quinta-feira, março 02, 2006

A PORTUGALIZA NA SEMANA INTERNACIONAL DAS CULTURAS NA IRLANDA




Assistentes vam receber brochura informativa de Introduçom à Galiza

X. M. Paredes*.- De 20 a 24 de Fevereiro, a Galiza e Portugal vam estar presentes na «III Semana Internacional das Culturas» a se celebrar na cidade irlandesa de Cork. Por terceiro ano consecutivo a Galiza estará representada na Semana Internacional das Culturas, evento organizado pela University College Cork (Irlanda). Na sua primeira ediçom, em 2004, a Galiza foi a única naçom ibérica a participar, mas no ano passado uniram-se também representaçons dos Países Cataláns e de Portugal.
[+...]

Galiza e Portugal partilham espaço na feira

Neste ano pretende-se reforçar o conceito da continuidade linguística e cultural da «PortuGaliza» e dar a conhecer os contributos feitos nesta direcçom pola Associaçom Galega da Língua durante os últimos 25 anos.

Mais uma vez os postos galego e português estám de maos dadas, oferecendo ao visitante informaçons sobre cada um dos países e sobre a sua peculiar e íntima relaçom.

Na organizaçom do evento aguardam um grande sucesso de público e uma alta participaçom de países, entre os quais confirmam-se Kuwait, Canadá, Malásia, China, Índia, Polónia, EEUU, Grécia, Botswana, Espanha, Japom, Eslováquia, França, Alemanha, entre outros.

Todos os postos contam com uma exibiçom permanente de cartazes explicativos, fotografias e objectos diversos. O local de celebraçom é o salom de actos da Universidade de Cork (Devere Hall, Áras na MacLeinn), que ficará aberto de 9 da manhã a 5 da tarde. Além disso há uma série de actividades especiais programadas para cada dia. Este é o programa completo:

Segunda, 20 de Fevereiro

=> 12h Abertura oficial da feira das culturas. Recepçom e inauguraçom dos postos

=> 13h30 Exibiçom de artes marciais de diversos países asiáticos

Terça, 21 de Fevereiro

=> 13h a 14h Concerto de música tradicional irlandesa (Café Oasis, Áras na MacLeinn)

=> 14h30 Concurso internacional de culinária (Devere Hall, Áras na MacLeinn)

Quarta, 22 de Fevereiro

=> 13h a 14h Concerto de música tradicional irlandesa (Café Oasis)

=> 14h a 17h "Mundial de Futebol de Salom" (Mardyke Arena, UCC)

=> 20h Sessom de músicas e danças do mundo (Devere Hall)

Quinta, 23 de Fevereiro

=> 11h Visita de centros escolares de educaçom primária (Devere Hall)

=> 13h a 14h Concerto de música tradicional irlandesa (Café Oasis)

=> 19h Sessom de músicas e danças do mundo e clausura oficial da feira (Devere Hall)

Sexta, 24 de Fevereiro

=> 11h "Café gaélico" (sessom informal de convívio entre participantes e gaélico-falantes nativos)

=> 17h Feche do festival (recolhida dos postos)

O posto galego-português nom se poderia tornar realidade sem a colaboraçom desinteressada de membros do Centro de Estudos Galegos e Leitorado de Português da Universidade de Cork, membros da AGAL (na Irlanda), e estudantes galegos e portugueses da dita universidade.

48 Comments:

Anonymous Realista said...

lol sim a Galiza tem tudo a ver com Portugal, tem tudo a ver com o Algarve e com o centro de Portugal lol
convemçam-se que a unica coisa que liga a Galiza a Portugal é a lingua e mesmo isso é duvidoso ja que a lingua deles é um pouco diferente. As ligações da Galiza restringe-se apenas ao Norte de Portugal, não criem ilusões.

2 de março de 2006 às 23:02:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

A Galiza não tem nada a ver com Portugal, mas as carradas de imigrantes pretos e brasileiros que por cá andam, esses sim, têm tudo a ver com a nossa cultura!

3 de março de 2006 às 00:28:00 WET  
Blogger Caturo said...

Deixa-te de tretas, pretenso realista. Não há nenhuma diferença racial e étnica entre Portugal e a Galiza para além da pronúncia diferente, a qual, diga-se, também existe nos Açores, na Madeira, nas Beiras, no Algarve, etc..

3 de março de 2006 às 13:46:00 WET  
Blogger Suevo said...

Caturo falta-te aí uma palavra:

Não há nenhuma diferença racial e étnica entre (o NORTE de) Portugal e a Galiza.

Desde à 10000 anos houve sempre
uma divisão clara entre as culturas que existiram a norte e as que
se estabeleceram a sul do Rio Douro (Ribeiro, 1966)

As maiores diferenças étnicas na península Ibérica são entre o norte e o sul, e não entre Espanha/Portugal, se defendes uniões só te resta uma opção, o Iberismo, em termos étnicos a Portugaliza não tem qualquer sentido.
Os defensores da Portugaliza baseiam-se na lingua, porque se analisarem a genetica e a cultura apenas o poderiam fazer em relação à Galiza e o norte de Portugal, e nunca da Corunha ao Algarve.

Se etnicamente entedes que a Galiza deveria estar unida ao Algarve, então terias que defender a união de toda a peninsula Iberia, que faria mais sentido que a Portugaliza (em termos etnicos repito).

http://legiaoinvicta.blogspot.com/

Tens aí um grafico realizado por Antonio Amorim onde verás facilmente a proximidade genetica entre o norte de Portugal e a Galiza, que é superior à proximidade genetica entre o norte de Portugal e o resto do país.

3 de março de 2006 às 14:58:00 WET  
Blogger Caturo said...

Não me falta palavra alguma, Suevo, porque de facto toda a população do território ocidental da Ibéria é de raça branca e etnicidade indo-europeia, latina, galaico-portuguesa. Constato que continuas sem apresentar um único argumento, um único elemento, um único factor sólido para demonstrar que o sul é etnicamente do norte - limitas-te, em todos os casos, a dizer que «há uma grande diferença, então não há, claro que há» e, ao mesmo tempo, esforças-te por menorizar a importância da língua, porque sabes que a língua é um pesadíssimo argumento contra o divisionismo de que falas.

E agora falas da imagem que colocaste no teu blogue, não te dando conta de que essa imagem demonstra precisamente a semelhança, não apenas entre o norte português e a Galiza, como querias, mas também entre o norte português e o centro português.

Lá se vai a tal fronteira racial e étnica do rio Douro...

Além disso, faço notar que a genética diz respeito ao aspecto racial; mas mesmo aí, não é substancial porque a raça é toda a mesma (caucasóide) e à diferença dos haplogrupos não corresponde qualquer diferença linguística e cultural.

Já agora, voltando ao mapa, é de notar que não há sequer qualquer diferença radical entre a Galiza e o sul de Portugal - as componentes genéticas são precisamente as mesmas, mas precisamente as mesmas, sem faltar nenhuma, embora em quantidades ligeiramente diferentes diferentes (mas não demasiado).

3 de março de 2006 às 16:22:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Que raio parece que a Galiza é o local mais puro da Europa.
Já não á pachorra para estes gajos, como o suevo e companhia Lda.
Caturo não ligues a este gajo.
Deixa-o pensar que faz parte de uma raça superior a qualquer outro ariano que não seja galego.
Ó suevo do porto vai chatear para
a merda desse teu blogzeco.
Onde nem os atrasados mentais como tu podem opinar.
O porto é mesmo um esterco...

Landser 88

3 de março de 2006 às 17:37:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

lol de facto nao vale a pena suevo, se o Caturo nem com este grafico reconhece as diferenças nao ha nada a fazer.
lol a diferença para o Sul é gritante e nem por isso este suposto nacionalista quer fazer alguma coisa para preservar o seu povo do Centro! Enfim não sei que raio de nacionalista este é, deve ser daqueles nacionalistas que so se preocupam com a lingua e em ser brancos, sim porque se formos a ver até os semitas da arabia e norte africanos são brancos, assim como os seus irmãos algarvios hehe.
Enfim entre um esquerdista e um nacionalista miscegenizador como este, venha o diabo e escolha
Saudações Raciais

3 de março de 2006 às 18:04:00 WET  
Blogger Caturo said...

Enfim não sei que raio de nacionalista este é, deve ser daqueles nacionalistas que so se preocupam com a lingua e em ser brancos, sim porque se formos a ver até os semitas da arabia e norte africanos são brancos,

Pois, mas não falam Português ou qualquer outra língua indo-europeia... dessa parte, «esqueceste-te»...;)

Naturalmente que não podes compreender isto, porque, ou és um esquerdista armado em parvo a querer criar cisões, ou então cais na saloice de não distinguir uma região de uma nação.

3 de março de 2006 às 18:47:00 WET  
Blogger Suevo said...

Caturo vamos então falar da língua.
O galego, ou galaico duriense era falado apenas a norte do Douro, ou quando muito até Coimbra… sendo que em Coimbra em rigor já se falavam dialectos moçarabes, sendo nesse sentido Coimbra já uma cidade muito mais do sul orientalizado, ou se preferires do Portugal mediterrânico e não do Portugal Atlântico.
As diferenças entre o actual galego e o portugues estão na arabização que o português sofreu com as conquistas dos territórios a sul do Douro. O moçarabe era como bem deves saber uma língua de cristãos totalmente penetrada de arabismos. Sendo que a região a norte do Douro do novo reino era muito inferior em dimensão e população à região de lingua moçarabe, isto não impediu a nobreza do norte de tentar ao máximo impor a sua língua, mas não nos podemos esquecer que nem sequer 1% dos que falavam galaico-duriense o sabiam escrever. O Galego que era falado a norte do Douro tem uma remotíssima antiguidade, sendo mais antigo que o Castelhano. O resultado desta expansão para sul de Coimbra já sabemos qual foi, o romance galego-portugues transformou-se na língua mais arabizada da Europa, o actual português.

No Brasil também há brancos a falar português, então pela tua lógica esses territórios da América Do Sul deveriam também integrar a Portu(américa)galiza?
Em toda a América Latina fala-se uma língua derivada do Latim.
Eu sinto-me mais próximo de qualquer branco que fale Alemão (ou qualquer outra língua) do que qualquer mestiço que fale portugues, como sabes o número de mestiços e de negros que falam português deve ser superior a 100 milhões. Por todas essas razões não gosto de nacionalismos baseados na língua. A língua não tem nada a ver com a identidade racial, como o prova o caso do Brasil, todas as raças falam a mesma língua nesse território, sejam elas originárias do Japão ou da Itália, todas elas falam português.

Língua e povo são coisas TOTALMENTE diferentes.

Sabino Arana , fundador do PNV tinha uma posição interessante sobre a língua, aqui a tens:

“Para o corazón da Pátria, cada basco que non sabe euzkera é unha espiña; duas espiñas cada basco que o sabe e non é patriota; tres espiñas cada español que fala o euzkera.”

Claro que infelizmente o nacionalismo Basco actual distanciou-se destas posições e está transformado numa espécie de “nacionalismo linguístico” o que é sinónimo de lixo na minha opinião.

Eu respeito a tua opinião Caturo, mas para mim conta a raça e não a língua, prefiro mil vezes pertencer a uma Europa branca Unida, do que a uma CPLP terceiro mundista mas que fala a minha língua. Para mim a língua não é um “pesadíssimo argumento”, bem pelo contrario! Quanto ao resto, não te quero convencer a nada, nem a ti nem a ninguém!

Tu tens a tua opinião, eu tenho a minha.

3 de março de 2006 às 19:59:00 WET  
Blogger Suevo said...

Como já falamos na genética, deixo o mapa da toponímica árabe na península Ibérica.

http://libro.uca.edu/stanislawski/fig14.jpg

A mim não me dá prazer nenhum mostrar estes factos Caturo, mas tu insistes em negar certas e determinadas evidencias. A influencia moura foi real e as suas marcas ainda se sentem hoje, quer na genetica quer na lingua, e a sua influencia não foi igual em todo o territorio da "Portugaliza"

Mas numa coisa tens razão, de facto esses mouros eram caucasoides, isso não está em questão, vieram alguns negros com os mouros, mas foram em numero bastante reduzido.

3 de março de 2006 às 20:27:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

"Eu sinto-me mais próximo de qualquer branco que fale Alemão (ou qualquer outra língua) do que qualquer mestiço que fale portugues"

E eu reforço, sinto-me mais proximo do que qualquer branco que fale Alemão, do que qualquer Algarvio que fale Português. Não quero genes negros, nem uma alta % de sangue semita no meu povo.

3 de março de 2006 às 21:27:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Enganei-me, queria dizer

...sinto-me mais proximo de qualquer branco que fale Alemão, do que qualquer Algarvio que fale Português.

3 de março de 2006 às 21:29:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Suevo depois de ver aquele grafico do teu blog sou obrigado a dar-te razão, realmente o Algarve não tem nada a ver com o resto do país :s
Agora fiquei preocupado com o estado da nossa raça!! Não estamos somente ameaçados pelos africanos e imigrantes, tamos ameaçados também por Algarvios.
Acho que era urgentissimo uma sessão de esclarecimento a todos os nacionalistas. Não podemos continuar a defender o Algarve, é suicidio. O PNR tem de tomar uma posição firme em relação a isto.
Viva Portugal \o 88

5 de março de 2006 às 03:08:00 WET  
Blogger Suevo said...

“O PNR tem de tomar uma posição firme em relação a isto.”

O PNR tem uma posição firme acerca disso, como qualquer partido nacionalista português o PNR defende o Portugal com as actuais fronteiras, incluindo as ilhas e ao que parece deseja incluir Olivença.

Há anónimos engraçados, não sei a que propósito tentas meter o PNR ao barulho, até porque as posições do PNR são bastante claras. Ainda por cima, e já que falas em “sessão de esclarecimento” não te esqueças que vives num país em que é proibido defender a raça e onde também são proibidos partidos de carácter regional, sejam eles do norte ou do Al-Gharb.

E diga-se que o povo do Al-Gharb tem tanto direito à sua identidade etno-cultural como o do norte, no entanto vivemos no único país do mundo que é governado como se fosse a cidade estado (de Lisboa) desde 1385 (sofrendo apenas um interregno entre 1580-1640). Depois assistimos a entrevistas hilariantes como a do Cavaco hoje a um jornal Espanhol onde se gaba do centralismo portugues, como se fosse positivo ter uma única “região” acima da media Europeia (obviamente quem está acima da média é a cidade estado e área envolvente) estando todas as outras “regiões” que nem sequer são reconhecidas como tal muito abaixo da media. Claro que em Espanha as regiões mais ricas até são a Catalunha e o Pais Basco, mas claro que para o Cavaco o nosso modelo é muito melhor que o Espanhol…

E atenção que não culpo o povo de Lisboa por isso, muito menos o povo Algarvio em pelo contrário, os principais culpados são habitantes do norte de Portugal, que até num referendo votaram pela manutenção do actual sistema da cidade estado (exceptuando a cidade do Porto propriamente dita).

Mas isto já são questões economicas que implicam até fundos comunitarios, e que nada têm a ver com o topíco.

5 de março de 2006 às 15:33:00 WET  
Anonymous Pedro Caçorino Dias said...

Caro Caturo

Quanto mais leio estas cenas exageradamente valorativas da Raça, mais vejo o perigo fracturante para a Nação que elas acarrectam ! Leio os teus esgotantes debates / combates de afirmação da correlação Raça / Nação , que chegam ao cumulo de querer excluir o Algarve em funçaõ de quem lá habitava à 800 anos , e pergunto-me :

Mas que raio tem isto a ver com PORTUGAL ?

Nada ! Nada ! Nada !

Tres vezes Nada ! E tres vezes porque Portugal não se pronuncia uma vez mas sim tres !

Nem vale a pena cansar com isso ! E teoria pura, como cada vez mais constato, e ainda por cima teoria perigosamente fracturante !

Quem prefere o Sangue Alemão ao sangue Algarvio ! E alemão ... ! e digo alemão com letra pequena porque "alemão" empalidece de apoucamento defronte dessa ENORME parte do Eterno PORTUGAL que é o ALGARVE !

PORTUGAL ... O único Portugal que existe ... nem é só Lingua, mas tambem é lingua, não é só Raça e muito menos os cansativos e inuteis debates de identificação genética de Raça, mas também é Raça ! Portugal é tambem História e vontade de existir !

Por muito que os teóricos discordem ... e não entendam que o ser portugues é tambem algo que tem de se merecer, a realidade é que quem não se bate por existir , é por que nao dá valor a essa existencia, e por isso não a merece ! Por isso tantas vezes afirmo ! Tem de se merecer ser Portugues ! Os que nao merecem .. por nao se quererem bater , ou por quererem partir isto ao meio, ou por quererem diluir isto nos Estados Unidos da Europa que olham para nós como se nós fossemos pretos, mesmo que sejam muita brancos, esses não merecem e não devem ser ! Esses sim devem ser Cidadãos de segunda !

PORTUGAL , é uma Raça, é uma Lingua, e é uma História também ! Uma grande e Orgulhosa História ! Historia com erros ? Sim Alguns ! Mas infinitamente mais coisas acertadas !

Quem renega uma só parte do que é Portugal,e renegar tambem é desconsiderar os 500 anos Epicos..... , não é um Puro Portugues ! E so parte Portugues ! Merece menos ...

BRAÇO AO ALTO

ALGARVE É PORTUGAL
GALIZA SERÁ SE O QUISER MAS NÃO BASTA ...TEM DE O MERECER TAMBÉM !

5 de março de 2006 às 21:42:00 WET  
Blogger Suevo said...

O Pedro Caçorino vê o perigo e sinceramente vê bem!

O racialismo tal como eu o entendo, pouco (ou nada) tem a ver com Portugal, tendo efectivamente muito mais a ver com os tais “Estados Unidos da Europa”.

Quanto aos teóricos, não passam isso mesmo, de teóricos, não acredito que exista algum “teórico” racialista disposto a dar a cara e a assumir a rotura, porque esses teóricos saberiam muito bem o que os esperava…
É que escrever uns bitaites anónimos a dizer mal de pretos é fácil, mas assumir uma ruptura radical cortando com a historia deste país desde a sua fundação… não é fácil e não me parece que exista alguém disposto a isso.
Em relação ao Al-Garbh eu não pretendo de maneira alguma expulsar os Algarvios, é um povo que tem direito ao seu território e identidade e nada me move contra ele, mas o Caçorino não se esqueça que até 1910, portanto até à relativamente pouco tempo, o Al-Garbh era considerado um reino à parte, os reis eram de Portugal E dos Algarves.

Destaco algumas palavras de Cruz Rodrigues disponibilizadas no site “Causa Nacional”

“É que assentava fundamentalmente na profunda tradição política portuguesa, universalista e anti-racista. Em Portugal, só poderá ser-se nacional-racialista deixando de ser Português. O que, em contraponto, significa que, sendo-se Português, não se pode ser nacional-racialista, ou nacionalista de base étnica, como também gostam de camuflar-se. Direi até que, no plano lógico, pelo menos, um nacional-racialista português acabará sempre por ser anti-Português e que, mais tarde ou mais cedo, por força da mesma lógica, acabará de facto anti-Português.
(…)
Duma coisa, porém, estamos os novos nacionalistas certos. Se ela, a Nação Portuguesa, fosse o que os racialistas-etnicistas-racistas querem ver nela, já há muito a Nação Portuguesa teria deixado de existir; mais provável ainda é que nunca tivesse chegado a existir. Porque não teria sequer chegado a sair dos primitivos limites estreitos do Condado Portucalense e da sua mítica Guimarães.
(…)
Ele (referindo-se ao racialismo), sim, seria o pior risco, se o levássemos a sério, a ameaçar a identidade e continuidade da Nação Portuguesa.
(…)
São os que nem sequer compreendem que o nacionalismo português o foi sem nunca deixar de continuar radicado em Portugal e nos Portugueses, mas cada vez mais longe dos limites etnicistas da mítica “Guimarães”.”

E aqui reconheço que Cruz Rodrigues tem alguma razão e conhece melhor a historia de Portugal do que muitos dos que o criticam…

Até achei piada ao Corcunda falar da esfera em contraponto a Briteiros... pois é... e ainda por cima "Briteiros" é pagã...

5 de março de 2006 às 22:45:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

lol mais um doido q caga po sangue ou talvez seja um algarvio e ta a defender os seus interesses. Se calhar se fosse Algarvio tambem via com bons olhos continuar ligado a Portugal e ficava contente que mais portugueses viessem para o Algarve para diminuir as enormes % de sangue mouro, negro e sei la que mais que eles têm (http://photos1.blogger.com/blogger/4422/758/1600/masculinas.jpg)

Depois esse senhor Pedro Caçorino diz no fim "Braço ao Alto" hehehe é de rir
Depois de ler o seu comentario voce encontra-se muito distante das ideologias do "braço ao alto". Queira saber que os senhores que faziam o "braço ao alto" até defendiam uma Europa das Nações e sendo assim Portugal seria dividido em umas 3 ou 4 partes, assim como outros paises, tudo para preservação do sangue de cada zona. Um nortenho e um Centralista não têm nada que aturar e degenerar o seu sangue com Algarvios no seu território. O sangue é para se preservar.

A julgar pelo seu discurso você é mais um dos nacionalistas de meia tigela que defende tudo o que é Portugal, mesmo as coisas más. Só pensa na bandeira, no território e esta-se nas tintas se o sangue ficara mais mouro ou menos europeu. Pessoas como o senhor são prejudiciais pa Portugal, po sangue Português

Quanto ao Suevo, sim o PNR devia ter uma posição firme contra o Algarve, pois o PNR deve defender o interesse dos Portugueses ou seja do sangue Portugues. Defender o Algarve é o mesmo que defender a entrada de mais arabes, negros ou ciganos no nosso território.
Já agora para o Pedro Caçorino, eu não me interessa que os Algarvios estejam aqui ha 800 anos, até podiam tar ha 200000, que é-me indiferente, assim como os ciganos, podem tar aqui ha milhares de anos. Não quero misturas com ambos, não são do meu sangue. Os ciganos devem ser corridos, os Algarvios que vivem fora do Algarve devem ser expulsos, o Algarve deve ficar independente e devemos proibir a entrada de Algarvios no nosso território.
Pelo Sangue Português \o
Sieg Heil 88

5 de março de 2006 às 22:58:00 WET  
Anonymous Venio said...

"ALGARVE É PORTUGAL"
Bem, depois do excelente texto do Cruz Rodrigues que o Suevo disponibilizou, acho que fica tudo dito em relação a esta questão. Algarve é Portugal para os nacionalistas que pouco ou nada pensam na raça, Algarve não é Portugal para os nacionalistas racialistas que acima de tudo põe o sangue em primeiro lugar.
O ultimo anonymous também comentou bem, estar cá ha 800 ou 2000 anos não faz deles iguais a nós, pois se assim fosse teriamos de incluir os ciganos, e se pensarmos em termos Europeus teriamos de incluir também os mongóis e sei la que mais. E outra coisa, acho que devemos corrigir os erros do passado antes que seja tarde de mais, cada dia que passa é prejudicial pa nossa raça.
Saudações Raciais e Algarve não é Portugal \o

6 de março de 2006 às 04:54:00 WET  
Anonymous Pedro Caçorino Dias said...

Para o anonimo das 2:58

" lol mais um doido q caga po sangue ou talvez seja um algarvio e ta a defender os seus interesses."

Onde é que eu disse que cago para o sangue ? Prova o que dizes antes de te rires !

Eu disse que o sangue não basta !

Podes atestar o teu sangue ? Es 100 % puro ? 99 % ? 98 ? 80 ? Não sei qual eé o teu grau de pureza enquanto Portugues ! Mas se fores Homem para lutar pela Nação Portuguesa certamente que não te pedirei atestado sanguineo ! Serás um Camarada apesar de algumas das asneiras que dizes !

" Queira saber que os senhores que faziam o "braço ao alto" até defendiam uma Europa das Nações "

Eu defendo a Europa das Nações ! Sendo Portugal da Galiza ao Algarve uma só Nação ! Tu podes não te dar conta mas defendes a Europa das Regiões ! Aquilo a que tu e o Suevo chamas Nação seria quando muito uma região de Portugal.
E fica sabendo que a Europa das Nações não é os Estados Unidos da Europa ! O projecto de construção dos Estados Unidos da Europa é um projecto de desnacionalização, a par do projecto Multiculturalista e de Miscegenação Racial ! Os tres estão a ser feitos em simultaneo, pelas mesmas pessoas e com o mesmo objectivo mundialista antinacional !

" Já agora para o Pedro Caçorino, eu não me interessa que os Algarvios estejam aqui ha 800 anos, até podiam tar ha 200000, que é-me indiferente, assim como os ciganos, podem tar aqui ha milhares de anos. "

Leste mal o que eu disse ! Eu disse que quem quer excluir o Algarve, tenta faze-lo em função de quem lá habitou até à 800 anos, ou melhor à sua expulsão da Penincula . Ou seja, quer exclui-lo devido à Invasão Arabe !

Se daqui a 300 anos existirem vestigios de sangue árabe nos Parisienses considerarias que Paris já não era França ? ... Nem sei o que fariamos a
Marselha e por aí fora ! Considerar Algarve Portugal, para além de obvio, é não ceder ás aspirações e desejos expansionistas Islâmicos .
Desuniões só servem mesmo para enfraquecer o Ocidente ! Imagino os pulos de alegria que não dariam os mouros se as vossas opiniões de desintegração do ALgarve vingassem .


" Depois esse senhor Pedro Caçorino diz no fim "Braço ao Alto" hehehe é de rir
Depois de ler o seu comentario voce encontra-se muito distante das ideologias do "braço ao alto"."


Braço ao Alto é levantar mais alto a Nação ! Tudo pela Nação ! Nada contra a Nação !
Ao ler os teus comentarios que querem partir a Nação Portuguesa em partes, concluo facilmente que não és pela Nação Portuguesa, e por ela não levantas o braço ! Quando muito levantas o braço por uma Nação minuscula qualquer que ainda nao consegui perceber como se chama, e certamente não existe! Fico à espera do nome dessa Nação .

" A julgar pelo seu discurso você é mais um dos nacionalistas de meia tigela que defende tudo o que é Portugal, mesmo as coisas más."

Exacto ... Defendo tudo o que é Portugal !

Sobre as coisas más não temos certamente a mesma visão ! Serás Deus para fazer melhor que eu o discernimento do Bem e do Mal ?


PARA O VÈNIO :

" Algarve é Portugal para os nacionalistas que pouco ou nada pensam na raça, Algarve não é Portugal para os nacionalistas racialistas que acima de tudo põe o sangue em primeiro lugar. "


Ouve lá ... Então já sei ... vais a ver ... e nem o Caturo é Racialista !
Que imbecilidade monumental !!!

QUEM defende a Raça e igualmente defende um Portugal dividido, E RACIALISTA sim, mas certamente não não pertence à Nação Portuguesa !

BRAÇO AO ALTO
VIVA PORTUGAL

6 de março de 2006 às 13:08:00 WET  
Blogger Caturo said...

Caturo vamos então falar da língua.
O galego, ou galaico duriense era falado apenas a norte do Douro, ou quando muito até Coimbra… sendo que em Coimbra em rigor já se falavam dialectos moçarabes,


Suevo, os dialectos moçárabes eram novilatinos, tal como o Galaico-Português.


sendo nesse sentido Coimbra já uma cidade muito mais do sul orientalizado,

De maneira alguma. Coimbra é plenamente atlântica.



As diferenças entre o actual galego e o portugues estão na arabização que o português sofreu com as conquistas dos territórios a sul do Douro.

Diferenças de somenos importância, que se situam ao nível de algum vocabulário, de resto, perfeitamente dispensável. Por isso é que qualquer português do Algarve pode entender sem dificuldade o que diz um galego.

Aliás, qualquer português normal pode entender o que diz um italiano do norte, se este falar devagar, e nunca o norte de Itália foi conquistado pela Moirama.



No Brasil também há brancos a falar português, então pela tua lógica esses territórios da América Do Sul deveriam também integrar a Portu(américa)galiza?

Se eles o quisessem e fossem brancos como os de Portugal, claro que poderiam fazer parte de Portugal.



Em toda a América Latina fala-se uma língua derivada do Latim.

Mas há muito sangue negróide e índio, que quase não existe na Europa. Se consideras que um algarvio está ao nível de um mulato brasileiro, é porque não tens a menor ideia do que é o Algarve (já agora, mandavas embora do norte o Sr. Valentim Loureiro com o seu respectivo filho, e ainda o comediante Oscar Branco, bem como o moreno Quim Barreiros e o puto Saul, juntamente com a morena Sofia Aparício (minhota)?).



Eu sinto-me mais próximo de qualquer branco que fale Alemão (ou qualquer outra língua) do que qualquer mestiço que fale portugues, como sabes o número de mestiços e de negros que falam português deve ser superior a 100 milhões.

Eu idem. Mas um algarvio não é um mestiço.


Por todas essas razões não gosto de nacionalismos baseados na língua. A língua não tem nada a ver com a identidade racial,

A língua, isoladamente, não faz a Nação - mas sem língua autónoma, não há Nação. Por conseguinte, não existe uma Nação galaica afastada do resto do País a sul do Douro. E não venhas dizer que a raça é «completamente diferente», porque já se viu, não apenas com os mapas que apresentei, mas até com os teus próprios mapas, que isso é falso.



Sabino Arana , fundador do PNV tinha uma posição interessante sobre a língua, aqui a tens:

“Para o corazón da Pátria, cada basco que non sabe euzkera é unha espiña; duas espiñas cada basco que o sabe e non é patriota; tres espiñas cada español que fala o euzkera.”

Claro que infelizmente o nacionalismo Basco actual distanciou-se destas posições e está transformado numa espécie de “nacionalismo linguístico” o que é sinónimo de lixo na minha opinião.


Talvez não tenhas percebido que o Sabino Arana, nesse trecho, considera a língua como crucial, por isso é que o espanhol que fale Basco é por ele considerado perigoso. Se ele ligasse tanto à língua como tu ligas, que é nada, já não falava nesses «espinhos».



Eu respeito a tua opinião Caturo, mas para mim conta a raça e não a língua, prefiro mil vezes pertencer a uma Europa branca Unida, do que a uma CPLP terceiro mundista mas que fala a minha língua.

Continuas a falar nisso sem necessidade nenhuma, ou talvez porque queiras ligar o Nacionalismo que defendo à CPLP. No entanto, estás farto de saber que isso não é verdade... porque é que insistes?

6 de março de 2006 às 14:47:00 WET  
Blogger Caturo said...

Pedro Dias,

Parece que há por aqui uns quantos mal-entendidos.

Vejamos:

Leio os teus esgotantes debates / combates de afirmação da correlação Raça / Nação , que chegam ao cumulo de querer excluir o Algarve em funçaõ de quem lá habitava à 800 anos

Só para esclarecer leitores menos atentos - não sou eu que digo isso.


PORTUGAL ... O único Portugal que existe ... nem é só Lingua, mas tambem é lingua, não é só Raça e muito menos os cansativos e inuteis debates de identificação genética de Raça, mas também é Raça ! Portugal é tambem História e vontade de existir !

A Nação, caro Pedro Dias, é língua, raça, folclore... e parou por aí. O resto é História, e pode-se concordar ou não com os rumos que os reis deram à Pátria, que não se é mais ou menos português por causa disso.



Por muito que os teóricos discordem ... e não entendam que o ser portugues é tambem algo que tem de se merecer,

Isso, caro Pedro Dias, é que é teoria, e teoria especialmente perigosa, porque conduz ao totalitarismo - quem é que decide quem merece ou não ser português? Com base em quê?

Ser português é como ser alemão, japonês ou líbio - é pertencer a uma nação por nascimento. É como ser um Sousa, um Bastos ou um Silva. Não há lugar para «mediações» e «valores patrióticos», apenas para o vínculo determinado pelo sangue.


realidade é que quem não se bate por existir , é por que nao dá valor a essa existencia, e por isso não a merece !

Pode-se matar um deficiente mental profundo?

Braço ao Alto

6 de março de 2006 às 15:13:00 WET  
Blogger Caturo said...

O racialismo tal como eu o entendo, pouco (ou nada) tem a ver com Portugal,

Tem tanto a ver com Portugal como com a Galécia.


Destaco algumas palavras de Cruz Rodrigues disponibilizadas no site “Causa Nacional”

“É que assentava fundamentalmente na profunda tradição política portuguesa, universalista e anti-racista. Em Portugal, só poderá ser-se nacional-racialista deixando de ser Português. O que, em contraponto, significa que, sendo-se Português,


Tudo isso que disse A.C.R. foi por mim inteiramente rebatido. Nem uma palavra do seu discurso se salvou. Mas tu, por conveniência ideológica separatista, preferes dar razão ao universalismo patrioteiro mundialista. É bonito o que estás a fazer, é sim senhor.



Duma coisa, porém, estamos os novos nacionalistas certos. Se ela, a Nação Portuguesa, fosse o que os racialistas-etnicistas-racistas querem ver nela, já há muito a Nação Portuguesa teria deixado de existir; mais provável ainda é que nunca tivesse chegado a existir. Porque não teria sequer chegado a sair dos primitivos limites estreitos do Condado Portucalense e da sua mítica Guimarães.

Uma treta pegada, porque, de facto, não há separação étnica entre Guimarães e Viseu, Coimbra, Aveiro, Lisboa, Évora ou mesmo Lagos.

6 de março de 2006 às 15:28:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

"Eu idem. Mas um algarvio não é um mestiço"
Para mim um Algarvio é um mestiço, a ver pelos gráficos, analises geneticas e pelo aspecto deles da maioria deles, para mim um Algarvio é igual ou pior que um filho dum marroquino e dum Português.

6 de março de 2006 às 15:46:00 WET  
Anonymous Pedro Caçorino Dias said...

" Leio os teus esgotantes debates / combates de afirmação da correlação Raça / Nação , que chegam ao cumulo de querer excluir o Algarve em funçaõ de quem lá habitava à 800 anos

Só para esclarecer leitores menos atentos - não sou eu que digo isso. "


Nao dizes Caturo ? Eu já li interminaveis discussões tuas com o SUEVO sobre se o sul de Portugal pertence ou não à Nação Portuguesa ! Esse é o perigo que identifiquei nas vossas discussões ! A ponto de se defender a exclusão do Sul com base numa determinada interpretação da Raça , e a ponto até de duvidarem do teu Racialismo por considerares o Algarve Portugues ! Aliás ... só por isso até já te consideram um perigosíssimo minhotimorense ! Tu espantas-te com a idiota relação que fzem de ti com o minhotimorentismo, mas eu não me espanto ! Defendes o algarve Portugues ... logo es defensor da CPLP e um perigoso inimigo do Racialismo ! Esse tipo de Racialismo é perigoso para Portugal como o proprio Suevo afirmou !


" Isso, caro Pedro Dias, é que é teoria, e teoria especialmente perigosa, porque conduz ao totalitarismo - quem é que decide quem merece ou não ser português? Com base em quê? "

Decide não ser, aquele que afirma não ser Portugues ! O Suevo deve afirmar-se qualquer coisa ... afirma-se Suevo se calhar ! Tem sangue Portugues, nasceu em Portugal, fala o Portugues ... mas não se considera Portugues ! Logo não o é ! é outra coisa qualquer ...


" realidade é que quem não se bate por existir , é por que nao dá valor a essa existencia, e por isso não a merece !

Pode-se matar um deficiente mental profundo? "


Quando fiz a minha afirmação referia-me aos discursos do Suevo e companhia limitada . Não dão valor à existencia de Portugal da Galiza ao Algarve, logo não a merecem ! Nem se preocupam com isso porque nem sequer se consideram como tal ! Na tua concepção eles são Portugueses, mas na concepção deles proprios não o são nem o querem ser e têm raiva a quem os considera como tal !

Sobre o " pode-se matar um deficiente profundo ? " , repondo que que não se pode ! Mas te garanto que se um individuo não quer Viver mata-se ... Nem precisa de ser condenado a morrer !

Faço-te uma pergunta :

A minha ascendencia pela parte materna é Alemã . A minha ascendencia pela parte paterna é Lusitana ! Sou Portugues porque subjectivamente o assumi ... ou sou só 50 % Portugues ? Ou não sou ?

braço ao alto

6 de março de 2006 às 15:48:00 WET  
Blogger Caturo said...

Para mim um Algarvio é um mestiço, a ver pelos gráficos, analises geneticas e pelo aspecto deles

É porque não vês bem: os gráficos, indicam uma semelhança genética evidente; e na aparência, ninguém distingue um algarvio dum nortenho, isto é, não se consegue dizer se um indivíduo é do norte ou do sul só pelo aspecto.

6 de março de 2006 às 19:25:00 WET  
Blogger Caturo said...

" Leio os teus esgotantes debates / combates de afirmação da correlação Raça / Nação , que chegam ao cumulo de querer excluir o Algarve em funçaõ de quem lá habitava à 800 anos

Só para esclarecer leitores menos atentos - não sou eu que digo isso. "

Nao dizes Caturo ? Eu já li interminaveis discussões tuas com o SUEVO sobre se o sul de Portugal pertence ou não à Nação Portuguesa !

Julguei que o teu enunciado tinha sido involuntariamente impreciso, mas, pelos vistos, andas mesmo enganado a respeito do que eu afirmo, o que não deixa de ser estranho. Repito: eu nunca disse que o pessoal do Algarve não é português, pelo contrário. As minhas discussões com o Suevo abordam quase sempre este tema e eu defendo sempre este ponto de vista.



A ponto de se defender a exclusão do Sul com base numa determinada interpretação da Raça , e a ponto até de duvidarem do teu Racialismo por considerares o Algarve Portugues !

Ninguém põe em dúvida o meu racialismo, a não ser um esquerdista que anda armado em esperto, a pensar que isto é divertido.


Defendes o algarve Portugues ... logo es defensor da CPLP

Isso é um truque para se vingarem de Lisboa. Tem mais de inveja portuense do que de convicção.



" Isso, caro Pedro Dias, é que é teoria, e teoria especialmente perigosa, porque conduz ao totalitarismo - quem é que decide quem merece ou não ser português? Com base em quê? "

Decide não ser, aquele que afirma não ser Portugues !

A isso chama-se traidor, que é diferente.


O Suevo deve afirmar-se qualquer coisa ... afirma-se Suevo se calhar ! Tem sangue Portugues, nasceu em Portugal, fala o Portugues ... mas não se considera Portugues !

O que ele tem é uma noção diferente do que é ser português. Renuncia por isso ao termo «Portugal».


Quando fiz a minha afirmação referia-me aos discursos do Suevo e companhia limitada . Não dão valor à existencia de Portugal da Galiza ao Algarve, logo não a merecem ! Nem se preocupam com isso porque nem sequer se consideram como tal !

Falta-lhes quanto a mim alguns conhecimentos, isto sem querer parecer professoral. Condeno resolutamente a sua postura. Mas compreendo a sua atitude: jovens que vivem num país onde lhes dizem continuamente que Portugal=Mulataria, que Portugal fez o mulato, logo, que o Português tem obrigação de gostar da misturada, etc.. Também eu tive problemas com isso na adolescência, porque só lia, ao meu redor, textos de «ideólogos» que afirmavam coisas dessas (nas colunas de opinião). Lá acabei por ultrapassar essa «crise existencial», mas não lhes perdôo por me terem feito duvidar da Nacionalidade e da Racialidade, como se fossem incompatíveis. Considero essa gente como inimiga mortal da Nação, por mais que se vistam de bandeiras e patriotismos. Não reconheço um Portugal mestiço e se algum dia Portugal ficar como Cabo Verde, não reconhecerei este rectângulo como a minha Nação. Entre um atleta mulato que corra com as cores de Portugal e um atleta romeno, sueco ou eslovaco, prefiro que ganhem os atletas romeno, sueco ou eslovaco.

Se eu não tivesse encontrado certas coisas, não tivesse elaborado certos raciocínios, talvez fosse como o Suevo.


A minha ascendencia pela parte materna é Alemã . A minha ascendencia pela parte paterna é Lusitana ! Sou Portugues porque subjectivamente o assumi ... ou sou só 50 % Portugues ?

Não é uma pergunta fácil - nem difícil... quanto a mim, tudo o que é Europeu é familiar, seja alemão, grego ou ucraniano. Se fosses meio chinês ou cabo-verdeano, é que não te consideraria português.

Braço ao Alto

6 de março de 2006 às 19:45:00 WET  
Anonymous Pedro Caçorino Dias said...

" Julguei que o teu enunciado tinha sido involuntariamente impreciso, mas, pelos vistos, andas mesmo enganado a respeito do que eu afirmo, o que não deixa de ser estranho. Repito: eu nunca disse que o pessoal do Algarve não é português, pelo contrário. As minhas discussões com o Suevo abordam quase sempre este tema e eu defendo sempre este ponto de vista. "


hahaha ... não ando nada enganado sobre o que tu escreves ! Tu é que nao entendeste mais uma vez o que disse! Sei bem que sobre este tema estas sempre em desacordo com o Pinto Costista FCPista Ultrabairrista Portista AntiLisboista do Suevo ! O que digo é que nem os Racialistas se conseguem entender bem sobre a Raça ! Tu dizes que existe uma total continuidade na Faixa Litoral Atlantica e ele afirma que o Algarve é uma cambada de pretos ! O facto de tu discordares disso fas com que já tenhas tido de ouvir uns gajos a duvidar do teu Racialismo

Saudações

6 de março de 2006 às 22:38:00 WET  
Blogger Suevo said...

“Sei bem que sobre este tema estas sempre em desacordo com o Pinto Costista FCPista Ultrabairrista Portista AntiLisboista do Suevo ! O que digo é que nem os Racialistas se conseguem entender bem sobre a Raça ! Tu dizes que existe uma total continuidade na Faixa Litoral Atlantica e ele afirma que o Algarve é uma cambada de pretos ! “


O ultra-benfiquista dos NN,centralista,“irmão” de timorenses e anti-europeu, adorador dum deus semita, ou seja o Pedro Caçorino está com muita azia contra o Pinto da Costa hahahaha.
Onde é que eu afirmei que o Al-Garbh era uma cambada de pretos? O Caçorino deturpa e mistura afirmações de anónimos com as minhas e com as do Caturo, tem que estar mais atento a quem são os autores das afirmações. Eu não tenho nada contra nenhum algarvio em particular, muito menos contra os algarvios enquanto povo. Eu afirmo que etno-culturalmente me sinto mais próximo da Galiza que do Algarve, mas daí até dizer que os algarvios são pretos… E os algarvios são também eles vitimas do centralismo, mas neste caso a questão é económica e não etno-cultural.

Caturo:
“O que ele tem é uma noção diferente do que é ser português. Renuncia por isso ao termo «Portugal». “
Tu é que tens, e não me leves a mal, uma noção errada do que é ser português, quer tu queiras quer tu queiras os pretos SÃO portugueses, isso pode custar-te, podes não concordar, mas o FACTO é que os pretos são tão portugueses como tu! Tu confundes aquilo que Portugal É com aquilo que tu gostavas que Portugal FOSSE! Eu sei que, apesar de tudo o que tu e outros possam escrever no fundo a tua pátria é a Europa. Eu inspiro-me muito mais no passado castrejo, na Gallaecia do passado e esperemos que do porvir. E com isto não estou a criticar-te Caturo.

Dizes também :
“Não reconheço um Portugal mestiço e se algum dia Portugal ficar como Cabo Verde, não reconhecerei este rectângulo como a minha Nação. “

Claro, aqui a questão é o que consideras ou não mestiço, será que neste momento Portugal já não é um país mestiço? Quantos negros e mestiços portugueses existem?


Agora deixo para o Pedro Caçorino um resumo histórico que escrevi baseado em varias fontes, que se tiver imprecisões pode corrigi-las à vontade, neste resumo verás que afinal até foram os tais “europeus” que te “conquistaram”

A conquista da cidade do Pedro Caçorino, Al-Ushbuna (ou Lisboa) foi efectuada não só pela elite galaico-duriense como também pela elite europeia, representada pelos cruzados. Os cruzados que ao lado dos galaico-durienses conquistaram Al-Ushbuna eram ingleses, normandos, flamengos, franceses e alemães da zona de Colónia e partiram do Porto. Claro que as motivações da elite galaico-duriense eram obvias. No conciliábulo feito fora dos muros entre os chefes ocidentais (Fernão Cativo e Hervey de Glanville o condestável dos ingleses e normandos), com os representantes muçulmanos, ficou acertado que, em troca da vida e da futura liberdade, os lisboetas mouros entregariam todas as riquezas públicas e privadas aos conquistadores, sem haver necessidade deles submeterem as residências à pilhagem. Acordo inútil, visto que quando entraram pelos portões de Lisboa no dia 25 de outubro, deu-se a invasão das casas, tivessem eles ou não, entregado tudo. Basta reparar que só para três nortenhos ficou uma propriedade na região centro com 80 quilómetros de comprimento e 20 km de largura … mas adiante. Mal sabiam eles o que os esperaria em 1385, em que a esmagadora maioria do norte de Portugal estava do lado Castelhano, incluindo toda a alta-nobreza, por isso essa nobreza que conquistou Lisboa foi literalmente “enterrada” em Aljubarrota. A “mítica” Guimarães teve que ser cercada durante mais que um mês porque manteve-se fiel a Castela… A partir daí foi o começo do Portugal voltado para Africa… tão do agrado do Pedro Caçorino.
Outro ponto alto para o Pedro Caçorino deve ter sido em 1506, quando D. Manuel I colocou os novos cristãos sobre protecção real (judeus convertidos) .
Para o católico Pedro Caçorino qualquer negro pode ser português, desde que o mereça! Este é o nacionalismo do Pedro Caçorino, nem vale a pena tentar disfarça-lo, é um nacionalismo na linha da história e tradição portuguesas, não tenha receio de o assumir.

7 de março de 2006 às 02:55:00 WET  
Blogger Caturo said...

Eu afirmo que etno-culturalmente me sinto mais próximo da Galiza que do Algarve,

Certo. Se eu for de Leiria, também posso dizer que etno-culturalmente sinto-me mais próximo de Viseu do que de Lagos. Mas isso não significa que a população de Lagos seja doutro grupo étnico ou sequer doutro povo.



Tu é que tens, e não me leves a mal, uma noção errada do que é ser português,

Pronto, tu pensas isso, eu penso o contrário. O que eu quis dizer foi que tínhamos uma noção diferente do que é Portugal.



quer tu queiras quer tu queiras os pretos SÃO portugueses,

Ahahah... se vamos por aí, quer tu queiras quer não queiras, também tu és português, tão português como dizes que ele é.

Mas queres a separação, bem entendo. Talvez porque penses que um negro pode ser português mas não pode ser galaico... que ideia... pois se um negro pode ser inglês, alemão, sueco, porque é que não há-de poder ser galaico?

Ou julgas que conseguias fazer um Estado galaico com uma estrita política racial, qual aldeia de Asterix a resistir agora e sempre ao invasor mulato?

Cuidado... olha que mesmo na puríssima Galiza há quem goste de pretos... será demais lembrar-te da existência de um cartaz a publicitar o turismo na Galiza com um negro em grande plano a tocar... gaita de foles?

Alguma vez viste isso no Algarve, no Alentejo ou em Lisboa?



Claro, aqui a questão é o que consideras ou não mestiço, será que neste momento Portugal já não é um país mestiço?

Pode-se andar nas ruas da maior parte do País sem se ver um negro, ou sem se verem muitos negros. Mas se cuidas que uma cidade na qual se vejam já alguns negros é já uma cidade mestiça, então põe-te a pau com... o Porto e com Guimarães, por exemplo.

Seja como for, Portugal ainda não está como Cabo Verde.


A “mítica” Guimarães teve que ser cercada durante mais que um mês porque manteve-se fiel a Castela… A partir daí foi o começo do Portugal voltado para Africa…

Voltado para África, ponto e vírgula - voltado para a expansão, não por amor aos Africanos, mas por objectivos imperiais de conquista territorial e combate contra os Mouros. Não havia ácê-érres naquele tempo, a não ser talvez uns quantos padres.

7 de março de 2006 às 14:32:00 WET  
Anonymous Pedro Caçorino Dias said...

" Para o católico Pedro Caçorino qualquer negro pode ser português, desde que o mereça! Este é o nacionalismo do Pedro Caçorino, nem vale a pena tentar disfarça-lo, é um nacionalismo na linha da história e tradição portuguesas, não tenha receio de o assumir. "

Haver um ou outro Preto que seja Portugues não me escandaliza muito, desde que seja por razões extraordinarias e nao por simples resultado da iminvasão em curso ! Discordo absolutamente da actual lei da Nacionalidade, para mim a Nacionalidade herda-se pelo Sangue e ponto final no assunto !

Defendo isso sim, e que por uma questão de justiça para com os 500 anos de Imperio, e para com quem nós convivemos durante esse tempo todo, se deve conceder direitos espeiciais de cidadania, e até nalguns casos Nacionalidade aos Pretos que combateram pela Bandeira Portuguesa, foram feridos em combate varias vezes, e algumas vezes agraciados com as mais altas condecorações comm a Cruz de Guerra de 1ª Classe e até a Torre e Espada ! Esses ... que são muito poucos , para alem de não serem suficientes para mulatizar nada em Portugal devem ser considerados como hipoteses de concessão da Nacionalidade ! Repito ... são casos excepcionais e não a regra, e duvido que colidam com seja qual for a tese Racialista que exista , a não ser no caso de quem tenha uma irracional aversão a outras Raças !

Braço ao Alto

7 de março de 2006 às 15:31:00 WET  
Anonymous Pedro Caçorino Dias said...

" A “mítica” Guimarães teve que ser cercada durante mais que um mês porque manteve-se fiel a Castela… A partir daí foi o começo do Portugal voltado para Africa… tão do agrado do Pedro Caçorino."

O Pedro Caçorino considera que só existem duas opções para a Europa :

1 - A Europa a dominar os Povos Africanos - POSIÇÃO OFENSIVA
2 - A Europa a ser dominada pelos Povos Africanos, Mouros icluidos - COLOCA-NOS VULNERAVEIS E À DEFESA

Não acredito minimamente que seja viavel a Europa Ouriço , invulneravel e impenetravel . Daí que defende que cada País Europeu deve voltar a dominar cada vez mais os Povos onde esteve, e de onde vem a maioria da emigração .
E uma Utopia ? Não .... é antes um conceito estratégico .


Braço ao ALto

7 de março de 2006 às 15:39:00 WET  
Anonymous Pedro Caçorino Dias said...

" A “mítica” Guimarães teve que ser cercada durante mais que um mês porque manteve-se fiel a Castela… A partir daí foi o começo do Portugal voltado para Africa… tão do agrado do Pedro Caçorino."

REALMENTE E PARA ESQUECER ESSA TRAIÇÃO IGNOBIL DOS POVOS DO NORTE DE PORTUGAL - DO LADO DOS VERMES CASTELHANOS ? CHIÇA .....

7 de março de 2006 às 15:41:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Pessoal este suevo é mesmo um demente.
Não à pachorra.

Anjo da Morte

7 de março de 2006 às 16:56:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Será que vocês não viram que o suevo vê uma Galiza idílica.
Uma coisa imaginaria.
Um inimigo que não existe.
Uma raça que só ele pensa que existe.
Será caro suevo que não vês que vives num pais bipolar.
Portugal é Lisboa e Porto e o resto é paisagem.
Que essa opressão que tanto te queixas de Lisboa só existe na cabeça dos bairristas tripeiros.
Tanto Lisboa como o Porto são super privilegiados em relação ao resto do pais.
E essa pureza étnica que falas do norte de Portugal e da Galiza Espanhola é pura demagogia.
Já que falas sempre em tanta opressão contra o povo Galaico(ou nortenho).
Aconcelhava-te a viveres uns tempos em Belfast para veres o que é verdadeira opressão, pois nem no pais basco existe nada igual.
Não queiras por irmãos contra irmãos.
Já que te dizes que és um verdadeiro GÁLICO haje como tal.

Celta 88

7 de março de 2006 às 17:19:00 WET  
Anonymous Nortenho said...

Pedro Caçorino Dias:
"Onde é que eu disse que cago para o sangue ? Prova o que dizes antes de te rires !"
hahaha lol és demais, não disses-te nem precisas de dizer, basta ler o que tu escreves. Um gajo que defende os Algarvios é um gajo que caga completamente para o sangue, prefere que o seu povo fique com mais sangue negro e semita tudo para continuar a ter as mesmas terras.
Aposto que se podesses ir buscar umas terreolas a Marrocos também aceitavas o povo de la. Ou talvez não, mas de certeza que se Portugal tivesse terras por lá ha mais de 300 anos tu não aceitavas perde-las, nem que isso prejudicasse o nosso sangue.

"Eu defendo a Europa das Nações ! Sendo Portugal da Galiza ao Algarve uma só Nação ! Tu podes não te dar conta mas defendes a Europa das Regiões !"
Tu não defendes nenhuma Europa das Nações, defendes é a Europa dos Impérios, eu não, defendo a divisão dos povos conforme a sua etnia, não conforme os limites actuais. Sendo assim claro que defendo a independência da Galécia e outros paises celtas, Catalunha, País Basco, norte de Itália, Flandres (na Belgica), Sul da Suécia, Noruega, etc etc.
Mas tu isto não entendes, pois tu defendes uma Europa dos Impérios e tudo que seja dividir para ti é considerado região pois claro.

"Ou seja, quer exclui-lo devido à Invasão Arabe ! "
Pois, a invasão arabe e os erros por parte dos portugueses de não expulsar os mouros como em Espanha, tornou os Algarvios um povo completamente diferente do centro e Sul, e a provar isso esta o aspecto deles e se nao te bastar tão as analises genéticas. So não ve que eles sao diferentes naquele grafico, aqueles que enfiam a cabeça debaixo da areia, e tão de mente fechada.
http://photos1.blogger.com/blogger/4422/758/1600/masculinas.jpg

O caturo diz que o gráfico mostra que os Algarvios são iguais a nós hehe é de rir, então como tinham de ser os valores para serem diferentes? Se calhar mesmo que os Algarvios apenas tivessem 20 ou 10% do principal haplogrupo europeu tu consideravas Portugueses. Se calhar não basta os 24% dum haplogrupo mouro, tinham de ter ai uns 80% lol. Vocês realmente são incriveis.

"Se daqui a 300 anos existirem vestigios de sangue árabe nos Parisienses considerarias que Paris já não era França ? ... Nem sei o que fariamos a
Marselha e por aí fora !"
Se daqui a 300 anos os Parasienses tivessem uns valores muito acima dos outros Franceses, naturalmente que os Parisienses não podiam ser considerados Franceses, seriam um povo que nada tinha a ver com o passado, seria um povo mudado, e seria uma ameaça para as outras regiões francesas com muito menos sangue mouro. Quem é o louco que so tendo 5% de sangue mouro vai aceitar um povo com 25% de sangue mouro? enfim so um louco, inconsciente e ignorante pode fazer isso.

"Ao ler os teus comentarios que querem partir a Nação Portuguesa em partes, concluo facilmente que não és pela Nação Portuguesa, e por ela não levantas o braço !"
Pois, tu és daqueles que se nascer daqui a 500 anos irá aceitar os lisboetas brancos (cada um com uma média de 15% ou 25% de genes negros) tudo para não perder terras. O resto dos Portugueses que ou não tinham nada ou andariam à volta dos 2 ou 5% de genes negros, teriam de os aceitar e receber mais mistura negra tudo para não perder terras. Eu conheço muito bem como pensa a gente da tua laia.

"" A julgar pelo seu discurso você é mais um dos nacionalistas de meia tigela que defende tudo o que é Portugal, mesmo as coisas más."

Exacto ... Defendo tudo o que é Portugal ! "
Pois deves defender, ja te topei quando li os teus comentários.
Fazes-me lembrar um gajo parecido contigo, que quando eu estava a falar de coisas que Portugal teria de melhorar, como por exemplo não por lixo para o chao, eu a dizer algo tipo "Temos de aprender a não deitar lixo para o chão e sermos mais limpos nas ruas, temos de olhar para o exemplo dos nórdicos" e o gajo vem-me com esta "ahh não, eu não vou deixar de deitar lixo po chão, não vou seguir o exemplo dos nordicos, se a tradição portuguesa é deitar lixo po chão eu deito. Eu orgulho-me de Portugal"
Gente como tu é assim, podes não ser assim nesta questão, mas és noutras tão absurdas como esta e nem te dás conta, pois tas tão orgulhoso do teu Portugal que nem vês a realidade.



" Algarve é Portugal para os nacionalistas que pouco ou nada pensam na raça, Algarve não é Portugal para os nacionalistas racialistas que acima de tudo põe o sangue em primeiro lugar. "


"Ouve lá ... Então já sei ... vais a ver ... e nem o Caturo é Racialista !
Que imbecilidade monumental !!!"

Sim o Caturo não é racialista, um gajo que quer o povo algarvio no seu território, povo este com muito mais sangue semita e menos sangue europeu do que os povos do centro e norte, não pode ser racialista. Racialista é alguem que quer preservar o seu sangue, não quer que o seu sangue fique com ainda mais mistura moura, nem quer ficar com genes indios, negros, chineses etc.


"QUEM defende a Raça e igualmente defende um Portugal dividido, E RACIALISTA sim, mas certamente não não pertence à Nação Portuguesa !"
Gajos como tu é que nem sequer podem ser considerado Portugueses. Não percebes? então dou-te um exemplo, imagina que os antigos egipcios tinham 2 opçoes, dar um bocado do territorio do Sul do Egipto e assim preservar o seu sangue exactamente como era, ou então não perder território e prejudicar o seu sangue com miscigenados egipcios (ja nem tou a falar de outros povos, tou a falar de miscigenados egipcios, com um bocado de sangue N e um bocado de sangue X, como os algarvios). Resultado, o povo Egipcio passado algumas gerações não teria nada a ver com o antigo. Estaria mudado, é este o resultado do que tu defendes. Caso ganhasse o que eu defendo, perder um bocado de território do Sul e preservar o sangue como era, então o povo egipcio sobreviveria. Logo tu que defendes a alteração do sangue em funçao de não perderes terras não poderias ser considerado um bom egipcio neste caso, pois levas-te à destruição do teu povo. Que interessa as fronteiras ficarem como estão se o povo vai po caralho? rigorosamente nada.


"No Brasil também há brancos a falar português, então pela tua lógica esses territórios da América Do Sul deveriam também integrar a Portu(américa)galiza?

Caturo:
"Se eles o quisessem e fossem brancos como os de Portugal, claro que poderiam fazer parte de Portugal."

Pois claro e la iriamos nos receber brancos cheios de genes indios, negros e outros, la iriamos nos prejudicar o nosso sangue tudo em troca de ter mais territorio.

Vocês não têm noção nenhuma do mal que fazem a Portugal, se vocês fossem lideres tavamos bem fodidos. Tanto os esquerditas como vocês levam-nos à destruição.

7 de março de 2006 às 18:20:00 WET  
Blogger Caturo said...

e até nalguns casos Nacionalidade aos Pretos que combateram pela Bandeira Portuguesa, foram feridos em combate varias vezes,

Discordo que se lhes dê a Nacionalidade. Um estatuto honorário, sim, mas sem direitos políticos.


e algumas vezes agraciados com as mais altas condecorações comm a Cruz de Guerra de 1ª Classe e até a Torre e Espada ! Esses ... que são muito poucos , para alem de não serem suficientes para mulatizar nada em Portugal

São, são... porque constituem precedentes perigosos e, pior, exemplos de heroísmo que tarde ou cedo infiltram nas mentes a ideia de que um negro pode ser um bom português e que é bom ser como ele, ou que o nosso sangue se misture com o dele, etc..

Nesse aspecto, é mais perigoso, a longo prazo, um negro heróico e bem comportado do que um negro criminoso.

Lembro, já agora, que o grito de guerra dos Comandos é africano «Mama sume!» e que um dos grandes heróis desse corpo de elite é o negro Marcelino da Mata.

O que é que isto faz às mentes dos jovens comandos de dezanove ou vinte anos, ainda em formação e altamente influenciáveis pelo mundo militar fechado no qual subitamente se vêem envolvidos?

Nada de bom.

7 de março de 2006 às 18:28:00 WET  
Anonymous Nortenho said...

"Tudo isso que disse A.C.R. foi por mim inteiramente rebatido. Nem uma palavra do seu discurso se salvou. Mas tu, por conveniência ideológica separatista, preferes dar razão ao universalismo patrioteiro mundialista. É bonito o que estás a fazer, é sim senhor."

Ele pode não ter sabido argumentar contigo, mas isso não o impede de ter razão. O que ele disse acerca do racialismo e incompatibilidade com o actual Portugal do minho ao Algarve é uma verdade e não ha volta a dar.
Uns tem mais jeito para argumentar e responder e outros não o têm tanto. Tu também se meteres um puto de 8 anos nacionalista a discutir com um esquerdista de 20 anos, claro que o puto não sabera argumentar, mas isso não quer dizer que o que o puto defende tem razão. O mesmo se passa aqui, la por o Cruz Rodrigues não ter conseguido rebater o texto contigo não significa que o texto esteja errado.
Esse texto do Cruz Rodrigues acho que esta muito bom e realista.

7 de março de 2006 às 18:31:00 WET  
Blogger Caturo said...

Não acredito minimamente que seja viavel a Europa Ouriço , invulneravel e impenetravel

Mas terá mesmo de ser assim ou então morre - a ética e a própria sobrevivência étnica assim o exigem.


Daí que defende que cada País Europeu deve voltar a dominar cada vez mais os Povos

Pois o mal foi mesmo isso ter ocorrido. O imperialismo só trouxe desgraças à Europa, como se está a ver agora, com o maré migratória que vem das antigas colónias africanas.
Os Europeus já não são muitos para as suas próprias necessidades, quanto mais para controlar áreas muito mais vastas do que a Europa e igualmente mais povoadas. Além de ser inadmissível, evidentemente, dado que nenhum povo tem o direito de submeter outro.

7 de março de 2006 às 18:33:00 WET  
Blogger Caturo said...

O caturo diz que o gráfico mostra que os Algarvios são iguais a nós hehe é de rir, então como tinham de ser os valores para serem diferentes?

Tinham de ser como no norte de África, tendo pelo menos setenta por cento de sangue norte-africano e/ou semita...

Já agora, também ajudava se tivessem algum elemento genético não europeu que o norte não tivesse. Mas isso não é verdade, também para infelicidade tua.

Se calhar mesmo que os Algarvios apenas tivessem 20 ou 10% do principal haplogrupo europeu

Isso querias tu, mas não é verdade.

7 de março de 2006 às 18:40:00 WET  
Blogger Caturo said...

Já agora, presumo que o próximo passo seria um levantamento exaustivo de todos os nortenhos que tivessem sangue negro e norte-africano para os extraditar, não?

Chegavas por exemplo ao pé do nortenho Oscar Branco (se este tivesse o tal gene norte-africano) e dizias-lhe «Olha, tens de te ir embora porque descobrimos que não és celta.»

E assim sucessivamente, até pôr todos os nortenhos com sangue norte-africano fora da Galécia...

Depois era giro ver a guerra civil que se seguiria quando as pessoas começassem a ver familiares (esposas ou maridos, por exemplo) ou amigos seus, que toda a vida tinham considerado seus iguais, a serem expulsos do território.

Os gajos como tu são um atraso para o movimento nacionalista.

7 de março de 2006 às 18:46:00 WET  
Blogger Caturo said...

"Se eles o quisessem e fossem brancos como os de Portugal, claro que poderiam fazer parte de Portugal."

Pois claro e la iriamos nos receber brancos cheios de genes indios, negros e outros,

Não. Eu disse expressamente SE fossem brancos como os de Portugal.

7 de março de 2006 às 18:47:00 WET  
Blogger Caturo said...

O que ele disse acerca do racialismo e incompatibilidade com o actual Portugal do minho ao Algarve é uma verdade e não ha volta a dar.

Isso querias tu. Mas não basta que concordes com ele para que ele tenha razão, só porque te dá jeito. Dizes tu que a razão dele está além dos argumentos aduzidos, mas, caso não tenhas percebido, não é assim que se discute - para averiguar quem tem razão, há que demonstrá-lo. Sem demonstração, nada feito.

Por conseguinte, o que tu realmente dizes é que concordas com ele, porque te convém, mas és tão incapaz de apresentar argumentos válidos como ele é.

Logo, a tua afirmação, completamente infundada, está automaticamente tão rebatida como a dele.

7 de março de 2006 às 18:54:00 WET  
Blogger Suevo said...

Caturo

“Certo. Se eu for de Leiria, também posso dizer que etno-culturalmente sinto-me mais próximo de Viseu do que de Lagos.”

Claro que podes, e tal seria correcto, a única duvida é se existem duas ou se existem três etnias em Portugal (refiro-me a brancos).

“Ahahah... se vamos por aí, quer tu queiras quer não queiras, também tu és português, tão português como dizes que ele é.”
É verdade

“Mas queres a separação, bem entendo. Talvez porque penses que um negro pode ser português mas não pode ser galaico... que ideia... pois se um negro pode ser inglês, alemão, sueco, porque é que não há-de poder ser galaico?”
Estás a confundir Galego com Galaico.

Claro que na Galiza há quem goste de pretos, também há comunistas em Trás-os Montes, nunca disse o contrario e não vejo qual a razão para estar sempre a dizer a mesma coisa e a repetir-me, é simples temos visões diferentes do problema e da solução. Em nenhuma parte da Gallaecia existem gangues de negros, deve ser coincidência. Daqui a pouco pedes-me para te fazer um programa politico, posso-te dizer que os culpados pelo desemprego no vale do ave ser 15% não são os pretos, e também não são os pretos os responsáveis por Portugal ser o pais mais centralista da Europa (e arredores) , nem são os pretos nem os chineses os responsáveis pelo norte de Portugal ser a região mais pobre do país. Será que a culpa dos negros pelos fundos estruturais enviados pela União Europeia para o desenvolvimento das regiões mais pobres sejam em Portugal gastos na região mais rica a construir aeroportos e Expo 98? Não me parece que a culpa seja dos pretos ou dos paquistaneses.

Falas muito do Valentim Loureiro, o Valentim Loureiro até parece que é “lusitano” , é da Beira interior. Em relação a Óscar Branco ou outros mulatos já sabes o que penso, não vale a pena repetir-me.


Celta 88

“Tanto Lisboa como o Porto são super privilegiados em relação ao resto do pais.”

Andas equivocado, onde viste tais estatísticas? A própria cidade do Porto foi a segunda do país que mais perdeu poder de compra (a primeira foi uma cidade da beira interior).

Depois falas de Belfast, não sei a que te referes em concreto, mas obviamente não estás a espera que eu te diga que Irlandeses e Ingleses são o mesmo povo ou a mesma etnia, ou estás? São ambos povos brancos, devem ter boas relações numa Europa branca. Pensas que a divisão e segregação na Irlanda do norte é provocada pela religião, ou que a religião é no caso da Irlanda do norte um mero indicador da etnia?

Tu criticas a situação da Irlanda do Norte, mas deves saber o que passam por lá os chineses, não só são espancados como os próprios brancos que lidam com chineses são igualmente ameaçados.
A Irlanda do Norte é a zona do reino Unido com mais ataques motivados pelo “racismo”, há brancos que são cuspidos e apedrejados nas ruas, e existem panfeltos e graffitis nas portas das casas dos não-brancos, eu pergunto-te achas que a Irlanda do Norte é que está mal e que o resto da Europa, que não tem esta consciência étnica é que está bem?

Os não brancos em Belfast sabem bem o significado da palavra “medo”

Claro que também há na Irlanda do Norte os habituais multirracialistas e defensores da teoria do “somos todos iguais”, mas o que te desagrada tanto na Irlanda do Norte já agora?

7 de março de 2006 às 23:10:00 WET  
Blogger Suevo said...

"há brancos que são cuspidos e apedrejados nas ruas"

Obviamente queria dizer "há não brancos"

"Será que a culpa dos negros "

Queria dizer "será que a culpa é dos negros"

7 de março de 2006 às 23:14:00 WET  
Blogger Suevo said...

“Haver um ou outro Preto que seja Portugues não me escandaliza muito. Haver um ou outro Preto que seja Portugues não me escandaliza muito, desde que seja por razões extraordinarias e nao por simples resultado da iminvasão em curso !!

Eu já tinha percebido isso. Mas o Caçorino facilmente perceberá que para muitos um negro que seja considerado um herói e uma referencia é mais perigoso que um vulgar negro que trabalhe nas obras. São visões opostas. No actual momento histórico eu considero que para um racialista portugues como o Caturo esses negros considerados heróis portugueses são uma espinha na garganta. Mais uma vez aí se verifica a diferença entre aquilo que o Caturo gostava que as coisas fossem, e aquilo que as coisas são.

Os factos são estes e é o próprio Caturo a dize-lo:
“o grito de guerra dos Comandos é africano «Mama sume!»”

Um dos militares portugueses mais condecorados (inclusive com Torre e Espada) é na realidade um guineense da etnia papel. Ao que parece Marcelino da Mata foi sequestrado entre outros pelo conhecido Fiscalista Saldanha Sanches do MRPP já em Lisboa sofrendo choques electicos nos testículos entre outras torturas.

“A Europa a dominar os Povos Africanos - POSIÇÃO OFENSIVA”

Eu não concordo com esta posição do Pedro Caçorino, no entanto reconheço que, e como já referi anteriormente, o projecto português desde 1385 foi voltado para as colónias, por isso a entrega das mesmas em 1974 poderá ter sido apenas o principio do fim. O Pedro Caçorino não é o único a achar que a sobrevivência de Portugal passa pelas colónias e pela CPLP, alias vemos frequentemente muitos opinion makers a defender o mesmo, não o fazem é de forma tão aberta como fez o Pedro aqui.

8 de março de 2006 às 01:02:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Suevo

O que me refiro a Belfast é que as razões religiosas são um pretexto dos unionistas para não ter que dizer:protestantes=ingleses.católicos=Irlandeses.
Porque na verdade os ditos Irlandeses protestantes não passam de Ingleses que não querem perder os previlégios dados pela coroa britanica em solo Irlandês(já viste se existi-se isto na tua gallecia!).
E os verdadeiros Irlandeses continuam a ser projudicados na sua própria terra.
À que ter um pretexto para justificar aquela ocupação dos ingleses.
O ódio é entre brancos ingleses e brancos Irlandeses.
Nem me estava referir aos imigrantes chineses ou outros.
O que eu te queria mostrar era que o que se passa no norte de Portugal ou em qualquer região autonómica Espanhola, onde por vezes falas que o teu povo é oprimido, é pura demagogia comparado com um caso destes.
Já agora tu que te consideras tão puro, experimenta ires viver para um bairro protestante de Belfast e logo vais ver(como Português ou até Galego eles classificam-te logo como católico mesmo que o não sejas).
Este exemplo é apenas entre brancos e não tem nada haver com os pretos, chineses ou outras raças não Europeias, porque em relação a esses pouco me importa o que lhes façam.
Porque se fores á República da Irlanda já não tens esses problemas. Pois lá não precisam de emigrantes para nada.
A Irlanda é o pais mais jovem da união Europeia, lá a raça branca não esta ameaçada de extinção.

Celta 88

8 de março de 2006 às 10:23:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Bibo norte carago, queremos independencia ja
bibo norte, bibo sangue galego
mouros fora daqui

8 de março de 2006 às 14:24:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Suevo

Falas nos milhões que foram gastos na Expo98 mas omites os milhões que foram gastos na casa da musica(mas para que serve aquela merda?).
Também os milhões que os vossos empresários desperdiçaram a comprar ferraris em vez de fazerem investimentos nas suas empressas.
Que o norte de Portugal foi onde houve mais desvios de fundos estruturais da CEE no tempo das vacas gordas.
Que todos os vossos politicos do norte que fizeram parte dos sucessivos governos nunca roubaram nada.
Quem tem telhhados de vidro não atira pedras aos vizinhos.

Celta 88

8 de março de 2006 às 14:41:00 WET  

Enviar um comentário

<< Home