terça-feira, outubro 01, 2019

FIDELIDADE, UMA DAS DIVINDADES DA HERANÇA RELIGIOSA OCIDENTAL


Fides e Marte apertando as mãos

No primeiro dia de Outubro celebrava-se na Roma antiga, raiz civilizacional e parcialmente étnica de Portugal e do Ocidente, o «dies natalis» ou «dia do surgimento» de um templo dedicado a Fides, personificação divina da Fidelidade. Nesta data, os três Flâmines Maiores (sacerdotes devotados a um Deus em particular), Flamen Dialis (Flâmine de Júpiter), Flamen Martialis (Flâmine de Marte), e Flamen Quirinalis (Flâmine de Quirinus), guiavam uma procissão ao Capitólio, dentro de um carro coberto. Com os dedos das suas mãos direitas envoltos em tecido branco, realizavam sacrifícios às Divindades Fides e Honos. O poeta Horácio reforça o valor do pormenor da mão coberta de tecido branco ao descrever a estátua da Deusa: «Rara Fidelidade, a Sua mão atada com pano branco».
Isto corrobora a descrição de Tito Lívio [ «Ab Urbe Condita», 1.21.4 ] do culto de Fides instituído pelo rei Numa Pompilius:
«Também instituiu um sacrifício anual à Deusa Fides e mandou que os flâmines fossem para o Seu santuário numa biga coberta, e que executassem o serviço religioso com as suas mãos cobertas até aos dedos, para significar que a Fidelidade deve ser protegida e que o Seu assento é santo mesmo quando está nas mãos direitas dos homens».
Os ritos cerimoniais incluíam a purificação e a comemoração do juramento, sendo depois seguidos de festejos.

Trata-se de um ritual que parece ser da maior importância no contexto religioso da Romanidade, e, em termos do estudo de História das Religiões, tem sido um dos elementos cuja análise contribui para a promoção da teoria trifuncional de Georges Dumézil, segundo a qual os Romanos, sendo Indo-Europeus, têm uma tríade divina na qual um dos Deuses representa a primeira função indo-europeia, a da soberania, do poder mágico e da justiça (Júpiter), outra das Deidades representa a segunda função indo-europeia, a da guerra (Marte), e a terceira Divindade representa a terceira função indo-europeia, a da fertilidade e da produção (Quirinus), isto porque neste ritual, de cariz provavelmente muito arcaico, os sacerdotes desta tríade trifuncional participam num ritual que parece fortalecer a coesão da comunidade.
O detalhe da mão direita oculta é, repete-se, de grande relevância, porquanto evoca a importância da mão no juramento, uma vez que o ritual é realizado em honra precisamente da Fides, conceito de valor crucial para a generalidade dos povos Indo-Europeus. Não é certamente por acaso que dois dos mais importantes Deuses arianos da Índia, Mitra e Varuna, sejam padroeiros do Contrato e do Juramento, respectivamente.
Na tradição nórdica, na céltica e na romana, há uma figura mitológica (historicizada em Roma) que não tem a mão direita e representa de algum modo a Fidelidade, a Justiça, o Juramento (o Direito): Tyr, do panteão escandinavo, sacrifica uma das mãos para que o lobo Fenrir, inimigo dos Deuses, possa ser preso; Nuadu, rei (soberano de jurista) dos Tuatha de Dannan, (que são os Deuses irlandeses mais importantes), perdeu um/a braço/mão em combate; o romano Mucius Scaevola sacrificou uma mão sobre um braseiro para mostrar ao inimigo que não tinha medo de sofrer e que por isso não iria trair a Pátria.
A respeito de Nuadu, é interessante notar uma coincidência que pode revestir-se de grande valor simbólico: sabendo-se que foi por vezes considerado o mesmo que Neit, outro Deus irlandês, menos conhecido, mas mais categoricamente ligado à guerra, e sabendo-se que na Ibéria existiu o culto a um Deus da Guerra Luminoso chamado Neton, torna-se particularmente interessante que no norte da Celtibéria tenha sido encontrada uma inscrição na qual se lê a palavra «Neitin», junto da qual se encontra o desenho de uma mão, talvez uma mão cortada; de notar que os Lusitanos cortavam a mão direita aos inimigos vencidos. Na Lusitânia foi achada uma inscrição dedicada a Netus e outra a Netoni.

Disse Silius Italicus, em «Punica» 2.484-87, a respeito da Deusa Fides:
«Deusa mais antiga do que Júpiter, virtuosa glória de Deuses e de homens, sem a qual não há paz na Terra, nem nos mares, irmã da IustitiaFides, silenciosa Divindade no coração dos homens e das mulheres

Fides é pois um dos principais constituintes da identidade romana, bem como de outros povos indo-europeus.

O motivo de este dia Lhe ser consagrado deriva do facto histórico de ter sido num primeiro de Outubro que se dedicou um templo à Fides Publica no monte Capitólio (em 258 a.c./495 a.u.c., ou em 254 a.c./499 a.u.c.). Este santuário era usado em certas ocasiões para reuniões do Senado, e cópias de acordos internacionais eram afixadas nas suas paredes.

4 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Caturo vê estas:

“Portuguese” criminals over-represented in London
https://www.defendevropa.com/2019/news/portuguese-criminals-over-represented-in-london/

https://www.defendevropa.com/2019/news/english-countryside-too-white/

1 de outubro de 2019 às 23:47:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

The problem is that the story of life is always told by the living and the survivors... They are the ones writing the script, and affirming that it's all worth it... But, what about the silenced voices, the forgotten or unknown faces, and those that never even had any saying in all this, huh?

What would that baby, born only to die moments after being born because of a respiratory complication, or that other one dying barely a year and a half after birth because her alcoholic father beat her to death, or that toddler whose mother decided over her freedom and got rid of him by faking a drowning getting away with murder, have to say about this? What about that young WWII soldier whose story ended shortly after reaching the beaches of Normandy? That twenty something girl that was kidnapped, raped and sliced into eight pieces like a chicken, whose killer was never caught? That medieval teenager that contracted dysentery, typhoid or leprosy and died a horribly gross, bloody, messy and utterly painful death? All those oblivious cows, pigs and deer whose highlight in life is to end up either on display in a supermarket or in someone's fancy dinner plate?

You would seriously think more than 1% of them would do it all over again if they knew their fate beforehand? If they could sit and watch on a screen their future unfold in a short movie? No way. 99% would never agree to being conceived if they had any real saying after taking a peek into the outcome of their lives... They know it, I know it, and you know it.

It's grim; it's bleak; certainly not a notion that everyone can easily accept or grasp, but it's the hard cold truth...

- Matthias Jablonka




Eugénio Silveira,o antinatalista

2 de outubro de 2019 às 15:06:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Não procrie,não pratique este crime tão hediondo


https://antinatalismo.wordpress.com/?fbclid=IwAR1UU_UMq0WUMMja7WV0Qfqs_MUTIKIzFyu7LRcP3JRpIxYG7MnlFKviagg



Eugénio Silveira,o antinatalista

2 de outubro de 2019 às 15:08:00 WEST  
Blogger Caturo said...

«https://www.defendevropa.com/2019/news/portuguese-criminals-over-represented-in-london/»

Pois é, pois é!!!!!!!!!!!!!, isto PROVA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! que os Portugueses também cometem crimes no estrangeiro!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

2 de outubro de 2019 às 20:53:00 WEST  

Publicar um comentário

<< Home