terça-feira, abril 04, 2006

FORÇAS ARMADAS DA CATALUNHA

Parece ser possível vir que a Catalunha venha a ter forças armadas autónomas.

E não querem lá ver que, em assim sendo, teriam mais aviões de combate do que Portugal?... Mais do dobro, creio...

10 Comments:

Blogger Pantera said...

não era mau pensado,quanto mais divisões houver em espanha melhor para nós em Portugal.Pode ser que o país basco se torne independente e olivença dê um pulo para Portugal!

abraços mano!

4 de abril de 2006 às 21:20:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

sim, e tambem pode ser que depois a Galiza fique independente e depois fique o norte de portugal, e depois va o Algarve e depois a beira Alta, etc etc.
O pantera, nao desejes aos outros o que nao gostavas que te acontecesse. Deixa la os Espanhois como estão.
Acho-vos uma piada, sempre a desejar o mal a Espanha e a tentar roubar-lhes territorios, mas a vos ja querem que nao vos aconteca nada. O mesmo dizem os Espanhois, oxala o norte de portugal fique independente e depois seja anexado na galiza e logo na Espanha, etc etc.
Mesmo bestas voces

4 de abril de 2006 às 22:45:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Já foi explicado carradas de vezes porque é que o caso de Espanha nada tem a ver com Portugal, mas a súcia internacionalista, como é estupidamente analfabeta e nunca ninguém lhes ensinou o que é a Nação, insiste em usar sempre a mesma merda dos mesmos argumentos já mil vezes rebatidos - não percebe que Portugal é uma só nação, do Algarve ao Minho, incluindo Açores e Madeira, enquanto a Espanha tem várias nações no seu interior.

Um idioma marca uma diferença nacional, percebes, atrasado mental? A língua catalã é bem diferente da castelhana, tal como a portuguesa; enquanto isso, em Portugal há um só idioma.

A única diferença entre Portugal e a Catalunha é que em 1640, a rebelião catalã contra Castela fracassou enquanto a revolta portuguesa teve sucesso. Por isso, Portugal é independente e a Catalunha não o é.

5 de abril de 2006 às 02:09:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Sim, camarada Pantera, pelo menos 0livença fazia falta...

5 de abril de 2006 às 02:10:00 WEST  
Blogger Pantera said...

Um dia será nossa caro amigo :)

Mas primeiro vamos tentar recuperar a cova da moura e afins

5 de abril de 2006 às 17:36:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Isso es tu, que para ti o criterio da lingua é o mais importante. Ja para outros nacionalistas o que conta é o sangue e depois dizem que o norte da peninsula e k é parecido e que minho ao algarve não faz sentido nenhum. Eles até dizem que ha mais proximidade genética do norte de portugal com o norte de espanha do que com o sul e centro de Portugal.
Para uns é a lingua, para outros o sangue, para outros os pontos cardeais, por isso acho uma estupidez.
Deixem la a Espanha como esta, aliás até deviamos tar todos juntos, um só pais na Ibéria. Assim ja nao viviamos nesta merda de pais todo fodido economicamente. Nos somos um povo burro que nem se sabe governar, temos uma economia de merda.

5 de abril de 2006 às 17:37:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Não sei o que Portugal lucraria com independência da Catalunha.
Vocês conhecem mal os catalães.
Para quem vive a reclamar do imperialismo Castelhano não queira levar com imperialismo catalão 100 vezes pior.
Catalães são um povinho de merda.

Landser 88

6 de abril de 2006 às 12:23:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Isso es tu, que para ti o criterio da lingua é o mais importante. Ja para outros nacionalistas o que conta é o sangue

Não é igual. Nem os diferentes critérios têm «direitos iguais», por assim dizer, passe a arrogância. É que os nacionalistas «do sangue», neste caso, mais não fazem do que basear-se em preconceitos e estudos estatísticos ainda incipientes; de resto, a grande tibieza da sua posição assenta no facto de que a sua «bandeira» é uma questão de mera quantidade, e por escassa margem ainda por cima: fazem a festa e deitam os foguetes por causa de cinco por cento de sangue ou dez, uma coisa assim, e acham que isso é suficiente para constituir uma nação à parte. Confundem sistematicamente regiões com nações e juntam antigos odiozinhos mesquinhos regionalistas e bairristas a meia dúzia de dados estatísticos interpretados de maneira abusiva e parcial.

Enquanto isso, os nacionalistas da língua (e da raça, evidentemente, isto nunca esteve em causa), baseiam-se, não em quantidades, mas sim em essências, isto é, em línguas. Aí, não há lugar para interpretações: o Português, o Castelhano e o Catalão são evidentemente diferentes, sem apelo nem agravo e acabou. Por isso é que os Castelhanos tentaram submeter o Catalão e impor o seu idioma; por isso é que agora o Catalão se impõe e os Castelhanos barafustam. Não há que enganar. Não há lá númerozinhos e merdas. A diferença é objectiva e qualquer um a percebe.

No caso de Portugal, é ao contrário: o norte não tem uma língua própria; e qualquer um, moreno ou loiro, pode ser algarvio ou nortenho.

7 de abril de 2006 às 11:05:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Para quem vive a reclamar do imperialismo Castelhano não queira levar com imperialismo catalão 100 vezes pior

Não levávamos com nada disso porque eles estão lá longe e constituiriam um pequeno Estado europeu. Entretanto, Castela ficaria enfraquecida, o que seria bom para nós.

7 de abril de 2006 às 11:06:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Pois mas os Catalães não vão se contentar só com o seu território actual pois já deitam o olho à comuninade Valenciana, Aragão, baleares e já para não falar em Andorra e uma parte de França(que eles chamam de Catalunha norte).
Se vires bem não seriam tão pequenos assim.
Final da história teriamos uma Castela enfraquecida e uma Catalunha perigosamente fortalecida.
Arrogância por arrogância não sei qual seria a pior.
Venha o diabo e escolha.

Landser 88

7 de abril de 2006 às 11:54:00 WEST  

Enviar um comentário

<< Home