domingo, maio 16, 2021

«QUEERS FOR PALESTINE»?...


Não sei se a foto é recente, mas facilmente o poderia ser...

Ora, 

- Israel é o país do Médio Oriente onde mais se defendem os direitos LGBT...

 - Israel só se defende dos ataques gratuitos do Hamas...

... e estes queers estão «pela Palestina», cuja autoridade nem reconhece direitos aos gays (e proíbe-os na Faixa de Gaza)?

Tirando a possibilidade de estes jovens manifestantes apreciarem o sado-maso e de, neste caso, terem fantasias sobre serem atirados do alto de edifícios, só mesmo o mais cego fanatismo ideológico pode produzir um cenário tão ridículo. Compreende-se: a Esquerda radical é o único sector ideológico que tem como bandeira política a defesa dos LGBT, e então os mais ingénuos ou pobrezinhos de entre os LGBT agradecem como podem, engolindo todo o entulho ideológico que a Esquerda representa, actuando como bons e bem-agradecidos lacaios...

sábado, maio 15, 2021

PODE O COVID-19 INSERIR-SE NO GENOMA HUMANO?

Os resultados da pesquisa dos cientistas do Instituto Whitehead em Massachusetts, EUA, confirmaram a hipótese de que as sequências do coronavírus poderiam ser copiadas e coladas no nosso genoma, segundo estudo publicado na revista PNAS.
Além de procurar fragmentos genéticos de coronavírus humano e observar sinais de que o vírus comandava ferramentas de transcrição, a equipa procurou evidências da existência de sequências do vírus realmente dentro do genoma humano. Para tal, os cientistas usaram três técnicas de sequenciamento de DNA.
Em cada caso, encontraram fragmentos de material genético do SARS-CoV-2 dentro da biblioteca genética de células intencionalmente infectadas, e o facto de os fragmentos terem sido inseridos de cabeça para baixo acrescenta peso ao argumento de que não foram inseridos deliberadamente por vírus vivos.
Em seguida, foi descoberto que o código genético possuía assinaturas de transposão, um gene de salto que desenvolveu um meio para sair do lugar e se inserir de volta noutra parte do genoma.
Alguns transposões conseguem fazer isso através do uso de enzimas roubadas de infecções virais passadas. As ferramentas que foram usadas uma vez pelo vírus para se inserirem dentro do hospedeiro, agora não servem para o dono, a não ser para própria sequência transponível.
Uma dessas classes de sequência, chamada de retrotransposão LINE1, compõe 17% de nosso genoma. Embora a maioria tenha perdido a capacidade de se mover, alguns estão suficientemente activos para ainda causar danos, o que pode abrir o acesso do SARS-CoV-2 ao nosso DNA.
"Há uma junção muito clara para a integração do LINE1. Na junção da sequência viral com o DNA celular, faz duplicação de 20 pares de base", disse Rudolf Jaenisch, pesquisador do estudo e biólogo no Instituto Whitehead.
No entanto, este trabalho foi feito em culturas de células infectadas em laboratório e não em hospedeiros humanos reais, o que gera dúvidas. Além disso, embora os fragmentos não sejam capazes de construir novas partículas infecciosas, não está claro se podem ser biologicamente activos de outras maneiras, seja para o bem ou para o mal.

*
Fonte: https://br.sputniknews.com/ciencia_tecnologia/2021051217505138-reveladas-evidencias-de-que-covid-19-pode-se-inserir-no-genoma-humano/?fbclid=IwAR3oSmwV1FYh-oP6JDlwh8bdQZfwbHFuDUIYDykg6oYfCETJBCXHI1k7cPc

sexta-feira, maio 14, 2021

O QUE ESTARÁ A SER FEITO A MUITAS CABECITAS PELA NOVA INQUISIÇÃO NOS MÉ(R)DIA...


Assim é a televisão usada como veículo mor de disseminação da «religião» da elite reinante, que é a Santa Madre Igreja do Anti-Racismo e Multiculturalismo dos Últimos Dias do Ocidente...

 

quinta-feira, maio 13, 2021

CULMINAÇÃO DA LEMÚRIA E PANTEÃO - MAIS ELEMENTOS SAGRADOS USURPADOS PELA CRISTANDADE


A Enciclopédia Católica define o Dia de Todos os Santos como uma festa em “honra a todos os santos, conhecidos e desconhecidos”. No fim do segundo século, professos cristãos começaram a honrar os que tinham sido martirizados por causa da sua fé e, achando que eles já estavam com Cristo no céu, oravam-lhes para que intercedessem a seu favor. A comemoração regular começou quando, em 13 de Maio de 609 ou 610 DC, o Papa Bonifácio IV dedicou o Panteão — o templo romano em honra de todos os Deuses — a Maria e a todos os mártires. 
(Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_de_Todos-os-Santos)

Deste então, diz outro verbete da Wikipedia, a festividade originou o Dia de Todos os Santos, que foi mais tarde movido para o primeiro de Novembro, eventualmente por influência céltica, porque havia na altura muitos monges irlandeses em Itália, e porque na Grã-Bretanha a população ainda celebrava o Samhain e a Igreja Católica queria abafar esta celebração pagã céltica.
De um modo ou doutro, a data da dedicatio Sanctae Mariae ad Martyres foi criada pela Igreja Católica Apostólica Romana para abafar a culminação da Lemúria, precisamente a 13 de Maio, festival pagão em honra dos Lémures, espíritos dos mortos que nesta altura do ano rondariam as casas. A intenção foi precisamente a de despaganizar a data, aliás, cristianizá-la, na tentativa de usurpar o espaço e a cultura à Paganidade. Duma só assentada, roubou-se/abafou-se uma celebração pagã e também um dos maiores edifícios da religião pagã romana, o Panteão, que era local de culto aos Deuses, incluindo Deuses celestiais, e ficou assim inutilizado para tal efeito com a colocação no seu interior de cadáveres de cristãos ditos «mártires». 




Idealmente, seria um dia recuperado - os cadáveres aí depositados seriam transladados e o local seria ritualmente purificado por actuais sacerdotes do Cultus Deorum, ou culto dos Deuses latinos. Não passa de um sonho, mas tudo o que se faz voluntariamente começa por aí - e se há dois mil anos dissessem a um comum cidadão de Roma que um credo originário da Judeia e praticado por escravos haveria um dia de ser a única religião autorizada em todo o Império Romano, o mais provável era que o romano se risse... 
Tudo se corrige, a seu tempo.

quarta-feira, maio 12, 2021

DIA DO DUENDE

 O Dia do Duende celebra-se a 13 de Maio.

A origem do dia do Duende é tão misteriosa como a criatura que lhe dá nome. Apesar de serem pequenos (são descritos como tendo entre 15 e 30 cm de altura), estes seres ganharam direito a um dia próprio com o passar dos anos, que se foi massificando graças à ação da internet.
Acredita-se que estes seres da mitologia europeia possuem potes de ouro que têm de ser dados a quem tem a sorte de encontrar um duende. Para encontrar um duende e o seu pote de ouro é preciso seguir o arco-íris. Segundo a lenda, o duende troca o seu pote de ouro pela sua liberdade.
Os duendes são descritos como seres minúsculos de cabeça em forma de cone, que atravessam paredes e que pregam partidas aos humanos, nas suas casas, partindo e mudando objectos de sítio. Na cultura popular são representados com a cor verde, com um chapéu e com um trevo de boa sorte na boca ou na roupa.
Uma sugestão para celebrar o dia do Duende é criar o próprio pote de ouro, começando a poupar dinheiro num frasco, que só deve ser aberto no Dia do Duende do ano seguinte. Também pode colocar um duende em boneco no jardim, ou dentro de casa, ou então usar uma peça de roupa com uma imagem de um duende.
*
Fonte: https://www.calendarr.com/portugal/dia-do-duende/

COMANDANTE MILITAR FRANCÊS: «GUERRA CIVIL RACIAL É INEVITÁVEL»

O comandante François * iniciou a sua carreira militar como soldado raso num regimento de pára-quedas. No total, fez 6 partidas de missão (OPEX). Depois de vários anos como GCP (comandante-pára-quedista), juntou-se à EMIA na Bretanha para se tornar oficial. Hoje, comanda uma companhia de infantaria de cerca de 150 soldados com patente correspondente a Major (código OTAN OF-3).
Encontrámo-nos com ele 3 vezes e gravámos quase 7 horas de discussão. Pudemos fazer-lhe as nossas perguntas e também as suas. Ele aceitou responder com honestidade e sem filtro. Este artigo é uma transcrição corrigida destas trocas registadas.
                                I) Sobre a carta dos generais

                                II) Sobre a "Grande Substituição"

                                III) Na Guerra Civil Francesa

Isenção de responsabilidade: Estes comentários não expressam as opiniões do Gallia Daily ou do Exército francês. 

I) NA CARTA DOS GERAIS
Gallia Daily: Mon Comandante, obrigado por nos receber. Para começar, pode-nos dizer porque é que acha que os generais sentiram a necessidade de escrever esta carta, e porquê agora especificamente?
Acredito que, de certa forma, os militares carregaram o fardo do silêncio por muito tempo. Temos o dever de reserva, de neutralidade. Não temos permissão para expressar a nossa opinião sobre a situação, mas isto não significa que não tenhamos uma opinião.
Diria mesmo que, ao contrário, um militar francês (e mais ainda um oficial) tem uma visão infinitamente mais clara e realista da situação do país do que muitos civis. Os militares vêem muito bem a inclinação que o nosso país está a percorrer. E a carta resume muito bem: caminhamos directamente para uma violenta desagregação do país. Qualquer militar honesto pode ver isto; mas nenhum militar pode dizer isto.
Quando se é o guardião de um país e se está encarregado de proteger a sua tranquilidade e o seu futuro, é uma verdadeira tortura não ter o direito de dar o alarme. Ao pedir-nos para ficarmos calados, a República pede para ficarmos calados como um pai que vê os seus filhos engolindo um veneno mortal... Faz alguns anos (algumas décadas) que os militares ficam calados, mas agora acho que era demais, "tinha que sair".

Porquê agora exactamente? É por causa de uma mudança profunda na sociedade que exigiria falar?
Boa pergunta. Acho que não. Creio que é precisamente porque tudo deve mudar, mas nada muda, que foi necessário falar. Estamos à beira do abismo e nada muda.

GD: O conteúdo desta carta parece-lhe muito alarmista? Extremista? Exagerado? O que acha da substância das suas palavras?
Numa palavra? Profético. Esta carta é fria e profética. E é por isso que é perturbadora. Esta é minha análise pessoal, mas acredito que a parte da carta onde os nossos Anciões [Anciens] falam sobre a "guerra que está a chegar" e os "milhares de vítimas" que se acumularão, é a mais impressionante. E a mais perturbadora.
Porque, de certa forma, esta carta convida-nos a saltar para o futuro, a formar esta visão: imagine a rua da sua aldeia ou vila, com carros queimados e capotados, um cheiro de cadáveres, um vizinho pendurado no poste ou morto no calçada, o seu rosto despedaçado. Imagine a sua praça transformada em campo de tendas da ONU para receber refugiados de guerra. Imagine a capela da sua aldeia transformada em depósito de armas, uma torre para um TP [atirador] ou um hospital improvisado... Imagine o parque onde os seus filhos brincam transformado em acantonamento para uma secção de combate em trânsito... Imagine as lágrimas da sua família, dos seus amigos, quando cada um terá que escolher o seu acampamento...
Esta carta não é apenas uma carta. É uma imagem mental do nosso futuro próximo, uma imagem da nossa pátria destruída pela guerra. E ninguém quer ter essa visão. Por isso, algumas pessoas juram destruir aqueles que, ao escrever esta carta, trouxeram essa visão para as suas vidas.
Esta carta é extrema? Acho que não. Pelo contrário, acho que é muito morna. Com todo o respeito aos nossos anciãos, parece-me que a idade os tornou gentis e sábios, talvez até demais. A situação é, acho, infinitamente mais séria do que os nossos Anciões demonstram.

GD: Sabe-se que esta carta foi escrita e assinada metade por militares aposentados e metade por oficiais da segunda secção e reservistas. Pode-se, portanto, perguntar-se se o conteúdo desta carta representa uma visão isolada de alguns soldados antigos, ou se essa visão é partilhada dentro do exército activo?
No meio militar, há quem não tenha opinião sobre nada e também não tenha opinião sobre esta carta. E há quem tenha opinião sobre tudo. Destes, eu diria que a grande maioria dos militares concorda com a afirmação desta carta. De soldados a sargentos e oficiais, acho que todos concordam.
Existem inevitavelmente debates sobre o fundo, alguns são mais radicais, outros menos, outros acham que foi desajeitado escrever uma carta pública. Mas, no geral, todos os soldados compartilham a observação de que a França está-se a desintegrar.
Não há pesquisa, terá então de acreditar na minha palavra. Mas, para dar um exemplo: discutimos muito esta carta com alguns dos meus ex-colegas da EMIA, e todos os meus colegas concordam com esta carta. Não 51% ou 60%. 100%. 100%... A mesma coisa na Cyr. O mesmo é verdade para a última turma de graduação em Saint Maix [escola NCO].
O que tento fazer-vos compreender é que quase todos os jovens quadros do nosso exército, os futuros sargentos, tenentes, coronéis e generais, sabem que França está certamente a desmoronar-se. Mas, acima de tudo, sabem que se encaminha para a guerra. Este é um assunto sobre o qual falamos muito livremente entre nós, sobre o qual falamos com frequência.
Poucos dias antes desta entrevista, eu estava no meu regimento e fui ao popote [refeitório] da minha empresa. A TV estava ligada e eles conversavam sobre a carta. Um jovem cabo da minha empresa ria e dizia ao sargento: "Porra, as nossas famílias acham que vamos lutar contra o [ISIL] no deserto, mas na verdade vamos acabar num VBCI [APC] nas Yvelines, a batalha das nossas vidas vai ser a batalha da França...". É anedótico, mas acho que representa bem o sentimento de grande parte dos soldados franceses: a batalha da nossa vida, será a batalha da França...  
Você encontrará certamente pessoas, soldados e oficiais que discordam desta carta. Num exército de 300.000 homens, é estatisticamente óbvio. Mas eu repito o meu ponto: para a grande maioria dos soldados dos nossos exércitos, a questão do declínio de França nem sequer se põe em causa. O declínio do nosso país é óbvio para quase todos nós.

GD: Os generais que assinaram esta carta são influentes e ouvidos? Têm ascendente ou influência sobre os soldados franceses?
Não, absolutamente não. A maioria dos militares já é incapaz de nomear o comandante do seu corpo ou chefe BOI... Os militares não conhecem a maioria dos generais e oficiais que assinaram esta carta. Isto faz sentido e tudo bem.
Como eu disse, o objectivo desta carta certamente não é um apelo à acção dirigido aos soldados. Excepto por alguns parlamentares desonestos, acho que ninguém acredita nisso. Esta carta é um apelo à ação dirigido aos políticos. É também um apelo à sensibilização dirigido ao Povo Francês.  
A partir daí, o estatuto desses generais não importa de qualquer maneira. Não importa se são respeitáveis, respeitados, influentes, conhecedores dos média... Em todo o caso, a sua vocação não é actuar, e acredito que nunca foi.
O seu papel era escrever, e eles escreveram. Eles foram os mensageiros de uma mensagem importante e urgente. Hoje, toda a gente tem como alvo o mensageiro. Procuram puni-los, fazer com que sejam demitidos, procuram os seus antecedentes... Ou pelo contrário, algumas pessoas começam a esperar que estes generais ajam, que façam alguma coisa, esperam alegremente que o exército aja...
Ambas as posições são bobas. Concentram-se no mensageiro, num caso com ódio e no outro com esperança. Mas, em ambos os casos, essas posições obscurecem o principal: o que importa aqui é a mensagem que nos é dirigida. O resto não tem importância.

GD: Então não acha que os signatários estejan a preparar "algo"?
Como eu disse, ninguém no exército acredita por um segundo que esses generais farão alguma coisa. Ninguém. E não acho que os próprios generais tenham planeado fazer nada.
Por isso digo-o tanto aos "preocupados republicanos anti-militaristas" como aos "entusiastas providencialistas cesaristas": não esperem nada destes generais, não esperem nada do exército em geral. Nada vai acontecer deste lado. Esta carta foi um alerta, nada mais, não há conspiração de militares patrióticos que, na sombra, preparem um golpe para salvar a França.
Vi na lista de perguntas que me enviaram dos seus leitores americanos que muitos se referem ao movimento Qanon. Não sou especialista em política doméstica americana, mas, pelo que entendo, o movimento Qanon é um movimento de americanos conspiradores que acreditam que, em face de uma elite internacional malévola, haveria uma elite oculta e positiva à cabeça dos nossos países que agiria nas sombras em nome do povo, por assim dizer.
Independentemente de saber se esta teoria é verdadeira ou falsa, considero todas as teorias que encorajam a passividade como prejudiciais. Se amanhã um boato tentar fazer acreditar que há pessoas do seu lado que vão libertar o país e mudar as coisas enquanto você está sentado no sofá, então é mentira.
Digo isto aos Franceses e à maioria dos outros Povos: não há nenhum grupo nas sombras a trabalhar para defender os seus interesses; não há conspiração de generais, bilionários ou políticos para mudar as coisas em nome do povo. Não existe tal coisa.
Se amanhã alguns generais lhe disserem: "fica em casa, nós temos o controle, nós cuidamos de tudo, em breve o país estará livre", estão a mentir-lhe. Faça exactamente o oposto do que eles dizem, aja, não seja passivo. A liberdade é necessariamente activa, a passividade é escravidão. O homem passivo está sempre sujeito à vontade dos homens que agem.

GD: Então, de acordo consigo, os generais ou o exército não têm nenhum papel a desempenhar?
Não é exactamente isso que estou a dizer. Na minha opinião, o exército, as figuras carismáticas, os movimentos, contentam-se em acompanhar e estruturar a grande dinâmica antropológica.
É muito provável que um dia, por uma razão ou outra, a população francesa comece a mover-se por motivos mais ou menos claros. E é muito provável que naquele momento, uma vez aberta a janela da oportunidade, o exército aproveite e coloque todo o seu peso de um lado ou do outro.
Mas eu sinceramente duvido que o exército possa ter qualquer papel de liderança. Não mais então do que agora. O exército terá um papel a desempenhar, talvez até um papel decisivo. Mas você não deve esperar nada do exército, você não deve esperar nada desses generais no momento.
Sei que é difícil esperar, gostaríamos de pensar que, nalgum lugar, velhos sábios e paternais cuidariam de nós. Mas, por enquanto, esses soldados que assinaram a carta cumpriram o seu papel: falaram em nome dos soldados activos, alertaram os Franceses. O seu papel termina aí. Agora a bola está do lado dos Franceses. O actor principal do próximo acto não será o exército, será o Povo Francês. Será você. O exército mais poderoso da França é você, uma coligação de 67 milhões de civis.


II) SOBRE A "GRANDE SUBSTITUIÇÃO"

GD: Na sua carta, os generais mencionam sem entusiasmo o problema da imigração, da ilegalidade e do agressivo anti-racismo de uma parte da Esquerda. O que acha desta análise?
A sua análise é muito precisa e muito errada, porque é fragmentada. É correcta no sentido de que os problemas citados [Islão, imigração, anti-racismo] representam uma ameaça. Mas é errada no sentido de que os generais não identificaram o que está ameaçado no final.
O que está ameaçado não são os “nossos valores republicanos”, ou as nossas leis, ou o nosso sistema parlamentar, ou o nosso “viver juntos”. O que está ameaçado é a França. É direito dos Franceses ter um território para morar. Ou reformular em termos certamente polémicos, mas mais precisos: o que está ameaçado a médio e longo prazo é o Francês Nativo.
As ameaças de que falam os generais são as expressões muito concretas de uma mudança absolutamente sem precedentes na história do nosso país: uma Nação forte e dominadora, invicta e invencível, cansa-se do seu estatuto avassalador e decide inventar problemas para se manter ocupada. Assim, rapidamente se encontra fragilizada e levada a sentir-se culpada a ponto de cometer suicídio demográfico. A França não está sob ataque, não está morrendo morta por um inimigo mais forte. Está a cometer suicídio.
Mas o carácter suicida da nossa situação actual não tira a responsabilidade das elites ou das populações recém-chegadas. Alguém que bate nas costas de um homem merece a corda. Quem bate num homem já no chão merece a corda. As elites e os lobbies são culpados de trair e golpear a França nas costas; as populações colonizadoras são culpadas de espancar um país que já está no chão.
É este debate que deveria estar no centro da arena pública, e é este debate tabu que não é evocado pelos generais: o da tensão racial que está a começar e que chegará a um pico paroxístico.
A questão que se coloca no século 21 é a de saber se os franceses nativos ainda terão um país no final do século. Isto é tudo. Todos os outros debates são convoluções para falar sobre esse assunto sem dar a impressão de o estar a fazer.

GD: No Gallia Daily, tentamos criar uma definição simplista da teoria da "Grande Substituição" reivindicada pela Extrema-Direita.
“Grande Reposição: a ideia de que, desde a fundação da França, os habitantes do final de um século sempre foram os descendentes dos habitantes do início daquele século; um equilíbrio demográfico que mudará ao longo do século XXI, os habitantes do ano de 2099 não sendo, para muitos, os descendentes daqueles que viveram na França em 2000, 1900, 1800... "
O que acha desta teoria de acordo com esta definição?
Esta definição tem o mérito de ser simples e exaustiva. Mas, desculpe, é absolutamente inútil. O que descreve é ​​obviamente óbvio. Não há necessidade de uma definição de 100 palavras para perceber isso... Simplesmente chamar «teoria» a essa observação é absurdo. Não é uma teoria, a substituição demográfica é uma observação empírica básica.
Pode-se ficar feliz com isso, deplorá-lo, querer acelerar, desacelerar, administrar, parar, reverter... Não importa no final. Este facto existe, todas as estatísticas o mostram: já não tenho em mente os números da anemia falciforme [nota: 40% dos nascimentos não europeus em 2016], mas são, ao que me parece, uma prova inegável de que a etnia, a estrutura do nosso país, está a mudar. Os bebés que habitam nas nossas maternidades não são os bisnetos dos franceses do século XVI. Quem ousa dizer o contrário é negacionista.
Na verdade, todos sabem que a reposição demográfica é uma realidade. Quem nega a existência desse fenómeno também tem consciência disso; se o negam, é apenas para prolongá-lo. Quem diz que “não existe o grande substituto” está a dizer, na verdade, “Eu sei que existe, quero que continue, por isso preciso de negar que existe para não chocar e despertar a população”.
Pode imaginar que, se amanhã os parlamentares do LFI [partido de Extrema-Esquerda] dissessem "Nós somos os candidatos da Grande Substituição, o facto de os Franceses nativos estarem a desaparecer é uma chance para o nosso país!" ficaria ruim. No entanto, é exactamente a sua linha política. Um parlamentar da LFI sabe muito bem que os franceses étnicos existem e que estão a desaparecer.
A negação da realidade é, portanto, sempre um meio para eles protegerem o status quo, ou seja, para prolongarem a extinção do nosso Povo.

GD: Então, para si, a "Grande Substituição" é uma realidade?Isso é óbvio, não importa como se lhe chame. O facto é que um casal francês que dá à luz um filho em 2021 deve estar ciente de que essa criança crescerá num país onde estará em minoria, onde as tensões raciais serão exacerbadas. Não estou a dizer "amanhã a criança estará em minoria", estou a dizer "os nossos filhos já estão condenados a ser minoria em casa". Sei disso melhor porque tenho 4 filhos.
Um militar tem sorte de poder voltar para casa à noite e tirar o Haix e o Felin [uniformes]. Podemos tirar o nosso uniforme e viver uma vida normal, afinal. Os nossos filhos não terão tanta sorte, usarão os seus uniformes por toda a vida: a sua pele branca é o seu uniforme nesta guerra atroz que já está a ser travada contra eles, uma guerra que aumentará de intensidade. Espero que os pais que estão a ler isto saibam disso: o mundo que conhecem não mais existirá para os seus filhos. Não mais existirá. O mundo deles é o Brasil misturado com o Líbano, não os Trente Glorieuses ou os desenhos animados de Gullie [Idade do Ouro de França, década de 1970].
Portanto, sim, não é só o fenómeno da mudança demográfica que é uma realidade. Mas é até mesmo a principal divisão política no país. No final, todos se estão a estruturar em torno desse tema ou dos seus satélites. A Esquerda constata que 400.000 imigrantes por ano não é suficiente, que [40%] dos nascimentos africanos não é suficiente. A Direita acha que é um pouco demais, mas que se Mokhtar se chamar [Pierre], se convertesse ao ateísmo LGBT e tivesse o seu bilhete de identidade francês, tudo seria melhor para o nosso país. No momento, estes debates são infantis e hipócritas. Mas a discussão tornar-se-á mais tensa e radical à medida que os Franceses entenderem que não se trata apenas de um debate teórico, quando entendem que é a vida deles, como indivíduos e como Povo, que está em jogo.

GD: Acha que os Franceses entendem a gravidade da situação do seu país? Pode dar a sua visão da França em 5 anos? 10 anos? 20 anos? Acha que as coisas vão piorar ou está optimista?
Os Franceses entendem a gravidade da situação? Absolutamente não. Quero dizer. Tenho muito respeito pelos civis e sei que alguns deles entendem muito bem o que está a acontecer, porque sofrem com isso todos os dias. Mas, sinceramente, a maioria dos Franceses não entende nada do que está a acontecer.
Os Franceses vivem com tranquilidade, não entendem que no dia a dia suas elites negociam o seu futuro. O bloco de Esquerda está a tentar obter o apagamento total dos brancos para satisfazer a sua necessidade doentia de perdão e o seu sentimento de injustiça ferida. E o bloco de Direita tenta negociar os termos da rendição, com base no “sim, os brancos são apenas uma minoria entre outros que devem ser protegidos até certo ponto, por favor”.
Para os dois blocos, como eu disse, a evidência já lá está: a França desapareceu, os Franceses nativos são vestígios. A única diferença é que, por um lado, querem demolir os vestígios definitivamente e, por outro, querem colocá-los num museu.
As várias forças de elite do nosso país assinaram o Pacto Molotov-Ribentrop 2.0. Se se lembra, esse pacto foi um acordo secreto entre russos e alemães para dividir a Polónia. Apesar do pacto, os Polacos continuaram a levar uma vida normal, sem suspeitar que o seu destino já estava selado.
É exactamente a situação actual dos Franceses: eles ainda têm a ilusão de viver num país mais ou menos normal, de ter uma vida normal. Porque a inércia do sistema anterior e da era anterior permite manter as formas. Por mais algum tempo. Mas, na realidade, o destino dos Franceses nativos já está liquidado. Se você é de Esquerda ou de Direita, se você me lê, saiba que em todos os casos o cenário do filme já está escrito, e você não faz parte do casting.
E para usar a metáfora histórica, acredite em mim, mesmo que eu simpatize com o sofrimento dos Polacos e sua história ferida, invejo infinitamente o seu destino em comparação com o que aguarda os Franceses: as tropas alemãs tinham muito mais respeito pelos polacos que ocuparam, do que as elites francesas têm pelo seu país, o país que estão a trair.
No momento, a situação em França está-se a sustentar de maneira bastante artificial. Tudo parece muito sólido. O sistema republicano ainda está o colocar os formulários. Mas é uma República Potemkin, com instituições de gesso, como um velho cenário de faroeste. É um castelo de cartas. Só vai demorar um pouco (e esse pouco vai acontecer), para completar definitivamente a mudança para uma França pós-francesa. Uma França onde os franceses nativos serão uma maioria minoritária, depois uma maioria a ser fuzilada, a seguir uma minoria a ser combatida, a seguir uma minoria a ser fuzilada, depois uma minoria fuzilada. Em seguida, uma minoria desaparecida.
Não estou a falar sobre um cenário de ficção científica. Estou a falar sobre a França em 2050, o país em que os seus filhos viverão quando tiverem 25 anos. Em 2050, este será o ano em que o seu filho terá o primeiro filho. Esta criança nascerá na França onde mais de 65% das outras crianças serão de origem africana. Esta é uma dinâmica inevitável, porque a demografia é inevitável e os instintos tribais ou raciais que a demografia desperta são violentos.
Então, estou optimista? No longo prazo, sim. No curto a médio prazo, não. Os militares dizem que "o suor poupa o sangue". Ou seja, há que enfrentar todas as situações com antecedência, nos treinos, para poder avançar depois sem perdas.
"O suor poupa sangue", os Franceses recusaram-se durante vários anos a enfrentar o problema de forma verdadeira e definitiva, para que tenham o sangue.

GD: Então, na sua opinião, os generais estão certos em apontar que a situação actual vai piorar até, talvez, levar a uma guerra?
A "guerra" de que estamos a falar pode assumir um milhão de formas diferentes. Pode durar 4 dias, 4 semanas, 4 décadas ou 4 séculos... Mas com certeza vai acontecer. E isso é lógico. Podemos ser movidos por ela, mas não nos podemos surpreender com ela.
Como mencionei antes, a situação em França pode ser resumida facilmente: há um primeiro Povo (os franceses nativos) que, sob o impulso de uma elite de traidores, está em luta pelo poder demográfico com populações estrangeiras para obter o o controle do território e a iniciativa política nas instituições do país. A natureza abomina o vácuo, mas também abomina o transbordamento. Dois reis não podem sentar-se no mesmo trono. No início, esse equilíbrio de poder entre Franceses e estrangeiros permaneceu puramente demográfico (isto é, matemático, passivo). Mas com o passar do tempo, foi-se tornando cultural, com cada população tentando fazer valer a sua (sub) cultura e/ou religião.
Hoje este equilíbrio de poder está a mudar para a arena política, esta é a fase crucial, a penúltima fase. Quando a política não resolver o problema, entraremos na fase militar.
Digo "Quando a política falhar em resolver o problema" no tempo futuro, porque acredite em mim, a política irá falhar. Vejam a Jugoslávia, o Líbano, a África do Sul, a Palestina... A fase política necessariamente deixará de pacificar a situação, porque no final da fase política, não importa que acordo seja alcançado, haverá inevitavelmente um lado que se sentirá prejudicado: ou a minoria-maioria, decepcionada por não obter mais poder; ou a minoria maioritária, furiosa por ter sido despojada.
Se um lado ganha, o outro perde e vice-versa. Portanto, a guerra impor-se-á naturalmente como a única possibilidade para o perdedor conseguir o que deseja. Pois a guerra é apenas a extensão da política por outros meios, como Clausewitz disse melhor do que eu.

GD: Na carta, os generais pedem acção para evitar esta guerra. Quanto tempo acha que temos antes que seja tarde demais para reagir? Qual é a janela de tempo de oportunidade para agir?
A janela de tempo era 1990-2000. Já passou. Agora é muito tarde. Uns falam em “Remigração”, outros sonham em “inverter os fluxos migratórios”... A verdade que ninguém se atreve a afirmar é que já não podemos lidar com o problema de forma pacífica.
A massa estranha no nosso solo está profundamente implantada; as ideias malucas de culpa estão profundamente enraizadas no cérebro do nosso Povo abusado. É muito tarde. Muito tarde. Eu tinha 5 anos quando já era tarde demais para agir contra a corrente. A nossa situação actual é apenas a extensão lógica dessas escolhas (ou não escolhas). Hoje é tarde demais para fazer as escolhas que deveríamos ter feito há 30 anos.
Portanto, a questão já não é "como podemos agir para evitar a desagregação do país / a divisão / a partição / a guerra civil?". A única pergunta é: "Quando virá essa separação e como vamos triunfar?"
Devo ressaltar que esta é a minha maior discordância com os generais: eles acham que a guerra civil deve ser evitada. Eu não, como a grande maioria dos meus colegas soldados.
Se houvesse uma maneira de evitar a guerra e de resolver o problema pacificamente, sem concessões, é claro que a apoiaria. Mas eu expliquei porque é que, a meu ver, a solução já não pode ter uma solução pacífica [muitos, por muito tempo, com a ajuda de muitos 'traidores'].
A partir daí, querer evitar a todo o custo a guerra civil, ainda que não haja solução pacífica, é de facto uma capitulação a priori. Quer dizer, vamos pedir ao Povo Francês que se submeta às exigências do outro lado para tentar satisfazer os nossos adversários e evitar a guerra...
Ao contrário do que os seus leitores anglo-saxões possam pensar, nenhum francês pode aceitar capitular sem lutar. O traidor é pior do que o inimigo, e o covarde é pior do que o traidor. O covarde é a criatura mais sórdida que Deus poderia ter colocado nesta terra. A covardia é a inclinação mais terrível da alma, é aquela que, diante do ardor da tarefa e da brutalidade da vida, faz os homens caírem antes mesmo da luta.
Os Franceses, aqueles que permanecem franceses, não são covardes. Eu não sou covarde. A minha esposa não é covarde. Os nossos filhos não são covardes. Os meus homens não são covardes. Os meus líderes não são covardes.
Os generais que escreveram esta carta também não são covardes, são utópicos e pensam que os debates no Palais Bourbon [Parlamento] podem magicamente tirar-nos do impasse. Isso não é verdade. E eu sei que eles sabem disso, ou que logo entenderão.
Portanto, não apenas não devemos tentar evitar a guerra civil, mas, ironicamente, é bastante virtuoso que ela aconteça. De contrário, significaria que os Franceses abandonaram definitivamente todos os ideais e aceitaram capitular para preservar a paz, mesmo que isso signifique gozar dessa paz como escravos.
Mas é um tolo quem está pronto para sacrificar a sua liberdade como oferta na esperança de uma paz doce e tranquila. Só vai conseguir o desprezo dos olhos que o olham, o golpe da mão que o alimenta e a saliva da boca que o montou.
A liberdade não pode ser negociada, o nosso genocídio não merece ser "arranjado" ou "adaptado". Os Franceses têm o direito inalienável e exclusivo sobre as terras dos seus ancestrais e, enquanto carregarem essa certeza como uma chama nos seus corações, serão invencíveis.


III) SOBRE A GUERRA CIVIL EM FRANÇA

GD: Então está convencido de que haverá um conflito violento em França. Alguns falam de "guerra civil", outros de "guerra racial". Aonde fica você?
Acho que o termo "guerra civil" é muito problemático. Certamente cobre parte do problema, já que o francês étnico necessariamente se opõe a outros franceses étnicos, por exemplo, da Esquerda para a Direita. Mas este termo confunde os limites, uma vez que este conflito, quando ocorrer, não verá apenas os franceses étnicos opostos uns aos outros. Como já expliquei longamente, serão também e acima de tudo forças de combate estrangeiras ao nosso país, independentemente de terem ou não nacionalidade francesa. Estou a pensar, é claro, principalmente nas comunidades originárias de África e estabelecidas no nosso território. Sendo assim, não é apropriado falar em "guerra civil" quando um povo se levanta e luta contra o invasor.
O termo "guerra racial" é inapropriado pelas mesmas razões. Primeiro, porque se concentra no aspecto racial (ou étnico) do conflito. Este termo implica que os brancos estarão todos unidos contra os negros, que estarão todos unidos contra os brancos. Este termo ignora as dimensões tribais, religiosas e culturais. Do lado das forças estrangeiras, malianos e congoleses provavelmente não se darão bem... Nem os marroquinos e os argelinos... E, inversamente, este termo implica que todos os "brancos" estarão unidos na luta, o que é outra imbecilidade: as populações turcas, cabilas ou judias às vezes são consideradas "brancas", mas essas pessoas ainda são estrangeiras em França e na Europa ... Da mesma forma, dentro dos franceses nativos, veremos lutas internas, lutas entre facções, entre nativos Francês de Esquerda e de Direita, da Extrema-Direita e da Direita, entre o francês religioso e o secular, etc. etc..
Nenhum dos dois termos me convém. A guerra que conheceremos será a meio caminho entre essas duas coisas. Mas se eu tivesse que escolher, escolheria chamar-lhe "guerra racial" pela simples razão de que, como disse antes, o objectivo da guerra desse conflito será o controle do território por uma "raça" (a do Francês) ou outra (de estrangeiros). É realmente um conflito tribal, de dois grupos pelo controle de um território. É a própria definição de uma guerra racial, com ambos os grupos lutando pelos seus respectivos interesses como população.  
Mas, tendo dito isso, se eu forçar a reflexão ainda mais, acho que não devemos falar de "guerra" de forma alguma. Uso esta palavra para facilitar. Mas, por si só, não enfrentaremos uma guerra no sentido em que a entendemos. Não encontraremos 100.000 soldados com tanques e helicópteros de cada lado. Estaremos em algo extremamente assimétrico, para-Estado, informativo. Isto não significa que o combate físico seja excluído. Mas as novas guerras, da 4ª ou 5ª geração como dizem, deixam muito menos importância ao controle físico do território, ou seja, à guerra no sentido tradicional.
Hoje, o controle físico parece ser uma condição sine qua non para garantir a sua posição, mas não é o que ganha a guerra. A guerra será vencida noutro lugar que não na linha de frente, mesmo que a superioridade militar seja uma necessidade. Para ser mais claro: parece-me óbvio que os franceses nativos irão de facto controlar a grande maioria do território, com uma facilidade desconcertante. Mas isto não significa que a guerra será ganha... Neste tipo de guerra, é preciso controlar o território, mas a vitória obtém-se de outra forma: mobilizando a sua população e a opinião internacional para encontrar a legitimidade para retirar definitivamente a pedra do sapato, para purgar as suas instituições e normalizar o seu novo regime, estabelecendo vínculos com países estrangeiros.
O grande desafio será este, e não é um desafio militar. O desafio militar será vencido em alguns dias. Se o exército tivesse carta branca, todo o país seria "libertado" em dez dias. Se o exército tivesse as mãos livres, todo o país e suas instituições seriam expurgados num mês. Literalmente. É necessária uma companhia de infantaria para manter uma zona proibida; são necessários 15 marinheiros para tripular um navio contentor; são necessários apenas 3 juízes para julgar mil traidores. Esta grande limpeza histórica seria muito fácil de montar, mesmo que se apegue às formas da legalidade. A dificuldade está noutro lugar.
A questão que se colocará é de facto a seguinte: até onde está a população francesa disposta a ir para garantir a sua sobrevivência e o futuro dos seus filhos? É aqui que o País será dividido, entre quem está pronto para tudo e quem quer impor limites mais ou menos rígidos. É este debate que prolongará o conflito.  

GD: Em termos concretos, então, se este conflito ocorresse em solo francês, podemos tentar imaginar como seria, exactamente?
É um exercício difícil, mas que fazemos regularmente com alguns dos meus camaradas e subordinados. Desde os ataques de 2016, formamos um grupo de previsão pequeno, amigável e informal sobre este tópico. O nosso objectivo é tentar usar o nosso histórico militar e adaptar as nossas ferramentas analíticas à situação francesa para ver que cenários seriam realistas. Sei que outros oficiais de outros regimentos estão a fazer a mesma coisa e sempre que possível compartilhamos o RETEX [debriefing], procuramos trocar nossas conclusões e reflexões.
Sinceramente, é difícil imaginar como seria este conflito. As possibilidades são infinitas: consoante este conflito comece agora ou daqui a 20 anos, dependendo do alinhamento geopolítico, das intervenções de outros países, da situação económica do país nessa altura, da resposta da UE... Este é um conjunto de parâmetros que são bastante incompreensíveis de dominar e, em qualquer caso, são suposições. Um único erro pode mudar todo o cenário... Isto sem mencionar o facto de que é possível que os Franceses adormeçam e desapareçam sem guerra alguma.
Mas depois de mais de 5 anos de reflexão sobre o assunto, chegamos ao cenário que consideramos mais realista, pelo menos do nosso ponto de vista. Experimentámo-lo na forma de um jogo de guerra acelerado, ao longo de uma dúzia de horas, com uma equipa azul, uma equipa vermelha e observadores. A parte "militar" deste cenário (a própria guerra) não interessa, pois é pura especulação. Mas, por outro lado, a parte anterior, o "desencadeamento", parece-me importante partilhar. Tentarei resumir os nossos pensamentos de maneira simples. Então, como começa tudo?

FASE 1 : DESENCADEAMENTO - motins por todo o país 
No nosso cenário, a França está no meio de um período eleitoral, o debate está feroz e copiando a recente eleição americana, as tensões raciais estão no auge, o sentimento anti-policial também. Uma fiscalização policial degenera, as imagens são veiculadas em redes sociais como o SnapChat, várias cidades revoltam-se, políticos de Esquerda estimulam indirectamente tensões nos seus meios de comunicação, organizando manifestações, convocando colégios e universitários para bloquearem as suas escolas.
A situação degenera em motim de âmbito nacional, os centros das cidades são palco de motins e exações, as infra-estruturas (autocarros, metro, eléctrico, circulares) são regularmente bloqueadas, reduzindo os fluxos económicos.
Grupos de civis organizam-se para se defenderem dos desordeiros.
Nota: reconhecerá aqui um cenário muito semelhante ao que os EUA experimentaram em 2020-2021... No entanto, é um cenário que foi escrito e reproduzido em Novembro de 2018... Os leitores franceses poderão reconhecer aqui elementos bastante semelhante ao que foi imaginado por muitos autores de ficção também.

FASE 2 : TRANSIÇÃO - instabilidade política 
Por fim, no nosso cenário, após várias semanas e muitas mortes, diante da pressão internacional, a calma volta. Mas a situação nunca mais é a mesma. A violência deixou a sua marca no país, como um trauma na escala da sociedade, a linha vermelha está definitivamente traçada no chão entre os dois lados. Os grupos de auto-defesa formados por cidadãos durante os distúrbios continuam a existir informalmente e a fortalecer-se e a organizar-se, pois todos têm a sensação de que esses eventos podem acontecer novamente...
Como resultado desses distúrbios, a situação política é extremamente complicada, com pelo menos três campos distintos:
 - 
o "Bloco de Esquerda": representando as minorias raciais, aqueles que querem que os distúrbios sejam apenas um começo para derrubar o antigo sistema e ir ainda mais longe; usam esse argumento para exigir reformas com um discurso que consiste em dizer "vocês viram do que somos capazes, se não nos derem o que queremos, vai começar de novo";
 - 
o "Bloco Central", que representa o status quo, cuja linha política consiste essencialmente em dizer "nunca mais", em promover ainda mais a doutrina da diversidade "viver todos juntos", em falar em renovar o 'contracto social', em acalmar a situação... o objectivo declarado é evitar um novo conflito;
 - 
o “Bloco de Direita”: que reúne os franceses mais radicais, que clamam por não ceder aos desordeiros ou à Esquerda, que tenta liderar os grupos de autodefesa.

No cenário que estudamos, é nesta fase que se desenvolverá a essência do nosso futuro. É aqui que os patriotas terão o papel mais crucial a desempenhar, primeiro para ganhar o máximo de influência dentro do próprio bloco de Direita, para garantir que a narrativa principal seja belicosa e militarista. Em segundo lugar, para garantir que dentro do jogo político mais amplo, o bloco de Direita seja o mais forte, o mais empreendedor, o mais preparado.

FASE 3 : GUERRA OU NÃO? - Três caminhos possíveis 
Neste momento, nesta fase de transição política, está tudo suspenso, a bola pode cair dos dois lados. Neste ponto do cenário, as opiniões dentro do nosso grupo de trabalho divergiram em 3 grupos:
 - 
SEM GUERRA: Aqueles que pensam que o bloco de Direita está a perder influência para o bloco central e que a situação está-se a normalizar, sem grandes conflitos. A França torna-se num país comunitário de facto, onde os franceses nativos são uma comunidade entre outras.
 - 
SEPARAÇÃO DE FACTO: Quem pensa que o bloco de Direita acabará por ganhar peso suficiente para decidir unilateralmente o seu próprio destino e se separar dos outros dois, no sentido político. Ou seja, criar uma organização estatal paralela de facto, com os seus fundos de solidariedade, a sua polícia baseada em grupos de auto-defesa, as suas instituições... A França ainda existiria como Estado unitário, mas de facto parte da população seria francesa e membro desta criação sui generis.  
 - 
GUERRA TOTAL: Aqueles que pensam que a situação é insolúvel entre os três lados e que a situação acabará por degenerar em guerra aberta, no verdadeiro sentido da palavra, envolvendo combate militar. O exército é então dividido em 3 partes: (a) uma parte deserta com o seu equipamento para o bloco de Esquerda ou para gangues armadas nos subúrbios. (b) Uma parte permanece leal ao bloco central, que representa o Estado legal com apoio internacional. (c) Uma parte significativa juntou-se ao bloco de Direita e juntou-se aos grupos civis de auto-defesa. O resultado desta guerra é impossível de prever. Mas o aspecto fundamental está na escolha que o Bloco Central fará: ou acabar por ingressar no Bloco da Esquerda ou no Bloco da Direita. Como o Bloco de Centro é o dos legalistas, a mobilização do Bloco de Centro para um dos outros dois vai legitimar e "legalizar" a luta deste bloco.
_____
Repito que este é um cenário entre outros, milhares de coisas diferentes podem acontecer, os resultados também são incertos. Mas não importa, o que importa nesta pequena apresentação é entender a estrutura do nosso raciocínio para o accionamento: serão 3 fases.
Primeiro, a fase de motins ou quase guerra.  
Depois, 
a fase de transição.
Por fim, a fase final, que corresponde ou a um apaziguamento definitivo, ou a uma solução política do apartheid, ou a uma guerra total.    
Em todos os cenários que estudámos nos últimos 5 anos, encontrámos sempre estas diferentes fases e este modelo particular: motins ultra-violentos, uma fase de transição, uma fase final. É a fase de transição a mais crucial neste padrão, porque é durante esta fase que tudo se desenrola.

GD: Então você parece ter pensado sobre o problema. Também afirma que outros militares têm pensamentos semelhantes. Há um boato entre a Extrema-Direita de que o governo ou o Estado-Maior tem uma "Operação RONCES" em andamento, um plano para assumir as zonas proibidas em caso de guerra ou tumultos. Sabe se esse plano existe?
Isso existe. Isso é uma certeza. Não estou a dizer que o CEMA (Estado-Maior) tem uma caixa com um arquivo detalhado da "Operação Ronces" [Ronces significa amora]. Mas é óbvio que o Estado-Maior Geral pensou sobre essas questões, que o Elysée [Gabinete Presidencial] pensou sobre essas questões. Os nossos líderes podem ser hipócritas, mas não são ignorantes. A rede de inteligência francesa é muito eficiente. Os autarcas [governadores], sucessivos ministros e presidentes estão cientes de absolutamente tudo o que está a acontecer. Sabem muito bem que a situação de guerra de que estamos a falar é realista. Necessariamente já se prepararam, não importa qual seja o nome desse plano ou a forma que ele assumirá.  
Pode-se imaginar que se 30 ou mais oficiais e sargentos podem pensar sobre essas questões, como os meus camaradas e eu fizemos, então o comando também pensa. Acho que eles não estão a pensar apenas informalmente, mas acho que estão a pensar nisso formalmente e semanalmente. Esta é a opinião da maioria dos polícias com quem falo sobre estas coisas também. Não há dúvida nas suas mentes de que os nossos líderes são muito menos ingénuos e francos do que se possa imaginar.

GD: Se o conflito do qual está a falar estoirar, o exército será o único a lutar? Imagina que os civis se poderiam juntar à luta? Bandos errantes, voluntários civis, sobreviventes isolados? Acha que voluntários estrangeiros ou expatriados franceses se poderiam juntar à luta?
Acho que, na imaginação das pessoas, uma guerra envolve necessariamente centenas de milhares de soldados. Na minha opinião, estaremos muito longe disso no caso francês. O número total de combatentes reais (soldados profissionais) provavelmente estará bem abaixo de 100.000. Mas a isso devem ser adicionados civis armados.
Por um lado, gangues criminosas ou políticas, desorganizadas, que provavelmente representarão o maior número de civis armados. E, do outro lado, civis armados e isolados. Ou civis organizados nos grupos de auto-defesa de que estava a falar. Estes grupos serão provavelmente apoiados directamente pelo exército, ou organizados por ex-polícias e soldados, talvez no modelo do SAS na Argélia Francesa, ou seja, por exemplo, um soldado profissional a supervisionar 7 a 10 'auxiliares' civis em determinado território. Os civis terão então a oportunidade de ajudar o exército regular, pelo menos para manter o território.
O Survivalism [preppers] também é um assunto complicado, existem tantos survivalism quanto existem survivalists... É um meio com os seus códigos, mas onde as pessoas são bastante livres nas suas opiniões. É difícil imaginar qual poderia ser o seu papel como comunidade. Mas não acho exagero dizer que a maioria dos sobreviventes tem uma forte inclinação patriótica e que é provável que um pequeno número deles se possa juntar ou criar os chamados grupos de vigilantes.  
No que diz respeito aos voluntários europeus ou expatriados, sou pessoalmente muito favorável à criação de unidades estrangeiras supervisionadas por franceses em caso de conflito. É um desafio logístico, jurídico e humano. Mas, pelo que vi ao estudar outros conflitos, seria um esforço que valeria a pena.
Então, sim, sou totalmente a favor de receber voluntários estrangeiros. Mas também estou bastante lúcido, isto afectará um número muito pequeno de pessoas. Não vejo porque é que milhares de alemães, americanos ou espanhóis iriam absolutamente querer morrer em combate na França. Da mesma forma, não vejo porque é que expatriados franceses no exterior, que fizeram a difícil escolha de deixar o seu país, decidiriam voltar num momento em que este país é provavelmente o mais insuportável...

GD: Você falou muito sobre voluntários estrangeiros que poderiam juntar-se ao acampamento dos patriotas franceses. Mas e quanto a possíveis voluntários e mercenários estrangeiros? Intervenções do Estado? Da NATO ou da UE?
Isso foi o que mencionei antes, é muito difícil imaginar quais serão as reacções estrangeiras a um conflito em França. Se todos os países estão a enfrentar conflitos semelhantes, pode-se imaginar que poucas pessoas se importarão com a França. Tudo vai depender da situação naquele momento.
Mas parece-me óbvio que, se a França estiver sob controle de uma agitação interna e outros países tiverem os meios, tentarão tirar vantagem da situação francesa. E todos eles terão interesses diferentes, interesses em apoiar lados diferentes.
Quanto aos voluntários estrangeiros que vêm para se juntar às minorias raciais, acho que esse fenómeno existirá de facto. Mas quanto aos patriotas, acho que ficarão muito isolados. Não consigo imaginar milhares de argelinos ou senegaleses a entrar num barco e a cruzar os mares para ter a honra de desembarcar num país dilacerado pela guerra. Para falar a verdade, acho que veremos o fenómeno oposto, ou seja, as minorias raciais a fugir do território nacional nas garras da luta.

GD: Considerando que está certo e que uma guerra civil é de facto esperada na França, em que janela de tempo vê tal conflito? Na sua opinião, a recente crise de saúde em torno da COVID-19 pode agravar a situação ou contribuir para a guerra?
O intervalo de tempo parece-me muito difícil de avaliar, prefiro não arriscar. Mas digamos que será necessariamente durante a nossa vida. A tensão não me parece suficientemente importante para imaginar um conflito antes de 2030. E se nada acontecer até 2050, provavelmente é tarde demais e a situação está definitivamente perdida. Isso deixa-nos com 10 anos para nos prepararmos para essa janela de 20 anos.
Em relação à situação de saúde, este é obviamente um evento muito significativo que certamente ajudará a alimentar o fogo. Não é impossível que um movimento nacional-populista semelhante aos Coletes Amarelos apareça já no final de 2021 ou durante 2022. Isto parece-me bastante realista e os nossos amigos do Police Nationale podem confirmar que estes cenários são levados a sério no momento. 
No entanto, duvido que tal movimento possa levar a uma mudança na situação. Ainda assim, esses eventos são sempre historicamente importantes porque contribuem para o divórcio entre os Franceses e sua elite política.

GD: Uma palavra para concluir?
Um conselho: não perca as esperanças.
Nada está perdido ainda, tudo está apenas a começar. Seja activo, seja lúcido, seja honesto, seja intransigente, tenha orgulho de ser francês, tenha certeza da sua legitimidade nesta terra. É seu dever.
Mantenha a cabeça fria, não caia nas armadilhas eleitorais ou na falsa polémica dos televisores, na falsa oposição. Não sucumba às tentações fáceis, não se deixe convencer de que será fácil, que só terá de esperar, que outros farão o trabalho por si...
O Povo Francês enfrenta um desafio heróico: desafiar os rumos da História e impor de novo a soberania do Povo no centro de todas as coisas. O desafio de relembrar o que é o Povo: uma linhagem milenar a ser protegida como um tesouro, não uma massa de indivíduos fungíveis e corruptíveis.
É um desafio absolutamente colossal, o de responder à pergunta feita desde 1945, e à qual nos recusámos a responder até agora: " Um Povo tem direito a ter uma Nação que está ao seu serviço exclusivo?" 
Os tristes acontecimentos da Segunda Guerra Mundial quiseram oferecer uma resposta negativa a esta pergunta. Hoje, tudo nos leva a dar uma resposta positiva. Em qualquer caso, é uma questão que deve ser respondida. E a resposta será definitiva, totalmente definitiva.
E a História decidiu que serão os Franceses os primeiros a responder a esta pergunta... Porque seremos os primeiros a ser confrontados com este questionamento existencial, o de escolher ser ou não ser um Povo.
Acho que qualquer nação estremeceria de medo com tal desafio. Qualquer nação estremeceria antes mesmo de entrar na arena. Outras nações tremeriam de medo: o medo de ficar sozinhas contra todos, de ser mal avaliadas, não amadas, mal vistas... Mas a França é diferente, não temos medo da solidão, não temos medo de lutar um contra dez. Toda a nossa história nos preparou para cumprir essa tarefa, cumprir esse papel, ser o Povo por meio do qual ocorrem as mudanças de paradigma.
Portanto, não se desespere. Como disse este cabo da minha unidade: “a luta da nossa vida é a Batalha da França”. Estas palavras são duras e assustadoras, eu sei. Você tem o direito de estar triste, você tem o direito de estar com raiva, você tem até o direito de estar com medo. É normal, o tempo escolheu-o para uma tarefa difícil; provavelmente gostaria de um pouco de sossego... Mas seja feliz, porque você é a geração em que um ciclo terminará e outro começará. Estas coisas acontecem apenas uma vez na História. E não só acontecerá na sua vida, mas você terá um papel a desempenhar.
Prepare-se, eduque-se, treine-se, enrijeça-se, aprenda habilidades, case-se com alguém, eduque bem os seus filhos, cuide dos seus amigos, aja para ser exemplo para os mais fracos e aja para seguir o exemplo dos mais fortes.
O seu sangue ferve com poder, génio, glória e honra. E não há maior honra para um homem ou uma mulher do que defender o seu sangue defendendo o seu território. Seja forte, seja orgulhoso, seja francês.

*
Fontes: 
https://elucubrativo.blogspot.com/2021/05/a-guerra-civil-e-inevitavel-declarou-o.html?fbclid=IwAR0bgtRaOmahiSRFPWpQsiKhCxLUh4rCA8FvPIvuyDQLQyfVdsxO1GgLizc
https://telegra.ph/civil-war-is-inevitable-says-a-french-officer-05-08

* * *

É sintomático que este bélico e valoroso comandante, que tem coragem para propor tudo e mais alguma coisa, não tenha, ou não queira ter, frontalidade para dizer donde vem o complexo de culpa que refere mais de uma vez... pelo que diz, parece que surgiu de repente porque o País se cansou de se expandir ou algo assim, que não corno de sentido. Talvez não lhe apeteça falar do universalismo reinante no seio das elites, que é aí que reside o problema, e não no seio do povo. Se o povo estivesse tão ignorante e adormecido como este militar diz, não daria cada vez mais votos ao Nacionalismo, isto contra todas as expectativas determinadas pelo poder económico e me(r)diático dos imigracionistas...
Quanto ao resto, logo se vê.

NEVA NA SERRA DA ESTRELA E NÃO SÓ...

Neva em Maio na Serra da Estrela? Sim, agora neva: https://www.facebook.com/beirabaixatv/photos/pcb.4491241894239062/4491231370906781

Enquanto isso, a Inglaterra regista o seu Maio mais frio desde que começou a registar temperaturas, ou seja, desde 1659, como aqui se poder ler: https://electroverse.net/england-on-for-its-coldest-may-since-records-began-back-in-1659/?fbclid=IwAR3da5ss7-3TjYwod5evRnyDKeMOwICee-Zc1H61dbSfYWEGstYdqMkjyYs

Não havia neve na velha Albion desde 1979.

Isto do alegado aquecimento global é complicadíssimo... não faltarão ditos cientistas a garantir que esta descida das temperaturas é ela própria consequência do aquecimento global. Ou seja, quando há mais calor, algo sempre noticiado pelos mé(r)dia, «este é o mês mais quente desde sempre em tal parte», pois quando isto acontece, é prova de que está em curso um aquecimento do planeta; quando há mais frio, idem...

NA TERRA DO BRANCO «RACISTA» É QUE É BOM, OOPS!, QUER-SE DIZER, MAU...


 

terça-feira, maio 11, 2021

REFLORESCIMENTO DA RELIGIÃO NACIONAL NO CENTRO DA LATINIDADE

Celebração da Florália, festival em honra de Flora, realizada algures em Itália pela Comunidade do Povo Romano.
*
Fonte: https://www.facebook.com/CommunitasPopuliRomani/photos/1948705928615696

ESCOLA VIVE NO TERROR EM ZONA DE CIGANOS

Numa região de transição entre o Norte e o Sul, encontra-se Ponte de Sor. A cidade que está a aproximadamente 62 quilómetros de Portalegre, pertencendo ao distrito homónimo, já esteve nas bocas do mundo pelas mais variadas razões. No entanto, é o clima vivido na escola secundária do agrupamento que mais preocupa os encarregados de educação – que temem a frequência do estabelecimento por parte dos filhos, os alunos – que revelam não aprender nas condições ideais e os professores – que dizem ter medo de dar aulas. No entanto, o director do Agrupamento de Escolas de Ponte de Sor, Manuel Andrade, garante que a escola tem “problemas e dificuldades como todas as escolas têm”.
“Os professores perderam completamente a autoridade”
Jorge (nome fictício) é pai de Santiago (nome fictício), um adolescente de 17 anos, e assevera que quem destabiliza o ambiente da escola são “indivíduos que gritam, fazem aquilo que querem e os auxiliares de educação têm medo”. Segundo o encarregado de educação, estes alunos “estão habituados à impunidade” e tal leva a que “muitas coisas fiquem abafadas e não sejam comunicadas às autoridades”.
O progenitor avança que tem conhecimento de que os professores se queixam à direcção e nada acontece, sendo que “perderam completamente a autoridade naquela escola”. A título de exemplo, um dos docentes já terá sido rodeado por um grupo de estudantes que queriam agredi-lo. Para Jorge, “a escola tem de ser um lugar seguro” e tal não se verifica na Escola Secundária de Ponte de Sor, onde “há alcoolismo e consumo de estupefacientes”. Mas, como “as escolas vivem de estatísticas e os professores até são obrigados a passar os alunos de ano”, as crianças e os jovens problemáticos continuam a ter os mesmos comportamentos.
Numa missiva de 23 páginas enviada ao i, Manuel Andrade, presidente do Agrupamento de Escolas de Ponte de Sor, começa por esclarecer que “no que diz respeito a estupefacientes é de referir que o Agrupamento tem procedimentos articulados com os elementos da Escola Segura”, adicionando que “neste domínio sempre que tal se justifica são interpelados alguns alunos e realizadas acções de sensibilização e dissuasão com a presença de brigadas da GNR com cães”, sendo que “até este momento não foi detectada a presença de nenhuma substância”.
Porém, confirma a existência de “influências e interacções que se estabelecem à volta das escolas, onde circulam adolescentes”. Por outro lado, o tenente-coronel João Fonseca, chefe da divisão de comunicação e relações públicas da GNR, explicita que “relativamente a situações relacionadas com o tráfico de produtos estupefacientes e/ou posse de armas”, as secções de Prevenção Criminal e Policiamento Comunitário (SPC) e os militares do posto territorial de Ponte de Sor “têm incidido o seu policiamento junto à escola bem como nas suas imediações, principalmente nos horários dos intervalos lectivos, tendo sido remetidas ao Ministério Público as denúncias referentes a este tipo de situações de que a Guarda tem conhecimento”.
“O facilitismo é o aspecto mais gritante. Aqueles que estudam e se portam bem olham para os pares que fazem o inverso e veem que não há consequências. Sentem-se desiludidos e desvalorizados, assim como indignados”, denuncia Jorge, que encara este panorama como “desgastante para os estudantes que se portam como deve ser”. “Estamos a criar pessoas irresponsáveis que, quando iniciarem a sua vida profissional, vão acabar por estar habituadas a ouvir ‘Sim’ a tudo e uma das grandes preocupações que tenho, enquanto pai, é que a palavra ‘Não’ deve ser ouvida”, confessa, rematando que “se calhar o Ministério da Educação não exerce o seu poder”.
“Há pessoas a entrar no mundo do crime enquanto deviam estar a estudar. A educação deve combater a escalada da criminalidade”, declara, admitindo que se sente extremamente assustado e desconfortável por saber “que os alunos andam com navalhas”.
Recorde-se que, a 18 de Setembro de 2018, nesta mesma escola, um aluno, de 16 anos, foi esfaqueado por um colega, de 18. À época, o Comando Territorial de Portalegre da GNR elucidou que “o alerta foi dado cerca das 10h30 pouco depois de o aluno ter sido agredido com uma arma branca, uma faca, por um colega mais velho na zona da perna e da nádega”, sendo que a agressão ocorreu “no interior da escola, no decorrer de um intervalo”. A vítima foi assistida no local e depois transportada pelo INEM para o hospital de Abrantes, em Santarém.
“Relativamente ao uso de ‘navalhas’ durante este ano lectivo, foi identificada uma aluna com a posse de um pequeno canivete. A escola, na presença desta situação, abriu o respectivo procedimento disciplinar tendo suspendido a aluna”, diz Manuel Andrade, informando que “no decurso do procedimento disciplinar apurou-se que a aluna tinha na sua posse esse objecto a pedido da própria mãe para que esta se defendesse do padrasto se tal fosse necessário”, acrescentando que “neste momento, esta aluna encontra-se institucionalizada numa instituição de acolhimento de crianças e jovens em risco” e assumindo que “para além deste caso não há referência a outros semelhantes”.
Todavia, não é este o panorama que dois professores descrevem ao i. O primeiro, Nuno (nome fictício), revela que “há alunos com uma navalha no bolso e mostram-na a quem quiser ver”, realçando que “quem controla o acesso às escolas tem medo” e “quem poderia fazer algo seria a GNR com uma rusga, mas não o faz”.
Para o docente que, tal como a maioria das fontes entrevistadas para a realização do artigo, não quer que a sua identidade seja revelada por medo de represálias, “os pais não têm o mínimo interesse nestas situações”, pois “são chamados às escolas e não fazem nada” e “uma das mães faz tráfico de droga, bebe, tudo aquilo que a CCPJ devia colmatar”.
“Já verifiquei que existem três ou quatro alunos com navalhas. Já tive alguns que me diziam quem assaltava casas e carros e como o faziam. Um deles foi apanhado em flagrante porque ia roubar a pistola de um GNR que estava dentro de um carro”, conta Pedro (nome fictício), outro docente.
O i contactou a Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Protecção das Crianças e Jovens (CPCJ), que reencaminhou o pedido de contacto à CPCJ de Ponte de Sor. Contudo, até à data de fecho desta edição, o i não obteve qualquer resposta.
“Os pais e encarregados de educação devem ter um papel sensibilizador junto dos alunos para estas problemáticas”, assim como a Associação de Pais que “deveria sensibilizar os encarregados de educação para que estas situações se evitassem”, explica Manuel Andrade, adiantando que, a seu ver, “se algumas destas situações acontecem é porque algo na educação dos alunos falhou ou está a falhar antes da escola”.
Tentativa de violação de uma aluna
“Num dia em que faltei, disseram-me que um deles tentou violar uma rapariga. No primeiro dia, falou-se disso e depois, nunca mais se tocou no assunto”, lembra Santiago, filho de Jorge, enquanto Sara (nome fictício), também estudante da escola, frisa que “uns três rapazes começaram a apalpá-la, tinham os genitais de fora”. Os professores dizem ter ouvido rumores, mas não confirmam a concretização do alegado crime no interior da escola.
“Eu não faço a mínima ideia daquilo que está a acontecer, de nenhuma situação menos regular. As situações de violação e porte de armas estão reportadas à GNR, à CCPJ, à Câmara Municipal e ao Ministério Público. Segundo sei, está uma investigação em curso. Também estão a decorrer processos tutelares e disciplinares educativos”, afirma, por sua vez, Raquel Freitas, presidente da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de Ponte de Sor.
Confrontado com esta informação, Manuel Andrade declara que “é importante esclarecer que, depois de apurados os factos que estiveram na origem desta situação, conclui-se que o que estava em causa era uma suposta brincadeira entre um pequeno grupo de alunos que, no corredor da escola, se desafiam no sentido de saber quem era capaz de puxar as calças/fato de treino para baixo aos colegas”, sendo que “numa dessas situações foram puxadas as calças a uma aluna”, “não tendo havido nada mais do que esta situação”.
Ainda assim, deixa claro que a estudante em causa comunicou aquilo que aconteceu à direcção da escola e foram tomadas “as devidas medidas”. “Reitero que foi apenas isto que aconteceu, não tendo resultado daqui nenhuma outra situação mais grave. Depois deste episódio que aconteceu em Novembro, não temos conhecimento de mais nenhuma situação semelhante. Para além dos assistentes operacionais que estão permanentemente de serviço aos blocos onde decorrem as aulas, foi mobilizado um Assistente Operacional que circula no meio dos alunos enquanto está a decorrer o intervalo”, deslinda, opondo-se ao tenente-coronel João Fonseca que, ao i, expõe que “a Guarda Nacional Republicana confirma o registo de uma denúncia relativa a uma tentativa de violação a uma aluna da Escola Secundária de Ponte de Sor”, finalizando que “foram efectuadas as diligências policiais necessárias, tendo os factos sido remetidos para o Ministério Público”.
Mas os supostos crimes não ficam por aqui. De acordo com Santiago, alguns alunos mandavam mensagens à sua namorada e pediu-lhes que parassem. “Entretanto, não me disseram mais nada, mas se ela for sozinha para a escola, mandam bocas e assobiam”, lamenta, criticando também o facto de que, no início do ano lectivo, uma rapariga terá sido “apalpada por um deles e pediu que parassem”, enquanto outra aluna terá sido agredida. “Se eu pudesse, sem qualquer dúvida, mudaria de escola”, evidencia.
“São tantas coisas que é difícil contar. As miúdas são apalpadas e violentadas nos corredores e ninguém faz nada. Há situações que, todos os dias, acabam por nos desgastar. A direcção aconselha-nos que aguentemos e isso parece-nos ridículo”, desabafa Mariana (nome fictício), encarregada de educação de Sara, jovem que partilha a crença de que “toda a gente tem medo”, na medida em que “é uma escola que tinha tudo para dar certo”, mas os estudantes sentem-se amedrontados por um grupo de alunos que dominam o sistema escolar. “Sou assediada constantemente. Não tenho muito como me defender. Quanto mais conversa damos, mais sarilhos há”, clarifica.
“A associação de pais devia ser um parceiro da escola”
Raquel Freitas não sabe se o clima de medo ainda está instaurado na escola, contudo, no início do ano lectivo que está em vigor, o mesmo existia quer na instituição quer nas suas imediações. “A maioria dos pais reporta as situações à escola e não às entidades competentes. Houve um conselho de segurança, promovido pelo município, onde as várias entidades presentes apresentaram propostas de solução e sei que a Escola Segura tem uma presença mais habitual nas imediações”, aclara, indo ao encontro das declarações, neste âmbito, de Manuel Andrade e do porta-voz da GNR.
“Ao nível da escola, para além de processos disciplinares, não tenho conhecimento de mais nada. Quando a associação de pais coloca questões à direcção do agrupamento obtém respostas. Há situações que me chegaram por portas travessas, porque os pais falam uns com os outros”, desvenda a dirigente, especificando que aqueles que serão jovens delinquentes “estão identificados, têm determinadas problemáticas, são seguidos, a maioria chega a processo tutelar educativo e a escola tenta tomar medidas”, mas existe um impedimento.
Quando a CCPJ tenta actuar, “as famílias não dão autorização para prosseguir e os casos vão para tribunal” e, “a partir daí, entra em segredo de justiça”. Na óptica da advogada de profissão, “as atitudes mais violentas alastram a outros alunos para além destes identificados pela escola” e, por esta e outras razões, “a associação de pais devia ser um parceiro da escola, uma ponte entre escola e encarregados de educação, mas não está a acontecer isso nem de uma parte nem de outra”.
“Entendo que estas matérias são sensíveis para serem usadas como arremesso ou como qualquer motivação política num ano que vai ser marcado por disputas ao nível das eleições autárquicas”, continua Manuel Andrade, aludindo à ligação do marido de Raquel Freitas ao PSD.
“Estas situações já foram apresentadas algumas vezes pela Senhora Presidente da Associação de pais, no entanto nunca foram apresentados nomes de pessoas envolvidas nestas situações. Qualquer entidade envolvida no processo educativo tem a responsabilidade de indicar de forma clara o nome das pessoas envolvidas nesses possíveis consumos ou tráficos”, sublinha o director para quem o ambiente da escola “globalmente é tranquilo, possibilitando que cumpra a missão educativa que tem prevista”, apesar de existirem “alguns problemas pontuais que surgem entre os alunos”.
Neste contexto, dá ênfase ao facto deste ser o único agrupamento de escolas da região e, por isso, receber alunos das mais variadas classes sociais e etnias, “todos os que aqui residem” e tal “pode significar que neste universo de cerca de 900 alunos possa haver alguns casos mais problemáticos para os quais são necessárias medidas adequadas e enquadradas nas nossas ações TEIP”, isto é, o Programa Territórios Educativos de Intervenção Prioritária.
De acordo com informação disponibilizada no site oficial da Direcção-Geral da Educação, o programa anteriormente mencionado trata-se de “uma iniciativa governamental, implementada atualmente em 136 agrupamentos de escolas/escolas não agrupadas que se localizam em territórios económica e socialmente desfavorecidos, marcados pela pobreza e exclusão social, onde a violência, a indisciplina, o abandono e o insucesso escolar mais se manifestam” e, assim, são “objectivos centrais do programa a prevenção e redução do abandono escolar precoce e do absentismo, a redução da indisciplina e a promoção do sucesso educativo de todos os alunos”.
“No sentido de garantir as melhores condições para o funcionamento das actividades lectivas nas escolas deste agrupamento”, segundo Manuel Andrade, terão sido contratados “os recursos que parecem mais adequados para dar resposta a estas solicitações”, ou seja, uma psicóloga, uma técnica de intervenção local, uma animadora sócio-cultural e uma educadora.
“Penso que a intervenção destas técnicas tem sido muito positiva no sentido de ajudar a resolver alguns problemas de aprendizagem e de comportamento de alguns alunos que se nos revelam mais problemáticos”, manifesta.
“A GNR é chamada e não faz nada”
Questionada pelo i acerca do panorama geral vivido na escola secundária, a GNR não esconde que “tem estado particularmente atenta à situação descrita, havendo alguns jovens devidamente referenciados por acções fora da escola que poderão interferir com a vida escolar, estando a Guarda sempre atenta e a dar resposta às ocorrências de que tem conhecimento relativas à escola”, destacando que “acresce informar que a GNR, no decorrer das acções de sensibilização realizadas pelos militares da SPC, em sala de aula, tem encontrado um ambiente de calma e respeito por parte dos alunos”.
João Fonseca explica que estas acções “visam não só a pro-actividade junto do estabelecimento de ensino, de forma a aproximar os militares e a comunidade escolar, como também assegurar a coordenação do cumprimento das diretivas e orientações relativas à prevenção criminal, policiamento de proximidade e segurança comunitária, em ações coordenadas de patrulhamento, fiscalização e sensibilização com as patrulhas realizadas pelo posto territorial, de forma flexível, e promovendo assim a visibilidade e segurança pública na área em apreço”.
Santiago e Sara têm uma perspetiva distinta. A cada dia, dizem deparar com “alunos que entram nas salas, andam por lá a dizer asneiras e voltam a sair”. A rapariga confidencia “que a direcção devia fazer o seu trabalho, fazer com que estivéssemos seguros numa escola”, até porque “a GNR é chamada e não faz nada”.
Já assisti a brigas em que os pais e alunos viram-se contra a GNR. Eles não respeitam ninguém. Nunca vejo o director da escola presente em nenhuma situação. Cada vez fica pior”, constata a adolescente que segue a mesma linha de pensamento de Santiago. “Estes alunos andam sempre em grupo, intimidam as pessoas, provocam e, se a pessoa responde, combinam entre eles e batem nessa pessoa. Eu tenho um amigo que levou porrada sem mais nem menos. Deram-lhe um murro, virou-se para trás e vieram mais pessoas”, exprime com a aflição patente na voz.
“Os professores têm muito medo, tanto que estes alunos entram nas salas, gritam, e só um ou outro os manda embora. E há um professor que foi chamado de anormal. Se alguém reage, não há ninguém que defenda essa pessoa”, descreve o rapaz.
O drama de quem (tenta) ensina(r)
Nuno dá aulas há vários anos e, ainda que considere que já enfrentou turmas complicadas, alega que este caso é mais perturbador do que os restantes. “Aquilo que eu tenho vindo a verificar é que seis, sete alunos são o terror dentro da escola e põem em causa toda a estabilidade que possa existir e provocam o terror de 900 pessoas. Nas minhas aulas, consigo controlar tudo porque não permito que as coisas tomem proporções graves, mas os comportamentos não são os melhores”, diz o profissional que expulsa das salas quem tem atitudes incorrectas.
“Além de estarem sempre sem máscara, respondem mal aos professores e auxiliares, dão surras autênticas a outros alunos e o Conselho Executivo vai usando as ferramentas que tem para tentar resolver a situação”, lastima, transmitindo que em casos extremos, os alunos são suspensos, “mas não há sanções suficientemente fortes que sirvam de exemplo e, por isso, até já bateram num funcionário da CCPJ”.
Segundo o professor, os alunos podem ser colocados na rua e ser-lhes marcada falta disciplinar, sendo que tal é reportado ao director de turma que, por sua vez, transmite a informação “à direcção se achar que é uma situação que merece essa intervenção”. Posteriormente, é instaurado um processo e, se a direcção entender avançar com uma medida sancionatória, poderá ser de até 12 dias de suspensão e chegar ao extremo da proposta da mudança de escola. Porém, “este processo é muito moroso e difícil”, argumenta.
“Quando eles não estão na escola, nota-se uma diferença absolutamente extraordinária. Há certos colegas que perdem a vontade de dar aulas, assumem o seu desagrado e perdem a motivação. Não há volta a dar porque não há qualquer tipo de protecção. Nem que o professor faça o pino consegue que estes alunos se dediquem”, reconhece o docente, revelando que “os rufias são quase todos da mesma família – primos, irmãos, tios, tias, sobrinhos, sobrinhas – e estão todos à espera de fazer 18 anos para conseguirem sair da escola”.
Aliás, alguns deles relataram a Nuno “que não precisam de estudar porque vendem droga” e, no ano passado, uma professora terá sido “quase agredida fisicamente e o caso está em tribunal porque ela fez queixa e acabou por afastar-se do ensino”, declara, compreendendo que a colega não tenha suportado a pressão.
“Os técnicos da CPCJ que podem tomar alguma ação residem aqui e toda a gente sabe onde mora toda a gente nestas aldeias grandes que não são cidades. Em termos de estrutura escolar, a mesma coisa. Portanto, as pessoas tentam passar pelo intervalo dos pingos da chuva para tentarem fazer tudo da mesma forma”, começa por concluir. “Sinto-me aterrorizado. Temos dois mundos dentro de uma escola”, termina.
“Tive conhecimento de uma situação de um aluno que se recusou a vir para a escola, antes do segundo confinamento, por causa da covid-19. Então, os professores tinham de preparar materiais específicos para lhe enviar para que ele não perdesse as matérias. O aluno não quer saber da escola” e, num dos dias do período de isolamento, o rapaz terá ido à escola espancar um colega numa das casas de banho “e saiu como se nada fosse”.
“Não vou dizer que, quando há situações mais de confronto, estou completamente tranquilo. Numa manhã, fui dar aulas e havia um bloco que parecia um manicómio. Estava uma porta trancada e um miúdo bateu nela até se abrir para encontrar outro que lhe tinha feito algo. Está muito difícil”, relata o professor Pedro que acredita “que os confinamentos tenham agravado esta falta de formação de base porque é isso mesmo que falta”, sendo que “certamente que, em casa, com os pais, ainda faziam pior”.
Para combater esta realidade, o docente continua a dar o seu melhor, mas nem isso demove estes alunos. “Não lhes estamos a ensinar nada, é impossível fazê-lo. Tentam replicar os exemplos que têm em casa”, alerta, indicando que, no final do primeiro período deste ano lectivo, havia brigas todos os dias. “Há disciplinas em que existem dois professores a dar aula porque há receio de se dar aulas sozinho. Temos de fazer algo para melhorar a nossa realidade porque, qualquer dia, não há professores. Somos autênticos fantoches que andam ali”, avisa.

*
Fonte: https://ionline.sapo.pt/artigo/734091/ponte-de-sor-sinto-me-aterrorizado-temos-dois-mundos-dentro-de-uma-escola?seccao=Portugal_i&fbclid=IwAR1qFvqZVb1_wQrgL5eF-dFYMOlhgIWJmxShvV8XMQEWX1DHmegtVxxhJyI   (Artigo originariamente redigido sob o acordo ortográfico de 1990 mas corrigido aqui à luz da ortografia portuguesa)

* * *

Linda ideia, dar suspensões e, pasme-se!, transferências de escola aos alunos mais malandrecos, mas, note-se, só em «situações extremas»... ou seja, o pivete que fizer as piores merdas, vai para casa passar férias por uns dias, depois volta à escola, se não a essa, a outra, para continuar a fazer as mesmíssimas piores merdas, porque mandá-lo para um reformatório, ou para a prisão, ou, pelo menos, expulsá-lo da escola, está completamente fora de questão, porque isso seria «anti-pedagógico»... quanto aos responsáveis escolares, são a boa merda que se vê, andaram a estudar talvez métodos mais civilizados e avançados e pedagógicos para lidar com os jovens e afinal bem podem limpar as mãos à merda da parede com a sua pedagogia...

Quanto à GNR que é chamada e não faz nada... «se calhar» porque tem medo de ser considerada «racista», porque toda a gente sabe que «minoria» é que faz merdas destas, e doutras, na zona... e porque é que a GNR tem medo?, «talvez» porque a chusma organizada do anti-racismo exerce sobre as forças policiais uma pressão permanente para a pôr à defesa e a manietar, de maneira a dar mais «lastro» a certos grupos... Por alguma razão é das áreas do País onde a Ultra-Direita tem mais votos... o que faz guinchar de ódio a elitezinha me(r)diática e parlamentar, que se indigna muito com o voto no «racismo!!!!», mas nunca mostra indignação com situações destas e solidariedade para com as vítimas deste tipo de agressores. Significa isto, objectivamente, que esta espécie de «gente» das elites queria que o povinho aguentasse caladinho estas situações sem se revoltar através do voto... o que só confirma que, mais do que nunca, o voto é a arma do Povo, se não vierem outras armas à liça.