quarta-feira, agosto 26, 2015

DONALD TRUMP DECLARA A SUA SIMPATIA PELO ESTADO DE ISRAEL

Fonte: http://www.enlacejudio.com/2015/07/04/donald-trump-he-sido-leal-israel-desde-naci/
*
Em entrevista recentemente concedida à JNS, imprensa judaica do México, o candidato republicano Donald Trump deixou claro que é desde sempre - «desde que nasci», diz ele, acrescentando que já o seu pai o era - um aliado de Israel. Fez notar que dirigiu o cortejo do Desfile de Saudação anual da cidade de Nova Iorque ao Estado Judaico (o Célebre Desfile de Israel) em 2004 «numa altura em que era bastante perigoso fazê-lo» num «momento muito difícil para Israel», a meio da segunda intifada (levantamento palestino contra Israel). Refere ainda um vídeo de apoio que ofereceu ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, para as eleições de Israel em Janeiro de 2013, expressando orgulho por este ser «o único anúncio feito por uma celebridade» em apoio do líder judaico.
A filha de Trump, Ivanka Trump, casou-se com judeu, e observa com rigor as tradições religiosas judaicas, incluindo o Shabat (sábado), algo que D. Trump diz respeitar e considerar «interessante», pela harmonia que traz ao casal...
Acrescenta: «o único [candidato] que dará um apoio real a Israel sou eu. O resto são meras palavras, nada de acção. São políticos. Eu tenho sido leal a Israel desde que nasci. O meu pai, Fred Trump, foi leal a Israel antes de mim. O único que dará a Israel o tipo de apoio de que necessita será Donald Trump.»

E diz mais, no resto da entrevista, como a seguir se pode ler:

JNS: Qual é a sua avaliação do expediente do presidente Obama sobre Israel?
Donald Trump (DT): Creio que o presidente Obama é uma das piores coisas que jamais aconteceram a Israel. Creio que está a estabelecer as relações [israelitas] com os EUA de uma maneira terrível, e as pessoas e amigos meus que são judeus não sei como podem apoiar o presidente Obama. Tem sido muito mau para Israel.

JNS: Qual é a sua experiência com a comunidade empresarial de Israel, que ganhou o conhecido epíteto de «nação posta em marcha»?
DT: Em primeiro lugar, os Israelitas são grandes empresários. Têm um instinto natural para os negócios e as suas empresas de nova criação são fantásticas. Negoceio constantemente com israelitas e relaciono-me constantemente com pessoas judias, sejam israelitas ou não.

JNS: Sabendo o que sabe das negociações no mundo dos negócios, como observaria as conversações nucleares actuais com o Irão?
DT: Duplicaria e triplicaria as suas sanções, e faria com que eles (os Iranianos) quisessem fazer um acordo. Neste momento andam só a brincar connosco.

JNS: Como seria um bom negócio com o Irão?
DT: Teria que ter inspecções in situ a qualquer momento e em qualquer lugar, para começar, algo que não temos em absoluto. Todo o acordo foi um péssimo negócio. Não há maneira de os Iranianos aceitarem nenhum acordo que tomemos. E se não há inspecções in situ a qualquer momento e em qualquer lugar, não deve haver acordo. E neste momento creio que só estão a abordar os EUA de forma ligeira. Nós (EUA) temos uma data de bebés a negociar. Não temos bons negociadores. Eles têm grandes negociadores e estão a fazer com que pareçamos idiotas.

JNS: O que opina sobre o financiamento dos EUA à Autoridade Palestiniana no valor de quinhentos milhões de dólares por ano?
DT: Evidentemente que isso não me entusiasma. É óbvio. Temos de ajudar pessoas que nos respeitem, que queiram fazer coisas e fazê-las bem. Não apenas ali (a Autoridade Palestiniana), temos andado a dar dinheiro a todo o tipo de grupos e pessoas e países que se aproveitam dos EUA, é algo que não me entusiasma em absoluto.

JNS: As suas recentes declarações sobre os imigrantes mexicanos acenderam controvérsia. Reitera os seus comentários, ou gostaria de os aclarar, para os eleitores judeus que possam dar prioridade à imigração como tema eleitoral?
DT: Tenho um grande respeito pelo México e o Povo mexicano agrada-me. Tenho muitas amizades no México e com mexicanos. Mas o México está totalmente fora das negociações com os EUA no que respeita às nossas fronteiras e o comércio exterior. As pessoas que vêm a este país, e não apenas do México, muitos, não todos, são pessoas que deveríamos deixar entrar no país, o que, obviamente, é de sentido comum. Desde que fiz esta declaração, recebi grande apoio, de tantas pessoas, nos EUA. Ou bem que há uma fronteira ou não temos País.

JNS: Se ganhasse as eleições presidenciais primárias republicanas, quem elegeria como companheiro de carreira?
DT: É demasiado cedo para dizer. Estamos a avançar muito bem, mas vamos ver o que acontece. Vou procurar e ver, mas é demasiado cedo para dizê-lo.

JNS: Como se sentiu ao ver o governo chinês a responder aos seus comentários acusando esse país de roubar empregos nos EUA mediante manipulação da moeda?
DT: Olhe, a China é como o México. Estão-se a aproveitar dos EUA. Riem-se o caminho todo até ao banco. Mas é suposto que respondam e no essencial disseram: «Não não, gostamos muito do nosso sócio comercial, os EUA.» Claro que nos devem querer, estão a fazer fortuna connosco. Mas nós não fazemos nada com eles. Não conseguimos nada desse acordo, acredite. Eu mudaria isso se fosse presidente.

JNS: Que princípios mais amplos deveria os EUA aplicar em qualquer negociação, seja com o Irão, com a China, com o México ou outras nações?
DT: Gostaria de ter os melhores negociadores do mundo, e temo-los neste país, conheço muitos dels. Conheço os bons, os maus, os sobrevalorizados, conheço os que crêem que são bons mas não o são. Teríamos a nossa melhor gente e as nossas pessoas mais inteligentes a negociar os acordos a nosso favor.

* * *

Até nisto, na simpatia para com Israel, está Trump alinhado com os Nacionalistas democratas da Europa, tais como a FN francesa, a SD sueca, o FPO austríaco, entre outras forças partidárias. Pode ser que daqui se comece de facto a construir a muralha defensiva do Ocidente Branco - o único Ocidente legítimo - contra a sua perda identitária e contra os seus inimigos externos.



11 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Ex-primeiro ministro da Hungria diz que imigração é um problema racial.

http://dailystormer.com/hungary-former-pm-says-immigration-is-an-issue-of-race/

26 de agosto de 2015 às 14:13:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Trump ameaça capitalistas financeiros:


http://www.msn.com/en-ca/news/world/donald-trump-puts-hedge-fund-guys-on-notice/ar-BBm1niE


"They're paying nothing. And it's ridiculous," Trump said of those who make a living running hedge funds. "I want to save the middle class. You know, the middle class—the hedge fund guys didn't build this country. These are guys that shift paper around and they get lucky. And, by the way, when the market collapses, like it is now, the market is going down, they're losing a fortune."



De lembrar que é entre estes capitalistas, os da finança, que existe um historial de apoio ao transnacionalismo, tanto o de tipo esquerdista como o de tipo plutocrático: no caso da esquerda, termos o exemplo dos banqueiros ocidentais que apoiaram os revolucionários marxistas e a Revolução Bolchevique.

26 de agosto de 2015 às 14:19:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Lamentável a decisão desse senhor em apoio israel, mais lamentável ainda ele deixar uma filha dele casar com um judeu.

26 de agosto de 2015 às 14:20:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

mete-me um nojo esta gente que defende a imigração e nao tem consciencia nenhuma dos problemas que ela traz.

Agora vi o Durao Barroso a falar numa conferencia. Ele, como tantos outros, quando vem falar destas questoes falam com uma certeza, com um tom como se fossem a verdade absoluta, como se tivessem a certeza que sao os bonzinhos anjinhos e os outros sao os racistas e xenofobos, os maus, terriveis, demonios. Falam de uma maneira, sem medo, como se fossem ganhar adeptos e ter toda a gente do lado deles. É a nova religião, ao defende-la sentem-se os maiores e melhores como se estivessem a fazer uma boa acção.

Se fosse falar de economia, impostos, etc, nao falava desta maneira, mas falando da imigração ele e tantos outros falam duma maneira convencidos como se estivessem correctos e toda a gente os fosse valorizar.
Lembro-me agora daquela jornalista que quando atendeu uma chamada xenofoba, ela fez uma cara de espantada e um comentario completamente convencida que ela era a maior e a senhora da verdade absoluta.

O outro lado, a extinção dos europeus, nao interessa para nada..

26 de agosto de 2015 às 17:54:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

lol parece que para serem eleitos e ganharem eleições tem de apoiar israel, caso contrario perdem logo e cai o carmo e a trindade.

26 de agosto de 2015 às 18:00:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

http://pt.euronews.com/2015/08/25/tiroteio-no-norte-de-franca-termina-em-tragedia/

26 de agosto de 2015 às 18:59:00 WEST  
Blogger Caturo said...

«http://www.msn.com/en-ca/news/world/donald-trump-puts-hedge-fund-guys-on-notice/ar-BBm1niE»

Mais trabalho do bom, pelo povo real contra a elite plutocrática, visceralmente apátrida e apoiante do ideal da queda de fronteiras.

26 de agosto de 2015 às 22:29:00 WEST  
Blogger Caturo said...

«De lembrar que é entre estes capitalistas, os da finança, que existe um historial de apoio ao transnacionalismo, tanto o de tipo esquerdista como o de tipo plutocrático: no caso da esquerda, »

Exacto.

26 de agosto de 2015 às 22:29:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Andas na droga se pensas que judeus ou israel vão alguma vez ajudar os europeus.
O "cavalo de troia" o pior dos inimigos.

26 de agosto de 2015 às 23:40:00 WEST  
Blogger Mauro Aprigio de Souza e Silva said...

estará lá quem deverá estar, pelo que li acho que ele leva essa.
vamos aguardar. Feliz 2016 a todos...

10 de janeiro de 2016 às 16:58:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Todo muçulmano aprende desde pequeno que tem degoar infiéis pra ir pro céu e Maomé que ensinou matar roubar e destruir infiéis essa e a bíblia deles o Corão

24 de fevereiro de 2016 às 20:59:00 WET  

Enviar um comentário

<< Home