quarta-feira, abril 27, 2016

UNIÃO EUROPEIA TEM DADO MILHÕES DE EUROS AOS NACIONALISTAS

Graças à Democracia, a União Europeia (UE) tem dado milhões de euros aos Nacionalistas nos últimos anos. É mesmo isto - sei que, usualmente, de cada vez que «Democracia», «UE» e «Nacionalistas» aparece na mesma frase, é para se dizer que «a Democracia dá cabo dos Nacionalistas e do País!» ou que «os Judeus controlam a UE para usar a Democracia para dar cabo dos Nacionalistas!!!», (aqui com a variante «Judeus» ao barulho), motivo pelo qual o que primeiro afirmei parece esquisito. Os factos todavia são mesmo estes: http://www.lamarea.com/2016/04/21/84911/, graças à Democracia, a UE tem dado milhões de euros aos Nacionalistas desde 2012. Acto contínuo, o Esquerdalhame está preocupado e «indignado!», pudera, quando o jogo democrático dá pontos ao oponente, deixam os esbirros mais esquerdistas e sobretudo mais anti-racistas de gostar da Democracia, apetece-lhes atirar com o «tabuleiro» ao chão. Note-se que no artigo que aqui trago não há uma só afirmação de que o dinheiro dos Nacionalistas esteja a ser gasto em actividades ilegais (e já agora, na Esquerda, donde é que os grupos pró-imigração tiram o dinheiro para andarem a violar a lei metendo ilegais na Europa?), mas mesmo assim esta malta guincha. É bom sinal. Quando esta espécie de «gente» guincha de raiva ou temor é sempre bom sinal. E confirma, desta vez pela «via financeira», o que aqui tenho dito há anos: a Democracia é uma aliada natural do Nacionalismo, o que só surpreende os mais desavisados e os mais tacanhos, que não percebem o óbvio: a Democracia consiste em dar a supremacia do poder ao povo; ora, quanto mais for o povo quem mais ordena, mais se exerce aquilo que é mais visceral e vital no seio do povo, que é a primazia do «Nós», da Estirpe, da Tribo. O Nacionalismo é precisamente o apelo da tribo vertido em forma política e organizada. Logo, quanto mais democrática for uma sociedade, mais potencial - potencial - existe nessa sociedade para o crescimento do Nacionalismo democrático. E isto na União Europeia desenrola consequências óbvias - quanto mais o povo vota nos Nacionalistas, mais os Nacionalistas alcançam lugares no parlamento europeu, e quanto mais os Nacionalistas alcançarem lugares no parlamento europeu, mais dinheiro da UE recebem. Claro como água.

7 Comments:

Blogger João José Horta Nobre said...

«Acto contínuo, o Esquerdalhame está preocupado e «indignado!», pudera, quando o jogo democrático dá pontos ao oponente, deixam os esbirros mais esquerdistas e sobretudo mais anti-racistas de gostar da Democracia, apetece-lhes atirar com o «tabuleiro» ao chão.»

Nada que me surpreenda!

27 de abril de 2016 às 19:10:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

"Graças à Democracia, a União Europeia (UE) tem dado milhões de euros aos Nacionalistas nos últimos anos."

e depois?? que e isso comparado com os bilhoes e bilhoes que tem dado aos partidos defensores do multiracialismo?
que é isso comparado com o que gastam directamente em campanhas de integraçao, subsidios aos imigrantes? que é isso com o dinheiro gasto em refugiados? que é isso com o gasto em propaganda multiracialista nos media?

se nos recebemos milhoes, eles ja receberam bilhoes e bilhoes

27 de abril de 2016 às 19:21:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Pois, mas aí a culpa é dos «iluminados» anti-democráticos «donos do Nacionalismo» que durante décadas atrasaram o avanço dos movimentos nacionalistas em vez de perceberem que era no povo que estava o seu poder e não de costas voltadas para o povo, com as ventas enfiadas em «tertúlias» de merda sobre conspirações sionistas e tretas do género. Se os Nacionalistas tivessem avançado mais cedo de maneira mais democrática, eventualmente teriam hoje mais representação euro-parlamentar. Em suma, estudassem, percebessem, trabalhassem como deve ser.

27 de abril de 2016 às 21:43:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

"em vez de perceberem que era no povo que estava o seu poder "
"Se os Nacionalistas tivessem avançado mais cedo"

Mas o problema é que no povo que tu tanto prezas, ha uma pequena pequenissima % de nacionalistas, racialistas e anti-imigração. E como em qualquer lado dentro dessa pequena % de pessoas, ainda uma mais pequena % é militante activa e faz algo. Em qualquer movimento é assim.
Agora, se o povo fosse mais inteligente e não se deixasse levar pela propaganda multiracialista, abrissem os olhos e pensassem um bocadinho, então ja teriam acordado mais cedo, mesmo com os poucos nacionalistas activos e com o pouco dinheiro que havia para que a mensagem chegasse as pessoas. Se o povo aderisse, haveria mais nacionalistas e mais militantes activos.

Quando temos varios europeus que passaram por problemas causados pelo multiracialismo, por violações, viram as suas cidades ficarem caóticas e inseguras e mesmo assim se recusam a votar nos nacionalistas, desculpam os imigrantes e preferem mudar para outra cidade, acho que esta tudo dito. Burro velho não aprende linguas e este é o problema dos europeus. Mesmo com países em pantanas como França, Alemanha, Inglaterra e Suécia, o nacionalismo ainda não conseguiu vingar e chegar ao poder para mudar o rumo da situação. É preciso chegar-se a ainda mais invasão, destruição, crime, insegurança, terrorismo para acordarem? É ridiculo. Um povo decente ja teria acordado ha muito e posto fim a isto.

27 de abril de 2016 às 23:02:00 WEST  
Blogger João José Horta Nobre said...

«Pois, mas aí a culpa é dos «iluminados» anti-democráticos «donos do Nacionalismo» que durante décadas atrasaram o avanço dos movimentos nacionalistas em vez de perceberem que era no povo que estava o seu poder e não de costas voltadas para o povo, com as ventas enfiadas em «tertúlias» de merda sobre conspirações sionistas e tretas do género. Se os Nacionalistas tivessem avançado mais cedo de maneira mais democrática, eventualmente teriam hoje mais representação euro-parlamentar. Em suma, estudassem, percebessem, trabalhassem como deve ser.»

É verdade! É tudo verdade, sim senhora. A obsessão com as "conspirações sionistas", os ultra-conservadorismos católicos e o Salazarismo, minaram muito o Nacionalismo em Portugal.

Eu em relação ao Estado Novo, pronto, reconheço o Patriotismo do professor Salazar e acho que ele fez muitas coisas bem, mas discordo de outras, nomeadamente do excessivo Catolicismo do regime, do ultra-conservadorismo bétinho e da censura que era francamente desnecessária e acabou mesmo por fomentar a oposição em larga medida.

Quanto à democracia, eu gostava sinceramente que funcionasse, mas quando vejo a balbúrdia que se passou na Primeira República e o que se passa hoje na Terceira República, que na prática, se transformou numa partidocracia corrupta, quando penso nisto tudo, fico pouco entusiasmado com a ideia da democracia tal como a temos...

27 de abril de 2016 às 23:48:00 WEST  
Blogger Caturo said...

«Mas o problema é que no povo que tu tanto prezas, ha uma pequena pequenissima % de nacionalistas, racialistas e anti-imigração.»

Não. Na verdade, a tendência anti-imigração é maioritária no seio do povo, como as sondagens demonstram. Os militantes nacionalistas é que são poucos, mas isso é outra coisa. Ao contrário do que pensas, as coisas em política não se fazem sem dinheiro e muito esforço democrático. E este esforço democrático é relativamente recente no Ocidente, além de que tem sido contrariado por demasiados militantes nacionalistas ao longo das décadas. Tem sido uns a puxar para um lado, outros a puxar para outro e a tentarem desmoralizar os que combatem em democracia, garantindo, cheios de prosápia e cagança, que «isto só lá vai com um golpe de Estado!, à homem!!, ali de arma em punho!!!!», embora na verdade não façam um real caralho nem de uma maneira nem doutra, é que muitos deles nem a fuça mostram numa manifestação.

Sucede simplesmente que os partidos nacionalistas quase só podem contar com os seus próprios meios, os dos militantes, que em geral não são das classes privilegiadas. Os partidos nacionalistas são portanto pouco conhecidos, logo à partida, o que só por si impede, naturalmente, que obtenham tantos votos como os que podiam obter.

E, quando são conhecidos, boa parte de quem os conhece,
ou tem medo dos ares ditatoriais e agrestes de demasiados dos seus militantes
ou não acredita que possam ir longe por parecerem um bando de lunáticos e/ou ingénuos utópicos,
vai daí há demasiadas vezes a preferência pelo chamado voto «útil», que é quase sempre uma inutilidade perigosa.

Ganhar votos é muito custoso e exige muito trabalho, um trabalho menos encantador e fácil do que mandar bitaites contra os Judeus e a Maçonaria nalgum jantar de amigalhaços. A falta de dinheiro tem de ser compensada com um acréscimo desmedido de trabalho, e não só trabalho mas também ideias, buscam-se desesperadamente ideias para se ser visto num mundo onde a informação mediática atinge proporções colossais e às pessoas basta sentarem-se, sem se mexerem, diante do televisor, para toda a informação ir ter com elas aos magotes. Não basta por isso aparecer de vez em quando, de fugida, durante cinco segundos na rua ou no pequeno ecrã, que isso «entra por um ouvido e sai pelo outro», é preciso muito mais esforço e tempo. Mas a pouco e pouco consegue-se e o avanço notório da FN, do FPO, da SD, da SVP/UDC (o partido mais votado na Suíça há dez anos seguidos) mostra que de facto há algo no povo a pedir auxílio, ainda que balbuciando. O povo está vivo e tem um instinto natural de auto-defesa. É com este trunfo que os Nacionalistas têm de saber jogar. Se não o fizeram ainda, foi em grande parte devido à sua própria cegueira e/ou incompetência do passado. Tudo se corrige, entretanto.



28 de abril de 2016 às 00:07:00 WEST  
Blogger Caturo said...

«Quanto à democracia, eu gostava sinceramente que funcionasse, mas quando vejo a balbúrdia que se passou na Primeira República e o que se passa hoje na Terceira República, que na prática, se transformou numa partidocracia corrupta, quando penso nisto tudo, fico pouco entusiasmado com a ideia da democracia tal como a temos...»

Quanto mais democráticos os países, menos corruptos e mais evoluídos se mostram...
E quanto mais democrático o sistema, mais poder o povo tem, e quanto mais poder o povo tem, mais influência terá aí aquilo que de mais visceral existe no povo, que é o espírito tribal. O Nacionalismo é o espírito tribal vertido em forma política organizada. O instinto da Estirpe é o minério, o Movimento Nacionalista é o joalheiro, o Nacionalismo é o diamante.

28 de abril de 2016 às 00:12:00 WEST  

Enviar um comentário

<< Home