sexta-feira, outubro 25, 2019

MEMÓRIA DE GLÓRIA - RECONQUISTA DE LISBOA AOS MOUROS

Cerco de Lisboa, aguarela de Roque Gameiro

Deste gracioso site, retira-se a epopeia que a seguir se lê, sobre a gesta de tomada da cidade que é hoje a capital da Nação, feito alcançado pelo fundador do Estado Português, auxiliado por tropas de além Pirinéus no combate contra os invasores muçulmanos vindos do norte de África, episódio da milenar guerra entre Ocidente e Islão:

A Tomada de Santarém aguçou os brios e cobiças de Afonso Henriques, que talvez já meditasse igual proeza contra Lisboa, quando em princípios de Junho é informado de que aportara à Galiza uma armada de cruzados em viagem para a Síria.
Afonso Henriques convoca logo à pressa os seus barões e, com efeito, a 16 de Março de 1147, entram no rio Douro 160 navios de Ingleses, Normandos, Aquitanos, Flamengos e Alemães, sob o comando os nobres ingleses Hervey de Granville, Simão de Dover, André e Sahério de Archelles, do flamengo Cristiano de Gistell e do conde alemão Areschott.
Feito o convite e ajustado o preço de auxílio - saque da opulenta Lisboa e franquias aos Cruzados que quisessem estabelecer-se no país - o Rei marcha de Coimbra para Lisboa, engrossando pelo caminho a sua hoste com peonagem de alguns concelhos.
A 22 de Março, no Porto, o Bispo D. Pedro chama a um cemitério alguns Cruzados para lhes expor o plano de ataque por mar e por terra. No dia 25 os navios levantam ferro com rumo a Lisboa, onde chegam três dias depois, véspera de S. Pedro.
No dia seguinte chega, por terra, a hoste real com cerca de 5000 homens. Sobem-se os panos das tendas - as mesnadas dos barões portugueses ao norte, no monte da Graça, com Ingleses, Normandos e Aquitanos, uns 5000 homens, à sua direita e Alemães e Flamengos, outros 5000 homens, à sua esquerda, apoiando ambas as pontas da meia-lua nas praias do Tejo, onde os 160 barcos normandos cerravam pelo sul, estreitamente, o círculo de ferro.
O Rei toma então o comando das tropas de assalto, reservando para as suas 1000 lanças a missão de cortar as comunicações da praça com algum dos castelos mouros de Sintra, Alenquer, Óbidos ou Torres Vedras. Afonso Henriques, insofrido ou temerário, ordena logo o primeiro assalto.
Nos primeiros dias de Julho, os Ingleses iniciam com descargas de pedras o ataque aos subúrbios de Lisboa, cujos habitantes, do alto dos muros, se defendem com tiros de arco e besta, até ao cair da noite. Incendiado o casario e generalizado o combate nas escuras vielas, os Mouros são expelidos em massa para dentro da cidade, que se preparava para uma defesa a toda a força.
Mais quinze dias se passaram, quer em contínuos ataques e contra-ataques, quer na construção das poderosas máquinas de expugnação.
Entretanto, após algumas inúteis investidas dos mouros, a 3 de Agosto, os Cristãos dão o seu assalto geral.
Pela primeira vez se aproximam das muralhas a bastida dos Alemães, repleta de flecheiros, e a torre dos Ingleses, alta de 95 pés, enquanto as sete catapultas e alguns aríetes atroam o ar com descargas de projécteis e os gritos desvairados de assaltantes e sitiados, os relâmpagos da resina, alcatrão, azeite e estopa a arder, envolvem a cidade num tumulto imenso de apocalipse.
Ao fim duma tarde ardente de batalha, do alto dos seus muros, os Mouros num supremo esforço de defesa, conseguem incendiar as torres e arruinar algumas das catapultas. O assalto malograra-se.
Dias passaram. Já o desânimo conquistava as almas dos Cruzados, quando se soube por um prisioneiro mouro que dentro das muralhas de Lisboa, os sitiados na praça, extenuados, sem víveres, sem munições, chegados ao último aperto, desesperavam já de receber auxílios do sul, de Évora ou Alcácer, por motivo da anarquia que lavrava em todo o Gharb. Redobraram logo de actividade os duros trabalhos do cerco.
Os ingleses, a poente, montaram duas balistas, servidas por cem homens que despediam em média quinhentas pedras por hora contra os muros. Um engenheiro pisano começou a construir com os Portugueses outra altíssima bastida. Do lado dos Alemães, os sapadores avançam, minando e espalhando lenha até aos muros da fortaleza.
No dia de S. Miguel, 29 de Setembro, uma sortida dos Mouros contra o acampamento alemão, com intuito de sabotarem as minas, é repelida. Desde então, os ataques dos Alemães a nascente e dos Ingleses a oeste, com bastidas e catapultas que vomitam milhares de dardos, pedras e lanças, não param de aumentar nos princípios de Outubro. E os sapadores iam minando, minando...
Até que em meados de Outubro, quando a torre do pisano ficou pronta e a mina chegada à muralha, o Rei ordenou novo assalto para a noite de 16. Deitou-se fogo às vigas de madeira, assentaram-se as balistas, formaram-se os troços de assalto. E assim que se ouviu o estrondo da derrocada, e todo um pano da muralha oriental abriu brecha, os sitiantes lançaram-se ao assalto, ferozes. Dia e noite, peito a peito, de 17 a 21, Alemães, Flamengos e Mouros, constantemente revezados, bateram-se com desespero na larga brecha do muro.
A 21 de Outubro de 1147, no seu sector, os Ingleses aproximaram, quase encostada à muralha, a sua nova bastida para lançarem gente no adarve. Ao mesmo tempo, os portugueses, do seu acampamento a norte, lançavam um vigoroso ataque à porta do castelo, depois chamada de Martin Moniz. Então os Mouros, já exaustos, sem forças para acudir aos três pontos atacados, pedem armistício, capitulam.
Dois dias se passam em ajustes. A 23 um grupo de Alemães e Flamengos, forçando a ordem de el-Rei, penetra pela brecha na cidade e entrega-se a todos os excessos, ávidos de ouro e de mulheres, mais acirrados pelos quatro meses de heróica resistência.
A 24 de Outubro de 1147, Afonso Henriques toma posse da cidade e no dia seguinte fazia a sua entrada triunfal, à testa de um luzido cortejo de barões, cavaleiros, homens de armas.
À Tomada de Lisboa, seguiu-se naturalmente a queda da rede de castelos que Lisboa dominava. Almada e Palmela foram abandonados pelos mouros. O de Sintra rendeu-se a um grupo de cavaleiros portugueses. Nos fins desse ano (1147) a fronteira ficava enfim na linha do Tejo.


aqui pode ler-se uma carta de um cruzado inglês a narrar em pormenor os acontecimentos, que presenciou.

Quem viaje de metro na cidade pode ver na estação do Martim Moniz uma decoração estilizada alusiva à batalha, em que as figuras azuis com besantes brancos representam os combatentes portugueses e as brancas com cruzes vermelhas representam os de além-Pirinéus (e junto a cada guerreiro pode ler-se o seu nome: Fernando Pires, Fernão Mendo, Arnulfo de Areschott, Simão de Dover, entre outros).
 
É uma vitória de Portugal, uma vitória da Europa, uma vitória da civilização do Norte sobre a «do sul» não europeu, que seria assinalada com a devida celebração por parte das autoridades estatais se às elites reinantes não fosse conveniente o esquecimento por parte do Povo de quem são os seus maiores inimigos externos - isto porque quem pretende diluir a própria ideia de Povo gosta por isso mesmo de afastar este tipo de memórias da consciência popular.



12 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Acredita nisto, Caturo? A natureza é obra satânica?


m.youtube.com/watch?v=m2UsfGR6Kpk

25 de outubro de 2019 às 23:29:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Outros tempos, portugueses, e vários outros europeus em acção pela salvaguarda da Ibéria.
Hoje em dia com tanto alógeno de africa e brasil vamos precisar de outra reconquista, primeiro das mentes dos autóctones.

26 de outubro de 2019 às 00:13:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Como diria o PNR: brevemente numa rotunda perto de si

https://www.jn.pt/justica/rixa-na-rotunda-de-santo-ovidio-faz-quatro-feridos-em-gaia-11448042.html

26 de outubro de 2019 às 11:59:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

https://www.nytimes.com/2018/01/06/opinion/sunday/alt-right-asian-fetish.html

26 de outubro de 2019 às 14:02:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Toma,desgraçado

https://iqaraislam.com/10-invencoes-islamicas-que-mudaram-o-mundo/






Muslim Boy

27 de outubro de 2019 às 01:10:00 WEST  
Anonymous Anónimo said...

Caturo, a nova do BE, dar a nacionalidade a todos os que nasçam em território nacional. Ou seja, já não bastava a de 2017, que o PS e BE fizeram que só o ano passado deram a nacionalidade a 135 mil pessoas a sua maioria não brancos de africa e brasil.

»O BE apresentou dia 25 um projeto de lei onde a nacionalidade portuguesa deve ser dada a todas as pessoas nascidas em Portugal, independentemente da nacionalidade e do estatuto legal dos pais, para não haver "pessoas estrangeiras no seu próprio país".«

https://www.noticiasaominuto.com/politica/1346288/be-arranca-com-despenalizacao-da-eutanasia-e-aumento-do-salario-minimo


É O FINAL do país?

27 de outubro de 2019 às 11:57:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

https://www.bestgore.com/murder/corpse-kamlesh-tiwari-murder-call-prophet-mohammad-homosexual/

27 de outubro de 2019 às 13:10:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

https://scontent.fopo3-2.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/74369454_806790733105059_1823092365930266624_n.jpg?_nc_cat=107&_nc_oc=AQlQU098GPd2Xv74p6hps7qq-MUJrVlgLz25mJxGCUfiRgOszA6TtV40Ex2BRXG7uWs&_nc_ht=scontent.fopo3-2.fna&oh=39d2f70152503f2f73472fcc0d0e2f10&oe=5E56465E

28 de outubro de 2019 às 10:01:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Toma e publica:

https://www.spectator.co.uk/2019/10/bomb-attacks-are-now-a-normal-part-of-swedish-life/

28 de outubro de 2019 às 19:49:00 WET  
Blogger Caturo said...

«https://iqaraislam.com/10-invencoes-islamicas-que-mudaram-o-mundo/»

Isso não vale grande coisa, tanso. E não vale grande coisa primeiro porque não existe isso de «invenções islâmicas». O Islão é uma religião, não é uma ciência. Não inventa coisíssima nenhuma a não ser novos modos de submeter e impor-se. O que existiu foram inventos elaborados por Povos de diferentes graus civilizacionais que estavam sob o domínio islâmico - e as autoridades muçulmanas lá os deixaram inventar o que quiseram.

Segundo, os números nem sequer são árabes, são hindus... e quase tudo o resto que essa lista tem é aldrabice: bem antes dos muçulmanos existirem já havia
- cirurgia, lembrar Galeno;
- tentativas de construção e voo em máquinas voadoras (China, se não tiver também havido na Grécia);
- universidade, basta ver o que era a academia ateniense;
- música - quase toda a música europeia vem da Antiguidade... enquanto Islão puro e duro a proíbe, na melhor das hipóteses tolera-a;
- hospitais - basta ver o que eram os templos de Asclépio ou Esculápio...

Para terminar, toma lá disto, a ver se abre os olhos:
https://www.jihadwatch.org/2015/07/the-myth-of-islamic-science


28 de outubro de 2019 às 21:49:00 WET  
Anonymous Anónimo said...

Mesmo k os islâmicos tivessem inventado muita coisa, fossem inteligentíssimos e não armassem problemas e terrorismo isso não justifica k venham aos magotes e se misturem.
Se inventaram tanta coisa e são tão bons porque não ficam nos seus países e não tem grande economia, poder de compra, vida, etc?????

"É O FINAL do país?"

Meu caro, a menos k haja um grande milagre, todos os povos europeus irão absorver a enorme quantidade de imigrantes com o tempo. A base genética dos europeus mudará drasticamente assim como mudaram os antigos egipcios, antigos gregos e outros povos k se extinguiram. A extincao é mais que certa.

28 de outubro de 2019 às 22:30:00 WET  
Blogger Caturo said...

«m.youtube.com/watch?v=m2UsfGR6Kpk»

Que a Natureza parece imperfeita, isso parece; que seja satânica, não creio. Simplesmente não é suficientemente plena - não é perfeita. Tem coisas más, que nos parecem monstruosas, como também tem coisas boas. No todo, a sua beleza indica que nela há presença divina, porquanto a simples existência do belo em si não pode ser classificada como invenção diabólica senão através de uma qualificação gratuita e forçada, baseada no puro dogma de que há uma entidade apostada em enganar a humanidade para a desviar do brilho das Alturas supra-materiais.

29 de outubro de 2019 às 20:33:00 WET  

Publicar um comentário

<< Home