segunda-feira, maio 02, 2016

SOBRE UM PATRÃO SOCIALISTA QUE NÃO PRECISA DE DESPEDIR TRABALHADORES PARA MANTER OS SEUS MILHÕES DE EUROS...

Retrato de um patrão que mandou passear a Nestlé e a Pepsi, preferindo sacrificar a rentabilidade a despedir trabalhadores: Eis Rui Nabeiro, o herói do Alentejo. É assim que arranca a peça da RTL, a Rádio Televisão do Luxemburgo a propósito de Rui Nabeiro, dono do grupo Delta Cafés de Campo Maior, no Alentejo.
Filantropo de 85 anos, Rui Nabeiro construiu a 12.ª maior fortuna do país na indústria do café, que dá trabalho a um em cada cinco habitantes da sua vila natal, Campo Maior, em Portalegre e um dos poucos a escapar à crise que assola o interior do País.
Apesar da sua idade, este self-made man de olhar tranquilo e sorriso fácil ainda está no controle dos destinos da empresa familiar, a Delta, que ele próprio fundou em 1961. A empresa, que gere com a ajuda dos seus filhos e netos, cresceu de uma pequena fábrica de torrefacção de café virada para o mercado espanhol para uma das gigantes daquela indústria.
Sob a liderança de Rui Nabeiro, que viaja pelo do mundo para se abastecer de grãos de café verde, especialmente vindo das ex-colónias portuguesas, como o Brasil, Angola e Timor Leste, a empresa tem experimentado um forte crescimento a partir de meados da década de 1970. 
A Delta é agora a número um do café em Portugal, com uma quota de mercado de 31% e um volume de negócios de 350 milhões de euros, dos quais um quarto é gerado no exterior, em quarenta países. A marca é tão valiosa que tem sido cobiçada pelos gigantes multinacionais da alimentação como a Nestlé, a Kraft e a Pepsi, que já tentaram comprar o grupo Delta à família Nabeiro.
Um criador de emprego
O Patriarca recusou todas as propostas porque a empresa "pertence a todos os que trabalham lá", como diz habitualmente Rui Nabeiro. "Criar um posto de trabalho é criar riqueza para todos. Eu nunca pensei em mim, mas sempre procurei servir aqueles que me servem, é esta atitude que me deu o que eu tenho hoje ", disse à AFP o proprietário do grupo Delta.
A sua fortuna está estimada em 390 milhões de euros e coloca-o entre as 12 pessoas mais ricas do país, segundo o ranking elaborado pela revista Exame. "É uma herança ao serviço de toda a comunidade”, declara Rui Nabeiro.
"Falar de milhões é uma ofensa num país onde ainda há tanta pobreza ", continuou ele com uma voz calma, sentado num escritório da sua fábrica de torrefação, moagem e embalagem do café, o maior da Península Ibérica. 
Um "oásis numa região pobre
Nas ruas de Campo Maior, uma vila de 8.500 habitantes, perto perto da fronteira com a Espanha, é impossível ignorar o ubíquo Sr. Nabeiro: uma estátua dele domina a praça principal desde 1998 e o seu nome aparece aqui e ali na frente de uma escola pública ou no pavilhão desportivo municipal.
O empresário, um socialista que serviu como presidente de câmara por dez anos, tem para além do grupo Delta, o único hotel na cidade, uma cadeia de supermercados, uma clínica e até mesmo uma concessionária de carros.
A população de Campo Maior não esconde sua admiração por aquele filho da terra. "Este é um homem bom, que ama a sua cidade e tem ajudado muitas pessoas, dando-lhes empregos", atesta António Susana, um ex-trabalhador de 68 anos de idade cuja esposa trabalhou toda a sua vida para a Delta, seguida hoje pelo seus dois filhos. "É um homem muito afável e muito simples", concorda João Custódio, um funcionário municipal de trinta anos, que descreve sua vila como um"oásis" nesta região do país,  deprimida pelo desemprego e pelo envelhecimento da população.
Apesar da crise, ele não despediu um único funcionário
Campo maior, que exibe uma taxa de natalidade mais elevada que a média nacional, é o único dos quinze municípios da região do Alto Alentejo a ter visto o seu crescimento populacional entre os censos de 2001 e 2011. Quando Portugal foi duramente atingido pela crise da dívida na zona do euro há cinco anos atrás, mergulhando na recessão económica com uma taxa de desemprego atingindo recordes, o Sr. Nabeiro alega ter enfrentado as dificuldades sempre com optimismo.
"Eu disse aos nossos empregados que não queria nem ouvir falar de crise. As nossas vendas sofreram um pouco, mas nós recuperamos", afirma o empresário. Na verdade as vendas subiram quase 20% em quatro anos para chegar aos 350 milhões de euros em 2015. Quanto à rentabilidade, provavelmente diminuiu um pouco desde então, mas este sempre se recusou a demitir um único funcionário.
A Delta tem "10 a 15% mais do que o que seria necessário" num total de 3.300 funcionários, dos quais mais da metade baseados em Campo maior. Mas, para ele, este não é o problema. "Os problemas de meus funcionários são da minha responsabilidade e vice-versa", argumenta o filho de agricultores analfabetos, ainda muito marcado pelas suas origens humildes, que se diz "feliz porque eu tive a oportunidade de fazer a escola primária ao menos".
Para permitir que os funcionários conciliem o trabalho e a vida familiar, a Delta Cafés financia 80% de um centro educacional criado em 2007, onde cerca de 170 crianças são ensinadas a partir de tenra idade a ter iniciativa, inspiradas pelo "manual do empreendedor" desenhado pela própria Delta. 
*
Fonte: http://www.tribunaalentejo.pt/tribuna/artigos/rui-nabeiro-o-patrao-que-mandou-passear-nestle-e-pepsi#sthash.4HeXicVR.dpuf

* * *

Não sei até que ponto os seus empregados vivem desafogadamente, ou quanto recebem, mas aparentemente a população parece satisfeita e a taxa de natalidade aumenta...

1 Comments:

Blogger CENSURADO AGAIN said...

FALTAVA SER SÓ NS POIS NACIONALISTA E SOCIAL JÁ PARECE SER

3 de maio de 2016 às 21:16:00 WEST  

Enviar um comentário

<< Home