quarta-feira, maio 17, 2017

MOVIMENTOS SECESSIONISTAS EUROPEUS


Fonte: http://www.zerohedge.com/news/2017-05-16/mapping-europes-secessionist-movements

Creio bem que a maioria ou pelo menos boa parte destes movimentos é verdadeiramente nacionalista, uma vez que todo e qualquer território com idioma étnico próprio é uma Nação e merece por isso a independência: Galiza, Astúrias, Leão, Catalunha, Euskadi (País Basco), Occitânia, Bretanha, Cymru (Gales), Alba (Escócia), Cornualha, Man, Flandres, Valónia, Bavária (ou Baviera), enfim.

24 Comments:

Anonymous Anónimo said...

A língua nada importa nem diz na maioria das vezes nada sobre a origem racial dos povos.

Portugal não é uma nação porque;

1- A língua não é nativa, foi imposta por uma potência externa(roma)
2- A religião foi imposta de fora(judeu morto)
3- O povo foi muito miscigenado e já não tem coesão genética.
4- Não existe uma cultura própria mas sim o resultado de uma miscelânea de povos e tradições externas.

As "nações" pré-romanas seriam de fato nações, por exemplo os lusitanos tinham uma religião própria, cultura própria, língua própria e raça própria.

Foram destruídos, acabou. Acorda para o mundo real.

Portugal é um país não é uma nação, sinto muito.

Os países nórdicos são nações se abandonarem o cristianismo e abolirem o liberalismo.

Os afro americanos falam inglês mas não são uma nação europeia, certo?

18 de maio de 2017 às 03:32:00 WEST  
Anonymous Observador Atento said...

Dois artigos com o seu interesse, Caturo:

https://politikon.es/2017/02/06/why-is-there-not-a-successfull-far-right-party-in-spain/

https://www.ft.com/content/414246f6-dbe4-11e6-86ac-f253db7791c6

19 de maio de 2017 às 09:48:00 WEST  
Blogger Caturo said...

«A língua nada importa»

A língua é crucial porque sem língua não há Nação.


«Portugal não é uma nação»

Portugal é uma nação porque

«1- A língua não é nativa, foi imposta por uma potência»

A língua é nativa porque desenvolveu-se aqui até antes da formação de Portugal; a língua latina não foi imposta, acabou por se impor o que é diferente, mas nada indica que os autóctones tenham sido proibidos de falar o seu idioma, pelo contráiro, há inscrições em língua lusitana datadas da época romana; de resto, a língua latina era da mesma raiz que o alegado Lusitano, ou seja, da mesma família indo-europeia e do mesmo grande ramo celto-italiota;


«2- A religião foi imposta de fora(judeu morto)»

Pois, mas Portugal não é inseparável da Cristandade - hoje é um Estado laico, sem religião oficial, e continua a existir.


«3- O povo foi muito miscigenado e já não tem coesão genética.»

Frontalmente errado. A miscigenação foi relativa (e já agora aconteceu em praticamente todo o globo, excepto talvez entre os Índios da Amazónia e pouco mais) e há de facto uma coesão genética portuguesa, tanto que os estudos genéticos sobre a população portuguesa indicam que há, passo a citar, «fraca variedade genética de norte a sul», ou seja, que a população é geneticamente homogénea.


«4- Não existe uma cultura própria mas sim o resultado»

Existe sem sombra de dúvida alguma uma cultura própria, bem vincada.


«As "nações" pré-romanas seriam de fato nações, por exemplo os lusitanos»

Análise superficial que não leva em conta que eventualmente também os Lusitanos eram resultado de misturas de há milhares de anos.


«tinham uma religião própria, cultura própria, língua própria e raça própria.»

Tal como os Portugueses de hoje.


«Acorda para o mundo real.»

Instrui-te e aprende alguma coisa sobre o mundo real ou então pede a alguém que te leia o que escrevi e to explique com palavras mais simples, se precisares.


«Portugal é um país não é uma nação,»

Errado. Portugal já era uma nação antes de ser um país.


«Os países nórdicos são nações se abandonarem o cristianismo e abolirem o liberalismo»

Os países nórdicos já são nações há muito tempo, independentemente do liberalismo e do Cristianismo. É a língua que determina a sua nacionalidade, não é a política ou as imposições ideológicas universalistas. Os países nórdicos são pois nações... independentemente de também nas suas veias correr sangue com alguma misturazita, bem entendido...


«Os afro americanos falam inglês mas não são uma nação europeia, certo?»

Pois não - uma língua só por si não faz uma nação (embora os afro-americanos tenham criado o seu próprio dialecto, o Ebonics, olha que curioso...), mas sem língua não há nação. Por conseguinte, uma ex-colónia europeia não é de etnicamente europeia só por falar uma língua europeia; mas uma nação europeia tem garantidamente uma língua étnica. Por outras palavras, uma língua europeia em África ou na América não indica necessariamente uma nação, mas na Europa sim, uma língua europeia na Europa indica a existência de uma nação, porque todas as nações europeias têm línguas que se formaram durante ou até antes da formação das ditas nações.

19 de maio de 2017 às 18:59:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Pelos os critérios desse tipo não há nações na Europa.lol
facepalm







acclaim

19 de maio de 2017 às 21:00:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

E é interessante como uma religião alógena tem a sua sede em Roma, e a sua língua franca é o latim, e adaptou-se aos costumes europeus e por isso não impõem a circuncisão nem a proibição do consumo de carne porco.lol






acclaim


Publica, Caturo

19 de maio de 2017 às 21:39:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Sim, isso e «adoptar», isto é, usurpar as celebrações pagãs em larga escala, a ponto tal de ter como festejo mais popular, não o mais especificamente judaico-cristão - a Páscoa - mas sim o Natal...

19 de maio de 2017 às 23:11:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

O Natal que acontece depois da Saturnalia?







acclaim

19 de maio de 2017 às 23:28:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Depois, quando, sete meses depois?... Não, parece que é no mesmíssimo mês... pois é... ou por outra, a Saturnália culmina a 23 e o Natal é a 25, aaaaaahhhh assim é outra coisa!!!!, assim já é tooooooooooooooooooooooootalmente diferente uma coisa da outra, é sim...

Entretanto, depois da Saturnália festejava-se em Roma, a 25 de Dezembro, o Natalis Solis Invicti, celebração do renascimento da Luz, mas isto também é commmmmmmmmmmpletamente diferente do Natal, pois é é, porque o Natal não tem lá Solis Invicti escrito e portanto é tooooooooooooooooooooooooooootalmente diferente, é é...

E depois admiram-se por as pessoas os levarem cada vez menos a sério e já não ligarem puto ao que eles dizem, enquanto mais e mais igrejas fecham em toda a Europa por falta de crentes (ou são vendidas para bares, bibliotecas, enfim), deve ser culpa da «decadência moral!!!!!», deve deve... :P

22 de maio de 2017 às 11:08:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Bah, o Sol Invicti é derivado do mitraísmo, logo é alógeno.








acclaim

Publica, Caturo.

22 de maio de 2017 às 12:53:00 WEST  
Blogger Caturo said...

O Mitraísmo é de origem ariana, logo não é alógeno. Alógeno é o Cristianismo, de origem semita.

22 de maio de 2017 às 19:17:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

O Mitraísmo é de origem persa, logo é alógeno.








acclaim

Publica, Caturo

22 de maio de 2017 às 20:37:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Mitra é um Deus ariano comum aos Persas e aos Arianos da Índia e até ao Povo ariano de Mitani. Sendo ariano, indo-europeu, não é alógeno. Alógeno é o Cristianismo, de origem semita.

22 de maio de 2017 às 20:46:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Como nem os persas nem os indianos são europeus, Mitra é alógeno.







acclaim

22 de maio de 2017 às 21:03:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Como o que mais interessa não é a geografia mas sim a etnia, Mitra não é alógeno porque pertence a uma cultura indo-europeia, familiar, portanto, de praticamente toda a Europa.

22 de maio de 2017 às 21:38:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

As culturas persa e indiana são asiáticas e portanto são substancialmente diferentes das culturas europeias, logo Mitra é alógeno.








acclaim

22 de maio de 2017 às 22:35:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Não, Mitra não é alógeno porque faz parte do fundamento árico da Índia e da Pérsia, antes de estas culturas se desenvolverem em contexto asiático. Ou seja, nem por aí se consegue dizer que Mitra é alógeno. Alógenos são Jesus e Jeová, o «Deus» semita da Bíblia.

23 de maio de 2017 às 07:31:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Não, sim, Mitra é asiático e portanto não é europeu.








acclaim

23 de maio de 2017 às 11:51:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Mitra é ariano e portanto não é alógeno. A geografia não interessa. Alógeno é o Judeu Morto e mais o «deus» da Bíblia.

23 de maio de 2017 às 20:30:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Mitra é um deus dos persas, declarados inimigos dos europeus, e portanto é alógeno.






acclaim

23 de maio de 2017 às 20:58:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Mitra é dos Persas e dos Hindus, portanto não é inimigo dos Europeus, até porque veio a ser amplamente adorado por Europeus sem imposição nenhuma, o culto mitraico difundiu-se por todo o Ocidente. Logo, nunca foi alógeno. Alógeno é Jesus e seu pai «divino».

23 de maio de 2017 às 21:02:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Mitra é um deus que surgiu no médio oriente, logo é alógeno.







acclaim

23 de maio de 2017 às 21:54:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Mitra é ariano, logo não é alógeno. Alógeno é Jesus, que nasceu na Ásia e nem ariano era.

23 de maio de 2017 às 22:46:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Pareces um antifa que diz que somos todos africanos porque há há dezenas de milhares de anos viemos todos de África.lol







acclaim

23 de maio de 2017 às 23:40:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Tu é que pareces um antifa, que dizes que as raízes não interessam e que só a geografia conta (embora não conte quando não te interessa). Não surpreende que pareças um antifa - tanto os cristãos como os antifas desprezam o valor da etnia, aliás, a mentalidade antifa tem raiz no Cristianismo.

24 de maio de 2017 às 23:53:00 WEST  

Enviar um comentário

<< Home