segunda-feira, julho 20, 2020

SOBRE A DIABOLIZAÇÃO A TODO O CUSTO DE QUEM FOI ELEITO PELO POVO NOS EUA

«É um ignorante, um louco perigoso, uma ameaça para o mundo!», guincham os porta-vozes da elite reinante nos mé(r)dia. 
Têm razão, à sua maneira. É um ignorante porque nem sequer fala Multiculturalês. É um louco perigoso porque, no lugar em que está, tem o ultrajante atrevimento de querer defender as fronteiras do seu país, quando «toda a gente» que «é gente» sabe que isso das Nações é para ultrapassar e que a imigração em massa não se pode parar porque não, porque «toda a gente» que «é gente» sabe que é moralmente obrigatório concordar com a imigração e até fomentá-la; logo, é uma ameaça para o mundo!, porque quando a elite fala do «mundo», está a falar da sua visão do mundo, que é o mundo sem fronteiras nem identidades étnicas que todo o bem-pensante tem obrigação moral de querer construir. Ora a Democracia deu poder a um tipo que não sabe o que é correcto pensar; claro que isto só pode irritar quem por um lado se diz democrata mas por outro não admite que o «povinho» possa votar em quem constitui obstáculo à imposição do ideal globalista.
Há que convencer o povinho de que o «louco perigoso!» da Casa Branca vai fazer e acontecer, vai-nos pôr a todos em perigo, e todos os especialistas sabem isso e escrevem livros a prová-lo por a+b!, ora afinal já passaram praticamente quatro anos e não houve nenhuma guerra nuclear, pelo contrário, a delicada e perigosa relação com a Coreia do Norte foi abrandada, a China foi em grande medida posta no seu lugar, a Rússia não ameaça grande coisa e a situação no Médio Oriente não está pior que antes. Mas pronto, é preciso dizer que o fulano é perigoso para o mundo porque sim, porque não há mais nada que se possa dizer para meter medo ao povinho, e se for preciso até se arranjam «pareceres» especializados de alegados psicólogos a garantir que o tipo é perigoso e é perigoso e volta a ser perigoso e não saímos daqui porque o tipo é mesmo perigoso; melhor ainda é quando a autoridade em psicologia até tem parentesco com o dito perigoso, e conhece-o desde sempre, e escreve um livro sobre ele a dizer tudo e mais alguma coisa do seu passado, com alegadas revelações comprometedoras e assim. O «timing» certo para tal publicação é mesmo agora, a poucos meses das eleições. Pode ser que entretanto isto saia caro ao lado anti-Trump, logo se vê. Eventualmente a elite reinante está de tal modo distante do resto da população que talvez não se aperceba de que, na mente do eleitorado típico de Direita, alguém que se vira contra pessoas da sua própria família não inspira nem confiança nem qualquer espécie de simpatia, antes pelo contrário, pelo que a situação pode até fortalecer a convicção dos eleitores de Trump, por solidariedade contra aquilo que é facilmente entendido como uma traição ao sangue. O que para os iluminados da elite me(r)diática pode assemelhar-se a uma confirmação «científica» do que andam a papaguear há quatro anos, aos olhos do povo pode simplesmente meter nojo.

1 Comments:

Anonymous Anónimo said...

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/07/homem-no-texas-achava-que-covid-19-era-mentira-vai-a-festa-do-corona-e-morre.shtml?fbclid=IwAR1ObsCx-VfLtLUGNqeX8ojI3BsJ5ie1E36tTVhCX8Gw3PtO2SgwMKPACH8

21 de julho de 2020 às 03:30:00 WEST  

Publicar um comentário

<< Home