sexta-feira, março 30, 2007

O CARTAZ DO PNR


A escumalha esperneia, esbraceja e guincha como porcos na matança só porque o PNR afirma os seus ideais de maneira publicamente incontornável, colocando um enorme cartaz na rotunda do Marquês do Pombal, em Lisboa, precisamente um dos locais do País onde passa mais gente e, por conseguinte, onde a propaganda política tem mais visibilidade.
É, enfim, a reacção esperada, quando se vive num sistema de totalitarismo doutrinal, em que o universalismo fraternalista se alçou à categoria de dogma «sagrado» e a simples vontade de salvaguardar a identidade da Estirpe é considerada como blasfémia diabólica.
Ainda agora, por exemplo, os pretensos «fazedores de opinião» do programa de Carlos Magno na Atena 1 concordam todos em condenar a mensagem do cartaz acima colocado, usando para isso os chavões de quem quer atirar areia para os olhos do Povo («somos poucos, precisamos de imigrantes», etc., quando em Portugal já há desemprego em barda, quando se sabe que a imigração que está em entrar no País não ajuda a pagar a segurança social porque os seus salários são baixíssimos) - e, tendo em conta que este programa pretende reunir pontos de vista de «diferentes quadrantes políticos», afigura-se especialmente significativo que toda esta gentinha, supostamente «da Esquerda e da Direita», seja unânime em condenar o Nacionalismo e em apoiar a imigração. O programa constitui assim um micro-reflexo da política dominante em todo o Ocidente, no qual o Nacionalismo é ainda demonizado pelos grandes mé(r)dia.
Trata-se, efectivamente, duma máscara de pluralidade ideológica a querer esconder um totalitarismo doutrinário - «tudo» é permitido, desde que não se contrarie o sacrossanto mandamento do universalismo fraternalista.
Por conseguinte, levantou-se uma súcia onda de apelos à proibição do cartaz, com o cobarde argumento de que «viola a Constituição», Constituição esta que foi feita pelos donos de quem agora exige a censura, o que significa, objectivamente, que quem assim age está a usar o texto constitucional exactamente do mesmo modo que na Idade Média os inquisidores usavam a Bíblia para condenarem quem da Bíblia discordasse - um argumento circular: «temos razão porque o que dizemos está no nosso livro sagrado; e o que está no nosso livro sagrado é verdade infalível porque nós dizemos que o é». Ou seja, até nisso a Nova Inquisição Antirra descende da antiga Inquisição Católica.
Todavia, para azar dos esbirros do anti-racismo moralista, a Procuradoria Geral da República acabou por declarar que a mensagem do cartaz em questão não chega a violar a lei constitucional - trata-se, enfim, de mais um furo ao boicote ideologicamente totalitário que o sistema vigente impõe.


Leia-se entretanto o que o PNR propõe relativamente ao tema:

A imigração planetária, consequência do mundialismo e da globalização, constitui uma ameaça à identidade nacional de cada nação, pois modifica profundamente a natureza da população dos países de destino dos imigrantes.

Portugal é uma nação europeia com quase 900 anos de história!

Nas últimas décadas, a par da entrada descomunal de populações oriundas de países não europeus, assistiu-se à constituição de numerosos guetos nos subúrbios das grandes cidades, cujos residentes se recusam a acatar as leis vigentes.

Por seu turno, o recurso sistemático à mão-de-obra imigrante implica a redução dos salários e a consequente diminuição do nível de vida dos trabalhadores portugueses.

Perante este panorama desolador, e antes que o flagelo alastre até proporções incontroláveis, o Partido Nacional Renovador propõe várias medidas para debelar este fenómeno.

Assim, a par das diversas propostas constantes do nosso programa político, é urgente:

ALTERAR A LEI DA NACIONALIDADE

O facto de um indivíduo nascer em Portugal, não deve ser suficiente para que este seja considerado cidadão português.
A nacionalidade deve ser atribuída de acordo com a sua ascendência
. Isto é, só nasce portuguesa toda a criança cujo pai ou mãe forem portugueses.
Ainda hoje, em alguns do países europeus mais desenvolvidos, o princípio do jus sanguinis mantém-se como forma principal da transmissão da nacionalidade.

TERMINAR COM AS ACTUAIS POLÍTICAS DO CHAMADO REAGRUPAMENTO FAMILIAR

Estas políticas irresponsáveis permitem a entrada todos os anos em Portugal de milhares de familiares de estrangeiros presentes no nosso país. É imperativa a sua abolição. O reagrupamento familiar deve ser feito sim, no país de origem dos imigrantes.

EXPULSAR OS CLANDESTINOS E DELINQUENTES

Todo o imigrante clandestino deverá ser expulso e enviado para o seu país de origem.
As entidades que favorecerem a entrada de clandestinos no nosso país, bem como os empregadores que recorram à mão-de-obra clandestina deverão ser sancionados com severidade.
Os delinquentes estrangeiros deverão ser repatriados logo que cumpram a pena a que foram condenados.

ACABAR COM OS CASAMENTOS DE CONVENIÊNCIA

A naturalização em virtude do casamento deverá deixar de ser automática.
Urge terminar de vez com os casamentos de conveniência, cujo único fim é a obtenção da nacionalidade portuguesa para ter acesso às vantagens por ela oferecidas.

DESMANTELAR OS GUETOS

Na óptica da salvaguarda da identidade nacional, os guetos onde já nem a polícia ousa entrar, devem ser desmantelados. Esta medida passa pela reabilitação da habitação social e pela sua entrega a cidadãos nacionais, nomeadamente os mais jovens, facilitando-lhes no futuro a possibilidade de aquisição da residência.

ORGANIZAR O REGRESSO DOS ESTUDANTES ESTRANGEIROS APÓS CONCLUSÃO DOS ESTUDOS

Os estrangeiros qualificados que pretendam efectuar os seus estudos superiores em Portugal deverão regressar aos seus países logo que os terminem. Os conhecimentos obtidos deverão ser colocados ao serviço do seu país de origem e dos seus compatriotas.
Em caso de contínuo insucesso escolar, a sua permanência em solo português não deve ser autorizada.

ORGANIZAR O REGRESSO DOS IMIGRANTES

É preciso inverter os fluxos migratórios, isto é, promover o reagrupamento familiar dos imigrantes no seu país de origem.
Não é de facto humano que homens e mulheres vivam durante anos, afastados do seu país natal e da sua família.
Em caso algum, o reagrupamento familiar será feito em Portugal.

PROTEGER A IDENTIDADE NACIONAL

Os diferentes tratados europeus promovem a abertura incontrolada das nossas fronteiras.
Salvaguardando a livre circulação de bens e mercadorias, Portugal deverá ter soberania para controlar as sua próprias fronteiras e decidir quem pode ou não entrar em território nacional.

129 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Caturo,

Vamoz fazer um "trato" - Imagina que sou (e sou) um potencial eleitor do PNR.

Antes a minha "declaração de interesses":



Em 1ºlugar - não sou comuna, BE, PS, etc. tb n sou PP, PSD, já votei nalguns destes e tm já me abtsive MUITAS vezes.

Sou contra muita teoria do politicamente correcto, axo q há q encarar o tema de imigração,da droga , do ensino de outra forma, pq há óbvios falhanços. Sou a favor do fim de muita bandalheira ná política, da corrupção, etc. Acredito no trabalho, no mérito, na Lei.

Gostaria que me explicasses (argumentando) a força das tuas ideias, e preferencialmente com FACTOS (quando possível, claro)

- Qual é o vosso programa?
- Que modelo defenderias nos poder relativamente a "direitos, liberdades e garantias"?
- Quais os estudos que suportam a relação entre desmprego/insegurança com imigração?
- Idem para a convicção que referes do desejo de separação racial?
- Qual o enquadramento de Portugal nas relações com a UE?
- Quais os critérios para devolver "Portugal aos portugueses"?
- Qual a política externa e de relacionamento com países lusófonos?
- Como operacionalizas a deportação e quais os critérios para a mesma?
- De que forma é que esta deportação era possível economica e juricamente, nomeadamente as pessoas q são portuguesas pretas, mulatas, etc? para onde iam?
- Qual o impacto económico, social da medida anterior?
- O que fazer com os portugueses brancos que se juntaram a portugueses pretos, já que estavam incluídos no plano de deportação?
- O PNR defende a existência de raças superiores? sem sim, baseado em que estudos?
- O que pensa o PNR da investigação científica, educação social, emancipação das mulheres, etc?
- Que alterações prevês no código penal?
- Existe algum regime/modelo político que seja vossa referência? Qual?

30 de março de 2007 às 22:15:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

esqueci-mde uma coisa...Não sou contra a exclusão de partidos "fascistas"

El Estatístico

30 de março de 2007 às 22:16:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

A resposta à isso tudo está no site do PNR na parte de documentos.

www.pnr.pt, se entretanto estiveres com dificuldade de aceeso vai tentado porque a afluência ao site já vai na ordem das várias dezenas de milhar nestes últimos dias.

30 de março de 2007 às 22:37:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Sr Estatísticas, acha que obterá resposta? Era necessário falar com democratas, o que não é o caso!
A ideia desta gente é criar uma fachada de participação na democracia, sem entrar nos "detalhes" - é mais fácil, rende mais votos e não obriga a pensar.

30 de março de 2007 às 22:54:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Só o PNR conta pq o resto é paisagem

30 de março de 2007 às 23:00:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

MORTE AOS TRAIDORES!

30 de março de 2007 às 23:42:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Anónimo,

eu prefiro "TRAIDORES À MORTE" ;)

"el estatístico"

ps tem calma, pá!

30 de março de 2007 às 23:46:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Ouvi dizer que o presidente do PNR foi em tempos emigrante, e no País onde emigrou era um imigrante. É verdade que agora quer expulsar imigrantes?

31 de março de 2007 às 02:07:00 WEST  
Anonymous Carlos said...

Eu fiquei espantado em como conseguiram meter o cartaz
entao o pnr tava com dividas, tava teso de dinheiro e consegue pagar um cartaz nessa zona :o fiquei mesmo espantado
gostava que me explicassem como conseguiram

31 de março de 2007 às 06:07:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo,

Não sei se lês o Expresso, mas há um artigo interessante do Pereira Coutinho, em que (pegando no tema da FLUL)estabelece algumas semelhanças entre o BE e a lista X. Queres comentar?

El estatístico

31 de março de 2007 às 10:59:00 WEST  
Anonymous cavalo puro lusitano said...

axo mt bem os emigrantes que se vão foder e q voltem para as terras deles viva os franceses em frança os ingleses na inglaterra e a chica do mixinha na belgica
caturo quem são os candidatos do pnr pelo circulo da europa e fora da europa?

31 de março de 2007 às 18:11:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Cavalo puro lusitano,

A tua argumentação é realmente ...cavalar. A tua intricada teoria das raças aplica-se bem...aos cavalos.

N percebo o q tens contra os emigrantes (ou querias dizer Imigrantes - a diferença aprende-se na primária q se calhar n completaste)

Boa palha!
el estatístico

31 de março de 2007 às 19:45:00 WEST  
Anonymous cavalo puro lusitano said...

sou bronco mas sou feliz
nunca li um livro mas a mim niguem me engana con a estória do holoconto

31 de março de 2007 às 20:30:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Parece que quando as pessoas criticam o P.N.R. passam automaticamente a agentes de um suposto sistema de totalitarismo doutrinal. Posição nada dogmatica...

Stran

31 de março de 2007 às 20:44:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Como secretario geral do PNR o Caturo está de parabens

31 de março de 2007 às 21:00:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

O Caturo n é secretário-geral do PNR e o estatístico se consultar as perguntas e respostas do site do PNR bem como o respectivo programa encontrará lá as respostas àquilo qu pretende.

Quanto ao puro sangue ou é um básico ou alguém a querer fazer-se passar por básico (cheira-me mais a esta última hipótese), por isso deixem-no relinchar.

31 de março de 2007 às 21:47:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caro anónimo,

De facto li com atenção a documentação, e parece-me que algumas das questões ou não estão explicadas, ou não há o detalhe suficiente, ou há mesmo contradições com coisas escritas pelo Caturo.

Alguns exemplos:

Segundo o Caturo deverá existir um plano de retirada da nacionalidade a milhares de portugueses + expulsão de imigrantes. No site não parece que a opinião do "partido" seja essa.

- Não há referências sobre a política de relacionamento com os países lusófonos (se calhar a política é não haver relacionamento)
- Não vi uma explicação consistente, baseada em dados fiáveis para a relação entre desemprego/insegurança com imigração. Aliás o problema do nosso atraso é mais endógeno que exógeno.


Acho que o site está bem feito (ouvi dizer q o JPCoelho era designer gráfico), tal como a campanha de mkt desta semana...

"el estatístico"

31 de março de 2007 às 22:50:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

O Caturo já foi corrido de secretário geral?
Porquê?

31 de março de 2007 às 22:52:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

VIVA PORTUGAL, PORTUGAL PARA OS VERDADEIROS PORTUGUESES. REGRESSO DOS EMIGRANTES JÁ!!!

João N'Gonga de Alarcão Menezes e Sousa Buiça Cabral Djaló Savimbi.

31 de março de 2007 às 23:13:00 WEST  
Anonymous cavalo puro lusitano said...

o caturo Secretario Geral do prn?
deixa-me rir.....todos sabiam menos ele da conferência de empresa de ontem

31 de março de 2007 às 23:28:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Mas ele é muito distraido?

31 de março de 2007 às 23:35:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Estatístico (nome irónico para quem não é capaz de defender a «sua» estatística.:)), eu falo por mim, não pelo PNR. Como já te foi dito aqui, podes ir ver o programa do PNR no site deste partido. E, se quiseres saber mais algo mais a fundo sobre o tema, nada te impede de mandares para lá um e-mail.

De qualquer modo, vamos então às perguntas:

- Que modelo defenderias nos poder relativamente a "direitos, liberdades e garantias"?

Pergunta vaga que só por si pediria um pequeno livrinho.
Especifica, caso a caso.
De qualquer modo, posso adiantar que, quanto a mim, só os cidadãos nacionais poderiam ter todos os direitos políticos em solo nacional (como por exemplo o direito de voto).



- Quais os estudos que suportam a relação entre desmprego/insegurança com imigração?

Estudos que, se são feitos, não são divulgados, porque o regime tuga vigente não o permite ou não está interessado em que o Povo saiba dos factos. Mas, para já, é notório que a esmagadora maioria da criminalidade de rua é cometida por gangues de «jovens» negros, e isto tanto o cidadão anónimo como, sobretudo, os agentes policiais, podem constatar. É também verdade que existe um número relativamente elevado de não brancos que são responsáveis pelo crime de violação, proporcionalmente maior do que os dos brancos.

E, de quando em vez, vão surgindo notícias especialmente esclarecedoras, como esta por exemplo:
http://gladio.blogspot.com/2006/07/como-criminalidade-nas-zonas-do-pas.html



Idem para a convicção que referes do desejo de separação racial?

Trata-se dum dever de salvaguardar a sua própria estirpe, evitando a sua diluição por mistura; acresce que as sociedades racialmente mais misturadas têm mais problemas sociais.


- Quais os critérios para devolver "Portugal aos portugueses"?

A ancestralidade.


- Qual a política externa e de relacionamento com países lusófonos?

Relações de carácter puramente político e comercial.


- Como operacionalizas a deportação e quais os critérios para a mesma?

Trata-se dum processo longo e que só seria resolvido caso a caso, consoante as circunstâncias. Mas, como princípio geral, só seriam portugueses os netos de portugueses ou pelo menos de caucasóides.


- De que forma é que esta deportação era possível economica e juricamente,

Todo e qualquer défice de mão de obra que pudesse surgir seria solucionado com imigração de origem leste-europeia, desde, claro está, que não houvesse portugueses para ocupar os lugares vagos.


nomeadamente as pessoas q são portuguesas pretas, mulatas, etc? para onde iam?

África; ou Brasil.


- Qual o impacto económico, social da medida anterior?

Seria calculado na devida altura.


- O que fazer com os portugueses brancos que se juntaram a portugueses pretos, já que estavam incluídos no plano de deportação?

Ver acima.


- O PNR defende a existência de raças superiores?

Não.


- O que pensa o PNR da investigação científica, educação social, emancipação das mulheres, etc?

Pensa que tudo isso é para deitar fora; depois de os imigrantes serem deportados por meio de aviões, estes seriam banidos, porque se Deus quisesse que o homem voasse tinha-lhe dado asas; a pouco e pouco, todos os actuais transportes públicos desapareceriam, o ensino superior também e às mulheres seria vedada a aprendizagem de tudo o que excedesse o saber ler e fazer operações matemáticas simples, necessárias à vida económica caseira.

1 de abril de 2007 às 00:59:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Era necessário falar com democratas,

Como se você pudesse dar lições fosse a quem fosse sobre Democracia.

1 de abril de 2007 às 01:03:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Parece que quando as pessoas criticam o P.N.R. passam automaticamente a agentes de um suposto sistema de totalitarismo doutrinal

Depende do motivo da crítica... se quem ataca o Partido afirma que não há lugar na política nacional para ideologias «racistas», então não há margem para dúvida absolutamente nenhuma que quem emite tal crítica é um lacaio do totalitarismo doutrinal, sem apelo nem agravo.

1 de abril de 2007 às 01:17:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo,

Fazes tanta gala dos teu argumentos, tu que “andas há anos nisto da Internet a debater” (se calhar estás desempregado por causa dos imigrantes, é chato) mas na realidade decepcionas bastante...mas pelo menos és engraçado.

Não consegues perceber o que é uma amostra. Achas, a título de comparação, que uma votação no Estádio da Luz que elegesse como melhor português o Eusébio, ou outro jogador qualquer, era mais válida que a sondagem da RTP, desde que tivesse mais pessoas que a sondagem. O mesmo seria válido, para uma votação numa festa do BE que elegesse o Anacleto (cruzes credo!)já que era também mais relevante que a tal sondagem. Que queres que te faça ? Acho que o ditado “Não suba o sapateiro acima da sandália” é apropriado para ti.

Quando te pedem para explicares a teoria da deportação, impossível de concretizar a não ser com um plano de extermínio ,dizes coisas vagas, do tipo ”ajuda-se esses países” e “Trata-se dum processo longo e que só seria resolvido caso a caso, consoante as circunstâncias.”. Já que és tão inteligente explica lá como à luz do direito internacional, da economia e da logística da própria operação E ainda achas que possível ter com os países lusófonos “Relações de carácter puramente político e comercial.” depois de lhes devolver cidadãos que são portugueses...pretos, mulatos, etc.

Quando dizes “Todo e qualquer défice de mão de obra que pudesse surgir seria solucionado com imigração de origem leste-europeia, desde, claro está, que não houvesse portugueses para ocupar os lugares vagos.” és ridículo e estás a dizer generalidades, agravadas por serem de impossível aplicabilidade, e mesmo que não o fossem, teriam custos incomportáveis. É que trazer milhares de pessoas não é o mesmo que uma excursão a um comício da FN

Quando se pedem estudos remetes sempre para a pandilha de esquerda que esconde, manipula, etc. Nesse caso como é que sabes aquilo que dizes? Numa entrevista fundamentaste a tua teoria das raças com um ditado popular transmontano...bem pouco, não? (nas boas universidades pedem um pouco mais) Em que te baseais? Parece um pouco infantilóide e ignorante essa atitude de apresentar várias ideias (racialismo, imigração, dados de criminalidade, desemprego) mas não fundamentar. Enfim, é normal vindo de alguém achas que falar do Freud, Durkheim ou qualquer outra referência é infantil, (?!) e, qualquer coisa que cheire a ciência é "intelectual", e que liga o botão da K7 do "antifa" e "antira" . E já lá vamos ao que pensas do ensino superior....

As tuas estatísticas criminais foram obtidas onde?? Numa bela amostra estatística obtida num convívio com amigos racialistas?? “... É também verdade que existe um número relativamente elevado de não brancos que são responsáveis pelo crime de violação, proporcionalmente maior do que os dos brancos...” Sinceramente não sei estes dados, mas já que sabes elucida-me s.f.f.

A cereja no topo do bolo é quando dizes que investigação científica, educação social, emancipação das mulheres, são para deitar fora!!! Nem a investigação científica aproveitas, ou sobretudo esta não aproveitas?? Substituis por uns ditados populares?

Esta frase foi dita por ti, mas podia ter sido dita por um talibã ”se Deus quisesse que o homem voasse tinha-lhe dado asas; a pouco e pouco, todos os actuais transportes públicos desapareceriam, o ensino superior também e às mulheres seria vedada a aprendizagem de tudo o que excedesse o saber ler e fazer operações matemáticas simples, necessárias à vida económica caseira. “ enfim, pensas como alguém do Sc XIX...se calhar tens medo de andar de avião como o Salazar.

Relendo a frase fico também com dúvidas - porque nem os transportes públicos são poupados!!! Tinhas de construir muitas estradas e achar uns quantos poções de petróleo para por o país a mexer!

E o ensino superior acabava só por causa de perderem eleições na FLUL?
Por último acho que “operações matemáticas simples, necessárias à vida económica caseira. “ é algo que ainda não assimilaste, daí as inconsistências nos pontos anteriores e em estatística!!!

Enfim, valeu pela risota, mas o meu voto ainda não levas

"el estatístico"

1 de abril de 2007 às 01:49:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

adenda - "devolver cidadãos que são portugueses" - o dveolver é no sentidoq lhes aplicas, claro

1 de abril de 2007 às 02:09:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Fazes tanta gala dos teu argumentos, tu que “andas há anos nisto da Internet a debater” (se calhar estás desempregado por causa dos imigrantes, é chato)

Ao contrário de ti, que se calhar estás é empregado por causa dos imigrantes, ou então andas a explorá-los (além de chato, é rasca).


mas na realidade decepcionas bastante...

É natural que estejas decepcionado - vinhas a pensar que isto eram favas contadas, e afinal não acertas uma.


mas pelo menos és engraçado

Tu é que nem por isso.


Não consegues perceber o que é uma amostra

Não consegues explicar como é que uma sondagem realizada com menos gente do que uma votação pode ter mais valor do que esta.
Aliás, ninguém neste País se atreve a sequer sugerir que a sondagem em questão possa sequer valer tanto como a votação.
Da tua parte, continuas completamente impotente para demonstrar que a sondagem seja de algum modo mais fiável do que os votos reais.
E vai daí ficas-te nas... amostras. Na verdade, isso nem chega a ser uma amostra de argumento.



Achas, a título de comparação, que uma votação no Estádio da Luz que elegesse como melhor português o Eusébio, ou outro jogador qualquer, era mais válida que a sondagem da RTP,

Uma comparação singularmente idiota, a menos que a votação que deu a vitória a Salazar tivesse ocorrido na Fundação Oliveira Salazar...
Mas, para tua contínua irritação, a votação foi à escala nacional.


O mesmo seria válido, para uma votação numa festa do BE

E afundas-te ainda mais na cretinice...


Acho que o ditado “Não suba o sapateiro acima da sandália” é apropriado para ti

Também seria apropriado para ti, se ao menos tivesses capacidade para ser sapateiro, coisa de que duvido.


Quando te pedem para explicares a teoria da deportação, impossível de concretizar a não ser com um plano de extermínio

Isso é o que tu dizes, dum modo perfeitamente gratuito e sem qualquer base minimamente coerente.



dizes coisas vagas,

Não, tu, e só tu é que dizes coisas vagas - as tuas perguntas, aliás, de tão vagas serem nem sequer merecem resposta, na sua maioria, porque também acabam por não significar nada de concreto.



do tipo ”ajuda-se esses países” e “Trata-se dum processo longo e que só seria resolvido caso a caso, consoante as circunstâncias.”

Evidentemente que, a esta distância de exercer essa política, não seria possível que eu ou qualquer outro indivíduo tivesse algo de mais técnico para dizer.



Já que és tão inteligente explica lá como à luz do direito internacional, da economia e da logística da própria operação

Pergunta que continua a ser vaga. Especifica.


E ainda achas que possível ter com os países lusófonos “Relações de carácter puramente político e comercial.” depois de lhes devolver cidadãos que são portugueses...pretos, mulatos, etc.

Correcto. Isto se quisessem continuar a ter auxílios perdulários de origem europeia, claro...



Quando dizes “Todo e qualquer défice de mão de obra que pudesse surgir seria solucionado com imigração de origem leste-europeia, desde, claro está, que não houvesse portugueses para ocupar os lugares vagos.” és ridículo

Ridículo és tu, que te limitas a aplicar o rótulo «generalidades» ao que estou a dizer, quando a tua pergunta foi ela própria generalista.



agravadas por serem de impossível aplicabilidade,

Não é absolutamente nada impossível, mas rigorosamente nada, recambiar imigrantes e importar imigrantes doutras paragens na medida em que fossem necessários.

Aliás - toda a política de imigração vigente deveria ser assim: todo e qualquer imigrante que trabalhasse em solo europeu, fá-lo-ia com um contrato temporário de trabalho, o qual, quando terminasse, poderia ou não ser renovado. Em assim sendo, o País escolheria livremente os seus imigrantes.



e mesmo que não o fossem, teriam custos incomportáveis

Como se percebesses alguma coisa a respeito do assunto.


É que trazer milhares de pessoas

Que espécie de nova imbecilidade é esta? Então não é verdade que há milhares e milhares de imigrantes de leste a virem para a Europa Ocidental?


Quando se pedem estudos remetes sempre para a pandilha de esquerda que esconde, manipula,

E é verdade.


Nesse caso como é que sabes aquilo que dizes?

Porque vejo, ando na rua, oiço e leio algumas notícias que escapam ao crivo da censura.


Numa entrevista fundamentaste a tua teoria das raças com um ditado popular transmontano...

Dizer que o ditado transmontano por mim citado é um «fundamento da teoria das raças», é duma má fé imbecil que não surpreende vinda de quem vem.


Parece um pouco infantilóide e ignorante essa atitude

Não. Infantilóide é fazer perguntas estupidamente vagas e esperar que se redija um livro inteiro para responder a cada uma. E não perguntaste como é que a cegonha te criou porque não calhou.



Enfim, é normal vindo de alguém achas que falar do Freud, Durkheim ou qualquer outra referência é infantil,

É normal que essa distorção do que eu disse venha de quem ficou vexado por ser identificado com a gentinha pseudo-intelectual que, em querendo ofender, vai de meter o Freud ao barulho, já que no seu meio é moda dar-se ares de entender de Psicologia. E, nem sabendo responder se Freud joga como guarda-redes ou como avançado, chuta também o Durkheim para dar ideia de que até é capaz de ler um ou dois livritos dos seus donos...



qualquer coisa que cheire a ciência é "intelectual",

Não - para teu azar, não basta dizeres, a meio duma discussão ideológica, «ai, o vosso problema é algum trauma com pretos, Freud explica!!!», não basta dizeres isso para seres considerado intelectual, é que nem sequer com aspas.

Por isso, tem paciência, mas, de momento, continuas no grupo dos indigentes babados de rancor que não têm dignidade suficiente para manterem uma conversa decente sem começarem com ataques ad hominem à base de insinuações sobre os supostos problemas psicológicos de quem não concorda com as merdas que defendes. Também eu podia fazer-te ataques ad hominem, mas, para isso, era preciso que fosses um «hominem» a sério.



As tuas estatísticas criminais foram obtidas onde?? Numa bela amostra estatística obtida num convívio com amigos racialistas??

Não. Num estudo recente duma tese de mestrado aprovada pela Universidade do Porto, por exemplo. Aprende.
Ah, e também em sites norte-americanos que exibem estudos oficiais.


É também verdade que existe um número relativamente elevado de não brancos que são responsáveis pelo crime de violação, proporcionalmente maior do que os dos brancos...” Sinceramente não sei estes dados,

Já aqui foi publicado um tópico sobre isso.


A cereja no topo do bolo é quando dizes que investigação científica, educação social, emancipação das mulheres, são para deitar fora!!!

Nem eu esperava, confesso, que nem sequer conseguisses distinguir conversa séria de resposta irónica.
Mas pronto - como nada do que dizes pode ser levado a sério, tens por isso mesmo dificuldade em distinguir no discurso alheio o que é piada e o que não o é.

1 de abril de 2007 às 02:46:00 WEST  
Anonymous lusoo said...

por favor alguem me diga como o pnr k tava falido conseguiu dinheiro para meter o cartaz???

1 de abril de 2007 às 03:14:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo,

Os meus parabéns, és um belo sofista, e pelo que vejo é esse o teu trabalho de propagandista, mas o produto que promoves é mau, e tua argumentação está ao mesmo nível.

O meu trabalho não tem nada a ver com imigrantes, mas de facto tens razão é rasca viver a conta deles. Curiosamente, tu, o teu blog e o teu partido só vivem à conta deles. Repito, tens razão é Rasca!

Dizes que faço ataques com ataques ad hominem , mas os “adjectivos” que usas são prova da falta de argumentação, que substituis por uma agressividade gratuita e por estereotipos do tipo antifa, antira, etc,etc, e q nem sem aplicam a todos q n concordam contigo!

Em relação à estatística já não és caturo, és casmurro..ou burro. E utilizando as tuas palavras
“afundas-te ainda mais na cretinice...”

A tua teoria de deportação é vaga, imbecil e impraticável. Como é que seria possível as seguintes situações. Tirar a nacionalidade e mandar para outros países :
a) portugueses brancos, só porque que casaram com portugueses não brancos, ou estrangeiros?
b) a descendência das uniões anteriores?
c) portugueses de 3ª e 4ª geração não brancos?

Sabes ao menos de quantas pessoas estás a falar?

Para onde iam? Como iam? Isto só era possível se os matasses, se calhar é esse o teu brilhante plano, meu grande democrata. Se é esse o plano não contesto as sua exequibilidade (caso tomasses o poder) mas a sua barbaridade.

Vomitas umas baboseiras, mas como és impotente para as defender dizes que “ não seria possível que eu ou qualquer outro indivíduo tivesse algo de mais técnico para dizer” Então estuda lá primeiro se é possível, como fazes e depois a gente fala do assunto.

Eu também “, ando na rua, oiço e leio algumas notícias que escapam ao crivo da censura” , e não concordando com as teorias da avestruz “à La Bloco“, não consigo estabelecer as correlações entre imigração e desemprego, principalmente porque o país tem um dispersão heterogénea do fenómeno de imigração (em nº absolutos e percentuais), e porque as causas da nossa pobreza, atraso e falta de competividade têm a ver com factores internos (qualificações, ausência de recursos naturais, más opções no passado, etc) e muitos destes factores existiam antes de haver imigrantes como hoje. Os imigrantes como o cerne do problema é uma ideia pouco fundamentada, e que não analisa outros aspectos.

Em relação à pequena criminalidade - deve ser punida, mas é praticada maioritariamente por portugueses, muitos dos quais não brancos. A solução para estes pilha galinhas não é a deportação, certamente, até porque não podes deportar portugueses (memo que pretos) para outros países.

Dizer que o ditado transmontano por mim citado é um «fundamento da teoria das raças», é duma má fé imbecil que não surpreende vinda de quem vem. - a fundamentação vem de ti!!!

Em relação à “brincadeira” - se calhar não era e escapou-te a boca para a verdade, e agoras dizes que afinal era brincadeira., Quando vi ri-me epensei...estás brincar! Mas como está ao nível dos outros disparates que dizes...porque não? Se calhar acredita nisso, e como é tão real como a teoria da deportação

e realmente vejo-te nas tuas palavras quando dizes que "continuas no grupo dos indigentes babados de rancor que não têm dignidade suficiente para manterem uma conversa decente sem começarem com ataques ad hominem à base de insinuações sobre os supostos problemas psicológicos de quem não concorda com as merdas que defendes"

A diferença é que eu n concordo contigo mas (ao contrário de muitos "democratas") concordo com o direito que o possas dizer.

"El estatístico"

1 de abril de 2007 às 11:49:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

El Estatístico não está cá há dois anos como eu, mas já te topou no espaço de uma ou duas semanas. O seu último comentário foi brilhante e liquidou-te por completo, Caturo.

E ele na sua essência explicou o teu problema: os detalhes. Queres fazer higiene racial em Portugal, e resolves a questão de uma forma simplista e imbecil: é preto/mulato - independentemente de ser português ou estrangeiro? Manda-se para a África ou Brazil... como se os paises estivessem dispostos a receber qualquer um - ainda mais ensinados na portugalidade, ou inclusive abertos para negociar com um regime racista.

Algo que revela uma hipocrisia brutal é o facto (se for demonstrado como verdade) de que o Presidente do PNR, aquele que aparece no cartaz que diz "imigrantes, basta! Façam boa viagem", foi também ele um imigrante português no Brazil.

Com vocês, é mesmo só apontar as "coerências".

1 de abril de 2007 às 16:54:00 WEST  
Anonymous fuck off said...

ó ciscokid! Brazil???? não será antes brasil?
é verdade que jpc e a respectiva familia emigraram a seguirao 25/74
E então? Só lá porque muitos portugueses emigraram para o brasil isso obriga-nos a receber imigrantes cabo-verdianos?! Brasil como eua , canada são paises imigrantes desde a sua formação.
É verdade que muitos portugueses emigraram para países europeus
Mas os portugueses
não levaram consigo Máfias, droga e prostituição. enquanto que os portugueses emigraram para trabalhar e a herança cultural é a mesma na europa
ao invés dos
africanos, ou brasileiros que vêm para Portugal
representam um corpo estranho no tecido social português. Estes indivíduos trazem as suas religiões, culturas e tradições, que em muitos casos acabam por chocar com a nossa cultura.
Ciscokid! a titulo de curiosodade.és simpatizante de algum movimento politico?

1 de abril de 2007 às 17:44:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caro fuck off,

Desde sempre que houve miscegenação em Portugal (ainda antes de sermos Portugal), e com forte influênica árabe (patente em muitos aspectos do nosso país, principalmente no Sul.

De tanto procurar os verdadeiros portugueses vamos para aos dinossauros!!

ah e também há milhares de portugueses fora da Europa..

A maioria dos imigrantes em Portugal (brasileiros, são tomenses e cabo verdianos) tb s católicos e falam a nossa língua, e até são adeptos dos mesmos clubes (pelo menos os dos PALOPS'S), logo são bem mais parecidos connosco do que quaisquer outros povos!!!

E atenção, n te esqueças que há portugueses pretos, conforme há angolanos brancos, etc, etc.

el estatístico

1 de abril de 2007 às 18:09:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Ciscokid,

Ele até foi coerente...mal acabou a ditadura...pirou-se ;)

"el estatístico"

1 de abril de 2007 às 18:57:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

> E então? Só lá porque muitos portugueses emigraram para o brasil isso obriga-nos a receber imigrantes cabo-verdianos?!

Não: todos os paises têm o dever de controlar as suas fronteiras. Excepto que é hipocrisia que alguém que tenha sido um imigrante, agora queira expulsar e tirar a oportunidade a outras pessoas como ele.

>>É verdade que muitos portugueses emigraram para países europeus
Mas os portugueses
não levaram consigo Máfias, droga e prostituição.


Mas há emigrantes criminosos, mafiosos, e prostitutas portuguesas. E depois? A maioria dos nossos imigrantes não comete crimes. Porque é que metes todos no mesmo saco, e manda-los no avião? Ah, claro... cometeram o crime nacionalista de não serem brancos.

>> ao invés dos
africanos, ou brasileiros que vêm para Portugal
representam um corpo estranho no tecido social português.


É a tua opinião como racista, não é a minha. Aliás, é tão válida como dizer que a presença do presidente do PNR, a sua família e outros emigrantes portugueses na América Sul é estranha numa terra de índios. Não o dizes, claro.

>> Estes indivíduos trazem as suas religiões, culturas e tradições, que em muitos casos acabam por chocar com a nossa cultura.

Curioso, não falaste nos europeus de leste que têm de facto uma cultura bem diferente da nossa... ao contrário por exemplo dos brasileiros, que falam a nossa língua. Se calhar, não é bem a cultura ou língua que te incomoda... é a raça não é?

>> Ciscokid! a titulo de curiosodade.és simpatizante de algum movimento politico?

Nenhum, meu caro fuck off. Não sou militante de nenhum partido, e nunca o vou ser. Mas voto em partidos moderados e do centro (PS e PSD). Por exemplo, votei no Sócrates e no Cavaco.

1 de abril de 2007 às 21:08:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Os meus parabéns, és um belo sofista,

Tu, entretanto, és um sofista feio - e especialmente indigente.


e pelo que vejo é esse o teu trabalho de propagandista, mas o produto que promoves é mau,

Só porque tu dizes? Não chega. Já sabes que enquanto não apresentares argumentos, continuas ao nível da impotência.



Curiosamente, tu, o teu blog e o teu partido só vivem à conta deles

Mais uma vez demonstras a tua tibieza de análise e estreiteza de vistas. Nenhum facto de permite sequer insinuar isso, quanto mais afirmá-lo com esse imbecil à vontade.
É, entretanto, uma maneira indigentemente sofística de pôr o caso - pela tua ordem de «ideias», também a polícia vive à conta dos criminosos...



Dizes que faço ataques com ataques ad hominem ,

Digo e provo-o - tudo o que escreves se baseia no ataque ad hominem: muito raramente te atreves a atacar os argumentos.


mas os “adjectivos” que usas são prova da falta de argumentação,

Torna-se ridículo dizer que tenho falta de argumentação, quando, nestas discussões, só eu uso argumentos - tu, nunca.


que substituis por uma agressividade gratuita

Correcção: uma agressividade certeira, ao contrário da tua, que, embora elevada, atira constantemente ao lado.


e por estereotipos do tipo antifa, antira,

Precisamente - e por um motivo muito simples: porque tu és de tal modo simplista, grosseiro e primário que constituis um autêntico estereótipo, é que é ponto por ponto, é cada tiro cada melro, duma maneira de tal forma estereotipada que nem eu acreditaria se me contassem.
É que nem sequer consegues distinguir uma brincadeira duma afirmação séria, o que, como já o disse, demonstra a tua falta de sentido crítico.


q nem sem aplicam a todos q n concordam contigo

De facto, não aplico o que te digo a todos os que não concordam comigo.


Em relação à estatística já não és caturo, és casmurro..ou burro

Burro és tu, além de impotente – querias fazer figura, a apoiares o teu colega, mas quando a explicação te foi exigida, ficaste calado como rato do esgoto. Também aí demonstraste a fraude que és. Mostraste-te, e continuas a mostrar-te, completamente incapaz de apresentar uma só justificação para dizer que uma sondagem vale mais do que uma votação que conta com muito mais gente. É que nem os teus donos, na comunicação sucial se atrevem a sequer mencionar a tal sondagem.


E utilizando as tuas palavras

Utiliza as minhas palavras quem pode, não quem quer – e, de facto, as palavras que te apliquei continuam a descrever-te, com ainda mais precisão do que antes: afundas-te ainda mais na cretinice...


A tua teoria de deportação é vaga, imbecil

Imbecil é o que tu dizes, e quanto mais falas nisso mais demonstras a tua estupidez rancorosa. Vieste com uma pergunta que de tão vaga se torna cretina porque julgavas que a ausência de resposta concisa ia fazer-te parecer ganhador. Infelizmente para ti, foste desmascarado na tua estultice, como de resto qualquer pessoa de bom senso o faria: é perfeitamente idiota exigir a apresentação de um plano detalhado a um Movimento que ainda demorará algum tempo a chegar ao poder. A menos que o vosso medo seja de tal ordem que já pensem que o nosso poder nos permite já ter um governo sombra prestes a liderar o planeta… 


a) portugueses brancos, só porque que casaram com portugueses não brancos, ou estrangeiros?
b) a descendência das uniões anteriores?
c) portugueses de 3ª e 4ª geração não brancos?


Já te foi explicado que haveria vários países que os aceitariam, mediante, em muitos casos, a continuidade dos apoios económicos europeus.


Sabes ao menos de quantas pessoas estás a falar?

Seguramente que não se trata sequer dum quarto da população europeia…


Para onde iam?

África e Brasil.


Como iam?

Avião e navio.


Isto só era possível se os matasses, se calhar é esse o teu brilhante plano,

Isso querias tu, que fosse essa a minha ideia. Depois, era fácil pores um dos rótulos que os teus donos costumam aplicar ao Nacionalismo e pronto, já estava o trabalhinho feito… que imbecilidade.


meu grande democrata

De facto, sou-o. Quem quiser provar o contrário, que avance


Vomitas umas baboseiras,

Baboseiras porque tu dizes que são baboseiras? Não é argumento. Isto aqui não é um dos meios dos média controlados pelos teus donos – não basta dizer «ai, os argumentos dos fascistas são baboseiras» e pronto, já ‘tá. Aqui, tudo vos é questionado e atirado à cara.


mas como és impotente para as defender

Mais uma vez, o imbecilmente infantil argumento do «tu é que és» - só porque deixei a nu a tua impotência, agora queres dizer que eu é que sou impotente…



que “ não seria possível que eu ou qualquer outro indivíduo tivesse algo de mais técnico para dizer” Então estuda lá primeiro se é possível,

Argumento mentecapto da tua parte, como seria de esperar. Só mesmo a impotência e a indigência argumentativa é que podia pretender que, sem qualquer acesso aos números reais da imigração e dos racialmente alienígenas em Portugal, os Nacionalistas, que ainda agora começaram a sua marcha política, já conhecessem os pormenores todos do que iriam fazer daqui a décadas.
Enfim, no fundo até vos compreendo – é a ansiedade que vos faz falar assim; tal é o vosso pânico perante o crescimento do Nacionalismo que resolvem vir aqui e a outros lados para «sondar» a dimensão da ameaça que vos está a cair em cima. Mas tem paciência: para já, vais levando com o que quisermos e pudermos dar. De momento, vais simplesmente ter de constatar a ascensão do Nacionalismo em toda a Europa.

Pois se tu nem a esta ascensão consegues dar resposta de jeito, se não consegues apresentar uma só linha coerente de raciocínio, se te mostras de todo incapaz de afirmar os teus «ideais» contra os valores nacionalistas,
como é que estás agora tão apressado para combater o que ainda vem longe?


Eu também “, ando na rua, oiço e leio algumas notícias que escapam ao crivo da censura” , e não concordando com as teorias da avestruz “à La Bloco“, não consigo estabelecer as correlações entre imigração e desemprego,

Não concordas com as teorias da avestruz, tu? Pois se tudo o que tu dizes daí deriva, como é que tens o descaramento de dizer o contrário?
Não há correlação entre a imigração e o desemprego, quando se sabe que Portugal tem já quinhentos mil desempregados e mesmo assim continua a deixar entrar imigrantes? Quando é sabido – mas só por quem anda realmente na rua e conhece casos concretos – que carradas de empregadores dão prioridade a estrangeiros sobre portugueses? E que oferecem salários de miséria que só mesmo os desgraçados do terceiro mundo é que aceitam?



as causas da nossa pobreza, atraso e falta de competividade

Ninguém falou nas «causas da nossa pobreza, atraso e falta de competividade», não desvies a conversa – falou-se de desemprego. E o atraso não tem necessariamente a ver com isso, já que Portugal era até há pouco tempo um dos países europeus com mais baixa taxa de desemprego, sendo, ao mesmo tempo, um dos mais atrasados.


Os imigrantes como o cerne do problema

Como é típico dos impotentes, tentas meter na boca do oponente palavras que este não disse, mas para as quais tens a cassete pronta – depois, se o oponente não responder, é só apresentar a cassete e pronto, fica o trabalhinho feito…
Ironicamente, o teu problema é precisamente aquele que me quiseste apontar: não acertas nos detalhes, e, assim, escapa-te o detalhe de que, aqui, nada do que dizes passa sem a devida crítica e rebate. E, de facto, nunca ninguém aqui disse que a causa do atraso português era a imigração.


Em relação à pequena criminalidade - deve ser punida, mas é praticada maioritariamente por portugueses,

Não – os membros das gangues afro são maioritariamente não portugueses.


A solução para estes pilha galinhas não é a deportação,

É evidente que a solução é, indubitavelmente, a deportação – mas em larga escala.

certamente, até porque não podes deportar portugueses (memo que pretos)

Posso, posso. Vais ver que posso.


Dizer que o ditado transmontano por mim citado é um «fundamento da teoria das raças», é duma má fé imbecil que não surpreende vinda de quem vem. - a fundamentação vem de ti!!!

Não, a fundamentação nunca veio de mim – e, mais uma vez, demonstras pura impotência e imbecilidade, afundando-te ainda mais na lama em que já vivias.


Em relação à “brincadeira” - se calhar não era e escapou-te a boca para a verdade,

Pois, confesso – secretamente, até já mandámos uma expedição para ir falar com os Amishes, para implementarmos em Portugal o seu modo de vida.


e agoras dizes que afinal era brincadeira., Quando vi ri-me epensei...estás brincar! Mas como está ao nível dos outros disparates que dizes...

Estás de tal modo desesperado, que até já queres virar contra mim as farpas com que te castigo a estultice. Mais infantilidade…


e realmente vejo-te nas tuas palavras quando dizes que "continuas no grupo dos indigentes babados de rancor que não têm dignidade suficiente para manterem uma conversa decente sem começarem com ataques ad hominem à base de insinuações sobre os supostos problemas psicológicos de quem não concorda com as merdas que defendes"

Estás confundido, mas eu esclareço - eu é que te vejo como és e por isso te aplico essas palavras.



A diferença é que eu n concordo contigo mas (ao contrário de muitos "democratas") concordo com o direito que o possas dizer

Mas diferença relativamente a quê?...

2 de abril de 2007 às 12:48:00 WEST  
Blogger Caturo said...

mas já te topou

Outro a querer virar contra mim as palavras com que o castiguei... só porque lhe espetei nas ventas, há pouco tempo, que já toda a gente topou a fraude imbecil que ele é, o ciscokid agora quer dizer que eu é que fui topado, aahahahh... Está traumatizado de todo, este circolelé.


O seu último comentário foi brilhante

Isto dito por quem é constantemente rebatido e exposto ao ridículo... :)


e liquidou-te por completo,

Isso querias tu, que algum colega teu te vingasse, fazendo o que nunca conseguiste fazer.


E ele na sua essência explicou o teu problema

Ele não explicou nada - limitou-sed a exigir um plano de governo e um dossier inteiro de programas a um Movimento que ainda está no seu início. Nisso, só demonstrou que sofre de ansiedade e está tão acagaçado como tu.



Queres fazer higiene racial em Portugal, e resolves a questão de uma forma simplista e imbecil: é preto/mulato - independentemente de ser português ou estrangeiro? Manda-se para a África ou Brazil... como se os paises estivessem dispostos a receber qualquer um

E estarão, como também Portugal recebeu portugueses nascidos em África, alguns há várias gerações. Com uma diferença: Portugal não precisava das suas ex-colónias do mesmo modo que estas precisam do apoio europeu...



Algo que revela uma hipocrisia brutal é o facto (se for demonstrado como verdade) de que o Presidente do PNR, aquele que aparece no cartaz que diz "imigrantes, basta! Façam boa viagem", foi também ele um imigrante português no Brazil

Argumento cretino, visto que nunca o presidente do PNR disse que era contra toda a imigração.


Com vocês, é mesmo só apontar as "coerências"

Sim, é - mas sem as aspas, por mais que vocês, indigentemente, as queiram pôr.

2 de abril de 2007 às 12:56:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Desde sempre que houve miscigenação em Portugal (ainda antes de sermos Portugal),

Nunca o suficiente para que a população deixasse de ser europeia.


e com forte influênica árabe

Menos do que se costuma dizer. O contributo árabe é superficial, não fundamental. O Mouro sempre foi «o outro».


De tanto procurar os verdadeiros portugueses vamos para aos dinossauros!!

Não é preciso – basta ir a qualquer aldeia portuguesa, de norte a sul; aliás, em cada cidade portuguesa, a maioria da população é ainda portuguesa.


ah e também há milhares de portugueses fora da Europa..

E depois?...


A maioria dos imigrantes em Portugal (brasileiros, são tomenses e cabo verdianos) tb s católicos e falam a nossa língua, e até são adeptos dos mesmos clubes (pelo menos os dos PALOPS'S), logo são bem mais parecidos connosco do que quaisquer outros povos!!!

Não, não são – e não são porque pertencem a outra raça. Tão simples como isto. É no sangue, na ancestralidade, que está a identidade.
Aliás, mesmo em termos práticos, torna-se evidente que, em Portugal, há maior proximidade entre Portugueses e imigrantes de leste do que entre Portugueses e imigrantes de proveniência africana – porque será?...


E atenção, n te esqueças que há portugueses pretos,

Não, não há portugueses pretos.

2 de abril de 2007 às 13:05:00 WEST  
Blogger Caturo said...

A maioria dos nossos imigrantes não comete crimes

Mas uma boa parte dos «nossos» criminosos são imigrantes.


Porque é que metes todos no mesmo saco, e manda-los no avião? Ah, claro... cometeram o crime nacionalista de não serem brancos.

Correcto. Embora ninguém os considere como «criminosos».



É a tua opinião como racista, não é a minha. Aliás, é tão válida como dizer que a presença do presidente do PNR, a sua família e outros emigrantes portugueses na América Sul é estranha numa terra de índios

De facto, o presidente do PNR veio para Portugal...
Quanto aos imigrantes portugueses que lá estão, pois que venham para cá.
No que toca à posse da terra por parte dos Índios, convém lembrar que vastas partes do actual Brasil eram desabitadas.


>>> Estes indivíduos trazem as suas religiões, culturas e tradições, que em muitos casos acabam por chocar com a nossa cultura.

Curioso, não falaste nos europeus de leste que têm de facto uma cultura bem diferente da nossa...

Bem diferente? Pois se são Europeus, têm um comportamento muito mais parecido com o dos Portugueses do que os Africanos, aprendem Português e falam-no muitíssimo melhor do que os Africanos e do que os Brasileiros... em que é que a cultura deles choca com a nossa?

2 de abril de 2007 às 13:11:00 WEST  
Blogger Stran_ger said...

"Depende do motivo da crítica... se quem ataca o Partido afirma que não há lugar na política nacional para ideologias «racistas», então não há margem para dúvida absolutamente nenhuma que quem emite tal crítica é um lacaio do totalitarismo doutrinal, sem apelo nem agravo."

Racismo para mim é crime, mas é minha opinião e já agora por uma questão de coerência com as tuas palavras presumo que defendes que tem a opinião de o P.N.R. deve ser proibido, ou não?

2 de abril de 2007 às 13:41:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Racismo para mim é crime, mas é minha opinião e já agora por uma questão de coerência com as tuas palavras presumo que defendes que tem a opinião de o P.N.R. deve ser proibido, ou não?

Por acaso a mensagem do Partido nem sequer é racista; seja como for, criminalizar uma opinião política é, efectivamente, criar o delito de opinião, o que indica, objectivamente, uma atitude totalitária. Quanto à tua pergunta, parece-me mal formulada, já que não tem sentido.

2 de abril de 2007 às 14:09:00 WEST  
Blogger Caturo said...

E, na mesma senda que de desonestidade descarada do ciscokid, o «estatístico» demonstra um truque caracteristicamente ciscokidiano: fazer de conta que não lê/ouve os argumentos contrários e esperar que estes não lhe sejam atirados à cara novamente, confiando assim em que as pessoas não sejam persistentes...
Prova disso é que este «estatístico», para além de não dar resposta a um só dos meus argumentos, embora queira fazer parecer que responde, resolveu também nem sequer referir um comentário que a leitora Sara fez, neste ou noutro tópico: é que o Canadá e os EUA mandam de volta para Portugal (Açores) vários portugueses que nasceram na América do Norte, que nunca estiveram em Portugal e nem sequer conhecem nada para além da sociedade norte-americana - e, aí, não há ninguém a invocar o direito internacional para impedir os EUA e o Canadá de assim procederem. E ai de Portugal que não os aceite de volta, que apanha logo ou com sanções ou então com um rótulo de desumano...

Ora se os EUA e o Canadá fazem isso com um país europeu, não há razão absolutamente nenhuma para que a poderosa Europa não possa fazer isso com a miserável África.

2 de abril de 2007 às 14:19:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

>> De facto, o presidente do PNR veio para Portugal...
Quanto aos imigrantes portugueses que lá estão, pois que venham para cá. No que toca à posse da terra por parte dos Índios, convém lembrar que vastas partes do actual Brasil eram desabitadas.


Mas os portugueses usufruiram à força zonas que eram habitadas por índios, pelo que o teu argumento é irrelevante. O cartaz não deixa ambiguidades bem como a manifestação não deixam dúvidas: que os imigrantes são criminosos ("imigrantes = criminosos" como diz um cartaz vosso), e um "BASTA DE IMIGRAÇÃO", e um "BOA VIAGEM".

Ainda mais, o teu presidente e a sua família foram imigrantes portugueses no Brasil - e agora o teu presidente aparece com um cartaz que visa enviar os imigrantes para fora.

Controlar as fronteiras sim, deportar trabalhadores ilegais sim, punir quem explora e enriquece com mão de obra ilegal sim, demonizar os imigrantes que cá trabalham legalmente e contribuem para a nossa economia é que não, ainda mais por um hipócrita que é o teu presidente.

>> é que o Canadá e os EUA mandam de volta para Portugal (Açores) vários portugueses que nasceram na América do Norte

Argumento sem qualquer valor, já que estes, meu caro, são ilegais. Ou seja, entraram no país com o passaporte Português e permaneceram mais do que 3 meses. É tão simples como isso.

O que vocês querem é deportar quem já é Português, independentemente de quantas gerações já o foram, e tendo a única nacionalidade - que é a portuguesa. Se lhes tiras a nacionalidade, ficam sem nacionalidade e nenhum País tem obrigação de aceita-los. Isto é diferente dos portugueses ilegais do Canada e dos EUA que têm o passaporte português e portanto têm um País de origem que tem a obrigação de os receber.

O facto de não perceberes esta questão que eu já te pus há anos, e o Estatístico espetou-te logo agora mostra precisamente a vossa mediocridade. São como os islamistas que acham que poderão implantar as leis sharia na Europa e subjugar todos os europeus nela. Ou o histerismo de pensar que o porco vai ser banido na Europa por causa de uns imbecis - como vocês -com a ilusão de que vão alguma vez mandar no que quer que seja.

2 de abril de 2007 às 14:59:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo,

Não concordo com o que os EUA e Canadá fazem aos portugueses, e isso não justifica outros disparates, nem qualquer política de retaliação (que nem sequer é efectuada contra estes estados). Portranto como estamos de acordo e o tema não era esse...

No mais fica patente a impotência em fundamentares convenientemente a teoria da deportação.

el estatístico

2 de abril de 2007 às 15:05:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Mas os portugueses usufruiram à força zonas que eram habitadas por índios, pelo que o teu argumento é irrelevante

Não, o meu argumento não é irrelevante - para começar, deitou-te abaixo:
- a dos «emigrantes portugueses»;
- a da «terra dos Índios»;
a esta última, adicionaste agora o «argumento» da ocupação pela força. Mas mesmo isso de nada te vale, visto que nada impediria que o Brasil fosse dividido etnicamente, ficando os Índios com todas as partes ocupadas pela força. De qualquer modo, não é seguramente um problema de Portugal.



O cartaz não deixa ambiguidades bem como a manifestação não deixam dúvidas: que os imigrantes são criminosos ("imigrantes = criminosos" como diz um cartaz vosso)

Nosso, não - dum dos manifestantes. E, de resto, trata-se duma força de expressão, que, para tua infelicidade, não foi nunca afirmada em qualquer documento ou propaganda do PNR.



e um "BASTA DE IMIGRAÇÃO", e um "BOA VIAGEM".

Sim, sem dúvida. E, contra a justeza desta mensagem, nada consegues fazer para além duma medíocre tentativa de colagem de mensagens, pondo-lhe o «criminosos=imigrantes» atrás, para ver se pegava. Não é aliás a primeira vez que tentas uma desonestidade dessas na tua «argumentação».



Ainda mais, o teu presidente e a sua família foram imigrantes portugueses no Brasil - e agora o teu presidente aparece com um cartaz que visa enviar os imigrantes para fora.

Evidentemente - e ele explica porquê: não é contra toda a imigração, mas sim contra a imigração em excesso. Claro que tu, esta parte, «esqueces-te» de sequer referir, como estupidamente desonesto que és. E o mais irónico é que passas a vida a guinchar contra as notícias que, sob a tua perspectiva, «omitem verdades!!!». Ora o que tentaste fazer aqui foi realmente aquilo de que sempre acusaste este blogue.



Controlar as fronteiras sim, deportar trabalhadores ilegais sim, punir quem explora e enriquece com mão de obra ilegal sim, demonizar os imigrantes que cá trabalham legalmente e contribuem para a nossa economia é que não,

E, para tua infelicidade e desgraça argumentativa, nunca o PNR demonizou os imigrantes que cá trabalham ordeiramente - e, aliás, o presidente do PNR até se referiu positivamente a esses.



>> é que o Canadá e os EUA mandam de volta para Portugal (Açores) vários portugueses que nasceram na América do Norte

Argumento sem qualquer valor, já que estes, meu caro, são ilegais

Argumento com muito valor, visto que eles não foram expulsos por serem ilegais e sim por serem filhos de estrangeiros - porque, até cometerem os crimes, tinham vivido sempre nessas terras.


Ou seja, entraram no país com o passaporte Português e permaneceram mais do que 3 meses

Não, rapazelho... eles nasceram em território norte-americano. E só eles é que foram expulsos, os seus pais não.


Ora ninguém impediu o Canadá e os EUA de assim procederem.
Do mesmo modo, ninguém faria nada contra a Europa que procedesse do mesmo modo para com África.


O que vocês querem é deportar quem já é Português, independentemente de quantas gerações já o foram,

Tal como os EUA e o Canadá deportam portugueses.
Além disso, convém lembrar que um neto de portugueses nascido no estrangeiro pode ser cidadão português. Ora o mesmo se deverá aplicar a todos os africanos nascidos em Portugal e em todas as outras partes da Europa.


Se lhes tiras a nacionalidade, ficam sem nacionalidade

Não ficam não, visto que a sua ancestralidade indica logicamente o seu destino.


O facto de não perceberes esta questão que eu já te pus há anos, e o Estatístico espetou-te logo agora mostra precisamente a vossa mediocridade

O facto de nem este argumento conseguires suster mostra que tanto tu como o estatístico são fraudes de baixa qualidade.

Mandem vir os vossos donos, para ver se finalmente aparecem argumentos de jeito...


Ou o histerismo de pensar que o porco vai ser banido na Europa

Antes esse do que o histerismo cobarde de quem se volta contra os Europeus que alertam para o crescimento constante do poder islâmico na Europa - e de tal modo é assim que esses histéricos cobardes «antirras», que é a merda da tua laia, calam-se como ratos do esgoto quando se lhes espeta em cheio no cornos com as provas da perda de terreno dos Europeus na Europa perante a ofensiva islâmica e o politicamente correcto islamófobo.

2 de abril de 2007 às 16:08:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Não concordo com o que os EUA e Canadá fazem aos portugueses,

Aquilo com que tu concordas ou deixas de concordar não interessa a real ponta dum chavelho. Já se sabe que a tua ideologia da treta é universalista anti-nacionalista e não tem possibilidade alguma de demonstrar a suposta incoerência do Nacionalismo.

Agora, o que realmente estava em causa, era a exequibilidade da extradição de filhos de alienígenas - e os Norte-Americanos fazem-na sem que ninguém os impeça.

Cai assim por terra o único argumento que pensavas que tinhas - quanto ao resto, a tua indigência e falta de preparação cultural faz-te ficar estupidamente mudo, como seria de esperar.

2 de abril de 2007 às 16:12:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

>> Mas mesmo isso de nada te vale, visto que nada impediria que o Brasil fosse dividido etnicamente

Que imbecilidade.

>> Agora, o que realmente estava em causa, era a exequibilidade da extradição de filhos de alienígenas - e os Norte-Americanos fazem-na sem que ninguém os impeça.

Ficas por provar de algum caso em que a nacionalidade americana ou canadiana tenha sido revogada ou que tenham sido expulsos portugueses com nacionalidade americana ou canadiana.

Força.

2 de abril de 2007 às 16:41:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

>> Ou o histerismo de pensar que o porco vai ser banido na Europa

Antes esse do que o histerismo cobarde de quem se volta contra os Europeus que alertam para o crescimento constante


Não confundas o teu histerismo e medo dos islâmicos, com a nossa reprovação por serem cobardes e não medirem bem a proporção das coisas. A Europa é forte, e lidará com a situação - já enfrentou os totalitarismos da tua laia nazi e os comunistas.... pelo que não é uma esmagadora minoria de insectos que irá destruir as nossas instituições democráticas e liberais. E tanto refiro-me aos islamistas, como os nazioracistas.

2 de abril de 2007 às 16:45:00 WEST  
Blogger Caturo said...

>> Mas mesmo isso de nada te vale, visto que nada impediria que o Brasil fosse dividido etnicamente

Que imbecilidade.

Ou seja, ficaste mais uma vez sem argumentos. Que novidade...



>> Agora, o que realmente estava em causa, era a exequibilidade da extradição de filhos de alienígenas - e os Norte-Americanos fazem-na sem que ninguém os impeça.

Ficas por provar

Fico por provar não, toda a gente em Portugal sabe desses casos - filhos de imigrantes, nascidos na América do Norte, que, após cumprimento de pena de prisão, foram mandados de volta para Portugal (Açores), sem saberem nada deste País.

Por conseguinte, a tua treta de «ai, os vistos caducaram» não tem ponta por onde se lhe pegue - e confirma que, além de desonesto, também andas mal informado (embora te interesses pelas coscuvilhices que não te dizem respeito).

2 de abril de 2007 às 16:51:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo,

os EUA e americanos explusam pessoas que não têm nacionalidade, e nós também o fazemos. Daí a expulsar portugueses vai uma distânica enorme....


el estatístico

2 de abril de 2007 às 16:52:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Não confundas o teu histerismo e medo dos islâmicos, com a nossa reprovação

Mas «nossa» qual, atrasado mental? Até parece que tu condenas algum muçulmano sem que eu fale no assunto primeiro. Além disso, o que eu referi foi por ti mais uma vez ignorado: há casos concretos de recuo europeu perante a presença islâmica e quando falamos contra isto, os eunucos da tua laia vêm dizer que «ai, é histeria» e atirar areia para os olhos - mas responderem frontalmente a esses casos nunca é convosco.


A Europa é forte,

Não graças à súcia da tua laia.

2 de abril de 2007 às 16:54:00 WEST  
Blogger Caturo said...

os EUA e americanos explusam pessoas que não têm nacionalidade,

Os EUA podem extraditar nacionais. Informa-te.

2 de abril de 2007 às 16:54:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Além disso, ainda há pouco não concordavas com o que os Norte-Americanos fizeram... e agora já achas que se tratam de casos diferentes?...

Será mesmo verdade que, para além de não teres argumentos, também não tens coluna vertebral?

«Parece» que sim...

2 de abril de 2007 às 16:56:00 WEST  
Blogger Stran_ger said...

Tinhas razão, estava mal formulada o comentário deveria de ser assim:

"Depende do motivo da crítica... se quem ataca o Partido afirma que não há lugar na política nacional para ideologias «racistas», então não há margem para dúvida absolutamente nenhuma que quem emite tal crítica é um lacaio do totalitarismo doutrinal, sem apelo nem agravo."

Racismo para mim é crime, mas é minha opinião e já agora por uma questão de coerência com as tuas palavras presumo que defendes quem tem a opinião de o P.N.R. deve ser proibido, ou não?

2 de abril de 2007 às 16:56:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Racismo para mim é crime, mas é minha opinião e já agora por uma questão de coerência com as tuas palavras presumo que defendes quem tem a opinião de o P.N.R. deve ser proibido, ou não?

Acho que há aqui qualquer problema, porque continuo a não entender este Português, ou então estás radicalmente enganado a respeito do que digo.

Evidentemente que quem tem a opinião do PNR não deve ser proibido de a expressar... nenhuma opinião política deve ser proibida, muito menos as opiniões nacionalistas, visto que se trata, neste último caso, de nacionais a dizerem o que pensam sobre a presença de quem não é nacional - era o que faltava que um indivíduo em sua própria casa não pudesse mandar embora um estranho qualquer... seria o cúmulo da indignidade, o caminho para a guerra.

2 de abril de 2007 às 17:29:00 WEST  
Blogger Stran_ger said...

Acho que acabaste de entender. O que queria demonstrar é que se todos os nacionais entenderem que o P.N.R. deve ser abolido esta é uma opinião válida e que tu concordavas com essa situação (da validade da opinião). É por isso que me faz confusão que quando se tentam defender acabem por efectuar exactamente o mesmo erro que apontam aos vossos "acusadores".

Era apenas isso que eu queria expressar, mais nada...

2 de abril de 2007 às 17:50:00 WEST  
Blogger Caturo said...

O que queria demonstrar é que se todos os nacionais entenderem que o P.N.R. deve ser abolido esta é uma opinião válida e que tu concordavas com essa situação

Onde é que eu sequer sugeri que concordaria com tal absurdo?

2 de abril de 2007 às 18:11:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

>> Fico por provar não, toda a gente em Portugal sabe desses casos - filhos de imigrantes, nascidos na América do Norte

"Toda a gente sabe" para ti é sinónimo de não sabes de nenhum caso. É que estes filhos de imigrantes não são americanos nem canadianos, porque se o fossem, não poderiam ser expulsos. Ao contrário do que pretendes fazer, que é expulsar pessoas que são nacionais portugueses.

E por outro, se as pessoas não têm nacionalidade, não podem ser expulsas porque legalmente não têm nação.

2 de abril de 2007 às 18:18:00 WEST  
Blogger Caturo said...

"Toda a gente sabe" para ti é sinónimo de não sabes de nenhum caso

Não - toda a gente sabe, para mim, é mais uma demonstração de que tu, ou és realmente ignorante, ou então estás de estúpida má fé. Porque, de facto, não deixa de ser estranho que um fuinha mesquinho e cuscovilheiro como tu, que anda sempre a registar tudinho no seu caderninho, não tenha conhecimento, ou se faça de novas, a respeito de mais dum caso que foram amplamente noticiados na comunicação social portuguesa.



que estes filhos de imigrantes não são americanos nem canadianos, porque se o fossem, não poderiam ser expulsos

Além da ignorância sobre os casos reais ocorridos, também revelas ignorância sobre a lei norte-americana, visto que os EUA podem realmente extraditar cidadãos nacionais seus.


E por outro, se as pessoas não têm nacionalidade, não podem ser expulsas porque legalmente não têm nação.

Por isso é que os países que não as quisessem aceitar de volta deixariam de receber apoios financeiros ou de qualquer outro tipo por parte da Europa.
De resto, não é verosímil que esses Estados africanos recusassem receber os descendentes da sua gente.

2 de abril de 2007 às 18:42:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo,

De facto és melhor propagandista do que eu. A diferença é que eu não sou propagandista .... Tu deves viver à conta de alguém (do papá, da mamã, do partido, dos rendimentos, dos amigos INTERnacionalistas) e eu não sou militante de nada, sou um cidadão comum que se levanta, levo os filhos à escola, que vai trabalhar. Não tenho tempo para andar à caça de notícias que vou deturpar, nem de me ligar ao “fascismoemrede” ou outros sites propagandistas. Não sou militante de partidos, nem de outros quaisquer grupos políticos. Não adianta falares de donos, porque isso não cola à minha pele.

Vivo no mundo real, não vivo numa realidade paralela, enfeitada de cabalas e pafernálias mitológicas milenares, de teorias rácicas, de conspirações internacionalistas e multiculturais. O mundo real de 2007 é o da escola, dos hospitais, das empresas , das crianças, do apoio à família, do trânsito, do metro e do autocarro, das compras de casa, das actividades das crianças, etc, e essa experiência garante-me mais conhecimento, preparação do que tu, que és um propagandista , impotente para explicar coias básicas,e que desenvolve uma rebuscada argumentação como faziam os sofistas, e que tem tempo para passar o dia no seu trabalho político (logo tu que tanto críticas os políticos, e que se recusa a ver a realidade como ela é, desenvolvendo umas teorias e insinuações sem qualquer fundamento

Tenho orgulho em ser português, e sei melhor do que tu o que é ser português, tu tens uma noção do que achas que deve ser português.

Quando me levanto tenho objectivos e faço mais pelo meu país com o meu trabalho, com os meus impostos do que tu com as teorias propagandas. O meu trabalho beneficia muita gente, até a ti se calhar. O teu trabalho não sei, mas a mim (como eleitor) não convence

Quanto a competência, preparação... Sou um profissional qualificado, integrado, valorizado, coisas que tu nem noutra vida alcançarás, já que nem umas meras contas e conceitos simples dominas... enfim não percebes o que é uma amostra .

Se tivesse de te contratar provavelmente como animador cultural, contador de histórias , se não tivesses problemas em conviver com estrangeiros, claro

E caturo , no PAÍS REAL, existem pretos portugueses, quer queiras quer não .... Milhares e milhares, cujos pais estão aqui desde a década de 60 e 70. Muitos sentem mais, fazem mais pelo país do que tu. Muitos até fizeram a guerra, ou arrriscaram a pele por Portugal

A minha diferença em relação a ti...não nego o teu direito a dizeres as alarvidades (camufladas de dados e de supostas teorias) nem nego o direito a ninguém viver no seu próprio país. Também não nego (ao contrário do que insinuas) o crescimento do nacionalismo, como também as suas inúmeras derrotas e rejeição pela maioria dos eleitores europeus.

el estatístico

2 de abril de 2007 às 19:07:00 WEST  
Blogger Caturo said...

De facto és melhor propagandista do que eu. A diferença é que eu não sou propagandista ....

Não por falta de tentativas... :)


Tu deves viver à conta de alguém

Mais uma vez, a arma do impotente típico (vês, depois choramingas-te porque te digo que és um estereótipo, aliás, uma caricatura): o ataque pessoal com base na insinuação completamente indigente.

Ora, pelo teu desconhecimento da vida real, pelo soberano descaramento que se lê no discurso ao falares de coisas que não conheces, pelo teu afastamento relativamente à realidade real (não aquela em que foste domesticado), demonstras constantemente que deves estar bem protegido por uma vidinha que de tão confortável te torna imbecilmente autista.



Não tenho tempo para andar à caça de notícias que vou deturpar,

Mas tens tempo para vir aqui tentar deturpar argumentações...



Não adianta falares de donos,

Adianta adianta, porque é mesmo, rigorosamente esse o caso. Se assim não fosse não eras a caricatura que és nem tinhas um discurso tão cassético.



e essa experiência garante-me mais conhecimento, preparação do que tu,

Já demonstraste precisamente o contrário - pelo menos no teu caso.


impotente para explicar coias básicas,

Pelo contrário - expliquei, sem rebate, tudo aquilo que me foi perguntado - e tu, num exemplo típico da mais acabada e cretina impotência argumentativa, não só tentaste distorcer, de modo assaz primário, o que eu disse, como ainda para mais acabaste por baixar a grimpa no único argumento em que te refugiavas para dizer que a nossa posição estava mal defendida: a treta de que ninguém ia aceitar a extradição de cidadãos «portugueses». Quando apanhaste em cheio com o exemplo do caso norte-americano, aí limitas-te a um ridículo «ai, mas a minha opinião é de que não devemos fazer mal só porque os outros fazem», o que, como é bom de ver, não interessa a extremidade dum corno, bem podes limpar as mãos à parede com as tuas opiniões, porque o que estava em causa era a exequibilidade da extradição de cidadãos de ascendência alienígena e, aí, calaste-te bem caladinho, que é aliás assim que fazes menos figuras tristes.

Adiante...


Tenho orgulho em ser português, e sei melhor do que tu o que é ser português,

Não - tu não sabes melhor do que eu nem do que ninguém o que é ser português pura e simplesmente porque não sabes o que é ser português. Não há, no teu caso, nem mais nem menos saber, há simplesmente ignorância. Ponto.


Quando me levanto tenho objectivos e faço mais pelo meu país com o meu trabalho,

Esperemos bem que faças algo de útil, ao contrário do que aqui sucede, senão andas só a atrasar o País.



Quanto a competência, preparação... Sou um profissional qualificado, integrado, valorizado, coisas que tu nem noutra vida alcançarás,

Mais uma vez, é o rancor de despeitado que te faz falar. Não me conheces de lado nenhum, mas, como não tens mesmo maneira de escapar ao ridículo em que caíste, pões-te a mandar bocas completamente gratuitas e sem qualquer fundamento. O que, aliás, não admira, porque é mesmo assim que tu falas de todos os outros assuntos - com uma certeza assombrosa, que só acentua a imbecilidade da tua conduta.
Olha, já que gostas tanto de converseta «piscológica» da moda (já sabes quem é o Freud ou ainda não foste ver?...), tenta melhorar essa tua auto-estima, para ver se te acalmas.



já que nem umas meras contas e conceitos simples dominas

E tu nem isso és capaz de explicar, por mais que te dirija perguntas directas, e nada vagas, ao contrário das tuas. Até nisso se revela a tua integral indigência (ao menos és integral nalguma coisa, já que te falta a integridade).



enfim não percebes o que é uma amostra

O que percebo é que tu nem uma amostra de argumentos consegues manter em condições.


E caturo , no PAÍS REAL, existem pretos portugueses, quer queiras quer não

Olha que não.



Milhares e milhares, cujos pais estão aqui desde a década de 60 e 70

Isso tem remédio.



Muitos sentem mais, fazem mais pelo país do que tu

Fala por ti, se calhar fazem é mais do que tu, que, com essa converseta moralista «trabalhadeira», tens é toda a pinta de ser algum parasita que não faz corno o dia todo mas que gosta de armar em «profissional».
Além disso, és de tal modo ignorante a respeito do que é ou não é ser português, que nem sequer percebes o essencial: é que a Portugalidade não se compra com «serviços».

Estás a perceber?

Alguém que seja «útil» ao Estado não passa por isso a ser português. Não perceber isso é fazer como os teus donos fazem, conduzir o País à dissolução étnica pela integração de «mercenários».


Muitos até fizeram a guerra, ou arrriscaram a pele por Portugal

Falando em mercenários, nem de propósito, é que eu já te adivinho... mesmo que, neste caso, não se tratassem realmente de mercenários, mas de «bárbaros» ao serviço dum império.

De resto, essa guerra acabou - e perdeu actualidade, visto que foi feita por algo que já não existe e que nem sequer devia ter existido.



A minha diferença em relação a ti...não nego o teu direito a dizeres as alarvidades

É que nem nisso, mas é que nem nisso consegues argumentos para melhorar a tua auto-estima, rapaz. Pois se eu te negasse o direito de dizeres imbecilidades, obscenidades e aldrabices, nem sequer te deixava escreveres aqui, apagava-te a palhaçada toda que aqui vomitas e acabou.


(camufladas de dados

O típico eufemismo do impotente - em não conseguindo contrariar a sacana da realidade, opta por dizer que os argumentos do oponente são «camuflados de dados», ahahahahahah... esta ainda é melhor do que a do comuna que na assembleia se queixava contra a ordem social-democrata como «a ditadura da maioria», ahahahahh...



e rejeição pela maioria dos eleitores europeus

Rejeição que é cada vez menor, em relação inversamente proporcional com o teu cagaço. :)

2 de abril de 2007 às 19:54:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo,

És brilhante, porque quase tudo o que tu dizes se aplica a ti...não precisei de ir ver o Freud, para ver que realmente se aplica a ti...e não vejas com a treta dos ataques pessoais, que essa não cola.

as tuas deduções sobre mim...todas ao lado, como as deduções sobre o país

não ofende quem quer, mas quem pode.

"el estatístico"





"el estatístico"

2 de abril de 2007 às 20:01:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Não é nada, estatístico!!! Tu é que és, tu é que és mil vezes, tu é que és infinitas vezes, tu é que és.

Pronto, esta é afinal a resposta que se te aplica - para quem é, bacalhau basta.

2 de abril de 2007 às 20:08:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo,

Deves estar a treinar para a mobilização do próximo encontro do teu partido...para aqueles gorilas carecas q tanto deves gostar

"el estatístico"

2 de abril de 2007 às 21:06:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

>>Não é nada, estatístico!!! Tu é que és, tu é que és mil vezes, tu é que és infinitas vezes, tu é que és.

O meu sobrinho de 5 anos consegue debater melhor que tu, Caturo. Que palhaçada.

2 de abril de 2007 às 22:09:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

>> És brilhante, porque quase tudo o que tu dizes se aplica a ti...não precisei de ir ver o Freud, para ver que realmente se aplica a ti..

É o mecanismo de projecção de Freud. Se fosse uma doença, o Caturo havia de sofre-la cronicamente. :)

2 de abril de 2007 às 22:11:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Ciscokid,

o problema é o seguinte: é complicado descobrir o que é sério e o q é a brincar. Se calhar só a notícia do 1º de Abril era sincera...

A avaliar pelos títulos "brasuca" e "guineense" começo a desconfiar q o nosso caturo é um bloquista, ou um perverso antifa, ou antira a disfaçar-se de nacionalista, só p acabarem com o PNR.. ou então foi corrido do "O Crime"

el estatítico

2 de abril de 2007 às 23:34:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

>> o problema é o seguinte: é complicado descobrir o que é sério e o q é a brincar. Se calhar só a notícia do 1º de Abril era sincera...

Sem dúvida que é sincera: é o seu sonho poder fazer uma nova revolução... a revolução dos cactos. Mas sabe que está lixado: por um lado, o regime abrilino não admite partidos racistas, e por outro um golpe de estado é sinónimo de suicídio político.

Mas tudo o que ele escreve é sério. E só faz sentido no seu mundo paralelo. Ele acha que distorcer as coisas ou simplesmente dizer que o oponente perdeu o argumento já garante a vitória nacionalista. Que imbecil. Nunca apareceu na TV e ainda bem para a causa nacionalista. Digo mal, costuma aparecer na TV a carregar os cartazes nas manifestações ridículas onde aparecem.

O que acho difícil é distinguir entre a sua ignorancia e a sua desonestidade. Creio que é um misto das duas coisas.

3 de abril de 2007 às 00:09:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo, ainda em relação ao brilhante argumento de que os países iam aceitar a extradição de cidadãos portugueses...por exemplo só Cabo Verde ia DUPLICAR a população, acreditas realmente que aceitavam? Quer dizer nem estou a falar da possibilidade de excluirem qqr relações diplomáticas connosco, estamos já a falar do absurdo que é um país pobre e pequeno aceitar de bom grado o dobro da população...

enfim, detalhes de indingência argumentativa...

Além são muitos ses: se o PNR tomar o poder, e se mesmo assim te levarem a sério e a tua opinião for tida em conta para alguma coisa, e se a medida for possível, e se os países aceitarem, e se houver dinheiro, e se n rebentasse uma guerra civil com tanto disparate...

"el estatístico"

3 de abril de 2007 às 01:46:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Este cartaz funciona para alguns como uma especie de investimento, assim poderão continuar a viver ás custas do partido mais algum tempo.

3 de abril de 2007 às 02:00:00 WEST  
Blogger Stran_ger said...

O teu comentario:"O que queria demonstrar é que se todos os nacionais entenderem que o P.N.R. deve ser abolido esta é uma opinião válida e que tu concordavas com essa situação

Onde é que eu sequer sugeri que concordaria com tal absurdo?"


Caturo tu disseste "nenhuma opinião política deve ser proibida", logo concluí que mesmo que exista uma opinião politica contrária à tua, ao teu movimento não deve ser proibida. São as tuas palavras não as minhas.

3 de abril de 2007 às 11:47:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Deves estar a treinar para a mobilização do próximo encontro do teu partido

Não - simplesmente adapto o discurso ao destinatário - e falar contigo é como falar com um adolescente retardado.

3 de abril de 2007 às 18:01:00 WEST  
Blogger Caturo said...

O meu sobrinho de 5 anos consegue debater melhor que tu, Caturo

Nesse caso, coitado de ti - além de seres sovado aqui, também o teu sobrinho te dá água pela barba. :)

3 de abril de 2007 às 18:01:00 WEST  
Blogger Caturo said...

A avaliar pelos títulos "brasuca" e "guineense" começo a desconfiar q o nosso caturo é um bloquista, ou um perverso antifa, ou antira a disfaçar-se de nacionalista, só p acabarem com o PNR

Era preciso que tu ou os teus donos conseguissem que este blogue fosse considerado como porta-voz do PNR... e depois pronto, era só fazerem queixinhas e livravam-se dos «nazis» que tanto vos tiram o sono. :)

Infelizmente para vocês, não terão essa facilidade...

3 de abril de 2007 às 18:03:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Sem dúvida que é sincera: é o seu sonho poder fazer uma nova revolução...

Lá porque esse seja um dos teus pesadelos, não significa que seja o meu sonho.
De resto, o teu problema é que o teu pior pesadelo nem é esse, mas sim o de ver os Nacionalistas a subirem ao poder, por toda a Europa, pela via democrática. :) Isso é que te irrita e assusta e te faz ser cada vez mais ridículo no teu fair-play mal fabricado.



Mas tudo o que ele escreve é sério. E só faz sentido no seu mundo paralelo

Faz sentido neste mundo - e tanto faz que és sempre obrigado a recuar em todas as tuas argumentações, as quais, note-se, são geralmente feitas dum desviar desonesto das atenções, ou para o ataque pessoal, ou para temas que não têm a ver com o que se discute.
Para cúmulo da tua mediocridade intelectual, cultural e sobretudo ética, nem sequer respondes às perguntas difíceis que te são escarradas em cheio nas ventas, pelo contrário, arranjas maneira de as ignorar e de meter palha nas tuas «respostas» para ver se as pessoas se esquecem do que te espetaram nos cornos. O teu problema aqui é que já toda a gente topou a merda desonesta que és, o advogado medíocre e completamente sem vergonha nessas trombas e, assim, a palha que queres meter só serve aos burros como tu, além de que a areia que queres atirar aos olhos dos outros só existe é na tua cabeça.

E é assim que já ninguém vai atrás das tuas distorções, das tuas voltinhas que julgas conseguir dar aos argumentos e sobretudo das tuas descaradas fugas ao que se discute, desviando as atenções, não apenas da miséria doutrinal que representas, mas sobretudo, em termos mais imediatos, desviando as atenções daquilo que mais te incomoda: os factos que eu dia a dia aqui exponho, estraçalhando, ponto por ponto, a mentecapta, castrada e falsificada «visão» do mundo em que foste domesticado e que te transformou no eunuco sem coluna vertebral que mostras ser.

E, em desespero, e raiva, vais de dizer que o oponente está a perder, isto, mais uma vez, para disfarçares a tua falência completa.

3 de abril de 2007 às 18:18:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Caturo, ainda em relação ao brilhante argumento de que os países iam aceitar a extradição de cidadãos portugueses...por exemplo só Cabo Verde ia DUPLICAR a população, acreditas realmente que aceitavam?

Porque não?

Esqueces-te, tu e muita gente, que África tem vastas áreas despovoadas, quer pela guerra quer pela fome, quer até pelas pandemias. Ora teriam toda a vantagem em aceitar um continge populacional educado no Ocidente - toda a vantagem e nenhuma desvantagem.



Quer dizer nem estou a falar da possibilidade de excluirem qqr relações diplomáticas connosco,

Que grande abalo ao pífaro... ficávamos tristes, era?



enfim, detalhes de indingência

Ou seja, voltaste a falhar. Esforça-te mais...


Além são muitos ses: se o PNR tomar o poder, e se mesmo assim te levarem a sério e a tua opinião for tida em conta para alguma coisa, e se a medida for possível, e se os países aceitarem, e se houver dinheiro, e se n rebentasse uma guerra civil com tanto disparate...

... se tu não tivesses medo disso ou de algo parecido... não estavas aqui a dizer imbecilidades e a tentar desmobilizar as hostes... :)

3 de abril de 2007 às 18:23:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Este cartaz funciona para alguns como uma especie de investimento, assim poderão continuar a viver ás custas do partido mais algum tempo

Mas que nova imbecilidade é essa? Mas alguém vive à custa do partido? Pura má fé mentecapta.

3 de abril de 2007 às 18:24:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Caturo tu disseste "nenhuma opinião política deve ser proibida", logo concluí que mesmo que exista uma opinião politica contrária à tua, ao teu movimento não deve ser proibida.

Claro que não deve ser proibida.
O que não significa que possa ser imposta.

3 de abril de 2007 às 18:25:00 WEST  
Blogger Caturo said...

A avaliar pelos títulos "brasuca" e "guineense" começo a desconfiar q o nosso caturo é um bloquista, ou um perverso antifa, ou antira a disfaçar-se de nacionalista, só p acabarem com o PNR

Já agora... então dizer «guineense» é caminho para ser ilegalizado?...

Muito me contas... mas não me dás novidade nenhuma a teu respeito.

3 de abril de 2007 às 18:27:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo,

Apesar de bateres no peito e dizeres que os teus argumentos "é que são", não conseguiste explicar convenientemente o seguinte

A relação entre imigração e desemprego não existe da forma que tu colocas. Há outros dados bem mais relevantes como

a desajustada oferta universitária (olha os teus amigos da FLUL são potenciais desempregados, e não o serão por causa dos imigrantes)

as deslocalizações
a falta de competividade das empresas, principalmente as PME's
a baixa escolaridade
as assimetrias litoral/interior.

Aliás é nas zonas onde há menos imigrantes que o desemprego é mais sentido (alentejo, norte). E se pode ser verdade que nalguns casos pode ser mais mais conveniente empregar estrangeiros (por exemplo os brasileiros na restauração), também ocorrem situações em que a lei e os preconceitos negam facilidades de empregos aos imigrantes, e aos portugueses pretos. Aliás, não podes negar que existem portugueses pretos na sociedade em que vives. Podes dizer que gostavas de mudar isso, mas para que isso aconteça são precisos muitos ses.

A tua teoria das deportações, como já vimos, é um desejo, e não confundas o que desejas com a realidade. O exemplo que te apresentei de Cabo Verde demonstra bem o delírio em que entras... "vastas áreas depovoadas":):):):):):):):)

Dizer que um europeu de leste é mais parecido conncoso do que um africano dos palop’s ou um brasileiro é de bradar aos céus. Deves ser poliglota, mas provavelmente nunca foste aos palops, nem a qualquer país de leste, e nem costumas falar com pretos, brasucas, russos, romenos, etc. Basta falar com pessoas daquelas origens para perceber, experimenta falar com alguém mais do que o “preto do PNR”.

A tua teoria das raças dá mais espaço a provérbios do que à descodificação do genoma humano, essa grande conspiração da esquerda

A correlação entre imigrantes e crime é abusiva . Por exemplo, se alguém publicasse (de forma distorcida como tu fazes) todas as notícias envolvendo crime e portugueses brancos e imigrantes de leste estaria a ser desonesto, mas o espaço do teu blog não caberia para tantas notícias. Poderia haver até alguém de má fé que dizia que os portugueses eram pedófilos compulsivos,e que espancavam torturavam e até matavam as próprias crianças, ou seja, pegando em exemplos isolados e minoritários fazia uma generalização absolutamente abusiva e falsa

"el estatístico"

3 de abril de 2007 às 18:36:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Apesar de bateres no peito e dizeres que os teus argumentos "é que são",

Isso de bater no peito é mais contigo e com a macacada que talvez aprecies. Eu simplesmente constato que tu não respondes. E desafio seja quem for a demonstrar o contrário.


A relação entre imigração e desemprego não existe da forma que tu colocas

Existe sim, e de que maneira.


Há outros dados bem mais relevantes como

a desajustada oferta universitária


Não é mais relevante, visto que as pessoas com formação universitária são ainda minoritárias no País. A menos, claro, que haja alguma estatística fiável a demonstrar que há mais desemprego entre os licenciados do que entre as pessoas que o não são.



as deslocalizações
a falta de competividade das empresas, principalmente as PME's
a baixa escolaridade


Isso é outro assunto e nunca ninguém atribuiu a tibieza das PME's à imigração.


Aliás é nas zonas onde há menos imigrantes que o desemprego é mais sentido

Isso deve-se ao isolamento do interior e à concentração cada vez maior das populações em torno dos dois principais centros urbanos. Mas o facto de o desemprego ser maior aí (dizes tu), não significa que nos locais onde há mais imigrantes não haja também desempregados que o são por não conseguirem encontrar um emprego decente.



E se pode ser verdade que nalguns casos pode ser mais mais conveniente empregar estrangeiros (por exemplo os brasileiros na restauração)

Falta explicar porque é que na restauração é mais conveniente empregar brasileiros do que empregar portugueses.



também ocorrem situações em que a lei e os preconceitos negam facilidades de empregos aos imigrantes, e aos portugueses pretos

A lei nega empregos aos negros?...



Aliás, não podes negar que existem portugueses pretos na sociedade em que vives

Se tudo estivesse bem em Portugal, a militância política não era necessária. Não te parece evidente?


Podes dizer que gostavas de mudar isso, mas para que isso aconteça são precisos muitos ses

Tudo a seu tempo.
E é por teres medo que esses «ses» se concretizem que andas aqui, atarantado.



A tua teoria das deportações, como já vimos, é um desejo,

Não - o que realmente vimos, mas vimos em cheio, com toda a força pelos teus olhos adentro, foi que, além dum desejo, a deportação é também, presta atenção agora, uma prática já existente. Tu bem querias que assim não fosse - mas, nesse caso, és afinal tu quem toma o teu desejo pela realidade. :) :) :)

É aliás mais um traço típico do estereótipo antirra: o «wishful thinking», ou seja, o desejar tanto uma coisa que a dada altura começa-se a acreditar que esse desejo corresponde à realidade factual.


O exemplo que te apresentei de Cabo Verde demonstra bem o delírio em que entras

Para teu azar, eu não disse que em Cabo Verde havia vastas áreas despovoadas. Enfim, mais um «detalhe»:) que te escapou.


zer que um europeu de leste é mais parecido conncoso do que um africano dos palop’s ou um brasileiro é de bradar aos céus

É um facto cada vez mais evidente - e tanto assim é que alguns dos teus coleguinhas antirras já andam a dizer que os portugueses andam a ser racistas porque preferem os leste-europeus relativamente aos africanos.


Deves ser poliglota, mas provavelmente nunca foste aos palops,

Tu, então, deves ser surdo e tu é que provavelmente nunca foste aos palops, nunca ouviste um negro de África a falar, provavelmente porque nem andas na rua, vais do teu condomínio fechado para o teu emprego e não contactas com ninguém fora do teu apertado círculo de amigos, o que só agrava a tua já de si notória estreiteza de ideias e de análises.

Só a ignorância mais crassa sobre o que realmente se passa em Portugal é que pode permitir desconhecer o à vontade e a correcção com que a maioria dos imigrantes de leste aprende Português, chega a ser verdadeiramente notável o modo como o falam; e só a estupidez autista politicamente correcta é que pode servir para negar que boa parte dos negros e dos brasileiros falam um mau Português, e, muitos deles, até vão introduzindo o crioulo nas escolas portuguesas, daí que já haja por aí gentinha a querer que os professores portugueses aprendam umas palavritas de crioulo... olha que não há ninguém que sugira a necessidade de aprender alguma língua eslava em Portugal.



A tua teoria das raças dá mais espaço a provérbios

Mais uma vez, demonstras a estupidez do teu primarismo de análise. Tu bem te queixas do ridículo a que és exposto, mas se não te corriges, o que queres que te faça?


do que à descodificação do genoma humano, essa grande conspiração da esquerda

Depende do modo como essa descodificação seja explicada.



A correlação entre imigrantes e crime é abusiva

Não é não - pelo contrário, toda a gente que conhece a realidade portuguesa, e europeia, entende a verdade que se impõe.


Por exemplo, se alguém publicasse (de forma distorcida como tu fazes

Dizes «de forma distorcida» porque não tens realmente argumentos para negar os factos que aqui exponho - e, aliás, tanto não tens, que, «curiosamente», nunca discutes nenhuma dessas «distorções»... pois, é melhor ficares caladinho e depois, de quando em vez, mandar uma boca «generalista» mas sem dar exemplos, claro - pudera... :)



todas as notícias envolvendo crime e portugueses brancos e imigrantes de leste estaria a ser desonesto,

Pois que venham elas - desde que todas as notícias com criminosos negros sejam dadas, ao invés de serem escondidas, como fazem os teus donos da comunicação sucial.


Poderia haver até alguém de má fé que dizia que os portugueses eram pedófilos compulsivos,e que espancavam torturavam e até matavam as próprias crianças,

Então mãos à obra, faz uma estatística que estude os casos de pedofilia em Portugal e os casos de pedofilia em África... contando, evidentemente, com as violações de meninas brancas na África do Sul, porque muitos negros de lá acreditam que assim curam a SIDA...
Vá, força nisso.

3 de abril de 2007 às 19:15:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Vamos lá a ver os teus argumentos:

"Existe sim, e de que maneira"
"Isso é outro assunto..."

o exemplo dos licenciados é errado? fala com os teus amigos de letras e eles dizem-te

"A lei nega empregos aos negros?..." a lei não, mas é verdade q existem pessoas em bolandas por causa da burocracia da legalização/renovação de vistos, e os preconceitos de quem não aceita pessoas pela cor da pele, e tudo isso não deve ajudar muito arranjar emprego, não achas? Os brasileiros na restauração? em geral os clientes gostam deles pela simpatia.

Curiosamente já foi aos PAlops (C. Verde, Angola e S. Tomé)que devem ser (a seguir a Espanha e França) os locais q visitei mais e à Rússia, Polónia e Roménia tb, logo sei do que falo. Nestes países do leste nem sabem bem onde é Portugal, ao passo q nos palops qqr pessoa conhece alguém q está cá, os quadros estudaram em Portugal e até há pouco tempo aquilo era território português...

Respondeste ao exemplo de Cabo Verde com áfrica e terras despovoadas... mas diz lá como é que tu génio da geografia e do povoamento duplicavas a população e eles ainda te agradeciam...Se encontres a solução és o próximo Nobel, se n ó costume.

Não moro em condomínios fechados, a ando bastantes vezes de metro e autocarro...mas esta passagem quer dizer o quê??

"Se tudo estivesse bem em Portugal, a militância política não era necessária. Não te parece evidente?" obviamente nunca está bem para todos,e só não há militânica política nas ditaduras (pelo menos legal)

concordo qdo dizes q é notável como alguns imigrantes de leste aprendem português, mas muitos palops e portugueses pretos falam-no desde nascença, e muitos nem falam outra língua

"palavritas de crioulo"..não tem mal nenhum qqr pessoa q queira falar crioulo, embora o ensino deva ser em português (abaixo uma ideia qqr de alguém do Bloco sobre o assunto), Tudo alguem ki ka tem complexu podi papia badiu, e si nu ka e runhu ka fica cu bu rosto na tchom.

Não há deportações de portugueses de Portugal para outros países, e não parece q seja possível. O q se passa em relação aos Açores é a deportação de portugueses, não de americanos a qm retiraram a nacionalidade

N nego os factos, mas a relação q lhes atribuis. Da mesma forma os exemplos que te apontei podiam ser efectuados por alguém de má fé. POr falar de má fé, a tua resposta foi falar de África

"Então mãos à obra, faz uma estatística que estude os casos de pedofilia em Portugal e os casos de pedofilia em África"..n foi disso que falei. Dalei de pessoas desonestas q podiam fazer generalizações abusivas sobre os casos de polícia q há cá, que é o q tu fazez. Tu, caso houvesse um preto envolvido na Casa Pia, não sei o que dirias.

3 de abril de 2007 às 20:57:00 WEST  
Anonymous Sara said...

os locais q visitei mais e à Rússia, Polónia e Roménia tb,

há quantos anos foi isso?
se disseres que foi agora é mentira, pelo menos no que diz respeito à Roménia. estive lá há cerca de 2 anos e contactei com diversos romenos que identificavam perfeitamente a minha língua e inclusivamente alguns que sabiam um pouco de português, por verem programas de televisão em português (não estou a inventar, eu vi lá na altura os morangos com açúcar e outra pérola da produção nacional chamada olá pai).
além do mais qualquer um sabe que os sistemas educativos desses países são ainda mais avançados até que o nosso, sendo que com certeza devem estudar geografia da Europa, coisa que duvido que façam nos tais outros países terceiro mundistas a que te referes.

3 de abril de 2007 às 23:49:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Os brasileiros na restauração? em geral os clientes gostam deles pela simpatia.

tem graça que o comentário que mais oiço actualmente é mais 'possas que nãos e pode ir a um restaurante sem ouvir alguém a falar brasileiro'

além de qu é uma estupidez crassa fazer um juízo desses, como se os brasileiros tivessem o monopólio da simpatia.

3 de abril de 2007 às 23:53:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Sara,

Claro q os brasileiros não têm o monopólio da simpatia, até porque não há monopólio da simpatia, de crime, da corrupção, etc. A mim tanto me faz quem empregam, desde que o tipo dos resturantes n faça batotas com impostos e contratações, ponha comida em condições (se lá foi a ASAE e passou no teste tanto melhor) e que os empregados sejam profissionais, sejam de onde forem, e que sejam escolhidos porque são os melhores para a função.

"el estatístico"

4 de abril de 2007 às 00:00:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

Quer "debater" como o Caturo, porque é um imbecil? Basta aplicar o paragráfo multi-usos. Veja como funciona:
=================================
Miguel: "Já te foi explicado depois de mil mensagens que é impossível deportar pessoas sem nacionalidae. Nenhum País é obrigado a receber cidadãos que não são da sua nacionalidade. Estás a distorcer as coisas trazendo o caso americano e canadiano, até porque nenhum cidadão americano ou canadiano pode ser deportado para outro País."

Caturro: "Dizes «de forma distorcida» porque não tens realmente argumentos para negar os factos que aqui exponho - e, aliás, tanto não tens, que, «curiosamente», nunca discutes nenhuma dessas «distorções»... pois, é melhor ficares caladinho e depois, de quando em vez, mandar uma boca «generalista» mas sem dar exemplos, claro - pudera... :)"

João: "Estás a distorcer a realidade, como já expliquei é impossível que o Pai Natal exista"

Caturro: "Dizes «de forma distorcida» porque não tens realmente argumentos para negar os factos que aqui exponho - e, aliás, tanto não tens, que, «curiosamente», nunca discutes nenhuma dessas «distorções»... pois, é melhor ficares caladinho e depois, de quando em vez, mandar uma boca «generalista» mas sem dar exemplos, claro - pudera... :)"

4 de abril de 2007 às 00:15:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Sara,tens razão...nesses países só aprendem como vir para Portugal...

"el estatístico"

4 de abril de 2007 às 01:53:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

A entrevista dada pelo jpc nas revistas desta semana foi um poderoso escarro nas trombas do caturo. :)

deixa-me rir kakakaka
o jpc a defender valores que o caturo tanto despreza . o jpc é mais fino que um melro, está a utilizar a mocidade portuguesa, como carne para canhão.

ao jpc um forte abraço

4 de abril de 2007 às 11:37:00 WEST  
Blogger Caturo said...


o exemplo dos licenciados é errado?


É menos importante, pelo motivo que eu referi e que tu nem comentaste: a esmagadora maioria dos desempregados não são licenciados.


"A lei nega empregos aos negros?..."

a lei não, mas é verdade q existem pessoas em bolandas por causa da burocracia da legalização/renovação de vistos, e os preconceitos de quem não aceita pessoas pela cor da pele,

Ainda bem que ainda há gente assim. É salutar.
Entretanto, tenho encontrado locais que dão cada vez mais emprego a negros, sobretudo em locais onde há muitos assaltos cometidos por negros... porque será?



Os brasileiros na restauração? em geral os clientes gostam deles pela simpatia.

Que não é maior do que a dos portugueses. Há é o preconceito de que o brasileiro é mais simpático...


Curiosamente já foi aos PAlops (C. Verde, Angola e S. Tomé)que devem ser (a seguir a Espanha e França) os locais q visitei mais e à Rússia, Polónia e Roménia tb, logo sei do que falo

Então o teu caso ainda é mais grave – a menos que, enfim, os países africanos tratem de mandar para cá os seus nacionais que falam pior Português…
Quanto ao leste, bem vistas as coisas interessa relativamente pouco neste caso, porque o que realmente conta nesta conversa são os leste-europeus que estão cá – e estes falam indubitavelmente melhor Português do que os africanos e do que os brasileiros.


Respondeste ao exemplo de Cabo Verde com áfrica e terras despovoadas... mas diz lá como é que tu génio da geografia e do povoamento duplicavas a população e eles ainda te agradeciam...

Já o expliquei. Porque é que nem sequer comentaste e agora fazes de conta que não respondi? É tal coisa, é o estereótipo, vocês aprendem todos na mesma escola…


Não moro em condomínios fechados, a ando bastantes vezes de metro e autocarro...mas esta passagem quer dizer o quê??

Quer dizer que não conheces a realidade portuguesa.


concordo qdo dizes q é notável como alguns imigrantes de leste aprendem português, mas muitos palops e portugueses pretos falam-no desde nascença,

Mas não o falam bem – e além disso trazem vocábulos alienígenas, coisa que os de leste (ainda) não fazem.


"palavritas de crioulo"..não tem mal nenhum qqr pessoa q queira falar crioulo,

Tem mal quando se torna uma obrigação ou pelo menos algo de «aconselhável» aos professores.

Tudo alguem ki ka tem complexu podi papia badiu, e si nu ka e runhu ka fica cu bu rosto na tchom.

Não percebo línguas africanas.


Não há deportações de portugueses de Portugal para outros países,

Mas pode passar a haver, tal como há deportações de cidadãos americanos para Portugal.


e não parece q seja possível

«Não parece» pelo simples motivo que não te apetece, pronto, bom argumento.


O q se passa em relação aos Açores é a deportação de portugueses, não de americanos a qm retiraram a nacionalidade

Trata-se de descendentes de portugueses que nasceram e viveram sempre nos EUA. E que só são expulsos por serem criminosos.
De resto, os americanos podem retirar a nacionalidade aos seus cidadãos e extraditá-los.


Não nego os factos, mas a relação q lhes atribuis

Só porque te apetece, visto que não explicas a tua negação. Estás simplesmente em negação e pronto…


"Então mãos à obra, faz uma estatística que estude os casos de pedofilia em Portugal e os casos de pedofilia em África"

n foi disso que falei

Mas falei eu e tu não gostaste. Sentiste-te mal por teres o teu argumento virado contra ti. Porque a comparação justa foi realmente aquela que eu fiz: do mesmo modo que quiseste vir falar dos brancos que em Portugal cometem o crime de pedofilia, então, se queres mesmo comparar as raças nesse ponto, tens de falar dos negros que cometem o mesmo crime, não em Portugal mas sim em África, visto que África é que é a sua terra, onde vigora a sua cultura e onde os negros são maioria. E tu, num assomo de pura má fé, mas de maneira especialmente descarada desta vez, continuas, qual disco riscado, a falar da Casa Pia.

É que até no descaramento da desonestidade mostras que és uma autêntica caricatura.

4 de abril de 2007 às 12:31:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Quer "debater" como o Caturo,

O ciscokid, batido em toda a linha, espuma-se de rancor, já só consegue tentar ridicularizar o meu discurso, depois de o ridículo do seu ter ficado a nu... e até escreve o meu nick com dois érres, tal é o seu esbracejar raivoso que não arranja maneira de se satisfazer doutro modo... :)

Vejamos então como guincha este suíno às portas da morte:

Miguel: "Já te foi explicado depois de mil mensagens que é impossível deportar pessoas sem nacionalidae. Nenhum País é obrigado a receber cidadãos que não são da sua nacionalidade.

Já foi explicado ao Miguel que haveria maneira de convencer os países africanos a aceitarem de volta a sua prole. Mas o Miguel, como é descaradamente imbecil, faz de contas que não leu.

Outra demonstração da estultice do Miguel é esta:
Estás a distorcer as coisas trazendo o caso americano e canadiano, até porque nenhum cidadão americano ou canadiano pode ser deportado para outro País."
O Miguel é realmente atrasado mental, porque já lhe foi espetado nas ventas que os EUA podem sim extraditar cidadãos seus.

Mas, no fundo, o Miguel está é raivoso por ter apanhado em cheio nos cornos com o exemplo dos filhos de portugueses que foram enviados para Portugal, depois de um outro palhaço, o ciscokid, ter dito «ai, os que foram mandados de volta tinham era vistos de três meses, foi isso...».

E, por isso, aplica-se inteiramente o que eu disse:
Caturo: "Dizes «de forma distorcida» porque não tens realmente argumentos para negar os factos que aqui exponho - e, aliás, tanto não tens, que, «curiosamente», nunca discutes nenhuma dessas «distorções»... pois, é melhor ficares caladinho e depois, de quando em vez, mandar uma boca «generalista» mas sem dar exemplos, claro - pudera... :)"

4 de abril de 2007 às 12:37:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

"Não moro em condomínios fechados, a ando bastantes vezes de metro e autocarro...mas esta passagem quer dizer o quê??

Quer dizer que não conheces a realidade portuguesa."

Caro Caturo, se a bitola é o metro e o autocarro, então a realidade portuguesa conhecida fica-se por Lisboa e, de há um tempinho a esta parte, pelo Porto.

Realidade e país cada vez mais pequeninos estes! :))

"...tal como há deportações de cidadãos americanos para Portugal."

Isto não existe. Este só são deportados porque nunca obtiveram a nacionalidade americana. A sua nacionalidade sempre foi a Portuguesa, pelo que são deportados para o "seu" país.

"Trata-se de descendentes de portugueses que nasceram e viveram sempre nos EUA."

Pela lógica, o simples facto de terem nascido e sempre vivido nos EUA não os torna cidadãos dos EUA.

"De resto, os americanos podem retirar a nacionalidade aos seus cidadãos e extraditá-los."

Se são seus cidadãos, extraditam-nos para onde depois de lhes retirarem a cidadania??!?!?!

"Já foi explicado ao Miguel que haveria maneira de convencer os países africanos a aceitarem de volta a sua prole."

Desculpe, Caturo, mas como ando a ler em Z, não apanhei o detalhe desta sua explicação ao Sr.Miguel, mas fiquei curiosa. Será pedir-lhe muito que me explique que maneiras são essas, p.f.?

Cumprimentos.
Livia Drusilla

4 de abril de 2007 às 13:14:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

> "Isto não existe. Este só são deportados porque nunca obtiveram a nacionalidade americana. A sua nacionalidade sempre foi a Portuguesa, pelo que são deportados para o "seu" país.


O Caturo sabe, Livia. Ele quer é convencer desonestamente que os americanos e canadianos fazem aquilo que ele quer fazer um dia: tirar a nacionalidade de um cidadão - e deportar pessoas sem cidadania utilizando magia.
Diz bem: os portugueses deportados nunca tiveram cidadania americana/canadiana, mas sim a portuguesa.


>> A entrevista dada pelo jpc nas revistas desta semana foi um poderoso escarro nas trombas do caturo. :)

O que é que o JPC disse? Abandonou os ideais do Caturo como o Le Pen? :)

4 de abril de 2007 às 14:00:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

“Ainda bem que ainda há gente assim” - tens razão, ainda há...

“encontrado locais que dão cada vez mais emprego a negros, sobretudo em locais onde há muitos assaltos cometidos por negros... porque será?” - foram os pretos do PNR que te disseram isso? Ah já sei faz parte do genocídio dos brancos que está em curso ;);););)


“Há é o preconceito de que o brasileiro é mais simpático...” pois, não és o único a ter preconceitos, pelos vistos.

Em relação à comparação com palops/ leste“bem vistas as coisas interessa relativamente pouco neste caso” é sintomático da tua argumentação que se desvia para olado perante o óbvio. Vai lá aos palops ( n precisas de saber falar línguas africanas) que te consegues orientar, e tenta lá falar cá em Portugal com pretos portugueses e não portugueses. Já agora ficas a saber que o crioulo, ou cabo-verdiano, tem mais vocábulos europeus que africanos , e olha que se aprende fácilmente.

A referência a “a condomínios fechados” é uma obsessão qualquer que tens? Já te vi falar disso bastantes vezes, comigo e com outros.... E se morasse, qual era o problema?


Em relação ao exemplo da África do Sul “Mas falei eu e tu não gostaste”querias que gostasse de atrocidades? Também não deves gostar nem dessas notícias nem das que se passam em Portugal, qualquer pessoa de bem diz o mesmo. Se formos a cada continente, a cada país encontramos barbaridades, pelo que (se formos histéricos e desonestos) até podemos declarar a iniquidade do Homem no seu todo, seja em que continente for . Em em relação a esta passagem “cometem o mesmo crime, não em Portugal mas sim em África, visto que África é que é a sua terra”... os europeus também efectuaram crimes em África no passado, mas isso tem alguma coisa a ver com uns pilha-galinhas em Portugal no sec XXI???

“Já foi explicado ao Miguel que haveria maneira de convencer os países africanos a aceitarem de volta a sua prole” Explica lá isso bem (a mim e à Livia), bem como a duplicação de pessoas em Cabo Verde...é que pelos vistos ainda ninguém viu a explicação.

"el estatístico"

4 de abril de 2007 às 15:04:00 WEST  
Blogger Caturo said...

o jpc a defender valores que o caturo tanto despreza

Tais como?...

4 de abril de 2007 às 15:24:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Caro Caturo, se a bitola é o metro e o autocarro,

É uma das biotlas, seguramente - quem nem isso faz, não conhece a realidade portuguesa que diz mais vezes respeito ao problema da imigração.


então a realidade portuguesa conhecida fica-se por Lisboa

Em termos de imigração, é a principal. Ou dirá que não?



"...tal como há deportações de cidadãos americanos para Portugal."

Isto não existe. Este só são deportados porque nunca obtiveram a nacionalidade americana.

Está enganada. Os EUA podem extraditar cidadãos norte-americanos:
«Somente dois Estados admitem a extradição de seus nacionais, EUA e Reino Unido.»

http://www.uj.com.br/publicacoes/doutrinas/default.asp?action=doutrina&iddoutrina=2717



"Trata-se de descendentes de portugueses que nasceram e viveram sempre nos EUA."

Pela lógica, o simples facto de terem nascido e sempre vivido nos EUA não os torna cidadãos dos EUA.

O mesmo se passa com muitos dos africanos que vivem em Portugal.


Se são seus cidadãos, extraditam-nos para onde depois de lhes retirarem a cidadania??!?!?!

Para o país dos seus ancestrais, como fizeram com vários portugueses.



"Já foi explicado ao Miguel que haveria maneira de convencer os países africanos a aceitarem de volta a sua prole."

não apanhei o detalhe desta sua explicação ao Sr.Miguel,

No essencial, a chave estaria na continuidade, ou não, de apoios económicos a África - e na possibilidade de fazer um embargo total aos países africanos que não aceitassem os filhos dos africanos nascidos em solo europeu.

Cumprimentos

4 de abril de 2007 às 15:40:00 WEST  
Blogger Caturo said...

O Caturo sabe, Livia.

Tu é que não. Já to tinha dito, mas continuaste sem saber - porque, como és desonesto, fazes de conta que a realidade é como querias que fosse e ficas-te por aí.

4 de abril de 2007 às 15:41:00 WEST  
Blogger Caturo said...

“encontrado locais que dão cada vez mais emprego a negros, sobretudo em locais onde há muitos assaltos cometidos por negros... porque será?”

foram os pretos do PNR que te disseram isso?

Fui eu que vi - enfim, mais um daqueles detalhes que ou não vês ou fazes de conta que não vês; ou vês mas não queres que os outros vejam.


“Há é o preconceito de que o brasileiro é mais simpático...”

pois, não és o único a ter preconceitos, pelos vistos

E a ti não te desagradam todos os preconceitos, pelos vistos...


Em relação à comparação com palops/ leste“bem vistas as coisas interessa relativamente pouco neste caso” é sintomático da tua argumentação que se desvia para olado

Não, és tu quem se quer desviar para o lado (mas nem aí te safaste, porque a Sara soube responder-te): se estamos a falar dos imigrantes de leste em Portugal, então é a sua presença neste País que interessa, não o modo como vivem a milhares de quilómetros de distância daqui. Isto sim, é óbvio.
E o modo como vivem aqui constitui uma adaptação praticamente perfeita à sociedade portuguesa, inclusivamente na aprendizagem da língua. Nunca vi um imigrante leste-europeu em Portugal que não se fizesse entender perfeitamente em Português.


Vai lá aos palops

E continuas a querer desviar as atenções, mas não consegues: não interessa o modo como vivem lá, mas sim o modo como vivem .


Já agora ficas a saber que o crioulo, ou cabo-verdiano, tem mais vocábulos europeus que africanos

Mas não é português - nasceu em África, criado por Africanos. Logo, é uma língua africana. Não é europeia.


A referência a “a condomínios fechados” é uma obsessão qualquer que tens?

Não - mas o teu autismo relativamente à sociedade portuguesa só se explica se viveres em condomínios fechados. Mas isto é boa vontade minha. Porque também posso dizer que a tua alienação chega a tal ponto que nem sequer vives num condomínio fechado e sim nalgum hospício.



Em relação ao exemplo da África do Sul “Mas falei eu e tu não gostaste”querias que gostasse de atrocidades?

Continuas a querer desviar a conversa, mas continuas a não o conseguir fazer: falei no exemplo da África do Sul para dizer que se há pedofilia em Portugal, se calhar há tanto ou mais pedofilia em África. Por isso é que tu não gostaste do exemplo, porque querias que eu ficasse calado por causa da referência à Casa Pia mas tiveste azar.



Se formos a cada continente, a cada país encontramos barbaridades,

Pois, mas o que interessa nesta discussão são as barbaridades cometidas por alienígenas em território nacional. É isso que se discute.


os europeus também efectuaram crimes em África no passado,

Pois, mas isso acabou. Os Europeus vieram-se embora.
É altura de os africanos que estão na Europa seguirem esse exemplo.


mas isso tem alguma coisa a ver com uns pilha-galinhas em Portugal no sec XXI???

Ao falares em «pilha-galinhas» mostras que não compreendes a natureza do fenómeno da criminalidade negra e africana na Europa: não se trata de meros roubos, mas sim da criação dum clima de terror nos bairros europeus.


“Já foi explicado ao Miguel que haveria maneira de convencer os países africanos a aceitarem de volta a sua prole”

Explica lá isso bem

Foi explicado foi, mas nada disseste - e não te socorras com a Lívia Drusilla porque ela, como bem disse, está a ler em Z... não será o teu caso, pois não?... :)

4 de abril de 2007 às 15:55:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

"Somente dois Estados admitem a extradição de seus nacionais, EUA e Reino Unido."

Pelo que eu leio no site, parece-me que há uma confusão na forma como entende esta questão da extraditação. Uma coisa é extraditação de um cidadão de um país X que praticou actos ilícitos num país Y, e cujas leis do país X permitem que seja extraditado para o país Y para aí ser julgado e cumprir pena; outra coisa bem distinta é o cidadão do país X praticar crimes no país X e ser extraditado para o país Y de onde os seus avós são originários. Isto é absurdo!

No caso dos Portugueses extraditados, eles são cidadãos do país Y, apesar de terem nascido e vivido no país X, praticaram crimes no país X, e foram extraditados para o país Y, que é o seu por direito legal. Neste caso, nem se põe a situação que referiu de os EUA serem dos poucos que extraditam os seus nacionais. Estes extraditados Portugueses são Portugueses. Não são nacionais/cidadãos dos EUA.

A questão que aqui se discute é legal e de direito internacional. Não tem nada a ver com sangues e ancestrais.

Caturo, ainda na passada semana, na RTP Memória, repetiram uma grande reportagem sobre os extraditados e as suas famílias que ficaram nos EUA. Nenhum deles, nem um, era cidadão dos EUA. Para o serem, mesmo nascidos e sempre criados em solo dos EUA, teriam de ter solicitado a cidadania Americana. E se tivessem requerido e obtido a cidadania americana, poderiam ter roubado, assassinado, esmifrado, que não poderiam nunca ser extraditados para Portugal. Seriam cidadãos americanos a praticar actos ilícitos no seu próprio país e aí cumpririam as suas penas.

Cump.
Livia Drusilla

4 de abril de 2007 às 16:26:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

"No essencial, a chave estaria na continuidade, ou não, de apoios económicos a África - e na possibilidade de fazer um embargo total aos países africanos que não aceitassem os filhos dos africanos nascidos em solo europeu."

Acha mesmo que os países africanos, que têm o poder que têm sobre a barbaridade de recursos naturais que têm, estão preocupados com a retirada de apoios económicos de alguns (pois não imaginamos o mundo unido em fraterno embargo contra África, pois não?) países? São eles que nos andam a chantagear há décadas! Fazem o que querem, sobra-lhes tempo e não há quem os faça pagar dívidas externas ou alimentar o seu próprio povo... e ainda tem de contar com os bonzinhos de serviço que andam a pedir em concertos que lhes seja perdoada a dívida! :))) Olhe o que aconteceu aos fazendeiros brancos no Zimbabwé, o que se passa no Sudão, e por aí fora.

Sinceramente, vale mais ir directo ao assunto e assumir que, para arrumar sanguineamente o país/europa, só têm o método já usado e comprovado pelos nazis.

Cump.
Livia Drusilla

4 de abril de 2007 às 16:48:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Acha mesmo que os países africanos, que têm o poder que têm sobre a barbaridade de recursos naturais que têm, estão preocupados com a retirada de apoios económicos de alguns

Sem sombra de dúvida. Pois se mesmo com as obscenas ajudas europeias que recebem, estes países nadam em miséria endémica, o que não lhes aconteceria se nem esse apoio recebessem... Olhe, num destes dias seguiram mais treze milhões de euros para Cabo Verde... acha que isto é supérfluo para os Africanos?



(pois não imaginamos o mundo unido em fraterno embargo contra África, pois não?)

Não é preciso o mundo inteiro - basta a Europa unida, que é, aparentemente, a maior fonte de apoio financeiro a África.



São eles que nos andam a chantagear há décadas!

E acha que isso é inalterável?



Sinceramente, vale mais ir directo ao assunto e assumir que, para arrumar sanguineamente o país/europa, só têm o método já usado e comprovado pelos nazis.

Nada o indica.


Saudações

4 de abril de 2007 às 17:54:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

"...basta a Europa unida"

Infelizmente esse "basta" nunca existiu, não existe e nunca existirá. A ancestralidade não é garante de qualquer acordo entre países europeus, apesar da sua fé identitária. Nem mesmo as questões económico-geo-políticas. Haveria sempre um paisito ou dois a aceitar uns acordos especiais com um ou dois paísitos africanos.

"...acha que isto é supérfluo para os Africanos?"

Para a grande maioria da população é. Para aqueles a quem chega ou que ganha com o negócio é chato, sim. Mas, sabe, Caturo, imaginando o inimaginável de ver a Europa toda unida num embargo, não faltariam por esses outros continentes fora uma catrefa de países interessados em substituir a Europa nos apoios. A China tá-lhe com uma gana... a Rússia anda a ranger dentinho... no sul das américas já há quem namore...

"E acha que isso é inalterável?"

Não. Mas sei que se nunca foi alterado, foi porque nunca interessou aos chantageados alterar a situação. Tá a ver o esquema dos interesses?

No fim de um brilhante embargo a Europa faria uma grandessíssima figura de ursa maior e seria a chacota do milénio.

Cumprimentos
Livia Drusilla

4 de abril de 2007 às 18:24:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

>> Está enganada. Os EUA podem extraditar cidadãos norte-americanos

Vai de mal a pior. Agora fazes de conta que não sabes a diferença entre extraditar para efeitos de julgamento de um crime, e deportação/expulsão de um nacional. Ainda mais, nem consegues dar um caso nos últimos anos em que os americanos tenham tirado a nacionalidade americana e deportado e expulso quem quer que seja, ainda mais sem cidadania.

>> Sinceramente, vale mais ir directo ao assunto e assumir que, para arrumar sanguineamente o país/europa, só têm o método já usado e comprovado pelos nazis.
Nada o indica.


Tudo o indica, já que como se vê foste incapaz de dar uma resposta dentro do enquadramento do mundo em que vivemos.

4 de abril de 2007 às 18:41:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo,

Dizes que não és racista mas aplaudes quem recusa emprego por causa da cor da pele...Por mim acho que deve ser escolhido o melhor, o mais competente, o mais habilitado. Quer queiras quer não isso é crime, a não ser que te juntes aos teus amigos do BE e faças uns cursos de desobediência civil)


“encontrado locais que dão cada vez mais emprego a negros, sobretudo em locais onde há muitos assaltos cometidos por negros... porque será?” é normal que encontres cada vez mais pretos a trabalhar...vivem cá, é bom que trabalhem, e é mais normal veres a trabalhar nas zonas onde moram...

“Fui eu que vi - enfim, mais um daqueles detalhes que ou não vês ou fazes de conta que não vês; ou vês mas não queres que os outros vejam.” claro que viste Caturo, vivem cá


“Há é o preconceito de que o brasileiro é mais simpático...”

pois, não és o único a ter preconceitos, pelos vistos

“E a ti não te desagradam todos os preconceitos, pelos vistos...” como é óbvio todos temos preconceitos, agora este é tão ´válido como os preros serem todos ladrões, as brasileiros prostitutas, os nacionalistas criminosos,, a laranja fazer mal ao deitar, ou as mulheres não poderem lavar o cabelo aquando da menstruação


Em relação à comparação com palops/ leste“bem vistas as coisas interessa relativamente pouco neste caso” é sintomático da tua argumentação que se desvia para olado (mas nem aí te safaste, porque a Sara soube responder-te): “ O que é que ela disse ? Que o sistema deles é mais avançado!!!! (não digas isto ao pé de alguém do PCP senão ouves aquelas tretas da ""sociedade comunista é que era"" ...Ter estado lá há 1, 2, 5 ou 10 anos é relevante???

“se estamos a falar dos imigrantes de leste em Portugal, então é a sua presença neste País que interessa, não o modo como vivem a milhares de quilómetros de distância daqui.” Claro que é relevante o local e o modo das pessoas como as pessoas viviam “Isto sim, é óbvio. “

“E o modo como vivem aqui constitui uma adaptação praticamente perfeita à sociedade portuguesa,” Há óptimos exemplo de ambos todos os lados, e não me parece que alguém se integre pior só por ser preto, castanho cinzento, etc

“ inclusivamente na aprendizagem da língua” Há casos de pessoas de leste que não dominam bem a língua, e certamente quem a fala desde que nasceu. Pessoas a falar mal o português há em qualquer sítio até portugueses - por exemplo os maus avós minhotos, que não tiveram oportunidade de ir à escola, falam muito mal português.

Isso faz dele menos que alguém de leste que saiba falar melhor?

“ Nunca vi um imigrante leste-europeu em Portugal que não se fizesse entender perfeitamente em Português.” Eu já vi



“ modo como vivem lá, mas sim o modo como vivem cá.” Interessa sim.

“...o teu autismo relativamente à sociedade portuguesa só se explica se viveres em condomínios fechados” tu não vives e és bem autista em relação à sociedade portuguesa


“...posso dizer que a tua alienação chega a tal ponto que nem sequer vives num condomínio fechado e sim nalgum hospício “...enfim à falta de argumentos lá vem a má educação ....


“falei no exemplo da África do Sul para dizer que se há pedofilia em Portugal, se calhar há tanto ou mais pedofilia em África“ Eu não quis falar em campeonatos de tão desgraçado indicador. Referi crimes em Portugal, que podem ser cometidos por qualquer pessoa, e que se podem prestar ás mais grossa manipulações

“querias que eu ficasse calado por causa da referência à Casa Pia mas tiveste azar.” Porque é que eu queria que ficasses calado? Achas que te quis atacar com a C Pia?

Mas segundo as tuas palavras
“O que interessa nesta discussão são as barbaridades cometidas por alienígenas em território nacional. É isso que se discute.” Pois, mas neste país há portugueses brancos, pretos, castanhos, cinzentos a cometer crimes,


“Ao falares em «pilha-galinhas» mostras que não compreendes a natureza do fenómeno da criminalidade negra e africana na Europa“ Os nossos casos são uns pilha-galinhas que devem ser tratados de forma exemplar e adequado.

Acontece que muitos são portugueses pretos e brancos (por exemplo no Porto os gangues não são de pretos)

“não se trata de meros roubos, mas sim da criação dum clima de terror nos bairros europeus.”


“Já foi explicado ao Miguel que haveria maneira de convencer os países africanos a aceitarem de volta a sua prole” Foi explicado foi,” então ajuda aqui o pessoal porque não encontro ... É simples, substituis o XXXXXXXXXX pelas palavras ;)

“ mas nada disseste - e não te socorras com a Lívia Drusilla porque ela, como bem disse, está a ler em Z...” mas ela em Z percebeu melhor do que tu com as letras de A a Z


“A questão que aqui se discute é legal e de direito internacional. Não tem nada a ver com sangues e ancestrais.”

“repetiram uma grande reportagem sobre os extraditados e as suas famílias que ficaram nos EUA. Nenhum deles, nem um, era cidadão dos EUA. Para o serem, mesmo nascidos e sempre criados em solo dos EUA, teriam de ter solicitado a cidadania Americana. E se tivessem requerido e obtido a cidadania americana, poderiam ter roubado, assassinado, esmifrado, que não poderiam nunca ser extraditados para Portugal. Seriam cidadãos americanos a praticar actos ilícitos no seu próprio país e aí cumpririam as suas penas.”


el estatístico

4 de abril de 2007 às 19:05:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Infelizmente esse "basta" nunca existiu,

Existiu sim, quando em nome da Cristandade praticamente toda a Europa fez frente comum ao Islão. E olhe que os ódios entre países europeus eram nessa altura muito mais violentos do que o são hoje.



A ancestralidade não é garante de qualquer acordo

Mas constitui um bom potenciador para a mais forte das alianças. E tanto assim é que os é precisamente no seio dos movimentos nacionalistas que a consciência pan-étnica europeia se fortalece mais, ultrapassando os ódios fratricidas que opuseram Portugueses e Castelhanos, Franceses e Ingleses, Alemães e Franceses, etc..


Haveria sempre um paisito ou dois a aceitar uns acordos especiais

Sim, mas um paisito ou dois não teriam o mesmo poder que têm actualmente todos os países europeus juntos - e o embargo continuaria a ser demolidor.



"...acha que isto é supérfluo para os Africanos?"

Para a grande maioria da população é

Enfim, boa parte da pouca comida que ainda comem, e dos medicamentos a que têm acesso, é de origem europeia.



Mas, sabe, Caturo, imaginando o inimaginável de ver a Europa toda unida num embargo, não faltariam por esses outros continentes fora uma catrefa de países interessados em substituir a Europa nos apoios. A China tá-lhe com uma gana...

Pois, mas a China já está em força no sul africano e nem por isso as ajudas europeias deixam de ser centrais. E se os próprios chineses não andam a nadar em prosperidade, porque pensa que teriam vontade de fazer bem aos Africanos?


a Rússia anda a ranger dentinho...

Mas a Rússia faria parte da Europa Unida.



no sul das américas já há quem namore...

Esses quase nem são do primeiro mundo…



"E acha que isso é inalterável?"

Não. Mas sei que se nunca foi alterado,

Também o Nacionalismo não esteve nunca no poder em toda a Europa.
De resto… crê a Lívia Drusilla na inalterabilidade da História? Olhe que se fosse dizer a um aristocrata romano do século I que um dia todo o Império seria dominado pela fé num judeu morto da Palestina, dificilmente acreditariam em si… e todavia…



foi porque nunca interessou aos chantageados alterar a situação

Acha que, com os nacionalistas no poder, os chantageados de agora ainda teriam o poder que hoje possuem?


Cumprimentos

4 de abril de 2007 às 20:47:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Vai de mal a pior. Agora fazes de conta que não sabes a diferença entre extraditar para efeitos de julgamento de um crime,

É secundário. O que interessa é que essa extradição pode acontecer.


Ainda mais, nem consegues dar um caso nos últimos anos em que os americanos tenham tirado a nacionalidade

Nem preciso. Basta que tal seja possível.

E, re-centrando a discussão – nada impediria os nacionalistas de legislarem nesse sentido na União Europeia.



>> Sinceramente, vale mais ir directo ao assunto e assumir que, para arrumar sanguineamente o país/europa, só têm o método já usado e comprovado pelos nazis.
Nada o indica.

Tudo o indica, já que como se vê foste incapaz de dar uma resposta

Nada o indica, uma vez que a resposta que dei não foi realmente derrubada pela única pessoa que o tentou fazer, a Lívia Drusilla.

4 de abril de 2007 às 20:47:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Dizes que não és racista mas aplaudes quem recusa emprego por causa da cor da pele...

Sem dúvida. Dar preferência à sua própria raça não é racismo.


Por mim acho que deve ser escolhido o melhor, o mais competente, o mais habilitado

Por mim, nada serve para pôr um alienígena acima dum nacional em território nacional. Não vendo um irmão para ter a amizade dum estranho inteligente.



Quer queiras quer não isso é crime,

Quer queiras quer não, criminalizar uma tendência salutar é, além de totalitarismo, uma aberração ideológica.



a não ser que te juntes aos teus amigos do BE e faças uns cursos de desobediência civil)

Se necessário for.



“Fui eu que vi - enfim, mais um daqueles detalhes que ou não vês ou fazes de conta que não vês; ou vês mas não queres que os outros vejam.”

claro que viste Caturo, vivem cá

Mas é estranho que de repente haja estabelecimentos a encher-se deles… será que a imigração está assim tão forte?



“E a ti não te desagradam todos os preconceitos, pelos vistos...”

como é óbvio todos temos preconceitos, agora este é tão ´válido como os preros serem todos ladrões,

Pois, mas criticas um deles, não criticas o outro. Enfim, detalhes…



O que é que ela disse ?

Que muitos deles sabem algo sobre Portugal, que até há programas televisivos na sua televisão e que é possível uma identificação fácil com eles.


“se estamos a falar dos imigrantes de leste em Portugal, então é a sua presença neste País que interessa, não o modo como vivem a milhares de quilómetros de distância daqui.”

Claro que é relevante o local e o modo das pessoas como as pessoas viviam

Não, o realmente relevante é o modo como vivem cá. Isto sim, é óbvio, porque é de imigração que se fala.


“E o modo como vivem aqui constitui uma adaptação praticamente perfeita à sociedade portuguesa,”

Há óptimos exemplo de ambos todos os lados,

Mas os do leste são melhores – pelo menos, bem mais visíveis.


“ inclusivamente na aprendizagem da língua”

Há casos de pessoas de leste que não dominam bem a língua,

Mas aprendem-na depressa. Quanto aos Africanos, não só raramente aprendem bem, como ainda por cima introduzem termos alienígenas, isto para além de muitos deles preferirem o crioulo.


Pessoas a falar mal o português há em qualquer sítio até portugueses

Sim, mas aos Portugueses não se pode mandar embora, visto que o País a estes pertence.


Isso faz dele menos que alguém de leste que saiba falar melhor?

Isso pergunto eu a ti, já que pões a «competência» acima da ancestralidade.


“ Nunca vi um imigrante leste-europeu em Portugal que não se fizesse entender perfeitamente em Português.”

Eu já vi

No teu condomínio fechado, decerto… : )



“...o teu autismo relativamente à sociedade portuguesa só se explica se viveres em condomínios fechados”

tu não vives e és bem autista em relação à sociedade portuguesa

Tu é que tens demonstrado que és autista relativamente à sociedade portuguesa, o que só agrava o teu caso, se for verdade que não vives num condomínio fechado.


“...posso dizer que a tua alienação chega a tal ponto que nem sequer vives num condomínio fechado e sim nalgum hospício “

...enfim à falta de argumentos

A falta de argumentos é toda tua.


enfim à falta de argumentos lá vem a má educação ....

Deve ter sido por isso que disseste que o Freud é que podia explicar o meu «racismo»…



Referi crimes em Portugal, que podem ser cometidos por qualquer pessoa,

É natural que em Portugal haja numericamente mais criminosos do que em África. Num país de brancos, se se fala num criminoso sem se mencionar a sua raça, não se pensa(va) numa pessoa doutra raça.



Mas segundo as tuas palavras
“O que interessa nesta discussão são as barbaridades cometidas por alienígenas em território nacional. É isso que se discute.”

Pois, mas neste país há portugueses brancos, pretos, castanhos, cinzentos a cometer crimes,

Só que os portugueses são de cá – os negros e os cinzentos não.


“Ao falares em «pilha-galinhas» mostras que não compreendes a natureza do fenómeno da criminalidade negra e africana na Europa“

Os nossos casos são uns pilha-galinhas

Não. São criminosos alienígenas com mentalidade de domínio territorial.


Acontece que muitos são portugueses pretos e brancos (por exemplo no Porto os gangues não são de pretos)

No Porto não há gangues a aterrorizar bairros inteiros como o fazem as gangues de negros. Aliás, em Lisboa também não havia, antes dos negros.



“ mas nada disseste - e não te socorras com a Lívia Drusilla porque ela, como bem disse, está a ler em Z...”

mas ela em Z percebeu melhor do que tu com as letras de A a Z

Como podes tu dizer isso, se nem um simples X consegues entender? :)

4 de abril de 2007 às 20:48:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

É secundário. O que interessa é que essa extradição pode acontecer.

Como se não bastasses reduzires-te a falar em extradição, que não é expulsão ou deportação, já que a pessoa não perde a sua nacionalidade, e pode voltar ao Pais que o extraditou uma vez completado a pena (se for aplicável) no pais estrangeiro... apanhas com esta:

Para extraditar um cidadão do País X para o País Y, é necessário que o País Y faça um pedido formal. Não é o País X que "expulsa" por sua livre vontade para um País qualquer.

Ou seja, ficas reduzido a nada. Mas não te preocupes, tudo faz sentido no teu mundo alternativo. :)

4 de abril de 2007 às 21:40:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo,

Os tais estabelecimentos cheios de pretos a trabalhar devem ser tb de portugueses q "Não vendem um irmão para ter a amizade dum estranho inteligente."...Já agora diz lá que sítios são, estou curioso. Se efectuarem discriminação por causa da cor da pela que sejam apontados (é uma espécie de SOS Racismo, mas ao contrário)

E, desculpa lá, , mas no Portugal de 2007 descriminar por causa da cor da pele é crime, quer queiras quer não.

"Mas é estranho que de repente haja estabelecimentos a encher-se deles… será que a imigração está assim tão forte?" Se calhar são clones...mas o mais provável é isso ter a ver com o facto de haver pretos a viver em Portugal há décadas, a maioria dos quais ...portugueses

"Pois, mas criticas um deles, não criticas o outro. Enfim, detalhes…" FALSO. Critiquei todos os preconceitos - lê o que escrevi "pretos serem todos ladrões, as brasileiros prostitutas, os nacionalistas criminosos, a laranja fazer mal ao deitar, ou as mulheres não poderem lavar o cabelo aquando da menstruação" Não disse que os brasileiros são mais simpáticos, só referi que há quem o diga.

"Que muitos deles sabem algo sobre Portugal, que até há programas televisivos na sua televisão e que é possível uma identificação fácil com eles." Nos palops qqr pessoa tem em sinal aberto acesso á RTP, em em muitos casos à SIC. As pessoas vêm as novelas, os jogos de futebol, os concursos, etc e não sabem algumas palvaras de português...sabem muitas, e tb vêm programações sobre eleições, etc. Nos palops qqr pessoa q gosta de futebol é adepta de um clube português,e tb têm familiares portugueses (pretos, brancos, castanhos, cinzentos,etc).

"Não, o realmente relevante é o modo como vivem cá. Isto sim, é óbvio, porque é de imigração que se fala." Cá os imigrantes dos PALOPS tb são mais parecidos connosco do que na terra deles, ou só por chegarem cá mudam?

"Mas os do leste são melhores – pelo menos, bem mais visíveis." Tu dizeres isso não é suficiente para se tornar verdade.

"Mas aprendem-na depressa. Quanto aos Africanos, não só raramente aprendem bem, como ainda por cima introduzem termos alienígenas, isto para além de muitos deles preferirem o crioulo." Muitos emigrantes tb falam portugues em casa, e reparei que uns vizinhos russsos aqui do meu "condomínio fechado" tb falam russo uns com os outros...grande descaramento;) Vá lá falam comigo em português, e já me quiseram ensinar a mim e aos meu filhos umas palavras em russo, gdes filhos da mãe. E, na escola secundária, onde anda o meu filho mais velho até fizeram um dia da Rússia, com fotos, culinária, costumes, etc, e ainda festejam o Natal noutro dia os malandros :):) E vê lá tudo que os gajos ficaram todos contentes qdo Sporting perdeu uma final qqr com uns russos.

"Isso pergunto eu a ti, já que pões a «competência» acima da ancestralidade." essa foi muito baixa caturo...não se trata de uma profissão...Mas olha, o meu avô, com a teimosia de querer fazer as coisas "como sempre fiz cá na terra" lá fez uns disparates na gestão dos poucosa animaisque tinha, enfim a competência e a actualização na profissão são fundamentais...

"São criminosos alienígenas com mentalidade de domínio territorial" mas, na tua perspectiva, existe um plano de domínio territorial , ou é algo não estruturado, do tipo espontâneo?


"Deve ter sido por isso que disseste que o Freud é que podia explicar o meu «racismo»…
" a psicologia ajudará a compreender-te, como a entender o meu universalismo...

"No Porto não há gangues a aterrorizar bairros inteiros como o fazem as gangues de negros." - lagarteiro, biquinhas, São João de Deus, Aldoar, Aleixo, Cerco, Pasteleira já ouviste falar?

Define quando começou o "antes dos negros"?

"Como podes tu dizer isso, se nem um simples X consegues entender? :) " é uma saída em forma de piada, mas continuas sem explicar...

"el estatístico"

4 de abril de 2007 às 21:57:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

sobre gangs no Porto consultar http://www.asficpj.org/temas/noticias/2005/26fevdn.pdf

"el estatístico"

4 de abril de 2007 às 22:03:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

correcção Define quando terminou o "antes dos negros"?

5 de abril de 2007 às 01:16:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Ou seja, ficas reduzido a nada

Fico reduzido a nada, só porque os Norte-Americanos não tiram a nacionalidade? :)
Que ridículo, o teu desespero...:) :)

5 de abril de 2007 às 11:22:00 WEST  
Anonymous Sara said...

Ter estado lá há 1, 2, 5 ou 10 anos é relevante???

claro que sim porque a descrição que fizeste do assunto não corresponde à realidade dos dias de hoje.

O que é que ela disse ? Que o sistema deles é mais avançado!!!! (não digas isto ao pé de alguém do PCP senão ouves aquelas tretas da ""sociedade comunista é que era""

preconceituoso.

5 de abril de 2007 às 11:36:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Cara Sara,

visitei Rússia, Polónia e Roménia várias vezes desde 1994, e não me parece q as coisas mudem do dia para a noite...

Tb duvido q toda a gente tenha acesso aos morangos c/ açucar na Roméia (tods têm TV Cabo ou parabólica?!?!?) E conforme disse ao Caturo :

Nos palops qqr pessoa tem em sinal aberto acesso á RTP, em em muitos casos à SIC. As pessoas vêm as novelas, os jogos de futebol, os concursos, etc e não sabem algumas palvaras de português...sabem muitas, e tb vêm programações sobre eleições, etc. Nos palops qqr pessoa q gosta de futebol é adepta de um clube português,e tb têm familiares portugueses (pretos, brancos, castanhos, cinzentos,etc)" Enfim, parece-me mais q umas palavras de Português, ou umas lições de geografia, por muito bom q seja o ensino, não permite aos romenos maior familiaridade connosco do que com os PALOPS

"preconceituoso" - isto quer dizer o quê? revelas falta de sentido de humor, porque é sabido que os comunistas enchem a boca com as maravilhas dos sistemas de ensino do leste, em vigor desde há há algum tempo...Não nego que tenhma um ensino de qualidade, mas isso não chega.

E já agora ...há uma grande percentagem de profs portugueses nos PALOPS, o que talvez seja importante...ahhh e os manuais tb s portugueses...e em português, não em romeno, polaco ou russo

"el estatístico"

5 de abril de 2007 às 11:47:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Bom dia Caturo,

"Existiu sim, quando em nome da Cristandade praticamente toda a Europa fez frente comum ao Islão...."

Pois, por isso, nós os Europeus de Portugal aos Urales, estamos todos muito preocupados com o actual perigo Islâmico e já nos unimos numa frente comum! Agora imagine-se quando nos der para a frente comum contra os imigrantes PALOP! Nem um Turco vai faltar à chamada.

"ultrapassando os ódios fratricidas que opuseram Portugueses e Castelhanos, Franceses e Ingleses, Alemães e Franceses, etc.."

Quer então dizer que os seus camaradas Ingleses, por exemplo, que escrevem horrores contra nós mediterrânicos pretos, já não nos vão enfiar em barquitos a remos para África? Ou que os seus camaradas Galegos já não vão fazer um muro a separar a Galicia branca do Sul Ibérico preto? Já estou a imaginar a mais forte das alianças entre esta malta toda! :)

"poder que têm actualmente todos os países europeus juntos"

Actualmente não vejo nada disso, mas se o Caturo vê a actual situação da Europa como uma união forte que amedronta algum país Africano... nada que eu diga o fará repensar.

"Mas a Rússia faria parte da Europa Unida"..."Esses quase nem são do primeiro mundo"

Tenho de reconhecer que o Caturo é um verdadeiro crente. O mundo que o Caturo imagina é bem singelo, linear e sem surpresas. Faz as delícias de qualquer um que ainda tenha a fé intacta.

"Acha que, com os nacionalistas no poder, os chantageados de agora ainda teriam o poder que hoje possuem?"

Não, claro que não. Com os Nacionalistas no poder em toda a Europa, de Portugal à Turquia, no mundo inteiro os poderes seriam outros.

Sempre a considerá-lo.
Livia Drusilla

5 de abril de 2007 às 12:05:00 WEST  
Blogger CiscoKid said...

>>Quer então dizer que os seus camaradas Ingleses, por exemplo, que escrevem horrores contra nós mediterrânicos pretos, já não nos vão enfiar em barquitos a remos para África? Ou que os seus camaradas Galegos já não vão fazer um muro a separar a Galicia branca do Sul Ibérico preto? Já estou a imaginar a mais forte das alianças entre esta malta toda! :)

A Livia quer matar o Caturo? :)

>> Tenho de reconhecer que o Caturo é um verdadeiro crente. O mundo que o Caturo imagina é bem singelo, linear e sem surpresas. Faz as delícias de qualquer um que ainda tenha a fé intacta.

É bem mais gentil que eu ou o Estatístico, que dissemos brutalmente que o Caturo vive num mundo paralelo.

5 de abril de 2007 às 14:47:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

"A Livia quer matar o Caturo? :)"

Credo, não!

Até porque o Caturo é firme e hirto como uma barra de ferro made in Portugal. E nunca pormenores desta pequenez abalariam as suas mais profundas convicções.

;))

Aproveito para desejar a todos os crentes, não crentes, monoteístas e politeístas uma óptima Páscoa, e uma saudação muito especial ao Caturo, que sempre foi um cavalheiro lusitano no seu trato para comigo.

Sempre a considerá-los.
Livia Drusilla

5 de abril de 2007 às 15:42:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Cara Lívia,

ganha o prémio para melhor definição do Caturo "O mundo que o Caturo imagina é bem singelo, linear e sem surpresas"...esta definição , curiosamente poderá aplicar-se a todos os utópicos, de esquerda, direito centro, intersecções, perpendiculares e afins :)

Boa Páscoa para todos, tb para ti Caturo, desde que não represente uma qqr corrupção do espírito da nossa ancestralidade e estirpe lusa

"el estatístico"

5 de abril de 2007 às 16:31:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Os tais estabelecimentos cheios de pretos a trabalhar devem ser tb de portugueses q "Não vendem um irmão para ter a amizade dum estranho inteligente."

Devem porquê?...


Já agora diz lá que sítios são,

Estações da BP na zona da linha; «Merendeira», no Cais do Sodré. E houve outros, cujo nome não decorei para te vir aqui dizer.


Se efectuarem discriminação por causa da cor da pela

Pois, mas isso é extremamente difícil de provar - e não haverá nenhum organismo estatal do actual regime a querer fazê-lo se os discriminados forem brancos, «suspeito»...


E, desculpa lá, , mas no Portugal de 2007 descriminar por causa da cor da pele é crime,

Bem sei que a lei imposta pelos internacionalistas vai nesse sentido, mas, felizmente, não é fácil prová-lo. E, de facto, as pessoas continuam a ter direito a dar emprego a quem quiserem - ora, do mesmo modo que sujeito x, no seu negócio, pode preferir dar preferência a um irmão ou a um primo seu, pode igualmente dar preferência a um indivíduo da sua raça - o princípio é o mesmo. E isto sim, é evidente, por mais que te desagrade.



"Mas é estranho que de repente haja estabelecimentos a encher-se deles… será que a imigração está assim tão forte?"

Se calhar são clones...

Ou então são skinheads pintados de negros só para dar má fama aos negros...



mas o mais provável é isso ter a ver com o facto de haver pretos a viver em Portugal há décadas,

Pois, sobretudo com o facto de haver negros a mais, e, se calhar, de haver gangues de negros que ficam «menos agressivos» quando têm pela frente outros negros como eles... enfim, se a Polícia já chega ao ponto de preferir pôr negros nas zonas de negros, não acredito que as lojas constantemente assaltadas não façam o mesmo.



a maioria dos quais ...portugueses

Só porque os teus donos lhes resolveram dar um papel a dizer isso.
Mas pode ser que haja um remédio para tal situação. Como diz o Povo, não há mal que sempre dure e a verdade, tarde ou cedo, vem ao de cima.


"Pois, mas criticas um deles, não criticas o outro. Enfim, detalhes…"

FALSO. Critiquei todos os preconceitos

Este em concreto não criticaste - a respeito dos brasileiros, só criticaste os preconceitos negativos.


"Que muitos deles sabem algo sobre Portugal, que até há programas televisivos na sua televisão e que é possível uma identificação fácil com eles."

Nos palops qqr pessoa tem em sinal aberto acesso á RTP,

E, mesmo assim, os que para cá vêm não se integram tão bem como os leste-europeus. Significativo, de facto.



"Não, o realmente relevante é o modo como vivem cá. Isto sim, é óbvio, porque é de imigração que se fala."

Cá os imigrantes dos PALOPS tb são mais parecidos connosco do que na terra deles, ou só por chegarem cá mudam?

Pelos vistos, devem mudar imenso, ou então lá nessas terras há uma escolha qualquer para mandar para cá os que menos têm a ver com os Portugueses... porque, o que é realmente verdade é que a maioria dos imigrantes africanos integram-se menos bem em Portugal do que a maioria dos imigrantes de leste.


"Mas os do leste são melhores – pelo menos, bem mais visíveis."

Tu dizeres isso não é suficiente

«Mais suficiente» do que seres tu a dizê-lo... por algum motivo já há por aí quem diga que os portugueses andam a ser racistas a favor dos imigrantes de leste e em detrimento dos africanos.


"Mas aprendem-na depressa. Quanto aos Africanos, não só raramente aprendem bem, como ainda por cima introduzem termos alienígenas, isto para além de muitos deles preferirem o crioulo."

Muitos emigrantes tb falam portugues em casa,

Sim, mas os emigrantes portugueses são genericamente um exemplo de integração.


e reparei que uns vizinhos russsos aqui do meu "condomínio fechado" tb falam russo uns com os outros...

É natural. Mas, pelo menos, não estão na origem de problemas de inadaptação na escola, motivo pelo qual os BEs não sugeriram que os professores tivessem de aprender Ucraniano, mas sim crioulo... de facto, é realmente um grande descaramento;).

Sporting perdeu

Olha, de repente faz lembrar os negros que em Portugal torcem sempre pelas equipas africanas contra a selecção portuguesa... ele há coincidências...



"Isso pergunto eu a ti, já que pões a «competência» acima da ancestralidade."

essa foi muito baixa

Não, esta foi central - porque é disto que se fala neste blogue.


"São criminosos alienígenas com mentalidade de domínio territorial"

mas, na tua perspectiva, existe um plano de domínio territorial , ou é algo não estruturado, do tipo espontâneo?

É espontâneo e cultural.



"No Porto não há gangues a aterrorizar bairros inteiros como o fazem as gangues de negros."

lagarteiro,

Não distingues entre o roubo e a agressão e provocação gratuitas.


Define quando começou o "antes dos negros"?

No contexto, referia-me à época de há cerca de vinte anos.

5 de abril de 2007 às 17:32:00 WEST  
Blogger Caturo said...


Pois, por isso, nós os Europeus de Portugal aos Urales, estamos todos muito preocupados com o actual perigo Islâmico e já nos unimos numa frente comum!


Ainda não nos unimos, é certo - mas tem de ter em mente que essa comparação não está correcta, visto que de momento não há nenhum ideal suficientemente disseminado para que essa união se possa efectivar ao nível governamental. Há necessidade duma nova onda doutrinal que faça ressurgir essa ligação ancestral - mas, desta feita, por motivos mais naturais, diria eu, do que o Universalismo cristão. E essa onda ideológica pode bem ser o Nacionalismo Racial.



Quer então dizer que os seus camaradas Ingleses, por exemplo, que escrevem horrores contra nós mediterrânicos pretos, já não nos vão enfiar em barquitos a remos para África?

Sim, quer dizer isso mesmo. Infelizmente, há ainda alguns nordicistas, e mais nos EUA do que em Inglaterra ou em qualquer outro país europeu, note-se. Mas, a pouco e pouco, a solidariedade europeia vai-se estabelecendo. Depois, ainda falta a Índia...



Actualmente não vejo nada disso, mas se o Caturo vê a actual situação da Europa como uma união forte que amedronta algum país Africano...

Mas eu disse-lhe que essa união já existia entre os países? Não se apresse.


"Mas a Rússia faria parte da Europa Unida"..."Esses quase nem são do primeiro mundo"

Tenho de reconhecer que o Caturo é um verdadeiro crente. O mundo que o Caturo imagina é bem singelo, linear e sem surpresas.

Pelo contrário - a julgar pela sua reacção, este futuro possível de que falo seria imensamente surpreendente para si. E singelo e linear sim, na sua essencial simplicidade - unido pelo mais vital, simples e antigo dos laços: o sangue. É tão simples como uma fé num crucificado judeu, mas, note-se, é muito menos grosseiro.



Não, claro que não. Com os Nacionalistas no poder em toda a Europa, de Portugal à Turquia,

A Turquia não é Europa...


Saudações e Boa Páscoa para si também

5 de abril de 2007 às 17:51:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo,

“Estações da BP na zona da linha; «Merendeira», no Cais do Sodré. E houve outros, cujo nome não decorei para te vir aqui dizer.”

Vou tentar saber mais sobre estes sítios em concreto, e darei notícias. Se souberes mais pões um post no teu bloque, já que é um tema relevante...

“Pois, mas isso é extremamente difícil de provar - e não haverá nenhum organismo estatal do actual regime a querer fazê-lo se os discriminados forem brancos, «suspeito»...”

não podemos estar sempre à espera do Estado ...mas prometo que denunciarei estes casos, e espero que faças o mesmo, como qualquer cidadão o deve fazer, caso existam.


“Bem sei que a lei imposta pelos internacionalistas vai nesse sentido, mas, felizmente, não é fácil prová-lo. E, de facto, as pessoas continuam a ter direito a dar emprego a quem quiserem - ora, do mesmo modo que sujeito x, no seu negócio, pode preferir dar preferência a um irmão ou a um primo seu, pode igualmente dar preferência a um indivíduo da sua raça - o princípio é o mesmo. E isto sim, é evidente, por mais que te desagrade.”
Isto é o raciocinio da tal ministra Basileia, só que do outro lado da barricada ...aliás, ela como tu "redefiniram" o conceito de racismo de forma muito maniqueísta.
Mas olha, para quem tem um negócio é realmente mais inteligente e melhor para o negócio dar o emprego aos mais competentes, aos mais capazes e não “a quem quiserem” ou a irmãos. Se houver muita gente a pensar assim coitadas das nossas empresas, e com empresas fracas lá se vai a nossa soberania. Aliás a soberania nacional depende cada vez mais muito mais da economia do que da cor da pele, da ancestraliade, etc ...e certamente uma multinacional (mesmo que de origem europeia) não acharia inteligente tal princípio de preferência, seríamos alvo de chacota.
Aliás,no passado; grandes idiotices nacionais foram a distribuição de boys pelo estado e empresas públicas - vê-se o belo resulto de não se escolher os melhores:)

E,de acordo com o teu raciocínio, o princípio das pessoas empregarem quem quiserem pode aplicar-se Tb a empregar pretos, chineses ou não?

Enfim, sem qualquer tom depreciativo, deves perceber muito de história e cultura pré-clássicas e clássicas, mas de economia, finanças, e recrutamento de pessoas nem por isso.

“É natural. Mas, pelo menos, não estão na origem de problemas de inadaptação na escola, motivo pelo qual os BEs não sugeriram que os professores tivessem de aprender Ucraniano, mas sim crioulo... de facto, é realmente um grande descaramento;).” FALSO O BE sugeriu a inclusão do crioulo e do ucraniano vê os seguintes links:
http://beparlamento.esquerda.net/index.php?option=com_content&task=view&id=340&Itemid=2

ver tb o link "nacionalista" http://maquinazero.wordpress.com/tag/extrema-esquerda/

Aliás, nem sei porque te sais com essa, já que te referi q não concordo com a ideia.


“Pois, sobretudo com o facto de haver negros a mais, e, se calhar, de haver gangues de negros que ficam «menos agressivos» quando têm pela frente outros negros como eles... enfim, se a Polícia já chega ao ponto de preferir pôr negros nas zonas de negros, não acredito que as lojas constantemente assaltadas não façam o mesmo ... ” é preciso confirmar a tal tese que as “lojas preferem os negros por chantagem ou medo”...mas, não te esqueças é que nalgumas zonas do país a maioria das pessoas são já pretas.O cerne da questão é se realmente se pode concluir que “haver negros a mais”. Aliás muitos dos desempregados portugueses até são pretos...(vai a qqr centro de emprego perguntar e confirmam-te isso), não suponho tenho a certeza.


“Este em concreto não criticaste - a respeito dos brasileiros, só criticaste os preconceitos negativos. “ Critiquei este e os outros, até porque se é positivo para os brasileiros é negativo para alguém..neste caso para nós, e para todos os outros não-brasileiros. Po acaso até tenho o preconceito de achar que os espanhóis são muito, muito simpáticos:):):) , mas n ganham aos minhotos e aos galegos:):):):):)

A questão PALOPS/Leste é uma questão de aparência ...e costuma-se dizer as aparênicas iludem...Só na cor da pele (que é óbvia) é que os de leste têm maiores semelhanças, em tudo o mais NÃO.

“pelos vistos, devem mudar imenso“ ...não mudam, tenta conhecer melhor estas pessoas, e estes países, de forma fundamentar melhor, sem suposições...

“ ou então lá nessas terras há uma escolha qualquer para mandar para cá os que menos têm a ver com os Portugueses“ conforme dizes, é uma suposição, mas está errada. Além disso não há uma “escolha qualquer“, até porque as pessoas vêm porque querem, não são “enviadas”.

“... porque, o que é realmente verdade é que a maioria dos imigrantes africanos integram-se menos bem em Portugal do que a maioria dos imigrantes de leste.” Haverá mais desintegrados em nºabsoluto, o que é normal porque são muito mais, e estão cá há mais tempo. De qualquer forma existem cada vez mais imigrantes de leste que se queixam e abandonam o país, conforme sabes, e vão para outros países da Europa. E olha, ontem à noite ontem passei na Almirante Reis (sopa dos pobres) e depois no Modelo de Entrecampos (pessoas a comer os restos) e a maioria das pessoas eram tipos de leste, mas acredito que são uma minoria. Aliás os meus vizinos russos do "condomínio", e a srª moldava da pastelaria referem várias vezes que têm compatriotas em situações dessas,infelizmente.


“"No Porto não há gangues a aterrorizar bairros inteiros como o fazem as gangues de negros..." Errado, há , vê estas notícias que te escaparam...provavelmente pela cor

http://jn.sapo.pt/2007/01/19/policia_e_tribunais/gangue_armado_espalha_terror_seis_as.html
jn.sapo.pt/2007/01/30/policia_e_tribunais/gangue_sequestrava_para_roubar.html
jn.sapo.pt/2005/12/23/policia/gangue_restaurantes_desmantelado_pel.html
http://www.jornalregional.com/?p=&distrito=1&concelho=&op=noticia&n=99687a6dea1f3384dc5afa74b60efbda
http://novoforum.autohoje.com/showthread.php?t=11043

https://registo.expresso.clix.pt/default.aspx?pid=5&okurl=http%3A%2F%2Fsemanal%2Eexpresso%2Eclix%2Ept%2Funica%2Fartigo%2Easp%3Fedition%3D1751%26articleid%3DES220031

“Olha, de repente faz lembrar os negros que em Portugal torcem sempre pelas equipas africanas contra a selecção portuguesa... ele há coincidências...” é normal, tenho um amigo cujos avós são espanhóis e que torce sempre contra nós, mas olha estava em cabo Verde no Euro 2004 e torceram pelas equipa nacional, ...e estava em Angola no Euro 2000 e Tb se viu o mesmo ...E certamente os PALOPS têm uma identificação com a nossa selecção e os clubes como não existe noutra parte do mundo. Se me lembro jogámos nos últimos anos contra Cabo Verde a Angola nos , e seriam as pessoas dessas origens a torcer por aqueles países (embora qqr cabo-verdiano ou desecendente torça sempre por Portugal execpto contra cabo-verde..., e qqr angolano o mesmo).

"quem diga que os portugueses andam a ser racistas a favor dos imigrantes de leste e em detrimento dos africanos." Tu és, no conceito actual de racismo és, inclusive legalmente.

“É espontâneo e cultural.” é tão válido dizeres isto como dizer que os alentejanos são Calões e não querem trabalhar, ou que os russos são bebâdos. Mas, de é espontâneo não terá a dimensão de um genocídio, mas sim um problema de pequena criminalidade e não de “domínio territorial”. É preciso apoiar os polícias, dar-lhes condições e não permitir que haja zonas proibidas,nisso estou de acordo contigo, e com muita gente do nosso país. Agora os bairros onde a polícia não entra não são só em Lisboa, infelizmente

"el estatístico"

5 de abril de 2007 às 22:34:00 WEST  
Anonymous Sara said...

caro estatistico



visitei Rússia, Polónia e Roménia várias vezes desde 1994, e não me parece q as coisas mudem do dia para a noite...



um amigo meu que lá vive diz que comparativamente com o que vi em 2004, agora já está bastante diferente.

b duvido q toda a gente tenha acesso aos morangos c/ açucar na Roméia (tods têm TV Cabo ou parabólica?!?!?) E conforme disse ao Caturo :

enganas-te. numa cidadezinha perdida no meio da montanha estava uma mulher em casa a ouvir a CNN :-) toda a getne lá de modo geral tem acesso a váios canais estrangeiros, já para não falar nos romenos, que têm uma programação bem variada.

Nos palops qqr pessoa tem em sinal aberto acesso á RTP, em em muitos casos à SIC.

era também preciso que tivessem televisões.

Enfim, parece-me mais q umas palavras de Português, ou umas lições de geografia, por muito bom q seja o ensino, não permite aos romenos maior familiaridade connosco do que com os PALOPS

pois não e tens razão, acima da língua vem o modo de vida. acho que não preciso de dizer mais nada.

"preconceituoso" - isto quer dizer o quê? revelas falta de sentido de humor, porque é sabido que os comunistas enchem a boca com as maravilhas dos sistemas de ensino do leste, em vigor desde há há algum tempo...Não nego que tenhma um ensino de qualidade, mas isso não chega.

não não tenho falta de sentido de humor. apenas me chateia que como sempre o facciosismo das pessoas impeça de ver e admitir as coisas que os regimes tiveram de bom e de mau, sem dizer logo que os comunistas eram todos uns papões ou que os nazis uns assassinos em série.

bom resto de fim de semana de páscoa.

7 de abril de 2007 às 17:50:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Cara Sara,

“um amigo meu que lá vive diz que comparativamente com o que vi em 2004, agora já está bastante diferente”

Na Roménia estive em 2001 ou 2002, e acredito que existam melhorias,e ainda bem. Agora, a a afinidade com um país, com uma língua não se fazen de um dia para o outro, acho que nisso estaremos de acordo .
Além do mais, a comparação inicial referia-se ao Leste, não só a Roménia (embora de facto este seja mais o país mais próximo de nós nos do Leste que citei)


“enganas-te. numa cidadezinha perdida no meio da montanha estava uma mulher em casa a ouvir a CNN :-) toda a getne lá de modo geral tem acesso a váios canais estrangeiros, já para não falar nos romenos, que têm uma programação bem variada”

Ok Sara, mas isto é suficiente para os tornar familiarizados com a cultura portuguesa? E de certeza que apesar das miúdas e miúdos good looking dos Morangos, não é isso que torna os romenos nuns tipos super-sintonizados com Portugal. Por exemplo em Angola e Cabo Verde (especialmente aqui) as pessoas vêm o telejornal... da RTP, para não falar do prós e contras, da contra-informação, dos jogos de futebol (garanto-te que Luanda é a cidade do mundo com mais benquistas), etc, etc

“era também preciso que tivessem televisões.”

Os palops não são a aldeia dos “Deuses devem estar loucos” :)E garanto-te que em qualquer capital há parabólicas a rodos, e também nas zonas mais isoladas há rádios e televisões - por exemplo vê o livro do Alcides Sakala que fala dos últimos tempos de guerrilha da Unita - mesmo no mato, na clandestinidade havia a preocupação com...a liga portuguesa de futebol :)


“pois não e tens razão, acima da língua vem o modo de vida. acho que não preciso de dizer mais nada”
Aqui também há semelhanças, por exemplo até com o “Portugal Profundo” - Exemplos:
1 - Em Cabo Verde há o hábito das pessoas católicas se benzerem quando passam nas igrejas (a minha avó faz sempre isso, e nas zonas rurais encontras mta gente com este hábito),
2 - O peso da igreja (até em Angola ..), enquanto referência, a sua acção social, o seu peso institucional;
3 - As festas populares (s ,João, S António, S. Pedro , 13 de Maio) - é que nós partilhamos uma história comum, e isso faz toda a diferença!
4 - As discussões e conversas da treta sobre futebol, e o país parar com derbies e selecção nacional (nunca vi vibrar tanto com vitórias da selecção como lá - no euros 2000 e 2004 vi jogos “cá” e” lá”
5 - as pessoas mais antigas saberem rios e afluentes de cor e salteado (como o meu pai e se calhar o teu)

No mais o modo de vida é como cá: em qualquer cidade sais á noite, bebes uns copos, vais ter com amigos, ou achas que se vai à caça de leões??? :)

“não não tenho falta de sentido de humor. apenas me chateia que como sempre o facciosismo das pessoas impeça de ver e admitir as coisas que os regimes tiveram de bom e de mau, sem dizer logo que os comunistas eram todos uns papões ou que os nazis uns assassinos em série. “

concordo contigo em relação aos maniqueísmos, foi só uma piada ...e de facto o ensino lá é melhor, até do que o nosso..infelizmente., mas o que está em causa são as parecenças, não é quem tem o ensino melhor

bom resto de fim de semana de páscoa. Para ti também

"el estatístico"

7 de abril de 2007 às 22:28:00 WEST  
Anonymous Sara said...

Em Cabo Verde há o hábito das pessoas católicas se benzerem quando passam nas igrejas (a minha avó faz sempre isso, e nas zonas rurais encontras mta gente com este hábito),
2 - O peso da igreja (até em Angola ..), enquanto referência, a sua acção social, o seu peso institucional;
3 - As festas populares (s ,João, S António, S. Pedro , 13 de Maio) - é que nós partilhamos uma história comum, e isso faz toda a diferença!
4 - As discussões e conversas da treta sobre futebol, e o país parar com derbies e selecção nacional (nunca vi vibrar tanto com vitórias da selecção como lá - no euros 2000 e 2004 vi jogos “cá” e” lá”
5 - as pessoas mais antigas saberem rios e afluentes de cor e salteado (como o meu pai e se calhar o teu)


isso são tudo coisas superficiais que foram absorvidas por nós termos sido colonizadores, não fazem parte da cultura ancestral do povo africano.

8 de abril de 2007 às 14:19:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Cara Sara,

"issoo são tudo coisas superficiais que foram absorvidas por nós termos sido colonizadores, não fazem parte da cultura ancestral do povo africano. "

Sara, fazem parte da cultura deste povo, deste país em concreto, como faz parte o colonialismo e os séculos que passaram até 2007. E se os europeus não são todos iguais, certamente os africanos também não, logo falar na "cultura ancestral do povo africano" é um conceito demasiado vago.E no exemplo de cabo Verde (ilhas desabitadas e povoadas por africanos de várias origens e europeus criou-se uma cultura própria), 500 anos de história em comum é tudo menos "algo superficial" . São esses 500 anos de história que torna estes países e as pessoas de lá mais familiarizados com Portugal que os países de leste.

É muito simples dizer, ah os Descobrimentos foram um erro, bora lá por tudo com dantes...e vai cada um para seu canto..é que entretanto passaram 500 anos, e será que nós portugueses(mesmo aqueles que tu dizes serem os veradeiros portugueses)seríamos como somos sem os tais 500 anos que passaram? Ninguém sabe dizer como seríamos, mas concordarão todos que seríamos diferentes daquilo que somos hoje

"el estatístico"

8 de abril de 2007 às 15:34:00 WEST  
Blogger Caturo said...

“Pois, mas isso é extremamente difícil de provar - e não haverá nenhum organismo estatal do actual regime a querer fazê-lo se os discriminados forem brancos, «suspeito»...”

não podemos estar sempre à espera do Estado ...mas prometo que denunciarei estes casos, e espero que faças o mesmo,

Já disse que não é fácil prová-lo - e tanto não é que nunca fiz um tópico sobre o caso. Mas, de qualquer modo, fica registada esta impressão.



“Bem sei que a lei imposta pelos internacionalistas vai nesse sentido, mas, felizmente, não é fácil prová-lo. E, de facto, as pessoas continuam a ter direito a dar emprego a quem quiserem - ora, do mesmo modo que sujeito x, no seu negócio, pode preferir dar preferência a um irmão ou a um primo seu, pode igualmente dar preferência a um indivíduo da sua raça - o princípio é o mesmo. E isto sim, é evidente, por mais que te desagrade.”

Isto é o raciocinio da tal ministra Basileia,

Péssima comparação da tua parte, para não variar. De facto, há um abismo de diferença entre o que ela disse e o que eu afirmo: a ministra argumenta que «se compreende» que os negros se queiram vingar, como se os filhos pudessem ser culpados pelos crimes dos pais, e que isso não é racismo.

Ora o que eu digo é simplesmente que cada qual tem o direito de beneficiar os seus na medida do possível e dentro da legalidade. Dizer que isto é o mesmo que desculpar, quase justificar, ódios raciais devido a questões antigas, constitui um imbecil relativismo - e, novamente, voltas a mostrar que és um estereótipo do politicamente correcto típico, a fazer lembrar um certo deputado do PS que, na Assembleia da República, disse, a respeito da polémica das caricaturas, «uns e outros são igualmente fanáticos», como se os caricaturistas dinamarqueses pudessem ser postos no mesmo saco que os muçulmanos que os ameaçavam de morte e que queimavam embaixadas dinamarquesas.
Trata-se aí da «eterna» vontade de culpar a sua própria gente, de modo a fazer com o que «outro» não pareça tão hostil e revoltante como de facto é.



ela como tu "redefiniram" o conceito de racismo

Não, não é «ela como eu». O meu conceito de racismo é o que está no dicionário. O dela, não.
Além disso, eu nunca disse que o racismo branco era mais legítimo do que o racismo negro, ao contrário do que ela faz.



Mas olha, para quem tem um negócio é realmente mais inteligente e melhor para o negócio dar o emprego aos mais competentes,

Isso é com cada qual, não te diz respeito.



Se houver muita gente a pensar assim coitadas das nossas empresas,

Entretanto, creio que serás totalmente contrário ao princípio da discriminação positiva, vigente nos EUA e no Brasil... certo?



Aliás a soberania nacional depende cada vez mais muito mais da economia do que da cor da pele,

O problema é mais simples e mais vital do que tu podes entender - é que, simplesmente, sem a «cor de pele» (para usar a tua grosseira expressão) correcta nem sequer há a salvaguarda da Nação. Não interessa absoluta e rigorosamente nada ter um «País próspero» se a sua Estirpe se encontra diluída num mar de lama multi-racial. Isso seria o mesmo que dizer a famosa piada «a operação foi um sucesso, mas o paciente morreu».

E, como agravante, é de notar que o multi-racialismo não é necessário para absolutamente nada, que as sociedades mais prósperas são tendencialmente homogéneas no que à racialidade diz respeito (Noruega, Islândia, Dinamarca, Suécia, Japão, Austrália, etc.), e que as sociedades multi-raciais são marcadas pelo conflito permanente ou latente.


da ancestraliade, etc ...e certamente uma multinacional (mesmo que de origem europeia) não acharia inteligente tal princípio de preferência, seríamos alvo de chacota.

O que me faria um horrendo abalo ao pífaro. Claro que essa «chacota» é eufemismo saloio para «boicote» e «escândalo internacional».



Aliás,no passado; grandes idiotices nacionais foram a distribuição de boys pelo estado e empresas públicas

Falava-se em empresas privadas, não em públicas. Mas, de qualquer modo, estaria disposto a causar um imenso desastre por meio da política de ter só empregados brancos (horror dos horrores, íamos se calhar ficar como, sei lá, alguma Islândia!!! :)).


E,de acordo com o teu raciocínio, o princípio das pessoas empregarem quem quiserem pode aplicar-se Tb a empregar pretos, chineses ou não?

Seria sim... se a esses fosse permitido estar em Portugal como cidadãos de plenos direitos. Ora tal situação não existiria num Estado Nacionalista.


Enfim, sem qualquer tom depreciativo, deves perceber muito de história e cultura pré-clássicas e clássicas, mas de economia, finanças, e recrutamento de pessoas nem por isso

O ridículo do teu discurso está, entre outras coisas, em falares como se fosses alguma autoridade na matéria, quando, até agora, desde que entraste neste blogue, não mostraste competência argumentativa em tema algum. Limitas-te a dizer que tens competência, e que tens um emprego assim e assado... mas demonstrações, é o viste-las.
Serás porventura algum dos «boys» beneficiados pelo governo socialista?... :)



não te esqueças é que nalgumas zonas do país a maioria das pessoas são já pretas

Pior.


A questão PALOPS/Leste é uma questão de aparência ...e costuma-se dizer as aparênicas iludem...Só na cor da pele (que é óbvia) é que os de leste têm maiores semelhanças, em tudo o mais NÃO

Em tudo o resto SIM: além da raça, o nível cultural, o comportamento, as referências musicais, e, claro, o Português que aprendem.
É que até na língua a sua vantagem é absoluta.



pelos vistos, devem mudar imenso“

..não mudam, tenta conhecer melhor estas pessoas,

Tenta tu conhecer, porque pelos vistos elas parecem estranhas é a ti, não a mim.


e estes países, de forma fundamentar melhor

Fundamentei melhor a minha posição do que tu, que, como se não bastasse não dares uma para a caixa, ainda por cima continuas a querer fugir à conversa com essa imbecilidade de «ah, nos países deles não se fala Português», o que, como já se demonstrou, não te ajuda nada.


ou então lá nessas terras há uma escolha qualquer para mandar para cá os que menos têm a ver com os Portugueses

conforme dizes, é uma suposição, mas está errada

Nesse caso, estás completamente errado quando falas na proximidade entre os Portugueses e os Africanos, porque se os de lá são como os que cá estão, então são inequivocamente mais distantes dos Portugueses do que os de leste. Mas sem apelo nem agravo.


Haverá mais desintegrados em nºabsoluto, o que é normal porque são muito mais, e estão cá há mais tempo

Se estão cá há mais tempo, mais uma vantagem teriam na integração. E, no entanto, é o que se vê. Olha, nem me lembrava dessa...


De qualquer forma existem cada vez mais imigrantes de leste que se queixam e abandonam o país, conforme sabes, e vão para outros países da Europa

Claro: sendo Europeus e mais integrados em geral, têm muito mais facilidade em entrar noutros países europeus do que os Africanos - especialmente nos do leste mais ocidentalizado.
O mau disso é que deixam espaço para mais imigrantes africanos.



E olha, ontem à noite ontem passei na Almirante Reis (sopa dos pobres) e depois no Modelo de Entrecampos (pessoas a comer os restos) e a maioria das pessoas eram tipos de leste,

Curiosamente, não andam em gangues de rua... e, curiosamente, não se vêem negros a pedir pelas ruas, o que não deixa de ser «estranho», num País em que tanto se diz que os negros são pobrezinhos...



“"No Porto não há gangues a aterrorizar bairros inteiros como o fazem as gangues de negros..."

Errado, há , vê estas notícias

Isso não tem a ver com o que estou a dizer. Esses sim, é que são os pilha-galinhas. Mas limitam-se a roubar, não têm atitudes de intimidação e agressão gratuita como têm as gangues de negros, de postura territorial.


“Olha, de repente faz lembrar os negros que em Portugal torcem sempre pelas equipas africanas contra a selecção portuguesa... ele há coincidências...”

é normal, tenho um amigo cujos avós são espanhóis e que torce sempre contra nós, mas olha estava em cabo Verde no Euro 2004 e torceram pelas equipa nacional, ...e estava em Angola no Euro 2000

E eu estava em Portugal quando Portugal jogou com Angola há uns anitos e soube da violência que nesse jogo foi cometida contra os Portugueses, tanto dentro do relvado como fora... porque seria?...


"quem diga que os portugueses andam a ser racistas a favor dos imigrantes de leste e em detrimento dos africanos."

Tu és, no conceito actual de racismo és, inclusive legalmente.

O que é que isto quer dizer?... E em que medida é que responde ao que eu disse?


“É espontâneo e cultural.”

é tão válido dizeres isto como dizer que os alentejanos são Calões e não querem trabalhar,

Não sei, porque não vivi no Alentejo. Eu vivo é em Lisboa e entendo o que vejo, não enfio a cabeça na areia como tu. E sei que, curiosamente, o que esses negros fazem cá é similar ao que os seus «brothers» fazem nos EUA, no Reino Unido, em França, etc., onde quer que sejam suficientemente numerosos para o fazer. O facto de quereres rotular o que digo de mero preconceito não só mostra a tua ineficiência argumentativa, como, mais uma vez, mostra a que estereótipo pertences: e, por um lado, ainda bem que assim é, porque é por causa de tu e os teus donos se portarem assim que vemos cada vez mais jovens do nosso lado.

E sabes porquê?

Porque eles vêem o mesmo que nós, eles sentem-no na pele - e, enquanto vocês, cobarde e estupidamente (por dogmatismo ideológico imbecilizante), dizem que «ah, isso é impressão vossa...», nós damos aos putos as respostas que eles procuram, porque, politicamente, somos os únicos que não viramos a cara ao problema.


Mas, de é espontâneo não terá a dimensão de um genocídio, mas sim um problema de pequena criminalidade e não de “domínio territorial”

De domínio territorial sim, porque eles têm já consciência disso; de domínio territorial sim porque o próprio presidente Jorge Sampaio já chegou ao cúmulo da baixeza de perguntar ao embaixador de Cabo Verde em Portugal se podia ir visitar a Cova da Moura. Isto é duma gravidade sem precedentes e só por isso já justificava um golpe de Estado com julgamento de Jorge Sampaio em tribunal popular.

8 de abril de 2007 às 22:42:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo,

Os argumentos podem não ser o mesmo, mas a tua atitude é, na essência, a mesma da ministra - redefinir o conceito, foi isso que disse, e és tu que dizes "isso não é racismo" (ex descriminar por causa da pele)

"a fazer lembrar um certo deputado do PS que, na Assembleia da República" - péssimo exemplo, o que é que eu tenho a ver com isto?

"Trata-se aí da «eterna» vontade de culpar a sua própria gente, de modo a fazer com o que «outro» não pareça tão hostil e revoltante como de facto é." sim, diz que sim...


"Mas olha, para quem tem um negócio é realmente mais inteligente e melhor para o negócio dar o emprego aos mais competentes,

Isso é com cada qual, não te diz respeito. " o mesmo se aplica ao exemplo da BP ou da merendeira, afinal não te diz respeito.

"Entretanto, creio que serás totalmente contrário ao princípio da discriminação positiva, vigente nos EUA e no Brasil... certo?" Os mais competentes, sempre.


"O problema é mais simples e mais vital do que tu podes entender - é que, simplesmente, sem a «cor de pele» (para usar a tua grosseira expressão) correcta nem sequer há a salvaguarda da Nação. Não interessa absoluta e rigorosamente nada ter um «País próspero» se a sua Estirpe se encontra diluída num mar de lama multi-racial" Se não fores independente economicamente não és em mais nada, nem como indivíduo, nem como país.

"Isso seria o mesmo que dizer a famosa piada «a operação foi um sucesso, mas o paciente morreu»" Isto vem a propósito de quê?

"E, como agravante, é de notar que o multi-racialismo não é necessário para absolutamente nada, que as sociedades mais prósperas são tendencialmente homogéneas no que à racialidade diz respeito (Noruega, Islândia, Dinamarca, Suécia, Japão, Austrália, etc.)" A Austrália também?

"e que as sociedades multi-raciais são marcadas pelo conflito permanente ou latente" - como a História da Europa?

"da ancestraliade, etc ...e certamente uma multinacional (mesmo que de origem europeia) não acharia inteligente tal princípio de preferência, seríamos alvo de chacota.

O que me faria um horrendo abalo ao pífaro" voltamos ao orgulhosamenet sós, mas desta vez sem colónias?

"Falava-se em empresas privadas, não em públicas. Mas, de qualquer modo, estaria disposto a causar um imenso desastre por meio da política de ter só empregados brancos (horror dos horrores, íamos se calhar ficar como, sei lá, alguma Islândia!!! :))." Falou-se no princípio da competência, que se aplica em ambos os casos,


"Seria sim... se a esses fosse permitido estar em Portugal como cidadãos de plenos direitos. Ora tal situação não existiria num Estado Nacionalista." sim, diz que sim..


"O ridículo do teu discurso está, entre outras coisas, em falares como se fosses alguma autoridade na matéria, quando, até agora, desde que entraste neste blogue, não mostraste competência argumentativa em tema algum. Limitas-te a dizer que tens competência, e que tens um emprego assim e assado... mas demonstrações, é o viste-las.
Serás porventura algum dos «boys» beneficiados pelo governo socialista?... :)" A tua competência é dizeres que tens competência, mas isso não basta. Colares cartazes do PNR e um curso de História não serão suficientes para explicares tudo, muito menos quando insistes em coisas do tipo"em Cabo Verde ia ser simples duplicar a população (..) dá-se, mais apoios, etc). As respostas para hoje não as encontras nos anátemas que lanças sobre quem não concorda contigo nem nos livros sobre a raça ariana.


"Em tudo o resto SIM: além da raça, o nível cultural, o comportamento, as referências musicais, e, claro, o Português que aprendem." - sim que diz que sim...até o fado veio do leste

"É que até na língua a sua vantagem é absoluta." sim, diz que sim ..

"Tenta tu conhecer, porque pelos vistos elas parecem estranhas é a ti, não a mim." pois, deve ser no estudo aprofundado que fizeste na BP, ou pelo convívio com o tal preto do PNR...

"Nesse caso, estás completamente errado quando falas na proximidade entre os Portugueses e os Africanos, porque se os de lá são como os que cá estão, então são inequivocamente mais distantes dos Portugueses do que os de leste. Mas sem apelo nem agravo." Sim, 500 anos de História em comum não existiram, foram uma conspiração da esquerda! Maldito Louça!!

"Se estão cá há mais tempo, mais uma vantagem teriam na integração. E, no entanto, é o que se vê. Olha, nem me lembrava dessa..." EM nº absoluto devem ser mais tb. Vai a qrr Universidade, para além da FLUL...



E olha, ontem à noite ontem passei na Almirante Reis (sopa dos pobres) e depois no Modelo de Entrecampos (pessoas a comer os restos) e a maioria das pessoas eram tipos de leste,

"Curiosamente, não andam em gangues de rua... e, curiosamente, não se vêem negros a pedir pelas ruas, o que não deixa de ser «estranho», " Chiça aqueles gajos no jardim dos Anjos devem ser skins disfarçados, e aqueles que param no Adamastor e na Graça tb


"num País em que tanto se diz que os negros são pobrezinhos..." Eles controlam a comunicação social, a bolsa, o aparelho produtivo TODO...MAS NINGUÉM SABE


“"No Porto não há gangues a aterrorizar bairros inteiros como o fazem as gangues de negros..."

Errado, há , vê estas notícias

"Isso não tem a ver com o que estou a dizer. Esses sim, é que são os pilha-galinhas. Mas limitam-se a roubar, não têm atitudes de intimidação e agressão gratuita como têm as gangues de negros, de postura territorial." ERRADO, a lógica é a mesma "o nosso bairro é que é, isto é nosso, etc". Olha, como seria lisboa aqui há uns 60 anos, nos bairros mais marginais


"E eu estava em Portugal quando Portugal jogou com Angola há uns anitos e soube da violência que nesse jogo foi cometida contra os Portugueses, tanto dentro do relvado como fora... porque seria?..."Na semana passada tb houve imensos problemas no Benfica-Porto...porque seria? Já estive numa final em que morreu um adepto no Sporting,porque seria? e heysel Park, e as tragédias que têm acontecido? Têm explicação racial??


"Não sei, porque não vivi no Alentejo" mas vês televisão, certo, já deves ter ouvido falar disso. E já lá deves ter ido, certo?

"Eu vivo é em Lisboa e entendo o que vejo, não enfio a cabeça na areia como tu" acho que vives é na Estirpelândia

" E sei que, curiosamente, o que esses negros fazem cá é similar ao que os seus «brothers» fazem nos EUA, no Reino Unido, em França, etc., onde quer que sejam suficientemente numerosos para o fazer. O facto de quereres rotular o que digo de mero preconceito não só mostra a tua ineficiência " Não rotulei de preconceito, referi que não existe relação directa e exclusividade entre esses problemas e a cor da pele.

"argumentativa, como, mais uma vez, mostra a que estereótipo pertences: e, por um lado, ainda bem que assim é, porque é por causa de tu e os teus donos se portarem assim que vemos cada vez mais jovens do nosso lado." a avaliar pelos gajos do forum nacional ainda bem para ti

"Porque eles vêem o mesmo que nós, eles sentem-no na pele - e, enquanto vocês, cobarde e estupidamente (por dogmatismo ideológico imbecilizante), dizem que «ah, isso é impressão vossa...», nós damos aos putos as respostas que eles procuram, porque, politicamente, somos os únicos que não viramos a cara ao problema" O que vocês procuram é uma explicação que (como alguém aqui disse) é demasiado simples e linear. No mais, acho positivo que coloquem o tema em cima da mesa, e q se discuta o tema da imigração e da violência nos centros urbanos. Tenho filhos de várias idades e sei o que isso é. Não acho é que a solução seja tudo num avião, ou num barco - isso não é exequível sob vários aspectos (direito internacional, economia, conjuntura política, etc, etc) nem é moral para. Ainda por cima essas teses lançam um anátema infundado e generalista contra a maioria dos imigrantes, indo mais além nessa generalização contra milhares de pessoas que estão cá há bem mais de vinte anos. É isto o que pensam a maioria das pessoas.
E em relação ao PNR que não seja silenciado, que exponha as suas ideias (na medida da sua proporcionalidade), embora tenha começado mal: pelo truque tão abrilino da trapaça política que esteve na sua fundação (por ser impotente para as 5 mil assinaturas, e pela escumalha nazi que alberga).
Ainda em relação ao tema imigração e integração acho que o Sarkozy será uma via mais realista, embora tb menos politicamente correcta.

"golpe de Estado com julgamento de Jorge Sampaio em tribunal popular" Isso seria na democracia ou na Estiperlândia?

"el estatístico"

9 de abril de 2007 às 00:06:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Os argumentos podem não ser o mesmo,

Nem os argumentos nem a atitude, como já demonstrei.



redefinir o conceito, foi isso que disse, e és tu que dizes "isso não é racismo" (ex descriminar por causa da pele)

Já expliquei porquê. Aliás, lê aqui:
http://www.priberam.pt/dlpo/definir_resultados.aspx

É certo que se fala aí em «preservar a unidade da raça» (que considero racialismo e não racismo); mas também é certo que o motivo apresentado dessa intenção não é o meu. Além disso, fala em «atitudes hostis», e, na verdade, dar emprego a quem é da família não constitui atitude hostil para com quem não o é.



"a fazer lembrar um certo deputado do PS que, na Assembleia da República"

péssimo exemplo, o que é que eu tenho a ver com isto?

Óptimo exemplo, porque tem tudo a ver contigo - é o mesmo tipo de relativismo criminoso.



"Mas olha, para quem tem um negócio é realmente mais inteligente e melhor para o negócio dar o emprego aos mais competentes,

"Isso é com cada qual, não te diz respeito. "

mesmo se aplica ao exemplo da BP ou da merendeira, afinal não te diz respeito

Nem eu disse que dizia - só te respondi às insinuações sobre a coitadice dos negrinhos discriminadinhos pobrezinhos.
Enfim, reconheces agora que não tens nada com isso. :)



"O problema é mais simples e mais vital do que tu podes entender - é que, simplesmente, sem a «cor de pele» (para usar a tua grosseira expressão) correcta nem sequer há a salvaguarda da Nação. Não interessa absoluta e rigorosamente nada ter um «País próspero» se a sua Estirpe se encontra diluída num mar de lama multi-racial"

Se não fores independente economicamente não és em mais nada, nem como indivíduo, nem como país

Mas pelo menos vivo - e tenho sempre esperança de vir a ser independente. Agora sem identidade... é que não sou realmente nada, por mais «independência económica» que tenha.



"Isso seria o mesmo que dizer a famosa piada «a operação foi um sucesso, mas o paciente morreu»"

Isto vem a propósito de quê?

De ter um «País» próspero... que afinal não interessa nada.



"E, como agravante, é de notar que o multi-racialismo não é necessário para absolutamente nada, que as sociedades mais prósperas são tendencialmente homogéneas no que à racialidade diz respeito (Noruega, Islândia, Dinamarca, Suécia, Japão, Austrália, etc.)"

A Austrália também?

Tendencialmente sim. A imigração de origem não europeia é lá um fenómeno recente. E os negros na Austrália devem contar-se pelos dedos... duma mão...



"e que as sociedades multi-raciais são marcadas pelo conflito permanente ou latente"

como a História da Europa?

Precisamente - porque na Europa houve nações a querer dominar outras, o que deu sempre chatice e ainda dá:
- País Basco;
- Irlanda;
- Sérvia, Croácia, Bósnia-Herzegóvina, Kosovo;
- Polónia vs. Alemanha e vs. Rússia;
- Lituânia e Letónia vs. Rússia;
- Grécia e toda a região balcânica contra a Turcaria;
enfim.


"da ancestraliade, etc ...e certamente uma multinacional (mesmo que de origem europeia) não acharia inteligente tal princípio de preferência, seríamos alvo de chacota."

O que me faria um horrendo abalo ao pífaro.

voltamos ao orgulhosamenet sós, mas desta vez sem colónias?

Sim - sem colónias e numa Europa Unida, dos Urais às Flores.


"Falava-se em empresas privadas, não em públicas. Mas, de qualquer modo, estaria disposto a causar um imenso desastre por meio da política de ter só empregados brancos (horror dos horrores, íamos se calhar ficar como, sei lá, alguma Islândia!!! :))."

Falou-se no princípio da competência, que se aplica em ambos os casos,

As empresas privadas são livres de aceitarem quem quiserem. Não precisam das tuas directrizes anti-racistas.



"O ridículo do teu discurso está, entre outras coisas, em falares como se fosses alguma autoridade na matéria, quando, até agora, desde que entraste neste blogue, não mostraste competência argumentativa em tema algum. Limitas-te a dizer que tens competência, e que tens um emprego assim e assado... mas demonstrações, é o viste-las.
Serás porventura algum dos «boys» beneficiados pelo governo socialista?... :)"

A tua competência é dizeres que tens competência,

Para cúmulo da incompetência, até copias os meus argumentos...



Colares cartazes do PNR e um curso de História não serão suficientes para explicares tudo,

Mas têm sido o o suficiente para te explicar o que «não percebes»...



muito menos quando insistes em coisas do tipo"em Cabo Verde ia ser simples duplicar a população

Quando é que eu disse isso?
O que eu disse é que podia facilmente duplicar a população em África, mas não referi o caso de Cabo Verde.



as respostas para hoje não as encontras em anátemas nem em livros da raça ariana

No que tu dizes e pensas é que não se encontra nada válido de certeza.



"Em tudo o resto SIM: além da raça, o nível cultural, o comportamento, as referências musicais, e, claro, o Português que aprendem."

sim que diz que sim...até o fado veio do leste

Também por lá, mais especificamente na Roménia, têm um tipo de música parecida com o Fado, que curioso... e também por lá sabem o que é a saudade, chamando-lhe «dor».



"Tenta tu conhecer, porque pelos vistos elas parecem estranhas é a ti, não a mim."

pois, deve ser no estudo aprofundado que fizeste na BP, ou pelo convívio com o tal preto do PNR...

Também. Embora o negro do PNR falasse e escrevesse como um branco.



"Isso não tem a ver com o que estou a dizer. Esses sim, é que são os pilha-galinhas. Mas limitam-se a roubar, não têm atitudes de intimidação e agressão gratuita como têm as gangues de negros, de postura territorial."

ERRADO, a lógica é a mesma

NÃO É nada a mesma. É de roubo simplesmente, não de intimidação e agressão gratuita.



"E eu estava em Portugal quando Portugal jogou com Angola há uns anitos e soube da violência que nesse jogo foi cometida contra os Portugueses, tanto dentro do relvado como fora... porque seria?..."

Na semana passada tb houve imensos problemas no Benfica-Porto...porque seria?

Porque se odeiam.

E agora, qual é a tua resposta para os problemas causados pelos angolanos? :)



"Porque eles vêem o mesmo que nós, eles sentem-no na pele - e, enquanto vocês, cobarde e estupidamente (por dogmatismo ideológico imbecilizante), dizem que «ah, isso é impressão vossa...», nós damos aos putos as respostas que eles procuram, porque, politicamente, somos os únicos que não viramos a cara ao problema"

O que vocês procuram é uma explicação que (como alguém aqui disse) é demasiado simples

É simples e lógica - e incontornável. E vocês não têm, nem resposta ao problema, nem resposta ao que nós dizemos.



Ainda por cima essas teses lançam um anátema infundado e generalista contra a maioria dos imigrantes, indo mais além nessa generalização contra milhares de pessoas que estão cá há bem mais de vinte anos. É isto o que pensam a maioria das pessoas.

Como se tu pudesses falar em nome da maioria das pessoas... na realidade, não podes. E os vossos alertas histéricos de «vem aí o racismo!» não pegam, porque, na realidade, o Povo não tem medo do racismo.



pelo truque tão abrilino da trapaça política

Não houve qualquer trapaça, mas sim um processo limpo e claro. Naturalmente que a escumalha não gostou de levar esse tiro, não adorou que o boicote fosse furado, mas ao menos que não tenha mau perder...



que esteve na sua fundação (por ser impotente para as 5 mil assinaturas,

Enfim, não temos militantes profissionais que não precisem de trabalhar. Além disso, há muita gente que tem medo de dar o nome para um Movimento deste género - graças à campanha de medo feita pelos teus donos.



"golpe de Estado com julgamento de Jorge Sampaio em tribunal popular"

Isso seria na democracia ou na Estiperlândia?

Democracia ou Estirpelândia, seria a mesma coisa - e seria isso que aconteceria, se «isto» em que se vive fosse uma Democracia a sério. Ora vai lá ver ao Código Penal, o que é que se faz a quem pactue de algum modo com a perda do território nacional, vai lá ver, vai.

9 de abril de 2007 às 19:32:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

“Nem os argumentos nem a atitude, como já demonstrei.”

Não basta dizeres que demonstraste, que é o que tu dizes sempre com qualquer oponente nas várias páginas que se encontram na net. Esta é uma táctica estalinista - repetes, repetes que achas que se vai tornar verdade. E olha que já te apanhei em vários passos em falso - coisas erradas, desviares a conversa e não responderes


redefinir o conceito, foi isso que disse, e és tu que dizes "isso não é racismo" (ex descriminar por causa da pele)

“Já expliquei porquê. Aliás, lê aqui:
http://www.priberam.pt/dlpo/definir_resultados.aspx

É certo que se fala aí em «preservar a unidade da raça» (que considero racialismo e não racismo); mas também é certo que o motivo apresentado dessa intenção não é o meu. Além disso, fala em «atitudes hostis», e, na verdade, dar emprego a quem é da família não constitui atitude hostil para com quem não o é.”

curioso..apontas o conceito, mas fazes logo uma redefinição a seguir...é que não se trata de um processo racional, mas de uma questão da tua Fé. E a questão de “dar emprego a quem é da família não constitui atitude hostil” é uma pérola de cinismo, ou achas que todos os brancos são da tua família? Se calhar temos também que redefinir o conceito de famíliaJ



"O problema é mais simples e mais vital do que tu podes entender - é que, simplesmente, sem a «cor de pele» (para usar a tua grosseira expressão) correcta nem sequer há a salvaguarda da Nação. Não interessa absoluta e rigorosamente nada ter um «País próspero» se a sua Estirpe se encontra diluída num mar de lama multi-racial"

A tua explicação para isto é muito simples - os Descorimentos foram um erro, vamos lá por tudo como estava e vai cada um para o seu canto, de acordo com a sua cor. É tão simples..mas se calhar é demasiado simples e desfazado da realidade de hoje (não a da Estirpe, que de tanto procurares ainda vai ter à Lucy), e o próprio conceito de lama multi-racial torna impossível qualquer aproximação de ponto de vista..Não vou discutir os conceitos que utilizas de estirpe (que são discutíveis academicamente como sabes) , mas a explicação do presente à luz de uma impureza e posterior limpeza racial que é inverosímil, e que nega o curso da História até hoje. A própria explicação da realidade portuguesa como os´problemas causa dos “negros” nos últimos 20 anos é demasiado linear. A suposta data charneira são os tais 20 anos (quando os negros chegaram) não representa mais do que um caso sério de polícia, de autoridade do Estado, mas estará muito, muito longe de uma ameaça à Estirpe, da quebra da independência nacional, etc. E ficas ofendido quando se fala da psicologia, mas tu próprios dizes que os jovens a quem tu dás respostas (espero que não sejam os tipos do forum nacional) chegam a ti porque vivem medo, insegurança e (digo eu e tu também) a negligência de um estado de direito que não valoriza e desprestigia a autoridade policial. A maioria dos casos que relatas (omitindo aqueles na zona norte, porque são contrárias à tua Fé) são casos de polícia


“Mas pelo menos vivo - e tenho sempre esperança de vir a ser independente. Agora sem identidade... é que não sou realmente nada, por mais «independência económica» que tenha” Não tens identidade? não temos identidade? São os tipos que roubam em Mem Martins, em Oeiras ou noutro sítio qualquer que nos tiram a identidade?



“De ter um «País» próspero... que afinal não interessa nada “ Temos de ter um país que interesse, próspero e onde as pessoas são avaliadas pela Lei - quem cumpre o.k., quem não cumpre é penalizado





“como a História da Europa?

Precisamente - porque na Europa houve nações a querer dominar outras, o que deu sempre chatice e ainda dá:
- País Basco;
- Irlanda;
- Sérvia, Croácia, Bósnia-Herzegóvina, Kosovo;
- Polónia vs. Alemanha e vs. Rússia;
- Lituânia e Letónia vs. Rússia;
- Grécia e toda a região balcânica contra a Turcaria;
Enfim.”

Ah, já sei a União Europeia, para além de permitir a pacificação do continente é para corre com os fora da estirpe! Tamos lixados pq os outros n dizem que somos da Estirpe e lá vamos nós...

“Sim - sem colónias e numa Europa Unida, dos Urais às Flores.” - tu próprio reconheces que na Europa houve nações a querer dominar outras, o que deu sempre chatice e ainda dá:
- País Basco;
- Irlanda;
- Sérvia, Croácia, Bósnia-Herzegóvina, Kosovo;
- Polónia vs. Alemanha e vs. Rússia;
- Lituânia e Letónia vs. Rússia;
- Grécia e toda a região balcânica contra a Turcaria;
enfim.

Qual seria o mecanismo redentor que mudaria isto? Eu já andei a ouvir a geração antes da minha com conversas parecidas, bem apreciadas lá para esquerda..


“As empresas privadas são livres de aceitarem quem quiserem. Não precisam das tuas directrizes anti-racistas.”

Devo ter mais voto na matéria que as tuas explicações “arianas”, de pouca utilidade neste meio Se derem uns cursos de histórias, ou arranjarem uns arquivos talvez se arranje qualquer coisa para ti


“muito menos quando insistes em coisas do tipo"em Cabo Verde ia ser simples duplicar a população

Quando é que eu disse isso?”

Eu referi que no caso do teu plano era essa a consequência : duplicar a população, mas que se “podia facilmente duplicar a população em África“explica lá como se fazia em Cabo Verde?


“Também por lá, mais especificamente na Roménia, têm um tipo de música parecida com o Fado, que curioso... e também por lá sabem o que é a saudade, chamando-lhe «dor». “ LOL deve ser das carradas de marinheiros que vinham da Roménia na altura

E no Brasil há o chorrinhp, e olha que é aceite a origem africana do Fado . Consulta o livro do Rui Viera Nery (musicólogo e filho de um guitarrista) “A primeira vez que a palavra é utilizada para referir um fenómeno musical é a propósito das danças afro-brasileiras com esse nome. E das primeiras vezes que é usada em Portugal serve para designar esse mesmo fenómeno que acabou de chegar e em termos que não deixam margem para dúvidas. Historicamente não existe qualquer dúvida a esse respeito e tudo o resto são puras especulações. Nem sequer se pode dizer que constituam modelos alternativos pois” http://www.publico.clix.pt/sites/Fado2004/01RuiVieiraNery.asp


“Embora o negro do PNR falasse e escrevesse como um branco ” isso quer dizer o quê?


“ERRADO, a lógica é a mesma

NÃO É nada a mesma. É de roubo simplesmente, não de intimidação e agressão gratuita”

Isto é do domínio da tua fé, não vale a pena continuar...fala com alguém do Porto (já que não vais ao Alentejo vai lá dar um salto) ou vai lá passar uma temporada


“E agora, qual é a tua resposta para os problemas causados pelos angolanos? ” A minha explicação é a mesma pela qual há conflitos em jogos de futebol, e que é mais simples do “porque se odeiam” Se fosse do BE dizia que havia uns skins inflitrados...mas se se odeiam os do SLB e do FCP, como ias constituir a estirpe? Porque na tua sociedade não tinha importância nenhuma as desavenças da bol...logo o tal jogo com Angola não explica nada

“É simples e lógica - e incontornável. E vocês não têm, nem resposta ao problema, nem resposta ao que nós dizemos.” Se é o pessoal do tal forum é melhor não conversar...no mais a explicação é linear eu sou vítima de bullying...a culpa é dos pretos, bora correr com eles, fiquei sem emprego a culpa é dos pretos, etc, etc. Mas as tais correlações pretos/desemprego/insegurança não as demonstras...acreditas, porque é de um caso de fé que se trata


“Como se tu pudesses falar em nome da maioria das pessoas... na realidade, não podes. “ Podes tu? Porque estás ligado a um partido?

“E os vossos alertas histéricos de «vem aí o racismo!» não pegam, porque, na realidade, o Povo não tem medo do racismo. “ Não estás a falar com o BE...mas afinal vcs m alguma coisa a ver com racismo?



“Não houve qualquer trapaça, mas sim um processo limpo e claro “ LOL foi uma artimanha jurídica, mas adiante...

“ Naturalmente que a escumalha não gostou de levar esse tiro, não adorou que o boicote fosse furado, mas ao menos que não tenha mau perder...” curiosamente omites a escumulha que referi...



“que esteve na sua fundação (por ser impotente para as 5 mil assinaturas,Enfim, não temos militantes profissionais que não precisem de trabalhar. Além disso, há muita gente que tem medo de dar o nome para um Movimento deste género - graças à campanha de medo feita pelos teus donos. “ - porra, essa da estratégia do Calimero já não cola ...


“Democracia ou Estirpelândia, seria a mesma coisa - e seria isso que aconteceria, se «isto» em que se vive fosse uma Democracia a sério. Ora vai lá ver ao Código Penal, o que é que se faz a quem pactue de algum modo com a perda do território nacional, vai lá ver, vai. “ lol lol lol

A tua interpretação do Código Penal é um bocaditooooooooo exagerada e não me parece que haja lá perda de soberania nacional..mas lá estás tu a redefinir o conceito de Democracia

"el estatístico"

9 de abril de 2007 às 22:25:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Nem os argumentos nem a atitude, como já demonstrei.”

Não basta dizeres que demonstraste, que é o que tu dizes sempre com qualquer oponente nas várias páginas

Digo porque faço, como é o caso, também desta vez. Lá que tu por indigência argumentativa e mau perder não o queiras admitir, isso é outra história. E é por causa de casos como o teu que me vejo obrigado a repetir o que ignoraste propositadamente, e que agora segue a grosso, para ver se entra melhor:
De facto, há um abismo de diferença entre o que ela disse e o que eu afirmo: a ministra argumenta que «se compreende» que os negros se queiram vingar, como se os filhos pudessem ser culpados pelos crimes dos pais, e que isso não é racismo.

Ora o que eu digo é simplesmente que cada qual tem o direito de beneficiar os seus na medida do possível e dentro da legalidade.


Está percebido ou nem por isso?

Eu simplifico, à laia de desenho escrito:
- a preta diz que o negro que odeia o branco não ter culpa e que se o negro tiver uma atitude de racismo para com o branco, até é de compreender;
- eu NÃO DIGO, NÃO DIGO, NÃO DIGO, que se deva aceitar uma atitude de racismo do branco para com o negro.
Eu só digo que o branco tem direito a dar preferência ao branco.

Esta parte foi entendida?
Ou será que as palavras «NÃO DIGO» te estão a causar alguma dificuldade?

Numa prova de atletismo, em que corram atletas de várias raças:
- a negra acha «náturáu» que um negro queira que um atleta branco caia, ou se magoe, ou fique em último só para se sentir mal;
- eu digo simplesmente que um branco tem o direito, e o dever, de estar a favor da vitória do(s) atleta(s) branco(s).

A negra «compreende» (isto é, desculpa) que haja ódio dos negros contra os brancos.
Eu digo que os brancos devem gostar mais dos brancos do que dos negros.

Desta vez, o que é que tu não percebes na diferença entre
ódio aos outros
privilégio dos seus?

Esta parte foi entendida?

Se foi (que grande «se»...), então FICA DEMONSTRADO que a minha atitude é diferente da dela, não fica?



E olha que já te apanhei em vários passos em falso

Não, eu é que te apanhei em falso várias vezes, como tenho demonstrado.


coisas erradas,

Não, coisas erradas tens escrito tu, e, quando tas aponto, calas-te.
Também te apanhei em flagrante delito de saloiice argumentativa, quando gabaste uma sondagem cuja pretensa superioridade sobre uma votação não soubeste sustentar.


desviares a conversa

Não, eu é que te apanhei a desviar a conversa.

e não responderes

Não, tu é que não respondes.

Essa imbecilidade descarada de estares a tentar virar contra mim aquilo que te tenho atirado à cara, de nada te serve.



redefinir o conceito, foi isso que disse, e és tu que dizes "isso não é racismo" (ex descriminar por causa da pele)

“Já expliquei porquê. Aliás, lê aqui:
http://www.priberam.pt/dlpo/definir_resultados.aspx

É certo que se fala aí em «preservar a unidade da raça» (que considero racialismo e não racismo); mas também é certo que o motivo apresentado dessa intenção não é o meu. Além disso, fala em «atitudes hostis», e, na verdade, dar emprego a quem é da família não constitui atitude hostil para com quem não o é.”

curioso..apontas o conceito, mas fazes logo uma redefinição a seguir...

Mas ressalvo a parte em que faço redifinição. E explico também porque é que, no essencial, aquilo que a definição do dicionário diz não se opõe ao que eu digo.
Claro que esperar de ti uma refutação dessa parte é pura perda de tempo, preferes ficar-te pela indigente cassete do «ai, estás a redifinir, estás a redifinir...».



é que não se trata de um processo racional,

Trata-se dum processo racional sim, em toda a linha.


E a questão de “dar emprego a quem é da família não constitui atitude hostil” é uma pérola de cinismo,

Negar esse direito, esse dever até, isso sim, é uma «pérola» de nojo apátrida desavergonhado.


ou achas que todos os brancos são da tua família?

Também já expliquei milhares de vezes que família e raça são apenas dois graus da mesma essência: a ESTIRPE.
Por conseguinte, sim, é verdade que todos os brancos são da minha «família».

O facto de me obrigares a repetir o que já disse, sem que o tenhas refutado antes, só torna estes diálogos fastidiosos.



"O problema é mais simples e mais vital do que tu podes entender - é que, simplesmente, sem a «cor de pele» (para usar a tua grosseira expressão) correcta nem sequer há a salvaguarda da Nação. Não interessa absoluta e rigorosamente nada ter um «País próspero» se a sua Estirpe se encontra diluída num mar de lama multi-racial"

A tua explicação para isto é muito simples - os Descorimentos foram um erro, vamos lá por tudo como estava

Bem, foi exactamente isso que fizemos, em larga medida, a partir de 1974 - nós e todos os outros Europeus já renunciámos ao imperialismo, já demos soberania às antigas colónias.
Porque é que não se pode agora completar a reposição da justiça, reservando a Europa aos Europeus?


e vai cada um para o seu canto, de acordo com a sua cor.

Correcto.


É tão simples...

Sim, é, no essencial. E, caso não tenhas ainda percebido, não é por dizeres que é simples que passa automaticamente a ser falso ou irrealizável. É verdade que a tua laia costuma aplicar o rótulo de «simplista» quando se deparam com soluções limpas e claras vindas do lado oposto da barricada ideológica, mas o mais idiota e infantil na vossa atitude é que a vossa «solução», essa sim, é que é dum simplismo atroz, e, pior, assente numa postura completamente destituída de ética: a base da vossa argumentação é «já está, já está, paciência, perdido por cem perdido por mil...», isto só para mascarar (mediocremente) a vossa intenção de que a misturada se instale, porque o vosso universalismo apátrida tem horror às fronteiras e às Estirpes.



da Estirpe, que de tanto procurares ainda vai ter à Lucy)

Não preciso - basta olhar para os rostos dos portugueses de hoje.



e o próprio conceito de lama multi-racial torna impossível qualquer aproximação de ponto de vista

Claro que aquilo que para vocês é uma virtude louvável é para nós um vício degradante.



mas a explicação do presente à luz de uma impureza

Mais imbecilidade da tua parte. Não disse que o presente se explicava pela «impureza». Disse simplesmente que a salvaguarda da identidade é um valor em si e que nada o compra.



e posterior limpeza racial que é inverosímil, e que nega o curso da História até hoje

A História é o que dela fizermos. Não tem um curso pré-instituído e moralmente obrigatório.



A própria explicação da realidade portuguesa como os´problemas causa dos “negros” nos últimos 20 anos

Isso é mais atrasadice mental da tua parte, visto que nunca se disse aqui que os problemas da realidade portuguesa eram causados pelos negros (mas percebo que, estando tu completamente sem argumentos, tentes pôr na boca do adversário argumentos simplistas para depois os rebateres, em jeito de quem recusa jogar às cartas com outrem e joga às cartas consigo próprio, para poder ganhar). Pelo contrário - são os problemas da sociedade portuguesa, e europeia em geral, que trazem o problema dos negros.



A suposta data charneira são os tais 20 anos (quando os negros chegaram) não representa mais do que um caso sério de polícia, de autoridade do Estado, mas estará muito, muito longe de uma ameaça à Estirpe,

Não está assim tão longe como isso, visto que há já zonas na área de Lisboa que têm mais jovens negros do que brancos. E Lisboa é a região mais populosa do País.



E ficas ofendido quando se fala da psicologia,

Isso querias tu, que eu ficasse ofendido, mas troco-te as voltas, porque esses rótulos da treta comigo não pegam e só revelam uma triste e medíocre vontade de insultar quem não amocha perante as aberrações ideológicas em que tu e quejandos foram domesticados.



mas tu próprios dizes que os jovens a quem tu dás respostas (espero que não sejam os tipos do forum nacional) chegam a ti porque vivem medo, insegurança e (digo eu e tu também) a negligência de um estado de direito que não valoriza e desprestigia a autoridade policial. A maioria dos casos que relatas (omitindo aqueles na zona norte, porque são contrárias à tua Fé)

Não - é porque não têm a ver nem com domínio territorial nem com agressão gratuita. Por isso é que não contam, por mais que os queiras incluir, para baralhares a questão.



"Mas pelo menos vivo - e tenho sempre esperança de vir a ser independente. Agora sem identidade... é que não sou realmente nada, por mais «independência económica» que tenha”

Não tens identidade?

Tenho.


não temos identidade?

Temos - por enquanto. Mas corre risco a cada momento: a cada novo não europeu que se estabelece em solo europeu, a cada mestiço nascido dum casal multirracial, perde-se mais e mais terreno europeu e torna-se mais urgente arregimentar os que querem sobreviver num baluarte étnico.


São os tipos que roubam em Mem Martins, em Oeiras

Já te foi explicado. Vai ler.



“De ter um «País» próspero... que afinal não interessa nada “

Temos de ter um país que interesse, próspero

Em primeiro lugar, temos de ter uma Nação. Sem isso, nada mais interessa.



“como a História da Europa?

Precisamente - porque na Europa houve nações a querer dominar outras, o que deu sempre chatice e ainda dá:
- País Basco;
- Irlanda;
- Sérvia, Croácia, Bósnia-Herzegóvina, Kosovo;
- Polónia vs. Alemanha e vs. Rússia;
- Lituânia e Letónia vs. Rússia;
- Grécia e toda a região balcânica contra a Turcaria;
Enfim.”

Ah, já sei a União Europeia, para além de permitir a pacificação do continente é para corre com os fora da estirpe!

Este segundo objectivo é especialmente promovido pelos identitários, que querem uma Europa Unida, dos Urais aos Açores, das montanhas eslavas às ilhas das aves atlânticas, num bloco racialmente homogéneo e étnicamente diversificado.



“Sim - sem colónias e numa Europa Unida, dos Urais às Flores.”

tu próprio reconheces que na Europa houve nações a querer dominar outras,

Precisamente por isso é que esta nova Europa Unida tem de ser meticulosamente construída, sem que haja países a submeter outros.



“As empresas privadas são livres de aceitarem quem quiserem. Não precisam das tuas directrizes anti-racistas.”

Devo ter mais voto na matéria que as tuas explicações “arianas”

Então coitadas das empresas portuguesas, se andas por aí a vigiar e a chibares-te a respeito das empresas que escolhem demasiados brancos e deixam os negros de fora.



e pouca utilidade neste meio

O que de certeza absoluta que não tem utilidade nenhuma nesse meio é a converseta de andar a querer combater o racismo no processo de admissão dos empregados. Bem podes limpar as mãos à parede com esse «ideal» é que de certeza absoluta que não interessaria nem ao menino Jesus se ele tivesse uma empresa.



"muito menos quando insistes em coisas do tipo"em Cabo Verde ia ser simples duplicar a população

Quando é que eu disse isso?”

Eu referi que no caso do teu plano era essa a consequência : duplicar a população, mas que se “podia facilmente duplicar a população em África“explica lá como se fazia em Cabo Verde?

Eu não disse que se faria o mesmo em Cabo Verde. Até porque não acredito que já haja em Portugal um número assim tão grande de cabo-verdianos...



“Também por lá, mais especificamente na Roménia, têm um tipo de música parecida com o Fado, que curioso... e também por lá sabem o que é a saudade, chamando-lhe «dor». “

LOL deve ser das carradas de marinheiros que vinham da Roménia na altura

Leste isso nalgum livro do Freud ou disseram-te isso lá na empresa em que trabalhas, no intervalo de reuniões?



E no Brasil há o chorrinhp, e olha que é aceite a origem africana do Fado

Não, «não é aceite» - é apenas uma teoria, a par de outras, como por exemplo a música da ópera italiana que no século XIX era cantada em Portugal e que o povo de Lisboa imitava na medida das suas possibilidades.



Consulta o livro do Rui Viera Nery (musicólogo e filho de um guitarrista) “A primeira vez

Então escreve-lhe uma carta, porque olha que ouvi a teoria acima apresentada da boca de musicólogos a falarem num programa da Atena 2.



“ERRADO, a lógica é a mesma

NÃO É nada a mesma. É de roubo simplesmente, não de intimidação e agressão gratuita”

Isto é do domínio da tua fé,

Não é do «domínio da minha fé», é dos factos observáveis que até a polícia reconhece. Bem sei que ofende a tua fé, os teus dogmas sacrossantos, mas olha que afinal ela move-se (a Terra).


não vale a pena continuar...fala com alguém do Porto

Das vezes que falei com alguém do Porto, disseram-me sempre que nunca pensaram que Lisboa estivesse tão cheia de negros a ponto de se tornar ameaçadora (coitados, não sabem da missa a metade - mas hão-de saber, porque a vergonha que se está a fazer aqui em Lisboa, no que à imigração diz respeito, há-de lá chegar acima).



“E agora, qual é a tua resposta para os problemas causados pelos angolanos? ”

A minha explicação é a mesma pela qual há conflitos em jogos de futebol,

Qual é?


e que é mais simples do “porque se odeiam” Se fosse do BE dizia que havia uns skins inflitrados...mas se se odeiam os do SLB e do FCP, como ias constituir a estirpe? Porque na tua sociedade não tinha importância nenhuma as desavenças da bol...

Claro que não. A bola seria simplesmente o que sempre foi: um entretenimento, incapaz de dividir os Portugueses.


logo o tal jogo com Angola não explica nada

Péssima e mui cretina fuga da tua parte, que, para teu azar, não te ajuda. Desta vez até vai a grosso:
os hooligans do FCP e do SLB odeiam-se porque são de clubes diferentes e poderosos. E os angolanos que fizeram o que fizeram contra os Portugueses, o que é que os moveu?

Aguardo resposta.



“É simples e lógica - e incontornável. E vocês não têm, nem resposta ao problema, nem resposta ao que nós dizemos.”

Se é o pessoal do tal forum é melhor não conversar

É que vocês não conversam em lado nenhum.


no mais a explicação é linear eu sou vítima de bullying...a culpa é dos pretos, bora correr com eles,

Bem, se são os pretos que mais agridem e provocam... qual será a solução?... Talvez oferecer um contrato de trabalho aos Húngaros? Aumentar os impostos aos dentistas gregos? Ah, já sei: fazer um ar de cientista-social, embora saloio, e dizer que «ai, a culpa é, ao fim ao cabo, dum conjunto de circunstâncias agravantes, enfim, é a sociedade...». Pois...
E o mais engraçado é a vossa cara de mentecaptos surpresos quando depois se admiram que o Nacionalismo cresça.



Mas as tais correlações pretos/desemprego/insegurança não as demonstras...

Demonstro, demonstro: basta dizer que a esmagadora maioria das gangues da zona de Lisboa são de raça negra; e que só as gangues de negros é que causam o terror nas escolas, nos transportes, nas ruas, a ponto de haver pessoas que vivem com medo de sair à rua em certas zonas.


acreditas, porque é de um caso de fé que se trata

Não, tu é que não queres acreditar, porque quando se te dizem as verdades em cheio na cara, tu benzes-te e rezas o teu pai nosso para afastar as blasfémias dos teus ouvidos. Mas lá responderes, está quieto ó mau. Limitas-te, estereotipadamente, mas completamente de modo estereotipado (às vezes duvido que existas mesmo) a dizer «ai, isso é linear, eu por mim não vejo nada disso...».



“Como se tu pudesses falar em nome da maioria das pessoas... na realidade, não podes. “

Podes tu?

Posso falar por mim e pelas pessoas que oiço.



“Não houve qualquer trapaça, mas sim um processo limpo e claro “

OL foi uma artimanha jurídica,

Foi um bom truque, que vos irritou :), mas não foi uma trapaça. Ninguém foi enganado.


“ Naturalmente que a escumalha não gostou de levar esse tiro, não adorou que o boicote fosse furado, mas ao menos que não tenha mau perder...”

curiosamente omites a escumulha que referi...

Qual?



“que esteve na sua fundação (por ser impotente para as 5 mil assinaturas,Enfim, não temos militantes profissionais que não precisem de trabalhar. Além disso, há muita gente que tem medo de dar o nome para um Movimento deste género - graças à campanha de medo feita pelos teus donos. “

porra, essa da estratégia do Calimero já não cola

Vai deixando de ser necessária, porque vai havendo, a pouco e pouco, cada vez mais gente a dar a cara pelo Nacionalismo... mas há sete anos não era assim.



"Democracia ou Estirpelândia, seria a mesma coisa - e seria isso que aconteceria, se «isto» em que se vive fosse uma Democracia a sério. Ora vai lá ver ao Código Penal, o que é que se faz a quem pactue de algum modo com a perda do território nacional, vai lá ver, vai. “

lol lol lol

Não, não é isso que lá diz. Vai ler outra vez...



A tua interpretação do Código Penal é um bocaditooooooooo exagerada

Nem por isso.

e não me parece que haja lá perda de soberania nacional

A atitude do presidente foi, objectivamente, um reconhecimento da perda da soberania nacional sobre uma parte do seu território.

10 de abril de 2007 às 18:41:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caro Caturo,

Estive ausente do país e quando regresso o PNR está em alta. Só que os factor provaram realmente que vocês são um lobo a tentar vestir pele de cordeiro...pelo menos a linha oficial e maioritária do PNR.

A acção realizada pelas autoridades prova, para além da discutibilidade da posse ou não de propaganda "nazi", que bem perto do teu movimento existem criminosos de delito comum, com ligações ao tráfico de armas, à cobrança de dívidas de traficantes, enfim companhiass nada recomedáveiss

Num post recente houve bastantes comentários sobre o tema, mas o que acho incrível é que não te demarques de certa escumalha que referi em comentário anterior...Julgo que serás uma pessoa de bem, mas não condenar este tipo de gente não te fica nada bem....


https://www2.blogger.com/comment.g?blogID=5935274&postID=755616626125366584

O vosso excelente trabalho com o cartaz, que vos deu visibilidade, foi todo água abaixo, e revela aquilo que muita gente diz: que se discutam as ideias, e que se castiguem os cidadãos não cumpridores . Da mesma forma que aplaudo acções no bairros "problemáticos" (devia haver ainda mais) esta acção merece o aplauso de qualquer pessoa de bem, nacionalista ou não.

Em relação aos comentários anteriores:

- O que tu e a ministra fazem é de facto "redefinir" racismo. Ela de uma forma menos elaborada.
- Em relação ao jogo Portugal-Angola: aqui há uns anos houve um Sporting-Leixões interrompido por causa de uma decisão do árbitro contestada e que levuo à invasão de campo (em Alvalade, onde os adeptos são pessoas supostamente das classes A e B, e perante uma equipa que não é nitidamente rival do Sporting), ou seja, onde há multidões, e no futebol podem acontecer este tipo de situações. Não me posso pronunciar sobre o jogo com Angola em concreto porque não estava cá na altura, mas segundo consta o jogo corria bem até certo momento em que ocorreu uma polémica (bem diferente por exemplo dos derbies em que há problemas ainda antes do jogo). E como tem havido mais jogos com Angola, parece que esse foi a excepção.

Em relação á origem africana do fado não é só uma teoria - o livro que falei cita vários documentos do sec XIX com essas referências....Mas deixa lá que o fado também não é uma canção nacional em Portugal….

É que vocês não conversam em lado nenhum.” - pelos vistos o fórum não é um local muito recomendável, e lá há mais ameaças do que conversa!

E em relação ao caso "Sampaio" - há uma ronda regular a pé e de carro, nesse e noutros bairros (por exemplo Santa Filomena). Um pouco estranho...não temos lá soberania, mas vai lá a polícia todos os dias. Aliás até existe um plano para reconverter/acabar com esse local onde não há soberania...

De qualquer forma, sem o radicalismo das tuas medidas, acho que o sr esteve mal neste caso (como noutros, também)

"el estatístico"

20 de abril de 2007 às 13:35:00 WEST  

Enviar um comentário

<< Home