sábado, maio 21, 2016

«VÊM AÍ OS NAZIS DA ÁUSTRIA QUE PODEM DAR CABO DA EUROPA TODA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!»

Agradecimentos a quem aqui trouxe esta notícia: http://www.jn.pt/mundo/interior/ascensao-neonazi-na-austria-ameaca-europa-5185717.html#ixzz49FA3dwkA   (Artigo originariamente redigido sob o acordo ortográfico de 1990 mas corrigido aqui à luz da ortografia portuguesa.)
*
Setenta e um anos e 17 dias depois da libertação do complexo de extermínio nazi de Mauthausen-Gusen, na Áustria (5 de maio de 1945), um estado europeu poderá ter um Presidente da República de extrema-direita neonazi, se se confirmarem, domingo, as sondagens que oferecem a vitória a Norbert Hofer, assumido anti-imigração e anti-europeu.
Ex-engenheiro aeronáutico, 45 anos, Hofer é a cartada do Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ), que ganhou a primeira volta das presidenciais, em 24 de Abril, arrebatando 36,4% dos sufrágios e expulsando da corrida os candidatos das duas forças que partilharam o poder desde o fim da II Guerra Mundial - o Partido Social Democrata e o Partido Popular (cristão conservador).
A excepção nessa partilha, recorde-se, foi a surpreendente aliança entre os conservadores e o FPÖ, em 1999, ainda com o polémico líder de então, Joerg Haider (falecido em 2008 num acidente), que defendia a política da Alemanha nazi, que anexara a Áustria em 13 de Março de 1938. Foi o seu discurso xenófobo e anti-europeu no governo que levou a União Europeia a decretar, em 2000, sanções contra o país.
O problema da imigração
A opção dos eleitores, explica a imprensa internacional, deve-se às críticas aos partidos tradicionais e a crise dos refugiados que atingiu também a Áustria, com mais de 100 mil pedidos de asilo. Apesar de o país ter adoptado medidas excessivamente restritivas da imigração, o ascenso xenófobo entre os austríacos é evidente e o respaldo ao FPÖ pode ser possível nas eleições legislativas de 2018.
Sem o carisma do líder, Heinz-Christian Strache, Norbert Hofer era mais conhecido por defender os interesses dos deficientes (ele próprio locomove-se com dificuldade e usa cadeira de rodas), mas as posições anti-imigração, anti-islâmica e anti-Europa são tais que ameaça demitir o governo (social-democrata) se, sendo eleito, não concordar com as ideias do executivo.
Professor universitário, cientista económico e militante ecologista (saiu do Partido Verde para concorrer como independente), o segundo candidato é Alexander Van der Bellen, 72 anos, defensor claro da multiculturalidade que a Áustria representa.
Num recente debate televisivo, Van der Bellen explicou o tema de forma cristalina, exemplificando com a composição da equipa nacional de futebol para o Euro2016: "Metade dos jogadores são filhos de imigrantes. Se tivéssemos seguido a sua política nos últimos 30 anos, não teríamos agora uma selecção tão forte".
O vídeo de abertura do sítio oficial de Van der Bellen mostra-o ensimesmado, nalguns momentos atormentado, como se carregasse o Mundo aos ombros e o fardo da responsabilidade do desfecho das eleições de domingo.
Sinal "absolutamente terrível"
Se Hofer e o FPÖ, que "tem uma clara ressonância neonazi", ganharem, "será um péssimo sinal do que aí vem", incluindo o "Brexit", as eleições presidenciais em França (2017) e o futuro da própria construção europeia, adverte Viriato Soromenho Marques, regente de Filosofia Social e Política e de História das Ideias na Europa Contemporânea na Universidade de Lisboa.
Não é que os britânicos que vão votar contra a permanência da Grã-Bretanha na União Europeia, no referendo de 23 de junho, "sejam de Extrema-Direita". Mas, com a eventual vitória do partido neonazi na Áustria, o risco de Marine Le Pen (da Frente Nacional, aliada do FPÖ) alcançar a presidência francesa e o provável efeito de contágio na Europa, com a ascensão de formações idênticas, temem que se agudizem as tensões na EU "por causa da união bancária, da má gestão da crise da imigração, ou da capitulação da Europa perante Erdogan (presidente turco)".
Uma eventual vitória neonazi constituiria um "sinal de alerta absolutamente terrível e, ou vai ser interpretado no sentido de acordar os espíritos adormecidos, ou vai ter um efeito de contágio nos partidos de Extrema-Direita eurocéptica", considera Soromenho Marques.
Se a Áustria "não produzirá um efeito sistémico", embora tenha "um papel indicativo para o eleitorado", a subida de Marine de Le Pen ao poder em França - este, sim, um país sistémico - com a saída da moeda única e outras medidas gerará "um verdadeiro tsumani, com o recuo de muitos investidores e a desagregação da união".

* * *

Como seria de esperar, a notícia tem um título cretina e facciosamente alarmista, muito típico da hoste me(r)diática dominante, a querer rotular como nazi, leia-se, diabólico, todo e qualquer político que se oponha a ver o seu país soterrado numa onda alógena que ameaça tornar tudo mais castanho.  Chamar «neonazi» a Hofer é como chamar estalinista ao grego Tsipras, mas isso ninguém na imprensa dominante fez; e, já agora, deve lembrar-se a parte que a espécie de jornalista que escreveu o texto acima não quis dizer: a comissão de «sábios» enviada pela UE à Áustria no tempo do governo de Haider não descobriu qualquer espécie de irregularidade ou maldade «nazi» no governo «neonazi» austríaco - nada de nada. O FPO é um partido de bons burgueses democratas, nada tem a ver com o Nacional-Socialismo. O que custa a jornalistas destes e seus tutores e donos é que o raio do povinho, por mais que se lhe diga que votar na anti-imigração é feio porque é nazi, continua mesmo a votar cada vez mais na anti-imigração, cagando-se cada vez mais de alto para os rótulos que põem às suas preferências.

7 Comments:

Anonymous Arauto said...

Uma notícia com o seu interesse, Caturo:

http://www.jn.pt/mundo/interior/imigrantes-portugueses-fogem-da-venezuela-5187082.html

22 de maio de 2016 às 17:38:00 WEST  
Blogger CENSURADO AGAIN said...

Onde estão os defensores do direitos humanos que todos temos visto por essas televisões? espero que sejam recebidos em Portugal da maneira como os refugiados estão a ser, ou melhor ainda pois são Portugueses ou descententes de Portugueses

23 de maio de 2016 às 02:04:00 WEST  
Blogger CENSURADO AGAIN said...

Estou de acordo consigo! É a diplomacia e mais. O estado venezuelano tinha muito dinheiro metido no BES em ações que já ameaçou descontar às empresas portuguesas que estão a construir obras públicas aqui. Como é o caso da Lena e da Teixeira Duarte.
Agora, essa conduta de Portugal, tem custos que podem terminar pagando as gerações futuras; vivemos num mundo global e há poderes que actuam de baixo perfil.

23 de maio de 2016 às 02:07:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Parece que ainda não, o candidato ecologista ganhou. É que a democracia e o povinho tem dessas coisas...

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/05/ecologista-derrota-ultradireitista-no-2-turno-presidencial-na-austria.html

23 de maio de 2016 às 18:35:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Pois, ainda não. Ainda. Mas que esta é a melhor votação nacionalista da Áustria desde sempre, isso é. Ou seja - quanto mais tempo passa, mais o povo vota nos Nacionalistas. A Democracia tem destas coisas, é uma corrida de fundo, não dá para gente débil de carácter.

23 de maio de 2016 às 19:23:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

ehehehehhhehehehehhhhehehheeehhheheh

e mais uma vez e outra e mais outra e outra, e uma outra ainda mais, a democracia prova que é a aliada natural do nacionalismo

oh pha, ja tinhas concerteza um texto preparadinho para fazer um rasgado elogio à democracia isto fodeu-te os planos,

hhehehehehehehehehehe

23 de maio de 2016 às 20:52:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Agora a tua imbecilidade já te leva a já ter perdido a discussão mesmo antes de comentares. :P

23 de maio de 2016 às 20:58:00 WEST  

Enviar um comentário

<< Home