quarta-feira, junho 07, 2017

A IGREJA E OS PRESERVATIVOS NO UGANDA

Nomeado por Bento XVI para o conselho pontifício da justiça e da paz e por Francisco como primeiro prefeito para a promoção integral do desenvolvimento humano, o cardeal Peter Turksson diz, em entrevista ao «Sol» (https://sol.sapo.pt/artigo/566273/cardeal-peter-turkson-quando-o-uganda-recusa-preservativos-cortam-lhes-a-ajuda-externa), coisas como esta (a itálico):
(...) Veja o Uganda. Também já lá estive. Quando chega um carregamento de preservativos, o Uganda diz que não quer. E depois cortam-lhes a ajuda externa. Porque é que tem que ser assim? Porque é que uma coisa tem que depender da outra? Há um jogo internacional com África. A liberdade é um valor muito nobre de procurar, mas não para perder a moral pelo caminho. Aí, temos um problema. 
(...)

Pois claro que o vigário do Judeu Morto tem de dizer que «aí, temos um problema»... o que era bom para ele e afins era que a malta no Uganda continuasse a reproduzir-se como moscas e os Ocidentais a pagar o sustento de mais umas centenas de toneladas de africanos a cada geração... a cada «ninhada» sobrecarregavam-se os pagamentos dos impostos europeus e norte-americanos... E se depois uma parte colossal de toda essa gente africana precisasse de imigrar em massa para a Europa, lá estaria a Igreja na primeira fila dos que exigiriam a abertura das fronteiras europeias à imigração, isso para além de ser «bonito» daria imenso jeito para ajudar a encher as igrejas que na Europa Ocidental se esvaziam...
Com estas e muitas outras se percebe o papel que a Igreja anda a desempenhar em África na sua alegada ajuda aos mais necessitados - mais merda em catadupa para lixar a Europa. 

3 Comments:

Anonymous Manuel d´Orey said...

Há muitas ONG´s por aí...
Definam-se prioridades na luta contra a pobreza e a fome nos países de 3º Mundo, tendo como meta principal a melhoria de condições de vida dessas populações, sem que a solução passe forçosamente por um êxodo sem sustentabilidade causador de mais problemas.
Tão simples quanto isso!

7 de junho de 2017 às 08:47:00 WEST  
Blogger Afonso de Portugal said...

Ideia muito bonita mas geralmente impraticável. Desde logo, porque o objectivo das ONGs não é apenas melhorar as condições de vida dessas populações, mas sim fomentar a adesão dessas populações a certas causas. No caso das organizações católicas, por exemplo, o objectivo é claramente a perpetuação da influência cristão em África. Outras organizações pretendem fomentar a imigração africana para a Europa, como ilustra o caso recente das ONGs italianas que estão a ir buscar refugiados à costa da Líbia justificando-se com a necessidade de os salvar dos naufrágios.

Quanto ao êxodo, a população africana não tem parado de crescer e as projecções da ONU apontam para 2 mil a 2,5 mil milhões de habitantes em 2050. Ou seja, o dobro dos 1,25 mil milhões actuais! Tendo em conta que o sonho de muitos africanos é emigrar para a Europa, a caridadezinha irresponsável a que temos assistido apenas agravará os nossos problemas!...

7 de junho de 2017 às 20:53:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

A Africa corre risco de ter problemas com execesso de gente! Estima-se que o numero de africanos possa chegar a 4 bilhoes.


https://www.terra.com.br/noticias/mundo/africa-fara-com-que-populacao-mundial-supere-10-bilhoes-neste-seculo,d387da55f9834f8c36566384e5dca210h5uvRCRD.html

8 de junho de 2017 às 18:55:00 WEST  

Enviar um comentário

<< Home