segunda-feira, outubro 07, 2019

SOBRE OS RESULTADOS ELEITORAIS DE ONTEM

A vitória de um partido que castigou menos as classes baixas do que a Direita parlamentar só surpreende os autistas; a queda do CDS era igualmente previsível e merecida; a ascensão do PAN é bofetada em quem quis desprezar os direitos dos animais e julgou que um partideco de jovens fofinhas e fofinhos não ia a lado nenhum... 
Um partido tido como populista já tem um deputado. Confirma-se o que ando a dizer há anos: o eleitorado potencial, natural, do PNR existe em Portugal. Confirma-se também que o Partido da Chama só não alcançou ainda representação parlamentar devido à escassez de meios, quer por falta directa de dinheiro, quer devido ao boicote sonso, cobarde, invertebrado, da parte de certa «gente» que controla os mé(r)dia. O melão deste pessoal não há-de ser pequeno ao constatar que afinal o «populismo» chegou mesmo ao parlamento e até teve mais votos do que a negra que esse mesmo pessoal levou ao colo para ser eleita e colheu os frutos da lavagem cerebral antirra, da indiferença muitas vezes bovina dos eleitores da abstenção e da imigração africana em massa que a elite andou anos a enfiar pelo País adentro. Contra esses populistas não houve boicote que chegasse, porque, enfim, uma coisa são os mil e quinhentos euros de orçamento de campanha do PNR, outra, bem diferente, doutro «campeonato», são os cento e cinquenta mil euros que o partido de André Ventura gastou nestas eleições. Para quem não andou nunca em lides partidárias de formações pequenas isto pode parecer pouco significativo, só dois zeros a mais - de 1500 a 150000 - mas os que se dão ao trabalho de investir tempo e dinheiro no activismo político sabem bem a relevância dos meios na consecução de resultados. 
Lamentavelmente, o Chega não promete nada de bom, dado que não só afirma a rejeição do Nacionalismo como nunca ou raramente fala em imigração. Apesar disso, o seu eleitorado é, ainda, o do PNR, pois que o grosso dos seus eleitores situa-se quase sempre no quadrante dos que estão «fartos disto tudo!!!!», nomeadamente «dos políticos, dos corruptos, dos paneleiros, dos ciganos e dos pretos!!!!»; entretanto, boa parte deste pessoal, «angry white males» ou «brancos zangados», tem um fraquinho pela lei do mais forte, salvo seja, e de facto vai-se melhor num bólide BMW do que num pequenito Fiat de dois lugares, este apelo é sobretudo intenso para os mais jovens, que até podem ter um ideário racialista e nacionalista mas alinham num partido de um gajo que rejeita abertamente o termo «nacionalista» e que só quer ser populista (se é que o quer de facto) porque acham que assim as coisas funcionam melhor, é uma estratégia como outra qualquer, mas dificilmente dará bons frutos.
Resta aos Nacionalistas a prossecução do combate nacionalista, a partir de hoje e sem fim à vista.

22 Comments:

Blogger Afonso de Portugal said...

Concordo genericamente com o teu comentário/análise, mas faltou mencionar a abstenção. No TU, apareceram-me alguns nacionalistas, antes e depois das eleições, a dizer que se preferiam abster a votar no PNR. Sinceramente, eu não consigo compreender esta postura. Tens alguma teoria a respeito dela?

7 de outubro de 2019 às 23:38:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Sinceramente Caturo.. eu não sei que PNR é o teu......
mas o Pnr que toda a gente vê abandonou o nacionalismo e com isso abandonou parte dos seus votos e viu-se ontem.

Até o Chega conseguiu criticar mais a imigração da cplp que o pnr que andou a mamar nos beiços do bolsonaro e da brasucagem o ano todo.


____________

O Chega disse isto e várias vezes:

"Os planos do COSTA para Portugal são conhecidos...
Cada um escolha o que quer para Portugal: mais emprego, mais saúde, melhor salário para portugueses ou a cultura da proteção de imigrantes acima dos portugueses?

#CHEGA

https://expresso.pt/legislativas-2019/2019-09-25-Costa-defende-mais-imigracao-e-mais-estrangeiros-a-trabalhar-em-Portugal?fbclid=IwAR0ZH4vEopzvLJWeZgBYaDoGQw_kv2oq0pTrKKgz-I1VaosiCPD8sAEjQHY

__________

Já PNR pelo seu líder pinto coelho convidava gajos do brasil para vir para cá. enfim.
Estamos bem fodidos............. Mas acho que tens razão no potencial que existe de crescimento do nacionalismo (do verdadeiro), mas o tempo corre contra nós.

7 de outubro de 2019 às 23:38:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Chora!
O nacionalismo, pelo menos aquele de que és adepto, não é democrático, apenas se serve da democracia para impor a ditadura. A história está aí para o provar.

8 de outubro de 2019 às 20:02:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Portanto achas normal termos o parlamento mais á esquerda da Europa

8 de outubro de 2019 às 22:12:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Acho normal? Não, acho previsível - acho idiota por ser um produto estupidamente previsível da imbecilidade anti-democrática de demasiados militantes nacionalistas. Estava-se há caralhos de anos a ver que era isso mesmo que ia acontecer caso a saloiada que dirigia o Movimento marrasse na atitude anti-democrática. Agora há jornais estrangeiros a dizer «toda a Europa quer travar a imigração menos Portugal, Portugal quer mais», pois «claro» que «quer mais», porque em Portugal o Nacionalismo democrático é demasiadamente recente e muitos dos militantes nacionalistas continuam a não gostar da Democracia, estando «nela» só porque não podem fazer as coisas doutra maneira. CLARO que o grosso da população não quer votar em quem promete implicitamente acabar com a liberdade, CARALHAMENTE CLARO que não perceber isto só podia dar merda, como está a dar. As elites dos outros países europeus não são menos adeptas da imigração em massa do que as elites tugas do PS e merdas afins. O Macron não é menos apoiante da imigração do que o A. Costa. Só que o Macron no seu país tem de andar pianinho porque TEM MEDO QUE O DESCONTENTAMENTO POPULAR CONTRA A IMIGRAÇÃO dê AINDA MAIS FORÇA à FN, ao passo que em Portugal o Costa não tem medo nenhum de fenómeno semelhante porque NÃO HÁ AINDA um partido nacionalista forte, e não há porque durante quarenta anos os dirigentes nacionalistas desprezaram o povo e odiaram a Democracia. Vou outra vez dizer o que já digo todos os dias desde há anos (365 x 5, ou 6, talvez 10, não sei): onde o Nacionalismo é mais democrático, alcança melhores resultados, como se vê em França, Áustria, Alemanha, Holanda, Bélgica, Suecia, Itália. Onde os dirigentes nacionalistas mais se mantiveram imbecilmente fiéis ao salazarismo/franquismo/anti-democracia, o Nacionalismo está mais atrasado. Quem não perceber isto não merece, em termos técnicos, «desportivos», obter poder que se veja.

9 de outubro de 2019 às 21:23:00 WEST  
Blogger Caturo said...

«O nacionalismo, pelo menos aquele de que és adepto, não é democrático,»

O antifa está a ver se esquece o magno terror dos seus donos - é que foi precisamente a Democracia que deu a vitória ao Nazismo... ;) Mas isso é passado e aquilo que ali está escrito é mais cassete e barracada de antifa que não percebe corno do que vê à frente. Não percebe que de facto é exactamente o Nacionalismo democrático que defendo aquele que alcança melhores resultados e os factos estão aí para o provar - Itália, Alemanha, Suécia, França, Bélgica.

9 de outubro de 2019 às 21:27:00 WEST  
Blogger Caturo said...

«Sinceramente, eu não consigo compreender esta postura. Tens alguma teoria a respeito dela?»

Eu acho que percebo e acho que tu também percebes, já conheces bem o tipo de autismo, birra autoritária impotente e, mais genericamente, rebuscada parvoíce que grassa em certas fileiras que se dizem nacionalistas. Sempre houve pessoal desse que nem para votar presta. Um dos males do Movimento Nacionalista foi que alguns dirigentes, com a sua tara anti-democrática e elitista de merda, andavam a pedir batatinhas atrás desses «iluminados» mui exigentezinhos em vez de perceber que os tais «iluminados» mui exigentezinhos é que deviam ir ter com o partido, se fossem militantes a sério. ... mas, para perceber isto, era talvez preciso ser democrata e mandar à merda o princípio de que é preciso agradar aos «mestres» antes de mais nada.

9 de outubro de 2019 às 21:39:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Odeio esta democracia. Não é autêntica, é uma partidocracia, uma oligarquia, uma plutocracia. É isso que os Nacionalistas anti-democráticos dizem, somos contra a democracia-liberal. A Nação é um Corpo, um corpo tem Orgãos, logo, a Democracia deve ser Orgânica. Acho que é fácil de entenderl a própria abstençãoo confirma. As pessoas estão fartas de partidocracia oligarquica dominante. Os partidos devem ocupar o lugar que lhes compete. Um Frente Nacional portuguesa fazia mais sentido.

ass:Andre Gomes

10 de outubro de 2019 às 01:36:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

"O antifa está a ver se esquece o magno terror dos seus donos - é que foi precisamente a Democracia que deu a vitória ao Nazismo..."

Pois foi, e o que aconteceu depois?

10 de outubro de 2019 às 04:34:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Pois, isso é muito bonito, mas porque cargas de água é que as explicações nunca passam daí para o concreto e, das poucas vezes em que passam, são sempre no sentido de limitar a liberdade individual?...

Vejamos - nessa «democracia orgânica», o voto seria universal (para todos os cidadãos brancos nacionais) e secreto? Sim ou não?

13 de outubro de 2019 às 01:39:00 WEST  
Blogger Caturo said...

«Pois foi, e o que aconteceu depois?»

Isso é outra história... aliás, se vamos por aí, proibimos já todos os partidos comunistas, por causa do que aconteceu em todos os regimes comunistas da História...

A questão é esta - um movimento de mensagem nacionalista pode mesmo ganhar através da Democracia.

13 de outubro de 2019 às 01:42:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Quando oiço falar em democracia orgânica fico com calafrios.

13 de outubro de 2019 às 02:40:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...



*Assembleia Nacional*
-Camâra Alta (Senado);
-Camâra Baixa (Deputados);
-Camâra Económica (Corporações profissionais/Sindicatos);
-Camâra Territorial (Munícipios/Províncias);
-Camâra Mater (Família);
-Camâra Técnica Especializada (Universidades);
-Camâra dos Partidos (grupos parlamentares).

Quando oiço falar nesta democracia (partidocracia) fico com calafrios, chego a ter febre e alucinações. É um circo a céu aberto. Explique o que tem contra os príncipios de uma Democracia Orgânica genuínamente representativa?

16 de outubro de 2019 às 01:22:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Explique, entretanto, como seria o voto na sua Democracia Orgânica - sufrágio universal, igualitário e secreto, sim ou não?

16 de outubro de 2019 às 01:56:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Voto a partir dos 21 anos de idade, escolaridade minima obrigatória, serviço militar ou comunitário, registo criminal limpo, não cumprir pena de prisão, ter Nacionalidade e Cidadania portuguesa (Nacionalidade é jus sanguinis, cidadania é jus solis). O direito ao voto conquista-se, depois é universal, igualitario e secreto. As pessoas deviam votar em vários domínios, em políticas, assuntos que dizem respeito á soberania do seu País e ao modo como vivem. Respondi á sua pergunta?

16 de outubro de 2019 às 12:11:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Sim. Não é portanto sufrágio universal.

16 de outubro de 2019 às 20:50:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

O teu sufrágio também não é universal. Vejamos as tuas palavras, quando dizes voto para, e passo a citar:" ....todos os cidadãos brancos nacionais". Tu defendes sufrágio racial. O sufrágio universal igualitário é cego e todos valem o mesmo nas urnas independentemente de. Vejamos o ridiculo: o bibi da casa pia vale o mesmo que eu nas urnas. O sufrágio nunca é puramente universal, tem sempre restrições. Eis as" restrições básicas universais" que considero saudáveis: Idade, instrução (12°ano), registo criminal, Nacionalidade/cidadania portuguesa, serviço militar ou serviço comunitário. Não vejo o que isso pode trazer de mau para a Democracia, antes pelo contrário, eleva a sua qualidade. São requesitios minimos para se puder votar, acho que qualquer pessoa entende isso. O resto é semântica, sufrágio universal é mais bonito, mas todo o sufrágio tem as suas restrições. Não queira desviar o assunto, a democracia-liberal representa ou não os cidadãos nas suas múltiplas esferas? A Democracia tem de evoluir, deve ser mais Orgânica. Não digo para acabar com os partidos, digo sim que devem ser enquadrados. Actualmente vivemos uma ditadura dos partidos. Quem perguntou aos portugueses se queriam deixar de ter escudo ou se queriam o acordo ortográfico, a título de exemplo? Grande Democracia esta, onde os partidos tudo decidem, de forma arbitraria. O nosso voto serve para servir os partidos. Eu quero ser representado a nível Nacional de forma Integral através da minha Familia, Freguesia, Munícipio, Região, Profissão, Escola/Universidade, Associativismo, Sociedade Civil, Grupo partidário-ideológico. Recuso o monopólio que os partidos têm na "democracia" dita democracia mas que não é Democracia.

17 de outubro de 2019 às 00:41:00 WEST  
Blogger Caturo said...

Começas erradamente. O voto deve ser sufrágio universal e secreto em cada Nação. Em cada Nação há uma só raça. Logo, o termo «sufrágio racial» peca por supérfluo.
Claro que o voto do Bibi vale o mesmo que o teu, se ele puder votar. Um crime não faz dele estrangeiro nem significa que ele esteja errado em tudo - sobretudo, sobretudo, não há dúvida de que todo o cidadão nacional tem o direito de escolher o seu destino. As limitações que queres impor nem são justas nem justificáveis - tirando a parte da limitação da idade, que já existe, só que aos 18, as que sugeres para além das que referi não são aceitáveis:
- nem toda a gente pôde alcançar o 12º ano de escolaridade mas isso não lhes tira o direito a escolher o seu destino como adultos de um país soberano; aliás, já agora, porquê o 12º?, se as restrições em virtude do nível de instrução devem ser tidas em conta, então tire-se o direito de voto a quem tem menos que licenciatura... ou menos que mestrado... ou menos que doutoramento... em breve está-se na ditadura dirigida pelos iluminados, que, mercê do seu nível de instrução, são considerados como mais dignos para escolher o seu destino do que os demais cidadãos, subalternizados à condição de animais;
- o registo criminal seria usado até que ponto?, quem cometesse homicídio não poderia votar?, e quem tivesse duas multas, já podia?, e quem decidiria o critério? - de uma maneira ou doutra, caía por terra o princípio de que o indivíduo é igual aos outros depois de pagar pelo seu crime;
- serviço militar ou comunitário porquê?, toda a gente tem de ser ou soldado ou fazer serviços cívicos?, e quem não puder por ter estado a trabalhar para comer, ou por doença, ou por ter estado no estrangeiro?, as excepções são demasiadas para que se pudesse aplicar esta restrição.
O sistema partidário não é perfeito como nada do que é humano alcança a perfeição - mas, até ao momento, nenhum sistema melhor foi encontrado. Não foi por causa dos partidos que não se referendou nem o euro nem o acordo ortográfico - aliás, o PNR quis que tudo isto pudesse ser referendado e o PNR é um partido. Seja portanto claro - se os partidos não mandassem, em que medida seriam substituídos pela sua Familia, Freguesia, Munícipio, Região, Profissão, Escola/Universidade, Associativismo, Sociedade Civil, Grupo partidário-ideológico (este último não é um partido?, ou é, talvez, uma «união nacional»?...)? Quem ficaria a mandar? O chefe da sua família é eleito? O governo da sua freguesia, do seu município, da sua região, vem de onde, é eleito por quem? Não seria de um partido... seria, portanto, um cacique local? E na sua profissão, bem como na sua escola, quem é que manda, algum eleito pelo povo? Nada disso está claro e nada disso parece ser elaborado no sentido de democratizar a sociedade, ou seja, de dar cada vez mais poder ao povo de forma igualitária.

21 de outubro de 2019 às 22:40:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Assembleia Nacional:
-Câmara Alta (Senado);
-Câmara Baixa (Deputados);
-Câmara Orgânica(municípios, sindicatos, universidades/técnicos especializados);
-Câmara Parlamentar (Partidos).

Parece interessante a ideia de uma Assembleia Nacional constituída desta forma, uma câmara Alta e uma câmara baixa auxiliada por duas camaras consultivas, uma câmara Orgânica e uma câmara Parlamentar. Democratizar a Sociedade é dar voz ao povo através das partes que o constituem, nem só de partidos vive a democracia. Na minha óptica, é possível tornar uma democracia mais "orgânica" no que toca à representatividade do Povo e manter o sufrágio universal, uma coisa não implica a outra. Desta forma estaríamos duplamente representados, a nível nacional e local, em todos os domínios e interesses legítimos.

Ass: Carlos mendes

27 de outubro de 2019 às 06:48:00 WET  
Blogger Caturo said...

Que poder teria a câmara orgânica?

Haveria sufrágio universal e secreto? Todos e cada um dos votos valeriam o mesmo?

28 de outubro de 2019 às 21:59:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Haveria sufrágio universal e secreto e Todos e cada um dos votos valeriam o mesmo. O voto seria duplo, plurinominal para a Câmara dos Partidos e uninominal para a Câmara dos deputados. No boletim de voto, cada eleitor assinala: entre os candidatos no seu círculo uninominal, o deputado que prefere; e, quanto às listas candidatas no círculo plurinominal, o partido da sua escolha. Teríamos bicameralismo (Senado e Comuns) e duas Câmaras Consultivas (A Orgânica e os Partidos). A Camâra orgânica seria uma espécie de conselho económico e social, cultural e conselho técnico especializado, representado pelos municipios, sindicatos, universidades.

Ass:Carlos mendes.




29 de outubro de 2019 às 11:05:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

reformar o sistema político:: Uma nova Constituição, uma Assembleia que seja Nacional, reforma do sistema eleiroral, combater a abstenção. Isto devia estar na agenda.Susana correia

30 de outubro de 2019 às 09:21:00 WET  

Publicar um comentário

<< Home