Vímara Peres. Com centro em Portucale, junto à foz do Rio Douro, viria a constituir-se, a partir de finais do século IX, uma entidade político-administrativa cuja área se estendeu de sul do Rio Minho até à chamada Terra de Santa Maria, já a Sul do Douro”.

*

Fonte: http://hojemacau.com.mo/2016/06/10/portugal-existe-desde-o-seculo-v/

* * *

Outra etimologia para o topónimo «Cale» é o nome do Povo que dominava a zona, os Calaicos ou Galaicos, que por sua vez poderiam derivar o seu etnónimo a partir do teónimo Cailleach, grande Deusa céltica adorada na Escócia e na Irlanda, onde também se chama «Beara», por curiosa coincidência com a toponímia portuguesa a sul de Cale, Beira - na Escócia este nome da Deusa escreve-se mesmo «Beira»; na Irlanda, Cailleach está fortemente associada com a província Beara, que por acaso também fica a sul.
Quanto ao resto, é bom sinal que comece a haver quem volte a divulgar o que já se dizia há séculos sobre a origem de Portugal, antes da corrente «estatista» dar como adquirido que Portugal só começa com D. Afonso Henriques.

9 Comments:

Blogger CENSURADO AGAIN said...

POIS A BEATAGEM O AHEAD VIVEM A DIZER ISSO

30 de junho de 2016 às 00:58:00 WEST  
Blogger CENSURADO AGAIN said...

ELES SOFISMAM ESTADO COM NAÇÃO COMO SE O CURDISTÃO PRA EXISTIR SÓ O FOSSE QUANDO TIVESSE ESTADO

30 de junho de 2016 às 00:58:00 WEST  
Blogger CENSURADO AGAIN said...

E QUANDO SE TEM OS DOIS ENTÃO E QUANDO SE TEM MAIS DE UM ESTADO PRA UMA NAÇÃO COMO VIMOS NA HELLADA SUMERIA GERMANIA TAMBEM NÃO É MAL MUITO PIOR É O IMPERIO DE SOLO POIS A NAÇÃO COM VARIOS ESTADOS PODE GERAR CIVILIZAÇÕES INTERESSANTES COMO VIMOS NA HELLADA E MESMO EM URUK QUE REVOLUCIONOU VIA DESCENTRALIZAÇÃO OS MODELOS DE CONTABILIDADE

30 de junho de 2016 às 01:00:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Pentágono acusa navio-patrulha russo de aproximação a destróier dos EUA

http://br.sputniknews.com/mundo/20160630/5364567/pentagono-navio-destroier.html

30 de junho de 2016 às 11:10:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

http://br.sputniknews.com/mundo/20160629/5351944/brexit-polonia-orcamento.html

30 de junho de 2016 às 11:16:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Ministros da Rússia e Portugal vêm várias possibilidades de ampliar cooperação

http://br.sputniknews.com/mundo/20160629/5353425/comissao-puchkov-lisboa-resultados.html

30 de junho de 2016 às 11:16:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

A Nação falida do extremo ocidental Europeu envia militares para a Lituânia,sem nada ser dito ao povo contribuinte e falido,os midia fazem silencio total sobre o assunto mas a Sputnick,agência noticiosa Russa anda MUITO atenta ao que se passa no Baltico, e faz questão de informar o mundo

Militares portugueses chegam a Lituânia em sistema rotativo


http://br.sputniknews.com/defesa/20160629/5342905/militares-portugal-lituania.html

30 de junho de 2016 às 11:25:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Os russos são muito amigos (sempre foram) dos povos do Baltico, diria até que lhes têm um amor maternal.

E, por acaso, não é verdade que a ida de militares portugueses tenha sido escondida. Desde 2015 que lá andam. Para verificar é só fazer uma busca no Google.

30 de junho de 2016 às 17:57:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

http://pt.euronews.com/2016/06/30/putin-acusa-nato-e-estende-mao-a-turquia/

tai aquele que iria "defender a europa"...

30 de junho de 2016 às 20:53:00 WEST  

Enviar um comentário

<< Home