terça-feira, outubro 15, 2019

LITUÂNIA - SOCIEDADE DE PESQUISADORES RELIGIOSOS CONDENA ACTUAÇÃO DE BASTIDORES TENDENCIOSA DA IGREJA CONTRA O RECONHECIMENTO ESTATAL DA RELIGIÃO NACIONAL PAGÃ


A Sociedade Lituana de Pesquisadores Religiosos dirigiu uma carta ao Presidente da República da Lituânia Gitan Nauseda, Presidente do Seimas [Parlamento Nacional] Viktor Pranckiej, Membros do Seimas, Primeiro Ministro Saulius Skvernelis, Ministro da Justiça Elvin Jankevičius, expressando a sua posição .
Consideram que a decisão do Seimas de não conceder o estatuto de religião à Romuva é tendenciosa e discriminatória.
Na Martes, 25 de Junho, após a audiência, o Seimas votou para conceder reconhecimento de estado à Romuva, mas, na véspera da votação, sob pressão da liderança da Igreja Católica, o Seima mudou de ideia.
26 de Junho O Arcebispo Gintaras Grušas, Presidente da Conferência Episcopal da Lituânia, numa carta dirigida aos membros da Seimas, argumentou que não se deveria conceder reconhecimento estatal à antiga comunidade religiosa do Báltico, Romuva. No mesmo dia, todas as declarações feitas pelo bispo numa carta aos membros do Seimas foram condenadas pela Krivia [Suprema-Sacerdotisa da Romuva] Inija Trinkūnienė.
De acordo com a Sociedade Lituana de Pesquisadores Religiosos, ao contrário do que foi declarado no e-mail do arcebispo Gintaras Grušas, presidente da Conferência Episcopal da Lituânia, a Romuva cumpre claramente o mandato de 25 anos desde que os seus fundadores foram registados em 1992. Segundo os estudiosos religiosos, ao contrário do que o arcebispo afirma, houve toda a oportunidade de avaliar a lei e a integridade do ensino e dos ritos dessa comunidade religiosa, uma vez que estão consagrados nos estatutos e são praticados publicamente por décadas. "Aqui provavelmente estamos a ver um caso em que a estrutura de uma religião está a ser normalizada, tentando-se impor isso como medida para medir outras religiões", afirma a carta.
"Lamentamos que tais argumentos infundados tenham sido apresentados aos membros do Seimas no mesmo dia em que tomariam uma decisão sobre o reconhecimento da Romuva, presumivelmente para evitar serem considerados e avaliados pelos seus méritos, a fim de influenciar a autoridade da Igreja Católica".

Publicamos a seguir o texto completo divulgado pela Sociedade Lituana de Pesquisadores Religiosos:

Posição da Directoria do LRD sobre a recusa do Estado de conceder o estatuto de associação religiosa à Romuva
Presidente da República da Lituânia Gitan Nauseda Presidente do Seimas Viktoras Pranckis 
Membros do Seimas Primeiro Ministro Saulius Skvernel e Ministro da Justiça Elvin Jankevicius

2019 27 de Setembro .

2019 27 de Junho Quando o Seimas da República da Lituânia decide não conceder o estatuto de associação religiosa reconhecida pelo Estado à antiga Sociedade Religiosa do Báltico Romuva, a Sociedade Lituana de Pesquisa Religiosa manifesta a sua preocupação e a implementação do princípio da separação religiosa. 
2017 29 de Dezembro O Ministério da Justiça da República da Lituânia concluiu que a Romuva cumpre os requisitos da Lei das Comunidades e Associações Religiosas da República da Lituânia (I-1057, de 4 de Outubro de 1995 (versão consolidada actual em 5 de Janeiro de 2010)) A conclusão apresentada pelo Ministério da Justiça baseia-se numa análise de requisitos legais relevantes, pesquisa em Romuva e no paganismo moderno em geral, e um levantamento de uma opinião pública representativa encomendada especificamente pelo Ministério. O Seimas adoptou uma decisão desfavorável à comunidade.
Reconhecendo o interesse legítimo dos cidadãos de várias visões do mundo em participar da vida do Estado e tomar decisões com base nele, eventos antes e durante a consideração desta questão de reconhecimento do Estado revelaram claramente os princípios legais da Lituânia e a decisão dos membros de Seimas. Paradoxalmente, a decisão positiva de conceder o estatuto de associação religiosa reconhecida pelo Estado à Romuva foi fortemente contestada por ex e actuais membros do Comité de Direitos Humanos da Seimas. Enquanto as Nações Unidas conversam sobre a aplicação de um conceito abrangente de direitos humanos, a Lituânia está retornando à conclusão de que o direito à liberdade religiosa pertence apenas a alguns dos eleitos. É razoável acreditar que a decisão da Seimas da República da Lituânia de discriminar a Romuva como comunidade religiosa e seus membros foi amplamente determinada por argumentos tendenciosos de vários grupos sociais com base em supostas terminologias científicas e jurídicas.
O papel desempenhado pela Romuva no ano de 2019 foi particularmente importante. 
27 de Junho - Foi enviado um e-mail aos membros da Seimas da Conferência Episcopal da Lituânia, Arcebispo G. Grušas, que alegadamente continham argumentos científicos e legais que justificavam a recusa de tomar uma decisão negativa sobre Romuva. Depois de ler este artigo, como pesquisador de religiões, observamos que (os comentários abaixo são sobre os escritos do arcebispo):
Escolher um nome é uma questão de auto-determinação. Um título não é necessariamente uma mera declaração de factos, da mesma forma pode ser uma declaração de objectivos. Romuva procura restabelecer a fé ancestral (no sentido amplo, no Báltico) e, nesse sentido, o seu nome é claro e não enganoso, não apenas em termos legais, mas também em geral. Ao mesmo tempo, deve-se notar que, no aspecto de conceder o estatuto de uma associação religiosa reconhecida pelo Estado, a aspiração da Romuva em restaurar a antiga fé do Báltico é irrelevante; De acordo com a Lei sobre Comunidades e Associações Religiosas da República da Lituânia, o Estado reconhece, não religiões, mas religiões como pilar da sociedade, cujos ensinamentos e ritos não violam a lei e a integridade.
A carta do arcebispo afirma que a comunidade religiosa de Romuva existe na Lituânia há menos de 25 anos, exigidos por lei. Este argumento não tem fundamento, uma vez que antes de a lei ser adoptada em 1995, na Lituânia não havia nenhum conceito legal de associação religiosa, mas a lei previa que o Estado pudesse reconhecer associações religiosas que estavam em operação legal após 1918. Note-se também que em 1992 a comunidade Romuva registada de Vilnius foi um dos fundadores da antiga Sociedade Religiosa do Báltico, Romuva, e hoje faz parte dessa comunidade, portanto, o requisito estatutário de 25 anos foi claramente atendido.
O arcebispo G. Grušas está errado ao dizer que a fé da Romuva não tem sido suficientemente baseada em doutrinas e que é supostamente impossível avaliar se o ensino e as ordenanças da comunidade estão de acordo com a lei e a integridade. Os princípios fundamentais da fé da Romuva estão consagrados nos estatutos desta comunidade religiosa, e a própria fé é praticada publicamente há décadas, portanto o Estado deve ter tido tempo para determinar a relação entre os seus ensinamentos e ritos e a lei e os padrões morais geralmente aceites. 
Quanto a dizer que a Romuva ainda não desenvolveu uma teologia abrangente, aqui provavelmente estamos vendo um caso em que a estrutura de uma religião está sendo normalizada, tentando impor isso como parâmetro para medir outras religiões.
Não está claro como o arcebispo G. Grušas gostaria de medir o apoio público a comunidades religiosas individuais - qual é a sua "pesquisa mais ampla" sem nome? As comunidades judaicas e muçulmanas tradicionais na Lituânia são claramente menos valorizadas nas pesquisas de opinião pública do que a Romuva, e essas comunidades religiosas (a esse respeito, Karaims podem ser adicionadas) também são numericamente menores. Se a Romuva não tem apoio público (no entanto, vamos usar a noção constitucional de "apoio na sociedade"), a pergunta retórica é: qual das comunidades religiosas reconhecidas pelo Estado tem esse apoio?
Lamentamos que tais argumentos infundados tenham sido apresentados aos membros da Seimas da República da Lituânia no mesmo dia em que tomariam uma decisão sobre o reconhecimento da "Romuva", provavelmente para evitar serem considerados e avaliados em termos de conteúdo.
Argumentos semelhantes foram apresentados a 28 de Junho pelo padre Secretário Geral da Conferência dos Bispos da Lituânia. Numa carta assinada por Kestutis Smilgevicius ao Ministério da Justiça da República da Lituânia, as conclusões são questionadas e apresentadas pelo Ministério como não científicas e tendenciosas. Membros da Sociedade Lituana de Cientistas Religiosos, incluindo a religiosidade contemporânea em geral, e estudiosos do paganismo contemporâneo e da Romuva especificamente, não consideram muitas questões relacionadas com os conceitos e sua interpretação devido à natureza e ao escopo do texto; este é o entendimento científico da comunidade religiosa. Além disso, a conclusão certamente pode ser descrita como tendenciosa ou apologética: por exemplo, ao contrário do que muitos membros de Romuva acreditam, é descrita como um novo movimento religioso formado durante o período moderno.
Os estudiosos religiosos lituanos ficam surpreendidos com o tom da carta, que apela à suposta objectividade científica, em que um grupo religioso procura "avaliar cientificamente" as conclusões tiradas por especialistas do Ministério da Justiça a partir de posições de poder. Também é digno de nota que a Conferência Episcopal da Lituânia não consultou nenhum dos académicos da Sociedade Lituana de Pesquisa Religiosa para consulta sobre a avaliação do estatuto religioso da Romuva no texto preparado por membros da própria Igreja Católica. Conceitos religiosos da comunidade académica, argumentos baseados na interpretação de pesquisas e conclusões, foram ignorados e, em vez disso, basearam-se apenas em conceitos centrados na abordagem cristã, aplicando incorrectamente os princípios legais estatutários, impedindo o exercício de direitos legais e disseminando teorias da conspiração e criando intolerância e tensão na sociedade. Esta é uma causa de séria preocupação para a Sociedade Lituana de Pesquisadores Religiosos, que reúne estudiosos de vários campos, nacionais e estrangeiros.
A negação do estatuto de reconhecimento do Estado à Comunidade Religiosa do Báltico Antigo é importante não apenas como um caso de violação dos direitos humanos por membros da comunidade religiosa, mas também como uma base para aumentar a desconfiança dos cidadãos quanto aos princípios legais do Estado e cumprir expectativas legítimas e direitos humanos. Portanto, recomendamos: 
 - basear a análise das religiões numa perspectiva científica, e não confessional, com base nos princípios de objectividade e imparcialidade;
 - aderir aos princípios do Estado de direito e da Democracia, respeito aos direitos humanos e à separação de Estado e Religião e às conclusões tiradas por especialistas ao tomar decisões sobre comunidades religiosas;
 - o período de 25 anos para auto-avaliação ou, de facto, o período de 25 anos sob a Lei de Comunidades e Associações Religiosas da República da Lituânia, buscando obter o estatuto de uma associação religiosa reconhecida pelo Estado, é ideal para determinar se os seus ensinamentos e cerimónias estão em conformidade com a lei e a integridade. Do ponto de vista científico, isto pode ser feito num período mais curto de tempo.
Membros do conselho da Sociedade Lituana de Pesquisadores Religiosos: 
Assoc. dr. Rasa Pranskevičiūtė-Amoson 
dr. Eglė Aleknaitė 
prof. dr. Milda Ališauskienė 
prof. habil. dr. (hp) Audrius Beinorius 
Assoc. dr. Dawn Pažėraitė
*
Fonte: http://alkas.lt/2019/09/27/lietuvos-religijotyrininkai-seimo-sprendimas-romuvai-nesuteikti-valstybes-pripazinimo-statuso-yra-diskriminacinis/?fbclid=IwAR2N5rCywM1P-6e8UUwDzqve8rgOJu6L0K_23_mbYWQQI7eRR7GSzZEbEPU#.XY5RS5TUU1I.facebook

* * *

Dois mil anos depois permanece a intolerância cristã, abraâmica, de sempre... nem os séculos de Renascença, humanismo, laicismo, nem depois de tudo isso a Chusma de Cristo - o grosso do clero, entenda-se... - deixa de ser o que não podia deixar de ser porque o próprio cerne da doutrina cristã, universalista e totalitário, implica o combate permanente a todo o culto religioso que não seja dedicado ao carpinteiro crucificado... um combate que amiúde se faz das maneiras mais reles e sujas, como de resto se fez sempre, desde as origens do Cristianismo, continuamente em plena subversão desonesta e traiçoeira contra todo o sistema que não lhe obedeça...
Uma saudação é devida aos lituanos que atendem ao chamado da lealdade aos Deuses Nacionais e espíritos ancestrais da sua herança étnica e não desistem de um direito que é mais seu do que de qualquer outro praticante religioso.


3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

https://zap.aeiou.pt/presidente-china-promete-quebrar-ossos-separatistas-285775

16 de outubro de 2019 às 09:51:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Com o PNR, a própria forma de Regime - República ou Monarquia - seria submetida a referendo.
A escolha seria dos portugueses, mas o meu voto iria para a Monarquia. - José Pinto Coelho
https://twitter.com/jpintocoelho60/status/1184410317905891328

E tu Caturo, como o líder do teu partido, também votarias pela monarquia? Se sim, que tipo de monarquia?

16 de outubro de 2019 às 21:36:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Votaria sem dúvida pela República. Eu celebro duplamente o 5 de Outubro (por 1143 e por 1910), como aqui digo todos os anos. Acho que a República é coerentemente mais democrática do que a Monarquia, porque todos os líderes devem poder ser eleitos e destituídos pelo povo.

16 de outubro de 2019 às 22:40:00 WEST  

Publicar um comentário

<< Home