sexta-feira, novembro 16, 2007

«ISRAEL NÃO PODE SER UM ESTADO JUDAICO»

Cá está mais uma notícia que os mé(r)dia, progressivamente convertidos ao anti-sionismo pela via da islamofilia dimiesca, do anti-americanismo primário e do ódio ao princípio do Estado pertencente a uma estirpe, optam por não divulgar, para que assim continue a ser possível pintar os Palestinianos anti-Israel como justiceiros oprimidos justamente revoltados e os Israelitas como opressores e assassinos-de-criancinhas-desfavorecidas-que-atiram-pedras: o negociador mais importante da Palestina, Saeb Erekat, não aceita que Israel possa ser reconhecido como um Estado judaico - diz ele que «não há nenhum país no mundo em que as identidades nacionais e religiosas estejam interligadas», o que tem imensa graça quando é dito por um muçulmano, visto que há vários países muçulmanos onde a aplicação parcial da chária ou lei islâmica inclui a menorização dos não muçulmanos como cidadãos de segunda, enquanto a apostasia do Islão é aí punida com a pena de morte.

O que pode pois fazer Israel a não ser combater esta gente sem quartel?

Tudo se configura para que venha a acontecer a Israel o mesmo que aconteceu à África do Sul - queda da população fundadora do Estado, fim do «apartheid», imposição da massa dos «desfavorecidos» rancorosos, pelo peso do número e das costas aquecidas pelo apoio internacional.


Efectivamente, o veneno já se infiltra no próprio governo israelita. Recentemente, o primeiro árabe a conseguir ser ministro de Israel, Raleb Majadle (ministro da Ciência, da Cultura e do Desporto) declarou que Israel não tem qualquer direito de soberania sobre o Templo do Monte em Jerusalém. O que está em causa neste caso são os trabalhos de escavação levados a cabo pelas autoridades muçulmanas (Wakf) num templo de importância crucial para o Judaísmo, correndo o risco de o destruir irremediavelmente.

Assim, quando interrogado no Parlamento sobre se a lei israelita se aplica ou não à zona do templo, Majadle respondeu que não.

Quando lhe foi lembrado que estava a responder pelo governo inteiro, o árabe persistiu: «Darei a minha opinião. Sou um ministro governamental, mas sou em primeiro lugar e acima de tudo uma pessoa e um cidadão e um muçulmano. Com o devido respeito para com a lei, a lei foi feita para respeitar a religião, a pessoa e o cidadão, e protegê-lo, e não, pelo contrário, para o escravizar. Portanto, digo claramente: Al-Aksa, Al-Haram al-Sharif (o nome que o templo do monte tem para os muçulmanos) não pode estar sob a autoridade da lei israelita.»

Foi-lhe então recordado que tinha jurado obediência ao Estado de Israel, ao que o muçulmano respondeu: «eu posso ser ministro por um, dois ou dez anos, mas nasci muçulmano, sou muçulmano e como muçulmano morrerei. Eu respeito a lei israelita... mas se houver contradição entre a lei e a minha profunda fé como muçulmano, declaro que saberei o que escolher.»

Ora tomai lá mais uma destas, ó Judeus... devieis saber que John Locke tinha toda a razão quando na sua «Carta Sobre a Tolerância» afirmou que todas as religiões deveriam ser toleradas pelo regime excepto aquelas cuja natureza doutrinal fosse incompatível com a lealdade dos cidadãos ao Estado.

E o que se aplica Israel, aplica-se com muito mais razão à Europa, visto que há ainda mais distância entre o Islão e a civilização europeia do que entre o Islão e a cultura judaica. Tudo indica pois que pelo menos boa parte dos muçulmanos, senão mesmo a maioria, nunca será leal a qualquer nação europeia.

11 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Fico impressionado com o pró-sionismo do Caturo. A continuar assim, vais ter uma árvore em sua homenagem no Jardim dos Justos.

16 de novembro de 2007 às 16:46:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Imaginem o Caturo vestido de judeu ortodoxo, de cabelo aos caracóis e chapeu de abas. Lindo!

16 de novembro de 2007 às 16:54:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

"Tudo se configura para que venha a acontecer a Israel o mesmo que aconteceu à África do Sul - queda da população fundadora do Estado, fim do «apartheid», imposição da massa dos «desfavorecidos» rancorosos, pelo peso do número e das costas aquecidas pelo apoio internacional."

Caturo, quando tiveres tempo, por favor desenvolve um bocadinho mais este paragrafo, a ver se eu te percebo.

16 de novembro de 2007 às 17:03:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

por acaso não terás ascendência judaica? ou então não terás sido enrabado por algum camelo ou dromedário?

16 de novembro de 2007 às 17:15:00 WET  
Blogger Caturo said...

ou então não terás sido enrabado por algum camelo ou dromedário?

Que estranha ideia a tua... dito assim, a despropósito, até parece que estás a pedir algum servicinho à Mossad... :)

16 de novembro de 2007 às 17:17:00 WET  
Blogger Caturo said...

Caturo, quando tiveres tempo, por favor desenvolve um bocadinho mais este paragrafo, a ver se eu te percebo

Não percebes o paralelismo com a África do Sul?
Dois Estados controlados por uma minoria étnica, atacados por todos os lados... não te diz nada?

16 de novembro de 2007 às 17:20:00 WET  
Anonymous You Know Who said...

http://www.youtube.com/watch?v=J5e5udWZTHs

Delicia o teu espírito com este video da Finlândia.

16 de novembro de 2007 às 17:22:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Continuo a não perceber.
Estás a dizer que os judeus são uma minoria etnica no estado de Israel?

16 de novembro de 2007 às 17:23:00 WET  
Blogger Caturo said...

São uma minoria perante a massa árabe que os cerca.

16 de novembro de 2007 às 17:30:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Já agora, como classificas o regime do apartheid, identitário?

16 de novembro de 2007 às 18:46:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

ó gordo do caralho larga o osso que daqui não levas cheta. XUPA ANTIFA!

17 de novembro de 2007 às 00:04:00 WET  

Enviar um comentário

<< Home