quarta-feira, julho 11, 2018

POLÍTICO TURCO NA HOLANDA DIZ QUE OS HOLANDESES QUE NÃO GOSTAREM DO MULTICULTURALISMO TÊM DE IR EMBORA...

Na Holanda, o líder do partido muçulmano DENK, Tunahan Kuzu, oriundo da Turquia, causou polémica ao afirmar o seguinte numa entrevista: «Se eles (holandeses que não gostam do multiculturalismo) não gostarem de uma Holanda em mudança na qual vivem pessoas de culturas diferentes... como na cidade de Zaandam ou a vizinhança de Poelenburg, devem pirar-se daqui para fora.»
O DENK, formado por turcos do PVDA (partido trabalhista) em 2015, alcançou nas eleições nacionais de Março de 2017 três lugares no parlamento através de quase duzentos mil votos. Um ano depois foi o partido mais votado nas eleições municipais de Amsterdam Nieuw-West (Amesterdão Ocidental), varrendo assim alguns tradicionais partidos de Esquerda.
Durante o último encontro em que participou no seu anterior partido PVDA, um dos fundadores do DENK foi ouvido a dizer «Que Alá te castigue!».
*
Fonte: https://www.jihadwatch.org/2018/07/netherlands-muslim-politician-says-if-dutch-people-dont-like-a-changing-netherlands-they-should-get-lost

* * *

Mais um episódio do já conhecido estilo descarada e despudoradamente arrogante de turcos muslos em território europeu, desta feita numa nuance de justiça poética aplicada ao esquerdalhame que andou a alimentar a vinda desta gente para a Europa; mais uma confirmação da ameaça cada vez mais abertamente declarada aos Europeus que tenham o atrevimento de quererem a sua própria terra só para si sem terem de aguentar que lhes metam malta estranha pela casa adentro. 

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

«Se eles (holandeses que não gostam do multiculturalismo) não gostarem de uma Holanda em mudança na qual vivem pessoas de culturas diferentes... como na cidade de Zaandam ou a vizinhança de Poelenburg, devem pirar-se daqui para fora.»

Uma Holanda em mudança porquê? Por que e que a Holanda e a Europa têm que mudar? Se têm, por que não todos os países do mundo (em nome do mesmo multiculturalismo que, supostamente, só traz maravilhas)?

Não, os holandeses têm todo o direito de não quererem o multiculturalismo, especialmente quando lhes é imposto, de gostarem ou não de quem quiserem no seu país e de não serem mandados embora da sua própria terra por um forasteiro extra-europeu, ainda por cima, so porque manifestam justificada oposição à mudança pela qual querem que a Holanda passe.

Isto é ocupação descarada. Crescer em número na terra dos outros e dizer-lhes que se não gostam, saiam, é um acto provocatório só possível porque se chegou ao ponto ridículo de, por via da mentalidade "anti-racista" masoquista, os brancos já nem poderem dizer que os seus países são deles, sob pena de lhes colocarem em cima o rótulo do costume.

Qualquer esquerdista anti-branco acharia patético que um membro duma comunidade não-branca dissesse, com a mesma desfaçatez, o que este turco disse em país também não-branco (já para não dizer "comunidade branca em país não-branco" porque, nesse caso, viria com o argumento com a colonização de há meio milénio).

13 de julho de 2018 às 17:11:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

"(...) varrendo assim alguns tradicionais partidos de Esquerda."

Desta vez, a Esquerda também foi afectada pelos actos de traição que anda a cometer e tocaram onde mais lhe dói: os votos. Pode ser que isto sirva (é difícil) para que comece a abrir a pestana, para que comece a compreender o que os nacionalistas dizem (não o dizem porque são uns malvados que querem meter todos os que são diferentes em campos de concentração mas porque têm preocupações realmente legítimas): que é muito má ideia modificar a demografia dum país, sobretudo com pessoas que nada têm a ver com o mesmo ou com a Europa.

Não é só uma questão de votos. É a própria existência de povos, culturas e países que está em causa.

13 de julho de 2018 às 20:41:00 WEST  

Publicar um comentário

<< Home