sexta-feira, julho 20, 2018

ISRAEL ASSUME-SE COMO ESTADO JUDAICO

O Parlamento de Israel aprovou uma lei que define o país como um "Estado para a Nação Judaica" e também declara que Jerusalém "inteira e unida" é a sua capital.
O projecto de lei rebaixa o Árabe de idioma oficial para língua especial, apesar dos árabes constituírem aproximadamente 20% da população de Israel – 9 milhões de pessoas. 
Apoiado pelo governo de Direita do país, o projecto declara que "Israel é a pátria histórica do Povo Judeu e tem direito exclusivo à auto-determinação nacional no país", informa a BBC.
O documento foi aprovado depois de uma complexa sessão no Knesset (Parlamento israelita), que durou mais de oito horas. Votaram 62 deputados a favor do projecto e 55 contra. 
O parlamentar árabe Ahmad Tibi disse que a aprovação da lei representava a "morte da democracia". E a organização não governamental Adalah, que trabalha na defesa dos direitos dos árabes em Israel, adverte que a lei é uma tentativa de promover a "superioridade étnica por meio da promoção de políticas racistas". 
Na semana passada, o primeiro ministro israelita Benjamin Netanyahu defendeu a lei: "Continuaremos a garantir os direitos civis na democracia de Israel, mas a maioria também tem direitos e a maioria decide", enfatizou.
*
Fonte: https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/2018071911753740-israel-aprova-lei-sobre-estado-nacao-judaica/

* * *

Israel está de parabéns pelo seu caminho coerentemente sionista, isto é, nacionalista. A cada Nação cabe um só Estado - em cada Estado deve existir uma só Nação. 
Quanto às reacções contrárias, é claro que o descaramento «árabe» (muçulmano mal disfarçado) tinha de levar a protestar contra o direito fundamental de um Povo ao seu território. Enfim, já se sabe que o Islão nunca poderá admitir que Jerusalém esteja em mãos não muçulmanas, porque esse território chegou a ser conquistado pelos muçulmanos. Mais grave é a reacção da hoste anti-sionista europeia, com a sua mistura de anti-Nação (e não apenas «anti-nacionalismo) na Esquerda e a sua imbecilidade incoerente na parte anti-judaica da Extrema-Direita.

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Estala a polemica, apresentador diz k kem ganhou foi adrica e nao franca e isdo irritiu alguns franceses www.abola.pt/nnh/Noticias/Ver/741082
O ridículo da selecao

20 de julho de 2018 às 02:39:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

RABINO RENOMADO FALA PARA TRUMP QUE JESURASÉM NÃO É CAPITAL DE ISRAEL

https://www.youtube.com/watch?v=wE4pRBmZldY

20 de julho de 2018 às 02:39:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

A lei não foi aprovada em parlamento mediante votação? Para quê a histeria? De que interssa que 20% da população de Israel seja árabe? Isso justifica que um Estado (concorde-se com a sua existência ou não) que se originou com a intenção de ser judaico e, por isso, de receber os judeus do mundo, tenha que ter o Árabe também como língua oficial e que tenha que ser multiétnico? E de que maneira a aprovação da lei que define o país como um Estado para a nação judaica significa necessariamente um acto de hostilidade para com a população árabe que lá habita? Esta será mais oprimida por causa disso? Até pode ser, mas Israel é um país no qual os árabes se permitem ter assento parlamentar e lá fazerem um berreiro do caralho porque se indignaram com uma lei que foi aprovada pela via democrática. Onde estão os judeus nos países árabes? Quem salvaguarda os direitos das minorias nos países árabes? Que democracia existe nos países árabes?

20 de julho de 2018 às 23:02:00 WEST  

Publicar um comentário

<< Home