sexta-feira, julho 03, 2015

PRIMEIRO TEMPLO PAGÃO EM INGLATERRA DESDE HÁ UM MILÉNIO

The Odinist Fellowship temple, in Bede House Lane, Newark


The Newark temple is the first heathen temple to be established in England for more than 1,000 years



Aquele que parece ser o primeiro novo templo pagão em território inglês desde há mil anos foi estabelecido na localidade de Newark-on-Trent, precisamente no edifício de uma igreja do século XVI, a Bede House Lane Chapel, a segunda igreja mais antiga da zona, que acima se pode ver.
O novo centro religioso pertence à Odinist Fellowship, ou Sociedade Odinista, organização religiosa cujo objectivo é vir a estabelecer um novo templo em cada vila de Inglaterra. A sua religião consiste no culto às antigas Divindades germânicas, inerentes à identidade étnica inglesa, uma vez que os Ingleses são formalmente anglo-saxões, e tanto Anglos como Saxões eram Povos germânicos do grupo ocidental, tal como os Francos, os Turíngios, os Alamanos, os Batavos, talvez os Suevos, estando estes germânicos ocidentais na origem formal de nações como a Alemanha, a Holanda, a Áustria, etc..
A Sociedade Odínica foi criada em 1988. O seu director, Ralph Harrison, vive em Newark desde há oito anos. 

Nas paredes do novo templo podem ver-se sete quadros originais, da autoria de quatro artistas, representando as Divindades mais importantes desta religião, tais como Odin, Deus da Sabedoria, da Magia, das Batalhas e da morte em combate, Frigg, Deusa do Casamento e da Fertilidade, esposa de Odin, Thor, Deus do Trovão, combatente mais forte de todos, Cujo martelo, Mjolnir, é usado como símbolo da religião odinista e/ou do Asatru, nome que a religião tem na Escandinávia (há quem defenda que se trata de duas religiões diferentes, mas isso é outra história), além de Tyr, Deus do Céu, da Justiça e da Guerra, Heimdall, Guardião de Asgard, Balder, Deus Luminoso da Bondade, Forseti, Deus do Julgamento Justo, Freia, Deusa do Amor, etc..

A portrait of Frigg, wife of the chief god Odin, that hangs in the Odinist Fellowship temple
Frigg

O edifício da igreja onde agora a Sociedade Odinista (OF) oficia, com lugar para trinta e seis pessoas, foi construído em 1556. Deixou de ser usado como igreja há muitos anos e chegou a servir de base à Comunidade e Serviço Voluntário de Sherwood, até ao dia em que esta organização abandonou o local, deixando-o vazio. O conselho de Newark colocou-o em leilão. A OF comprou-o por £46,000 (€64278.1457) e gastou mais £15000 (€21379.77069) na sua restauração. O dinheiro proveio de doações para a criação de um templo e incluiu £2000 (€2803.52367) oferecidas pela Sociedade para a Protecção de Edifícios Antigos.

Harrison explica que o cerne da actual prática odinista é a chamada Taça da Memória, que consiste num corno de beber preenchido com hidromel, bebida alcoólica antiga, que em rituais é oferecida aos Deuses em sacrifício, colocada para isso numa tigela sagrada que contem terra. O corno é depois passado de mão em mão pelos celebrantes.
Os sacerdotes, que podem ser quaisquer adultos odinistas, usam uma vestimenta branca com um capuz negro. 
Há também a prática de orações, cânticos, leituras do Edda Poético (poemas mitológicos da tradição escandinava) e do Edda em Prosa (textos mitológicos e explicativos da arte do poeta), além de debates.
Os odinistas reúnem-se para nove grandes festivais religiosos: 
 - os quatro principais são o Yule (solstício de Inverno), o Easter (equinócio da Primavera; Páscoa), o solstício de Verão, o festival da colheita (equinócio de Outono);
 - os restantes são o Dia de Lindisfarne (oito de Janeiro, quando os Viquingues noruegueses atacaram o mosteiro de Lindisfarne, em 793, há também quem diga que foi a oito de Junho), o Dia de Hengest (Primeiro de Maio; Hengest foi, juntamente com o seu irmão Horsa, um dos líderes do desembarque saxónico na Grã-Bretanha do século V, que viria a ser seguido pela chegada de hordas de anglos, frísios e jutos, todos eles aparentados com os Saxões), o Dia de Sigurd (23 de Abril, comemorando o dia em que Sigurd ou Siegfried matou o dragão), O Dia dos Mártires Odinistas (29 de Julho) e o Dia dos Heróis Einherjar (11 de Novembro; os Einherjar são os guerreiros mortos em combate que estão no Valhalla, o paraíso dos combatentes honrados, palácio de Odin, onde se divertem a festejar, servidos pelas Valquírias, e a combater). 
Os praticantes costumam reunir-se ou em grupos caseiros ou em espaços ao ar livre com significado espiritual e/ou histórico, tais como o do Cavalo Branco perto de Aylesford, o Monte de Grim, monumento perto de Burgh on Bain, as Cataratas de Aysgarth, em Yorkshire Dales.

Harrison descreve assim o comportamento social dos odinistas: «Não pregamos de porta em porta nem enfiamos a nossa doutrina pela garganta abaixo de ninguém. Muita gente que quer orientação espiritual mas não sabe para onde se virar e não está satisfeita com as religiões convencionais olha para o Odinismo como alternativa.»

O dirigente da OF afirma existirem cerca de dez mil odinistas na Grã-Bretanha, dois mil dos quais pertencendo ao seu grupo. 

A OF conseguiu alcançar o reconhecimento legal da religião odinista no Reino Unido a partir do caso «Holden v Royal Mail PLC» (2006), quando uma decisão de tribunal foi emitida declarando que o Odinismo deveria ser reconhecido como religião para fins de legislação anti-discriminação. O caso foi noticiado no Gladius, como se viu aqui: http://gladio.blogspot.pt/2006/05/culto-das-deidades-germnicas.html

*

Fontes: - http://newarkadvertiser.co.uk/articles/news/sn9xmbrEjj4NkKZhUfY4ykh0vsTjMTO37oNP1d7FXkI6Y
 - http://www.odinistfellowship.co.uk/
 - https://en.wikipedia.org/wiki/Odinist_Fellowship

* * *

É uma notícia do ano passado, da altura do solstício de 2014, que deverá ser cada vez mais actual...

Constitui mais um retorno, por pouco que seja, do verdadeiro Ocidente - porque a Europa quanto mais evolui e se afasta da Cristandade, mais verdadeiramente europeia se torna. E o corolário deste regresso paulatino, lento mas progressivo, à identidade, tem o seu corolário e eminência precisamente no culto às Deidades da herança étnica ancestral, ou seja, do que de mais sagrado foi concebido pela sua estirpe.


7 Comments:

Anonymous Anónimo said...

http://pt.euronews.com/2015/07/02/migrantes-viram-se-para-a-grecia-ate-quando/

3 de julho de 2015 às 05:45:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

http://pt.euronews.com/2015/07/02/um-barril-de-polvora-chamado-balcas/

3 de julho de 2015 às 05:45:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

http://www.voxeurop.eu/pt/content/news-brief/4941452-o-mapa-da-reparticao-ideal-dos-refugiados-pela-europa

3 de julho de 2015 às 06:34:00 WEST  
Blogger R. Vilhena said...

https://youtu.be/A1x0tUc395A

Suécia.

3 de julho de 2015 às 14:14:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

https://www.youtube.com/watch?v=xOiycw4UQGA

3 de julho de 2015 às 17:11:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

http://br.sputniknews.com/mundo_insolito/20150703/1470146.html

torna-se legal criticar maome na Islandia!

3 de julho de 2015 às 17:33:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Mais um exemplo de verdadeira democraticidade vindo de um país autenticamente europeu. Já Aristóteles dizia que os «Povos do Frio» amavam a Liberdade, sendo por isso valorosos. Dois mil e quatrocentos anos depois tal identidade mantém-se, aliás, aviva-se - quanto mais a Europa autêntica se liberta de corpos estranhos, tais como o Cristianismo e não só, mais vem ao de cima a sua verdadeira natureza.

3 de julho de 2015 às 20:26:00 WEST  

Enviar um comentário

<< Home