terça-feira, maio 21, 2019

PNR NOVAMENTE SOLIDÁRIO COM A POLÍCIA DA AMADORA

Quem anda na rua sabe o que é a convivência diária com certos «jovens» de certos bairros ditos «problemáticos» - tem portanto uma ideia do grau de violência a que a polícia está sujeita. A impunidade dos «jovens» que sem pudor se atrevem a atacar as forças da autoridade NACIONAIS é algo que REVOLTA os portugueses dignos deste nome - e estas decisões da «justiça» mais não fazem do que PREMIAR essa arrogância «juvenil» e servir para intimidar os agentes da autoridade, ÚNICA defesa do cidadão das classes populares diante da agressividade dos «jovens» das gangues.
O PNR está por isso solidário com os polícias condenados e acredita que se torna cada vez mais importante salvaguardar os seus direitos e a sua capacidade de intervenção contra a violência criminosa dos chamados «jovens» de certas minorias, porque em Portugal mandam só os Portugueses.
«A defesa dos oito polícias da Esquadra de Alfragide, concelho de Amadora, condenados, dia 20, no caso das agressões a seis jovens da Cova da Moura, em 2015, vai recorrer do acórdão para o Tribunal da Relação de Lisboa.
A acusação do Ministério Público relata dois episódios em que os agentes da PSP terão agredido os seis ofendidos: o primeiro ocorreu a 05 de Fevereiro de 2015, quando uma equipa da PSP foi à Cova da Moura fazer patrulhamento e deteve Bruno Lopes, um dos ofendidos, alegando que o jovem tinha atirado pedras à carrinha da polícia e partido um vidro. »

Fonte: https://www.jn.pt/
*
Fonte: https://www.facebook.com/PNR.Oeiras/photos/a.335080073349272/1068880659969206/?type=3&theater

6 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Os polícias estão para servir a população, incluindo os bairros ditos "problemáticos". O que se quer é uma polícia que seja efectiva, e isso só se faz criando laços de confiança entre a população e a polícia. Ou seja, a justiça ao retirar essas maçãs podres, está a dar um passo para isso. Quem defende polícias racistas só dificulta a acção da polícia, até porque a esmagadora maioria são profissionais.



21 de maio de 2019 às 18:17:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Nunca vi polícias a agir injustamente ou sequer com excesso de força contra gente das minorias étnicas - aliás, vi foi o contrário. Vi foi «jovens» africanos a agredir impunemente outras pessoas sem que a justiça fosse feita. Em diversos casos, a única investigação da acção policial que se justificava era a verificação cuidada e rigorosa de «quantas» caíram no chão, porque só mesmo essas se perderam.

22 de maio de 2019 às 01:55:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

"Os polícias estão para servir a população, incluindo os bairros ditos "problemáticos". O que se quer é uma polícia que seja efectiva, e isso só se faz criando laços de confiança entre a população e a polícia. Ou seja, a justiça ao retirar essas maçãs podres, está a dar um passo para isso. Quem defende polícias racistas só dificulta a acção da polícia, até porque a esmagadora maioria são profissionais."

Isto até pode faezr um certo sentido, se houver, efectivamente, polícias com motivação racial e oprimidos nesses bairros. O problema é que isto parte de uma premissa falsa e desnecessária: não tem que haver laços de confiança nem inclusões nenhumas; essa gente não é de cá, não pertence à Europa, não se integra, não gosta de Portugal nem de caucasianos. Não é chamar meio mundo para aqui, que vive como quer, impor necessidades de anti-discriminação e acusar de racismo e xenofobia quem se oponha a essa mudança social e demográfica nunca autorizada pelos autóctones.

22 de maio de 2019 às 23:45:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

E a história do "integram-se, não se integram" também não tem ponta por onde se lhe pegue. Não é essa a questão. Não se pode estar de acordo com a inclusão de gente de todos os lados do mundo (que vem só porque sim), seja em que número for, a ponto de descaracterizar os países hospedeiros, só porque se integram, porque são trabalhadores, contribuintes e se portam bem.

22 de maio de 2019 às 23:49:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Entretanto, nunca se vê gente indiana ou chinesa a queixar-se de violência e do «racismo» policial, nem em Portugal nem em mais país nenhum do Ocidente, que curioso...

23 de maio de 2019 às 01:15:00 WEST  
Blogger Titan said...

A Polícia existe é para servir o povo português, e portanto devia era acabar, através da deportação, com os ditos bairros.

27 de maio de 2019 às 17:13:00 WEST  

Publicar um comentário

<< Home