terça-feira, janeiro 27, 2009

EMBAIXADOR RUSSO APELA A UNIÃO DA RAÇA BRANCA EUROPEIA

Vale a pena registar que Dmitry Rogozin, enviado da Rússia para dialogar com a OTAN, lamentou aquilo que considera serem políticas divisionistas do leste orquestradas pela Europa Ocidental, deixou repetidas ameaças bélicas no ar perante a eventualidade do aperto do cerco político-militar euro-americano à Rússia, mas, acima de tudo, apelou a que entenda o que mais interessa para além da conjuntura e das estratégias menores:

«Até que as coisas se compliquem a sério, eles (Europeus) vão continuar a fazer de conta que a Rússia é sua oponente. Penso que no século XXI a verdadeira ameaça consiste num grupo de pessoas que pensam em mim e em ti como gente de segunda classe. Essas pessoas de espírito fechado pura e simplesmente não reconhecem o nosso direito a viver. Não se importam com quem é que estão a lidar - Russos, Judeus, Tártaros, Franceses, Britânicos, tanto faz - é tudo igual para eles. Para eles, somos apenas uma civilização inútil que tem de ser destruída. Esperemos que os nossos correspondentes ocidentais entendam que estes gajos ameaçam-nos a todos da mesma maneira e que esta praga que avança no continente europeu irá engolfar-nos enquanto estamos a discutir. Hoje, falamos de ameaças existentes tais como o terrorismo, o extremismo (político ou religioso), o tráfico de droga e a pirataria.

No que à pirataria diz respeito, há cada vez mais piratas na Somália, creio eu, toda a costa africana estará pejada de piratas e não haverá suficientes barcos de guerra para os manter à distância. Há uma enorme distância entre a Europa e o Terceiro Mundo. Há uma nova civilização a emergir no Terceiro Mundo que pensa que o hemisfério norte, branco, sempre a oprimiu e tem por isso de cair agora aos seus pés. Isto é muito sério.

Se a civilização do norte se quiser proteger a si própria, tem de estar unida: a América, a União Europeia, a Rússia. Se não estiverem juntos, serão derrotados um por um.
»





O discurso é tão inesperado quanto magnífico - e pode indicar que as palestras identitárias realizadas na Rússia surtiram efeito, pois que este ideal, o da união e salvaguarda do Setentrião (palavra usada por Guillaume Faye para definir o Grande Norte racial e civilizacional, no qual ele inclui a América do Norte), constitui um dos fundamentos do pensamento identitário, isto é, do Nacionalismo do futuro europeu.
Indica por outro lado que a Rússia continua a ser a maior esperança política do mundo actual para os Nacional-Racialistas brancos - pois se um político como Rogozin ocupa a posição que ocupa, é sinal que o aparelho político da mais vasta das nações áricas europeias ainda não está fatalmente envenenado pela Nova Inquisição.

106 Comments:

Anonymous Anónimo said...

:)

27 de janeiro de 2009 às 21:29:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Ó Caturo, já foste rapar a guedelha para te deixarem entrar na festa dos martelinhos.

27 de janeiro de 2009 às 22:30:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

grande comentário.

De facto a Rússia por não ter os media privados e estarem na mão do governo, não sofre tanto a propaganda e lavagem cerebral multiracialista.
E isso reflecte-se no povo e consequentemente na elite politica.
Já numa caixa de comentários atras comentei sobre a diferença de como a Russia e a Europa lidaram com a eleição do Obama.


Porém esse mapa não representa a raça branca. Temos de ter consciencia que grande parte do Leste e Norte da Rússia tem muitas outras raças.
Muitas não são europeias, outras são hibridas entre europeias e asiáticas ou turcas ou sei lá o que. Ha que ter cuidado.
Assim como também a Lapónia na Escandinávia de europeia não tem nada.


"a verdadeira ameaça consiste num grupo de pessoas que pensam em mim e em ti como gente de segunda classe. Essas pessoas de espírito fechado pura e simplesmente não reconhecem o nosso direito a viver. Não se importam com quem é que estão a lidar - Russos, Judeus, Tártaros, Franceses, Britânicos, tanto faz - é tudo igual para eles. Para eles, somos apenas uma civilização inútil que tem de ser destruída."

grande verdade.

27 de janeiro de 2009 às 22:35:00 WET  
Blogger Silvério said...

É uma posição promissora da Rússia.

27 de janeiro de 2009 às 22:50:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

quanto orgulho estúpido!
todos os povos e nações são filhos de imigrantes. nós dos chamados paises do "terceiro mundo" somos vossos descendentes, não podem falar dos ancestrais se negam seus descendentes.

27 de janeiro de 2009 às 23:15:00 WET  
Anonymous Titan said...

Os descendentes dos europeus são europeus, e os ancestrais também.

27 de janeiro de 2009 às 23:18:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Boas palavras por parte do russo, era bom que todos os países europeus e ainda maioritáriamente brancos se unissem e lutassem em prol do mesmo objectivo, assegurar a existencia da nossa raça e um futuro para as crianças brancas.
100% identidade

Coloquem esse texto no forumnacional, é bastante bom.

28 de janeiro de 2009 às 00:13:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Qual destas pics mostra pessoas de raça branca?

http://www.everyculture.com/images/ctc_03_img0824.jpg

http://swamibaba.files.wordpress.com/2007/03/1121.JPG

28 de janeiro de 2009 às 00:36:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

ctc_03_img0824.jpg

1121.JPG

28 de janeiro de 2009 às 00:39:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

"De facto a Rússia por não ter os media privados e estarem na mão do governo, não sofre tanto a propaganda e lavagem cerebral multiracialista.
E isso reflecte-se no povo e consequentemente na elite politica."

Penso que essa é a chave do porquê da diferença de pensamento entre Russos e Europeus.

28 de janeiro de 2009 às 01:21:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

quer dizer, se cá estivesse nas maos do governo, ia dar ao mesmo, pois estes governos ocidentais ja estao corrompidos pelo virus multiracialista
o que eu queria dizer é que a diferença de pensamento entre os 2 povos está principalmente nos media.

28 de janeiro de 2009 às 01:23:00 WET  
Blogger pvnam said...

...EMBAIXADOR RUSSO APELA A UNIÃO DA RAÇA BRANCA EUROPEIA...


---> Enfim, mais um imbecil militante para a colecção...

---> Deixem-se de conversa da treta... e concentrem-se naquilo que é verdadeiramente importante: combater o etnocídio europeu que por aí se avizinha!...





ANEXO 1:
Antes que seja tarde demais, contra a (cada vez mais poderosa) Inquisição Mestiça, há que mobilizar, para o SEPARATISMO, aquela minoria de europeus que possui disponibilidade emocional para abraçar um projecto de Luta pela Sobrevivência...

ANEXO 2:
Não sejam uns IMBECIS! Abram os olhos: não há tempo a perder com os Imbecis Militantes (vulgo nacionalistas, e afins) que não querem admitir aquilo que toda a gente sabe: a MAIORIA dos europeus são 'dignos herdeiros' da sociedades europeias exploradoras de escravos do passado: adoram mão-de-obra servil ao 'preço da chuva', e outras negociatas de lucro fácil....

28 de janeiro de 2009 às 10:03:00 WET  
Anonymous obs. at. said...

Então e os húngaros e os finlandeses,não são europeus como nós?Do ponto de vista genético,uns têm 87% de genes caucasóides,e os outros,90%,respectivamente.Isso não chega para fazer deles europeus brancos?
E a cultura desses países?A Hungria absorveu a cultura latina,primeiro,e germânica,depois,e a Finlândia,a francesa,mais concretamente.
Convém não esquecer que os fineses já chegaram à Escandinávia muito antes da Era Comum,tendo-se cruzado com os nórdicos.Quanto à Hungria,os magiares chegaram no século IX da E.C.,e misturaram-se,depois de se sedentarizarem,com eslavos e germânicos,sómente restando vagas reminiscências culturais asiáticas nas tradições folclóricas.Quando alguém visita um destes países,não tem a impressão de estar na Ásia,que eu saiba.Muito pelo contrário.
Do ponto de vista linguístico,são claramente não indo-europeus,e o suposto parentesco com a família uralo-altaica é controverso,e se real,remoto.Ambos os idiomas,distantes entre si,pertencem aos grupos fino-úgrico e fino-permiano,respectivamente,que estão muito distantes do turco e de outras línguas altaicas.Os investigadores ainda não especificaram devidamente a relação genética destas línguas.
Mas são europeus caucasóides,e isso é ponto mais que assente.

28 de janeiro de 2009 às 10:40:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Excelente Caturo,o saudoso actor Anthony Quinn,filho de pai Irlandês e mãe Mexicana,poder-se-ia considerar como caucasóide?

28 de janeiro de 2009 às 10:57:00 WET  
Anonymous Nepenthes said...

Vede este momento imortal do Cinema!Grande interpretação do senhor,e também do inglês Alan Bates,ao som de Mikis Theodorakis.

HELLAS FOREVER!


Para sempre,a Terra dos Deuses.



http://www.youtube.com/watch?v=-ha5BR5udLw



Um abraço,Caturo

28 de janeiro de 2009 às 11:07:00 WET  
Anonymous Nepenthes said...

O linque é este,e não o anterior.Desculpai-me.


http://www.youtube.com/watch?v=cXNApZ2ALiQ

28 de janeiro de 2009 às 11:09:00 WET  
Anonymous Titan said...

Isso não chega para fazer deles europeus brancos?

Chega perfeitamente.

E a cultura desses países?A Hungria absorveu a cultura latina,primeiro,e germânica,depois,e a Finlândia,a francesa,mais concretamente.

Tudo culturas europeias.

28 de janeiro de 2009 às 11:22:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

"http://www.youtube.com/watch?v=cXNApZ2ALiQ"


Uma cena de antologia.Vi o filme há muitos anos,e o papel do Anthony Quinn é inesquecível.
Nunca vi um camponês grego tão bem encarnado,e as paisagens da Grécia,com o Mar Egeu como fundo,são algo de maravilhoso.

28 de janeiro de 2009 às 11:27:00 WET  
Blogger pvnam said...

NOTA:
-» Contrariando aquilo que os espertalhões da Inquisição Mestiça pretendem... não devemos ser Fundamentalistas!!!... Assim sendo, devem ser considerados NATIVOS todas as pessoas com, pelo menos, x % de GENES TÍPICOS NATIVOS... ( nota: x% -> a definir por uma comissão científica )

28 de janeiro de 2009 às 12:44:00 WET  
Blogger Caturo said...

Porém esse mapa não representa a raça branca. Temos de ter consciencia que grande parte do Leste e Norte da Rússia tem muitas outras raças.

Também penso isso e também levantei várias vezes essa objecção. Há que acautelar futuros conflitos étnico-raciais no seio de uma grande comunidade branca.

Mas enfim, no essencial a ideia é esta: união de todos os Europeus, incluindo os Russos, numa só frente política, em nome da comunidade de raça, de etnia e de civilização.

28 de janeiro de 2009 às 13:12:00 WET  
Blogger Caturo said...

---> Enfim, mais um imbecil militante para a colecção...

---> Deixem-se de conversa da treta... e concentrem-se naquilo que é verdadeiramente importante: combater o etnocídio europeu que por aí se avizinha!...


Deixa-te tu de imbecilidade militante - o que o russo afirmou é PRECISAMENTE o mais importante, e consiste precisamente na melhor maneira de salvaguardar a raça branca. Os alienígenas em solo europeu ainda são minoria, não é preciso entregar-lhes já metade da Europa, isso é RIDÍCULO.

28 de janeiro de 2009 às 13:14:00 WET  
Blogger Caturo said...

todos os povos e nações são filhos de imigrantes. nós dos chamados paises do "terceiro mundo" somos vossos descendentes,

Há descendentes e descendentes. Os descendentes mestiços não contam.

Claro que as populações brancas do (sul do) Brasil, da Argentina, do Chile, da África do Sul, da Austrália, etc., estão dentro da raça branca.

28 de janeiro de 2009 às 13:16:00 WET  
Blogger Caturo said...

Excelente Caturo,o saudoso actor Anthony Quinn,filho de pai Irlandês e mãe Mexicana,poder-se-ia considerar como caucasóide?

Creio que sim, caro anónimo...

28 de janeiro de 2009 às 13:17:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

“... há que mobilizar, para o separatismo, aquela minoria de europeus que possui disponibilidade emocional para abraçar um projecto de luta pela sobrevivência...”

Muito concretamente: que tipo de exigências terá que acarretar essa referida disponibilidade emocional ?


”... devem ser considerados nativos todas as pessoas com, pelo menos, x % de genes típicos nativos...”

X % ? Quotas ???

28 de janeiro de 2009 às 13:18:00 WET  
Blogger Caturo said...

Qual destas pics mostra pessoas de raça branca?

http://www.everyculture.com/images/ctc_03_img0824.jpg

http://swamibaba.files.wordpress.com/2007/03/1121.JPG


A primeira foto não é muito nítida, e creio que se relaciona com gente não indo-europeia do extremo nordeste europeu, mas de qualquer modo creio que ambas as fotos mostram pessoas de raça caucasóide.

28 de janeiro de 2009 às 13:21:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

"Há que acautelar futuros conflitos étnico-raciais no seio de uma grande comunidade branca."

Então o melhor é começar logo por pôr os portugueses, espanhóis, franceses, italianos e gregos à parte dos nórdicos...

28 de janeiro de 2009 às 13:22:00 WET  
Blogger Caturo said...

Então e os húngaros e os finlandeses,não são europeus como nós?

Não são indo-europeus, mas são europeus sem dúvida, partilham raça e civilização, evidentemente que não iam ser postos fora da comunidade branca.

28 de janeiro de 2009 às 13:24:00 WET  
Blogger Caturo said...

"Há que acautelar futuros conflitos étnico-raciais no seio de uma grande comunidade branca."

Então o melhor é começar logo por pôr os portugueses, espanhóis, franceses, italianos e gregos à parte dos nórdicos...

Não necessariamente. Basta que esteja cada qual no seu lugar, na sua terra, soberanamente.

Claro que se depois houver conflitos, cada Nação deve estar pronta a ligar-se às que lhe são mais próximas. Mas essa possibilidade é cada vez mais remota. Helenos, Albaneses, Latinos, Celtas, Germanos, Baltas, Eslavos, Arménios, são todos da mesma raça e raíz étnica.

28 de janeiro de 2009 às 13:27:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

"Claro que as populações brancas do (sul do) Brasil, da Argentina, do Chile, da África do Sul, da Austrália, etc., estão dentro da raça branca."

Então os brancos do Rio de Janeiro e de S.Paulo já não podem entrar na estatística?

28 de janeiro de 2009 às 13:27:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

http://www.sovlit.com/bios/yuvan.jpg

Caturo,esta foto é de um escritor da etnia Mansi,dos montes Urais.
São gentes aparentadas aos antigos Magiares.Quando chegaram á Europa,os Húngaros teriam esta fisionomia.Consegues ver,ó Caturo?

28 de janeiro de 2009 às 13:30:00 WET  
Blogger Caturo said...

De facto, tem um aspecto inequivocamente não caucasóide.

28 de janeiro de 2009 às 13:36:00 WET  
Blogger Caturo said...

Então os brancos do Rio de Janeiro e de S.Paulo já não podem entrar na estatística?

Claro que podem, estava a generalizar mas não a querer excluir.

28 de janeiro de 2009 às 13:36:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

"Caturo, esta foto é de um escritor da etnia Mansi, dos montes Urais."

Esse escritor é Yuvan Shestalov, o qual proclamou aos quatro ventos que os Mansis eram descendentes dos antigos Sumérios...

28 de janeiro de 2009 às 14:28:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Anónimo disse...
"Há que acautelar futuros conflitos étnico-raciais no seio de uma grande comunidade branca."

Então o melhor é começar logo por pôr os portugueses, espanhóis, franceses, italianos e gregos à parte dos nórdicos...

Quarta-feira, Janeiro 28, 2009 1:22:00 PM



Nem te lembraste do Kosovo?

28 de janeiro de 2009 às 15:20:00 WET  
Blogger pvnam said...

Muito concretamente: que tipo de exigências terá que acarretar essa referida disponibilidade emocional ?

---> Disponibilidade para pagar os NECESSÁRIOS E CARÍSSIMOS custos de renovação demográfica: incentivos monetários à natalidade, despesas com a fertilidade dos casais, despesas com a gravidez das mulheres, despesas em Saúde e Educação até à idade adulta, etc...



X % ? Quotas ???

---> Um exemplo: com 80% de genes típicos nativos... devem ser considerados nativos.

28 de janeiro de 2009 às 16:00:00 WET  
Blogger pvnam said...

P.S.
---> E disponibilidade para defender o território perante os predadores que ambicionam ocupar e dominar novos territórios.

28 de janeiro de 2009 às 16:08:00 WET  
Anonymous ariano said...

uma pessoa com 80% de genes caucasóides e 20% de genes negróides (por exemplo), não é um nativo. é um mestiço.
e isto é válido, mesmo que só tivesse 5% de genes negróides.

28 de janeiro de 2009 às 16:24:00 WET  
Anonymous ariano said...

os hungaros e finlandeses (fino-úgricos), bem como os lapões da Escandinávia, deveriam ser posto de parte nessa "Europa branca". caso contrário , há o risco de passar a ser a "Europa branca/amarelóide."

28 de janeiro de 2009 às 16:26:00 WET  
Anonymous ariano said...

ah e claro...nada de ideias em incluir a Sibéria.
ou mesmo algumas zonas mais "austrais" da "Rússia Europeia".
e muito menos Turquias.

28 de janeiro de 2009 às 16:28:00 WET  
Blogger CiscoKid said...

Setentrião (palavra usada por Guillaume Faye para definir o Grande Norte racial e civilizacional, no qual ele inclui a América do Norte),

Curioso que o Presidente de uma das nações do Setentrião seja um Afro-americano. E agora? :)

os hungaros e finlandeses (fino-úgricos), bem como os lapões da Escandinávia, deveriam ser posto de parte nessa "Europa branca". caso contrário , há o risco de passar a ser a "Europa branca/amarelóide."

Os nórdicos racistas também dizem o mesmo de nós: é melhor porem de parte os portugueses, espanhois e italianos porque há o risco de passar a ser Europa branca/magrebina.

28 de janeiro de 2009 às 16:46:00 WET  
Blogger Caturo said...

Os «nórdicos racistas» quais? Uma minoria de nacionalistas/racialistas, talvez...

28 de janeiro de 2009 às 17:06:00 WET  
Blogger Caturo said...

Mas ainda que sejam muitos, é indiferente. Não é por dizerem seja o que for que vamos passar a ser mais inclusivos.

E nem sequer estou a dizer que alguns europeus não arianos devam ser excluídos. O que estou a dizer é que os nórdicos não mandam nada aqui nem nos «empurram» para uma posição anti-racista ou racialmente desleixada, como alguns quereriam que acontecesse.

28 de janeiro de 2009 às 17:08:00 WET  
Blogger Caturo said...

Curioso que o Presidente de uma das nações do Setentrião seja um Afro-americano.

Pois, mas a maioria da população branca desse país do Setentrião não votou no afro-americano. :)
Acresce que nada impede a que esse país venha a desaparecer, dividido em Estados raciais.

28 de janeiro de 2009 às 17:10:00 WET  
Anonymous ariano said...

"Os nórdicos racistas também dizem o mesmo de nós: é melhor porem de parte os portugueses, espanhois e italianos porque há o risco de passar a ser Europa branca/magrebina."


pronto...
voltou a imbecilidade ciscokidiana.

em 1º lugar não é "dizem o mesmo de nós". se queres falar, fala por ti. mas não me incluis nesses "magrebinos" s.f.f.

em 2º lugar, ainda existe uma diferença, entre brancos semitas e os mongolóides. é que esses, nem são brancos, nem caucasóides. são MESMO amarelos de outra raça.
eu sou anti-semita por natureza, mas prefiro uma Europa branca "arianó-semita", do que uma Europa amarela ou uma Europa negra.

28 de janeiro de 2009 às 17:13:00 WET  
Anonymous ariano said...

dito isto, claro está que a Europa é dos povos indo-europeus e não dos povos semitas.

28 de janeiro de 2009 às 17:15:00 WET  
Blogger pvnam said...

uma pessoa com 80% de genes caucasóides e 20% de genes negróides (por exemplo), não é um nativo. é um mestiço.
e isto é válido, mesmo que só tivesse 5% de genes negróides.


---> É um argumento típico dos espertalhões da Inquisição Mestiça.
---> É o velho truque do Sun Tsu: promover um fundamentalismo... de forma a convencer o inimigo de que deve desistir de lutar.
---> Ao contrário daquilo que os espertalhões da Inquisição Mestiça petendem... deve-se lutar pela sobrevivência da Identidade Étnica Europeia sem determinados fundamentalismos...

28 de janeiro de 2009 às 18:57:00 WET  
Anonymous ariano said...

pvnam, não se trata de fundamentalismo.
é a realidade.
uma coisa, é teres 80% de genes Europeus e 20% de genes não-Europeus, mas "brancos" (semitas, por exemplo)
ou seja, continuas a ser branco caucasóide e não és um mestiço.

agora com 20% de genes negróides ou mongolóides, és um mestiço.

quanto aos "argumentos dos espertalhões da inquisição"...o que me parece é que vocês perdem demasiado tempo com eles, o que não revela muita inteligência.
não há que ter medo do debate, nem dos argumentos. há é que rebatê-los com inteligência.

ninguém aqui procura "purezas" de 100%.
e não é por os "inquisidores" usarem esse "argumento", que eu vou voltar atrás com as minhas ideias.

podes não ser 100% "puro", mas ser 100% caucasóide.
é isto que muita gente deve perceber.
há uma grande diferença entre não ser puro e ser mestiço.

28 de janeiro de 2009 às 19:06:00 WET  
Blogger Caturo said...

Não se pode pôr à margem quem não é 100% caucasóide. Raças puras não existem. Na Europa, o branco que não tenha qualquer sangue negro, poderá todavia ter sangue mongólico.

28 de janeiro de 2009 às 19:14:00 WET  
Blogger Caturo said...

---> É o velho truque do Sun Tsu: promover um fundamentalismo... de forma a convencer o inimigo de que deve desistir de lutar.

É das poucas, raras vezes que vejo o pvnam a dizer alguma coisa sensata.
Não acho que a intenção do ariano seja desmobilizar, mas é verdade que a súcia antirra diz muitas vezes que só se pode fazer um combate pela Raça se se for puro e se se defender a pureza.

28 de janeiro de 2009 às 19:15:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Não necessariamente. Basta que esteja cada qual no seu lugar, na sua terra, soberanamente.

Não partilhas do chavão: dentro da Europa não há imigração mas sim migrações?

28 de janeiro de 2009 às 19:20:00 WET  
Anonymous ariano said...

"Raças puras não existem."

existem, pois.
o que não existem é etnias puras.



"Na Europa, o branco que não tenha qualquer sangue negro, poderá todavia ter sangue mongólico."

a maioria dos Europeus, não tem, nem uma coisa, nem outra.
o que todos podem ter é sangue extra-Europeu, como judeu, turco, berbere, àrabe, etc...



"Não acho que a intenção do ariano seja desmobilizar"

claro que não...




"mas é verdade que a súcia antirra diz muitas vezes que só se pode fazer um combate
pela Raça se se for puro e se se defender a pureza."

pois dizem. mas o pior de tudo, é que vocês dão-lhes ouvidos.
eu já disse para não prestarem atenção a esses argumentos.
porque isso é o que eles querem; levar-vos a serem mais "tolerantes", e ficarem mais abrangentes e inclusivos , a ponto de tolerarem Europeus que andem aí a espalhar sangue negro aos outros.

28 de janeiro de 2009 às 19:23:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Na Europa, o branco que não tenha qualquer sangue negro,

Dasss fala por ti. dasss.... dasss...

28 de janeiro de 2009 às 19:24:00 WET  
Anonymous ariano said...

"É o velho truque do Sun Tsu: promover um fundamentalismo... de forma a convencer "

só cai na armadilha quem quer.
e, pelos vistos, vocês são meninos para darem ouvidos e cairem...

28 de janeiro de 2009 às 19:27:00 WET  
Blogger pvnam said...

podes não ser 100% "puro"

---> Seja, ou não seja, 100% puro, as minhas ideias não se irão modificar um milímetro!
---> Isto é, seja, ou não seja, 100% puro, comigo os espertalhões da Inquisição Mestiça estão f*didos!

28 de janeiro de 2009 às 19:42:00 WET  
Blogger Caturo said...

Não partilhas do chavão: dentro da Europa não há imigração mas sim migrações?

Partilho até certo ponto. Mas isso não significa que as migrações devam acontecer.

28 de janeiro de 2009 às 19:57:00 WET  
Blogger Caturo said...

"Raças puras não existem."

existem, pois.

Não existem.


"Na Europa, o branco que não tenha qualquer sangue negro, poderá todavia ter sangue mongólico."

a maioria dos Europeus, não tem, nem uma coisa, nem outra

Certeza pouco credível.

Além de impraticável.

28 de janeiro de 2009 às 19:59:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

http://swamibaba.files.wordpress.com/2007/03/1121.JPG


Esta da foto não é branca nem nunca será, apenas tem feições finas tal como os indo-europeus, mas não pode ser considerada branca é indiana tipica.


De facto não existem arianos 100% puros na Europa, mas alguem que tenha 20% de sangue extra-europeu não é branco.
Influências pequenas sempre existiram seja na Hungria ou na França ou em Portugal, mas a base é branca e é isso que hoje em dia tem que ser preservado.

Portugal somos Nós!

28 de janeiro de 2009 às 20:02:00 WET  
Anonymous ariano said...

"a maioria dos Europeus, não tem, nem uma coisa, nem outra

Certeza pouco credível.

Além de impraticável."


estás a dizer que TODOS temos sangue negróide e/ou mongólico?

isso é muito perigoso, pois são justamente vocês do PNR que estão sempre a dizer que o sangue negro em Portugal é residual. falam em percentagens de 1% e o mesmo para outros países da Europa (por exemplo, 1,7% na Alemanha)
ora isso, significava forçosamente que uns 99% da população teriam sangue mongolóide.

como viste, foi fácil de provar que isso não tem cabimento.

e limitei-me a usar os teus próprios argumentos. não os meus.

28 de janeiro de 2009 às 20:07:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

http://www.hollywood-celebrity-pictures.com/Celebrities/Aishwarya-Rai/Aishwarya-Rai-2.JPG

28 de janeiro de 2009 às 20:26:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Partilho até certo ponto. Mas isso não significa que as migrações devam acontecer.
Quarta-feira, Janeiro 28, 2009 7:57:00 PM

É uma resposta ambivalente. A imigração de países de Leste para Inglaterra também começou a denotar indícios de iminvasão,incluindo aumentando os niveis de criminalidade.

28 de janeiro de 2009 às 20:44:00 WET  
Anonymous Titan said...

Não partilhas do chavão: dentro da Europa não há imigração mas sim migrações?

Eu não partilho do chavão. Apartir do momento que passou a existirem países na Europa, acabaram-se as migrações

28 de janeiro de 2009 às 20:54:00 WET  
Blogger Caturo said...

estás a dizer que TODOS temos sangue negróide e/ou mongólico?

A maioria, creio que sim.


isso é muito perigoso, pois são justamente vocês do PNR que estão sempre a dizer que o sangue negro em Portugal é residual. falam em percentagens de 1%

Portugal tem para aí 4%.


e o mesmo para outros países da Europa (por exemplo, 1,7% na Alemanha)

Creio que é menos, mas existe.


ora isso, significava forçosamente que uns 99% da população teriam sangue mongolóide.

Não necessariamente. Esse sangue negróide pode existir em TODA a população, mas de maneira muito residual em cada um.


e limitei-me a usar os teus próprios argumentos

Usaste-os foi mal. Só isso.

28 de janeiro de 2009 às 21:16:00 WET  
Blogger Caturo said...

A imigração de países de Leste para Inglaterra também começou a denotar indícios de iminvasão,incluindo aumentando os niveis de criminalidade.

Por isso mesmo é que partilho ATÉ CERTO PONTO do chavão que referiste.

28 de janeiro de 2009 às 21:17:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

4% talvez, devido sobretudo á traição de 1974 e as politicas de imigração que se seguiram de portas abertas para as antigas colónias.

Acorda Portugal!

Portugal aos portugueses

28 de janeiro de 2009 às 21:38:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

e nao so, no tempo dos descobrimentos lisboa tinha 10% de negros que foram absorvidos pelos brancos.

28 de janeiro de 2009 às 22:53:00 WET  
Anonymous Titan said...

Anónimo disse...
e nao so, no tempo dos descobrimentos lisboa tinha 10% de negros que foram absorvidos pelos brancos.

Quarta-feira, Janeiro 28, 2009 10:53:00 PM

Foram?! Os estudos géneticos à população portuguesa apontam uma presença residual de genes africanos na população portuguesa.

28 de janeiro de 2009 às 22:57:00 WET  
Blogger pvnam said...

EXTRA EXTRA EXTRA:

O banco BBVA poderá não só adquirir uma participação qualificada no BCP, como também em outras tomadas de participação ou inclusivamente aquisições integrais de empresas portuguesas que se lhe seguissem...

ABRAM OS OLHOS: as empresas fulcrais de um país devem estar nas mãos do Estado...pois: ficando à mercê de "sócrates's" ainda se poderá corrigir alguma coisa... agora, ficando à mercê de "madoff's" (leia-se, alta finança internacional) é comer e calar sem direito a piar...

28 de janeiro de 2009 às 23:10:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

e nao so, no tempo dos descobrimentos lisboa tinha 10% de negros que foram absorvidos pelos brancos.

Quarta-feira, Janeiro 28, 2009 10:53:00 PM

Mentir é feio e bastante insultuoso.
10% é uma clara mentira, se bem que os africanos foram enviados para o brasil trabalhar.

Todos os estudos revelam que os portugueses são racialmente brancos e as influencias de sangue extra europeu são residuais.

28 de janeiro de 2009 às 23:26:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

e nao so, no tempo dos descobrimentos lisboa tinha 10% de negros que foram absorvidos pelos brancos.

Mais merda de quem não sabe do que está a falar: os tais "10%" são estimativas que levam em consideração os mercados de escravos que forneciam o Brasil. Tal como os 10%, 20% 30%, 40% de judeus que lançam para o ar leva em consideração a migração de judeus espanhóis. O que ninguém leva em consideração é que não é só entrar, também há saída. Assim se brincam com os números.

Daí a "foram absorvidos" vai um passo para quem quer à viva força fazer dos outros pretos.

O mais giro (ou triste) disto tudo é que falam todos dos "escravos que fazoiam o trabalho pesado todo" e esquecem-se do pormenorzinho de quem nem nas zonas onde houve importação de africanos no século XIX a dita contribuição genética é masculina.

Mas o que é que isto interessa para quem tem como objectivo fazer os outros baixar os braços? Nada. O que interessa é lançar a confusão, a dúvida, as calúnias do costume, fazer com que se percam em questões menores para não terem tempo de resistir.

28 de janeiro de 2009 às 23:33:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Exploração da inocência:

http://www.youtube.com/watch?v=WG7U1QsUd1g

29 de janeiro de 2009 às 00:05:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

"O mais giro (ou triste) disto tudo é que falam todos dos "escravos que faziam o trabalho pesado todo" e esquecem-se do pormenorzinho de quem nem nas zonas onde houve importação de africanos no século XIX a dita contribuição genética é masculina."

Será mesmo assim? Quantas "Aldeias de S.Romão" não existirão neste país, embora já bastante mais diluídas?!

29 de janeiro de 2009 às 00:09:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

aturo said...

A imigração de países de Leste para Inglaterra também começou a denotar indícios de iminvasão,incluindo aumentando os niveis de criminalidade.

Por isso mesmo é que partilho ATÉ CERTO PONTO do chavão que referiste.
Quarta-feira, Janeiro 28, 2009 9:17:00 PM

Estes de Leste ainda por cima são complicados porque não levaram a lavagem cerebral do pacifismo que os Ocidentais levaram.

29 de janeiro de 2009 às 00:27:00 WET  
Anonymous Titan said...

Será mesmo assim? Quantas "Aldeias de S.Romão" não existirão neste país, embora já bastante mais diluídas?!

O que é que isso interessa?
Os portugueses não são pretos, nem os pretos são portugueses.

29 de janeiro de 2009 às 01:21:00 WET  
Anonymous Nepenthes said...

"os hungaros e finlandeses (fino-úgricos), bem como os lapões da Escandinávia, deveriam ser posto de parte nessa "Europa branca"."

Não,nada disso.São sem sombra de dúvidas,brancos e bem brancos.Onde é que estão os traços típicamente mogolóides nos húngaros e finlandeses que já viste?
Físicamente,são escandinavos do tipo nórdico,e os outros assemelham-se aos povos centro e leste-europeus; não é preciso ser muito esperto para se perceber isso.O seu lugar é,pois,na Europa,é cá que eles pertencem e não há mais controvérsia a esse respeito.O passado histórico da Hungria ou da Finlândia teve os seus acasos,mas não formou uma população mestiça,nem em sonhos.
O que os separa dos Indo-Europeus é sómente a língua,que não pertence a essa família;de resto,o seu modo de vida e cultura é ocidental.
E meia-dúzia de genes,descobertos por investigadores que sabem o que fazem,não chega para classificar um grupo populacional de mestiço.
Isso é um grande desconhecimento da verdade.
Se são mestiços,que venham as evidências físicas que o corroborem.Um mestiço tem que possuir notóriamente,feições de progenitores de raças muito diferentes.É assim que se determina.Não há cá,portanto,"amarelóides" nem o raio que parta:trata-se de Europeus,e bem Europeus,e mais uma vez afirmo,que o seu lugar é connosco,aqui na Europa.Fiquem cá que ficam bem,com a sua cultura própria.
Lá porque alguns pais e mães na Hungria,gostem de dar nomes aos seus filhos como "Attila" ou "Ildiko",ou "Aniko",não é motivo para que se ponham de parte da Europa Caucasóide,porque estamos a falar de caucasóides.E no caso da Finlândia,por sinal,de gente bem branca...

29 de janeiro de 2009 às 01:31:00 WET  
Anonymous Nepenthes said...

"Na Europa, o branco que não tenha qualquer sangue negro, poderá todavia ter sangue mongólico."

"a maioria dos Europeus, não tem, nem uma coisa, nem outra.
o que todos podem ter é sangue extra-Europeu, como judeu, turco, berbere, àrabe, etc..."


Depende de que Europeus se está a falar.Os Eslavos orientais,mais próximos da região da Sibéria,têm sangue tártaro e fino-úgrico.
O Izmailov,médio russo do SCP,é um caso:junta feições eslavas a mongólicas,possívelmente tártaras.
Na Europa Oriental,essa mistura já é muito antiga,vem do Paleolítico.
E se calhar os soldados do Gengis Khan também fizeram violaçõs na Europa de Leste.
A Bulgária também tem essas duas componentes:eslava e turco-tártara.
E os Turcos Otomanos já não eram exactamente mongólicos:tinham sangue persa e indo-afegão,portanto sangue Ariano,embora a língua fosse Uralo-Altaica e a religião,Islâmica.
O sangue Judaico não tem expressão digna de realce no conjunto dos Europeus.O que se vê em Israel,nos tempos modernos,é uma grande variedade de tipos físicos entre os Judeus:desde Semitas morenos a loiros de olhos azuis e sardentos.
São os acasos da História,o que é que se há de fazer?

29 de janeiro de 2009 às 01:40:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

"estás a dizer que TODOS temos sangue negróide e/ou mongólico?"


TODOS?Não.Mas boa parte dos Europeus tem genes mongólicos,sendo que a percentagem negróide não é significativa.
No primeiro caso,não me choca de forma nenhuma,mas não simpatizaria muito com a segunda.

29 de janeiro de 2009 às 01:43:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

http://picasaweb.google.pt/prmalves21/BozsiHuszar#5196584258516158866


Por falar em húngaros,como classificar racialmente esta mulher húngara?

29 de janeiro de 2009 às 01:53:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Agora,um exercício:comparem a foto da rapariga com uma do falecido jogador Miklos Féher.Ambos são húngaros.E então?

29 de janeiro de 2009 às 02:03:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

O Féher era uma bela figura Europeia.Se não fosse húngaro,diria que era ou alemão ou austríaco.
Que descanse em paz!

29 de janeiro de 2009 às 02:07:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Magiares

"Os magiares são um grupo étnico de origem asiática que invadiu a Europa Central e estabeleceu-se na Bacia dos Cárpatos no século IX, fundando um Estado que seria posteriormente conhecido como Hungria. Hoje em dia, um dos elementos definidores da etnia magiar é a língua húngara.

Embora o termo "magiar" (do húngaro magyar, "magiar", "húngaro") costume ser empregado como sinônimo de "húngaro", por vezes há diferenças de sentido entre um e outro. "Húngaro" pode ser utilizado para referir-se a todos os habitantes do Reino da Hungria (que existiu até 1946) e a todos os cidadãos da República da Hungria (de 1946 até o presente), quer sejam de etnia magiar ou não. Neste caso, usa-se o termo "magiar" para diferenciar os húngaros de etnia magiar dos cidadãos húngaros de outras etnias, como a romena, as eslavas, a alemã etc.

A língua húngara emprega o mesmo termo magyar para designar tanto o membro da etnia como o cidadão húngaro, indistintamente.

Há hoje cerca de 10 milhões de magiares na Hungria (dados de 2001), o que a torna o país mais homogêneo da região, do ponto de vista étnico. Os magiares eram os principais habitantes do Reino da Hungria (que incluía o que são hoje a Eslováquia, a região romena da Transilvânia, a província sérvia da Voivodina e porções menores da Áustria; a Croácia era um reino autônomo sujeito à coroa húngara). Com o fim do Reino da Hungria devido ao Tratado de Trianon, os magiares tornaram-se minoria étnica na Romênia (1.400.000), Eslováquia (520.000), Sérvia e Montenegro (293.000, quase todos na Voivodina), Ucrânia e Rússia (170.000), Áustria (70.000), Croácia (16.500), República Tcheca (14.600) e Eslovênia (10.000). Grupos significativos de origem magiar vivem em outras regiões do mundo, como os Estados Unidos e o Brasil, mas poucos ainda preservam as tradições e a língua húngara, diferentemente dos magiares que habitam os territórios antes pertencentes ao Reino da Hungria.

Realizou-se, em dezembro de 2004, na Hungria, um referendo sobre a outorga da nacionalidade húngara às minorias étnicas magiares da Bacia dos Cárpatos. O referendo teve um comparecimento às urnas menor do que o exigido pela lei e, portanto, não chegou a conclusão acerca do tema.


Origens remotas
A teoria fino-úgrica é a mais aceita sobre a origem dos magiares. As povoações fino-úgricas no quarto milênio a.C. situavam-se a leste dos Urais. Dali, os ugrianos (ancestrais dos magiares) deslocaram-se para as estepes da Sibéria ocidental, a partir de 2000 a.C. Aprenderam a agricultura, a pecuária e a trabalhar o bronze. Em cerca de 1500 a.C., começaram a criar cavalos e a montá-los.

No início do primeiro milênio a.C., os ugrianos tornaram-se pastores nômades e, com a partida dos ob-ugrianos em cerca de 500 a.C., passaram a ser um grupo étnico distinto, os proto-magiares.

Nos séculos IV e V d.C., os proto-magiares atravessaram os Urais na direção oeste, para a região entre os Urais meridionais e o rio Volga. No início do século VIII d.C., parte dos proto-magiares deslocou-se para o rio Don, onde eram súditos do Caganato cazar. Segundo a tradição, os magiares organizaram-se em sete tribos, chamadas Jenő, Kér, Keszi, Kürt-Gyarmat, Megyer (Magyar), Nyék e Tarján.

Em torno de 830, devido a uma guerra civil no caganato, os magiares e três tribos cabares deslocaram-se para a região entre os Cárpatos e o rio Dniepre. Em 895-896, os magiares começaram a atravessar os Cárpatos na direção oeste, talvez devido aos ataques externos dos pechenegues e búlgaros. Na Bacia dos Cárpatos, encontraram eslavos e alguns ávaros."

29 de janeiro de 2009 às 02:11:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Quem é que disse que somos todos parte da mesma etnia?

http://www.youtube.com/watch?v=kO7seODFTrs

29 de janeiro de 2009 às 12:05:00 WET  
Blogger Caturo said...

Quem disse que não somos?

http://www.youtube.com/watch?v=cAx3mZMaaL8

29 de janeiro de 2009 às 12:19:00 WET  
Anonymous Atlante said...

É claro que somos todos da mesma etnia,como aqui nas Ilhas.

http://www.youtube.com/watch?v=ytEMz7MmSLY

29 de janeiro de 2009 às 13:57:00 WET  
Anonymous ariano said...

Nepenthes, repara nas feições do Litmanen, por exemplo.
ele não tem traços ligeiramente mongóis?

29 de janeiro de 2009 às 16:28:00 WET  
Anonymous ariano said...

"estás a dizer que TODOS temos sangue negróide e/ou mongólico?

A maioria, creio que sim."


ahhh. a "maioria" quer dizer que não são todos. LOGO, há raças puras.
aliás, nem era preciso.
achas que não existem pretos puros na Àfrica? e mongóis puros na Àsia?
eu acho que existem...logo há raças puras.





"Não necessariamente. Esse sangue negróide pode existir em TODA a população, mas de maneira muito residual em cada um."


parece-me um disparate sem qualquer fundamento. e parece-me que não tens qualquer forma de provar isto, antes pelo contrário...

29 de janeiro de 2009 às 16:45:00 WET  
Anonymous ariano said...

as misturas de brancos Europeus com pretos an história, resumem-se aos últimos 2/3 séculos (falo da Europa) e, mesmo assim, são casos esporádicos.
é verdade que a mestiçagem tem avançado muito nos últimos 40 ou 50anos.
mas antes disso, era muito raro.
e antes do séc. XVIII ou XIX, então...é quase impossivel.
logo, é impossivel TODA a população ter genes negróides porque simplesmente não havia contactos entre brancos e negróides na antiguidade. a sociedade era endogâmica, tribal, familiar, etc, e os pretos estavam num continente diferente.
quanto muito seriam escravizados pelos mouros...e nada mais.

29 de janeiro de 2009 às 16:49:00 WET  
Blogger Caturo said...

"Não necessariamente. Esse sangue negróide pode existir em TODA a população, mas de maneira muito residual em cada um."

parece-me um disparate sem qualquer fundamento. e parece-me que não tens qualquer forma de provar isto, antes pelo contrário...


O que li foi que há x% de sangue negróide em Portugal, Espanha, França, Inglaterra e Alemanha. Não sei se está diluído por toda a população ou se só meia dúzia o tem.
Mas tu é que não estás em posição de determinar qual a interpretação correcta.

Acresce que essa ascendência remotamente negróide pode «acontecer» a qualquer um. E duvido que te fosses embora para África caso descobrisses que tinhas um tetaravô negro.

29 de janeiro de 2009 às 21:13:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

De facto não existem arianos puros, mas sim povos etnicamente brancos ingleses, portugueses, italianos, espanhois, alemães, por ai fora... que têm preservadas as suas raizes raciais.

29 de janeiro de 2009 às 21:26:00 WET  
Blogger Caturo said...

O engraçado é que não houve comentários - pudera, não quer a imprensa e os fazedores de opinião que o Povo se aperceba que uma das grandes potências mundiais ADMITE um discurso racial.
Para todos os efeitos, a «versão oficial» da Política vigente diz que só meia dúzia de marginais criminosos e nazis é que se preocupam com a raça e acabou-se a conversa... ;)

29 de janeiro de 2009 às 21:27:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Quem é que disse que somos todos parte da mesma etnia?

Quem disse que não somos?

Mas seremos mesmo???

"Norte Nome de Portugal

"Primeiro, as verdades. O Norte é mais Português que Portugal. As minhotas são as raparigas mais bonitas do País. O Minho é a nossa província mais estragada e continua a ser a mais bela. As festas da Nossa Senhora da Agonia são as maiores e mais impressionantes que já se viram.

Viana do Castelo é uma cidade clara. Não esconde nada. Não há uma Viana secreta. Não há outra Viana do lado de lá. Em Viana do Castelo está tudo à vista. A luz mostra tudo o que há para ver. É uma cidade verde-branca. Verde-rio e verde-mar, mas branca. Em Agosto até o verde mais escuro, que se vê nas árvores antigas do Monte de Santa Luzia, parece tornar-se branco ao olhar. Até o granito das casas. Mais verdades. No Norte a comida é melhor. O vinho é melhor. O serviço é melhor. Os preços são mais baixos. Não é difícil entrar ao calhas numa taberna, comer muito bem e pagar uma ninharia. Estas são as verdades do Norte de Portugal. Mas há uma verdade maior. É que só o Norte existe. O Sul não existe: o Alentejo, os Açores, a Madeira, Lisboa, etc, existem sozinhas. O Sul é solto. Não se junta. Não se diz que se é do Sul como se diz que se é do Norte. No Norte dizem-se e orgulham-se de se dizer nortenhos. Quem é que se identifica como sulista? No Norte, as pessoas falam mais no Norte do que todos os portugueses juntos falam de Portugal inteiro.

Os nortenhos não falam do Norte como se o Norte fosse um segundo país. Não haja enganos. Não falam do Norte para separá-lo de Portugal. Falam do Norte apenas para separá-lo do resto de Portugal. Para um nortenho, há o Norte e há o Resto. É a soma de um e de outro que constitui Portugal. Mas o Norte é onde Portugal começa. Depois do Norte, Portugal limita-se a continuar, a correr por ali abaixo. Deus nos livre, mas se se perdesse o resto do país e só ficasse o Norte, Portugal continuaria a existir. Como país inteiro. Pátria mesmo, por muito pequenina. No Norte. Em contrapartida, sem o Norte, Portugal seria uma mera região da Europa. Mais ou menos peninsular, ou insular. É esta a verdade. Lisboa é bonita e estranha mas é apenas uma cidade. O Alentejo é especial mas ibérico, a Madeira é encantadora mas inglesa e os Açores são um caso à parte.

Em qualquer caso, os lisboetas não falam nem no Centro nem no Sul - falam em Lisboa. Os alentejanos nem sequer falam do Algarve - falam do Alentejo. As ilhas falam em si mesmas e naquela entidade incompreensível a que chamam, qual hipermercado de mil misturadas, Continente.

No Norte, Portugal tira de si a sua ideia e ganha corpo. Está muito estragado, mas é um estragado português, semi-arrependido, como quem não quer a coisa. O Norte cheira a dinheiro e a alecrim. O asseio não é asséptico - cheira a cunhas, a conhecimentos e a arranjinho. Tem esse defeito e essa verdade. Em contrapartida, a conservação fantástica de (algum) Alentejo é impecável, porque os alentejanos são mais frios e conservadores (menos portugueses) nessas coisas.

O Norte é feminino. O Minho é uma menina. Tem a doçura agreste, a timidez insolente da mulher portuguesa. Como um brinco doirado que luz numa orelha pequenina, o Norte dá nas vistas sem se dar por isso.

As raparigas do Norte têm belezas perigosas, olhos verdes-impossíveis, daqueles em que os versos, desde o dia em que nascem, se põem a escrever-se sozinhos. Têm o ar de quem pertence a si própria. Andam de mãos nas ancas. Olham de frente. Pensam em tudo e dizem tudo o que pensam. Confiam, mas não dão confiança. Olho para as raparigas do meu país e acho-as bonitas e honradas, graciosas sem estarem para brincadeiras, bonitas sem serem belas, erguidas pelo nariz, seguras pelo queixo, aprumadas, mas sem vaidade. Acho-as verdadeiras. Acredito nelas. Gosto da vergonha delas, da maneira como coram quando se lhes fala e da maneira como podem puxar de um estalo ou de uma panela, quando se lhes falta ao respeito.

Gosto das pequeninas, com o cabelo puxado atrás das orelhas, e das velhas, de carrapito perfeito, que têm os olhos endurecidos de quem passou a vida a cuidar dos outros. Gosto dos brincos, dos sapatos, das saias. Gosto das burguesas, vestidas à maneira, de braço enlaçado nos homens. Fazem-me todas medo, na maneira calada como conduzem as cerimónias e os maridos, mas gosto delas. São mulheres que possuem; são mulheres que pertencem.

As mulheres do Norte deveriam mandar neste país. Têm o ar de que sabem o que estão a fazer. Em Viana, durante as festas, são as senhoras em toda a parte. Numa procissão, numa barraca de feira, numa taberna, são elas que decidem silenciosamente. Trabalham três vezes mais que os homens e não lhes dão importância especial. Só descomposturas, e mimos, e carinhos. O Norte é a nossa verdade. Ao princípio irritava-me que todos os nortenhos tivessem tanto orgulho no Norte, porque me parecia que o orgulho era aleatório. Gostavam do Norte só porque eram do Norte. Assim também eu. Ansiava por encontrar um nortenho que preferisse Coimbra ou o Algarve, da maneira que eu, lisboeta, prefiro o Norte. Afinal, Portugal é um caso muito sério e compete a cada português escolher, de cabeça fria e coração quente, os seus pedaços e pormenores.

Depois percebi. Os nortenhos, antes de nascer, já escolheram. Já nascem escolhidos. Não escolhem a terra onde nascem, seja Ponte de Lima ou Amarante, e apesar de as defenderem acerrimamente, põem acima dessas terras a terra maior que é o "O Norte". Defendem o "Norte" em Portugal como os Portugueses haviam de defender Portugal no mundo.

Este sacrifício colectivo, em que cada um adia a sua pertença particular - o nome da sua terrinha - para poder pertencer a uma terra maior, é comovente. No Porto, dizem que as pessoas de Viana são melhores do que as do Porto. Em Viana, dizem que as festas de Viana não são tão autênticas como as de Ponte de Lima.

Em Ponte de Lima dizem que a vila de Amarante ainda é mais bonita. O Norte não tem nome próprio. Se o tem não o diz. Quem sabe se é mais Minho ou Trás-os-Montes, se é litoral ou interior, português ou galego? Parece vago. Mas não é. Basta olhar para aquelas caras e para aquelas casas, para as árvores, para os muros, ouvir aquelas vozes, sentir aquelas mãos em cima de nós, com a terra a tremer de tanto tambor e o céu em fogo, para adivinhar.

O nome do Norte é Portugal. Portugal, como nome de terra, como nome de nós todos, é um nome do Norte. Não é só o nome do Porto. É a maneira que têm de dizer "Portugal" e "Portugueses". No Norte dizem-no a toda a hora, com a maior das naturalidades. Sem complexos e sem patrioteirismos. Como se fosse só um nome. Como "Norte". Como se fosse assim que chamassem uns pelos outros. Porque é que não é assim que nos chamamos todos?

in K, Nº 2, Novembro de 1990

[Diogo Duarte Campos]"

29 de janeiro de 2009 às 22:55:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Nacionalistas russos ou jovens comunistas ?

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/en/9/9d/Natzbols.jpg

30 de janeiro de 2009 às 00:02:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Natzbols.jpg

30 de janeiro de 2009 às 00:03:00 WET  
Anonymous Nepenthes said...

"Nepenthes, repara nas feições do Litmanen, por exemplo.
ele não tem traços ligeiramente mongóis?"

Muito ligeiramente mongóis,e não chegam para fazer dele sequer um mestiço.Para por a coisa em números,talvez tenha para aí 1/10 de sangue mongol/fino-úgrico.
E então o Hyyppia?Não é um perfeito escandinavo,teutónico,do mais branco que há?...
Os finlandeses têm esta singularidade,dadas as suas origens,mas o sangue mongol,na verdade,está mais que diluído.Já estão muito misturados com os nórdicos.
O Kimi Raikkonen parece mais um sueco que um finês.
Já o maestro Esa Pekka Salonen tem uma estrutura facial algo semelhante a um coreano,por exemplo,mas tem pigmentação claramente nórdica.
Que importa?Continuam a ser Europeus.

30 de janeiro de 2009 às 01:56:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

O Litmanen tem feições mongólicas.Há japoneses parecidos com ele.Podia ser japonês.

30 de janeiro de 2009 às 02:16:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

ja agora pra besta do caturo, alemães tem sangue negroide !

e pergunto qual foi o momento que os alemães tiveram contato com negros ,pra que essa miscegenação acontecesse?

30 de janeiro de 2009 às 05:00:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

suspeito que o caturo não seja mais o dono do blog ou que esta escrevendo sobre fortes ameaças !

30 de janeiro de 2009 às 05:01:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

"ja agora pra besta do caturo, alemães tem sangue negroide !

e pergunto qual foi o momento que os alemães tiveram contato com negros ,pra que essa miscegenação acontecesse?"

É possivel que tenham, tanto como os ingleses têm um pouquinho, os portugueses, italianos mas isto não faz deles mestiços ou algo que se pareça.
São apenas europeus, uns meditêrrânicos, outros dináricos e nórdicos.

30 de janeiro de 2009 às 15:39:00 WET  
Anonymous ariano said...

"Não sei se está diluído por toda a população ou se só meia dúzia o tem."

se estivesse diluido por toda a população, seria sempre detectado nos testes, mesmo que fosse muito remoto ou longinquo, porque o sangue JAMAIS desaparece.
e eu conheço casos de Portugueses sem sangue negro.
e, imagina lá tu, até conheço casos de descendentes de Portugueses (brasileiros) com 0% de sangue negro.




"Acresce que essa ascendência remotamente negróide pode «acontecer» a qualquer um."

até à 7ª,8ª,9ª geração...pode. ANTES disso, é impossivel.





"E duvido que te fosses embora para África caso descobrisses que tinhas um tetaravô negro."


acho que não tenho nenhum tetaravô negro.
se descobrisse que, um pouco mais para trás, tinha um antepassado negro, não ia para África. mas também não me importava que os racialistas me pusessem numa terra só para os brancos com sangue negróide, para evitar contaminar o resto.
é uma questão de bom senso.

30 de janeiro de 2009 às 16:49:00 WET  
Blogger Caturo said...

ja agora pra besta do caturo, alemães tem sangue negroide !

Não fui eu que descobri isso, imbecil. Informa-te.

30 de janeiro de 2009 às 20:22:00 WET  
Blogger Caturo said...

"Não sei se está diluído por toda a população ou se só meia dúzia o tem."

se estivesse diluido por toda a população, seria sempre detectado nos testes, mesmo que fosse muito remoto ou longinquo, porque o sangue JAMAIS desaparece.
e eu conheço casos de Portugueses sem sangue negro.


Mostraram-te os testes?

30 de janeiro de 2009 às 20:23:00 WET  
Blogger Caturo said...

"Acresce que essa ascendência remotamente negróide pode «acontecer» a qualquer um."

até à 7ª,8ª,9ª geração...pode. ANTES disso, é impossivel.


Alto... mas não eras tu que dizias que o sangue negróide JAMAIS desaparece? :)

30 de janeiro de 2009 às 20:24:00 WET  
Anonymous ariano said...

"até à 7ª,8ª,9ª geração...pode. ANTES disso, é impossivel.


Alto... mas não eras tu que dizias que o sangue negróide JAMAIS desaparece? :)"


não percebeste nada. CLARO que nunca desaparece.

eu disse que antes de uma 7ª, 8ª ou 9ª geração é impossivel, porque antes disso, nunca tinha havido misturas de brancos com negros.
sim, a tua querida "nação" portuguesa foi pioneira mundial da mestiçagem, nos séculos a seguir aos descobrimentos. podes estar orgulhoso disso

2 de fevereiro de 2009 às 15:42:00 WET  
Anonymous ariano said...

"Mostraram-te os testes?"


não. eu acredito na palavra. e há estudos que demonstram que os brancos com genes negróides são raros.
e quanto mais se avança para Norte, mais raros são (não quer dizer que não haja também)

2 de fevereiro de 2009 às 15:43:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Em geral 0,6% de sangue negroide, tal como existe em varios outros paises europeus, pode ir aos 2.2% Será isto foco de discussão? para que? não altera nada, nem altera quem somos enquanto portugueses europeus brancos.

4 de fevereiro de 2009 às 19:54:00 WET  
Blogger Caturo said...

não. eu acredito na palavra.

Mas fizeram testes?

10 de fevereiro de 2009 às 00:58:00 WET  
Blogger Caturo said...

sim, a tua querida "nação" portuguesa foi pioneira mundial da mestiçagem,

Nação é sem aspas. E se foi pioneira da mestiçagem, tal deveu-se ao facto de ser pioneira no cruzamento dos mares.

10 de fevereiro de 2009 às 01:00:00 WET  

Enviar um comentário

<< Home