terça-feira, abril 10, 2018

INDIVIDUALISMO X COLECTIVISMO NA EUROPA E ARREDORES


Mais informações aqui: 
https://www.eupedia.com/forum/threads/29961-Social-psychologist-claims-that-European-individualism-originated-in-wheat-farming
https://hbdchick.wordpress.com/2013/09/07/national-individualism-collectivism-scores/

O mapa que acima se pode ver mostra a colocação de vários Povos na escala entre os dois extremos do individualismo e do colectivismo. Pode ver-se que as áreas mais individualistas da Europa são a zona germânica e do norte em geral. É uma questão étnica? Observa-se que também em Israel, país fortemente ocidentalizado, tendo na sua população muitos elementos oriundos do mundo germânico (anglo-saxónico e alemão), o individualismo revela-se comparativamente alto, sobretudo em contraste com os seus vizinhos árabes. Também na Hungria o individualismo é elevado, bem como na Finlândia, duas nações não germânicas, ainda que tenham recebido forte influência germânica. Na Alemanha, entretanto, há uma clara diferença entre o norte e o leste e aí não crível que o leste seja etnicamente menos germânico do que o norte...
Constata-se que os países onde o individualismo é mais forte, é igualmente mais forte o civismo e o desenvolvimento sócio-económico. Neste individualismo reside porventura a consciência de si mesmo, a qual se mostra fraca quando é dominante o colectivismo, talvez porque o colectivismo favoreça o suporte na postura alheia para a escusa de cumprir os seus deveres cívicos. É este individualismo que garante a salvaguarda dos direitos individuais, ou seja, das liberdades que se conquistaram no mundo ocidental - um produto da cultura europeia que até na Europa continua a ter barreiras por superar, quanto mais não as terá se entretanto entrarem no continente europeu magotes de gente oriunda de civilizações onde os direitos individuais dependem da força de cada um para se impor aos outros e não do natural reconhecimento do espaço privado de cada qual ou, até, da indiferença diante dos outros, que é um mal menos mau do que qualquer colectivismo opressor...



10 Comments:

Anonymous Anónimo said...

"A que se deverão as pronunciadas diferenças que aqui se registam no contexto europeu?"



As diferenças devem-se aos genes:

http://www.theoccidentalobserver.net/2010/09/25/recent-research-on-individualismcollectivism/"

11 de abril de 2018 às 00:21:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Não creio que a Alemanha de leste seja menos germânica ou mui etnicamente diferente da Alemanha setentrional. Não creio também que Israel seja geneticamente mais Europeu do que a Ibéria. A meu ver a explicação é civilizacional - a Europa tende para a valorização do indivíduo e esta será maior onde quer que a civilização europeia esteja mais desenvolvida.

11 de abril de 2018 às 00:47:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Os filhos da desesperança: mais e mais brasileiros pedem cidadania europeia

https://br.sputniknews.com/europa/2018041010953514-sociedade-economia-politica-migracao-violencia-custo-de-vida/

11 de abril de 2018 às 09:19:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Rússia dará resposta imediata se seus militares forem atacados pelos EUA na Síria

https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/2018041110956076-ataque-quimico-militares-russos-ameaca-siria-eua/

11 de abril de 2018 às 09:26:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Ninguém diz que Israel é mais geneticamente Europeu do que a Ibéria. Os índices de individualismo não são directamente proporcionais à genética europeia (seja isso o que for). Os franceses e os nórdicos são tão europeus como os ingleses e no entanto são menos individualistas. Do mesmo modo que entre dois irmãos brancos um pode ter olhos claros e o outro olhos escuros e nenhum deles deixa de ser mais ou menos branco por isso.


"A meu ver a explicação é civilizacional - a Europa tende para a valorização do indivíduo e esta será maior onde quer que a civilização europeia esteja mais desenvolvida."

O artigo que aqui pus menciona especificamente os genes relacionados com o colectivismo/individualismo...
Mas se a explicação fosse "civilizacional" então isso levaria a outra questão: por que motivo uns países são mais civilizados que outros?

11 de abril de 2018 às 15:22:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Já nao podemos defender a humanidade, a preservação da humanidade. É que afinal o ser humano tem misturas de outros seres vivos. E pronto, agora já nao devemos ser preservados. Observação humano merece a extinção.

11 de abril de 2018 às 15:50:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

https://hypescience.com/mais-da-metade-de-seu-corpo-nao-e-humano/

11 de abril de 2018 às 15:51:00 WEST  
Blogger Caturo said...

«Ninguém diz que Israel é mais geneticamente Europeu do que a Ibéria. Os índices de individualismo não são directamente proporcionais à genética europeia (seja isso o que for).»

Se a raiz do individualismo é genética, então podia-se esperar que o índice de individualismo fosse proporcional à percentagem de determinada carga genética em determinado povo. Não é isso que se verifica.



«Os franceses e os nórdicos são tão europeus como os ingleses e no entanto são menos individualistas.»

Mais uma razão para não enfileirar a explicação do individualismo na genética.


"A meu ver a explicação é civilizacional - a Europa tende para a valorização do indivíduo e esta será maior onde quer que a civilização europeia esteja mais desenvolvida."

«O artigo que aqui pus menciona especificamente os genes relacionados com o colectivismo/individualismo...»

Pois, menciona-os, mas está no campo das teorias. Não acredito que já se tenha chegado à explicação do individualismo através dos genes.


«Mas se a explicação fosse "civilizacional" então isso levaria a outra questão: por que motivo uns países são mais civilizados que outros?»

Por contactos civilizacionais.

11 de abril de 2018 às 21:40:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

"Se a raiz do individualismo é genética, então podia-se esperar que o índice de individualismo fosse proporcional à percentagem de determinada carga genética em determinado povo."


Não. Dois irmãos, um com olhos claros e outro com olhos escuros, são geneticamente próximos e ainda assim têm entre eles diferenças provocadas pelos genes, como a cor dos olhos. Dois europeus, um francês e um inglês, são ambos geneticamente europeus e ainda assim têm entre eles diferenças provocadas pelos genes, como o colectivismo/individualismo.




"Por contactos civilizacionais."

Se assim é, então há a possibilidade de os imigrantes do terceiro-mundo a viver na Europa se tornarem civilizacionalmente europeus.

11 de abril de 2018 às 23:28:00 WEST  
Blogger Caturo said...

"Se a raiz do individualismo é genética, então podia-se esperar que o índice de individualismo fosse proporcional à percentagem de determinada carga genética em determinado povo."

«Não. Dois irmãos, um com olhos claros e outro com olhos escuros, »

Nunca podem ser radicalmente diferentes, se de facto são irmãos; acresce que nos dois há os genes de ambas as coisas, ainda que num seja mais aparente um grupo de genes do que outro. De resto, a diferença entre eles é genética e pode ser explicada; ora ninguém apresentou explicação genética por os Alemães do norte serem muito mais individualistas que os de leste.


«Dois europeus, um francês e um inglês, são ambos geneticamente europeus e ainda assim têm entre eles diferenças provocadas pelos genes, como o colectivismo/individualismo.»

Isso significaria que os Ingleses teriam mais genes «individualistas» que todos os outros Povos. Ainda não vi prova disso.


"Por contactos civilizacionais."

«Se assim é, então há a possibilidade de os imigrantes do terceiro-mundo a viver na Europa se tornarem civilizacionalmente europeus.»

Num caso ou noutro sim (se fosse genético isso não poderia acontecer), em termos de grandes grupos não creio, porque grandes grupos têm uma cultura própria no seu seio.

12 de abril de 2018 às 00:21:00 WEST  

Enviar um comentário

<< Home